SlideShare uma empresa Scribd logo

Teoria das representações sociais

Jhonata Andrade
Jhonata Andrade
Jhonata AndradePsicólogo

Teoria das representações sociais

1 de 29
Baixar para ler offline
Profª Drª Elza Maria Techio
                      UFBA
                       2011
Origem
 Década de 60
 Serge Moscovici
 La psychanalyse: son image et son public (1961)
    Esta obra lançou uma problemática:
       específica
          Como é que o conhecimento científico é consumido,
           transformado e utilizado pelo homem comum (leigo)
       geral
          Como constrói o homem a realidade

 Novo movimento teórico e metodológico.
 Teoria das representações sociais começa com o estudo
 acerca das RS da psicanálise na França

                  Drª Elza Maria Techio                        2
Contextualização da teoria (I)
O problema da sociedade pensante:
   Wundt e a volkerpsichologie
   Le Bon e o comportamento das multidões
   Durkheim e as representações coletivas
Contextualização da teoria (II)
           Henri Tajfel & Serge Moscovici:

 O problema da relevância social e do individualismo
 nos estudos da psicologia social
Objetivo de Moscovici
 Descrever como ocorreu a apropriação e socialização
 da T. psicanalítica por diferentes grupos;

 Como a T. psicanalítica era:
   absorvida, transformada e utilizada pelo homem
   comum para classificar as pessoas, condutas e
   eventos da vida diária
  Como os conceitos psicanalíticos reelaborados se
   entre mesclavam nos processos de comunicação e
   de intercambio social
  Como a teoria era transformada em uma RS.

              Drª Elza Maria Techio                     5
Na época Moscovici
 Enfatizou as diferenças entre os modelos
  científicos e os não científicos no que se refere a
  psicanálise
  Abordando o deslocamento de sentido de um modelo ao
   outro


 No deslocamento do modelo científico para o não
 científico que as RS aparecem como saber
 “ingênuo” em oposição ao saber produzido pela
 ciência

              Drª Elza Maria Techio                      6

Recomendados

Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações SociaisSara Afonso
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaSara Afonso
 
Representações sociais
Representações sociaisRepresentações sociais
Representações sociaisBruna Batista
 
Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Adalene Sales
 
Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais RaQuel Oliveira
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de AtitudesAtitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de Atitudesalicecanuto
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debateRosane Domingues
 
Os 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriaOs 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriamarcelydantasingrid
 
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia social
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia socialAula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia social
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia socialFranjone De Lima Souza
 
Histórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialHistórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialmnatrodrigues
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalistarodcassio
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Jorge Barbosa
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socializaçãohomago
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social Josevânia Silva
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposClaudson Cerqueira Santana
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisJhonata Andrade
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerThiago de Almeida
 

Mais procurados (20)

Prática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social PsicossocialPrática de Serviço Social Psicossocial
Prática de Serviço Social Psicossocial
 
Aula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria FuncionalistaAula 04 - Teoria Funcionalista
Aula 04 - Teoria Funcionalista
 
Atitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de AtitudesAtitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de Atitudes
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Os 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitáriaOs 4 pilares da psicologia comunitária
Os 4 pilares da psicologia comunitária
 
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia social
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia socialAula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia social
Aula 1 e 2 rumos e percursos em psicologia social
 
Histórico da psicologia social
Histórico da psicologia socialHistórico da psicologia social
Histórico da psicologia social
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Teoria funcionalista
Teoria funcionalistaTeoria funcionalista
Teoria funcionalista
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
história da psicologia social
história da psicologia social história da psicologia social
história da psicologia social
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de gruposIntrodução ao estudo de psicologia de grupos
Introdução ao estudo de psicologia de grupos
 
Teoria das representações sociais
Teoria das representações sociaisTeoria das representações sociais
Teoria das representações sociais
 
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de BronfenbrennerModelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
Modelo bioecológico do desenvolvimento de Bronfenbrenner
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
Exclusão social tsp
Exclusão social tspExclusão social tsp
Exclusão social tsp
 

