CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA – UNIUV
CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA
JESSE BUDIN
A INFLUÊNCIA DA CAMI...
JESSE BUDIN
A INFLUÊNCIA DA CAMINHADA PARA A MELHORA DA SAÚDE GERAL
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado
como requis...
JESSE BUDIN
A INFLUÊNCIA DA CAMINHADA PARA A MELHORA DA SAÚDE GERAL
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado
como requis...
Dedico esse trabalho a Deus e a todos os
que foram meus professores na UNIUV;
também aos meus pais e aos meus
irmãos. Aos ...
Agradeço a Deus, por mais essa
oportunidade de estar cursando e
terminando o curso de Bacharelado. A
meus pais, amigos, pr...
“Nada beneficiará mais a saúde da
humanidade e aumentará as chances de
sobrevivência da vida na Terra quanto a
dieta veget...
RESUMO
O presente estudo apresenta como tema a influência da caminhada para a melhora da saúde geral,
buscando analisar a ...
ABSTRACT
The present study has as its theme the influence of walking to improve general health, to investigate
the contrib...
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Tabela 1 – Resultados dos escores do teste de QSG...............................................36
Gr...
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................
11
1 INTRODUÇÃO
A presente pesquisa relaciona o valimento da caminhada para a melhora da
saúde geral, e avalia a eficácia ...
12
Como qualquer outro exercício físico, a caminhada trás inúmeros benefícios a
saúde geral do indivíduo, pois sendo uma a...
13
2 EXERCÍCIOS FÍSICOS
Exercícios físicos são denominados atividades planejadas, ou seja, um tempo
separado para praticar...
14
Para que se adquira uma rotina de exercícios físicos, é importante começar o
mais cedo possível. Praticar de duas a trê...
15
2.1.1 Atividade Física
Pode-se entender por Atividade Física, todo movimento do corpo, ou seja, o
simples fato de mover...
16
os resultados podem tornar-se alarmantes. O estresse, a depressão, doenças
cardiovasculares, são alguns dos resultados ...
17
Todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios da atividade física: coração
forte e mais saudável; níveis mais autos do ...
18
O gasto energético diário do ser humano depende basicamente de três
fatores: da taxa metabólica basal (60-75%), da ativ...
19
Para que comece o gasto energético de uma pessoa, é necessário que esta
pratique atividades que consumam oxigênio e ele...
20
O ser humano sempre está em constante mudança. No decorrer dos anos,
muitas coisas começam a mudar e, consequentemente,...
21
contra, ainda existem indivíduos que não conseguem parar de fumar, entre estes, as
mulheres.
O cigarro matou duas vezes...
22
Comer menos é um fator de longevidade comprovado cientificamente.
Numa experiência com ratinhos dirigida pelo cientista...
23
mas sim pela qualidade de vida que é proporcionado as pessoas (FLECK; COLS,
1999).
O corpo humano é igual o motor de um...
24
2.2.2 Sono
O sono é o período, em que um determinado indivíduo tem para poder
repousar e relaxar o corpo, que é tão imp...
25
“O sonambulismo é caracterizado por comportamento estereotipado e
caminhar noturno. Pode ser calmo, ou agitado (associa...
26
O aspecto físico, ou seja, problemas de saúde, podem ser um gerador de
estresse, pois isso faz com que não haja o funci...
27
Sabe-se:
Atualmente o sentido hedonístico do termo foi modificado, acresentando-se
a ele conotações de responsabilidade...
28
Reconhecer e apreciar o próprio valor e importância significa ser consciente,
não apenas da própria forma de agir em de...
29
2.2.5 Motivação
Motivação é elevar o próprio grau de satisfação, isto é, praticar ações que
demonstrem a autoconfiança ...
30
A palavra entusiasmo vem do grego e significa ter um deus dentro de si. Os
gregos eram politeístas, isto é, acreditavam...
31
Staviski; Silva; Oliveira e Beltrame (2007) afirmam que meninos e meninas
que tem em média 14 anos de idade, motivam-se...
32
doenças, que resalta, que algumas anomalias são problemas psicológicos,
resultando em doenças.
Corpo e mente é um único...
33
3 METODOLOGIA
3.1 TIPO DE PESQUISA
Esta pesquisa refere-se a um estudo de caso, exploratório, bibliográfico, de
cunho q...
34
3.4 INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS
Para efeitos avaliativos das melhoras do indivíduo, uma profissional da área
da ps...
35
Efetuou-se as caminhas em asfalto com pouca elevação e, em
paralelepípedos planos. Nenhuma aula realizou-se em terreno ...
36
4 RESULTADOS
Os resultados obtidos serão apresentados em forma de gráficos e tabelas,
sendo que foram realizados pré-te...
37
Gráfico 1 – Resultado dos escores do teste de QSG
Fonte: do autor, 2012.
Observa-se, por meio desse gráfico, que houve ...
38
O terceiro item, relacionava-se a desconfiança no próprio desempenho.
Nesse tópico houve significativas melhoras, pois ...
39
Acima estão os demonstrativos do pré-teste e pós-teste, em porcentagem.
Somente o item “desejo de morte” manteve-se em ...
40
para a diminuição do estresse. Os exercícios aeróbicos proporcionam mais
relaxamento do que os anaeróbicos, pois são li...
41
Gráfico 3 – Peso
Fonte: do autor, 2012.
Como pode-se obervar no gráfico acima, o indivíduo perdeu peso, como era o
obje...
42
5 CONCLUSÃO
A educação física é uma área da saúde e, sendo assim, é uma
responsabilidade dos profissionais proporcionar...
43
6 REFERÊNCIAS
ALMEIDA, A.C.G. Mexa-se. Vida e saúde, São Paulo, n. 3, p.13, mar. 2004.
ALMENDRA, S.R.F. Psicossomática ...
44
FIORELLI, J. O. Psicologia Para Administradores. 6ed. São Paulo: Atlas, 2009.
GERADO, P.P; LIMA, S.M.T. A auto-estima e...
45
MATSUDO, M.M.S. Atividade física e obesidade: prevenção e tratamento. São
Paulo: Atheneu, 2007.
MCARDLE, W.D; KATCH, F....
46
SMITH, K. Levante pesos para perder peso. Barueri: Manole, 2002.
STAVISK, G; SILVA, J; OLIVEIRA, C.A; BELTRAME, S.T. A ...
47
ANEXOS
48
Anexo A
Aula 1- dia 24/04/12:
Sistólica= 100
Diastólica= 58
Frequência em Repouso= 60 Frequência em atividade= 110
Aula...
49
Aula 10- dia 14/05/12:
Sistólica= 110
Diastólica= 70
Frequência em Repouso= 66 Frequência em atividade= 123
Aula 11- di...
50
Aula 20- dia 07/06/12:
Sistólica= 115
Diastólica= 68
Frequência em Repouso= 73 Frequência em atividade= 125
Aula 21- di...
51
Aula 30- dia 02/07/12:
Sistólica= 115
Diastólica= 59
Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 130
Aula 31- di...
52
Aula 40- dia 30/07/12:
Sistólica= 106
Diastólica= 62
Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 124
Aula 41- di...
53
Aula 50- dia 17/08/12:
Sistólica= 110
Diastólica= 63
Frequência em Repouso= 71 Frequência em atividade= 120
54
Anexo B
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A influência da caminhada para a melhora da saúde geral

2.101 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.101
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A influência da caminhada para a melhora da saúde geral

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE UNIÃO DA VITÓRIA – UNIUV CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA JESSE BUDIN A INFLUÊNCIA DA CAMINHADA PARA A MELHORA DA SAÚDE GERAL UNIÃO DA VITÓRIA – PR 2012
  2. 2. JESSE BUDIN A INFLUÊNCIA DA CAMINHADA PARA A MELHORA DA SAÚDE GERAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Educação Física, pelo Centro Universitário de União da Vitória – UNIUV. Orientador: Prof. Ms. Elizabeth Ulrich Coorientador: Prof. Esp. Waldir Aliot Junior UNIÃO DA VITÓRIA – PR 2012
  3. 3. JESSE BUDIN A INFLUÊNCIA DA CAMINHADA PARA A MELHORA DA SAÚDE GERAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Educação Física, pelo Centro Universitário de União da Vitória – UNIUV. Orientador: Prof. Ms. Elizabeth Ulrich Coorientador: Prof. Esp. Waldir Aliot Junior BANCA EXAMINADORA: Elizabeth Ulrich Mestre, Centro Universitário de União da Vitória – Uniuv Waldir Aliot Junior Especialista, Centro Universitário de União da Vitória – Uniuv Izabel Cristina Ribas Rodrigues Especialista, Centro Universitário de União da Vitória – Uniuv 20 DE NOVEMBRODE 2012
  4. 4. Dedico esse trabalho a Deus e a todos os que foram meus professores na UNIUV; também aos meus pais e aos meus irmãos. Aos amigos e em especial a Douglas Luís Gomes. A minha noiva Renata Becker que me passou entusiasmo e motivação.
  5. 5. Agradeço a Deus, por mais essa oportunidade de estar cursando e terminando o curso de Bacharelado. A meus pais, amigos, professores, irmãos e a minha Noiva Renata Becker.
  6. 6. “Nada beneficiará mais a saúde da humanidade e aumentará as chances de sobrevivência da vida na Terra quanto a dieta vegetariana” Albert Einstein
  7. 7. RESUMO O presente estudo apresenta como tema a influência da caminhada para a melhora da saúde geral, buscando analisar a contribuição da caminhada na melhora da saúde geral, mensurando o quanto a caminhada influência nos níveis de estresse psíquico, desejo de morte, desconfiança no próprio desempenho, distúrbios do sono e psicossomáticos; verificando também, se tal prática auxilia na diminuição de peso corporal. O instrumento para a coleta de dados foi o “Questionário de Saúde Geral de Goldberg”. Escolheu-se a amostra intencionalmente, composta por um indivíduo do sexo feminino com a idade de 51 anos de idade que reside em União da Vitória PR. Aplicou-se as aulas, com caminhadas, conforme a disponibilidade da pesquisada. As aulas iniciaram-se com trinta minutos de duração, e elevou-se o tempo conforme a resistência da aluna, sendo que ao final da pesquisa, esta estava caminhando uma hora. Antes de começar as práticas realizaram-se pré-teste, e ao final pós-teste. Como resultados há melhoras significativas em todos os tópicos relação do teste, sendo que em todos os itens houve avanço, principalmente em relação a desconfiança no próprio desempenho, na saúde geral e diminuição de peso corporal. Concluindo-se então, que a caminhada auxilia na melhora da saúde geral e na perda de peso corporal. Palavras-chave: Saúde Geral. Caminhada. Peso corporal.
