SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
TeoriasdaAdministração
• Prof. James Anthony Falk, PhD
• Pós-Doutorado em Administração Serviços de Saúde
(MCVA/USA), Doutorado em Administração Pública
(UGA/USA), Mestrado em Saúde Pública, concentração em
Administração Hospitalar (USP/SP), Bacharel em Filosofia
(USA/UFPE)
• Professor aposentado Dep. Ciências Administrativas / UFPE,
fundador do Mestrado e Doutorado em Administração
• Professor Titular FBV / DeVry – fundador do MPGE
• Email: thefalks@terra.com.br
• Cel: 9172-4163
5TEAM
Teorias da Administração
60 horas
Ementa:
O aluno irá desenvolver, ao longo desta disciplina, uma visão
ampla e geral do estudo da administração, abordando, de
maneira cronológica, as principais escolas de administração
apresentadas através dos seus elementos conceituais. Com
isso o aluno terá capacidade de identificar diversos estilos e
correntes de administração nas empresas e será capaz de
debater também as contribuições de cientistas de áreas afins
e suas influências nas correntes do pensamento
administrativo, mergulhando em um novo ambiente científico
e abrindo novas perspectivas para a sua atuação como
gestor.
Objetivos:
-Identificar a presença das diferentes escolas de
Administração através da percepção de métodos, formas de
atuação, elementos de controle e do posicionamento de seus
gestores frente a objetivos e estratégias distintas nas
organizações atuais.
-Implementar técnicas gerenciais que fazem parte do
contexto contemporâneo da administração sem desprezar o
caráter evolutivo e temporário de cada método frente à
realidade sócio-político-econômica onde se insere a
organização.
- Elaborar cronogramas, orçamentos e sistemas de controle
básicos observando as estratégias das organizações e
visando o acompanhamento das tarefas em direção aos
objetivos propostos.
-Realizar trabalhos analíticos sobre as estruturas
empresariais e os princípios científicos da Administração
utilizando a percepção da empresa como sistema aberto ou
como conjunto de partes sincronizadas de forma a
participar de forma ativa no desenho de novos
procedimentos e práticas empresariais.
-Relacionar as principais variáveis do processo empresarial
através da sua interpretação e da compreensão das
influências dos pensadores da teoria administrativa na
realidade contemporânea.
- Utilizar um novo panorama de técnicas gerenciais que
fazem parte do contexto moderno da administração, através
da percepção das organizações como sistemas ou
processos.
Conteúdo
UNIDADE 1 - A Administração e suas Perspectivas, com os
Conceitos de Administração, Papel do Administrador, o
Fenômeno Organizacional e a Sociedade das Organizações;
UNIDADE 2 - Antecedentes Históricos da Administração,
passando pelas Estruturas Administrativas Pré-Revolução
Industrial, Influência de Pensadores Econômicos e Mudança
da Estrutura Feudal para a Revolução Industrial;
UNIDADE 3 - A Administração como Ciência. As Escolas
Tradicionais de Pensamento em Administração, a
Administração Científica e a Teoria Clássica, Conceitos e
Técnicas utilizados pelos Principais Teóricos e seu Impacto
para as Organizações e Sociedade;
UNIDADE 4 - A Abordagem das Relações Humanas, a
Escola Comportamental e as Transformações Advindas de
sua Aplicação Frente ao Novo Paradigma Social;
UNIDADE 5 - O Estruturalismo e a Teoria da Burocracia,
com seus Desdobramentos nas Organizações Atuais;
UNIDADE 6 - A Escola Neoclássica, a Teoria dos Sistemas
a Teoria do Desenvolvimento Organizacional e a Teoria da
Contingência, Visualizando os Pontos de Concordância e
Aspectos Diferenciais de Cada Abordagem Frente à
Realidade Mutante das Empresas;
UNIDADE 7 - Apresentação das Técnicas Gerenciais:
Reengenharia, Movimento da Qualidade, Learning
Organizations e Novas Tendências.
Bibliografia básica
•CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de
Janeiro : Campus, 2011.
•FERREIRA, Ademir Antonio; PEREIRA, Maria Isabel; REIS, Ana Carla Fonseca.
Gestão Empresarial: de Taylor aos Nossos Dias. São Paulo: Pioneira, 2002.
•MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da Escola
Científica à Competitividade na Economia Globalizada. São Paulo: Atlas, 2000.
Bibliografia complementar
•LODI, João Bosco. História da Administração. São Paulo: Pioneira, 1987.
•MAQUIAVEL, Nicolau . O Príncipe. São Paulo: Maartin Claret, 2008.
•MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da Escola
Científica à Competitividade na Economia Globalizada. São Paulo: Atlas, 2000.
•MOTTA, Fernando C. P. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira,
1987.
•TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. São Paulo:
Atlas, 1990.
A palavra administrar é usada tão freqüentemente no dia-
a-dia, que parece não haver dúvidas com relação a seu
significado.
Mas,
Fazer a coisa certa Da maneira certa
Através dos
outros
Organizações e Administração
Processo Decisório
Planejamento Estratégico
Teorias da Administração
Processo de Organização
Estrutura Organizacional
Desempenho Organizacional
Planejamento Operacional
Modelos de Organização
Teorias da Administração
Liderança
Motivação
Grupos
Administração de Projetos
Comunicação Gerencial
Ética, Responsabilidade Social e
Ambiental
A D M I N I S T R A R
Fazer a coisa
certa
Da maneira certa
Através dos
outros
A D M I N I S T R A R
Novos Negócios
Introdução à Economia
Direito Público e Privado
Economia Brasileira
Evolução do Pensamento
Administrativo
Comércio Exterior
Macro-análise das
organizações
Direito do Trabalho e Tributário
Métodos Qualitativos de
Decisão
Relações Empresa-Estado
Estratégia Empresarial
Comportamento Humano nas Organizações
Comunicação Interpessoal e Empresarial
Administração de Marketing
Sociologia
Gestão de Pessoas
Antropologia do Homem Brasileiro e
Nordestino
Tópicos de filosofia e ética profissional
Estatística – Mudança e Consultoria Organizacional – Jogos de Empresas
– Tópicos
Emergentes em Administração – Cálculo - Metodologia de Pesquisa.
Disciplinas de Formação Geral (Obrig.)
Palavras como:
Administrador, Gerente, Governante, Dirigente, Empresário,
Presidente e mesmo Chefe
também parecem ser usadas, normalmente, como se
indicassem as mesmas figuras.
Você acha que o
Você acha que o
Relembrando:
Administrar é
Fazer a coisa certa....
da maneira certa....
através dos outros....
Identificação
das
Oportunidades
Necessidades físicas humanas:
Alimentação e ferramentas
Terra
Segurança
Habitação
Conforto Espiritual
Questões Demográficas:
Demanda por Alimentação – Produção
Mais Terra
Mais Habitação
Mobilidade Urbana / Rural
Capital
Tecnologia Existente
Identificação das Oportunidades
• Análise das 5 Forças Competitivas;
• Análise da Cadeia de Valor
Metodologia de Análise daMetodologia de Análise da
Posição CompetitivaPosição Competitiva
Análise das 5 forças competitivasAnálise das 5 forças competitivas
Fonte: Estratégia Competitiva - Michael Porter
FORNECEDORES
ENTRANTES
POTENCIAIS
COMPRADORES
SUBSTITUTOS
Concorrentes
na Indústria
Rivalidade entre as
empresas
existentes
Poder de negociação
dos fornecedores
Poder de negociação
dos compradores
Ameaças de novos
entrantes
Ameaças de produtos
ou serviços substitutos
ATIVIDADES
DE APOIO
INFRAESTRUTURA DA EMPRESA
ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA
AQUISIÇÃO
M
A
R
G
E
M
ATIVIDADES PRINCIPAIS
LOGÍSTICA
DE
ENTRADA
OPERAÇÕES LOGÍSTICA
DE
SAÍDA
MARKETING E
VENDAS
SERVIÇOS
PÓS-VENDA
A CADEIA DE VALORES
FONTE: VANTAGEM COMPETITIVA, Michael Porte
A Cadeia de Valor representa todas as atividades que acontecem dentro da empresa
com a finalidade de criar Valor para os clientes.
Uma Empresa é um sistema de atividades, em que, dependendo de sua
organização, é criada a vantagem competitiva.
FONTE: VANTAGEM COMPETITIVA, Michael Porte
A CADEIA DE VALORES
Logística
interna
Logística
externa
Comercia
lização
CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução
Recursos humanos
Pesquisa e Desenvolvimento
Suprimentos
M
a
r
g
e
m
m
e
g
r
a
M
Infra-estrutura
Governo
Instituições
Financeiras
Pesquisa
Soluções
em TI
Empresa Focal
Ex: Roche, Pfizer, Merck, etc.
P&DMáquinas e materiais indiretos Fármacos
Redes de FarmáciasRedes de Distribuidoras Farmácias
Cadeia de Valor do sistema farmacêutico
Cliente
Usuário
