nbr 14023 1997 - registro de atividades de bombeiros

8.930 visualizações

Publicada em

nbr

Publicada em: Tecnologia

nbr 14023 1997 - registro de atividades de bombeiros

  1. 1. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143 Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA Copyright © 1997, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados DEZ 1997 NBR 14023 Registro de atividades de bombeiros Origem: Projeto 24:203.04-001:1997 CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio CE-24:202.04 - Comissão de Estudo de Controle Estatístico de Incêndio NBR 14023 - Standard for registration of fire service activities Descriptors: Fire. Fire statistic. Fire service activity Válida a partir de 29.01.1998 Palavras-chave: Incêndio. Estatística. Atividade de bombeiro 25 páginas Sumário Prefácio Introdução 1 Objetivo 2 Definições 3 Requisitos ANEXOS A Modelo de formulário para registro de atividades de bombeiros B Instruções para preenchimento do formulário C Plano tabular básico Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasilei-ros (CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos CB e ONS, circulam para Votação Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma inclui os anexos A, B e C, de caráter normativo. Introdução Esta Norma surgiu da necessidade de se padronizar os dados a serem coletados pelas organizações que se pro-ponham a coletar dados de trabalhos de bombeiros de uma forma sistemática, a fim de se obter informações de base comum. Esta Norma apenas inclui o mínimo a ser coletado, para obtenção de parâmetros de comparação. Diferentes orga-nizações podem identificar a necessidade de se obter informações adicionais para uma melhor análise e diag-nóstico de sua situação. Assim, esta Norma pretende garantir apenas as infor-mações mínimas a serem coletadas, ficando as organi-zações livres para agregar os dados que se fizerem ne-cessários, conforme seu julgamento. Esta Norma pretende prover uma base uniforme para coleta e comparação de dados de atividades operacionais de bombeiros e seu processamento estatístico a vários níveis, seja estadual, regional, nacional ou internacional, e que podem ser analisados pelo IBGE ou qualquer outro órgão encarregado de coleta e análise de dados. A coleta uniforme de dados permite o desenvolvimento de um banco de dados a ser gerado por um Sistema Na-cional de Coleta e Análise de Dados de Bombeiros, de tal forma abrangente que poderia fornecer informações para: a) revelar a extensão do prejuízo e dos problemas de emergências; b) indicar os problemas que requerem ações adi-cionais e pesquisa; c) acompanhar o desenvolvimento do tratamento médico de emergência; d) orientar ações de prevenção e proteção, manuseio de materiais perigosos etc.; e) orientar o desenvolvimento efetivo de códigos, regulamentações e normas. Cópia não autorizada
  2. 2. 2 NBR 14023:1997 A partir do Sistema Nacional de Coleta e Análise de Dados de Bombeiros, as entidades relatoras podem obter su-porte de seu órgão administrativo através da disponi-bilidade de dados confiáveis para o seu planejamento. Os aspectos operacionais que podem ser diretamente beneficiados por estas informações incluem: a)alocação apropriada de recursos humanos e materiais; b) avaliação do seu desempenho; c) redução das chamadas ao estritamente neces-sário; d) desenvolvimento de programas de treinamento; e) revisão de fatores de segurança no trabalho de bombeiros; f) critérios de localização de postos de bombeiros; g) desenvolvimento de procedimentos operacionais. Para usufruir dos benefícios de um Sistema Nacional de Coleta e Análise de Dados de Bombeiros, é essencial que o registro de dados mínimos, segundo os padrões estabelecidos por esta Norma, formem parte integrante dos procedimentos administrativos da organização/ entidade relatora. 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece um sistema para padroniza-ção do registro de dados dos trabalhos operacionais de bombeiros, contendo os dados mínimos necessários para o seu processamento apropriado por órgãos compe-tentes, para fins legais e estatísticos. 1.2 Esta Norma se aplica a todos os órgãos que realizam e registram as atividades desempenhadas por bombeiros, sejam estes federais, estaduais, municipais, mistos, pri-vados ou voluntários. 2 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições. 2.1 área atingida: Total, em metros quadrados, se área urbana, ou em hectares, se área rural, da área atingida diretamente pela ocorrência de incêndio; classifica-se em: a) área edificada: área do imóvel contido no interior da propriedade (local da ocorrência), considerando-se a soma das áreas de todos os pavimentos da edificação; b) área não edificada: área total da propriedade (local da ocorrência) (área do terreno), não abrangendo a área das edificações existentes. 2.2 área de preservação: Área delimitada, cujo interesse histórico, econômico ou ecológico importe em medidas necessárias à sua conservação e proteção especial. No caso de vegetação, pode ser área de cobertura vegetal nativa, reflorestamento e faixa marginal de rodovia. No caso de edificações, os imóveis tombados. 2.3 área total: Área da propriedade (local da ocorrência) considerada como um todo, abrangendo tanto a área atin-gida quanto a não atingida pelo incêndio. Da mesma for-ma como mencionado no item “área atingida”, deve ser discriminada a área edificada e a não edificada, em metros quadrados, se área urbana, ou em hectares, se área rural. 2.4 atendimento a vítimas: Termo genérico dado ao aten-dimento de vítimas de uma ocorrência pela Entidade Relatora, podendo ter sido ocasionado por problemas: a) cardíaco: qualquer alteração da estrutura ou do funcionamento do coração, não produzido por trauma; b) clínico: estado de saúde alterado, que não foi provocado por acidente de causas externas; c) choque: estado clínico caracterizado por fenôme-nos que surgem quando a descarga de sangue por parte do coração não é bastante para prover o ne-cessário enchimento das artérias, nem se encontra sob pressão suficiente para atingir órgãos e tecidos; d) coma: estado semelhante ao sono, caracterizado pela perda das atividades cerebrais superiores e conservação da respiração e circulação; e) convulsão: contrações, súbitas e involuntárias, dos músculos voluntários; f) evisceração: exposição de órgãos internos, em virtude de algum trauma que provoque a saída dos mesmos, parcialmente ou totalmente, para ambiente externo ao corpo; g) ferimento por arma de fogo: aquele de natureza perfurocontuso produzido por arma de fogo; h) ferimento por arma branca: aquele produzido por material cortante, corto-contuso ou perfurante; i) fratura: ruptura total ou parcial da estrutura óssea; j) hemorragia: derramamento de sangue para fora dos vasos que devem contê-lo; k) neurológico: problema apresentado por vítima que tenha sofrido trauma na cabeça ou medula espinhal, afetando diretamente seu sistema nervoso; l) obstétrico: relativo à realização de parto ou assis-tência à mulher que se encontre em trabalho de parto; m) psiquiátrico: estado mental patológico caracteri-zado por desvios, sobretudo caracterológicos, que acarretam comportamentos anti-sociais; n) queimadura: ferimento ou lesão no tecido de reves-timento do corpo, causada por agentes térmicos, químicos ou radioativos; o) respiratório: problema apresentado pela vítima que tem dificuldade em respirar; p) trauma de coluna: acidente sofrido por uma vítima que tenha afetado sua coluna vertebral; q) trauma de crânio: acidente sofrido por uma vítima que tenha afetado seu crânio. Cópia não autorizada
