Monografia do curso de Design Instrucional para EaD Virtual - UNIFEI 2011

787 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Monografia do curso de Design Instrucional para EaD Virtual - UNIFEI 2011

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ JEANNE LOUIZE EMYGDIO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO “O SOFTWARE LIVRE COMO INSTRUMENTO DE APOIO À EDUCAÇÃO” Santa Rita de Caldas – MG 2011
  2. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ JEANNE LOUIZE EMYGDIO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO “O SOFTWARE LIVRE COMO INSTRUMENTO DE APOIO À EDUCAÇÃO” Monografia submetida à banca examinadora do curso de pós- graduação lato sensu em Design Instrucional para EaD Virtual como requisito para obtenção do título de Especialista em Design Instrucional. Orientador(a): Prof. Dr. Fabiano Leal. Santa Rita de Caldas – MG 2011
  3. 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ JEANNE LOUIZE EMYGDIO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO “O SOFTWARE LIVRE COMO INSTRUMENTO DE APOIO À EDUCAÇÃO” Monografia aprovada por banca examinadora em 19 de Novembro de 2011 . Banca Examinadora: Prof. Dr. Fabiano Leal Prof. Dr. Luiz Lenarth Gabriel Vermaas Prof. Dr. Luiz Eugênio Veneziani Pasin Santa Rita de Caldas – MG 2011
  4. 4. DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus amados pais, Adair Souza Emygdio e Edair Márcio Emygdio pelo compromisso assumido como meus primeiros educadores e grandes incentivadores para valiosas conquistas morais e intelectuais nessa jornada terrena. “Obrigada” é uma palavra simples demais para expressar minha gratidão eterna a vocês.
  5. 5. AGRADECIMENTOS A Deus, essa força incondicional que nos sustenta nos momentos mais difíceis lembrando-nos que nunca estamos sozinhos; que trazemos em nós todas as potências necessárias à nossa evolução e que nenhum dos nossos fardos é realmente insustentável. À minha “familinha” pelo apoio incansável e amoroso em todos os momentos. Aos amigos que conquistei no Pólo de Santa Rita de Cássia, especialmente a companheira de várias noites de estudos e de discussões filosóficas – Patrícia; a companheira de boas risadas e importantes projetos futuros – Hellen e o incentivador dedicado e atencioso Thieny. Aos demais companheiros da turma com os quais interagi e aprendi muito. Espero reencontrá-los pela vida. As queridas tutoras Audréia e Maristela pela atenção infinita e o carinho com que me atenderam ao longo do curso. Isso fez toda a diferença. Ao professor José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior: “Foi inspirador observar o Designer Instrucional através dos teus “poemas educacionais”. Obrigada. A Educação está carente de profissionais como o Senhor. Ao Prof. Dr. Fabiano Leal pela orientação na elaboração desta monografia.
  6. 6. "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa
  7. 7. RESUMO Este documento apresenta as experiências obtidas pela aluna do curso de Design Instrucional para Ensino à Distância - EaD Virtual da Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI, em torno do planejamento do curso “O Software Livre como instrumento de apoio à Educação” utilizando o Ambiente Virtual de Aprendizagem - AVA TelEduc onde foi possível aplicar todos os conceitos e recursos aprendidos durante o curso. A justificativa para o tema proposto baseia-se na demanda atual de aplicabilidade inteligente de tecnologias da informação como auxílio às práticas pedagógicas voltadas a EaD visando suprir com qualidade e a preços praticáveis, um mercado em franca expansão. O conteúdo do curso abrange o conhecimento de Ambientes Virtuais Livres de Aprendizagem, reflexões sobre as práticas educacionais atuais e a aplicação da informática como instrumento de apoio à prática pedagógica em uma evolução histórica; conhecimento das ferramentas livres aplicáveis à prática pedagógica e do entorno do Movimento de Software Livre. A carga horária prevista para o curso é de 45 horas distribuídas ao longo de 26 dias, totalizando 7 aulas à distância e 1 presencial. O conteúdo será apresentado em artigos, documentos, links de páginas WEB, Vídeos do Youtube e animações. Todos adaptados para PNE’s. As atividades propostas englobam leituras; palavras cruzadas; formulários diagnósticos; fóruns coletivos; sessões de bate-papo; campo minado; exercícios individuais, em grupo e em duplas; pesquisas e elaboração de trabalho em grupo. As avaliações previstas englobam as diagnósticas, formativas e somativas. Serão aplicadas através de pré-testes, questionários, resumos, exercícios e textos dissertativos. Os critérios de aprovação compreendem: média igual ou superior a 70 pontos sendo 40% das atividades à distância e 60% das atividades do encontro presencial. Haverá avaliação das interações técnicas e afetivas à distância e do relacionamento interpessoal durante o encontro presencial correspondendo a 30% da pontuação a ser atribuída presencialmente. Palavras-chave: Design Instrucional, EaD Virtual, Software Livre.
  8. 8. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1.1 – Storyboard da Aula 1…………………………………………………35 Figura 1.2 – Storyboard da Aula 2…………………………………………………36 Figura 1.3 – Storyboard da Aula 3…………………………………………………37 Figura 1.4 – Storyboard da Aula 4…………………………………………………38 Figura 1.5 – Storyboard da Aula 5…………………………………………………39 Figura 1.6 – Storyboard da Aula 6…………………………………………………40
  9. 9. LISTA DE QUADROS Quadro 1.1 - Cronograma das Atividades para Implantação do Curso “O Software Livre como instrumento de apoio à Educação” ..................................................23 Quadro 1.2 – Composição do custo total do curso “O Software Livre como instrumento de apoio à Educação”.....................................................................24 Quadro 1.3a – Mapa de Atividades...........................................................................28 Quadro 1.3b – Mapa de Atividades...........................................................................29 Quadro 1.3c – Mapa de Atividades ...........................................................................30 Quadro 1.3d – Mapa de Atividades...........................................................................31 Quadro 1.3e – Mapa de Atividades...........................................................................32 Quadro 1.4 – Matriz de Design Instrucional da Atividade 6.......................................33 Quadro 1.5 – Matriz de Design Instrucional da Atividade 18.....................................34 Quadro 2.1 – Análise de equilíbrio do Mapa de Atividades.......................................45
  10. 10. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS APL Arranjo Produtivo Local AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem BITEC Bolsa de apoio ao Desenvolvimento Tecnológico às Micro e Pequenas Empresas CP&D Centro de Pesquisa e Desenvolvimento DI Designer Instrucional DOC Extensão de arquivos do Microsoft Word EaD Ensino à Distância IEL Instituto Euvaldo Lodi FAPEMIG Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de Minas Gerais FIEMG Federação das Indústrias de Minas Gerais GNUTECA Sistema de Gestão de Acervos em Software Livre HTML Extensão de arquivos de Linguagem de Marcação de Hipertexto PNEs Pessoas com necessidades especiais PPT Extensão de arquivos do Microsoft PowerPoint SL/CA Software Livre/Código Aberto XLS Extensão de arquivos do Microsoft Excel
  11. 11. SUMÁRIO INTRODUÇÃO..........................................................................................................12 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO E DO DESIGN INSTRUCIONAL .....................15 1.1 DADOS GERAIS DO PROJETO..........................................................15 1.2 DADOS ESPECÍFICOS DO PROJETO ...............................................17 1.3 RECURSOS DE DESIGN INSTRUCIONAL VIRTUAL DO CURSO ....25 2 ANÁLISE DO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO.......................................41 2.1 PLANEJAMENTO ................................................................................41 2.2 RECURSOS DE DESIGN ....................................................................44 2.3 DIFERENCIAIS E RISCOS ..................................................................45 CONSIDERAÇÕES FINAIS......................................................................................47 REFERÊNCIAS.........................................................................................................51