VINCULAÇÕES (elos)VINCULAÇÕES (elos)
 Atividades diferentes freqüentemente estão vinculadas
 A maneira como uma atividade é desenvolvida afeta o custo ou
desempenho de outra
 Poderosa fonte de vantagem competitiva
INFRAESTRUTURA DA EMPRESA
ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA
AQUISIÇÃO
M
A
R
G
E
M
LOGÍSTICA
DE
ENTRADA
OPERAÇÕES
LOGÍSTICA
DE
SAÍDA
MARKETING E
VENDAS
ASSISTÊNCIA
TÉCNICA
FONTE:VANTAGEMCOMPETITIVA,MichaelPorterFONTE:VANTAGEMCOMPETITIVA,MichaelPorter
• As Organizações servem à sociedade.
- Padaria e Polícia.
• As Organizações realizam objetivos.
- Transportadora e Fábrica de Calçados.
• As Organizações desenvolvem o conhecimento.
- Tecnologia e pesquisa.
• As Organizações proporcionam carreiras.
- Emprego e empreendedorismo.
Porque as Organizações são necessárias?
Na atualidade, as organizações assumiram
importância sem precedentes na sociedade e na
vida das pessoas. Uma lista das organizações com
as quais estamos envolvidos ou se relacionam está
interminável: da empresa onde trabalha ao
supermercado, da fábrica de seu carro à
concessionária, da prefeitura à companhia de
eletricidade, da companhia telefônica ao sindicato
de sua categoria profissional, etc. Há poucos
aspectos de vida que não sejam influenciados por
alguma espécie de organização. A sociedade
moderna é uma sociedade organizacional, em
contraste com as sociedades comunitárias do
passado.
Na sociedade organizacional, muitos produtos e
serviços essenciais para a simples sobrevivência
somente se tornam disponíveis quando há
organizações empenhadas em realizá-los.
A qualidade de vida depende delas em grande
parte: serviços de saúde, fornecimento de energia,
segurança pública, controle de poluição - tudo
depende de alguma empresa ou organização
pública.
Administração vs Organização
Conceito de Administração
"Administração é o processo de planejar, organizar,
liderar e controlar o trabalho dos membros da
organização, e de usar todos os recursos
disponíveis da organização para alcançar objetivos
estabelecidos" (Stoner & Freeman, 1999).
Conceito de Organização
“Organização é uma entidade abstrata, de cunho
jurídico, formada por duas ou mais pessoas,
trabalhando juntas e de modo estruturado para
alcançar um objetivo específico ou um conjunto de
objetivos.” (Stoner & Freeman, 1999)
Administração vs Organização
Pela simples observação do mundo
que nos rodeia, facilmente observamos
que vivemos numa sociedade quase
totalmente dominada por diversos tipos
de organizações. Por outro lado,
também facilmente constatamos que
todos nós, assim como todos os
nossos familiares, amigos e
conhecidos, pertencemos a uma ou
mais organizações - a uma equipa de
futebol, a um grupo de teatro, a uma
organização política, cívica ou
religiosa, a uma associação de
estudantes, a uma empresa.
Administração vs Organização
Vivemos naquilo a que Peter F. Drucker, em “Managing in a Time of
Great Change”, chamou a “sociedade das organizações”. De fato,
cada vez mais as organizações, sejam elas empresariais, políticas,
religiosas, desportivas, de solidariedade social, de defesa do
ambiente, ou outras, assumem um papel crescente na nossa
sociedade, quer seja ao nível social quer seja ao nível econômico.
São as organizações que atualmente assumem a responsabilidade
pela execução das principais tarefas necessárias ao funcionamento
da sociedade - são elas que asseguram a produção de bens e
serviços, a prestação de serviços de saúde, a segurança, o
desporto, o ensino, a defesa do ambiente, a solidariedade social,
entre muitas outras. É daqui que surge a importância do estudo das
organizações enquanto entidades sociais, econômicas, de
desenvolvimento das capacidades humanas e como agentes
fundamentais da mudança e da evolução.
Administração vs Organização
Paralelamente, e não menos importante, é a tendência cada vez
mais acentuada para a transformação, e utilizando mais uma vez
os termos de Peter F. Drucker, do trabalho tradicional em trabalho
do conhecimento. Diversos fatores, dos quais se destaca a
globalização da economia a nível mundial, proporcionada em
grande parte pelos avanços tecnológicos ao nível do tratamento e
transferência de informação e ao nível dos transportes e da
mobilidade de pessoas e bens, têm vindo a contribuir para uma
profunda transformação no interior das organizações. As pessoas
tornaram-se gradualmente no seu principal ativo; deixaram de ser
meros executantes de tarefas decididas e ordenadas pelos
decisores de topo da organização, para passarem a constituir parte
integrante na tomada de decisões. Avança-se assim gradualmente
de uma era dominada pela tecnologia para uma era dominada pelo
conhecimento.
Administração vs Organização
ORGANIZAÇÃO
– ato ou efeito de organizar(-se);
– modo pelo qual o ser vivo é organizado; conformação, estrutura;
– modo pelo qual se organiza um sistema;
– associação ou instituição com objetivos definidos;
– organismo (por exemplo, a UNESCO é uma organização de...)
– designação de certos organismos (por exemplo, A Organização das
Nações Unidas) e,
ORGANIZAR
– planejamento, preparo (por exemplo, organização de uma festa) constituir
o organismo de; estabelecer as bases de; ordenar, arranjar, dispor;
– dar às partes de (um corpo) a disposição necessária para as funções a que
ele se destina;
– tornar uma organização definitiva; constituir-se, formar-se.
Na linguagem cotidianaNa linguagem cotidianaNa linguagem cotidianaNa linguagem cotidiana
Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938)
• Organizações são sistemas cooperativos, formados por
pessoas que se comunicam entre si e desenvolvem ações
tendo em vista alcançar um propósito comum.
• “São sempre as ações de pessoas, por palavras, olhares, gestos,
movimentos, nunca objetos físicos, embora coisas possam ser usadas
convenientemente como evidência da ação, como no caso da escrita
[...] coisas físicas são sempre uma parte do ambiente, uma parte do
sistema cooperativo, mas nunca uma parte da organização”
• “O sistema, pois, a que damos o nome de organização, é um sistema
composto das atividades dos seres humanos. O que faz dessas
atividades um sistema é o fato de os esforços de diferentes pessoas
serem coordenados...”
• Limitação: desconsidera as fontes de conflito organizacional.
“são unidades sociais (ou agrupamentos humanos)
intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim
de atingir objetivos específicos...”
• Organizações caracterizam-se por:
– Divisões de trabalho, poder e responsabilidades de
comunicação planejadas intencionalmente;
– Com a presença de um ou mais centros de poder;
– Com possibilidade de substituição de pessoal.
Etzioni (1964)Etzioni (1964)Etzioni (1964)Etzioni (1964)
AMBIENTEAMBIENTE
RECURSOSRECURSOS
HISTÓRIAHISTÓRIA
INSUMOS PRODUTO
NÍVEL DONÍVEL DO
SISTEMASISTEMA
NÍVELNÍVEL
UNIDADE /UNIDADE /
GRUPOGRUPO
NÍVELNÍVEL
INDIVIDUALINDIVIDUAL
ESTRUTURAESTRUTURA
PROCESSOSPROCESSOS
INFORMAISINFORMAIS
TRABALHOTRABALHO
DISPOSI-DISPOSI-
ÇÕESÇÕES
FORMAISFORMAIS
PESSOALPESSOAL
Fonte: Nadler, D.A.; Gerstein, M.S., Shaw, R.B. (1994).
Representação de um modelo SistêmicoRepresentação de um modelo Sistêmico
de organizaçãode organização
Representação de um modelo SistêmicoRepresentação de um modelo Sistêmico
de organizaçãode organização
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
• Morgan (1996) utiliza a noção de metáfora/Imagens para a
compreensão das Organizações.
– Metáfora: “Transferência de uma palavra para um âmbito semântico
que não é o do objeto que ele designa, e que se fundamenta em uma
relação de semelhança subtendida entre o sentido próprio e o
sentido figurado”
– Oito tipos de metáforas: Máquina, Organismo, Cérebro, Cultura,
Sistema Político, Prisão Psíquica, Fluxo e Transformação, e
Instrumento de Dominação.
– Contribuição: reconhece a complexidade das Organizações e suas
múltiplas formas de interpretação.
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
• Metáfora Máquina:
– “As Organizações são máquinas feitas de partes que se interligam,
cada uma desempenhando um papel claramente definido no
funcionamento do todo.”
• Conseqüência: existe uma tendência em esperar que as Organizações
funcionem de maneira rotinizada, eficiente, confiável e previsível.
• Metáfora Instrumento de Dominação:
– “As Organizações são instrumentos de dominação de alguns grupos
sobre os outros.”
• Conseqüência: idéia de que as pessoas são exploradas para atingir os
fins organizacionais.
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
• Metáfora Organismo:
– “As Organizações são sistemas vivos que existem em um ambiente
mais amplo, do qual dependem em termos de satisfação de suas
necessidades.”
• Conseqüência: necessitam de cuidadosa administração para satisfazer e
equilibrar necessidades internas, assim como adaptar-se a circunstâncias
ambientais.
• Metáfora Cérebro:
– “As Organizações são sistemas de processamento de informação,
capazes de aprender a aprender.”
• Conseqüência: ênfase nos sistemas de informação, de comunicação e de
decisões
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
• Metáfora Cultura:
– “As Organizações são lugares onde residem idéias, valores, normas,
rituais e crenças que as sustentam enquanto realidades socialmente
construídas.”
• Conseqüência: ênfase na visão das organizações como processos que
produzem significados comuns.
• Metáfora Sistema Político:
– “As Organizações são sistemas de governo.”
• Conseqüência: eixos principais de análise são as relações entre
interesses, conflito e poder.
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
MORGAN (1996)MORGAN (1996)
METÁFORASMETÁFORAS
• Metáfora Prisão Psíquica:
– “As Organizações vistas como mundos sociais limitadores e
constrangedores da criação e da inovação.”
• Conseqüência: ´há um lado avesso´.
• Metáfora Fluxo e Transformação:
– “As Organizações vistas como fluxo de mudança e transformação que
ganha estabilidade ao longo do tempo, mas que permanece
mudando.”
• Conseqüência: a única característica permanente é a mudança.
Visão CulturalistaVisão CulturalistaVisão CulturalistaVisão Culturalista
• Influência da Antropologia.
– A cultura assume papel central.
– Clifford Greertz (1989) define como cultura:
• “Teias de significados tecidas pelos homens e suas análises”
• Organizações são vistas como minissociedades que
têm os seus próprios padrões distintos de cultura e
subcultura. Tais padrões:
– Podem competir entre si.
– Não podem ser criados pelos gerentes.
– Morgan (1996): “A cultura não é algo imposto sobre uma
situação social. Ao contrário, ela se desenvolve durante o
curso da interação social”
Visão CulturalistaVisão Culturalista
• A cultura como representação social
– A cultura funciona como sistemas interpretativos da
realidade que orientam as interações entre o indivíduo
com seu ambiente físico e social.
• Organizações enquanto representações sociais
– São processos que produzem sistemas de significados
comuns. São realidades socialmente construídas, que
estão mais nas mentes de seus membros que em
conjuntos concretos de regras e elementos.
Visão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: bases
• A sociedade, para o institucionalismo, é uma rede, um tecido de instituições,
organizações, estabelecimentos, agentes e práticas. As sociedades humanas
estão constituídas, no mínimo, por quatro instituições: a língua, as relações de
parentesco, a religião, e a divisão técnica e social do trabalho.
• As instituições interpenetram-se e se articulam para regular a produção e a
reprodução da vida humana
• Instituições = árvores de decisões lógicas que regulam as atividades humanas,
indicando o que é proibido, o que é permitido e o que é indiferente fazer.
– Ex. de instituições: justiça, dinheiro, forças armadas, religião, salário, sexualidade
– Um conglomerado importante de instituições é, por exemplo, o Estado
• Instituições são corpos
normativos de natureza jurídica e
cultural integrados por idéias,
valores, crenças e leis que
determinam as formas de
intercâmbio social.
– sexualidade, trabalho, salário,
tempo livre, justiça e religião
• nível da realidade social que
define o que está estabelecido, o
conjunto de normas e valores
que são dominantes e que
estabelecem os papéis que
sustentam a ordem social.
• Organizações são o suporte
material, o lugar em que as
instituições se materializam e
exercem seus efeitos sobre os
indivíduos.
– as organizações (escolas,
fábricas, hospitais, órgãos
públicos etc.) são mediadoras na
relação entre as instituições e os
sujeitos.
• as organizações são atravessadas
por muitas instituições. Estas
diversas instituições determinam
as interações sociais ali
estabelecidas
INSTITUIÇÃO x ORGANIZAÇÃOINSTITUIÇÃO x ORGANIZAÇÃO
UMA SÍNTESEUMA SÍNTESEUMA SÍNTESEUMA SÍNTESE
• Não assumem a Organização como uma entidade que exista
independente das pessoas que a constituem
• Organização vista como um processo e não como entidade
• Organização pode ser tratada como processo ou produto
• Organizações têm dimensões econômica, política e simbólica
• Atores colocados no centro da análise organizacional, mas são ativos
somente em algumas visões
• Organização = um empreendimento coletivo imerso em uma complexa
rede de significados e interesses que podem ser mais ou menos
convergentes
• Organização é um fenômeno que emerge no nível individual, grupal e
organizacional
Dimensão EconômicaDimensão Econômica
Produzem bens ou serviços econômicos cujoProduzem bens ou serviços econômicos cujo
meio de controle é materialmeio de controle é material
Dimensão PolíticaDimensão Política
Produzem bens ou serviços políticos cujoProduzem bens ou serviços políticos cujo
meio de controle é a coação física.meio de controle é a coação física.
Dimensão SimbólicaDimensão Simbólica
Produzem bens ou serviços simbólicos cujoProduzem bens ou serviços simbólicos cujo
meio de controle são padrões culturais.meio de controle são padrões culturais.
UMA SÍNTESE:UMA SÍNTESE: SROUR (1998)SROUR (1998)UMA SÍNTESE:UMA SÍNTESE: SROUR (1998)SROUR (1998)
Infra-estrutura material
• Instalações e equipamentos atuando dentro de uma divisão do
trabalho
• Importa objetos materiais e sociais para realizar suas
atividades
Unidade produtiva
• Envolve relações de produção – uma praça em que se produz e
trocam bens e serviços
Dimensão EconômicaDimensão EconômicaDimensão EconômicaDimensão Econômica
Sistema de poder
• Centros específicos a partir dos quais o mando é exercido
• Regula interesses sociais internos e externos ao produzir
decisões que buscam disciplinar pessoas
Entidade política
• Envolvem relações de poder – uma arena em que
se defrontam diferentes forças socias
Dimensão PolíticaDimensão PolíticaDimensão PolíticaDimensão Política
Universo simbólico
• Padrões culturais que são inculcados e praticados pelos
agentes sociais.
• Expressa representações mentais e gera mensagens cognitivas
para manter a coesão necessária
Agência ideológica
• Envolvem relações de saber – um palco em que
se elaboram e difundem discursos ou
mensagens
Dimensão SimbólicaDimensão SimbólicaDimensão SimbólicaDimensão Simbólica
Os objetivos do Administrador na Organização
PETER DRUCKER aponta que o
Administrador deve ser:
• Eficaz, ou seja, aquele que define
corretamente o objetivo adequado a ser
alcançado, pois Eficácia é fazer a coisa certa,
ou seja, é um Fator Qualitativo.
• Eficiente, ou seja, aquele que obtém
produtos e serviços (atividade-fim) com o menor
volume de recursos necessários (meios),
Eficiência é fazer certo as coisas, ou seja, é
um Fator Quantitativo.
“ O bom Administrador é
aquele que conduz seu
grupo até o destino
almejado.”
As funções do Administrador na Organização
Planejar
O que é?
É projetar seus objetivos e ações futuras, através
de algum método, plano ou lógica.
Planejar o quê?
a) O produto a ser produzido;
b) O serviço a ser prestado;
c) O alvo a ser atingido;
d) A rota a ser trilhada.
As funções do Administrador na Organização
Organizar
O que é?
É o processo de determinar o trabalho, a
autoridade e os recursos, entre os membros de
uma Organização, de modo que possam
alcançar eficientemente os objetivos da mesma.
O Quê Organizar?
Definir as instalações, o maquinário, a matéria-
prima, a tecnologia, os cargos, as funções, o
pessoal, a infra-estrutura, as finanças, ...
As funções do Administrador na Organização
Liderar
O que é? (dirigir, coordenar e
comandar)
É o ato de dirigir, influenciar e motivar o grupo
a realizar as tarefas essenciais para se atingir
os objetivos pretendidos.
 