  3. 3. NBR 14023:1997 3 2.5 atendimento pré-hospitalar: Ação que se caracteriza pela prestação de primeiros-socorros a uma vítima e sua condução em veículo apropriado a estabelecimento de saúde de referência. 2.6 atividade de bombeiros: Ação realizada pelos bom-beiros, no seu atendimento às ocorrências, que se enqua-dra em quatro grandes grupos: Combate a Incêndio, Sal-vamento, Prevenção e Auxílio e Atendimento Pré-Hos-pitalar. 2.7 bombeiro profissional: Profissional treinado, com remuneração, capacitado a exercer todas as atividades de bombeiros; inclui: a) bombeiro estadual; b) bombeiro municipal; c) bombeiro privado. 2.8 bombeiro voluntário: Pessoa devidamente instruída e que, voluntariamente, esporadicamente ou não, exerce alguma atividade de bombeiro, sem remuneração, quan-do solicitada. 2.9 combate a incêndio: Ações desenvolvidas por bom-beiros com o objetivo de controlar e/ou extinguir o incên-dio. 2.10 engano: Alarme equivocado de ocorrência, im-plicando o deslocamento do bombeiro, sem que o mes-mo necessite atuar, por não se tratar de atividade de bom-beiro. 2.11 entidade relatora: Organização/corporação res-ponsável pelo preenchimento do formulário de registro de atividades de bombeiros. 2.12 incêndio em vegetação: Aquele ocorrido em um conjunto de plantas que cobre uma área, que pode ser dividida em área alterada ou área nativa e ser, ainda, classificada nos seguinte tipos: a) caatinga (área nativa): dominada por arvoretas e arbustos espinhosos que perdem as folhas na estação seca e por plantas suculentas como cactos, bromélias e gravatás e ervas que vivem apenas na estação chuvosa; b) campo (área nativa): coberta por vegetação rasteira herbácea com predominância de gramíneas, podendo ocorrer alguns indivíduos arbustivos; c) capoeira (área alterada): vegetação alterada com predominância de arbustos densos, resultante do processo de regeneração natural ou sucessão se-cundária da comunidade original; d) cerrado (área nativa): caracterizado pela presença de árvores baixas, tortuosas, de casca grossa, espalhadas sobre um estrato rasteiro, composto por gramíneas e arbustos finos. Áreas onde há predomí-nio visual de vegetação arbórea-arbustiva, formando um dossel (cobertura) bem desenvolvido, porém descontínuo; e) cultura agrícola (área alterada): área desmatada para plantio de espécies vegetais homogêneas com fins de alimentação ou utilização em indústrias, po-dendo ser rasteiras, arbustivas ou arbóreas, incluin-do a fruticultura; f) floresta plantada (área alterada): vegetação arbórea plantada, geralmente com indivíduos alinhados, apresentando forma regular. Podem cor-responder ao reflorestamento com espécies nativas ou exóticas; g) mata/floresta (área nativa): caracterizada pe-la presença de árvores altas (acima de 7,0 m) com as copas se tocando e estrato rasteiro ralo. Apresenta um dossel (cobertura) contínuo ou praticamente contínuo e cobertura arbórea de cerca de 70% a 100%; h) mato (área alterada): vegetação ruderal, predomi-nantemente rasteira, com elementos arbustivos, ocorrendo em áreas urbanas ou beira de estradas; i) pasto (área alterada): formações abertas, rasteiras constituídas de espécies de gramíneas e outras forrageiras nativas ou cultivadas. Trata-se de área dedicada à criação de gado, correspondendo, na maioria das vezes, à pecuária intensiva. 2.13 possível causa do incêndio: Causa que tem grande probabilidade de ter ocasionado o incêndio, indicada após uma análise do responsável pelo atendimento no local, podendo ser classificada em: a)acúmulo de material gorduroso (em chaminés, exaustores e similares); b) balão; c) brincadeira de criança; d) cigarro, isqueiro ou fósforo (fumante); e) curto-circuito (fenômeno termoelétrico); f) displicência ao cozinhar; g) ferro de passar roupa; h) fogos de artifício; i) ignição em óleo de fritadeira; j) ignição espontânea; k) líquidos inflamáveis; l) superaquecimento de equipamento; m) trabalho de soldagem; n) vazamento de gás; o) vela; p) outra. Cópia não autorizada
  4. 4. 4 NBR 14023:1997 2.14 prevenção e auxílio: Ações, não rotineiras, desen-volvidas por bombeiros com o objetivo de prevenir e/ou auxiliar pessoas e proteger bens em locais de risco ou onde se presume a possibilidade de ocorrência de risco. Ações desta natureza incluem, entre outros: a) abastecimento d’ água: medida eventual realizada para fornecer água a um local que a necessite com urgência; b) abertura de imóvel: atitude tomada no sentido de abrir um imóvel, a pedido de seu proprietário para a verificação de alguma condição de risco; c) atividade educacional: atividade desenvolvida com objetivo de orientação, treinamento e esclare-cimento ao público em geral, sobre acidentes de natureza diversa nas atividades características de bombeiros; d) captura/remoção de insetos: atividade desen-volvida no sentido de capturar/remover insetos, nor-malmente abelhas ou marimbondos que, em razão do local onde se encontram, provocam risco à integri-dade física ou à saúde das pessoas; e) corte/poda de árvore: atividade desenvolvida em caráter emergencial, quando a árvore proporcione risco à vida ou ao patrimônio, necessitando inter-venção do bombeiro; f) desfile/demonstração: exibição em parada cívico-militar ou eventos, de veículos e efetivo pertencentes à entidade relatora; g) esgotamento: retirada de todo o líquido de um local que o contém; h) lavagem de estabelecimento: atividade desen-volvida, sem caráter emergencial, objetivando a limpeza de um estabelecimento qualquer; i) lavagem de pista: atividade desenvolvida com intui-to de, com a utilização de água, eliminar possíveis detritos existentes em pistas, de modo que os mesmos não provoquem risco à integridade física ou à saúde das pessoas e danos aos veículos que por ela transitem; j) proteção a autoridades: execução de vigilância para resguardo da segurança de autoridades; k) proteção a banhistas: execução de vigilância preventiva em eventos, com solicitação específica, para resguardo