Apresentação Cenários Político e Econômico julho 2014

402 visualizações

Publicada em

Análise do que deve acontecer no país nos cenários político e econômico para 2015

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
402
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Cenários Político e Econômico julho 2014

  1. 1. 1 BRASIL: CENARIOS ELEITORAL E ECONÔMICO
  2. 2. 3 Brasil
  3. 3. 4 Panorama Geral Mercado atento às pesquisas eleitorais. Mostram a candidata Dilma Rousseff em torno de 38/40%, Aécio Neves 20/22% e Eduardo Campos 8/10%. Campanha ainda está muito amarrada. Deve ganhar impulso com os candidatos nas ruas e a propaganda de TV. Segundo turno. Há esta possibilidade, pelo diferencial entre Rousseff e Aécio estar se estreitando e a intenção de votos para a candidatura Dilma empatada com o total dos opositores. Mudanças já. Pesquisas mostram forte rejeição (35/40%) à estratégia econômica do governo Dilma, indicado a necessidade de mudanças pelo próximo presidente eleito. Um ajuste forte se faz urgente para 2015, independente de quem seja eleito.
  4. 4. 5 Panorama Geral Rejeição x candidato conhecido. Uma visão é de que os outros dois candidatos são menos conhecidos, sendo a rejeição menor. A partir do momento que eles se tornem mais conhecidos.... Potencial de crescimento. Outra visão é de que o potencial de crescimento da candidata Dilma é baixo. Este indicador apura os eleitores que não votam no candidato, mas o conhecem e não o rejeitam. Neste caso, Dilma tem 18%, Aécio 53% e Campos 73%. Ou seja, cenário é mais favorável para os candidatos da oposição. Eduardo Campos. Em pesquisa que mostra as prioridades dos eleitores e a visão de cada candidata a cada tema, Campos é o de maior aderência. Campos, no entanto, é pouco conhecido. Sua rejeição é menor do que a dos outros dois.
  5. 5. 6 Fundamentos Econômicos Fundamentos econômicos FRAGILIZADOS Atividade econômica de lado e confiança em patamar baixo. Desemprego começa a aparecer. Contas externas deficitárias, próximas a US$ 80 bilhões, 3,6% PIB. Gestão fiscal leniente, abusando do uso de “maquiagens fiscais”, como dividendos das estatais. Inflação passando do teto (6,52% pelo IPCA), taxa de juros se mantendo em 11% e taxa de câmbio sob controle, ainda mais com a prorrogação de venda de divisas no “futuro” (leilões diários de swap).
  6. 6. 7 CRESCIMENTO BASEADO NO CONSUMO “ Modelo baseado no consumo ” fracassou, reduzindo a poupança interna, esvaziando os investimentos e pressionando o déficit em conta corrente (poupança externa). Investimentos não se materializaram pelas várias intervenções desastradas do governo. % PIB 2010 2011 2012 2013 1º tri/14 Poupança Interna 17,5 17,2 14,8 15,5 12,7 Déficit em conta corrente 2,7 2,5 2,9 3,7 3,7 Investimento 20,2 19,7 17,7 18,3 17,7 Fonte: Bacen
  7. 7. 8 CONFIANÇA EM BAIXA: ÍNDICES DE SERVIÇOS, ICS; CONSUMIDOR, ICC; E INDÚSTRIA, ICI Perda de confiança dos agentes é uma realidade, dada a deterioração das expectativas e o baixo crescimento da economia. Agentes econômicos estão cansados, sendo forte a demanda por mudanças.
  8. 8. 9 PREÇOS DA ECONOMIA: IPCA, TAXA SELIC E DÓLAR Preços da economia Taxa de Juros Selic mais alta atrai recursos externos, derrubando o dólar, já em torno de R$ 2,20/2,25. Juro deve se manter em 11% neste ano. Política de swap cambial será mantida no segundo semestre. Ofertas de contratos de swap, US$ 200 milhões ao dia. No curto prazo as perspectivas são de redução da inflação, primeiro no atacado, pelos IGPs, depois no varejo, pelos IPCs.
  9. 9. 10 COMPORTAMENTO DO IPCA E DA TAXA SELIC
  10. 10. 11 DESEMPENHO DO IPCA POR CATEGORIAS DE USO (% 12 meses)
  11. 11. 12 EVOLUÇÃO DA TAXA DE JURO REAL (IPCA PARA OS PRÓXIMOS DOZE MESES)
  12. 12. 13 ESTABILIDADE DA TRAJETÓRIA DA TAXA DE CÂMBIO, R$ / 1 US$
  13. 13. 14 GESTÃO FISCAL DOMÉSTICA, % DO PIB
  14. 14. 15 DÉFICIT EXTERNO, INVESTIMENTOS E NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO EXTERNO, % PIB
  15. 15. 16 Panorama Político Campanha no rádio e TV. Tem início em agosto (dia 18), devendo favorecer mais a candidata Dilma pelo maior tempo (12 minutos). Aécio possui 5 minutos e Eduardo Campos em torno de 2 minuto. Indecisos e votos em branco representam 26/30%, mais do que nas últimas eleições (média 16%). Este eleitor, geralmente, decide em cima da hora e pode migrar para o candidato que estiver na frente. Seu perfil, de baixa renda e pouca escolaridade, mais se aproxima do eleitor da Dilma. Pontos favoráveis à candidata Dilma são: tempo de TV, “máquina pública”, capilaridade nacional pelo arco de alianças com o PMDB e outros partidos, forte política de transferência de renda, com destaque no Nordeste, programas de governo voltados para baixa renda (Minha Casa, Minha Vida, Pronatec) e Lula como “cabo eleitoral”.