Liderar Quem?
Gerente de Produção, Chefe de montagem,
Diretor de Marketing, Supervisor de Área,
Presidente da Corporação, Vice-Presidente
de Logística, etc.
Controlar
O que é?
É certificar-se de que os atos dos membros da
organização levam-na, de fato, em direção aos
objetivos estabelecidos.
 
O quê?
O volume produzido, a quantidade vendida, o grau de
satisfação do cliente, a qualidade de vida dos
colaboradores, a lucratividade do negócio, ...
As funções do Administrador na Organização
As funções do Administrador na Organização
A administração é um processo que envolve
que funções?:
Planejar
Organizar
Dirigir
Controlar
O uso de recursos a fim de alcançar seus
objetivos
As funções do Administrador na Organização
Variáveis Básicas:
Tarefa
Estruturas
Pessoas
Tecnologia
Ambiente
Tipos de administradores
Em relação ao nível de influência
• Primeira linha ou Operacional
São os chefes e supervisores que coordenam o trabalho operacional,
não supervisionando outros administradores.
• Médio ou Gerencial
São os gerentes que ocupam posição intermediária na hierarquia
organizacional, sendo responsáveis por outros administradores
(chefes e supervisores) e por alguns empregados operacionais.
• Topo ou Estratégico
São os responsáveis pela administração global da organização.
Estabelecem políticas operacionais e conduzem a interação da
organização com seu meio ambiente.
Tipos de administradores
Em relação as suas habilidades
•Técnica: é o conhecimento específico que envolve métodos,
processos, procedimentos e técnicas.
•Interpessoal: é a capacidade de trabalhar eficazmente como
membro de uma equipe.
•Conceitual: é ver a Organização de forma holística ou
sistêmica.
•Investigativa: é a capacidade de diagnosticar e resolver um
problema.
Política: é negociar e obter o poder necessário para atingir
objetivos.
Características necessárias para o
Administrador moderno
•Visão: enxergar além do que é, ou seja, ter
uma abordagem holística, não reduzindo seu
universo a um mero "ano fiscal".
• Ética: ter um conjunto de regras e normas
morais que fundamenta suas atitudes
profissionais.
•Diversidade Cultural: escolher colaboradores
talentosos, independente de diferenças raciais,
culturais ou sexuais.
•Educação e Treinamento: buscar constante
o aperfeiçoamento profissional.
Grupo de até 4 alunos e estudo de caso baseado no Case “A
copiadora da família” de DUBRIN (1998, p. 15).
Kátia Lima, após sua formatura no curso de Administração, foi
promovida a Chefe de Caixas do Banco Geral do Brasil (BGB). Um
ano depois, seu tio, Jerônimo, faleceu deixando sua tia Clara sozinha
para cuidar da loja “Lima Cópias e Imagens” situada no centro de
Novo Hamburgo. A tia Clara lhe fez a seguinte proposta: “Não tenho
condições de gerenciar a loja, quero que você assuma o negócio,
ficando com 50% do lucro do ponto.”
Após avaliar que o banco não lhe apresentava grandes
perspectivas e a loja possuía uma boa estrutura, um bom volume de
cópias, 10 funcionários e era bem localizada, Kátia assinou um
contrato de 2 anos com sua tia.
Depois de 1 mês gerenciando a empresa, Kátia identificou
os seguintes problemas:
• A cadeia de lojas “Copy Star”, um rede de atuação nacional e
especializada no ramo, instalou uma loja concorrente a 3 quadras
da empresa.
• Os lucros da empresa da tia Clara não eram satisfatórios a pelo
menos 6 meses.
• 30% dos clientes organizacionais atrasavam constantemente
seus pagamentos, alguns até já fecharam suas portas. 
• Júlio, o funcionário especializado em editoração eletrônica, deseja
sair da empresa pois acredita que seu salário é muito baixo.
Responda:
Conforme os aspectos estudados neste módulo, quais são
as sugestões que o grupo dá para Kátia resolver seus problemas?
Se você fosse Kátia, ficaria ou desistiria de gerenciar a
loja? Porquê?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaGestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaAnselmo Lino Bispo
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da admJean Leão
 