da segurança de banhistas, realizado em praias, rios, lagos, represas e piscinas; l) proteção em local de concentração pública: execução de vigilância para resguardo da segurança de pessoas em geral, nos locais de reunião pública; m) reparo ou colocação de adriça: atividade de auxílio, não emergencial, executada pelo bombeiro, que consiste na colocação, troca ou reparo de adriça; n) transporte: condução de um local para outro de pessoas que não tenham condições de se deslocar por si mesmas com uso de transporte individual ou coletivo, bem como de objetos. Exemplo: transporte de imagens, autoridades, atletas, doentes ou debilitados fisicamente, féretro etc.; o) vazamento de GLP: fenômeno descontrolado de perda de gás liquefeito de petróleo, sem a ocorrência de fogo (incêndio); p) vazamento de outros produtos perigosos: vazamento de produto químico, exceto GLP, causan-do risco à vida ao patrimônio e/ou ao meio ambiente, sem a ocorrência de fogo (incêndio); q) vistoria técnico-operacional: vistoria realizada, durante serviço operacional, não administrativa, em local, a fim de avaliar a iminência de risco a pessoas ou bens, emitindo parecer e/ou acionando outros meios ou órgãos para atendimento específico. 2.15 recursos empregados: Aqueles de ordem humana e material, empregados na realização da atividade de bombeiro, divididos em veículos e efetivo, com a dis-criminação dos respectivos tipos e quantidades. 2.16 salvamento: Aquelas ações desenvolvidas por bombeiros com o objetivo de minimizar o sofrimento e diminuir as seqüelas às pessoas, visando reduzir o número de mortes causado por acidentes de naturezas diversas e minimizar danos ao patrimônio. A classificação em terrestre ou aquático se baseia no critério do local onde a vítima se encontra e não com base nos meios utilizados para a realização do salvamento (o terrestre abrange o salvamento em altura). Ações desta natureza incluem, entre outros: a) acidente com meio de transporte: aquele que envolve qualquer tipo de veículo, seja terrestre, aquático ou aéreo; b) afogamento: morte ou risco de morte por submer-são ou asfixia em meio líquido; c) alagamento: líquido acumulado (normalmente água) gerando situação que implique risco à vida ou ao patrimônio; d) desabamento/desmoronamento: queda de uma estrutura, ou parte de uma estrutura edificada, placas de propaganda, painéis, etc.; e) deslizamento (ou escorregamento): deslocamento de porção de terra ou de alguma construção ou objeto que esteja assentado sobre essa porção de terra. Exemplo: deslocamento de porção de terra de uma encosta de beira de estrada, deslocamento de uma residência que se localize em cima de um morro e deslocamento de um veículo que se encontre estacionado e devidamente freado no cume de uma montanha. A atividade de salvamento envolve, ainda, a classificação das atividades em: a) busca: tentativa de localizar pessoas, animais ou bens em locais onde, em razão do risco ou situação, seja necessário o emprego de pessoal e/ou material do Corpo de Bombeiros; Cópia não autorizada
  5. 5. NBR 14023:1997 5 b) resgate: recuperação de pessoas, animais ou bens que estejam retidos em determinado local e expostos a um risco, com emprego de pessoal e/ou material do Corpo de Bombeiros e, particularmente, no caso de pessoas, aplicando-lhes os primeiros-socorros e transportando-as para local adequado, se necessário. 2.17 sistemas de proteção contra incêndio: Dispositivos e sistemas instalados no local da ocorrência, utilizados para fins de detecção, alarme e combate ao fogo. 2.18 trote: Falso alarme de ocorrência, dado intencio-nalmente pelo solicitante, implicando o deslocamento do bombeiro, sem que o mesmo necessite atuar. 2.19 veículos empregados: Recurso material empregado na realização de atividades de bombeiro, classificado em: a) veículo aquático: aquele adequado para o empre-go em meio líquido (rios, lagos, mares, etc.) para a realização de prevenção, combate a incêndio e/ou salvamento aquático (barcos, lanchas, jet-ski, navios, botes etc.); b) veículo de atendimento pré-hospitalar: aquele de uso terrestre que se destina especificamente ao atendimento a vítimas, dotado de condições ade-quadas para a realização dos primeiros-socorros e sua condução ao estabelecimento de saúde de referência; c) veículo de incêndio: aquele de uso terrestre dotado de recursos necessários para o atendimento de ocorrências de incêndio, ou seja, com bomba e/ou tanque, além dos equipamentos hidráulicos indis-pensáveis; d) veículo de salvamento: aquele de uso terrestre dotado de recursos para o atendimento de ocor-rências de salvamento, que normalmente se caracte-riza por portar equipamentos para a realização de arrombamento, material de sapa, cabos, ferramentas, equipamentos de mergulho, barco e outros equi-pamentos necessários para talatividade; e) avião utilizado em qualquer atividade de bombeiro; f) helicóptero utilizado em qualquer atividade de bombeiro. 2.20 vítima: Toda pessoa que sofre ou sofreu uma lesão física, alteração orgânica ou patológica ou que se en-contre em local ou situação de risco iminente à sua in-tegridade física ou emocional, e que em qualquer dos casos acima necessite de socorro e/ou qualquer tipo de intervenção externa, podendo ser classificada em ilesa, ferida ou fatal: a) vítima fatal: aquela com lesões físicas que, em razão de sua natureza, causaram a sua morte; b) vítima ferida: aquela que sofreu lesões que ofen-deram sua integridade física, orgânica ou patológica, levando-a a necessitar de cuidados médicos; c) vítima ilesa: aquela que não sofreu lesão física, alteração orgânica ou patológica, embora estivesse em local ou situação de risco iminente à sua in-tegridade física ou emocional, e que necessitou de socorro e/ou qualquer tipo de intervenção externa. 3 Requisitos 3.1 Registro de atividades de bombeiros O documento “Registro de Atividades de Bombeiros” deve ser constituído dos dados mínimos a serem coletados nas missões peculiares de bombeiros, sejam estas de combate a incêndio, salvamento, de prevenção e auxílio ou atendimento pré-hospitalar (ver anexos A, B e C). 3.1.1 Os dados mínimos se distribuem nos seguintes blocos do registro: a) dados da entidade relatora; b) dados sobre o registro da ocorrência; c) dados sobre o local da ocorrência; d) dados sobre as atividades desenvolvidas na ocor-rência: 1) combate a incêndio; 2) salvamento; e 3) prevenção e auxílio; e) dados sobre as vítimas; f) dados sobre recursos empregados; g) histórico/resumo da ocorrência; h) dados complementares; i) dados sobre o responsável pelo preenchimento. 3.2 Dados mínimos do registro de atividades de bombeiros Os dados mínimos se dividem, basicamente, em dois tipos: a) aqueles que, devido à sua individualidade e exclu-sividade, devem ser preenchidos de forma escrita; b) aqueles que oferecem alternativas, das quais uma ou mais devem ser assinaladas, conforme o caso. 3.2.1 Dados da entidade relatora A identificação da entidade relatora deve ser composta por: a) nome da entidade relatora; b)endereço da entidade relatora (rua, número, complemento, bairro, CEP, município, UF e telefone); c) nome da corporação a que está subordinada, quando for o caso. Cópia não autorizada