  16. 16. 17 Panorama Político Pontos favoráveis ao Aécio. Capacidade de articulação política (Tancredo Neves); adesão de parte da dissidência do PMDB (RJ e SP); Sudeste como região mais importante para impulsionar sua candidatura; Pontos favoráveis ao Eduardo. Menor rejeição (12%), até por ser pouco conhecido; Transferência de parte dos 20 milhões de votos dados a Marina em 2010; outsider, não estando envolvido com nenhum escândalo. Pode ser considerado o apoio mais importante para o segundo turno. Dilma e Aécio vêm tentando se aproximar. Dilma tem palanque duplo no RJ, Amapá e SP.
  17. 17. 18 Panorama Político Nas pesquisas eleitorais recentes merece atenção a evolução dos candidatos de oposição para o segundo turno e Dilma Rousseff perdendo apoio. Devemos salientar, também, a disputa acirrada nos cinco maiores colégios eleitorais do Brasil, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul. Estes colégios eleitorais representam 53,4% do eleitorado no Brasil. Aécio equilibra nestas regiões, com Dilma em vantagem folgada no NE.
  18. 18. 19 Cenário Político Eleitoral Somente nos três maiores estados do Sudeste - São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro – o governo conseguiu costurar sete candidaturas com os governos locais, quatro no Rio de Janeiro, duas em São Paulo e uma em Minas Gerais. Já o candidato tucano, Aécio Neves, possui cinco candidaturas que defenderão seu nome nos cinco maiores estados do País, sendo que em São Paulo o tucano terá que dividir o palanque para a reeleição do atual governador do Estado, Geraldo Alckmin, com o pernambucano Eduardo Campos (PSB). São os chamados “palanques abertos”. O fraco desempenho da economia deve ter papel decisivo nestas eleições, azedando (ou não) o humor dos eleitores. A inflação mais comportada por estas semanas, no entanto, joga a favor da candidata governista, mas caso a economia se mantenha parada, aparecendo desemprego, Aécio Neves ou Eduardo Campos serão beneficiados.
  19. 19. 20 Estatísticas do eleitorado
  20. 20. 21 EVOLUÇÃO DOS QUADROS POLÍTICO E ECONÔMICO Fonte: MCM / * Datafolha, ** FGV (Jun14), *** BACEN.
  21. 21. 22 DATAFOLHA
  22. 22. 23 IBOPE
  23. 23. 24 Cenário Político Eleitoral e Econômico Como resultado desta eleição tracemos dois cenários. O primeiro com a candidata Dilma reeleita e o segundo com um candidato da oposição vencendo (maior a probabilidade de ser Aécio Neves). Na vitória de Dilma, os ajustes devem ser mais moderados, ainda refratários ao mercado, com reajustes tarifários graduais, postergação de despesas e busca de novas fontes de receita, com destaque para as chamadas ""extras, como dividendos de estatais, dívidas dos REFIS, ou alguma alíquota (ou novo imposto) a ser elevado.
  24. 24. 25 Cenário Político Eleitoral e Econômico Na hipótese da vitória do candidato Aécio, a hipótese é de um ajuste mais rigoroso, visando uma reversão de expectativas (de negativas para favoráveis). Isto pode significar uma retração da economia no curto prazo, mas uma retomada mais consistente no médio e longo prazos. Os agentes econômicos devem retomar os investimentos, dada a maior confiança nas ações de um possível vencedor da oposição que implemente reformas (tributária e previdenciária). Sistema de metas pode ser ampliado em 2015. Plano de governo. Autonomia operacional do BACEN; preservar (ou resgatar) o tripé de política econômica (câmbio flutuante, gestão fiscal responsável e meta de inflação); Reformas estruturais, com destaque para a tributária com simplificação do sistema; despesas só crescendo abaixo do PIB; mudança no cálculo do salário mínimo; aperfeiçoamento dos programas de transferência de renda.
  25. 25. 26 Cenário Doméstico No primeiro cenário, vitória de Dilma, o juro iria a 12%, o câmbio se depreciaria, indo acima de R$ 2,40 por dólar e a inflação ultrapassaria 8% ao ano em algum momento. A economia continuaria empacada na “armadilha do baixo crescimento”, com os fundamentos ainda deteriorados. No segundo, com Aécio Neves, haveria um “freio de arrumação” mais forte da economia no curto prazo, com a taxa de juros elevada a 12%, mas com câmbio se apreciando a R$ 2,10 e a inflação recuando, depois de um breve repique. Colocaria a agenda de reformas para ser debatida logo no primeiro ano do governo. Nesta segunda opção, os indicadores de atividade já começariam a se recuperar no segundo semestre de 2015 e no ano seguinte (2016), assim como os ajustes resultariam numa melhoria ex-post dos resultados fiscal e externo. Na formação da equipe econômica do governo Dilma, é possível o retorno de Nelson Barbosa (ex-secretário de Política Econômica) e o fortalecimento de Alexandre Tombini e Marcio Holland. Na gestão Aécio Neves, caso eleito, Armínio Fraga seria o homem forte (junto com Edmar Bacha, Mansueto Almeida, Samuel Pessoa e outros quadros da PUC). Eduardo Campos tem a assessoria de Giannetti da Fonseca.
  26. 26. 27 Obrigado a todos !! Me coloco à disposição para esclarecimentos e dúvidas.

×