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slidesAdilson Rangel
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração Lucas Caitité
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Andrey Martins
 
Habilidades do administrador slides
Habilidades do administrador   slidesHabilidades do administrador   slides
Habilidades do administrador slidesVanessa
 
Fundamentos de administração
Fundamentos de administraçãoFundamentos de administração
Fundamentos de administraçãoAndy Willians
 
Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2Andrey Martins
 
Introduçao a administraçao para a contabilidade
Introduçao  a administraçao para a contabilidadeIntroduçao  a administraçao para a contabilidade
Introduçao a administraçao para a contabilidadeJulliana Alves
 
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASWesley Pacheco
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoProf. Leonardo Rocha
 
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i  conceitos ADMINISTRAÇÃOAula i  conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃOLorena Carvalho
 
Introdução à teoria geral da administração
Introdução à teoria geral da administraçãoIntrodução à teoria geral da administração
Introdução à teoria geral da administraçãoFabiano Duarte
 
Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1Cariocabear
 
Adm 02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradores
Adm    02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradoresAdm    02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradores
Adm 02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradoresEvelyneBorges
 
Administração geral, gestão, ambiente externo e escolas
Administração geral,   gestão, ambiente externo e escolasAdministração geral,   gestão, ambiente externo e escolas
Administração geral, gestão, ambiente externo e escolasHenrique Ferreira
 
Administração ciência e técnica
Administração ciência e técnicaAdministração ciência e técnica
Administração ciência e técnicaLemos1960
 

Mais procurados (19)

Gestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaGestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresa
 
1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm1 introdução e primórdios da adm
1 introdução e primórdios da adm
 
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides
02 organizacoes e_administracao_parte_1_slides
 
Organizações e administração
Organizações e administraçãoOrganizações e administração
Organizações e administração
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
 
Habilidades do administrador slides
Habilidades do administrador   slidesHabilidades do administrador   slides
Habilidades do administrador slides
 
Fundamentos de administração
Fundamentos de administraçãoFundamentos de administração
Fundamentos de administração
 
Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2Fundamentos de administração 2
Fundamentos de administração 2
 
Introduçao a administraçao para a contabilidade
Introduçao  a administraçao para a contabilidadeIntroduçao  a administraçao para a contabilidade
Introduçao a administraçao para a contabilidade
 
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESASApresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
Apresentação ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i  conceitos ADMINISTRAÇÃOAula i  conceitos ADMINISTRAÇÃO
Aula i conceitos ADMINISTRAÇÃO
 