  12. 12. 12 INTRODUÇÃO Este documento apresenta as experiências obtidas pela aluna do curso de Design Instrucional para EaD Virtual da UNIFEI, em torno do planejamento de um curso completo utilizando todos os conceitos e recursos aprendidos durante o curso. O tema proposto para o desenvolvimento deste projeto é “O Software Livre como ferramenta de apoio à educação”. Sua escolha apoiou-se na percepção de grandes mudanças atualmente ocorridas na área educacional e a possibilidade de relacionar estas mudanças a um movimento de transformação importante que paralelamente vem ocorrendo na área de Engenharia de Software. Tal movimento visa garantir, entre várias opções, maior liberdade de uso de recursos tecnológicos de forma livre (sem pagamentos de royalties ao exterior) produzidos por comunidades de pessoas integralmente empenhadas em oportunizar através de suas criações, espaço amplo para a aplicação criativa da tecnologia nas várias áreas do saber. Atualmente é possível perceber os desafios propostos à Educação neste período revolucionário de transformações para o estabelecimento da Sociedade da Informação, que exigem dos educadores uma também revolucionária atuação, através do uso dos recursos tecnológicos em evidência, para a formação de novas potencialidades que auxiliem a sobrevivência e interação construtiva do homem em uma sociedade onde o poder dominante irá se concentrar no conhecimento. Em meio a esta revolução global, presencia-se um momento histórico no que se refere à indústria de software: o surgimento do Software Livre. Apresentando características peculiares e inovadoras tanto no processo de desenvolvimento quanto de distribuição, tem provocado uma (também) revolução na indústria, onde os padrões de apropriabilidade de softwares estão ameaçados, favorecendo a grande maioria dos usuários, sejam eles comércio, instituições financeiras, instituições de ensino, o governo, a própria indústria e por fim “todos os cidadãos comuns”. O objetivo geral deste curso é apresentar uma introdução aos principais aspectos relativos à Produção de Software Livre/Código Aberto (SL/CA), e, através da análise profunda das duas situações citadas acima buscar orientar os educadores a respeito da viabilidade e aplicabilidade do Software Livre como
  13. 13. 13 instrumento para a Informática na Educação e em uma visão ampla, como instrumento de inclusão social/digital e de promoção da cidadania. Desta forma, os objetivos específicos deste curso são: a) Possibilitar aos educandos o desenvolvimento de um pensamento crítico em relação ao Software Livre e conhecimento das soluções educacionais disponíveis neste contexto que enriqueçam as atividades educacionais. Possibilidades de inovação nas metodologias de ensino-aprendizagem através da incorporação da tecnologia da informação e comunicação; b) Apresentar aos educandos os desafios da educação na sociedade contemporânea e a aplicação da informática como ferramenta de apoio imprescindível à realização de iniciativas educacionais inclusivas; c) Apresentar aos educandos o fenômeno do Software Livre no Brasil e no Mundo e as consequências do surgimento deste modelo de desenvolvimento de software para a produção de tecnologias aderentes às atividades educacionais a um baixo custo e com uma excelente qualidade; d) Oportunizar ao educando o conhecimento prático de ferramentas livres para aplicação em diversas atividades na área educacional, capacitando- o a selecionar aquelas mais adequadas à sua realidade; e) Disseminar a cultura do Software Livre no âmbito educacional visando ainda a atuação livre destes profissionais dentro do Movimento de Software Livre nacional; f) Experimentar a aplicação de cursos na modalidade EaD aplicando todos os conhecimentos adquiridos ao longo do curso de Especialização em Design Instrucional para EaD Virtual da UNIFEI. O texto que segue possui a seguinte estrutura: No Capítulo 1, Apresentação do Curso e do Design Instrucional, o objetivo é apresentar os dados gerais e específicos do projeto, as justificativas para sua concepção e realização, o Design Instrucional detalhado do curso, incluindo os
  14. 14. 14 recursos de design que o sustentam e finalmente o orçamento e cronograma de execução. No Capítulo 2, Análise do Design Instrucional do curso, o objetivo é apresentar uma analise teoricamente embasada de todo o planejamento do curso de forma a justificar a teoria pedagógica escolhida para o curso; metodologias aplicadas; atividades e avaliações previstas, tecnologias selecionadas; composição dos recursos de Design Instrucional e por fim os diferenciais e riscos que viabilizam a realização do projeto. Finalmente, as conclusões recuperam as questões encontradas ao longo do trabalho.
  15. 15. 15 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO E DO DESIGN INSTRUCIONAL 1.1 DADOS GERAIS DO PROJETO Este projeto foi elaborado para uma instituição de ensino fictícia denominada nesta monografia como Universidade Virtual do Vale da Eletrônica - UNIVALE, concebida como um estabelecimento particular, de ensino superior, mantido pela Fundação Fictícia Vale Livre, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos com sede e foro em Santa Rita do Sapucaí, sendo regida por seu Regimento Interno e pela Legislação do Ensino Superior. Fundada em 15 de janeiro de 1970 a partir do esforço conjunto de um grupo de professores e da comunidade local, oferece cursos de graduação, pós-graduação e extensão nas áreas de Administração, Informática e Educação. Possui por filosofia a formação de profissionais através de programas educacionais que atendam às evoluções tecnológicas e às exigências do mercado, apoiando, com a prestação de serviços, o processo de desenvolvimento das organizações e da sociedade. A Instituição incentiva a pesquisa através da execução de projetos científicos e tecnológicos, concessão de bolsas especiais, programa de iniciação científica, formação de pessoal pós-graduado, promoção de congressos e seminários, intercâmbio com outras instituições de ensino e pesquisa, e de fomento às pesquisas científicas, divulgação dos resultados das pesquisas realizadas e outros meios ao seu alcance. Para sustentação das atividades de pesquisa a UNIVALE possui um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento – CP&D que objetiva: pesquisar, desenvolver e comercializar produtos e serviços, utilizando-se da mão-de-obra formada por ela, e membros dos seus corpos docente e discente, sendo responsável também pela coordenação das atividades de iniciação científica institucional, desenvolvidas sob o patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), e as dos participantes do Programa Bolsa de apoio ao Desenvolvimento Tecnológico às Micro e Pequenas Empresas (BITEC), do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), integrante da Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG).
  16. 16. 16 O CP&D, com seus laboratórios e os recursos humanos alocados em projetos técnico-científicos, constitui-se num importante recurso que a Instituição coloca a serviço da qualidade do ensino por ela ministrado e do Arranjo Produtivo Local (APL) eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí (Pereira e Carvalho, 2004). O projeto “O Software Livre como ferramenta de apoio à educação” - será desenvolvido no CP&D como um projeto de pesquisa piloto, visando favorecer a familiarização com a modalidade de ensino à distância e com toda a infraestrutura tecnológica necessária à sustentação de cursos neste modelo, para posterior aplicação em todos os oferecidos pela instituição. A UNIVALE detecta nesta modalidade de ensino uma possibilidade de ampliar o espaço de interlocução com os alunos/empresas particularmente no campo da educação, dirigindo suas funções acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão para o atendimento das demandas regionais atuais por meio de mídias que enriqueçam as metodologias de ensino- aprendizagem, sustentadas por programas de ensino sólidos e de qualidade. O projeto será custeado pela UNIVALE e deverá utilizar seus recursos tecnológicos e estruturais, além da competência do CP&D - alicerçada na qualificação, no conhecimento e na experiência de uma equipe de profissionais constituída por professores, pesquisadores, analistas, consultores e técnicos especializados - para sua condução e realização. Existem 1 Design Instrucional formado e uma em formação em atuação na UNIVALE; um dos quais deverá ser alocado para o projeto. Os tutores serão selecionados a partir de edital de recrutamento e seleção. A equipe técnica de informática da UNIVALE prestará o suporte técnico ao projeto e aos futuros alunos. A infraestrutura física à disposição para realização do projeto constitui-se de: a) Salas de aula Todas equipadas com bancada para o professor, projetor multimídia no teto, tela de projeção, quadro branco e ventiladores. Possuem área física em torno de 70m2 com capacidade média de acomodação de 50 alunos por sala. Há acessos por rampas na entrada da instituição e em todos os prédios do campus visando proporcionar maior acessibilidade aos portadores de necessidades especiais.