  8. 8. ABSTRACT The present study has as its theme the influence of walking to improve general health, to investigate the contribution of walking in improving overall health by measuring how much the walk influence levels of psychological stress, death wish, distrust of own performance sleep disorders, and psychosomatic, also checking if that practice assists in the reduction of body weight. The instrument for data collection was the "General Health Questionnaire of Goldberg." The sample was chosen intentionally, made by an individual female at the age of 51 years who resides in Union City PR. We applied lessons, hiking, depending on the availability of researched. The classes began with thirty minutes duration, and increased over time as the strength of the student, and at the end of the survey, this was walking an hour. Before starting the practices were held pre-test and post-test at the end. The results show the significant improvements on all topics regarding the test, and all items were advancing, especially in relation to the distrust own performance, general health and decreased body weight. Concluding then that walking helps in improving overall health and weight loss. Keywords: General Health. Walk. Body weight.
  9. 9. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Tabela 1 – Resultados dos escores do teste de QSG...............................................36 Gráfico 1 – Resultado dos escores do teste de QSG................................................37 Tabela 2 – Resultados dos percentiis do teste de QSG............................................38 Gráfico 2 – Resultado dos percentiis do teste de QSG .............................................39 Gráfico 3 – Peso........................................................................................................41
  10. 10. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................11 2 EXERCÍCIOS FÍSICOS..........................................................................................13 2.1.1 Atividade Física ................................................................................................15 2.1.2 Caminhada.......................................................................................................15 2.1.3 Vias Energéticas...............................................................................................17 2.1.4 Personal Trainer...............................................................................................19 2.2 SAÚDE GERAL...................................................................................................20 2.2.1 Qualidade De Vida ...........................................................................................22 2.2.2 Sono.................................................................................................................24 2.2.3 Estresse ...........................................................................................................25 2.2.4 Auto Estima ......................................................................................................26 2.2.5 Motivação.........................................................................................................29 2.2.6 Psicossomática.................................................................................................31 3 METODOLOGIA ....................................................................................................33 3.1 TIPO DE PESQUISA...........................................................................................33 3.2 LOCAL DE PESQUISA .......................................................................................33 3.3 POPULAÇÃO E AMOSTRA ................................................................................33 3.4 INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS ....................................................34 3.5 METODOLOGIA DAS AULAS.............................................................................34 3.6 TRATAMENTOS DOS DADOS...........................................................................35 4 RESULTADOS.......................................................................................................36 5 CONCLUSÃO ........................................................................................................42 6 REFERÊNCIAS.....................................................................................................43 ANEXOS ...................................................................................................................47 Anexo A....................................................................................................................48 Anexo B....................................................................................................................52
  11. 11. 11 1 INTRODUÇÃO A presente pesquisa relaciona o valimento da caminhada para a melhora da saúde geral, e avalia a eficácia desse exercício físico na influência dos níveis de estresse do organismo, na parte emocional do indivíduo, sono, distúrbios psicossomáticos, enfim, os predomínios na qualidade de vida da pessoa que é analisada por fatores físicos, emocionais e sociais. Para uma pessoa que deseja começar uma prática regular de atividades físicas, a caminhada é uma boa opção por não requerer um condicionamento físico elevado e por poder ser exercida em lugares quaisquer, melhorando tanto a parte física como a mental. O presente estudo apresenta como tema: A influência da caminhada para a melhora da saúde geral. O problema em questão foi saber qual a influência da caminhada para a melhora da saúde geral. O estudo teve como objetivo geral verificar a contribuição da caminhada na melhora da saúde geral e, os específicos, mensurar o quanto a caminhada influência nos níveis de estresse psíquico, desejo de morte, desconfiança no próprio desempenho, distúrbios do sono e psicossomáticos; verificar se a caminhada auxilia na diminuição de peso corporal. A primeira hipótese é a verificação da melhora na saúde geral por meio da caminhada; a segunda é se não haverá melhora na saúde geral por meio da caminhada e, a terceira é que a caminhada piorará a saúde geral do indivíduo pesquisado. Os exercícios físicos atendem as necessidades do corpo como um todo, ou seja, físico e psicológico que é um conjunto que irá melhorar o bem estar do ser humano. As pessoas na atualidade, quando começam uma atividade física, na maioria dos casos, querem eliminar os chamados “quilinhos à mais”, entretanto, existem indivíduos que querem também melhorar seu bem-estar físico, psíquico e emocional, elevando assim seus níveis de QV (LIMA 2002). Esta pesquisa refere-se a um estudo de caso, exploratório, bibliográfico, de cunho qualitativo e quantitativo.
  12. 12. 12 Como qualquer outro exercício físico, a caminhada trás inúmeros benefícios a saúde geral do indivíduo, pois sendo uma atividade aeróbica, faz com que diminua- se o peso corporal, melhoras na pressão arterial, índices elevados de condicionamento físico, entre outros. O trabalho conta com alguns capítulos com informações sobre: exercícios físicos, atividade física, caminhada, vias energéticas, personal trainer, saúde geral, qualidade de vida, sono, autoestima, motivação, estresse psíquico e distúrbios psicossomáticos. Todos esses temas agem juntos para completar o propósito de melhora na saúde geral da aluna pesquisada.
  13. 13. 13 2 EXERCÍCIOS FÍSICOS Exercícios físicos são denominados atividades planejadas, ou seja, um tempo separado para praticar um determinado esporte, como: natação, corrida, caminhada, jogar futebol e etc. Os exercícios físicos são considerados como uma sequência sistematizada de movimentos de diferentes segmentos corporais, executados de forma planejada e com um determinado objetivo a ser atingido. Por exemplo: um passeio ao ar livre é considerado uma atividade física, enquanto uma caminhada orientada é um exercício físico, já que possui um determinado planejamento, como a intensidade e a duração e o objetivo, que pode ser a queima de gordura. Ambos trazem diversos benefícios para a saúde, como o controle do peso corporal, perda de gordura, diminuição da pressão arterial, redução do estresse, além de prevenir doenças como as cardiovasculares e o diabetes desde que seja realizado regularmente. (COOPER, 1972, p.31). Todo indivíduo necessita de movimentar o corpo, entretanto, todos deveriam praticar algum tipo de exercício planejado, para melhorar a aptidão física, mas principalmente, elevar os níveis de satisfação da saúde. A atual pequena taxa de participação pode ser, em parte, devido à percepção erronia de muitas pessoas de que para obter benefícios na saúde elas devem praticar exercícios vigorosos e contínuos. As evidências científicas demonstraram que a atividade física regular e de intensidade moderada acarreta benefícios substancias para a saúde. (NIEMAN, 1999, p.17). De acordo com Nieman (1999), a falta de atividade física destrói a condição de qualquer ser humano, enquanto o fato de movimentar-se e de praticar exercícios físicos planejados, preserva a saúde e o bem estar da pessoa. É muito importante cuidar da saúde, alimentando-se de forma saudável e balanceada e evitando vícios. Entretanto, se não houver uma prática contínua e planejada de exercícios físicos, o corpo pode começar a dar sinais de fracasso. Para obtenção de boa saúde é necessário um conjunto de bons hábitos que elevam os níveis de bem estar. As pessoas fisicamente treinadas apresentam outros fatores sob um bom controle. Além disso, o coração é maior e mais forte, com um aumento de suprimento de sangue e de oxigênio e com as artérias coronarianas que podem expandir-se melhor e são mais largas e menos rígidas na velhice. (NIEMAN, 1999, p.45).
  14. 14. 14 Para que se adquira uma rotina de exercícios físicos, é importante começar o mais cedo possível. Praticar de duas a três vezes por semana ajuda a dar início à atividade, entretanto, exercitar-se mais dias, com certeza trará maior e melhores benefícios. “Estudos recentes demonstram que os efeitos do exercício físico duram apenas 24 horas no organismo. Portanto, aquelas duas ou três vezes por semana na academia não são o ideal.” (LIMA, 2004, p.12). De acordo com Lima (2004), quem não tem costume de praticar exercícios físicos, não tem bom sono. Ele relaciona o sono, com a fadiga física, ou seja, uma pessoa que exercitar-se tem maior probabilidade de ter uma boa noite de descanso, do que àquela que não faz atividade. Comenta, também, que caminhar todos os dias, melhora também o organismo, enquanto o sedentarismo o deteriora. Para um estilo de vida saudável, é necessário algumas mudanças em relação à alimentação, vícios, práticas regulares de exercícios físicos, entre outros. Mas é muito importante salientar o aspecto das práticas esportivas; estar movimentando-se buscando melhorar a saúde. “Atualmente, fala-se muito em qualidade de vida, e as pesquisas mostram que a prática de esportes tem que ser considerada uma forma de lazer, sim, mas também parte de um estilo de vida.” (ALMEIDA, 2004, p.34). Para Lemos (2001), as atividades necessitam ser realizadas, não importando qual turno em que se pratique, entretanto ele dá alguns conselhos, dependendo do momento a ser realizado. Pela manhã, um bom desempenho é alcançado de três a quatro horas depois de acordar. À tarde, o melhor horário é entre 16h00 e 17h00, quando os músculos estão mais flexíveis e as articulações lubrificadas. À noite, são aconselháveis exercícios de relaxamento. (LEMOS, 2001, p.9). Para Krusche (2001), as atividades aeróbicas, como: andar de bicicleta, caminhar, nadar e correr, são exercícios importantes para diminuir os níveis de estresse, para o equilíbrio mental e diminuição de peso corporal. Uma pessoa praticante de algum exercício físico, vai obter excelentes níveis de qualidade de vida, melhora na saúde geral, demonstrando assim, que atividades planejadas, auxiliam no bem estar do indivíduo.