Introdução à teoria geral da administração
Introdução à teoria geral da administraçãoIntrodução à teoria geral da administração
Introdução à teoria geral da administração
 
Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1Introdução à adminstração revisão para av 1
Introdução à adminstração revisão para av 1
 
Adm 02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradores
Adm    02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradoresAdm    02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradores
Adm 02 - perfil, habilidades,papéis e classificação dos administradores
 
Administração geral, gestão, ambiente externo e escolas
Administração geral,   gestão, ambiente externo e escolasAdministração geral,   gestão, ambiente externo e escolas
Administração geral, gestão, ambiente externo e escolas
 
Administração ciência e técnica
Administração ciência e técnicaAdministração ciência e técnica
Administração ciência e técnica
 

Destaque

A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoAnderson Cássio Oliveira
 
Pós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firmaPós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firmaMarcel Gois
 
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5rsnasci
 
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe AssunçãoExercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Apresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoApresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoPDDI RMVA
 
Perguntas de ética
Perguntas de éticaPerguntas de ética
Perguntas de éticawagcher
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da AdministraçãoSiebra Neto
 
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1Luciano Almeida
 
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das OrganizaçõesSO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das OrganizaçõesAna Maria Santos
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaHamilton Nobrega
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organizaçãoRobson Costa
 
Habilidade e competencias do administrador
Habilidade e competencias do administradorHabilidade e competencias do administrador
Habilidade e competencias do administradorAlesilveira
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produçãoSandro Souza
 

Destaque (20)

Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Pós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firmaPós-fordismo e novas teorias da firma
Pós-fordismo e novas teorias da firma
 
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5
Respostas Desenvolvimento Econômico_A4/A5
 
3 a administração
3   a administração3   a administração
3 a administração
 
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe AssunçãoExercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
 
Ética construindo valores
Ética construindo valoresÉtica construindo valores
Ética construindo valores
 
Apresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento EconômicoApresentação Desenvolvimento Econômico
Apresentação Desenvolvimento Econômico
 
Perguntas de ética
Perguntas de éticaPerguntas de ética
Perguntas de ética
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Teoria da Administração
Teoria da AdministraçãoTeoria da Administração
Teoria da Administração
 
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1
Tipos de Organização e o processo administrativo - GRUPO1
 
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das OrganizaçõesSO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
SO Introdução ao Estudo da Sociologia Das Organizações
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a RadiologiaNoções de Administração Aplicadas a Radiologia
Noções de Administração Aplicadas a Radiologia
 
Processo administrativo: organização
Processo administrativo: organizaçãoProcesso administrativo: organização
Processo administrativo: organização
 
Prova gabarito
Prova gabaritoProva gabarito
Prova gabarito
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Habilidade e competencias do administrador
Habilidade e competencias do administradorHabilidade e competencias do administrador
Habilidade e competencias do administrador
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produção
 

Semelhante a Teorias da Administração: Um Guia Completo

Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdfNovas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdfPedroLuis216164
 
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdf
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdfModelos Contemporâneos de Gestão.pdf
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdfLeonel Capetti
 
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdfintrodução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdfPedro Luis Moraes
 
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...Carlos A. K. Hoffmann
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ Otaniamaciel
 
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_20116 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011Licc11
 
Interdiciplinar final x
Interdiciplinar final xInterdiciplinar final x
Interdiciplinar final xLucas Juan
 
2014 01 04 gestão careconsulting
2014 01 04 gestão careconsulting2014 01 04 gestão careconsulting
2014 01 04 gestão careconsultingWagner Louzada
 
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃO
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃOLATEC - UFF. MODELO DE GESTÃO
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃOLATEC - UFF
 
Aula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptxAula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptxPedro Luis Moraes
 
Administração(1) livro
Administração(1) livroAdministração(1) livro
Administração(1) livroAle Oriente
 

Semelhante a Teorias da Administração: Um Guia Completo (20)

Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdfNovas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
Novas Abordagens na decada de 90 - TQM.pdf
 
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdf
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdfModelos Contemporâneos de Gestão.pdf
Modelos Contemporâneos de Gestão.pdf
 
Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1Gestão de Pessoas - Aula 1
Gestão de Pessoas - Aula 1
 
Aps adm 2013
Aps adm 2013Aps adm 2013
Aps adm 2013
 
735 ementa
735 ementa735 ementa
735 ementa
 
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdfintrodução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
introdução A aDMINISTRAÇAÕ.pdf
 
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...
Abordagens estratégicas: um olhar sobre empresas instaladas em uma incubadora...
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ O
 
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_20116 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011
6 gestao pessoas_para_inovacao_ufsm_2011
 
Interdiciplinar final x
Interdiciplinar final xInterdiciplinar final x
Interdiciplinar final x
 
2014 01 04 gestão careconsulting
2014 01 04 gestão careconsulting2014 01 04 gestão careconsulting
2014 01 04 gestão careconsulting
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
TGA
TGATGA
TGA
 
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃO
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃOLATEC - UFF. MODELO DE GESTÃO
LATEC - UFF. MODELO DE GESTÃO
 
Aula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptxAula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptx
 
Administração(1) livro
Administração(1) livroAdministração(1) livro
Administração(1) livro
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Mais de Jesrayne Nascimento (20)

Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
 
Objectif Express
Objectif Express Objectif Express
Objectif Express
 
Relatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnicaRelatorio 2012 visita técnica
Relatorio 2012 visita técnica
 
Regras da ABNT
Regras da ABNTRegras da ABNT
Regras da ABNT
 
Dicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentaçãoDicas para uma boa apresentação
Dicas para uma boa apresentação
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
A arte no brasil império
A arte no brasil impérioA arte no brasil império
A arte no brasil império
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-modernoArte comentada, da pré história ao pós-moderno
Arte comentada, da pré história ao pós-moderno
 
Word Avançado
Word AvançadoWord Avançado
Word Avançado
 
Apostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondasApostila mecanica-calor-ondas
Apostila mecanica-calor-ondas
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Ecoturismo - TGT
Ecoturismo - TGTEcoturismo - TGT
Ecoturismo - TGT
 
Física - Composicao Movimento
Física - Composicao MovimentoFísica - Composicao Movimento
Física - Composicao Movimento
 
Apostilas concurso banco do brasil português bb
Apostilas concurso banco do brasil   português bbApostilas concurso banco do brasil   português bb
Apostilas concurso banco do brasil português bb
 
Livro linguagens
Livro linguagensLivro linguagens
Livro linguagens
 
Rio de janeiro
Rio de janeiroRio de janeiro
Rio de janeiro
 
Apostila de violão
Apostila de violãoApostila de violão
Apostila de violão
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
 