  6. 6. 6 NBR 14023:1997 3.2.2 Dados sobre o registro da ocorrência O registro da ocorrência deve ser composto por: a) um sistema de registro numérico, em ordem cres-cente, das ocorrências atendidas pelos bombeiros, conforme critério determinado pela entidade relatora; b) número das folhas/do total de folhas utilizadas no registro; e c) tipo de situação encontrada no local ou inter-venção: 1) com intervenção; 2) sem intervenção, devido a engano, trote ou problema já solucionado. 3.2.3 Dados sobre o local da ocorrência A identificação da ocorrência deve ser composta por: a) data (dia/mês/ano) da ocorrência; b) horário (horas/minutos) da chamada para a ocorrência; c) horário (horas/minutos) de chegada ao local; d) horário (horas/minutos) de término das ati-vidades; e) meio utilizado para chamada dos bombeiros, que pode ser: 1) telefone 193; 2) linha direta; e 3) outro (deve ser especificado); f) local da ocorrência (endereço completo, inclusive com identificação da Unidade da Federação); g) nome do solicitante; h) telefone do solicitante; i) características do local da ocorrência, que pode ser: 1) residencial; 2) comercial; 3) industrial; 4) de ensino; 5) de saúde; 6) via pública urbana; 7) rodovia/estrada; 8) de lazer e/ou cultura; 9) de prestação de serviço; 10) terminal de passageiros; 11) terreno baldio; 12) agropecuário; 13) mata/floresta; 14) montanha; 15) mar; 16) rio; 17) lago; 18) outro (deve ser especificado); j) tipo de utilização da propriedade do local da ocorrência: 1) privada; 2) pública; ou 3) mista; k) área classificada como Área de Preservação? 1) sim; 2) não. 3.2.4 Dados sobre as atividades desenvolvidas na ocorrência 3.2.4.1 As atividades de bombeiros devem ser clas-sificadas, de acordo com sua predominância, em uma das abaixo listadas, o que não exclui o preenchimento de outros campos de atividades, se estas fizeram parte da mesma ocorrência: a) combate a incêndio; b) salvamento; c) prevenção e auxílio. 3.2.4.2 Além disso, as atividades listadas nas alíneas aci-ma podem incluir ou não a atividade de atendimento a vítimas. 3.2.5 Combate a incêndio 3.2.5.1 As atividades de combate a incêndio são sub-divididas em: a) edificações: 1) de alvenaria; 2) de concreto; 3) de madeira; 4) metálica; e 5) outro tipo de edificação (deve ser especificado); b) meio de transporte: 1) aeroviário; 2) aquático; 3) ferroviário/metroviário; 4) rodoviário; e Cópia não autorizada
  7. 7. NBR 14023:1997 7 5) outro tipo de meio de transporte (deve ser espe-cificado); c) vegetação: 1) capoeira (área alterada); 2) cultura agrícola (área alterada); 3) floresta plantada (área alterada); 4) mato (área alterada); 5) pasto (área alterada); 6) caatinga (área nativa); 7) campo (área nativa); 8) cerrado (área nativa); 9) mata/floresta (área nativa); e 10) outro tipo de vegetação (deve ser especifi-cado); d) outro tipo de incêndio (deve ser especificado). 3.2.5.2 Os seguintes sistemas de proteção contra incêndio existentes no local da ocorrência devem ser quantificados: a) extintor de incêndio; b) sistema de hidrantes; c) sistema de alarme manual; d) sistema de iluminação de emergência; e) sistema de chuveiros automáticos; f) sistema automático de detecção; g) saída de emergência; h) aceiro; i) torre de observação; e j) outro (deve ser especificado). 3.2.5.3 A área atingida e sua proporção em relação à área total do local da ocorrência deve ser obtida através dos seguintes dados: a) área edificada atingida, em metros quadrados; b) área total edificada, em metros quadrados; c) área não edificada atingida (em metros quadrados, se urbana, e hectares, se rural); d) área total não edificada (em metros quadrados, se urbana, e hectares, se rural). 3.2.5.4 A possível causa do incêndio deve ser classificada em: a) acúmulo de material gorduroso (em chaminés, exaustores e similares); b) balão; c) brincadeira de criança; d) cigarro, isqueiro ou fósforo (fumante); e) curto-circuito (fenômeno termoelétrico); f) displicência ao cozinhar; g) ferro de passar roupa; h) fogos de artifício; i) ignição em óleo de fritadeira; j) ignição espontânea; k) líquidos inflamáveis; l) superaquecimento de equipamento; m) trabalho de soldagem; n) vazamento de gás; o) vela; p) outra. 3.2.5.5 A previsão de realização de perícia de incêndio deve ser registrada da seguinte forma: a) realização de perícia (sim/não); e b) determinação do órgão responsável pela perícia (corpo de bombeiros; departamento da polícia técnica, entidade privada ou outro). 3.2.6 Salvamento 3.2.6.1 As atividades de salvamento são classificadas, segundo o local da ocorrência, em terrestres ou aquáticas. 3.2.6.2 Além disso, atividades de salvamento são discri-minadas como se segue: a) acidente com meio de transporte; b) afogamento; c) alagamento; d) desabamento/desmoronamento; e) deslizamento; e f) outro (deve ser especificado). Cópia não autorizada
  8. 8. 8 NBR 14023:1997 3.2.6.3 O salvamento inclui atividades de busca e resgate, que devem ser quantificadas. 3.2.6.4 A quantificação de buscas e resgates realizados durante o salvamento deve ser dada segundo a seguinte classificação: a) animal; b) cadáver; c) objeto; d) pessoa; e) veículo aeroviário; f) veículo aquático; g) veículo ferroviário; h) veículo rodoviário; e i) outro (deve ser especificado). 3.2.7 Prevenção e auxílio As atividades de prevenção e auxílio são classificadas como segue: a) abastecimento d’água; b) abertura de imóvel; c) atividade educacional; d) captura/remoção de insetos; e) corte/poda de árvore; f) desfile/demonstração; g) esgotamento; h) lavagem de pista; i) proteção em local de concentração pública; j) lavagem de estabelecimento; k) proteção a banhistas; l) proteção a autoridades; m) reparo ou colocação de adriça; n) transporte; o) vazamento de GLP; p) vazamento de outros produtos perigosos; q) vistoria técnico-operacional; r) outro (deve ser especificado). 3.2.8 Dados sobre as vítimas 3.2.8.1 As vítimas da ocorrência devem ser classificadas por: a) nome da vítima; b) se houve atendimento pré-hospitalar (sim/não); c) tipo de vítima: 1) não bombeiro; 2) bombeiro profissional; 3) bombeiro voluntário; d) sexo; e) idade (anos); f) nível de lesão: 1) ilesa; 2) ferida; 3) fatal; g) problemas encontrados: 1) cardíaco; 2) caso clínico; 3) choque; 4) coma; 5) convulsão; 6) evisceração; 7) ferimento por arma de fogo; 8) ferimento por arma branca; 9) fratura; 10) hemorragia; 11) neurológico; 12) obstétrico; 13) psiquiátrico; 14) queimadura; 15) respiratório; 16) trauma de coluna; 17) trauma de crânio; e 18) outro (deve ser especificado). 3.2.8.2 O número total de vítimas deve ser dado nas se-guintes categorias: a) vítimas ilesas; b) vítimas feridas; c) vítimas fatais. Cópia não autorizada