  15. 15. 15 2.1.1 Atividade Física Pode-se entender por Atividade Física, todo movimento do corpo, ou seja, o simples fato de mover o corpo de uma parte à outra do espaço. A atividade física é entendida como todo movimento produzido pelos músculos esqueléticos com gasto energético acima dos níveis de repouso. Ou seja, todo movimento que realizamos no dia a dia, como: nadar, lavar o carro, passear com o cachorro, varrer a calçada, brincar, entre outros. (COOPER, 1972, p.29). As atividades físicas podem ser praticadas a qualquer momento, quando a frequência cardíaca se elevar acima do normal em repouso. Todas as pessoas normalmente realizam atividade física, como por exemplo uma dona de casa, ao varrer, eleva sua frequência cardíaca, entretanto, é necessário, exercícios físicos, que são uma prática planejada, ou seja, um tempo que a pessoa disponibiliza para realizar algum esporte. 2.1.2 Caminhada Atualmente, as pessoas, a fim de adquirir boa saúde, ou melhorá-la, praticam atividades físicas para elevar os níveis de satisfação e bem estar. Muitas dessas estão relacionadas a vários desportos, como: futebol, voleibol, basquetebol, corrida, natação e etc. Entretanto, várias delas não praticam devido a alguns fatores, tais como: elevado peso corporal e determinadas lesões. Diante desses fatores, uma atividade física importante, que não exige esforço demasiado, é a caminhada, pois não sobrecarrega articulações como o joelho, que, na corrida, força, e também requer menos ingestão de oxigênio. Para uma pessoa que deseja começar uma prática regular de atividades físicas, a caminhada é uma boa opção por não requerer um condicionamento físico elevado e por poder ser exercida em lugares quaisquer, melhorando tanto a parte física como a mental. “Os praticantes procuram, com esta forma de atividade física, a manutenção e aprimoramento da condição básica da saúde” (LIMA, 2002, p. 13). Com a correria do dia a dia, as pessoas não param para alimentar-se de forma saudável, não praticam atividade física e pouco cuidam da saúde, com isso,
  16. 16. 16 os resultados podem tornar-se alarmantes. O estresse, a depressão, doenças cardiovasculares, são alguns dos resultados desse estilo de vida. Habitualmente as pessoas estão recorrendo à prática de caminhadas com dois objetivos básicos: o primeiro, com uma tentativa de queimar algumas calorias e reduzir alguns quilos do peso corporal e, o segundo como tentativa de obter alguma melhora da saúde orgânica geral, objetivando um melhor bem-estar físico, psíquico e emocional. Esses resultados ocorrem, comprovadamente, quando a sua prática é dosada e realizada por longo prazo, aqui chamada de prática sistemática. Saber trabalhar com a necessidade de buscar efeitos a longo prazo é uma virtude. (LIMA, 2002, p.17). As atividades físicas trazem bem estar e melhoram a vida de cada pessoa praticante. Ponce de Leon ficou famoso ao procurar a fonte da juventude. Viajou por todo o mundo tentando encontrar o lugar e a substância que lhe dariam saúde e longevidade. Historiadores contam que ele acabou morrendo de malária numa floresta tropical. Interessante é que o explorador já tinha encontrado a fonte da juventude, mas não sabia. Em sua busca, durante anos, Ponce Leon andou milhares de quilômetros. E esses exercícios de caminhas era justamente a fonte mágica (SANTOS, 2001, p.30). A caminhada, pratica-se em qualquer horário, ou seja, pela manhã, tarde ou noite, o importante é encontrar um tempo para cuidar da saúde física, que no caso é o corpo. Para Lima (2002), é importante, se a caminhada for matinal, começar vagarosamente e progressivo, propiciando assim, tempo suficiente para o organismo e os sistemas adaptarem-se ao esforço físico. A caminhada traz consigo tanto a possibilidade de perder-se peso, quanto a de melhorar a autoestima e motivação. Há um século, o novelista inglês Charles Dickens aconselhava: “caminhe e seja feliz, caminhe e seja saudável. A melhor forma de prolongar os nossos dias é caminhar, com firmeza e com propósito”. Hoje, a ciência comprova a veracidade dessas palavras (DICKENS, 2001, p.30). Como toda a atividade planejada, a caminhada também melhora as articulações e pressão arterial. Os índices do mau colesterol (LDL) tendem a diminuir e, as do bom, a aumentar (HDL).
  17. 17. 17 Todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios da atividade física: coração forte e mais saudável; níveis mais autos do bom colesterol (HDL) e menores níveis do mau colesterol (LDL); redução da pressão sanguínea; aumento da força muscular e da resistência; menores níveis de depressão e gordura. A novidade é que tais benefícios são alcançados com esforço menor que se imaginava anteriormente (KWAKO, 2001, p.31). Kwako (2001) comenta que, a caminhada traz vários benefícios à saúde física, como a redução da pressão arterial diastólica (mínima). Também é importante resaltar, que apesar de muitas vezes, não melhorar a aptidão física e muscular, a prática diminui o risco de doenças cardiovasculares e, em contrapartida, a prevenção de ataques cardíacos. A caminhada tende a melhorar o funcionamento do coração e também a estética do corpo, ou seja, caminhando frequentemente a tendência de perder-se peso e gordura são grandes, com isso, a silhueta melhora seu aspecto. “Um programa de caminhadas pode beneficiar o coração e contribuir para tornar elegante a silhueta, tanto quanto o mais cansativo exercício, uma vez que caminhar é também uma atividade aeróbica (consumo de oxigênio)” (KWAKO, 2001, p.31). A prática da caminhada traz melhora no condicionamento do coração e músculos; nos índices de HDL e LDL; o sistema cardiovascular trabalha melhor; aumenta a satisfação pessoal, elevando os níveis de autoestima e motivação, melhorando a Qualidade de Vida. “Devemos desejar vencer a apatia, o sedentarismo que bloqueia nosso caminho rumo à atividade. É só levantar da poltrona e caminhar. As vantagens estão apenas a um passo à frente” (KWAKO, 2001, p.32). 2.1.3 Vias Energéticas Entende-se por vias energéticas todo gasto de energia que o corpo gasta numa determinada atividade.
  18. 18. 18 O gasto energético diário do ser humano depende basicamente de três fatores: da taxa metabólica basal (60-75%), da atividade física (15-30%) e do efeito térmico dos alimentos (7-13%). A taxa metabólica basal depende principalmente da idade, do gênero e da composição corporal (gordura corporal e massa magra). Já o dispêndio energético com a atividade física responde pelo maior efeito sobre o gasto energético diário, dependendo fundamentalmente da duração e intensidade. A atividade física aumenta o gasto energético diretamente, mas também afeta uma série de hormônios que controlam a taxa metabólica e a fome. Assim o exercício tem o potencial de influenciar os dois lados da equação do balanço energético: a ingestão e o gasto de energia. (MATSUDO, 2007, p.29). Todo corpo necessita de energia, para funcionar corretamente. Os alimentos ingeridos são fonte enérgica, principalmente sendo eles carboidratos. “[...] a energia das ligações moleculares dos alimentos é liberada quimicamente no interior de nossas células e, em seguida, ela é armazenada sob forma de um composto altamente energético denominado ATP.” (WILMORE; COSTILL, 2001, p.117). A adenosina trifosfato é mediador de energia, ou seja, um condutor. “[...] a energia proveniente da oxidação dos macronutrientes é recolhida e conduzida através do composto nucleotídeo rico em energia de trifosfato de adenosina (ATP)”. (MCARDLE; KATCH; KATCH, 1996, p.134). O ATP é o composto mais importante, falando-se de energia, que a célula possui, pois é ele que conduzirá o volume necessário para que um indivíduo possa praticar determinada atividade física. O ATP funciona como um agente ideal para a transferência de energia. De certa forma, as ligações fosfato do ATP “aprisionam” uma grande parte de energia potencial da molécula original do alimento. O ATP transfere também prontamente essa energia para outros compostos para conferir-lhe um nível mais alto de ativação. A célula contém outros compostos mais ricos em energia, porém o ATP é incontestável o mais importante. (MCARDLE; KATCH; KATCH, 1996, p.134). Para o gasto energético é necessário que o corpo esteja em atividade, ou seja, um indivíduo que não pratica exercícios físicos ou o faz com pouca frequência, tende a diminuir o seu gasto calórico, com isso, as gordurinhas indesejadas, consequentemente começam a aparecer. Todo tipo de atividade física promove o consumo de energia, ou seja, gasto calórico, porém, os exercícios aeróbicos cíclicos (ex: bicicleta, corrida, remo) são os melhores, pois promovem maior gasto de calorias, tendo a atividade aeróbica características marcantes, como: envolvimento de grandes grupos musculares; grande duração e baixa intensidade; maior gasto de gordura como substrato energético. (RAMOS, 2002, p.101).
  19. 19. 19 Para que comece o gasto energético de uma pessoa, é necessário que esta pratique atividades que consumam oxigênio e eleve sua frequência cardíaca de repouso. Conforme Wilmore e Costill (2001), o gasto energético é baseado no consumo de oxigênio total do organismo e do seu equivalente calórico. Uma pessoa consome aproximadamente 0,31 de O²/min, com isso a exigência do organismo é de 18 por hora e/ou 432 por dia. A quantidade de energia que cada pessoa gasta depende muito da atividade em questão. “[...] a quantidade despedida em diferentes atividades varia com a intensidade e com o tipo de exercício”. (WILMORE; COSTILL, 2001, p.143). É necessária energia para que um indivíduo consiga cumprir com as tarefas diárias, ou seja, são elas que fazem com que todos realizem atividades físicas. 2.1.4 Personal Trainer Com a correria do dia a dia, muitas pessoas estão sem tempo para praticar exercícios físicos, assim, a saúde e a qualidade de vida, estão com seus níveis cada vez mais baixos. O tempo, por muitas vezes, é um fator predominante para que uma pessoa não pratique atividades, com isso, muitas delas preferem contratar alguém para lhes prescrever algum exercício saudável. “[...] o treinamento personalizado é um programa que irá ao encontro da dividualidade, respeitando seus limites em busca de seus objetivos.” (DELIBERADOR, 1998, p.7). O Personal é um profissional da atividade física, no campo da saúde, isto é, onde existe vida humana, é uma área de trabalho para ele, para melhorar os aspectos e níveis de bem estar. Nós que trabalhamos nas mais diferentes áreas da atividade física; podemos dizer, que por ser um trabalho especializado, atuamos onde existe vida. Melhorar a vida e ir em busca de objetivos é inerente ao ser humano por ser uma espécie em evolução. Estamos permanentemente em busca de transformações. (ou você conhece alguém que está contente com o que tem?) Isto também é real quando falamos do corpo ou da saúde. (DELIBERADOR, 1998, p.10)
  20. 20. 20 O ser humano sempre está em constante mudança. No decorrer dos anos, muitas coisas começam a mudar e, consequentemente, a aparência física é uma delas. De fato, quando chega-se na fase adulta, várias pessoas têm recaídas emocionais, devido as vezes, à algumas gordurinhas indesejadas. “[...] as atividades podem melhorar o desempenho do adulto no trabalho e resgatar as qualidades físicas perdidas durante a vida por falta de pratica- las. A proposta é manter atenção para o nível de estresse e sequelas que o adulto passa ter adquirido durante a sua existência e diminuí-los.” (DELIBERADOR, 1998, p 59). Tendo essas problemáticas, o Personal Trainer é um profissional que pode ajudar, realizando atividades que farão elevar os níveis de Qualidade de Vida, Saúde e autoestima. “[...] trabalhando sua autoestima através de uma redescoberta corporal, ele poderá adquirir uma alta qualidade de vida. Por meio das atividades físicas, fará um reconhecimento do seu corpo para que possa amá-lo e sentir que ele ainda pode lhe proporcionar muito prazer, não precisando ter pena da perda do corpo jovem.” (DELIBERADOR, 1998, p.59). Afirma-se com base nas informações, que o trabalho do Personal Trainer é muito importante para a sociedade em que se vive, pois são estes profissionais que trará a devassa sobre diversos assuntos de saúde envolvendo Exercícios Físicos e como pratica-los de forma correta. 2.2 SAÚDE GERAL Quando se fala em saúde, logo pensa-se estar sem doenças, com o coração funcionando bem, havendo harmonia entre o físico e o psíquico. De certa maneira esta forma de pensar está correta, entretanto, para obtenção de níveis satisfatórios existem outros fatores a mais, por exemplo, evitar e prevenir doenças, como câncer de pulmão, devido ao cigarro. Muitas anomalias são decorrentes a vícios e maus hábitos, que podem, num futuro, apresentar perigos. Estar de bem com a vida, sem doenças, sem ferimentos, metabolismo trabalhando bem, harmonia entre físico, mental e espiritual. (PINHEIRO, 1988). Um dos maiores causadores de mortes, das últimas décadas, chama-se tabaco. O vício do cigarro mata muitas pessoas. Apesar de tantas campanhas
  21. 21. 21 contra, ainda existem indivíduos que não conseguem parar de fumar, entre estes, as mulheres. O cigarro matou duas vezes mais franceses em dois anos, que a Aids em dez. A conclusão é dos organizadores do seminário “As mulheres e o fumo”, realizado pelo hospital Foch, em Paris. E o crescimento do câncer pulmonar entre as mulheres é assustador: em 1988, a doenças atacou uma mulher para cada dez homens; em 1975, a proporção era de uma mulher para cada 66 homens (SANTOS, 1991, p.23). Para adquirir-se uma boa saúde, são necessárias várias mudanças de comportamento, como: dar importância ao sono, alimentação saudável, evitar o uso de cigarros e álcool, não utilizar drogas e manter a saúde mental de bem com a vida. “As doenças não surgem por acaso, como balas perdidas às quais todos estão sujeitos. Elas são consequências dos hábitos de vida. A boa notícia é que, mesmo depois de diagnosticadas, a maioria podem ser curadas” (LIMA, 2004, p.11). Em muitos casos, algumas pessoas adquirem doenças por meio da genética, ou seja, não o adquirirem devido ao estilo de vida, diferentemente, por exemplo, de um indivíduo que fuma 30 anos e, por ventura, é diagnosticado um câncer de pulmão, com isso foi responsável pelo problema de saúde. O que é preciso ser feito, realmente, é amar a si mesmo ficando longe de coisas que fazem mal ao corpo. Um bom sono pode melhorar a qualidade da saúde de alguém, ou seja, dormir bem é garantir um dia mais animado e dinâmico, pois se a pessoa dorme bem, o seu dia é melhor. O melhor dia começa pelo melhor sono. As horas que antecedem a meia- noite valem o dobro das horas da madrugada para o seu repouso. É nas primeiras horas da noite, se a pessoa estiver dormindo em ambiente escuro, que a hipófise lança na corrente sanguínea o hormônio do crescimento. Esse hormônio não tem haver apenas com as crianças e adolescentes, mas também com a reposição das perdas celulares e a regulação do metabolismo no adulto. Ir para a cama ao redor das 21 horas é o ideal (LIMA, 2004, p.13). Uma boa alimentação pode melhorar a saúde de um indivíduo, isto é, alimentar-se com comidas de boa qualidade, evitar o excesso de gorduras saturadas, comer somente o necessário, não exagerando principalmente à noite, ingerir frutas e legumes e ter refeições nas horas corretas.