  17. 17. 17 b) Laboratórios Existem 7 laboratórios de informática, equipados com um total de 12 a 60 computadores periodicamente renovados visando acompanhar atualizações tecnológicas que garantam performance ideal. Todos os computadores são conectados em rede e com acesso a internet. São compatíveis com os Sistemas Operacionais Windows e GNU/Linux, além de possuírem também instalada a Ferramenta de apoio a deficientes visuais: Virtual Vision. Um dos laboratórios é de Touch Screen. Em cada laboratório estão disponíveis para uso: projetor multimídia, tela e quadro branco. c) Biblioteca A biblioteca Anna Maria Rigonetto se encontra instalada em uma área de 300m² no total, subdividindo-se em 249m² para área destinada ao acervo e 51m² para salas de estudos sendo: 20m² para estudo individual e duas salas para estudo em grupo uma de 19m² e outra de 12m². Há amplo acervo técnico disponível para consulta via internet ou local, incluindo acervo Braille e Catálogo online baseado no GNUTECA – Sistema de Gestão de Acervos em Software Livre que permite a reserva e renovação de obras via internet. 1.2 DADOS ESPECÍFICOS DO PROJETO O tema proposto para o desenvolvimento deste projeto é “O Software Livre como ferramenta de apoio à educação”. Sua escolha apoiou-se na percepção de grandes mudanças atualmente ocorridas na área educacional e a possibilidade de relacionar estas mudanças a um movimento de transformação importante que paralelamente vem ocorrendo na área de Engenharia de Software. Tal movimento visa garantir, entre várias opções, maior liberdade de uso de recursos tecnológicos de forma livre (sem pagamentos de royalties ao exterior) produzidos por comunidades de pessoas integralmente empenhadas em oportunizar através de suas criações, espaço amplo para a aplicação criativa da tecnologia nas várias áreas do saber. Atualmente é possível perceber os desafios propostos à Educação neste período revolucionário de transformações para o estabelecimento da Sociedade da
  18. 18. 18 Informação, que exigem dos educadores uma também revolucionária atuação, através do uso dos recursos tecnológicos em evidência, para a formação de novas potencialidades que auxiliem a sobrevivência e interação construtiva do homem em uma sociedade onde o poder dominante irá se concentrar no conhecimento. Em meio a esta revolução global, presencia-se um momento histórico no que se refere à indústria de software: o surgimento do Software Livre. Apresentando características peculiares e inovadoras tanto no processo de desenvolvimento quanto de distribuição, tem provocado uma (também) revolução na indústria, onde os padrões de apropriabilidade de softwares estão ameaçados, favorecendo a grande maioria dos usuários, sejam eles comércio, instituições financeiras, instituições de ensino, o governo, a própria indústria e por fim “todos os cidadãos comuns”. O objetivo geral deste curso é apresentar uma introdução aos principais aspectos relativos à Produção de Software Livre/Código Aberto (SL/CA), e, através da análise profunda das duas situações citadas acima buscar orientar os educadores a respeito da viabilidade e aplicabilidade do Software Livre como instrumento para a Informática na Educação e em uma visão ampla, como instrumento de inclusão social/digital e de promoção da cidadania. Desta forma, os objetivos gerais deste curso são: a) Possibilitar aos educandos o desenvolvimento de um pensamento crítico em relação ao Software Livre e conhecimento das soluções educacionais disponíveis neste contexto que enriqueçam as atividades educacionais. Possibilidades de inovação nas metodologias de ensino- aprendizagem através da incorporação da tecnologia da informação e comunicação; b) Apresentar aos educandos os desafios da educação na sociedade contemporânea e a aplicação da informática como ferramenta de apoio imprescindível à realização de iniciativas educacionais inclusivas; c) Apresentar aos educandos o fenômeno do Software Livre no Brasil e no Mundo e as consequências do surgimento deste modelo de desenvolvimento de software para a produção de tecnologias aderentes às atividades educacionais a um baixo custo e com uma excelente qualidade;
  19. 19. 19 d) Oportunizar ao educando o conhecimento prático de ferramentas livres para aplicação em diversas atividades na área educacional, capacitando-o a selecionar aquelas mais adequadas à sua realidade; e) Disseminar a cultura do Software Livre no âmbito educacional visando ainda a atuação livre destes profissionais dentro do Movimento de Software Livre nacional; f) Experimentar a aplicação de cursos na modalidade EaD aplicando todos os conhecimentos adquiridos ao longo do curso de Especialização em Design Instrucional para EaD Virtual da UNIFEI. O público alvo deste curso é composto por professores da rede particular de ensino superior, com formação nos níveis de graduação, especialização, mestrado e/ou doutorado nas áreas de Gestão, informática e educação. Os professores possuem visão educacional, fluência em mais de uma língua (inglês ou espanhol), idade entre 25 e 55 anos, hábito de leitura e estudos, disponibilidade de tempo para realização das atividades propostas e interação com os demais participantes. O nível de fluência tecnológica deste público reflete sua atuação prática utilizando as ferramentas disponibilizadas pela UNIVALE, onde são atuantes. Os professores das áreas de Gestão e Informática apresentam maior desenvoltura na utilização de AVAs (Moodle e TelEduc), Internet e Ferramentas de escritório. Os professores da área de Informática são avançados na utilização de tecnologias da informação e comunicação. Os professores da área de Pedagogia vêm apresentando amadurecimento progressivo. De forma geral todos possuem conhecimentos básicos de informática, internet com banda larga, conta de e_mail e computador em casa. Todas as características pessoais e técnicas supracitadas tiveram por objetivo apresentar este grupo de profissionais que constituirá a primeira turma do curso, não sendo no entanto pré-requisitos para futuros ingressantes. O interesse deste público no curso reside no desejo de ampliar possibilidades de atuação educacional utilizando novas tecnologias e paradigmas educacionais, contribuindo para atingir os objetivos previstos no Plano de Desenvolvimento Institucional vigente, contribuindo de forma inovadora para a formação educacional.
  20. 20. 20 A primeira turma será composta de professores residentes nas cidades mineiras de Itajubá, Santa Rita do Sapucaí e Pouso Alegre. Nenhum destes professores é portador de necessidades especiais, porém o curso será projetado para aplicação também a este público. Para as turmas posteriores não haverá restrição quanto à localização geográfica. A sede dos encontros presenciais, para todas as turmas será a UNIVALE. O conteúdo do curso abrange o conhecimento de Ambientes Virtuais Livres de Aprendizagem, reflexões sobre as práticas educacionais atuais e a aplicação da informática como instrumento de apoio à prática pedagógica em uma evolução histórica; conhecimento das ferramentas livres aplicáveis à prática pedagógica e do entorno do Movimento de Software Livre. Os temas e sub-temas que compõem o curso são: Temas: Introdução ao AVA (sub-temas: Ferramentas de identificação pessoal; Ferramentas de administração do conteúdo; Ferramentas de interação); A Educação na Sociedade Contemporânea (sub-temas: A sociedade contemporânea; O Paradigma Educacional Emergente Conceitos e reflexões sobre Tecnologia Educacional); A Informática na Educação (sub-temas: O computador no ambiente educacional; A evolução da aplicabilidade da informática educativa); Reflexões sobre a inclusão digital; O fenômeno do Software Livre (SL/CA) (sub-temas: Histórico; Modelos de desenvolvimento; Licenças; Impactos da Tecnologia de Software Livre); Software Livre: uma ferramenta para inclusão; Projetos e Iniciativas Livres na área educacional (sub- temas: EDUBUNTU; Debian Júnior; GCompris; GNURIAS e Classe). A carga horária prevista para o curso é de 45 horas distribuídas ao longo de 26 dias, totalizando 7 aulas à distância e 1 presencial. A teoria pedagógica aplicada para o curso apóia-se em um processo de interação que se estabelece quando duas ou mais pessoas cooperam em uma atividade (interpessoal) possibilitando uma re-elaboração (intrapessoal), ou seja, uma nova construção. Segundo Rodrigues et al (2006b), a aprendizagem é desencadeada e construída pelas interações do sujeito com outros indivíduos e com o meio. É colaborativa, baseada na construção conjunta do conhecimento através da linguagem. Professores e alunos desenvolvem processos de ensino-aprendizagem com base em conflito de idéias e concepções. Ao professor caberá a mediação e a
  21. 21. 21 parceria buscando motivação constante do aluno visando evitar a rotina, criar conflitos e liberá-lo para que ele chegue às suas próprias conclusões. Ao aluno, caberá investigar, construir hipóteses sempre objetivando soluções dos problemas vivenciados. O conteúdo será apresentado em: artigos no formato PDF; documentos nos formatos DOC, PPT, XLS ou HTML; links de páginas WEB, Vídeos do Youtube e animações. Todos devidamente adaptados para PNE’s. As atividades a serem aplicadas englobam: leituras; palavras cruzadas; formulários diagnósticos; fóruns coletivos; sessões de bate-papo; campo minado; exercícios individuais, em grupo e em duplas; pesquisas e elaboração de trabalho em grupo. As atividades serão concebidas, aplicadas e realizadas a partir das ferramentas selecionadas por critérios de qualidade, performance, custo, tempo mínimo para aprendizagem, licenças de uso apropriadas, facilidade de manuseio, público alvo e adequação ao projeto pedagógico. São elas: TelEduc (AVA) Unicamp (2006); Moodle (AVA) Moodle (2001); SO (Ubuntu) Canonical e Ubuntu (2004); BrOffice (Suíte de escritório) Brasil (2002); Mozilla Firefox (Navegador de internet) Mozdev (2006); KDE Edutainment Suit composto por softwares para ensino de linguagens, matemática, ciências e outros (EDU.KDE, 2011); GCompris (suíte de aplicações livres para a área educacional) Coudoin (2000); Classe (classificador de softwares educacionais livres). Todas as atividades terão feedback dos tutores e/ou formadores em até 1 semana após o término do prazo limite de conclusão. Os feedbacks poderão ser realizados por e_mail ou comentários na própria área de consulta às notas das atividades. As avaliações previstas para o curso englobam as diagnósticas, formativas e somativas. Serão aplicadas através de pré-testes, questionários, resumos, exercícios e textos dissertativos. Algumas serão corrigidas automaticamente pelo AVA e outras pelos formadores-professores em até 1 semana após o término do prazo limite de conclusão. Os instrumentos de avaliação serão utilizados à distância e presencialmente em encontro pré-agendado.