  9. 9. NBR 14023:1997 9 3.2.9 Dados sobre recursos empregados 3.2.9.1 Os veículos empregados no atendimento da ocor-rência devem ser quantificados e classificados em: a) tipo de veículo: 1) atendimento pré-hospitalar; 2) incêndio; 3) salvamento; 4) aquático; 5) avião; 6) helicóptero; e 7) outro (deve ser especificado); b) entidade a que pertence: 1) corpo de bombeiros; 2) polícia militar; 3) polícia rodoviária federal; 4) defesa civil; 5) outro; c) quantidade dos respectivos veículos empregados. 3.2.9.2 O efetivo empregado no atendimento da ocorrência deve ser quantificado e classificado em: a) bombeiro militar; b) bombeiro municipal; c) bombeiro privado; d) bombeiro voluntário; e) policial militar; f) policial rodoviário federal; g) outro (deve ser especificado). 3.2.10 Histórico/resumo da ocorrência Registrar, resumidamente, o histórico do incidente e dados não contemplados no registro e considerados importantes para a caracterização da ocorrência. 3.2.11 Dados complementares Registrar dados complementares de importância para compreensão. 3.2.12 Dados sobre o responsável pelo preenchimento Deve-se registrar as seguintes informações básicas do responsável pelo preenchimento do registro: a) nome; b) código de identificação; c) cargo/função; d) data do preenchimento; e) assinatura. /ANEXO A Cópia não autorizada
  10. 10. 10 NBR 14023:1997 Anexo A (normativo) Modelo de formulário para registro de atividades de bombeiros REGISTRO DE ATIVIDADES DE BOMBEIROS IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE RELATORA (Entidade Relatora) Situação (assinalar apenas uma) Com intervenção Sem intervenção Engano Trote Solucionado IDENTIFICAÇÃO DA OCORRÊNCIA Data Hora da Hora no local Hora de término Meio utilizado chamada Número do registro Número de folhas Tel. 193 Linha Direta Outro.................. Sistemas de proteção contra incêndio Tipos de sistemas existentes Extintor de incêndio Sistema de hidrantes Sistema de alarme manual Sistema de iluminação de emergência Sistema de chuveiros automáticos Sistema automático de detecção Saída de emergência Aceiro Torre de observação Outro ....................................... Endereço (Av., Rua, Nº, etc.): Complemento (Andar, Sala, etc.): CEP: Bairro: Município: UF: Solicitante: Tel.: - Característica do local da ocorrência Residencial De ensino Rodovia/estrada Terminal de passageiro Mata/floresta Rio Comercial De saúde De lazer e/ou cultura Terreno baldio Montanha Lago Industrial Via pública urbana De prestação de serviço Agropecuário Mar Outro.............. Tipo de utilização da propriedade Área de preservação Privada Pública Mista Sim Não TIPO DE ATIVIDADE COMBATE A INCÊNDIO Em edificações Em meio de transporte (qtde.) Em vegetação Alvenaria Aeroviário Área alterada Área nativa Concreto Ferroviário/metroviário Capoeira Caatinga Madeira Rodoviário Cultura agrícola Campo Metálica Outro tipo de meio de Floresta plantada Cerrado Outro tipo de edificação Mato Mata/floresta ........................................... ........................................ Pasto Outro tipo de incêndio ............................................................................ Outro tipo de vegetação ....................... Área atingida Haverá perícia? Edificada m2 Não edificada m2 (se urbana) Sim Não Não edificada ha (se rural) Área total Órgão responsável: Edificada m2 Não edificada m2 (se urbana) Corpo de Bombeiros Não edificada ha (se rural) Departamento de Polícia Técnica Entidade privada Outro Foi utilizado / LOGOTIPO DA ENTIDADE RELATORA transporte ................................. Cópia não autorizada
  11. 11. Cópia não autorizada NBR 14023:1997 11 Possível causa do incêndio Acúmulo de material Curto-circuito Ignição em óleo de fritadeira Trabalho de soldagem gorduroso Balão Displicência ao cozinhar Ignição espontânea Vazamento de gás Brincadeira de criança Ferro de passar roupa Líquidos inflamáveis Vela Cigarro, isqueiro ou fósforo Fogos de artifício Superaquecimento de Outra equipamento PREVENÇÃO E AUXÍLIO SALVAMENTO: Terrestre Aquático Discriminação Quantificação Discriminação Acidente com meio Busca Resgaste Abastecimento d'água Lavagem de estabelecimento Afogamento Abertura de imóvel Proteção a banhistas Alagamento Atividade educacional Proteção a autoridades Desabamento/ Corte/poda de árvore Reparo ou colocação de Pessoa Veículo aeroviário Veículo aquático Veículo ferroviário Veículo rodoviário Outro ................ ............................. adriça desmoronamento Deslizamento Desfile/demonstração Transporte Outro Esgotamento Vazamento de GLP .......................... Extermínio de insetos Vazamento de produtos Lavagem de pista Vistoria técnica operacional Proteção em local de Outro .................................. concentração pública ............................................. ATENDIMENTO A VÍTIMAS Nº NOME Atendimento Tipo Sexo Nível de lesão Problemas pré-hospitalar (ver Idade encontrados Sim Não legenda) M F Ilesa Ferida Fatal (ver legenda) LEGENDA DO BLOCO - ATENDIMENTO A VÍTIMAS de transporte Animal Cadáver Objeto ...................................................... Tipo PROBLEMAS ENCONTRADOS perigosos ............................. (1) Não bombeiro (1) Cardíaco (8) Ferimento por arma branca (15) Respiratório (2) Bombeiro profissional (2) Caso clínico (9) Fratura (16) Trauma de coluna (3) Bombeiro voluntário (3) Choque (10) Hemorragia (17) Trauma de crânio (4) Coma (11) Neurológico (18) Outro (5) Convulsão (12) Obstétrico .................................. (6) Evisceração (13) Psiquiátrico .................................. (7) Ferimento por arma de fogo (14) Queimadura .................................. 01 02 ...................................................... ............................. 03 ...................................................... ............................. 04 ...................................................... ............................. 05 ...................................................... .............................. 06 ...................................................... .............................. 07 ...................................................... .............................. 08 ...................................................... .............................. 09 ...................................................... .............................. 10 ...................................................... ............................