  22. 22. 22 Comer menos é um fator de longevidade comprovado cientificamente. Numa experiência com ratinhos dirigida pelo cientista Ron Hart para a Food and Drug Administratrion, órgão controla a área de alimentação e remédios nos Estados Unidos, os que comiam 70% menos calorias viveram 50% a mais do que os obesos. Isso representaria 32 anos a mais na média brasileira de longevidade masculina, que é de 64,8 anos (LIMA, 2004, p.12). As frutas e legumes são bons para a saúde, pois facilitam a digestão e tem um melhor processamento no organismo. Fuja dos alimentos refinados, pois eles roubam a saúde. Pão, biscoitos e macarrão de farinha branca, arroz branco e açúcar refinado necessitam de componentes para a sua digestão e assimilação, como o cálcio e ferro, que lhes foram retirados. Solução? Tirar do organismo. Coma alimentos naturais, em seu estado integral (LIMA, 2004, p.13). Um dos fatores negativos ligados à alimentação é o estresse, pois ingerir alimentos com alto teor de gordura, excesso de café e carnes aumenta o nível dessa anomalia. Excesso de açúcar, café, carnes, frituras e gorduras costumam ser maus alimentos, causadores de estresse, já que afeta negativamente o sistema nervoso. Por outro lado, frutas, legumes, verduras, grãos integrais são ótimos para quem trabalha muito com a mente. É importante ter horas certas para comer e não comer muito a noite (KRUSCHE, 2001, p.14). Para a aquisição de bons níveis de saúde é necessário, principalmente, conscientização, de modo que o indivíduo afaste-se de vícios mortais, como: o cigarro, álcool, maconha, crack e etc. Prevenção de doenças também é uma maneira da manutenção do bem estar. Uma alimentação saudável e balanceada, sem exageros, pode auxiliar na conservação da vida. 2.2.1 Qualidade De Vida Qualidade de Vida (QV) é um conjunto que traz bem estar físico e mental. Segundo Ferreira (1999) Qualidade de vida é mais que se ter a boa saúde física, ou seja, um corpo em perfeitas condições. É estar de bem com as pessoas com quem se vive, ter hábitos saudáveis, boa moradia, sucesso profissional, momentos de lazer, dentre outros. O então presidente dos EUA, Lyndon Johnson, tem toda a razão quando declara que os objetivos não podem ser medidos por meio do balanço dos bancos,
  23. 23. 23 mas sim pela qualidade de vida que é proporcionado as pessoas (FLECK; COLS, 1999). O corpo humano é igual o motor de um automóvel; é preciso ser abastecido com bons e nutritivos alimentos, como o carro necessita de combustível de qualidade. Em um mundo globalizado e cheio de afazeres, as pessoas não dedicam tempo para uma boa refeição, se alimentado de qualquer forma. Fajardo (2000) comenta que o corpo humano é uma máquina que se pode comparar ao um automóvel. Ingerir alimentos sem qualidade, ou colocar alimentos sem nutrientes o suficiente para funcionar a máquina (corpo), necessitará de um “mecânico” para consertá-lo. Outro aspecto importante para a excelência da Qualidade de Vida, é a prática de exercícios físicos regulares, para que o corpo possa trabalhar e com isso não enferrujar. “[...] a prática de atividades físicas está associada a prevenção de doenças crônico-degenerativas e a promoção da qualidade de vida, devendo ser incentivada em todas as idades” (NETO, 2009, p.51). Os exercícios não são porções mágicas, nas quais as pessoas que praticam viverão longos e bons anos de vida, no entanto, a prática regulares dos mesmos, irão ajudar na funcionalidade do organismo como um todo. Não penso realmente que o exercício faz aumentar a duração de vida. Esta é determinada geneticamente, provavelmente quando nascemos. Mas, se não praticarmos exercícios, vamos morrer mais cedo por causa dos problemas que o sedentarismo acarreta. Também já foi comprovado que exercitar-se melhora a performance no trabalho, diminui os riscos de dores e problemas de coluna, e aumenta a força para realizar tarefas caseiras. (SANTOS, 2001, p.31). Viver muitos anos, com certeza é bom, entretanto, com qualidade, ou seja, ter longevidade sem dor ou doenças é o que todos desejam. “[...] vida longa e qualidade de vida são tópicos que devem ser analisados juntamente, porque não faz sentido viver longos anos carregando doenças e dor. Longevidade e qualidade de vida devem sempre andar juntas.” (SANTOS, 2001, p.31).
  24. 24. 24 2.2.2 Sono O sono é o período, em que um determinado indivíduo tem para poder repousar e relaxar o corpo, que é tão importante quanto o fato de alimentar-se diariamente. “O sono, fenômeno essencial para a sobrevivência, tem como função primordial a restauração corporal e mental, com diversos efeitos fisiológicos, entre eles o processamento de vários tipos de memória”. (COELHO; LORENZINI; SUDA; ROSSONI; REIMÃO, 2010, p. 36) Para Fajardo (1998), um bom sono, tem que ter em media de 6h à 8h diárias, para o individuo poder descansar e, consequentemente poder ter um dia melhor, e desenvolver suas atividades com maior sucesso. Uma noite mal dormida, pode acarretar vários tipos de anomalias para a pessoa como: dores de cabeça, perda de memória, irritabilidade, visão embaçada e etc. As consequências das alterações no padrão de sono são diversas, podem ocorrer reduções na eficiência do processamento cognitivo, do tempo de reação e da responsividade atencional, além de prejuízo na memória, aumento da irritabilidade, alterações metabólicas, endócrinas, imunológicas, quadros hipertensivos, cansaço, náuseas, dores de cabeça, ardência nos olhos, visão turva e dores articulares. (ANTUNES; ANDERSEN; TUFIK; MELLO, 2008, p. 51). Muitas pessoas não usufruem boas noites de sono e, consequentemente, os dias se tornam ruins. Muitos são os distúrbios do sono, como: insônias, parassonias (sonambulismo), roncos, apneias entre outros que, atrapalham a qualidade de uma noite bem dormida. Segundo Nunes (2002), a insônia é a dificuldade de iniciar ou manter-se dormindo, que pode ser ocasionada por problemas médicos como, dor de cabeça. Alimentar-se em exagero antes de dormir também é um fator que prejudica o sono. O fato de falar quando se dorme ou então caminhar, se denomina sonambulismo.
  25. 25. 25 “O sonambulismo é caracterizado por comportamento estereotipado e caminhar noturno. Pode ser calmo, ou agitado (associado a caminhar agitado, falar ininteligível, reação agressiva quando constrangidos)”. (NUNES, 2002, p. 69) A apneia é o momento em que o indivíduo deixa de respirar durante o sono, sendo que tem sua duração de no mínimo 10 segundos. As pausas respiratórias durante o sono (apneias ou hipopnéias) são definidas como uma parada (apneia) ou redução (hipopnéia) da passagem de ar pelas vias aéreas superiores (VAS), com duração mínima de 10 segundos. Estes eventos respiratórios ocorrem inúmeras vezes (até centenas de vezes) durante a noite. (MANCINE; ALOE; TAVARES, 2000, p. 82). Os exercícios físicos podem ser reguladores do sono, ou seja, pessoas que praticam alguma atividade, têm melhores condições de repouso, do que indivíduos inativos. “[...] indivíduos treinados apresentam maior tempo total de sono do que sedentários, mesmo quando fora de treinamento [...]”. (MARTINS; MELLO; TUFIK, 2001, p. 33). 2.2.3 Estresse O estresse é uma reação que o organismo apresente em determinadas situações, ou seja, é um modo de alertar possíveis danos a saúde geral. “[...] O acúmulo de situações desconfortáveis faz com que haja o desgaste físico e psicológico. Algumas dessas situações são geradas por estímulos que são claramente perceptíveis como um conflito expresso abertamente, porém muitas situações provêm de estímulos sutis que passam desapercebidos, e esses são, em geral, os que geram maiores riscos, pois o indivíduo sente apenas as consequências que decorrem da exposição a eles.” (ULRICH; KUBO 2008, p.23). Para Gutman (2010), existem dois tipos de estresse. O primeiro chama-se “estresse agudo”, que é muito intenso, no qual o indivíduo sofre muita pressão, ocasionada, em alguns casos, por perdas na família, como morte. No entanto essa situação é passageira. O segundo chama-se “estresse crônico”, que é ocasionado no dia a dia, ou seja, é mais suave, no entanto acumulativo, uma vez que, o indivíduo sofre rotineiramente.