  22. 22. 22 Os critérios de aprovação compreendem: média igual ou superior a 70 pontos atribuídos em uma porcentagem de 40% nas atividades à distância e 60% nas atividades do encontro presencial. Haverá avaliação das interações técnicas e afetivas à distância e do relacionamento interpessoal durante o encontro presencial correspondendo a 30% da porcentagem em pontos a serem atribuídos presencialmente. O cronograma em fases, previsto para a concepção e realização completa do projeto deste curso compõe o Quadro 1.1. O orçamento para execução do projeto foi elaborado com base em pesquisa salarial dos sites Empregos Empregos (2011) e Data Folha – Instituto de Pesquisas Data Folha (2011); nos valores de salários praticados na UNIVALE para profissionais técnicos e de educação; nas médias de preços de fornecedores de tecnologia relacionados com a UNIVALE. Os valores mensurados encontram-se no Quadro 1.2.
  23. 23. 23 Quadro 1.1 - Cronograma das Atividades para Implantação do Curso “O Software Livre como instrumento de apoio à Educação” Atividades SEMANAS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 Fase 1 – Análise Identificação das necessidades de aprendizagem e do público-alvo Fase 2 – Design Desenvolvimento do mapa de atividades Desenvolvimento da matriz de design instrucional Elaboração do storyboard Fase 3 – Desenvolvimento Produção do material didático Adaptação dos recursos para o ambiente virtual Fase 4 – Implementação Disponibilização das unidades de aprendizagem Fase 5 – Avaliação Avaliação da efetividade do curso
  24. 24. 24 Quadro 1.2 – Composição do custo total do curso “O Software Livre como instrumento de apoio à Educação” INSTITUIÇÃO: Universidade Virtual do Vale da Eletrônica - UNIVALE CURSO: O Software Livre como instrumento de apoio à Educação. RESPONSÁVEL: Jeanne Louize Emygdio NÚMERO DE VAGAS: 200 CARGA HORÁRIA TOTAL: 45h DURAÇÃO TOTAL: 26 dias ITEM QTD. VALOR UNITÁRIO VALOR FINAL Design/ Desenvolvimento Designer Instrucional 1 R$ 3.000,00 R$ 3.000,00 Professor Conteudista 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00 Web designer 1 R$ 1.214,26 R$ 1.214,26 Ilustrador 1 R$ 800,00 R$ 800,00 Roteirista 0 R$ 0,00 R$ 0,00 Revisor 1 R$ 600,00 R$ 600,00 Produtor de Mídias 1 R$ 1.300,00 R$ 1.300,00 Implementação Professor Conteudista 1 R$ 1.200,00 R$ 1.200,00 Designer Instrucional 1 R$ 3.000,00 R$ 3.000,00 Tutor 2 R$ 600,00 R$ 1.200,00 Suporte TI 2 R$ 800,00 R$ 1.600,00 Revisor 1 R$ 500,00 R$ 500,00 Capacitação equipe 1 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 Transporte 0 R$ 0,00 R$ 0,00 Diárias 0 R$ 0,00 R$ 0,00 Infraestrutura deTI Servidor / Hospedagem 1 R$ 10.000,00 R$ 10.000,00 Computador 100 R$ 1600,00 R$ 160.000,00 Software / Licença 100 --- --- Equipamentos de Comunicação 1 R$ 10.000,00 R$ 10.000,00 Impressora 1 R$ 1.000,00 R$ 1.000,00 Gestão/ Administração Administrador 1 R$ 1.700,00 R$ 1.700,00 Coordenador EaD 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 Coordenador Pedagógico 1 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 Secretária 1 R$ 700,00 R$ 700,00 Financeiro 1 R$ 1.700,00 R$ 1.700,00 Marketing 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00 Despesasde Funcionamento Material de Escritório R$ 500,00 R$ 500,00 Certificados 200 R$ 30,00 R$ 6.000,00 Telefone 2 R$ 120,00 R$ 240,00 Energia Elétrica Mês R$ 350,00 R$ 350,00 Água Mês R$ 100,00 R$ 100,00 Correio R$ 50,00 R$ 50,00 Serviço de Limpeza 1 diarista R$ 250,00 R$ 250,00 Aluguel de Salas Mês R$ 700,00 R$ 700,00 CUSTO TOTAL: R$ 206.254,26
  25. 25. 25 1.3 RECURSOS DE DESIGN INSTRUCIONAL VIRTUAL DO CURSO Especialista em planejamento didático-pedagógico, o Designer Instrucional – DI, domina a aplicação desse planejamento no mundo virtual. Segundo Braga e Franco (2006a), é o responsável por organizar todo o processo multidisciplinar (das áreas de mídias, educação, comunicação, gestão, conhecimento específico etc.) e encontrar soluções para problemas educacionais que envolvam o desenvolvimento de projetos de cursos no modelo totalmente virtual ou outros modelos que combinem momentos presenciais com momentos à distância utilizando recursos virtuais. Estes tipos de cursos são chamados de semi-presenciais ou blended-learning. De acordo com os profissionais de EaD, com experiência em desenvolvimento de cursos virtuais ou blended-learning, é possível dividir os tipos de Design Instrucional Virtual em dois grandes grupos: o fixo e o aberto. Segundo Braga e Franco (2006a) o Design Instrucional Virtual Fixo é aquele cujo resultado é um produto fechado, que não pode ser alterado na fase de execução e, em geral, dispensa a participação de um educador na sua execução. A força desse Design Instrucional Virtual está na apresentação do conteúdo e por este motivo seu foco deve estar na utilização de multimídia que torne o conteúdo agradável, interessante e que permita ao aluno interagir com o mesmo. O Design Instrucional Virtual Aberto é aquele que trabalha a partir de um ambiente virtual de aprendizagem com um conjunto de opções pré-configuradas. Mas, tanto o DI quanto o professor, terão a liberdade de reconfigurá-lo na fase de execução da ação educacional a partir do feedback obtido junto aos alunos. Para muitos é o modelo que mais se aproxima da natureza flexível e dinâmica da aprendizagem. Para esta modalidade os cursos são oferecidos por ambientes virtuais de aprendizagem (TelEduc, Moodle, etc) que contam com a interação entre conteúdo/alunos, professores/alunos, tutores/alunos, assim como os ambientes tridimensionais como o Second Life (software de realidade virtual com a proposta de apoiar cursos imersivos) Braga e Franco (2006a). Dentro de uma equipe de EaD, o Designer Instrucional trabalha em conjunto com o Professor conteudista nos aspectos pedagógicos de um projeto de curso que utilizará recursos virtuais, porém, desempenhando funções e papéis bem distintos
  26. 26. 26 na equipe de EaD. Segundo Braga e Franco (2006b), é possível identificar para o DI funções que exigem competências e conhecimentos diferenciados (didáticos, pedagógicos, tecnológicos, etc). É o responsável pela conversão do conteúdo de projetos educacionais presenciais para a metodologia a distância com o principal objetivo de potencializar a aprendizagem por meio da utilização de mídias e recursos virtuais adequados. A complexidade desta transposição de conteúdos, aliada à complexidade da própria tarefa do DI, faz com que este profissional busque recursos que lhe simplifiquem e organizem as tarefas ao mesmo tempo em que sejam capazes de orientar com clareza os demais integrantes de uma equipe de EaD sobre todas as tarefas que deverão ser realizadas para que o curso seja implementado e executado com sucesso. Para este projeto os recursos utilizados pelo Designer Instrucional foram:  Mapa de Atividades: quando bem elaborado fornece, passo a passo, todas as informações necessárias para que o professor crie as atividades ou tarefas planejadas diretamente nas ferramentas do ambiente virtual de aprendizagem (RODRIGUES, 2010);  Matriz de Design Instrucional: criar atividades dinâmicas claras, utilizando estratégias que tragam como resultados uma boa interação entre os colegas e a efetiva aprendizagem colaborativa, não é uma tarefa fácil do DI. A criação de uma nova tabela denominada Matriz de Design Instrucional na qual as orientações e procedimentos dessas atividades mais complexas sejam mais detalhados, foi uma forma de facilitar o trabalho do DI ao mesmo tempo em que se formalizou um documento de comunicação entre a equipe multidisciplinar de EaD e outros interessados (professor conteudista, clientes, etc.). (UNIFEI, 2010);  StoryBoard: Roteirização construída para apresentar um produto ao cliente. Poderá abranger o roteiro de conteúdo de uma ou mais aulas; a demonstração de uma mídia utilizada no curso, um roteiro geral do próprio curso ou o que se definir como mais importante (FILATRO, 2008). Por meio dos storyboards, o designer instrucional consegue expressar sua
  27. 27. 27 visão e, consequentemente, permite discutir com os envolvidos (cliente, ilustradores, programadores etc.) o projeto que está sendo desenvolvido (JUNIOR, 2010). Os recursos de Design Instrucional do Projeto “O Software Livre como instrumento de apoio à educação”, são apresentados a seguir, organizados da seguinte forma: Quadro 1.3 – Mapa de Atividades; Quadros 1.4 e 1.5 – Matriz de Design Instrucional e StoryBoard nas figuras 1.1 a 1.6.