  12. 12. 12 NBR 14023:1997 TOTAL DE VÍTIMAS Ilesas Feridas Fatais RECURSOS EMPREGADOS VEÍCULOS EFETIVO Tipo Entidade/Quantidade Tipo Discriminação Quantidade Corpo de Polícia Polícia Defesa Outro Bombeiros Militar Rodoviária Civil Atendimento Bombeiro Militar pré-hospitalar Incêndio Bombeiro Municipal Salvamento Bombeiro Privado Aquático Bombeiro Voluntário Avião Policial Militar Helicóptero Polícia Rodoviária Federal Outro ............. Outro .................. HISTÓRICO - RESUMO DA OCORRÊNCIA DADOS COMPLEMENTARES RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO Nome: Cargo/função: Data do prenchimento Assinatura: Código de identiifcação /ANEXO B Federal Cópia não autorizada
  13. 13. Cópia não autorizada NBR 14023:1997 13 Anexo B (normativo) Instruções para preenchimento do formulário B.1 Bloco: Identificação da entidade relatora Este bloco possibilita a impressão prévia do logotipo e identificação/localização da entidade relatora; caso con-trário, tais dados devem ser descritos manualmente, de modo a individualizar a entidade relatora. B.1.1 Campo: Situação Assinalar uma e somente uma opção quando: Houver deslocamento e participação efetiva do órgão, assinalar - “COM INTERVENÇÃO”. Houver deslocamento, porém não houver participação efetiva do órgão, assinalar conforme o caso: a) Engano ao chegar no local - verificou-se que não se tratava de atividade de bombeiro. b) Trote ao chegar no local - observou-se que não havia qualquer tipo de evento. c) Solucionado ao chegar no local - a ocorrência já havia sido solucionada por terceiros. B.1.2 Campo: Número do registro Indicar o número do registro de atividade de bombeiros que possa ser identificado pela entidade relatora como único, correspondente ao despacho de viatura(s) para atendimento, ou ainda naquela situação em que uma bri-gada tenha que intervir em função de alguma ocorrência. Caso, após o atendimento da ocorrência, surja uma nova durante o regresso da viatura, que seja atendida, esta deverá ter novo número. No caso da utilização de mais de uma folha, o número do registro deverá ser repetido em todas elas.1) B.1.3 Campo: Número de folhas Indicar o número de folhas utilizadas para o registro da ocorrência. Separar o número parcial do número total de folhas utilizadas para registro. Exemplo: 01/10 (1a folha de 10 folhas que compõem o registro). B.2 Bloco: Identificação da ocorrência B.2.1 Campo: Data Indicar a data do início de trabalho de bombeiros no formato dia (de 01 a 31), mês (de 01 a 12) e ano (dois últimos dígitos do ano). Exemplo: 26 de março de 1996, indicar: |2|6|0|3|9|6|. B.2.2 Campo: Hora da chamada Indicar o horário2) em que a solicitação de atendimento foi feita, no formato hora (de 00 a 23) e minuto (01 a 59). Exemplo: 14 horas e 38 minutos, indicar: |1|4|3|8|. B.2.3 Campo: Hora no local Indicar o horário em que a primeira guarnição (equipe) chegou no local para atendimento, no formato hora (de 00 a 23) e minuto (01 a 59). Exemplo: a primeira guarnição chegou no local às 14 horas e 45 minutos, indicar: |1|4|4|5|. B.2.4 Campo: Hora de término Indicar o horário em que se encerrou o atendimento pela última guarnição (equipe) no formato hora (de 00 a 23) e minuto (01 a 59). Exemplo: 15 horas, indicar: |1|5|0|0| . B.2.5 Campo: Meio utilizado Assinalar com um “X” somente um meio pelo qual o solicitante acionou a entidade relatora. Caso seja “ou-tro” 3), especificar qual o meio empregado na linha pontilhada correspondente. B.2.6 Campo: Endereço (avenida, rua, número, etc.) Indicar o tipo de logradouro (avenida, rua, praça, etc.) e respectivo nome e número do local do atendimento. B.2.7 Campo: Complemento (andar, sala, etc.) Indicar o complemento do endereço (sala, andar, aptº etc.), se houver. B.2.8 Campo: CEP Indicar o código de endereçamento postal do local de atendimento. B.2.9 Campo: Bairro Indicar o bairro do local atendido. B 2.10 Campo: Município Indicar o município do local atendido. B.2.11 Campo: UF Indicar a sigla da Unidade da Federação (Estado ou Distrito Federal) do local do atendimento. Exemplo: Es-pírito Santo = ES. 1) Para cada ocorrência deverá ser preenchido um e somente um Registro, ou seja, cada ocorrência terá o seu respectivo número. 2) Esse horário deverá corresponder à hora em que tenha havido solicitação de atendimento em situação de emergência. Caso não seja atendimento emergencial, o horário a ser lançado neste campo é o da saída da primeira viatura (veículo) do quartel (local de saída) para o atendimento não emergencial. 3) Toda vez que ocorrer a expressão "outro(s)", especificar na linha pontilhada correspondente. Caso seja insuficiente, utilizar o espaço de "Dados complementares".
  14. 14. Cópia não autorizada 14 NBR 14023:1997 B.2.12 Campo: Solicitante Indicar o nome da pessoa física que efetuou a solicitação de atendimento. B.2.13 Campo: Tel Indicar o número do telefone do solicitante, sem o código DDD (Discagem Direta a Distância). B.2.14 Campo: Características do local da ocorrência Assinalar com “X” a característica predominante do local do atendimento. B.2.15 Campo: Área de preservação Indicar com “X” se o local da ocorrência é de preservação (reserva florestal, edificação tombada pelo patrimônio, etc.) ou não, conforme o caso. B.2.16 Campo: Tipo de utilização da propriedade Assinalar com “X”, conforme o caso, o tipo de utilização, da propriedade, predominante no local de atendimento. B.3 Bloco: Tipo de atividade Assinalar a quadrícula da atividade predominante que foi realizada no local, em função de seu fato gerador (incêndio, salvamento ou prevenção e auxílio). Exemplo: queda de avião seguida de explosão, com várias vítimas. Classificá-la como sendo ocorrência de Salvamento, cuja discriminação é Acidente em Meio de Transporte, quan-tificando no campo próprio as buscas e resgates efe-tuados4). B.4 Grupo: Incêndio Assinalar, inicialmente, a quadrícula que caracteriza e identifica a ocorrência como sendo de incêndio. B.4.1 Campo: Em edificações Assinalar somente o tipo de edificação predominante. B.4.2 Campo: Em meio de transporte (qtde) Preencher com a quantidade de veículos sinistrados, po-dendo ser mais de um tipo. B.4.3 Campo: Em vegetação Assinalar somente o tipo de vegetação predominante. B.4.4 Campo: Outro tipo de incêndio Assinalar a quadrícula quando o tipo de incêndio não se enquadrar nos anteriores e especificá-lo na linha ponti-lhada correspondente. B.4.5 Campo: Área atingida Edificada (m2): Assinalar a quadrícula e indicar, em se-guida, no campo próprio, em metros quadrados, em números inteiros, a área total da edificação atingida pelo fogo, fumaça ou pelo agente extintor, excluída a área não edificada (terreno). Não edificada (m2) (se urbana): Assinalar a quadrícula e indicar, em seguida, no campo próprio, em metros qua-drados, em números inteiros, a área não edificada, quando no perímetro urbano, que foi atingida pelo fogo, fumaça ou agente extintor, excluída a área edificada (prédio). Não edificada (ha) (se rural): Assinalar a quadrícula e in-dicar, em seguida, no campo próprio, em hectares (10 000 m2, aproximadamente 1 (um) campo de futebol), em números inteiros, a área não edificada, quando na área rural, que foi atingida pelo fogo, fumaça ou agente extintor, excluída a área edificada (prédio). B.4.6 Campo: Área total Edificada (m²): Assinalar a quadrícula e indicar, em seguida, no campo próprio, em metros quadrados, em números inteiros, a área total da edificação, excluída a área não edificada (terreno). Não edificada (m²) (se urbana): Assinalar a quadrícula e indicar, em seguida, no campo próprio, em metros quadrados, em números inteiros, a área total não edificada, quando no perímetro urbano, excluída a área edificada (prédio). Não edificada (ha) (se rural): Assinalar a quadrícula e in-dicar, em seguida, no campo próprio, em hectares (10 000 m², aproximadamente 1 (um) campo de futebol), em números inteiros, a área não edificada, quando na área rural, excluída a área edificada (prédio). B.4.7 Campo: Sistemas de proteção contra incêndio Tipos de sistemas existentes: Assinalar com “X” o tipo de sistema de proteção contra incêndio existente no local atingido pelo incêndio. Foi utilizado? SIM/NÃO: Assinalar com “X” se o respectivo sistema foi utilizado ou não. B.4.8 Campo: Possível causa do incêndio Assinalar com “X” a causa de maior possibilidade, que tenha originado a ocorrência de incêndio. B.4.9 Campo: Haverá perícia? Indicar se haverá ou não perícia de incêndio. No caso de dúvida, assinalar “NÃO”. B.4.10 Campo: Órgão responsável pela perícia Assinale o órgão que procederá a perícia de incêndio no caso do campo “Haverá perícia?” ter sido assinado com “SIM”. B.5 Grupo: Salvamento Assinalar, além da quadrícula que caracteriza e identifica a ocorrência como sendo de Salvamento, o tipo de meio onde foi realizado o salvamento, assinalando a quadrícula correspondente a Terrestre ou Aquático. 4) Os demais campos dos grandes grupos principais (Incêndio, Salvamento e Prevenção e Auxílio) também devem ser preenchidos, no caso de mais de uma atividade ter sido realizada no local. Exemplo: do exemplo acima, houve incêndio na aeronave (explosão), logo, os demais campos do bloco de incêndio também devem ser assinalados.