  26. 26. 26 O aspecto físico, ou seja, problemas de saúde, podem ser um gerador de estresse, pois isso faz com que não haja o funcionamento homeostático do organismo. Diversas são as circunstâncias que podem gerar o estresse, tais como conflitos emocionais, enfrentamentos sociais e condições biológicas adversas, incluindo tratamento de doenças e operações. Neste último caso, os aspectos psicológicos podem constituir fator de risco para evolução pós- operatória desfavorável. O organismo em bom funcionamento homeostático oferece maior resistência, por meio de reações inflamatórias e imunitárias, que podem ser alteradas por essas circunstâncias negativas. (DAIAN; PETROIANO; ALBERTI, p.246). Situações indicam níveis de estresse. “[...] considerando que qualquer mudança, seja ela maior ou menor, coloca a pessoa em situação de estresse, é de se entender porque o nível de estresse da população está tão alto[...]” (ULRICH; KUBO 2008, p.23). Os exercícios físicos são de bom auxílio para a diminuição do estresse, ou seja, atividades aeróbicas tendem a abaixar os níveis. De acordo com Martins (2009) os exercícios aeróbicos podem ajudar na redução de hormônios estressantes no sangue. A caminhada como um exercício aeróbico, ajuda então na redução dos hormônios estressantes no sangue. Martins (2009) diz que, muitos autores comentam que os exercícios aeróbicos proporcionam mais relaxamento do que os anaeróbicos, pois são liberadas substâncias como endorfina no sistema circulatório, que trazem bem-estar físico e psíquico. Pode-se afirmar que a caminhada, sendo ela uma atividade aeróbica, ajuda a diminuir os níveis de estresse de indivíduos. 2.2.4 Autoestima Autoestima significa estar feliz consigo mesmo, ou seja, satisfação com a aparência física, amar e ser amado, bem empregado e ter amizades. “Autoestima significa que você se aceita como é e continua se esforçando para melhorar cada vez mais. É sentir um apreço saudável por si – suas melhores qualidades e grandes conquistas.” (CASTRO,1999, p.61).
  27. 27. 27 Sabe-se: Atualmente o sentido hedonístico do termo foi modificado, acresentando-se a ele conotações de responsabilidade do indivíduo por si mesmo e, ainda, sua relação consigo mesmo e com os demais. Isso muda radicalmente a percepção do conceito, de sua importância na educação e, evidentemente, na vida. (VIOLI, 2002, p.50). O cotidiano em que se vive influência muito em relação à autoestima do indivíduo, devido aos padrões em que a sociedade atual apresenta como o melhor, por exemplo: ser magro, ter carro novo, vestir-se com roupas de marcas famosas, usar tênis caros e etc., com isso, muitas pessoas tendem a diminuir a autoestima, pelo fato de serem gordinhas, não usarem roupas e tênis de elevados valores ou então não possuírem um carro. Todos esses fatores interligados, podem sim, afetar a autoestima. No nosso dia a dia, somos bombardeados constantemente com mensagens na mídia (rádio, jornal, televisão etc.), que nos dizem como é bom e fácil ser mais rico, mais magro, mais jovem, mais bem sucedido, mais atraente, mais aceito socialmente etc. Como resultado, alguns de nós se convencem de que os outros ficarão encantados se usarmos cremes caros, dirigirmos determinados automóveis, usarmos as roupas ou perfumes certos, ou fizermos ginástica em academias lotadas de gente famosa. (CASTRO,1999, p.61). Muitas pessoas necessitam de ajuda para manter a autoestima elevada, com isso, o papel de cada indivíduo é ajudar o companheiro ao seu lado, não o tratando mal ou fazendo comentários sobre seu peso, por exemplo. Se cada um ajudasse seus amigos com palavras positivas e de incentivo, as pessoas com depressão e autoestima com níveis baixos podem sentir-se melhores. Mantém-se a autoestima, das pessoas tendo-se o cuidado de não ferir seus sentimentos de valor próprio, principalmente ao discutir problemas. Isso se consegue focalizando os fatos em vez da pessoa. Eleva-se a auto estima reconhecendo as boas ideias, demonstrando confiança na capacidade e tratando as pessoas como indivíduos competentes. (CASTRO,1999, p.63). Cada indivíduo necessita de elogios para manter-se motivado e com a autoestima elevada, entretanto, a própria pessoa necessita ter consigo a importância dela na sociedade, ou seja, saber que é importante para os outros, ao seu redor e, também ter consciência de seus próprios valores.
  28. 28. 28 Reconhecer e apreciar o próprio valor e importância significa ser consciente, não apenas da própria forma de agir em determinado momento, mas também dos próprios potenciais e possibilidades. Isso nos permite compreender nossa atuação como consequência natural e, ao mesmo tempo, causa de contínua aprendizagem e consciência de que estamos aprendendo cada dia mais. (CASTRO,1999, p.54). Nesse ponto é importante ressaltar que a autoestima não necessita de vanglória, isto é, a pessoa que tem seus níveis elevados, não pode tornar-se inconveniente, querendo sobressair-se. Para Fagiol (2009), é importante que o indivíduo que tenha sua autoestima com níveis baixos pratique algum tipo de hobby, como: jogar futebol, dançar, correr, praticar voleibol e basquetebol etc., com isso, índices do espírito e de bem estar vai se elevar. A autoestima pode ser melhorada se usar os exercícios físicos como um auxílio, ou seja, praticando algum esporte ou atividade, libera-se uma substância natural do corpo, chamada endorfina, a qual traz uma sensação de bem estar físico e emocional. Fagiol (2009) comenta que quando praticado os exercícios, é liberada uma substância no organismo chamado endorfina. A endorfina é um neurotransmissor assim como noradrenalina, acetilcolina e dopamina. É uma substância utilizada pelos neurônios na comunicação do sistema nervoso. Diferentemente de outras drogas, é produzida pelo organismo, visando relaxar e preservar o corpo da dor. Ela traz consigo a possibilidade de despertar realmente o prazer e melhorando o estado de espírito. É importante a pessoa que tem os níveis de autoestima baixa praticar algum desporto ou exercícios físicos, pois isto pode auxiliar e melhorar o bem estar físico e mental. Conforme Gerado e Lima (2007), as atividades físicas são muito importantes para o aumento da autoestima para indivíduos da terceira idade, pois eles são excluídos da sociedade devido à idade que possuem. O estudo demonstrou significativas melhoras nos índices dessas pessoas. Isso demonstra que os exercícios, como a caminhada, podem melhorar os níveis de bem-estar dos indivíduos.
  29. 29. 29 2.2.5 Motivação Motivação é elevar o próprio grau de satisfação, isto é, praticar ações que demonstrem a autoconfiança e impulso, mostrando alegria. Normalmente um indivíduo motivado deixa transparecer felicidade. Para obter motivação é necessária autoconfiança, tendo aquele pensamento positivo sobre as coisas. Se a motivação de uma pessoa está com problemas, há necessidade de se repensar em estratégias de trabalho, mas se isso não ajudar, é bom fazer o que realmente se gosta, ou seja, faze-las diferentemente e com amor. É necessário estar bem motivado para conseguir cumprir as tarefas do dia a dia. A motivação é intrínseca, que é a gerada pela própria pessoa, é importante que o indivíduo esteja com elevado grau ânimo para que possa alcançar os objetivos e levar uma vida mais feliz. A motivação cobre uma grande variedade de aspectos comportamentais. A diversidade de interesses percebida entre os indivíduos permite aceitar, de forma razoavelmente clara, que as pessoas não fazem as mesmas coisas pelas mesmas razões. É dentro dessa diversidade que se encontra a mais importante fonte de informações a respeito desse fenômeno que mostra até aspectos paradoxais. Quando se fala de motivação humana, parece inapropriado que uma simples regra geral seja recurso suficiente do qual se possa lançar mão, para se conseguir uma abrangente e mais precisa explicação sobre as verdadeiras razões que levam as pessoas a agirem. (FIORELLI, 2009, p.79). O ato de estar motivado é algo estritamente pessoal, ou seja, uma pessoa que não conseguir motivar-se sozinha, dificulta a possibilidade de alguém também motivá-la. Segundo Zanelli (2004), uma pessoa jamais conseguirá motivar um outro indivíduo, o que pode haver é um estimulo, ou seja, a motivação é algo que vem de dentro de cada ser humano, podendo ser, no entanto, explorado com ações que irão despertar o senso motivacional de cada um. O entusiasmo também é um forte aliado para que se tenha bom aproveitamento dos potenciais individuais, pois a pessoa entusiasta envolve as outras ao seu redor, fazendo com isso um clima muito bom, para desenvolver as tarefas diárias.
  30. 30. 30 A palavra entusiasmo vem do grego e significa ter um deus dentro de si. Os gregos eram politeístas, isto é, acreditavam em vários deuses. A pessoa entusiasmada era aquela que era possuída por um dos deuses e por causa disso poderia transformar a natureza e fazer as coisas acontecerem. Assim, se você fosse entusiasmado por Ceres (deusa da Agricultura) você seria capaz de fazer acontecer a melhor colheita, e assim por diante. Segundo os gregos, só pessoas entusiasmadas eram capazes de vencer os desafios do cotidiano. Era preciso, portanto, entusiasmar-se. (SAMULSKI, 2008, p.45). Samulski (2008) afirma que a vontade é o ponto chave para poder vencer, isto é, sem vontade e ânimo ninguém conseguirá vitória nos desafios que aparecem durante a vida. Comenta ainda que a inteligência, sem vontade, de nada adianta, pois é preciso querer e desejar triunfar e, com isso, estar a par das coisas novas que aparecem, como oportunidades durante o caminho estreito que é a vida. Para o sucesso em qualquer área, é necessária a vontade de vencer, ou seja, a motivação é justamente essa “arma” para conquistar os planos traçados. Sem o entusiasmo a motivação tende a diminuir, com isso, os resultados não chegam ao esperado, gerando futuramente um quadro de depressão, onde a autoestima diminui e, consequentemente, os estímulos baixam. Pense no caminho do sucesso como uma superfície lisa e reta, pavimentada com um asfalto sólido, chamado autoestima. Você sabe que haverá obstáculos, armadilhas e trechos difíceis a serem ultrapassados, mas mesmo assim, possuiu o necessário para chegar lá: acredita em si mesmo, tem uma atitude positiva e se comporta de acordo com esta atitude. (SAMULSKI, 2008, p.28). O esporte e os exercícios físicos são bons aliados para melhorar um quadro de depressão ou de baixa motivação. Como os exercícios trabalham a parte motora e a psicológica também, isto é, não só os músculos estão em atividade, mas o aspecto mental. Habitualmente as pessoas estão recorrendo à prática de caminhadas com dois objetivos básicos: o primeiro, com uma tentativa de queimar algumas calorias e reduzir alguns quilos do peso corporal e, o segundo como tentativa de obter alguma melhora da saúde orgânica geral, objetivando um melhor bem-estar físico, psíquico e emocional. Esses resultados ocorrem, comprovadamente, quando a sua prática é dosada e realizada por longo prazo, aqui chamada de prática sistemática. Saber trabalhar com a necessidade de buscar efeitos a longo prazo é uma virtude. A pressa em receber resultados fugazes, quase sempre conduzirá o indivíduo a uma clínica de fisioterapia. (LIMA, 2002, p.17).