  28. 28. 28 Quadro 1.3a – Mapa de Atividades Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Aula 1 2 dias 2 h Introdução ao AVA 1. Ferramentas de Identificação Pessoal; 2. Ferramentas de Administração do Conteúdo; 3. Ferramentas de Interação. 1. Conhecer as ferramentas do TelEduc; 2. Utilizar de forma prática o ambiente. Atividade 1 - Leitura do manual do usuário do TelEduc. Recurso: Artigo em formato PDF. Ferramenta: Leituras Atividade 2 - Alterar Senha, preencher Perfil, Enviar mensagem para formadores. Ferramenta: Configuração, Perfil, Correio. Avaliativa: Não Duração: 2 dias Aula 2 5 dias 10 h A Educação na Sociedade Contemporânea 1. A Sociedade Contemporânea; 2. O paradigma educacional emergente; 3. Conceitos e reflexões sobre tecnologia educacional. 1. Identificar as principais mudanças ocorridas na sociedade contemporânea e os desafios que representam para a Educação; 2. Discutir os impactos das transformações sociais e tecnológicas em sua vida profissional. Atividade 3 - Leitura do texto “Resumo da Palestra de Alvin Toffler no Congresso Nacional de Informática da SUCESU em 24/8/1993”. Recurso: Link com texto disponível na Web. (http://chaves.com.br/TEXTALIA/M ISC/toffler.htm) Ferramenta: Leituras Atividade 4 - Palavras cruzadas relativas ao texto da Atividade 3. Recurso: Página em html (HotPotatoes) Ferramenta: Atividades Avaliativa: Não Duração: 1 dia Atividade 5 – Responder a um formulário diagnóstico visando identificar experiências na área educacional e com Software Livre. Recurso: Arquivo DOC, PPT, XLS ou HTML. Ferramenta: Portfólio Individual. Avaliativa: Não Duração: 1 dia. Atividade 6 – Fórum coletivo: “Considerando a ‘terceira onda’ de Toffler, enumere e comente seus principais aspectos positivos e negativos relacionados às suas atividades educacionais atuais e sua perspectiva futura”.
  29. 29. 29 Quadro 1.3b – Mapa de Atividades Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Aula 2 5 dias 10 h A Educação na Sociedade Contemporânea Ferramentas: Fóruns de discussão e Portfólio de grupos. Avaliativa: Sim Valor/Peso: 10 pontos. Duração: 4 dias úteis. Forma de avaliação: Texto final elaborado, postado e vinculado à tarefa avaliativa, além da contribuição individual. Tipo de avaliação: Formativa Aula 3 3 dias 3 h A Informática na Educação 1. O computador no ambiente educacional; 2. A evolução da aplicabilidade da Informática Educativa. 1. Conhecer as perspectivas para a função do Docente contemporâneo; 2. Elaborar um trabalho de pesquisa confrontando os paradigmas educacionais e as fases da evolução da Informática na Educação. Atividade 7 – Vídeo: “Função Docente no século XXI – Tecnologia e Educação“. Recurso: Vídeo (link) (http://www.youtube.com/watch#!v =hFFhtodEVjs&feature=related) Ferramenta: Atividades Atividade 8 – Método científico básico: “Quais as Fases da evolução da Informática na Educação e sua correlação com a evolução da EaD?”. Elaborar material de apoio sobre a pesquisa realizada e postar arquivo no portfólio individual. Mínimo de 25 linhas. Recurso: Arquivo DOC, PPT, XLS ou HTML. Ferramenta: Portfólio Individual. Avaliativa: Sim Valor/Peso:10 pontos Duração: 2 dias.
  30. 30. 30 Quadro 1.3c – Mapa de Atividades Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Aula 4 5 dias 7 h Reflexões sobre a Inclusão Digital 1. Analisar os aspectos relativos à exclusão social e digital; 2. Discutir sobre as soluções tecnológicas que possam contribuir para minimizar este problema e o papel do Software Livre neste contexto. Atividade. 9 – Leitura do artigo: “Inclusão Digital, Software Livre e Globalização contra-hegemônica”. Recurso: Link com artigo disponível na Web. (http://www.softwarelivre.gov.br/s oftwarelivre/artigos/artigo_02) Ferramenta: Leituras Atividade 12 – Assistir à apresentação: “Software Livre na Educação”. Recurso: Apresentação em PowerPoint. Ferramenta: Material de apoio Atividade 10 – Bate-papo: participar da sessão de discussão agendada para o dia dd/mm/aaaa às 20h no AVA. Ferramenta: Bate-papo Avaliativa: Não Duração: 1h Atividade 11 – Campo Minado relativo ao texto da Atividade 9. Recurso: Página em PHP Ferramenta: Atividades Avaliativa: Não Atividade 13 – Resumir suas conclusões pessoais obtidas através do bate-papo e postar arquivo no portfólio individual. Recurso: Arquivo DOC, PPT, XLS ou HTML. Ferramenta: Portfólio Avaliativa: Não Aula 5 3 dias 3 h O fenômeno do Software Livre (SL/CA) 1. Histórico 2. Modelos de Desenvolvimento 3. Licenças 4. Impactos da Tecnologia de Software Livre 1. Conhecer o Software Livre em todos os seus aspectos essenciais e a realidade brasileira de sua adoção. Atividade 14 – Leitura do artigo: “Software Livre (SL/CA): um fenômeno de impactos socialmente justos, economicamente viáveis e tecnologicamente sustentáveis”. Recurso: Artigo em formato PDF. Atividade 16 – Resolver os exercícios propostos no AVA. Ferramenta: Exercícios Avaliativa: Não Duração: 1h
  31. 31. 31 Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Ferramenta: Leituras Quadro 1.3d – Mapa de Atividades Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Aula 5 3 dias 3 h O fenômeno do Software Livre (SL/CA) Atividade 15 – Vídeo: “FISL 8: Celepar entrevista Sérgio Amadeu“. Recurso: Vídeo (link) (http://www.youtube.com/watch?v =wS6aNF3_IgM) Ferramenta: Atividades Aula 6 2 dias 5 h Software Livre: uma ferramenta para inclusão 1. Identificar iniciativas que justificam o uso do Software Livre como ferramenta de inclusão; 2. Elaborar um trabalho de pesquisa dos projetos fomentados pelo Governo Federal e contribuir para sua disseminação. Atividade 17 – Assistir à apresentação: “Inclusão Digital com Software Livre”. Recurso: Apresentação em PowerPoint. Ferramenta: Material de apoio. Atividade 19 – Vídeo: “Software Livre no Brasil - ITI“. Recurso: Vídeo (link) (http://www.youtube.com/watch?v =S-9xY3VPnVo) Ferramenta: Atividades. Atividade 18 – Pesquisar na internet projetos de Software Livre fomentados pelo Governo Federal e divulgá-los no mural. Convidar os colegas da turma para conhecerem o link que você postou através de e_mail. Ferramentas: Mural e Correio Avaliativa : Sim Tipo de avaliação: Diagnóstica Aula 7 5 dias 10 h Projetos e iniciativas livres para área educacional 1. EDUBUNTU 2. Debian Júnior 3. Gcompris 4. GNURIAS 5. Classe 1. Pesquisar Projetos e iniciativas relevantes de utilização do Software Livre na Atividade 20 – Leitura da monografia: “Estudo da aplicabilidade do Software Livre na educação”. Recurso: Monografia em formato PDF. Ferramenta: Leitura Atividade 21 – Trabalho de grupo: selecionar uma ferramenta/projeto educacional para elaboração de um trabalho de pesquisa aprofundado a ser disponibilizado no portfólio de grupo. Recurso: Arquivo DOC, PPT, XLS
  32. 32. 32 Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD área educacional; 2. Contribuir para criação de uma base de conhecimentos ou HTML. Ferramenta: Portfólio de Grupo Quadro 1.3e – Mapa de Atividades Aula / Período (duração) Unidade (Tema principal) Sub-unidades (Sub-temas) Objetivos específicos Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD Aula 7 5 dias 10 h Projetos e iniciativas livres para área educacional para os demais participantes através da postagem de uma apresentação do objeto da pesquisa. Aula 8 1 dia 5 h Atividade 22 - Avaliação Presencial para encerramento da disciplina. Avaliativa: Sim Valor/Peso: 20 pontos Tipo de avaliação: Formativa.