  15. 15. NBR 14023:1997 15 B.5.1 Campo: Discriminação Assinalar o evento que gerou a ocorrência de salva-mento, descartando os eventos secundários ou decor-rentes do principal. B.5.2 Campo: Quantificação Assinalar a quadrícula do que foi buscado ou resgatado com “X”, quantificando, respectivamente, em seguida, no campo próprio (de 00 a 99) tanto o que foi buscado, quanto o que foi resgatado. A convenção é a de que tudo aquilo que foi resgatado teve uma prévia busca. Logo, nas situações em que há resgate, desconsiderar a busca efetuada. Exemplo: Na situação em que uma guarnição (equipe) sai para procurar um cadáver, sem, contudo, encontrá-lo, deve ser assinalado e quantificado que foi feita a busca do cadáver. Na mesma situação, caso a guarnição (equipe) o encontre e o recupere, deve ser assinalado e quantificado apenas o resgate. B.6 Grupo: Prevenção e auxílio Assinalar, além da quadrícula que caracteriza e identifica a ocorrência como sendo de Prevenção e Auxílio, o mo-tivo que gerou atividade de Prevenção e/ou Auxílio por parte da entidade relatora, descartando os eventos se-cundários ou decorrentes do principal. B.7 Bloco: Atendimento a vítimas B.7.1 Campo: Nome Indicar, se possível, o nome completo da(s) vítima(s) aten-dida( s). B.7.2 Campo: Atendimento pré-hospitalar Sim/Não Assinalar “SIM” para as vítimas que receberam APH (Atendimento pré-hospitalar). Assinalar “NÃO” para as vítimas que não receberam APH. B.7.3 Campo: Tipo Indicar o tipo (de 1 a 3) de vítima (ver legenda). B.7.4 Campo: Sexo Indicar o sexo da vítima (“M” para masculino ou “F” para feminino). B.7.5 Campo: Idade Indicar a idade constatada ou presumida da vítima, em números inteiros de anos, utilizando-se dois dígitos. B.7.6 Campo: Nível de lesão Assinalar com “X” a respectiva quadrícula, indicando o nível da lesão da vítima. B.7.7 Campo: Problemas encontrados Indicar com o respectivo número da legenda, até cinco, os problemas encontrados ao atender a vítima (caso sejam mais de cinco itens, especificar os excedentes no campo “Dados Complementares”). B.7.8 Campo: Total de vítimas Indicar o número total de vítimas atendidas, de acordo com o nível de lesão. B.8 Bloco: Recursos empregados B.8.1 Campo: Tipo Indicar a quantidade de veículos empregados no atendimento, por tipo. No caso de veículos de múltiplo uso, ou seja, que atendam tanto incêndio quanto salva-mento e/ou outro tipo de atividade, classificá-los em função do principal tipo de atividade realizada. B.8.2 Campo: Entidade/quantidade Indicar a quantidade dos respectivos veículos emprega-dos no atendimento por tipo, de acordo com o órgão a que pertencem. B.8.3 Campo: Efetivo Assinalar nas quadrículas o tipo, quantificando, em se-guida, respectivamente, aqueles que participaram do evento. B.9 Bloco: Histórico/resumo da ocorrência Descrever sucintamente os dados de importância para se entender o atendimento, sem que se repitam as informa-ções já assinaladas. B.10 Bloco: Dados complementares Informar dados que são importantes, mas que não pos-suem campo específico ou suficiente para sua descrição. B.11 Bloco: Responsável pelo preenchimento B.11.1 Campo: Nome Indicar o nome completo do responsável pelo preenchi-mento do registro. B.11.2 Campo: Cargo/função Indicar o cargo/função do responsável pelo preenchi-mento do registro. B.11.3 Campo: Data do preenchimento Indicar a data do preenchimento do relatório no formato dia (de 01 a 31), mês (de 01 a 12) e ano (dois últimos dígitos do ano). B.11.4 Campo: Assinatura O responsável pelo preenchimento, conforme identificado nesse bloco, deve consignar sua assinatura. B.11.5 Campo: Código de identificação Indicar o código de identificação funcional do responsável pelo preenchimento do relatório (RG, RE, Cadastro, etc.). / ANEXO C Cópia não autorizada
  16. 16. 16 NBR 14023:1997 Anexo C (normativo) Plano tabular básico C.1 Objetivo Este anexo tem como objetivo padronizar o plano tabular básico para análise dos dados a serem divulgados em nível nacional e se constitui de 22 tabelas com cruza-mentos das informações mínimas obtidas através do regis-tro de atividades de bombeiros, baseadas no preenchi-mento dos dados mínimos apresentados no corpo prin-cipal e no anexo A. Tabela C.1 - Situação das ocorrências atendidas Número de atividades, por tipo Situação Combate a Salvamento Prevenção e Total incêndio auxílio Com intervenção: Sem intervenção: Engano Trote Solucionado Total Tabela C.2 - Total de atividades por mês Atividade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Combate a Incêndio Salvamento Prevenção e auxílio Total Tabela C.3 - Meio utilizado para chamada Meio utilizado para Tel. 193 Linha direta Outro Total chamada Combate a incêndio Salvamento Prevenção e auxílio Total Recomenda-se que cada unidade mínima responsável pelo registro de dados nas entidades relatoras (cada posto de bombeiros, por exemplo) se utilize deste Plano Tabular para realizar, periodicamente, um relatório de suas atividades, a fim de conhecer melhor o seu próprio campo de atuação, planejar melhor suas atividades, etc. Cópia não autorizada
  17. 17. Cópia não autorizada NBR 14023:1997 17 Tabela C.4 - Tipo de atividade por hora da chamada Atividade 00:01 02:01 04:01 06:01 08:01 10:01 12:01 14:01 16:01 18:01 20:01 22:01 por faixa de a a a a a a a a a a a a horário 02:00 04:00 06:00 08:00 10:00 12:00 14:00 16:00 18:00 20:00 22:00 24:00 Combate a incêndio Salvamento Prevenção e auxílio Total Tabela C.5 - Tempo resposta para chamadas de incêndio e salvamento Tempo resposta Número de incêndios Número de salvamentos Total Total Dia1) Noite2 ) Total Dia1) Noite2) Total Dia1) Noite2) Até 5 min Mais de 5 min até 10 min Mais de 10 min até 15 min Mais de 15 min até 20 min Mais de 20 min Total 1) Das 06:01 horas às 18:00 horas. 2) Das 18:01 horas às 06:00 horas. NOTA - Tempo resposta = (hora no local) - (hora da chamada). Tabela C.6 - Local por tipo de ocorrência Tipo de ocorrência Total Incêndio % Salvamento % Prevenção % % Característica do local da ocorrência Residencial Comercial Industrial De ensino De saúde De lazer e/ou cultura De prestação de serviço Terminal de passageiros Terreno baldio Via pública urbana Agropecuário Mata/floresta Montanha Rodovia/estrada Mar Rio Lago Outros Total
