Maria montessori

3.118 visualizações

Publicada em

Slide sobre Maria Montessori.
Feito pelas alunas: Nathália Guerra, Layza Marques e Desirée.
Turma:3002
Curso: normal
Professora: Ruth

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.118
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
47
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Maria montessori

  1. 1. "A tarefa do professor é preparar motivações para atividades culturais, num ambiente previamente organizado, e depois se abster de interferir"
  2. 2.  Maria Montessori nasceu em 1870, em Chiaravalle, no norte da Itália, filha única de um casal de classe média. Desde pequena se interessou pelas ciências e decidiu enfrentar a resistência do pai e de todos à sua volta para estudar medicina na Universidade de Roma. Direcionou a carreira para a psiquiatria e logo se interessou por crianças com retardo mental, o que mudaria sua vida e a história da educação. Ela percebeu que aqueles meninos e meninas proscritos da sociedade por serem considerados ineducáveis respondiam com rapidez e entusiasmo aos estímulos para realizar trabalhos domésticos, exercitando as habilidades motoras e experimentando autonomia.
  3. 3.  Em pouco tempo, a atividade combinada de observação prática e pesquisa acadêmica levou a médica a experiências com as crianças ditas normais. Montessori graduou-se em pedagogia, antropologia e psicologia e pôs suas idéias em prática na primeira Casa dei Bambini (Casa das crianças), aberta numa região pobre no centro de Roma. Depois dessa, foram fundadas outras em diversos lugares da Itália. O sucesso das "casas" tornou Montessori uma celebridade nacional. Em 1922 o governo a nomeou inspetora-geral das escolas da Itália. Com a ascensão do regime fascista, porém, ela decidiu deixar o país em 1934. Continuou trabalhando na Espanha, no Ceilão (hoje Sri Lanka), na Índia e na Holanda, onde morreu aos 81 anos, em 1952.
  4. 4.  Montessori se opõe radicalmente aos métodos das escolas tradicionais vigentes da época e por conta de sua crítica, pensamentos e feitos, ela insere-se no movimento das Escolas Novas. Segundo a mesma, os métodos tradicionais não respeitavam as necessidades e o desenvolvimento dos alunos, pois a aprendizagem estava voltada para a memorização, repetição e recompensa, tendo desta maneira o objetivo a integração e ajustamento social.
  5. 5.  Faz-se necessário destacar, que a estrutura curricular, da escola tradicional, é formulada com pouco enfoque nos interesses das crianças e os conceitos são entregues já prontos pelos professores, estes exercem a figura principal no processo ensino aprendizagem como detentor quase que exclusivo do conhecimento, sendo o aluno um mero participante passivo neste processo. A partir dessa reflexão, Montessori pensou em uma educação que rompesse com todas essas práticas tradicionais e que caminhasse exatamente ao contrário destas.
  6. 6.  Ela acreditava que a educação estava para além do acúmulo de informações, seu objetivo principal deveria ser a formação integral do homem, ou seja, uma “educação para a vida”. Com isso, sua filosofia e os métodos elaborados por ela procuram desenvolver o potencial criativo desde a infância, associando-a a vontade de aprender, acreditava que tal conceito era inerente a todos os seres humanos. Assim seu método tem por objetivo a educação da vontade e da atenção, no qual as crianças tem liberdade de escolher o material ou atividade com que deseja trabalhar. Esta se inspira no humanismo integral, que postula os seres humanos como pessoas únicas e plenamente capacitadas para atuar com liberdade, inteligência e dignidade.
  7. 7.  Para Montessori, a criança não é um ser incompleto, desde o seu nascimento ela já é um ser humano integral. Ela é constituída por um corpo e uma alma que desenvolve suas potencialidades naturalmente. Nesse sentido, o ambiente não pode sufocá-la, deve somente proporcionar possibilidades para que se ela desenvolva livremente suas potencialidades. Porém, liberdade para Montessori não está ligada ao espontaneísmo, mas ao crescimento rico e harmonioso da pessoa integralmente. Com isso, o papel do ambiente é fundamental, porém secundário. Ele pode modificar como também pode ajudar a destruir, mas ele jamais cria. Este deve ser adaptado para que a criança possa agir e receber estímulos.
  8. 8.  Segundo Maria Montessori, a criança possui uma sensibilidade para observar e absorver tudo em seu ambiente, ou seja, a criança observa e absorve informações que ela requer e necessita para sua atuação na vida diária de forma espontânea. Como consequência desse fato, Montessori a denominou de “mente absorvente”. Para ela, a criança traz dentro de si um potencial criativo que permite que ela mesma conduza o seu próprio aprendizado e encontre o seu lugar no mundo. A criança já possui uma pré-disponibilidade para aprender sem precisar da ajuda do outro, uma vez que ela é talentosa, curiosa e criativa com algo que prende seus interesses ou algo que ela mesma escolhe explorar.
  9. 9.  Torna-se necessário a adequação de condições que possibilitem ela encontrar seu próprio caminho, a plenitude de seu ser através da exploração e apropriação do ambiente livremente. Nesse contexto, concebeu-as como a esperança da humanidade, dando-lhes a oportunidade de aprender a utilizar sua liberdade logo nos primeiros anos de vida e assim, quando chegasse à idade adulta teriam a capacidade de enfrentar os problemas da vida, inclusive aqueles mais complexos como a paz e a guerra.