  31. 31. 31 Staviski; Silva; Oliveira e Beltrame (2007) afirmam que meninos e meninas que tem em média 14 anos de idade, motivam-se com as aulas de educação física devido às atividades aeróbicas e as que exigem esforço físico. Com isso, demonstra-se que os exercícios que fazem utilização de oxigênio, podem ser meios de entusiasmar indivíduos, ou seja, a caminhada pode ser uma boa ferramenta para o auxílio na melhora da motivação. Para Maia; Viera e Pereira (2007), a dança de salão é um bom instrumento para motivação entre os gêneros masculinos e femininos, que obtiveram bons resultados após a pesquisa. Pode-se observar que a atividade planejada, auxilia na melhora dos níveis de entusiasmo dos indivíduos, com isso, a caminhada também é uma boa ferramenta para um resultado satisfatório de estimular as pessoas. 2.2.6 Psicossomática As denominadas doenças e, ou distúrbios psicossomáticos, são distúrbios que não são derivadas de infecções ou causas orgânicas, no entanto, o indivíduo apresenta anomalias, devido a uma desordem inconsciente psicológica. “[...] perturbações psicossomáticas a golpes funcionais no corpo que não são devidos a causas orgânicas: não há infecção, não há nem mesmo, pelo menos de início, perturbações lesivas; não há perturbações neurológicas, e, no entanto, o indivíduo tem sua saúde desregrada, ele sofre. Seu corpo está doente, mas a origem de seu desregramento funcional fisiológico é uma desordem inconscientemente psicológica.” (ALMENDRA, 2003, p.1). A psicossomática é em sua essência uma ideia de saúde, ou seja, porque uma determinada pessoa adoeceu, tentando com isso, verificar se os fatores para tal anomalia é psicológica, pois, como já foi citado, esses distúrbios denominados psicossomáticos, deriva-se do momento emocional de cada indivíduo. Psicossomática, em síntese, é uma ideologia sobre a saúde, o adoecer, e sobre as práticas de saúde, é um campo de pesquisas sobre estes fatos e, ao mesmo tempo, uma prática, a prática de uma Medicina integral. (RIBEIRO, 2005, p.17). Para Ribeiro (2005), a medicina psicossomática, é algo novo em âmbito mundial, no entanto, é uma nova visão patológica e terapêutica, pois trouxe um pensamento médico-cientifico, que utiliza a seguinte teoria: tratar doentes e não
  32. 32. 32 doenças, que resalta, que algumas anomalias são problemas psicológicos, resultando em doenças. Corpo e mente é um único sistema, ou seja, não existe uma separação entre os dois, pois quando um não está bem o outro, por sua vez, também não. De acordo com a teoria psicossomática, algumas doenças são derivadas da má manutenção da mente, ou seja, a depressão, baixa autoestima entre outros aspectos, pode refletir em algumas anomalias para o indivíduo em questão. Para Lima (2002), os exercícios físicos planejados, ajudam na diminuição da depressão, aumento da autoestima. Com isso, nota-se, que a caminhada, pode auxiliar na minimização de doenças e, ou distúrbios psicossomáticos.
  33. 33. 33 3 METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA Esta pesquisa refere-se a um estudo de caso, exploratório, bibliográfico, de cunho qualitativo e quantitativo. Pesquisa exploratória e bibliográfica que são elaborados de acordo com materiais já publicados, constituído de livros, revistas, artigos, que proporciona maior especificidade do problema para torná-lo explícito. Efetuaram-se os procedimentos técnicos conforme o que preconiza um estudo de caso, que envolve um profundo estudo de poucos indivíduos, sendo de cunho qualitativo, porque o pesquisador coleta os dados e é instrumento chave e, quantitativo, pelo fato de haver pré-teste e pós-teste com resultado de porcentagem. (PEREIRA, 2007) 3.2 LOCAL DA PESQUISA A pesquisa realizou-se na rua, sendo que três foram na casa do pesquisado (a), pois a mesma relaciona-se à caminhada, sendo preferencialmente ao ar livre, com isso, três vezes na esteira ergométrica, somente quando chovia. As caminhadas realizaram-se em área urbana, sendo que sempre buscou-se um terreno plano de asfalto ou paralelepípedo. As atividades desenvolveram-se nas cidades de Porto União-SC, e União da Vitória-PR, nos períodos matutinos e vespertinos, de acordo com a disponibilidade da pesquisada de 24/04/2012 à 17/08/2012. 3.3 POPULAÇÃO E AMOSTRA Escolheu-se a população de forma intencional, sendo então, a amostra constituída de um indivíduo do gênero feminino, com a idade de 51 anos de idade, com 1,55 cm e 82 kg, com hipotireoidismo. (ANEXO B).
  34. 34. 34 3.4 INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS Para efeitos avaliativos das melhoras do indivíduo, uma profissional da área da psicologia, aplicou pré-teste e pós-teste do Questionário de Saúde Geral de Goldberg (QSG), uma vez que somente psicólogos (as) podem manusear esses dados. Segundo Goldberg (1996), criou-se o questionário em 1972 com o nome de “General Health Questionnaire” (FHQ), sendo que, após deu-se o nome de “Questionário de Saúde Geral de Goldberg” (QSG), tendo como objetivo de avaliar a saúde mental das pessoas, composto de 60 itens de sintomas psiquiátricos não psicóticos, buscando analisar os seguintes tópicos: Stress psíquico; desejo de morte; desconfiança no próprio desempenho; distúrbios do sono; distúrbios psicossomáticos e saúde geral. O teste de QSG é estruturado, com seus escores definido, com isso, quanto menor o escore e percentil do pós-teste em relação ao pré-teste, torna o resultado satisfatório, sendo assim, se o pré-teste foi 80% e o pós-teste 40%, demonstra que houve boas e significativas melhoras. Para a avaliação de peso corporal, utilizou-se uma balança digital da marca Wiso que marca em Kg (quilograma). Usou-se um monitor de frequência cardíaca digital da marca Oregon e também um monitor de pressão arterial digital da marca Speedo. 3.5 METODOLOGIA DAS AULAS Aplicou-se as aulas conforme a disponibilidade da pesquisada, com isso, algumas aulas foram de segunda a sexta e, outras falhando alguns dias da semana, sendo que preferencialmente fosse ao ar livre, ou seja, na rua, entretanto, quando chovia, era realizado na esteira ergométrica. Os percursos eram basicamente os mesmo, pois os locais eram na área central de União da Vitória-PR e nos bairros São Pedro e Cidade Nova do município de Porto União-SC.
  35. 35. 35 Efetuou-se as caminhas em asfalto com pouca elevação e, em paralelepípedos planos. Nenhuma aula realizou-se em terreno de pedras, ou seja, em estradas de “chão”. As aulas iniciaram-se com trinta minutos de duração, e foi elevado o tempo conforme a aluna estava se sentindo, sendo que ao final da pesquisa, ela estava caminhando em torno de uma hora de duração. Segundo Smith (2002), a zona lipolítica está em torno de 42% à 56% da FCM, com isso, trabalhou-se com a pesquisada dentro desses padrões. No começo utilizou-se 50% da FCM (frequência cardíaca máxima), e com o decorrer da pesquisa, subiu-se para 56%, sendo que no início era de 112 batimentos a mínima e 124 a máxima em atividade e, a partir da aula 17, mudou-se para 120 a mínima e 140 a máxima. A cada dia, aferia-se a pressão arterial e a frequência cardíaca em repouso no início das atividades e, no decorrer da caminhada, a pesquisada usava um monitor de frequência cardíaca com a cinta, onde o pesquisador monitorava se a FCM estava dentro do planejado. Os dados relacionados ao peso obteve-se na primeira aula, décima quarta, vigésima oitava, quadragésima segunda e na quinquagésima. 3.6 TRATAMENTO DOS DADOS Como o teste de QSG, é estruturado com os escores e percentiis definidos, observou-se, por meio de uma profissional da área da psicologia (Elizabeth Ulrich), se houve melhoras do indivíduo pesquisado. Em relação ao peso, analisou-se com quantos kg estava o indivíduo no início da pesquisa e, depois no final. Com esses valores definidos, observou-se a diminuição de peso corporal.
  36. 36. 36 4 RESULTADOS Os resultados obtidos serão apresentados em forma de gráficos e tabelas, sendo que foram realizados pré-testes e pós-testes. Do teste de QSG, as informações recolhidas foram através de uma profissional da área de psicologia, uma vez que somente psicólogos (as) podem manusear esses dados. Em relação ao peso corporal, o próprio pesquisador recolheu os dados e analisou-os. A seguir serão apresentados tabelas e gráficos das avaliações aplicadas a pesquisada, demonstrando as melhoras obtidas por meio da caminhada. Tabela 1 – Resultados dos escores do teste de QSG Pré-teste Pós-teste Stress Psíquico 2,2 1 Desejo de morte 1 1 Desconfiança no próprio desempenho 2,5 1,5 Distúrbios do sono 1,5 1,1 Distúrbios psicossomáticos 1,8 1,1 Saúde geral 2 1,2 Fonte: do autor, 2012. Acima está sendo demonstrado os escores do pré-teste e pós-teste, sendo que somente no segundo item, manteve-se o mesmo valor. As melhoras significativas relacionam-se ao Stress Psíquico, onde houve uma grande queda no reteste, entretanto, basicamente todos os itens observa-se a diminuição dos resultados obtidos. O que significa que quanto menores os números, mais significativa é a melhora do indivíduo.