  18. 18. Cópia não autorizada 18 NBR 14023:1997 Tabela C.7 - Total de atividades por tipo de propriedade Tipo de ocorrência Propriedade % Propriedade % Propriedade % Total % privada pública mista Em edificações Em transportes Em vegetação Outros Aquático Terrestre Salvamento Prevenção e auxílio Total Tabela C.8 - Sistemas de proteção contra incêndio Número de ocorrências em que houve ou não a utilização de cada tipo de sistema Houve Não houve Tipos de sistemas de proteção Extintor de incêndio Sistema de hidrantes Sistema de alarme manual Sistema de iluminação de emergência Sistema de chuveiros automáticos Sistema automático de detecção Saída de emergência Outros Total Tabela C.9 - Incêndio em vegetação Incêndio em Área de Ocorrência por tipo de propriedade Total de vegetação preservação ocorrências Sim Não Privada Pública Mista Área alterada: Capoeira Cultura agrícola Floresta plantada Mato Pasto Área nativa: Caatinga Campo Cerrado Mata/floresta Outro tipo de vegetação Total em edificações Combate a incêndio
  19. 19. NBR 14023:1997 19 Tabela C.10 - Área atingida pelo incêndio em área urbana Local da ocorrência Área Área total Área atingida do local atingida m2 m2 % Residencial Comercial Industrial De ensino De saúde De lazer e/ou cultura De prestação de serviço Terminal de passageiros Terreno baldio Agropecuário Mata/floresta Montanha Outros Total Tabela C.11 - Área atingida por incêndio em vegetação e sistema de proteção utilizado Tipo de vegetação atingida do local Área Área Área Aceiro Torre de Outros Total atingida total atingida observação ha % ha Sim Não Sim Não Sim Não Sim Não Área alterada: Capoeira Cultura agrícola Floresta plantada Mato Pasto Área nativa: Caatinga Campo Cerrado Mata/floresta Outro tipo de vegetação Total Cópia não autorizada
  20. 20. Cópia não autorizada 20 NBR 14023:1997 Tabela C.12 - Possível causa do incêndio Possível causa do incêndio Número de ocorrências % do total Balão Fogos de artifício Curto-circuito (fenômeno termoelétrico) Superaquecimento de equipamento Displicência ao cozinhar Acúmulo de material gorduroso Ignição em óleo de fritadeira Ferro de passar roupa Vela Cigarro, isqueiro ou fósforo (fumante) Líquidos inflamáveis Trabalho de soldagem Ignição espontânea Brincadeira de criança Vazamento de gás Outra Total de ocorrências 100 Número de ocorrências com perícia prevista Tabela C.13 - Ocorrências de salvamento Discriminação Total % Acidente com meio de transporte Afogamento Alagamento Desabamento/Desmonoramento Deslizamento Outro Total 100 Tabela C.14 - Quantificação de buscas e resgates Salvamento Número de % Número de % Total % buscas resgates Animal Cadáver Objeto Pessoa Veículo aeroviário Veículo aquático Veículo ferroviário Veículo rodoviário Outro Total
  21. 21. NBR 14023:1997 21 Tabela C.15 - Ocorrências de prevenção e auxílio Número de Média do Média do ocorrências tempo tempo gasto1) resposta2) Prevenção e auxílio Abastecimento d'água Abertura de imóvel Atividade educacional Captura/remoção de insetos Corte/poda de árvore Desfile/demonstração Esgotamento Lavagem de estabelecimento Lavagem de pista Proteção a a autoridades Proteção a banhistas Proteção em local de concentração pública Reparo ou colocação de adriça Transporte Vazamento de GLP Vazamento de outros produtos perigosos Vistoria técnico-operacional Outros Total 1) Tempo gasto = (hora de término) - (hora no local). 2) Tempo resposta = (hora no local) - (hora da chamada). Tabela C.16- Atendimento a vítimas Sem atendimento Com pré-hospitalar atendimento Vítimas Total pré-hospitalar Idade Ilesa Ferida Fatal Ilesa Ferida (anos) M F M F M F M F M F M F 0 a 6 7 a 9 10 a 14 15 a 17 18 a 39 40 a 59 Mais de 60 Total M = Sexo masculino. F = Sexo feminino. de vítimas Cópia não autorizada
  22. 22. Cópia não autorizada 22 NBR 14023:1997 Legenda de "Problemas encontrados" a ser utilizada nas tabelas C.17 a C.20: 1) cardíaco 10) hemorragia 2) caso clínico 11) neurológico 3) choque 12) obstétrico 4) coma 13) psiquiátrico 5) convulsão 14) queimadura 6) evisceração 15) respiratório 7) ferimento por arma de fogo 16) trauma de coluna 8) ferimento por arma branca 17) trauma de crânio 9) fratura 18) outros Tabela C.17 - Vítimas em ocorrência de incêndio, não-bombeiros, por problema encontrado e nível de lesão Faixa etária 0 a 6 anos 7 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 17 anos 18 a 39 anos 40 a 59 anos Mais de 60 anos Total Problemas encontrados Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Subtotal Total
  23. 23. NBR 14023:1997 23 Tabela C.18 - Vítimas em ocorrência de salvamento, não-bombeiros, por problema encontrado e nível de lesão encontrados Tabela C.19 - Vítimas em ocorrência de incêndio, bombeiros, por problema encontrado e nível de lesão Faixa etária Problemas 18 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos Total encontrados por Total Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal sexo M F M F M F M F M F M F M F 1 2 3 4 5 6 7 8 Faixa etária Problemas 0 a 6 anos 7 a 9 anos 10 a 14 anos 15 a 17 anos 18 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos Total Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F M F 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Subtotal Total Cópia não autorizada
  24. 24. 24 NBR 14023:1997 Faixa etária Problemas 18 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos Total por Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal sexo M F M F M F M F M F M F M F 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Subtotal Total Tabela C.20 - Vítimas em ocorrência de salvamento, bombeiros, por problema encontrado e nível de lesão Faixa etária 18 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos Total por Ferida Fatal Ferida Fatal Ferida Fatal sexo M F M F M F M F M F M F M F 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Subtotal Total Tabela C.19 (conclusão) encontrados Problemas encontrados Total Total Cópia não autorizada
  25. 25. Cópia não autorizada NBR 14023:1997 25 Tabela C.21- Vítimas empregados em ocorrências (média por tipo) Tipo Corpo de Polícia Polícia Defesa Outro Total Bombeiros Militar Rodoviária Civil Federal Pré-hospitalar Incêndio Salvamento Aquático Avião Helicóptero Outro Total Tabela C.22 - Efetivo empregado em ocorrências (média por atividade) Tipo de efetivo Combate a Salvamento Prevenção e Total incêndio auxílio Bombeiro militar Bombeiro municipal Bombeiro privado Bombeiro voluntário Policial militar Polícia rodoviário federal Outro Total

×