Semelhante a Teoria das representações sociais

Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoCassia Barbosa
 
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologia
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologiaRcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologia
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologiaGisa Carvalho
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Bruna Talita
 
Representações Sociais da escola
Representações Sociais da escolaRepresentações Sociais da escola
Representações Sociais da escolaguestc0a037
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfPedro R. Coutinho
 
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação PolíticaTeoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação PolíticaMarcos Marinho Queiroz
 
87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociaissioliv
 
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaRoteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaLucas Rodrigues
 
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptx
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptxPT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptx
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptxJulianaGama27
 
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?HisrelBlog
 
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)Adalene Sales
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia igabriela_eiras
 
Texto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio históricaTexto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio históricaPsicologia_2015
 

Semelhante a Teoria das representações sociais (20)

Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
 
3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
 
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologia
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologiaRcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologia
Rcabecinhas paideia 2004.pdf artigo psicologia
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
 
Representações sociais da escola
Representações sociais da escolaRepresentações sociais da escola
Representações sociais da escola
 
Representações Sociais da escola
Representações Sociais da escolaRepresentações Sociais da escola
Representações Sociais da escola
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Cap1 produção do conhecimento
Cap1   produção do conhecimentoCap1   produção do conhecimento
Cap1 produção do conhecimento
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
 
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação PolíticaTeoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
Teoria das Representações Sociais e Cidadania, pelo viés da Comunicação Política
 
87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais
 
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social ContemporâneaRoteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
Roteiro de aula: Psicologia Social Contemporânea
 
Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
 
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptx
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptxPT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptx
PT Phases of the Vocational Guidance Process by Slidesgo.pptx
 
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
PRA QUE SERVE A SOCIOLOGIA?
 
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
Sweder: Psicologia Cultural vs Psicologia Transcultural (resumo)
 
A tradição francesa
A tradição francesaA tradição francesa
A tradição francesa
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
Texto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio históricaTexto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio histórica
 