  33. 33. 33 Quadro 1.4 – Matriz de Design Instrucional da Atividade 6 Identificação da Atividade Detalhamento da Atividade Atividade 6 Descrição/ proposta da dinâmica: Dinâmica – Analisando o presente e o futuro – os alunos deverão discutir os impactos das transformações sociais e tecnológicas em sua vida profissional praticando uma atividade de socialização. Detalhamento: Discussão em grupos. Ao término das contribuições deverá ser escolhido um redator para elaborar um texto final que reflita as contribuições individuais e conclua de forma geral o fórum. Objetivo(s): - Discutir os principais aspectos positivos e negativos relacionados às suas atividades educacionais atuais e sua perspectiva futura; - Ser capaz de perceber as detectar as contribuições relevantes do grupo durante as discussões e de organizá-las em um resumo conclusivo. Critérios / avaliação: - Participação ativa com contribuições coerentes com a proposta do fórum e o tema da aula; - Definição de um redator; - Texto final elaborado, postado e vinculado à tarefa avaliativa; - Realização das tarefas dentro do prazo determinado. Tipo de interação: Grupos Prazo: 4 dias Ferramenta: Fóruns de discussão e Portfólio de Grupos. Conteúdo(s) de apoio e complementar(es): Link com texto disponível na Web “Resumo da Palestra de Alvin Toffler no Congresso Nacional de Informática da SUCESU em 24/8/1993”. (http://chaves.com.br/TEXTALIA/MISC/toffler.htm) (Ferramenta: Leituras) Produção dos alunos / avaliação: Arquivo contendo o resumo do fórum. Feedback: 1 Nota N1 – Atividade 6: Entrega do resumo do fórum: 05 dias após a entrega do trabalho.
  34. 34. 34 Quadro 1.5 – Matriz de Design Instrucional da Atividade 18 Identificação da Atividade Detalhamento da Atividade Atividade 18 Descrição/ proposta da dinâmica: Dinâmica – Sherlock Holmes – os alunos deverão identificar iniciativas que justificam o uso do Software Livre como ferramenta de inclusão e contribuir para sua disseminação realizando atividades de socialização. Detalhamento: Pesquisa na internet por projetos de Software Livre fomentados pelo Governo Federal para divulgação no mural. Cada aluno deverá convidar os colegas da turma para conhecerem o link que postou através de e_mail. Objetivo(s): - Pesquisar na internet projetos de Software Livre fomentados pelo Governo Federal e divulgá-los no mural; - Convidar os colegas da turma para conhecerem o link que você postou através de e_mail. Critérios / avaliação: - Relevância dos projetos pesquisados; - Postagem do link para divulgação no Mural; - Envio de correio para os colegas da sala; - Realização das tarefas dentro do prazo determinado. Tipo de interação: Individual na pesquisa e coletiva na divulgação via correio. Prazo: 2 dias. Ferramenta: Mural e Correio. Conteúdo(s) de apoio e complementar(es): Apresentação em powerpoint: “Inclusão Digital com Software Livre”. (Ferramenta: Material de apoio.) Vídeo: “Software Livre no Brasil - ITI“. (link:http://www.youtube.com/watch?v=S-9xY3VPnVo) (Ferramenta: Atividades). Produção dos alunos / avaliação: - Link divulgado no Mural; - Correios enviados. Feedback: 1 Nota N1: Link divulgado e correios enviados: 02 dias após a realização da tarefa.
  35. 35. 35 Figura 1.1 – Storyboard da Aula 1
  36. 36. 36 Figura 1.2 – Storyboard da Aula 2
  37. 37. 37 Figura 1.3 – Storyboard da Aula 3
  38. 38. 38 Figura 1.4 – Storyboard da Aula 4
  39. 39. 39 Figura 1.5 – Storyboard da Aula 5
  40. 40. 40 Figura 1.6 – Storyboard da Aula 6
  41. 41. 41 2 ANÁLISE DO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO 2.1 PLANEJAMENTO A teoria Sócio-interacionista foi escolhida para ser aplicada a este projeto considerando-se as seguintes características apontadas por Rodrigues et al (2006b): favorecer a superação das barreiras físicas e da distância a partir do momento em que privilegia a aprendizagem colaborativa; por contribuir tanto para o planejamento quanto para a aplicação de cursos já que as atividades funcionarão como propulsoras do desenvolvimento intelectual dos indivíduos e finalmente por confirmar a importância do tutor e do professor na mediação entre o aluno e o conhecimento novo, ainda não incorporado. O curso será oferecido no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) TelEduc (ambiente virtual de cursos à distância, desenvolvido pelo Núcleo de Informática Aplicada a Educação do Instituto de computação da UNICAMP, Unicamp (2006)), que utiliza a internet como interface do usuário. Por este motivo, toda a interação entre os usuários e o AVA acontece através de um navegador WEB (browser). Presencialmente haverá a possibilidade de conhecimento do AVA Moodle. Os AVAs são instrumentos valiosos de ensino-aprendizagem a serem explorados pela criatividade do Designer Instrucional aplicada na concepção, no planejamento e na execução de cursos estimulantes para os alunos. Segundo Almeida (2009), os AVAs permitem integrar linguagens e recursos, múltiplas mídias, apresentar informações de maneira organizada, desenvolver interações entre pessoas e objetos do conhecimento, elaborar e socializar produções tendo em vista atingir determinados objetivos. Segundo Braga e Franco (2006a) “A diversificação das atividades não só possibilita atingir diferentes objetivos de aprendizagem, como também, dinamiza o curso, mantendo o aluno continuamente curioso e alerta em relação à próxima atividade”.