  37. 37. 37 Gráfico 1 – Resultado dos escores do teste de QSG Fonte: do autor, 2012. Observa-se, por meio desse gráfico, que houve uma grande queda dos resultados. Conforme Goldberg (1996), quanto menor o escore do reteste, mais significativos são os resultados. O primeiro item do teste do Questionário de Saúde Geral de Goldberg (QSG) relaciona-se ao Stress psíquico. Com as caminhadas diárias, a pesquisada demonstrou significativa queda. Ela estava com 2,2 no começo da pesquisa, e no pós-teste 1. Os exercícios aeróbicos podem ajudar na redução de hormônios estressantes no sangue. Isso demonstra que os exercícios físicos diários e bem planejados trazem significativas melhoras ao indivíduo que as praticam. (MARTINS, 2009). O segundo item, relaciona-se ao desejo de morte. Nesse tópico, o indivíduo não melhorou e nem piorou, pois no pré-teste a sua resposta já foi o escore mínimo, com isso, o resultado manteve-se em platô. A vontade é o ponto chave para poder vencer, isto é, sem vontade e ânimo ninguém conseguirá vitória nos desafios que aparecem durante a vida. A inteligência, sem vontade, de nada adianta, pois é preciso querer e desejar triunfar e, com isso, estar a par das coisas novas que aparecem, como oportunidades durante o caminho estreito que é a vida. (SAMULSKI, 2008)
  38. 38. 38 O terceiro item, relacionava-se a desconfiança no próprio desempenho. Nesse tópico houve significativas melhoras, pois houve uma queda de 1 escore, ou seja, de 2,5 passou a ser 1,5, demonstrando que a caminhada ajuda na melhora da autoestima e, consequentemente na autoconfiança. Com exercícios físicos, o corpo libera uma substância chamada endorfina, que é um neuro transmissor que pode causar bem estar físico e psíquico (FAGIOL, 2009). O quarto item, relaciona-se ao distúrbios do sono. A queda de escore foi de 0,4, no entanto mesmo assim, houve melhoras. Um indivíduo que pratica exercícios físicos diários, demonstra melhor qualidade de sono, do que uma pessoa sedentária, ou seja, dorme melhor e o descanço consequentemente atinge os níveis de satisfação. (MARTINS; MELLO; TUFIK, 2001). O quinto item, relaciona-se aos distúrbios psicossomáticos. Ao analisar esses resultados, obteve-se uma queda de 0,7 escore, em relação ao pré-teste e pós- teste, com isso, pode-se afirmar que a caminhada foi de grande auxílio para que esse tópico melhorasse. Os exercícios físicos planejados, ajudam na diminuição da depressão, aumento da autoestima. Com isso, nota-se, que a caminhada, pode auxiliar na minimização de doenças e, ou distúrbios psicossomáticos. (LIMA, 2002). O sexto e último item, relaciona-se a saúde geral. A queda de escore foi de 0,8, demonstrando que a caminhada diária e planejada melhora todos os pontos da saúde, sendo psicológica ou física. Os resultados são evidentes, afirmando que os exercícios são muito importantes para o bem estar da saúde geral. [...] “As doenças não surgem por acaso, como balas perdidas às quais todos estão sujeitos [...]” (LIMA, 2004, p.11). Tabela 2 – Resultados dos percentiis do teste de QSG Pré-teste Pós-teste Stress Psíquico 65% <5% Desejo de morte 40% 40% Desconfiança no próprio desempenho 90% 20% Distúrbios do sono 45% 15% Distúrbios psicossomáticos 55% <5% Saúde geral 75% 5% Fonte: do autor, 2012.
  39. 39. 39 Acima estão os demonstrativos do pré-teste e pós-teste, em porcentagem. Somente o item “desejo de morte” manteve-se em igual valor antes e depois, entretanto, esses 40% é a porcentagem mínima desse tópico, ou seja, de acordo com o percentil do teste de QSG, que já é estruturado, sendo esse valor o menor possível. Observando-se as outras, nota-se grande diferença para o reteste, já que quanto menor é a porcentagem no pós-teste, mais significativo é o resultado, sendo assim, satisfatório. Gráfico 2 – Resultado dos percentiis do teste de QSG Fonte: do autor, 2012. Conforme o gráfico acima demonstra, os resultados são todos satisfatórios, atingindo os objetivos da pesquisa. De acordo com Goldberg (1996), quanto menor os percentiis, mais satisfatórios são os resultados e, como pode-se observar, com a exceção do segundo item, todos os demais diminuíram, sendo que, o mais significativo: “desconfiança no próprio desempenho”, que teve uma queda de 70%. O primeiro item analisando, foi stress psíquico. Antes das aulas de caminhadas, a aluna obteve 65% e, com o decorrer das aulas, sendo que foram 50, em aproximadamente 3 meses, este percentil caiu, para menor 5%, ou seja, houve uma queda de 60%, demonstrando com isso, que os exercícios são bons aliados
  40. 40. 40 para a diminuição do estresse. Os exercícios aeróbicos proporcionam mais relaxamento do que os anaeróbicos, pois são liberadas substâncias como endorfina no sistema circulatório, que trazem bem-estar físico e psíquico. (MARTINS, 2009). O segundo item analisado, foi desejo de morte. Nesse tópico, a pesquisada manteve seu percentil de 40%, entretanto, esse valor é o menor possível, pois esse teste de QSG já tem suas formas particulares de análise, ou seja, é a mais baixa porcentagem possível. As atividades físicas são muito importantes para o aumento da autoestima para indivíduos da terceira idade, pois eles são excluídos da sociedade devido à idade que possuem. O estudo demonstrou significativas melhoras nos índices dessas pessoas. Isso demonstra que os exercícios, como a caminhada, podem melhorar os níveis de bem-estar dos indivíduos. (GERADO; LIMA, 2007), O terceiro item analisado, foi desconfiança no próprio desempenho. Esse tópico foi o que resultou melhores percentiis, ou seja, 70% de queda. Isso pode-se atribuir melhores condições da autoestima da pesquisada, já que ela se aceitou como é e continuou esforçando-se para melhorar cada vez mais. (CASTRO,1999). O quarto item analisado, foi distúrbios do sono. A queda foi de 30%, sendo um resultado muito bom, pois sabe-se que os exercícios físicos, melhoram a qualidade do sono, com isso, alguns distúrbios possíveis, diminuem ou deixam de existir. (MARTINS; MELLO; TUFIK, 2001). O quinto item, foi destúrbios psicossomáticos. Os resultados nesse tópico foram satisfatórios, pois houve uma queda de 50%, com isso, é evidente os benefícios da caminhada para a diminuição desses distúrbios. Os exercícios físicos planejados, ajudam na diminuição da depressão, aumento da autoestima. Com isso, nota-se, que a caminhada, pode auxiliar na minimização de doenças e, ou distúrbios psicossomáticos. (LIMA, 2002), O sexto e último item, foi saúde geral. Esse tópico foi um dos que teve maior queda, pois foram 70% de queda. Isso demonstra que a caminhada e os exercícios físicos auxiliam na saúde geral do indivíduo, ou seja, um indivíduo que pratica uma determinada atividade regularmente, tem seus aspéctos vitalidade e bem estar, melhores dos que são sedentários. [...] “O sedentarismo que bloqueia nosso caminho rumo à atividade. É só levantar da poltrona e caminhar. As vantagens estão apenas a um passo à frente” (KWAKO, 2001, p.32).
  41. 41. 41 Gráfico 3 – Peso Fonte: do autor, 2012. Como pode-se obervar no gráfico acima, o indivíduo perdeu peso, como era o objetivo do trabalho. A aluna iniciou a pesquisa com 82,7 kg, e com o decorrer das aulas, diminuiu para 82 kg, sendo esse resultado satisfatório, já que, o indivíduo da amostra, tem problemas de hipotireoidismo, que dificulta mais na perda de peso. Essa perda de peso, se deve as caminhadas planejadas e estruturadas, pois com isso, perdeu-se 700 gramas, um número significativo, já que o tempo de pesquisa durou 3 meses. Isto demonstra que os exercícios físicos, ajudam a melhorar a saúde geral, na diminuição dos problemas psicológicos, como na diminuição de peso corporal. Para Krusche (2001), as atividades aeróbicas, como: andar de bicicleta, caminhar, nadar e correr, são exercícios importantes para diminuir os níveis de estresse, para o equilíbrio mental e diminuição de peso corporal.
  42. 42. 42 5 CONCLUSÃO A educação física é uma área da saúde e, sendo assim, é uma responsabilidade dos profissionais proporcionarem melhoras na saúde geral das pessoas que procuram esse serviço. A presente pesquisa vem para auxiliar tanto o indivíduo pesquisado, quanto na área acadêmica, uma vez que, existem poucas pesquisas com esse tema, pois os resultados são significativos e úteis para o estudo. Foi muito importante ter efetuado essa pesquisa com esse indivíduo, pois ela é uma pessoa que tem hipotireoidismo, além de ela não gostar de praticar esportes, com isso, o trabalho se tornou um desafio, melhorar os índices psicológicos e em contrapartida o peso corporal. A primeira hipótese é a verificação da melhora na saúde geral por meio da caminhada; a segunda é se não haverá melhora na saúde geral por meio da caminhada e, a terceira é que a caminhada piorará a saúde geral do indivíduo pesquisado. No final da pesquisa, pode-se obervar que a primeira hipótese criada é a que foi alcançada, pois os resultados demonstram que a caminhada é de grande auxílio para a melhora da saúde geral e também para a perda de peso corporal. Esta pesquisa foi de extrema importância acadêmica e pessoal, pois agregou maior conhecimento empírico e cientifico, sobre assuntos como motivação, qualidade de vida, saúde, autoestima, entre outros. Viu-se também a importância de explanar esses assuntos para pessoas com hipotireoidismo, pois é possível dar melhores índices de qualidade de vida e elevar as condições de saúde geral, uma vez que, os exercícios físicos, auxilia o corpo todo, físico e psíquico. Observou-se que a atual pesquisa abre possibilidades futuras de estudos envolvendo a saúde geral com exercícios físicos, pois as melhoras analisadas demonstra a eficácia da caminhada. Conclui-se então que utilizar exercícios físicos auxilia na melhora da saúde geral e, diminuição de peso corporal.
  43. 43. 43 6 REFERÊNCIAS ALMEIDA, A.C.G. Mexa-se. Vida e saúde, São Paulo, n. 3, p.13, mar. 2004. ALMENDRA, S.R.F. Psicossomática e psicanálise. Revista Seele n.0, jan, 2003. ANTUNES, H.K.M; ANDERSEN, M.L; TUFIK, S; MELLO, M.T. Privação de sono e exercício físico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte vol.14 n.1, jan-fev, 2008. CASTRO, A.P. Motivação. 4ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999. COELHO, A.T; LORENZINI, L.M; SUDA, E; ROSSONI, S; REIMÃO, R. Qualidade de Sono, Depressão e Ansiedade em Universitários dos Últimos Semestres de Cursos da Área da Saúde. Neurobiologia, 73 (1) jan-mar, 2010. COOPER, K. Aptidão física em qualquer idade. 5ed. Rio de Janeiro: Forum, 1972. DAIAN, M.R; PETROIANO, A; ALBERTI, R.L. Avaliação do estresse psíquico em pacientes submetidos a operações de grande porte sob anestesia geral. Jornal brasileiro de psiquiatria vol.58 n.4, 2009. DELIBERADOR, A. P. Metodologia do desenvolvimento Personal Training. 1ed. Londrina: Midiograf, 1998. DICKENS, C. Vida passo a passo. Vida e saúde, São Paulo, n.4, p.31, abr. 2001. FAGIOL, D. Vida e saúde, São Paulo, n. 5, p. 32, maio 2009. FAJARDO, A. Hábitos alimentares X Qualidade de vida. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nutrição & Qualidade de Vida, 2000. FERREIRA, N. S. C. Supervisão educacional para uma escola de qualidade. São Paulo: Cortez, 1999. FLECK, M. P. A; cols. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev. Saúde Pública 2000; 34(2): 178-183.