  10. 10.  Para Montessori, o método montessoriano não foi elaborado apenas desenvolver uma nova maneira de ensinar, mas também para descobrir e ajudar a criança a alcançar seu potencial como ser humano, através dos sentidos, do ambiente preparado e utilizando a observação cientifica de um professor treinado. Nesse sentido, acreditava que a necessidade vital da criança é aprender fazendo, por isso a grande ênfase no trabalho exercido pela criança em seu método.
  11. 11.  Ela defendia que o caminho do intelecto passava pelas mãos, porque é por meio do movimento e do toque que as crianças decodificam e exploram o mundo ao seu redor. Com isso, ela desenvolveu materiais didáticos que chamam a atenção da criança por suas propriedades (cor, forma, tamanho, peso, text ura, cheiro, barulho, dentre outros) com o objetivo de provocar o desenvolvimento do raciocínio e o aprendizado significativo.
  12. 12.  Segundo a mesma, a escola tem o objetivo de permitir que a criança formule seu próprio conhecimento, respeitando cada etapa de seu desenvolvimento de forma gradativa. Portanto defendia o respeito às necessidades e aos interesses de cada criança de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes as faixas etárias.
  13. 13.  O Método Montessori se baseia no conjunto de teorias, práticas e materiais didáticos idealizados pela pensadora em questão. Este tem como característica o respeito para com a criança e pela sua capacidade de aprendizado. Possui como objetivo a valorização da educação pelos sentidos e pelo movimento, visando estimular a concentração e as percepções sensório-motoras.
  14. 14.  Os princípios básicos se consistem na liberdade, atividade e individualismo. Esses elementos tornam a criança o sujeito e objeto do processo de aprendizagem. A liberdade ocorre na condição de manifestar-se, espontaneamente, na escolha dos objetos que queira agir ou das atividades a realizar, tendo como ponto de partida o interesse e a vontade. As atividades são construídas a partir das quatro grandes áreas do conhecimento, a saber: vida prática (consiste em desenvolver a coordenação, concentração, indepen dência, ordem e disciplina), educação sensorial (refere-se ao desenvolvimento completo dos cinco sentidos), linguagem oral e escrita e matemática.
  15. 15.  Nesse sentido, são construídas atividades que trabalham diferentes áreas permitindo aprender através de ações nas brincadeiras, tentativas, descobertas e conquistas. A individualidade aparece na condição da criança se desenvolver de acordo com suas potencialidades e interesses individuais, sendo respeitada como sujeito de grande potencial na construção de conhecimento.
  16. 16.  Maria Montessori referia-se as educadoras como guias. Estas devem ser grandes observadoras para conhecerem as necessidades psicológicas, intelectuais e físicas de cada criança, pois desta forma podem mediar o primeiro contato com outros materiais ou atividades que propiciem diferentes desafios e novidades. O erro é entendido como parte do processo de aprendizagem e são valorizados como componentes do desenvolvimento, uma vez que encaminha a criança a um raciocínio maior. O objetivo da guia é ajudar a criança a ajudar-se e contribuir no processo de autoconfiança da mesma. Deve conhecer a finalidade de cada material utilizado, saber manuseá-lo corretamente e mediar somente no primeiro contato da criança com o novo material. A mesma deve potencializar no processo de desenvolvimento a imaginação, independência e autodisciplina. O respeito pela escolha e interesse de cada estudante é característica essencial da atuação docente.
  17. 17.  A guia é a ponte que liga as crianças ao ambiente preparado, sendo este composto por um mobiliário adequado ao tamanho delas e passível de locomoção a partir dos interesses apresentados por cada uma, ocorrendo desta forma a liberdade de eleição do que se quer trabalhar no momento. Cabe ressaltar, a importância do silêncio, da higiene, da organização no ambiente preparado e que este reflete as características individuais de cada guia e do grupo de crianças que ali se encontram.
  18. 18.  Montessori desenvolveu diversos materiais cujo objetivo é dar bases sólidas para o desenvolvimento de todas as habilidades e inteligências humanas. Tais materiais abrangem a todas as áreas das necessidades infantis em que ela estudou. Ao elaborar cada material, queria que as crianças passassem a ter uma imagem concreta de cada conceito estabelecido pelos mesmos, facilitando assim a compreensão e desenvolvendo um raciocínio e aprendizado mais agradável. Eles foram adequados ao tamanho das crianças e confeccionados com materiais naturais como madeira, vidro e metal. Eles exigem movimentos dirigidos pela inteligência para um fim definido e constituem um ponto de contato entre a mente da criança e uma realidade externa, permitindo-lhes realizar gradualmente exercícios de maior dificuldade. Alguns destes são auto didáticos, ou seja, possibilitam a criança trabalhar com eles sem a intervenção do adulto e a observar seus próprios erros.
  19. 19.  Colégio Estadual Rui Barbosa.  Feito pelas aluna: Nathália Guerra, Desirèe Alves e Layza Marques.  Curso: Normal  Turma: 3002  Professora: Ruth  Matéria: Psicologia da Educação  Petrópolis RJ/2013.

×