  42. 42. 42 O TelEduc foi escolhido por ser uma ferramenta interativa que possibilita a integração entre os participantes do curso de forma síncrona e assíncrona; por apresentar baixa complexidade para aprendizado de seu manuseio e por oferecer recursos importantes a facilitar a construção coletiva do conhecimento, tais como o Bate-papo e o Fórum de discussão, cuja aplicação foi amplamente projetada para este curso. As ferramentas de comunicação no ambiente TelEduc são: visão do formador; visão do aluno; estrutura do ambiente; dinâmica do curso; agenda; avaliações; atividades; material de apoio; leituras; perguntas frequentes; exercícios; parada obrigatória; mural; fóruns de discussão; bate-papo; correio; grupos; perfil; diário de bordo; portfólio; configurar, suporte e administração. Todo o AVA permite que o foco da proposta pedagógica seja a participação ativa do aluno no trabalho de cada conteúdo. As mídias aplicadas ao projeto são: Artigos em formato PDF (produzidos pela equipe conteudista), apresentações em PPT (produzidas pela equipe conteudista), hipertextos e vídeos do Youtube. Tal diversidade se deve à necessidade de atingir as inteligências múltiplas apresentadas por Rodrigues et al (2006a), estimulando-as por recursos criativos diversos durante as atividades teóricas, que, tendem a ser monótonas e cansativas quando não planejadas cuidadosamente. Levando-se em consideração que o aluno estará geograficamente distante dos formadores e poderá estudar em horários muito específicos, destaca-se a necessidade de tornar agradável, instigante e tecnologicamente moderna a aprendizagem individual de cada aluno. O Designer Instrucional Virtual irá trabalhar no TelEduc com um conjunto de opções pré-configuradas, podendo, de maneira semelhante aos professores, reconfigurá-lo na fase de execução da ação educacional a partir do feedback obtido junto aos alunos. Entre as ações do DI, destacam-se para este projeto: - Definir e analisar as características do curso em seu planejamento. Informações relevantes: público-alvo, carga horária, contexto
  43. 43. 43 educacional, filosofia educacional da instituição e sua experiência em infraestrutura tecnológica em EaD; - Após a conclusão da tarefa anterior, o DI identificará as mídias que poderão ser utilizadas no curso e em seguida os recursos e modelos de Design Instrucional Virtual a serem aplicados. - Análise do custo do curso; - Idealização de atividades do curso através da construção do Mapa de Atividades. Criar tipos diferentes de atividades, com diferentes objetivos de aprendizagem e definir as ferramentas de comunicação e interação que devem ser utilizadas para cada uma delas; - Definir critérios e formas de avaliação compatíveis com cada atividade. Segundo Rodrigues et al (2006c), a avaliação da aprendizagem tanto em cursos presenciais quanto em cursos on-line não deve ter objetivos exclusivos de atribuir uma nota ou um conceito definitivo. Deve ser planejada e re-planejada a fim de funcionar como uma ferramenta de auxílio ao crescimento cognitivo do aluno. Vista desta forma, deverá permitir melhor entendimento da compreensão do aluno sobre os conteúdos ministrados e de sua inserção no processo de ensino- aprendizagem. Neste projeto foram planejadas avaliações do tipo:  Avaliações Diagnósticas: determinam o nível atual de conhecimento do aluno identificando lacunas, necessidades e habilidades. Auxilia o professor a conhecer o aluno e acompanhar seu desenvolvimento quando aplicada tanto no início quanto no meio e término do curso/disciplina. Ex.: Atividades 5, 10 e 18 (RODRIGUES et al,2006c);  Avaliações Formativas: verifica se o aluno está atingindo gradativamente os objetivos previstos por meio de conceitos, habilidades e atitudes; é uma avaliação processual e continuada com feedback contínuo; centrada em pequenos segmentos da matéria, com objetivos particulares; faz uma análise detalhada e profunda das aprendizagens. Ex.: Atividades 6 e 8 (RODRIGUES et al, 2006c);
  44. 44. 44  Avaliações Somativas: pontuam a partir dos conhecimentos e habilidades adquiridas durante uma etapa do curso, um módulo, registrado no final de cada período; tem função classificatória por atribuição de nota definitiva que irá promover ou reter o aluno; considera domínio cognitivo em detrimento das diferentes habilidades e inteligências dos estudantes, nos mais diversos níveis e modalidades de ensino; é qualitativa e quantitativa. (Ex.: Atividades 6, 8 e 22). 2.2 RECURSOS DE DESIGN Segundo Braga e Franco (2006a) o planejamento de um curso virtual deve propor atividades que desenvolvam interação, discussão, pesquisas conjuntas e demais construções colaborativas de conhecimento. Cabe ao DI Virtual pensar nas ferramentas que irá utilizar, vislumbrar, planejar e elaborar atividades dinâmicas, lúdicas etc. E definir critérios e formas de avaliações compatíveis a cada atividade e condizentes com seus diferentes objetivos de aprendizagem. Estes cuidados irão dinamizar o curso e manter o aluno continuamente curioso e alerta em relação à próxima atividade. Um bom curso deve mesclar os seguintes tipos de atividades que irão permitir que o aluno possa, em momentos distintos, refletir, discutir, interagir, pesquisar e produzir:  Atividades de auto-gestão: o próprio aluno gerencia e avalia seu processo de aprendizagem. Por motivação própria realiza pesquisas, volta ao texto para verificar se aprendeu etc.;  Atividades de reflexão: fazem o aluno pensar sobre o assunto proposto;  Atividades de discussão: o aluno discute com demais participantes sobre seus pontos de vista acerca do assunto estudado;  Atividades de produção: estimulam o aluno a criar algo novo (textos, hipertextos, imagens etc.). A partir de uma análise global do Mapa de Atividades deste projeto, podemos classificar como exemplo de cada tipo destas atividades: Auto-Gestão: Atividades 4, 8 e 11; Reflexão: Atividades 6 e 13; Discussão: Atividades 6, 10; Produção: Atividades 6, 8, 13, 16, 18, 21.
  45. 45. 45 O quadro 2.1 apresenta outra análise importante do Mapa de Atividades. Quadro 2.1 – Análise de equilíbrio do Mapa de Atividades Item Quantidade Aulas 8 Atividades teóricas 10 Leituras 6 Vídeos 3 Outros 2 Atividades práticas 12 Pesquisa na internet 3 Fórum 1 Portfólio individual 2 Portfólio em grupo 2 Questões V ou F 5 Questões múltipla escolha 0 Palavras cruzadas 1 Outros 5 Atividades individuais (teó./prat.) 18 em dupla 1 em grupo 2 Atividades não avaliativas (prat.) 7 Atividades avaliativas 4 Avaliações diagnósticas 2 Avaliações formativas 2 Avaliações somativas 3 2.3 DIFERENCIAIS E RISCOS Diversos diferenciais podem ser percebidos neste projeto, tais como: a utilização de ferramentas livres inovadoras sustentadas por comunidades sólidas e reconhecidamente avançadas para seu desenvolvimento e manutenção; práticas pedagógicas modernas que favorecem a interação e a construção coletiva do conhecimento; planejamento criativo, detalhado e minucioso de atividades que irão motivar a participação ativa do público-alvo despertando o interesse e a vontade de aprender praticando; feedbacks ágeis; avaliações em três níveis visando formação integral do aluno; corpo técnico e docente devidamente capacitados para execução do projeto; infraestrutura tecnológica moderna e periodicamente atualizada; possibilidade de fortalecimento da prática institucional em EaD.
  46. 46. 46 Entre os riscos enumeram-se: as substituições da equipe multidisciplinar durante a execução do projeto e que podem comprometer seu andamento; aspectos financeiros provenientes da instituição de ensino que apóia o projeto; riscos de obsolência dos softwares mencionados no planejamento das atividades do curso, o que comprometerá o próprio conteúdo do curso; ações de marketing pouco estratégicas.
  47. 47. 47 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho apresentou uma experiência prática de design instrucional do curso “O SOFTWARE LIVRE COMO INSTRUMENTO DE APOIO À EDUCAÇÃO”, concebido para ser oferecido na modalidade à distância enfocando em profundidade e com riqueza de detalhes todo o trabalho realizado por um Designer Instrucional a partir da criação real de um curso projetado para o AVA TelEduc. Todo o projeto foi concebido buscando prover uma solução que permitisse aos educadores vencer os desafios percebidos para a Educação em nossa atual Sociedade da Informação objetivando em especial:  Disponibilizar informação de qualidade;  Aplicar metodologias e tecnologias inovadoras;  Desenvolver potencialidades com afetividade;  Ser de largo alcance (inclusiva);  Ser acessível a todos;  Estar disponível a qualquer momento;  Estar disponível em qualquer lugar;  Ser oferecido a um custo justo. A partir das experiências adquiridas é possível constatar que o sucesso dos cursos nesta modalidade depende de vários fatores considerados como diferenciais neste projeto e que serão descritos a seguir:  A escolha de um tema relevante para a sociedade, que atenda a uma demanda ou que promova uma demanda em um ou vários públicos alvos previamente estudados e selecionados;  A seleção de tecnologias que se constituam instrumentos valiosos de ensino-aprendizagem a serem explorados pela criatividade do Designer Instrucional aplicada na concepção, no planejamento e na execução de cursos estimulantes para os alunos. Os AVAs devem ser selecionados por apresentarem recursos que permitam integrar linguagens e recursos, múltiplas mídias, apresentar informações de maneira organizada,