Teoria das representações sociais

  • 1. Profª Drª Elza Maria Techio UFBA 2011
  • 2. Origem  Década de 60  Serge Moscovici  La psychanalyse: son image et son public (1961)  Esta obra lançou uma problemática:  específica  Como é que o conhecimento científico é consumido, transformado e utilizado pelo homem comum (leigo)  geral  Como constrói o homem a realidade  Novo movimento teórico e metodológico.  Teoria das representações sociais começa com o estudo acerca das RS da psicanálise na França Drª Elza Maria Techio 2
  • 3. Contextualização da teoria (I) O problema da sociedade pensante:  Wundt e a volkerpsichologie  Le Bon e o comportamento das multidões  Durkheim e as representações coletivas
  • 4. Contextualização da teoria (II) Henri Tajfel & Serge Moscovici:  O problema da relevância social e do individualismo nos estudos da psicologia social
  • 5. Objetivo de Moscovici  Descrever como ocorreu a apropriação e socialização da T. psicanalítica por diferentes grupos;  Como a T. psicanalítica era:  absorvida, transformada e utilizada pelo homem comum para classificar as pessoas, condutas e eventos da vida diária  Como os conceitos psicanalíticos reelaborados se entre mesclavam nos processos de comunicação e de intercambio social  Como a teoria era transformada em uma RS. Drª Elza Maria Techio 5
  • 6. Na época Moscovici  Enfatizou as diferenças entre os modelos científicos e os não científicos no que se refere a psicanálise  Abordando o deslocamento de sentido de um modelo ao outro  No deslocamento do modelo científico para o não científico que as RS aparecem como saber “ingênuo” em oposição ao saber produzido pela ciência Drª Elza Maria Techio 6
  • 7. Representação social  Resgate do social  Novo modelo teórico e metodológico  Diferente da Psicologia social predominante nos EUA  Caráter individual,  Ideológico  Centrado nos processos psicológicos  Dissociados do social e do  Contexto histórico Drª Elza Maria Techio 7
  • 8. Definição “Um conjunto de conceitos, proposições e explicações criado na vida cotidiana no decurso da comunicação interindividual. São o equivalente, na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de crenças das sociedades tradicionais, podem ainda ser vistas como a versão contemporânea do senso comum” (Moscovici, 1981, p. 181). Sua principal função é tornar familiar o não-familiar Drª Elza Maria Techio 8
  • 9. Representações Sociais “forma pelos quais o senso comum expressa seu pensamento (Jodelet, 1993)  Não seria uma resposta individual emitida em relação a um estímulo social,  Mas a maneira como os grupos sociais constroem e organizam diferentes significados dos estímulos do meio social e as possibilidades de respostas que podem acompanhar esses estímulos. Drª Elza Maria Techio 9
  • 10. Representações Sociais  Ato de pensamento na qual o sujeito se relaciona com o objeto (pessoa, idéia, evento social ou natural)  Como:  Através de operações mentais (atenção, percepção e memória) esse objeto é substituído por um SÍMBOLO que se faz presente quando o objeto está ausente.  O objeto fica representado simbolicamente na mente dos indivíduos.  RS não é uma simples reprodução do objeto implica sua transformação ou construção Drª Elza Maria Techio 10
  • 11. A natureza social das RS São sociais em vários sentidos:  São aspectos socialmente significativos;  São sociais em sua origem;  São compartilhadas pelos grupos sociais, porém não são homogêneas para a sociedade;  São construções simbólicas da realidade;  São forma e conteúdo  São convencionais e prescritas e ao mesmo tempo são dinâmicas.
  • 12. São sociais em sua origem  Sãos construídas nos processos de interação e comunicação social.  Devido ao significado para os grupos sociais as RS:  Circulam nos meios de comunicação de massa;  Nas conversas entre as pessoas e;  Se cristalizam nas condutas  Os meios de comunicação:  levam a informação a população;  Nas relações interpessoais  trocam-se opiniões, se reafirmam conceitos e idéias, se debate e se consolida o processo de comunicação sobre o objeto.
  • 13. São compartilhadas, mas não homogêneas para a sociedade RS podem variar de um grupo para outro;  Origem da variação:  Complexidade social;  Diversidade de categorias  Valores,  posição social;  Experiência com o objeto da RS;  Contexto histórico, cultural e social dos grupos. As RS se vinculam a sistemas de pensamentos mais amplos, ideológicos ou culturais, a um estado de conhecimento científico, como a condição social e a esfera de experiências prévias e afetivas dos indivíduos (Jodelet, 1991)
  • 14. RC (Durkheim, 1898) ≠ RS (Moscovici, 1984) RC= religião e o mito são compartilhadas porque são: homogêneas para todos os membros da sociedade; São transmitidas de uma geração a outra Existem fora e independentemente do indivíduo; Força os indivíduos a uniformizar sua conduta e pensamento; Processos estáticos, resistentes a mudança. RS= se adaptam mais a complexidade e a dinâmicas das sociedades Variam dependendo do contexto social Dos grupos sociais As mudanças se dão em paralelo aos que sofrem a sociedade