Teorias da Administração: Um Guia Completo

  • 1. TeoriasdaAdministração • Prof. James Anthony Falk, PhD • Pós-Doutorado em Administração Serviços de Saúde (MCVA/USA), Doutorado em Administração Pública (UGA/USA), Mestrado em Saúde Pública, concentração em Administração Hospitalar (USP/SP), Bacharel em Filosofia (USA/UFPE) • Professor aposentado Dep. Ciências Administrativas / UFPE, fundador do Mestrado e Doutorado em Administração • Professor Titular FBV / DeVry – fundador do MPGE • Email: thefalks@terra.com.br • Cel: 9172-4163
  • 2. 5TEAM Teorias da Administração 60 horas Ementa: O aluno irá desenvolver, ao longo desta disciplina, uma visão ampla e geral do estudo da administração, abordando, de maneira cronológica, as principais escolas de administração apresentadas através dos seus elementos conceituais. Com isso o aluno terá capacidade de identificar diversos estilos e correntes de administração nas empresas e será capaz de debater também as contribuições de cientistas de áreas afins e suas influências nas correntes do pensamento administrativo, mergulhando em um novo ambiente científico e abrindo novas perspectivas para a sua atuação como gestor.
  • 3. Objetivos: -Identificar a presença das diferentes escolas de Administração através da percepção de métodos, formas de atuação, elementos de controle e do posicionamento de seus gestores frente a objetivos e estratégias distintas nas organizações atuais. -Implementar técnicas gerenciais que fazem parte do contexto contemporâneo da administração sem desprezar o caráter evolutivo e temporário de cada método frente à realidade sócio-político-econômica onde se insere a organização. - Elaborar cronogramas, orçamentos e sistemas de controle básicos observando as estratégias das organizações e visando o acompanhamento das tarefas em direção aos objetivos propostos.
  • 4. -Realizar trabalhos analíticos sobre as estruturas empresariais e os princípios científicos da Administração utilizando a percepção da empresa como sistema aberto ou como conjunto de partes sincronizadas de forma a participar de forma ativa no desenho de novos procedimentos e práticas empresariais. -Relacionar as principais variáveis do processo empresarial através da sua interpretação e da compreensão das influências dos pensadores da teoria administrativa na realidade contemporânea. - Utilizar um novo panorama de técnicas gerenciais que fazem parte do contexto moderno da administração, através da percepção das organizações como sistemas ou processos.
  • 5. Conteúdo UNIDADE 1 - A Administração e suas Perspectivas, com os Conceitos de Administração, Papel do Administrador, o Fenômeno Organizacional e a Sociedade das Organizações; UNIDADE 2 - Antecedentes Históricos da Administração, passando pelas Estruturas Administrativas Pré-Revolução Industrial, Influência de Pensadores Econômicos e Mudança da Estrutura Feudal para a Revolução Industrial; UNIDADE 3 - A Administração como Ciência. As Escolas Tradicionais de Pensamento em Administração, a Administração Científica e a Teoria Clássica, Conceitos e Técnicas utilizados pelos Principais Teóricos e seu Impacto para as Organizações e Sociedade;
  • 6. UNIDADE 4 - A Abordagem das Relações Humanas, a Escola Comportamental e as Transformações Advindas de sua Aplicação Frente ao Novo Paradigma Social; UNIDADE 5 - O Estruturalismo e a Teoria da Burocracia, com seus Desdobramentos nas Organizações Atuais; UNIDADE 6 - A Escola Neoclássica, a Teoria dos Sistemas a Teoria do Desenvolvimento Organizacional e a Teoria da Contingência, Visualizando os Pontos de Concordância e Aspectos Diferenciais de Cada Abordagem Frente à Realidade Mutante das Empresas; UNIDADE 7 - Apresentação das Técnicas Gerenciais: Reengenharia, Movimento da Qualidade, Learning Organizations e Novas Tendências.
  • 7. Bibliografia básica •CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro : Campus, 2011. •FERREIRA, Ademir Antonio; PEREIRA, Maria Isabel; REIS, Ana Carla Fonseca. Gestão Empresarial: de Taylor aos Nossos Dias. São Paulo: Pioneira, 2002. •MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da Escola Científica à Competitividade na Economia Globalizada. São Paulo: Atlas, 2000. Bibliografia complementar •LODI, João Bosco. História da Administração. São Paulo: Pioneira, 1987. •MAQUIAVEL, Nicolau . O Príncipe. São Paulo: Maartin Claret, 2008. •MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da Escola Científica à Competitividade na Economia Globalizada. São Paulo: Atlas, 2000. •MOTTA, Fernando C. P. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira, 1987. •TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1990.
  • 8. A palavra administrar é usada tão freqüentemente no dia- a-dia, que parece não haver dúvidas com relação a seu significado. Mas,
  • 9. Fazer a coisa certa Da maneira certa Através dos outros Organizações e Administração Processo Decisório Planejamento Estratégico Teorias da Administração Processo de Organização Estrutura Organizacional Desempenho Organizacional Planejamento Operacional Modelos de Organização Teorias da Administração Liderança Motivação Grupos Administração de Projetos Comunicação Gerencial Ética, Responsabilidade Social e Ambiental A D M I N I S T R A R
  • 10. Fazer a coisa certa Da maneira certa Através dos outros A D M I N I S T R A R Novos Negócios Introdução à Economia Direito Público e Privado Economia Brasileira Evolução do Pensamento Administrativo Comércio Exterior Macro-análise das organizações Direito do Trabalho e Tributário Métodos Qualitativos de Decisão Relações Empresa-Estado Estratégia Empresarial Comportamento Humano nas Organizações Comunicação Interpessoal e Empresarial Administração de Marketing Sociologia Gestão de Pessoas Antropologia do Homem Brasileiro e Nordestino Tópicos de filosofia e ética profissional Estatística – Mudança e Consultoria Organizacional – Jogos de Empresas – Tópicos Emergentes em Administração – Cálculo - Metodologia de Pesquisa. Disciplinas de Formação Geral (Obrig.)
  • 11. Palavras como: Administrador, Gerente, Governante, Dirigente, Empresário, Presidente e mesmo Chefe também parecem ser usadas, normalmente, como se indicassem as mesmas figuras.
  • 14. Relembrando: Administrar é Fazer a coisa certa.... da maneira certa.... através dos outros....
  • 15.
  • 17.
  • 18. Necessidades físicas humanas: Alimentação e ferramentas Terra Segurança Habitação Conforto Espiritual Questões Demográficas: Demanda por Alimentação – Produção Mais Terra Mais Habitação Mobilidade Urbana / Rural Capital Tecnologia Existente
  • 19.
  • 20. Identificação das Oportunidades • Análise das 5 Forças Competitivas; • Análise da Cadeia de Valor Metodologia de Análise daMetodologia de Análise da Posição CompetitivaPosição Competitiva
  • 21. Análise das 5 forças competitivasAnálise das 5 forças competitivas Fonte: Estratégia Competitiva - Michael Porter FORNECEDORES ENTRANTES POTENCIAIS COMPRADORES SUBSTITUTOS Concorrentes na Indústria Rivalidade entre as empresas existentes Poder de negociação dos fornecedores Poder de negociação dos compradores Ameaças de novos entrantes Ameaças de produtos ou serviços substitutos
  • 22. ATIVIDADES DE APOIO INFRAESTRUTURA DA EMPRESA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA AQUISIÇÃO M A R G E M ATIVIDADES PRINCIPAIS LOGÍSTICA DE ENTRADA OPERAÇÕES LOGÍSTICA DE SAÍDA MARKETING E VENDAS SERVIÇOS PÓS-VENDA A CADEIA DE VALORES FONTE: VANTAGEM COMPETITIVA, Michael Porte A Cadeia de Valor representa todas as atividades que acontecem dentro da empresa com a finalidade de criar Valor para os clientes.
  • 23. Uma Empresa é um sistema de atividades, em que, dependendo de sua organização, é criada a vantagem competitiva. FONTE: VANTAGEM COMPETITIVA, Michael Porte A CADEIA DE VALORES
  • 24. Logística interna Logística externa Comercia lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Logística interna Logística externa Comercia-lização CRMProdução Recursos humanos Pesquisa e Desenvolvimento Suprimentos M a r g e m m e g r a M Infra-estrutura Governo Instituições Financeiras Pesquisa Soluções em TI Empresa Focal Ex: Roche, Pfizer, Merck, etc. P&DMáquinas e materiais indiretos Fármacos Redes de FarmáciasRedes de Distribuidoras Farmácias Cadeia de Valor do sistema farmacêutico Cliente Usuário
  • 25. VINCULAÇÕES (elos)VINCULAÇÕES (elos)  Atividades diferentes freqüentemente estão vinculadas  A maneira como uma atividade é desenvolvida afeta o custo ou desempenho de outra  Poderosa fonte de vantagem competitiva INFRAESTRUTURA DA EMPRESA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA AQUISIÇÃO M A R G E M LOGÍSTICA DE ENTRADA OPERAÇÕES LOGÍSTICA DE SAÍDA MARKETING E VENDAS ASSISTÊNCIA TÉCNICA FONTE:VANTAGEMCOMPETITIVA,MichaelPorterFONTE:VANTAGEMCOMPETITIVA,MichaelPorter
  • 26. • As Organizações servem à sociedade. - Padaria e Polícia. • As Organizações realizam objetivos. - Transportadora e Fábrica de Calçados. • As Organizações desenvolvem o conhecimento. - Tecnologia e pesquisa. • As Organizações proporcionam carreiras. - Emprego e empreendedorismo. Porque as Organizações são necessárias?
  • 27. Na atualidade, as organizações assumiram importância sem precedentes na sociedade e na vida das pessoas. Uma lista das organizações com as quais estamos envolvidos ou se relacionam está interminável: da empresa onde trabalha ao supermercado, da fábrica de seu carro à concessionária, da prefeitura à companhia de eletricidade, da companhia telefônica ao sindicato de sua categoria profissional, etc. Há poucos aspectos de vida que não sejam influenciados por alguma espécie de organização. A sociedade moderna é uma sociedade organizacional, em contraste com as sociedades comunitárias do passado.
  • 28. Na sociedade organizacional, muitos produtos e serviços essenciais para a simples sobrevivência somente se tornam disponíveis quando há organizações empenhadas em realizá-los. A qualidade de vida depende delas em grande parte: serviços de saúde, fornecimento de energia, segurança pública, controle de poluição - tudo depende de alguma empresa ou organização pública.
  • 29.
  • 31. Conceito de Administração "Administração é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar o trabalho dos membros da organização, e de usar todos os recursos disponíveis da organização para alcançar objetivos estabelecidos" (Stoner & Freeman, 1999). Conceito de Organização “Organização é uma entidade abstrata, de cunho jurídico, formada por duas ou mais pessoas, trabalhando juntas e de modo estruturado para alcançar um objetivo específico ou um conjunto de objetivos.” (Stoner & Freeman, 1999) Administração vs Organização
  • 32. Pela simples observação do mundo que nos rodeia, facilmente observamos que vivemos numa sociedade quase totalmente dominada por diversos tipos de organizações. Por outro lado, também facilmente constatamos que todos nós, assim como todos os nossos familiares, amigos e conhecidos, pertencemos a uma ou mais organizações - a uma equipa de futebol, a um grupo de teatro, a uma organização política, cívica ou religiosa, a uma associação de estudantes, a uma empresa. Administração vs Organização
  • 33. Vivemos naquilo a que Peter F. Drucker, em “Managing in a Time of Great Change”, chamou a “sociedade das organizações”. De fato, cada vez mais as organizações, sejam elas empresariais, políticas, religiosas, desportivas, de solidariedade social, de defesa do ambiente, ou outras, assumem um papel crescente na nossa sociedade, quer seja ao nível social quer seja ao nível econômico. São as organizações que atualmente assumem a responsabilidade pela execução das principais tarefas necessárias ao funcionamento da sociedade - são elas que asseguram a produção de bens e serviços, a prestação de serviços de saúde, a segurança, o desporto, o ensino, a defesa do ambiente, a solidariedade social, entre muitas outras. É daqui que surge a importância do estudo das organizações enquanto entidades sociais, econômicas, de desenvolvimento das capacidades humanas e como agentes fundamentais da mudança e da evolução. Administração vs Organização
  • 34. Paralelamente, e não menos importante, é a tendência cada vez mais acentuada para a transformação, e utilizando mais uma vez os termos de Peter F. Drucker, do trabalho tradicional em trabalho do conhecimento. Diversos fatores, dos quais se destaca a globalização da economia a nível mundial, proporcionada em grande parte pelos avanços tecnológicos ao nível do tratamento e transferência de informação e ao nível dos transportes e da mobilidade de pessoas e bens, têm vindo a contribuir para uma profunda transformação no interior das organizações. As pessoas tornaram-se gradualmente no seu principal ativo; deixaram de ser meros executantes de tarefas decididas e ordenadas pelos decisores de topo da organização, para passarem a constituir parte integrante na tomada de decisões. Avança-se assim gradualmente de uma era dominada pela tecnologia para uma era dominada pelo conhecimento. Administração vs Organização