  44. 44. 44 FIORELLI, J. O. Psicologia Para Administradores. 6ed. São Paulo: Atlas, 2009. GERADO, P.P; LIMA, S.M.T. A auto-estima em pessoas na terceira idade que praticam atividades físicas. Revista da Educação Física/ UEM vol. 18 n. 1, 2007. GOLDBERG, D .P. Questionário de Saúde Geral de Goldberg. 1ed. São Paulo: Casa do psicólogo, 1996. GUTMAN, G. Estresse, ansiedade e depressão; não necessariamente nessa ordem. Revista latinoamericana de psicopatologia fundamental vol. 13 n. 2, 2010. KWAKO, J.T. A vida passo a passo. Vida e saúde, São Paulo, n.4, p.31, abr. 2001. KRUSCHE, M. Armas naturais com o estresse. Vida e saúde, São Paulo, n. 4 p.14, abr. 2001. LIMA, D.F. Caminhada teoria e prática. 3ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2002. LIMA, E. O. Longevidade com qualidade. Vida e saúde, São Paulo, n. 3, p.13, mar. 2004. LEMOS,F. A hora de malhar. Vida e saúde, São Paulo, n. 4, p.9, abr. 2001. MAIA, M.P.C; VIEIRA, L.F; PEREIRA, V.R. Análise dos fatores motivacionais de adultos para a prática de dança de salão. Revista da Educação Física/ UEM vol. 18 n. 1, 2007. MANCINE, C.M; ALOE, F; TAVARES,S. Apneia do sono em obesos. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia vol.44 n.1 São Paulo fev. 2000. MARTINS, C.O. Estresse, exercício físico, ergonomia e computador. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, setembro, 21(1), p.807-813, 1999. MARTINS, F.J.P; MELLO, M.T; TUFIK, S. Exercício e sono. Revista Brasileira de Medicina do Esporte vol.7 n.1, 2001.
  45. 45. 45 MATSUDO, M.M.S. Atividade física e obesidade: prevenção e tratamento. São Paulo: Atheneu, 2007. MCARDLE, W.D; KATCH, F.I; KATCH, V.L. Fisiologia do esporte e do exercício, energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A, 1996. MIRANDA, S. 100 dicas para a auto-estima do aluno. 3ed. São Paulo: Papirus, 2007. NETO, A. Q. M. Estilo de vida e hábitos de lazer dos trabalhadores das indústrias brasileiras. São Paulo: Abril, 2009. NIEMAN, D.C. Exercício e saúde. 1ed. São Paulo: Manole, 1999. NUNES, M.L. Distúrbios do sono. Jornal de Pediatria - Vol. 78, Supl.1, 2002. PEREIRA, J.M. Manual Metodologia e Pesquisa Científica. 1ed. São Paulo: Atlas, 2007. PINHEIRO, P. Decisão para a família viver melhor. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 1988. RAMOS, A. T. Atividade física. 3d. Rio de Janeiro: Sprint, 2002. RIBEIRO, E.C. da. Existência e corporeidade: a Questão da Psicossomática na Abordagem Fenomenológico-Existencial. 2005. 72f. Trabalho de conclusão de Curso (Especialista em Psicologia Clínica) – Instituto De Psicologia Enomenológico- Existencial Do Rio De Janeiro – IFEN, Rio de Janeiro, 2005. SAMULSKI, D. Psicologia do Esporte: Conceitos e Perspectivas. 2ed. São Paulo: Manole, 2008. SANTOS, A. Z. Faça exercícios e viva mais. Vida e saúde, São Paulo, n. 6, p.31, jun. 2001. SANTOS, A. Z. Fuma mata mais em dois anos que Aids em dez. Vida e saúde, São Paulo, n. 12, p.23, dez. 1991.
  46. 46. 46 SMITH, K. Levante pesos para perder peso. Barueri: Manole, 2002. STAVISK, G; SILVA, J; OLIVEIRA, C.A; BELTRAME, S.T. A motivação para as aulas de educação física na percepção de meninos e meninas. Revista da Educação Física/ UEM vol. 18 n. 1, 2007. ULRICH, E; KUBO, M.O. Estresse e trabalho docente. União da Vitória: Uniporto, 2008. VIOLI, F. A auto-estima do professor. 2ed. São Paulo: Loyola. 2002. WILMORE, J. H; COSTILL, D.L. Fisiologia do esporte e do exercício. 1ed. São Paulo: Manole, 2001. ZANELLI, J. C. Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. 1ed. São Paulo: Artmed, 2004.
  47. 47. 47 ANEXOS
  48. 48. 48 Anexo A Aula 1- dia 24/04/12: Sistólica= 100 Diastólica= 58 Frequência em Repouso= 60 Frequência em atividade= 110 Aula 2- dia 25/04/12: Sistólica= 100 Diastólica= 90 Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 112 Aula 3- dia 30/04/12: Sistólica= 101 Diastólica= 66 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 118 Aula 4- dia 01/05/12: Sistólica= 113 Diastólica= 77 Frequência em Repouso= 77 Frequência em atividade= 116 Aula 5- dia 02/05/12: Sistólica= 115 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 74 Frequência em atividade= 120 Aula 6- dia 03/05/12: Sistólica= 118 Diastólica= 78 Frequência em Repouso= 73 Frequência em atividade= 114 Aula 7- dia 04/05/12: Sistólica= 115 Diastólica= 73 Frequência em Repouso= 77 Frequência em atividade= 117 Aula 8- dia 07/05/12: Sistólica= 107 Diastólica= 64 Frequência em Repouso= 80 Frequência em atividade= 116 Aula 9- dia 08/05/12: Sistólica= 110 Diastólica= 69 Frequência em Repouso= 74 Frequência em atividade= 115
  49. 49. 49 Aula 10- dia 14/05/12: Sistólica= 110 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 66 Frequência em atividade= 123 Aula 11- dia 15/05/12: Sistólica= 111 Diastólica= 67 Frequência em Repouso= 70 Frequência em atividade= 118 Aula 12- dia 16/05/12: Sistólica= 100 Diastólica= 62 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 117 Aula 13- dia 17/05/12: Sistólica= 100 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 76 Frequência em atividade= 115 Aula 14- dia 22/05/12: Sistólica= 106 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 66 Frequência em atividade= 116 Aula 15- dia 29/05/12: Sistólica= 102 Diastólica= 69 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 120 Aula 16- dia 30/05/12: Sistólica= 108 Diastólica= 64 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 118 Aula 17- dia 31/05/12: Sistólica= 100 Diastólica= 66 Frequência em Repouso= 69 Frequência em atividade= 120 Aula 18- dia 05/06/12: Sistólica= 106 Diastólica= 67 Frequência em Repouso= 70 Frequência em atividade= 122 Aula 19- dia 06/06/12: Sistólica= 102 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 125
  50. 50. 50 Aula 20- dia 07/06/12: Sistólica= 115 Diastólica= 68 Frequência em Repouso= 73 Frequência em atividade= 125 Aula 21- dia 11/06/12: Sistólica= 126 Diastólica= 74 Frequência em Repouso= 69 Frequência em atividade= 121 Aula 22- dia 12/06/12: Sistólica= 97 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 68 Frequência em atividade= 123 Aula 23- dia 13/06/12: Sistólica= 100 Diastólica= 62 Frequência em Repouso= 71 Frequência em atividade= 126 Aula 24- dia 14/06/12: Sistólica= 110 Diastólica= 68 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 120 Aula 25- dia 19/06/12: Sistólica= 110 Diastólica= 69 Frequência em Repouso= 65 Frequência em atividade= 126 Aula 26- dia 25/06/12: Sistólica= 102 Diastólica= 62 Frequência em Repouso= 66 Frequência em atividade= 127 Aula 27- dia 26/06/12: Sistólica= 107 Diastólica= 66 Frequência em Repouso= 59 Frequência em atividade= 120 Aula 28- dia 27/06/12: Sistólica= 103 Diastólica= 62 Frequência em Repouso= 61 Frequência em atividade= 124 Aula 29- dia 28/06/12: Sistólica= 111 Diastólica= 60 Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 124
  51. 51. 51 Aula 30- dia 02/07/12: Sistólica= 115 Diastólica= 59 Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 130 Aula 31- dia 03/07/12: Sistólica= 100 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 73 Frequência em atividade= 128 Aula 32- dia 16/07/12: Sistólica= 136 Diastólica= 61 Frequência em Repouso= 75 Frequência em atividade= 128 Aula 33- dia 18/07/12: Sistólica= 123 Diastólica= 75 Frequência em Repouso= 74 Frequência em atividade= 130 Aula 34- dia 19/07/12: Sistólica= 114 Diastólica= 70 Frequência em Repouso= 71 Frequência em atividade= 124 Aula 35- dia 20/07/12: Sistólica= 127 Diastólica= 77 Frequência em Repouso= 69 Frequência em atividade= 126 Aula 36- dia 21/07/12: Sistólica= 125 Diastólica= 69 Frequência em Repouso= 68 Frequência em atividade= 120 Aula 37- dia 23/07/12: Sistólica= 125 Diastólica= 68 Frequência em Repouso= 63 Frequência em atividade= 122 Aula 38- dia 24/07/12: Sistólica= 122 Diastólica= 66 Frequência em Repouso= 69 Frequência em atividade= 120 Aula 39- dia 26/07/12: Sistólica= 108 Diastólica= 66 Frequência em Repouso= 65 Frequência em atividade= 126
  52. 52. 52 Aula 40- dia 30/07/12: Sistólica= 106 Diastólica= 62 Frequência em Repouso= 67 Frequência em atividade= 124 Aula 41- dia 01/08/12: Sistólica= 106 Diastólica= 72 Frequência em Repouso= 79 Frequência em atividade= 127 Aula 42- dia 06/08/12: Sistólica= 106 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 62 Frequência em atividade= 121 Aula 43- dia 07/08/12: Sistólica= 101 Diastólica= 69 Frequência em Repouso= 69 Frequência em atividade= 138 Aula 44- dia 08/08/12: Sistólica= 108 Diastólica= 72 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 128 Aula 45- dia 09/08/12: Sistólica= 110 Diastólica= 68 Frequência em Repouso= 75 Frequência em atividade= 120 Aula 46- dia 13/08/12: Sistólica= 117 Diastólica= 72 Frequência em Repouso= 72 Frequência em atividade= 125 Aula 47- dia 14/08/12: Sistólica= 111 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 64 Frequência em atividade= 118 Aula 48- dia 15/08/12: Sistólica= 108 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 70 Frequência em atividade= 122 Aula 49- dia 16/07/12: Sistólica= 112 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 73 Frequência em atividade= 125
  53. 53. 53 Aula 50- dia 17/08/12: Sistólica= 110 Diastólica= 63 Frequência em Repouso= 71 Frequência em atividade= 120
  54. 54. 54 Anexo B

×