  • 15. Construções simbólicas da realidade  As RS implicam um significado comum de objetos ou eventos sociais para os membros de uma comunidade;  Os significados dependem das:  normas sociais  valores  da história comum da comunidade.  Um objeto é imediata e simultaneamente percebido e conceitualizado em termos de sua simbólica e significativa realidade.
  • 16. São forma e conteúdo  O conteúdo das RS podem variam de um:  Grupo a outro  Cultura a outra  Época a outra  A lógica ou a maneira com se pensa também depende do contexto sócio-cultural
  • 17. Síntese: Por que as RS são sociais?  Critério quantitativo: são compartilhadas por um grande número de pessoas e grupos.  Critério genético: são construídas socialmente.  O pensamento social é construído nas e pelas interações sociais;  Portanto, o objeto da PS é o “Social  Critério funcional: são guias para a comunicação e para a ação.
  • 18. Funções das RS São evidentes quando se compreende sua natureza social;  As RS permitem que os indivíduos transformem uma realidade estranha, desconhecida em uma realidade familiar;  As RS permitem a comunicação entre os indivíduos;  Quando as pessoas dividem significados sobre eventos e objetos existe a possibilidade de que se estabeleçam relações entre eles;  As RS guiam a ação social;  As RS servem para justificar as decisões, posições e condutas adotadas diante de um evento.
  • 19. Elementos formadores das RS Dois processos: objetivação e ancoragem Processos ligados e modelados pelos fatores sociais  Objetivação: forma como se organizam os elementos constituintes da representação e ao percurso através do qual tais elementos adquirem materialidade.  Processo que se transforma o abstrato em concreto.
  • 20. Objetivação  Três etapas:  Construção seletiva: seleção, descontextualização e simplificação (normas e crenças)  Parte da informação disponível é retida  Processo depende das normas e valores grupais  Esquematização: estruturação das relações dos elementos da representação  Naturalização: aquisição da materialidade  Os conceitos tornam-se equivalentes à realidade  O abstrato torna-se concreto através da expressão em imagens e metáforas
  • 21. Elementos formadores das RS  Ancoragem: processo de assimilação do novo ao que já existe Precede e/ou situa-se na seqüência da objetivação  Precede: qualquer tratamento da informação exige pontos de referência A partir das experiências e dos esquemas já estabelecidos que o objeto da R é pensado  Segue: função social das representações  Permite compreender a forma como os elementos representados contribuem para exprimir e constituir as relações sociais
  • 22. Ancoragem  Serve à instrumentação do saber conferindo-lhe um valor funcional para a interpretação e gestão do ambiente.  Tem afinidades com o conceito de:  Categorização:  ambos funcionam como estabilizadores do meio e  Redutores de novas aprendizagens  Assimilação e acomodação (Piaget)
  • 23. Tipos de representações sociais  Hegemônicas: compartilhadas por todos os membros de um grupo altamente estruturado (um partido, uma nação, etc.) sem terem sido produzidas pelo grupo. Ex.: RS do indivíduo como uma entidade autônoma e livre.  Emancipadas: são compartilhadas por membros de diferentes grupos que estão em contato. Ex.: RS sobre a loucura compartilhadas por diferentes profissionais.  Controversas: são geradas a partir do conflito entre os grupos. Ex.: RS sobre as cotas raciais na universidades públicas.
  • 24. Funções sociais das RS (Doise)  Seletiva: traduz-se na seleção dos conteúdos que são centrais para o encontro entre grupos e indivíduos.  Justificadora: serve para justificar o tipo de relação que será desenvolvida.  Antecipatória: serve para descrever e prescrever o tipo de relação ou comportamento que será desenvolvido.
  • 25. Modelos de análise  Representações sociais plurais  Diversidade metodológica
  • 26. 1. Culturalista ou antropológica  Estuda a articulação entre as dimensões sociais e culturais que regem as construções do conhecimento coletivo.  Aprender o discurso dos indivíduos e dos grupos que mantêm as RS ligando-os com o comportamento e práticas socais pelas quais essas RS se manifestam.  Estratégias: exame de documentos e registros pelos quais esses comportamentos e práticas são institucionalizados Serge Moscovici e Denise Jodelet
  • 27. 2. O núcleo central e o sistema periférico Estrutura das representações  Núcleo central: estrutura que dá coerência e sentida à Representação- “duro” e resistente às mudanças. Tem duas funções: a) geradora e transformadora de significados b) organizadora, determinando as relações existentes entre os elementos de uma representação.  Elementos periféricos: protegem o núcleo central das mudanças. Esse processo ocorre por meio da incorporação de novos elementos. Jean-Claude Abric
  • 28. 3. Análise dos princípios organizadores  RS princípios que organizam as variações sistemáticas dos posicionamentos individuais nos diversos elementos que formam o campo representacional  Análise dos princípios organizadores  Ancoragem desses princípios  Psicológica: nas atitudes individuais  Sociológica: nas pertenças sociais  Psicossocial: discursos ideológicos Willem Doise e colegas
  • 29. Conclusões  Grande popularidade do conceito porque pode ser utilizado para investigar diferentes fenômenos sociais:  Na saúde  No trânsito  No processo de exclusão-inclusão social  Etc.