  48. 48. 48 desenvolver interações entre pessoas e objetos do conhecimento, elaborar e socializar produções tendo em vista atingir determinados objetivos. Quanto maior a liberdade do Designer Instrucional para criar atividades diversificadas, maiores as chances de dinamizar o curso, mantendo o aluno continuamente curioso e alerta em relação as suas atividades;  A seleção de Teorias Pedagógicas adequadas que favoreçam a superação das barreiras físicas e da distância a partir do momento em que privilegiam a aprendizagem colaborativa; que contribuam tanto para o planejamento quanto para a aplicação de cursos já que as atividades funcionarão como propulsoras do desenvolvimento intelectual dos indivíduos e finalmente que confirmem a importância do tutor e do professor na mediação entre o aluno e o conhecimento novo, ainda não incorporado;  A atuação de um Designer Instrucional capacitado, capaz de “reger” toda a equipe multidisciplinar visando construções coletivas de conhecimento de forma a atender as inteligências múltiplas e também a diversos objetivos de aprendizagem. Deverá ter afinidade com a área tecnológica e capacidade de empregar mídias diversificadas que estimulem a aprendizagem. Utilizar ainda recursos de design modernos e em constante evolução tais como o Mapa de Atividades, a Matriz de DI e os storyboards que permitam o projeto equilibrado de um curso nesta modalidade. Deverá ser afetivo e transmitir sua afetividade desde o planejamento até a conclusão da execução do curso, incentivando a todos os stakeholders a agirem da mesma forma em todos os feedbacks para os alunos;  A definição de avaliações em níveis diferentes de acompanhamento da evolução do aluno, tais como as diagnósticas, formativas e somativas. Tais avaliações deverão ser planejadas e re-planejadas a fim de funcionar como ferramentas de auxílio ao crescimento cognitivo do aluno, e com esta visão, permitindo melhor entendimento da compreensão do aluno
  49. 49. 49 sobre os conteúdos ministrados e de sua inserção no processo de ensino- aprendizagem;  A visão inclusiva que deverá estar presente em todo o planejamento do curso de maneira que atenda gradativamente a públicos cada vez mais diferenciados. É importante ressaltar que também há riscos a serem considerados permanentemente para que o curso se mantenha sempre equilibrado e viável. Devem ser considerados como oportunidades de aprimoramento para todo projeto desta natureza. Para este curso foram percebidos:  Substituições da equipe multidisciplinar;  Obsolência dos softwares utilizados no planejamento;  Marketing pouco estratégico;  Complexidade para PNEs;  Custo do projeto após teste piloto. A demanda atual de aplicabilidade inteligente de tecnologias da informação e da comunicação como auxílio às práticas pedagógicas voltadas à EaD visando suprir com qualidade e a preços praticáveis, um mercado em franca expansão permite-nos, a partir dos resultados apresentados, visualizar a associação: EaD + Software Livre + Equipe multidisciplinar + Metodologias modernas como uma grande possibilidade de sucesso. Importantes impactos pessoais e profissionais foram percebidos a partir do ingresso neste curso de pós-graduação e da elaboração deste projeto:  Aquisição progressiva de conhecimento de maneira interativa, colaborativa e afetiva permitiu uma experiência extremamente agradável mudando a visão pessoal sobre o EaD. As atividades foram realizadas de maneira cada vez mais enriquecedora o que diminuiu a sensação de que o trabalho à distância deva ser extremamente monótono e solitário;  Fortalecimento do desejo de ingressar na área acadêmica e também em uma equipe de EaD agregando experiência adquirida ao longo de
  50. 50. 50 16 anos na área de Tecnologia da Informação e Comunicação como instrumento valioso para apoio à prática educacional nesta modalidade;  Satisfação do desejo de familiarização com a modalidade de EaD e infraestrutura de sustentação para posterior apoio à implantação de cursos em instituições de ensino;  Satisfação do desejo de perceber novas possibilidades de atuação pessoal e profissional inclusive em parcerias com colegas do curso;  O desafio de propor soluções para uma área onde tenho ainda pouco domínio fortaleceu a coragem para desbravar novos horizontes e despertar potenciais desconhecidos em mim; ao mesmo tempo em que posso utilizar conhecimentos maduros em outras áreas como recurso multidisciplinar valioso;  Percepção da necessidade de ampliar capacidade de gestão de custos para projetos de terceiros. Em virtude de todas as informações obtidas e apresentadas ao longo deste estudo e dos resultados já apresentados, é possível considerar a profissão de Designer Instrucional uma oportunidade inovadora para todos os que desejam ampliar sua área de atuação, seja no âmbito acadêmico ou tecnológico, pois sendo uma área nova guarda em si inúmeras possibilidades de aplicação criativa de conhecimento a beneficiar um público-alvo quase que ilimitado. Estes novos tempos, com ares de “conspiração universal”, desafiam nosso potencial para superar velhos limites, para superar o medo e a inércia; para atingirmos níveis de realização, de plenitude de ação, de liberdade, de aproximação e contato humano, de colaboração e de compartilhamento. É o momento participarmos ativamente das discussões em torno destas revoluções e encontrarmos a nossa maneira de colaborarmos para a construção de uma nova realidade, sendo sujeitos de nossa própria educação (SILVA, 2001).
  51. 51. 51 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Neide Couto de. VANTAGENS E DESVANTAGENS EM AVAs FECHADOS, COMO O MOODLE, OU EM MODELOS DE SITES ABERTOS COMO OS BLOGS?. Disponível em: http://formacaoead.wordpress.com/2009/03/26/neide- couto-de-almeida-vantagens-e-desvantagens/. Último acesso em: 29/06/2011. BRAGA, Dilma Bustamante; FRANCO, Lúcia Regina Horta Rodrigues. A Inter- relação entre o trabalho do Designer Instrucional Virtual e o Conteudista. UNIFEI, 2006a. BRAGA, Dilma Bustamante; FRANCO, Lúcia Regina Horta Rodrigues. Equipes de EaD e o Designer Instrucional. UNIFEI, 2006b. BRASIL, Projeto. BROffice. Brasil, 2002. Disponível em: http://broffice.org/. Acesso em: 01/10/2011. CANONICAL, Ltda. e UBUNTU, Fundação. Ubuntu. Inglaterra, 2004. Disponível em: http://ubuntu-br.org/. Acesso em: 01/10/2011. COUDOIN, Bruno. GCompris. França, 2000. Disponível em: http://gcompris.net/. Acesso em: 01/10/2011. DATA FOLHA. Site do Data Folha – Instituto de Pesquisas. Brasil, 2011. Disponível em: http://datafolha.folha.uol.com.br/precos/salarios/salarios_index.php. Acesso em: 01/10/2011. EDU.KDE. Site do Projeto KDE Edutainment. Disponível em: http://edu.kde.org/. Acesso em: 01/10/2011. EMPREGOS. Portal Empregos. Brasil, 2011. Disponível em: http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/pesquisa_salarial/index.shtm . Acesso em: 01/10/2011. FILATRO, Andrea. Design instrucional na prática. Pearson Education do Brasil, São Paulo, 2008. JUNIOR, José Hamilton Chaves Gorgulho. Storyboard. UNIFEI, 2010. MOODLE. Moodle. Moodle Trust, Austrália, 2001. Disponível em: http://moodle.org/. Acesso em: 01/10/2011. MOZDEV. Mozilla Firefox. Mozilla Foundation, Japão, 2006. Disponível em: http://br.mozdev.org/. Acesso em: 01/10/2011. PEREIRA, José Cláudio e CARVALHO, Sandra (Org.). Manual da empresa incubada. 1. ed. Santa Rita do Sapucaí - MG, 2004.
  52. 52. 52 RODRIGUES, Alessandra; FRANCO, Lúcia Regina Horta Rodrigues; BRAGA, Dilma Bustamante. Teoria das Inteligências Múltiplas de Gardner. UNIFEI, 2006a. Disponível em: http://www.ead.unifei.edu.br/novolivrodigital/geraLivro.php?codLivro=51&codCap=12 5. Acesso em: 01/10/2011. RODRIGUES, Alessandra; FRANCO, Lúcia Regina Horta Rodrigues; BRAGA, Dilma Bustamante. Abordagens Teórico-Pedagógicas e os cursos via Web. UNIFEI, 2006b. Disponível em: http://www.ead.unifei.edu.br/novolivrodigital/geraLivro.php?codLivro=51&codCap=11 9. Acesso em: 10/10/2011. RODRIGUES, Alessandra; FRANCO, Lúcia Regina Horta Rodrigues; BRAGA, Dilma Bustamante. Avaliando o Ensino e a Aprendizagem de um curso pela Web. UNIFEI, 2006c. Disponível em: http://www.ead.unifei.edu.br/novolivrodigital/geraLivro.php?codLivro=55&codCap=12 8. Acesso em: 10/10/2011. RODRIGUES, Alessandra. Dicas sobre elaboração de um Mapa de Atividades. UNIFEI, 2010. Disponível em: http://www.ead.unifei.edu.br/videos/alessandra/alessandra_erros/alessandra_erros.h tml. Acesso: 10/10/2011. SILVA, Mozart Linhares da (org). Novas Tecnologias – Educação e Sociedade na era da informação. Belo Horizonte. 2001. UNICAMP. Universidade Federal de Campinas – Núcleo de Informática Aplicada à Educação – NIED. Campinas, 2006. Disponível em: http://www.teleduc.org.br/. Acesso em: 10/10/2011. UNIFEI. Universidade Federal de Itajubá. Entendendo a Matriz de DI – Detalhamento das Atividades Dinâmicas Virtuais. Itajubá, 2010.

×