  • 35. ORGANIZAÇÃO – ato ou efeito de organizar(-se); – modo pelo qual o ser vivo é organizado; conformação, estrutura; – modo pelo qual se organiza um sistema; – associação ou instituição com objetivos definidos; – organismo (por exemplo, a UNESCO é uma organização de...) – designação de certos organismos (por exemplo, A Organização das Nações Unidas) e, ORGANIZAR – planejamento, preparo (por exemplo, organização de uma festa) constituir o organismo de; estabelecer as bases de; ordenar, arranjar, dispor; – dar às partes de (um corpo) a disposição necessária para as funções a que ele se destina; – tornar uma organização definitiva; constituir-se, formar-se. Na linguagem cotidianaNa linguagem cotidianaNa linguagem cotidianaNa linguagem cotidiana
  • 36. Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938)Chester Barnard (1938) • Organizações são sistemas cooperativos, formados por pessoas que se comunicam entre si e desenvolvem ações tendo em vista alcançar um propósito comum. • “São sempre as ações de pessoas, por palavras, olhares, gestos, movimentos, nunca objetos físicos, embora coisas possam ser usadas convenientemente como evidência da ação, como no caso da escrita [...] coisas físicas são sempre uma parte do ambiente, uma parte do sistema cooperativo, mas nunca uma parte da organização” • “O sistema, pois, a que damos o nome de organização, é um sistema composto das atividades dos seres humanos. O que faz dessas atividades um sistema é o fato de os esforços de diferentes pessoas serem coordenados...” • Limitação: desconsidera as fontes de conflito organizacional.
  • 37. “são unidades sociais (ou agrupamentos humanos) intencionalmente construídas e reconstruídas, a fim de atingir objetivos específicos...” • Organizações caracterizam-se por: – Divisões de trabalho, poder e responsabilidades de comunicação planejadas intencionalmente; – Com a presença de um ou mais centros de poder; – Com possibilidade de substituição de pessoal. Etzioni (1964)Etzioni (1964)Etzioni (1964)Etzioni (1964)
  • 38. AMBIENTEAMBIENTE RECURSOSRECURSOS HISTÓRIAHISTÓRIA INSUMOS PRODUTO NÍVEL DONÍVEL DO SISTEMASISTEMA NÍVELNÍVEL UNIDADE /UNIDADE / GRUPOGRUPO NÍVELNÍVEL INDIVIDUALINDIVIDUAL ESTRUTURAESTRUTURA PROCESSOSPROCESSOS INFORMAISINFORMAIS TRABALHOTRABALHO DISPOSI-DISPOSI- ÇÕESÇÕES FORMAISFORMAIS PESSOALPESSOAL Fonte: Nadler, D.A.; Gerstein, M.S., Shaw, R.B. (1994). Representação de um modelo SistêmicoRepresentação de um modelo Sistêmico de organizaçãode organização Representação de um modelo SistêmicoRepresentação de um modelo Sistêmico de organizaçãode organização
  • 39. MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS • Morgan (1996) utiliza a noção de metáfora/Imagens para a compreensão das Organizações. – Metáfora: “Transferência de uma palavra para um âmbito semântico que não é o do objeto que ele designa, e que se fundamenta em uma relação de semelhança subtendida entre o sentido próprio e o sentido figurado” – Oito tipos de metáforas: Máquina, Organismo, Cérebro, Cultura, Sistema Político, Prisão Psíquica, Fluxo e Transformação, e Instrumento de Dominação. – Contribuição: reconhece a complexidade das Organizações e suas múltiplas formas de interpretação.
  • 40. MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS • Metáfora Máquina: – “As Organizações são máquinas feitas de partes que se interligam, cada uma desempenhando um papel claramente definido no funcionamento do todo.” • Conseqüência: existe uma tendência em esperar que as Organizações funcionem de maneira rotinizada, eficiente, confiável e previsível. • Metáfora Instrumento de Dominação: – “As Organizações são instrumentos de dominação de alguns grupos sobre os outros.” • Conseqüência: idéia de que as pessoas são exploradas para atingir os fins organizacionais.
  • 41. MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS • Metáfora Organismo: – “As Organizações são sistemas vivos que existem em um ambiente mais amplo, do qual dependem em termos de satisfação de suas necessidades.” • Conseqüência: necessitam de cuidadosa administração para satisfazer e equilibrar necessidades internas, assim como adaptar-se a circunstâncias ambientais. • Metáfora Cérebro: – “As Organizações são sistemas de processamento de informação, capazes de aprender a aprender.” • Conseqüência: ênfase nos sistemas de informação, de comunicação e de decisões
  • 42. MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS • Metáfora Cultura: – “As Organizações são lugares onde residem idéias, valores, normas, rituais e crenças que as sustentam enquanto realidades socialmente construídas.” • Conseqüência: ênfase na visão das organizações como processos que produzem significados comuns. • Metáfora Sistema Político: – “As Organizações são sistemas de governo.” • Conseqüência: eixos principais de análise são as relações entre interesses, conflito e poder.
  • 43. MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS MORGAN (1996)MORGAN (1996) METÁFORASMETÁFORAS • Metáfora Prisão Psíquica: – “As Organizações vistas como mundos sociais limitadores e constrangedores da criação e da inovação.” • Conseqüência: ´há um lado avesso´. • Metáfora Fluxo e Transformação: – “As Organizações vistas como fluxo de mudança e transformação que ganha estabilidade ao longo do tempo, mas que permanece mudando.” • Conseqüência: a única característica permanente é a mudança.
  • 44. Visão CulturalistaVisão CulturalistaVisão CulturalistaVisão Culturalista • Influência da Antropologia. – A cultura assume papel central. – Clifford Greertz (1989) define como cultura: • “Teias de significados tecidas pelos homens e suas análises” • Organizações são vistas como minissociedades que têm os seus próprios padrões distintos de cultura e subcultura. Tais padrões: – Podem competir entre si. – Não podem ser criados pelos gerentes. – Morgan (1996): “A cultura não é algo imposto sobre uma situação social. Ao contrário, ela se desenvolve durante o curso da interação social”
  • 45. Visão CulturalistaVisão Culturalista • A cultura como representação social – A cultura funciona como sistemas interpretativos da realidade que orientam as interações entre o indivíduo com seu ambiente físico e social. • Organizações enquanto representações sociais – São processos que produzem sistemas de significados comuns. São realidades socialmente construídas, que estão mais nas mentes de seus membros que em conjuntos concretos de regras e elementos.
  • 46. Visão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: basesVisão Institucionalista: bases • A sociedade, para o institucionalismo, é uma rede, um tecido de instituições, organizações, estabelecimentos, agentes e práticas. As sociedades humanas estão constituídas, no mínimo, por quatro instituições: a língua, as relações de parentesco, a religião, e a divisão técnica e social do trabalho. • As instituições interpenetram-se e se articulam para regular a produção e a reprodução da vida humana • Instituições = árvores de decisões lógicas que regulam as atividades humanas, indicando o que é proibido, o que é permitido e o que é indiferente fazer. – Ex. de instituições: justiça, dinheiro, forças armadas, religião, salário, sexualidade – Um conglomerado importante de instituições é, por exemplo, o Estado
  • 47. • Instituições são corpos normativos de natureza jurídica e cultural integrados por idéias, valores, crenças e leis que determinam as formas de intercâmbio social. – sexualidade, trabalho, salário, tempo livre, justiça e religião • nível da realidade social que define o que está estabelecido, o conjunto de normas e valores que são dominantes e que estabelecem os papéis que sustentam a ordem social. • Organizações são o suporte material, o lugar em que as instituições se materializam e exercem seus efeitos sobre os indivíduos. – as organizações (escolas, fábricas, hospitais, órgãos públicos etc.) são mediadoras na relação entre as instituições e os sujeitos. • as organizações são atravessadas por muitas instituições. Estas diversas instituições determinam as interações sociais ali estabelecidas INSTITUIÇÃO x ORGANIZAÇÃOINSTITUIÇÃO x ORGANIZAÇÃO
  • 48. UMA SÍNTESEUMA SÍNTESEUMA SÍNTESEUMA SÍNTESE • Não assumem a Organização como uma entidade que exista independente das pessoas que a constituem • Organização vista como um processo e não como entidade • Organização pode ser tratada como processo ou produto • Organizações têm dimensões econômica, política e simbólica • Atores colocados no centro da análise organizacional, mas são ativos somente em algumas visões • Organização = um empreendimento coletivo imerso em uma complexa rede de significados e interesses que podem ser mais ou menos convergentes • Organização é um fenômeno que emerge no nível individual, grupal e organizacional
  • 49. Dimensão EconômicaDimensão Econômica Produzem bens ou serviços econômicos cujoProduzem bens ou serviços econômicos cujo meio de controle é materialmeio de controle é material Dimensão PolíticaDimensão Política Produzem bens ou serviços políticos cujoProduzem bens ou serviços políticos cujo meio de controle é a coação física.meio de controle é a coação física. Dimensão SimbólicaDimensão Simbólica Produzem bens ou serviços simbólicos cujoProduzem bens ou serviços simbólicos cujo meio de controle são padrões culturais.meio de controle são padrões culturais. UMA SÍNTESE:UMA SÍNTESE: SROUR (1998)SROUR (1998)UMA SÍNTESE:UMA SÍNTESE: SROUR (1998)SROUR (1998)
  • 50. Infra-estrutura material • Instalações e equipamentos atuando dentro de uma divisão do trabalho • Importa objetos materiais e sociais para realizar suas atividades Unidade produtiva • Envolve relações de produção – uma praça em que se produz e trocam bens e serviços Dimensão EconômicaDimensão EconômicaDimensão EconômicaDimensão Econômica
  • 51. Sistema de poder • Centros específicos a partir dos quais o mando é exercido • Regula interesses sociais internos e externos ao produzir decisões que buscam disciplinar pessoas Entidade política • Envolvem relações de poder – uma arena em que se defrontam diferentes forças socias Dimensão PolíticaDimensão PolíticaDimensão PolíticaDimensão Política
  • 52. Universo simbólico • Padrões culturais que são inculcados e praticados pelos agentes sociais. • Expressa representações mentais e gera mensagens cognitivas para manter a coesão necessária Agência ideológica • Envolvem relações de saber – um palco em que se elaboram e difundem discursos ou mensagens Dimensão SimbólicaDimensão SimbólicaDimensão SimbólicaDimensão Simbólica
  • 53. Os objetivos do Administrador na Organização PETER DRUCKER aponta que o Administrador deve ser: • Eficaz, ou seja, aquele que define corretamente o objetivo adequado a ser alcançado, pois Eficácia é fazer a coisa certa, ou seja, é um Fator Qualitativo. • Eficiente, ou seja, aquele que obtém produtos e serviços (atividade-fim) com o menor volume de recursos necessários (meios), Eficiência é fazer certo as coisas, ou seja, é um Fator Quantitativo.
  • 54. “ O bom Administrador é aquele que conduz seu grupo até o destino almejado.”
  • 55. As funções do Administrador na Organização Planejar O que é? É projetar seus objetivos e ações futuras, através de algum método, plano ou lógica. Planejar o quê? a) O produto a ser produzido; b) O serviço a ser prestado; c) O alvo a ser atingido; d) A rota a ser trilhada.
  • 56. As funções do Administrador na Organização Organizar O que é? É o processo de determinar o trabalho, a autoridade e os recursos, entre os membros de uma Organização, de modo que possam alcançar eficientemente os objetivos da mesma. O Quê Organizar? Definir as instalações, o maquinário, a matéria- prima, a tecnologia, os cargos, as funções, o pessoal, a infra-estrutura, as finanças, ...
  • 57. As funções do Administrador na Organização Liderar O que é? (dirigir, coordenar e comandar) É o ato de dirigir, influenciar e motivar o grupo a realizar as tarefas essenciais para se atingir os objetivos pretendidos.   Liderar Quem? Gerente de Produção, Chefe de montagem, Diretor de Marketing, Supervisor de Área, Presidente da Corporação, Vice-Presidente de Logística, etc.
  • 58. Controlar O que é? É certificar-se de que os atos dos membros da organização levam-na, de fato, em direção aos objetivos estabelecidos.   O quê? O volume produzido, a quantidade vendida, o grau de satisfação do cliente, a qualidade de vida dos colaboradores, a lucratividade do negócio, ... As funções do Administrador na Organização
  • 59. As funções do Administrador na Organização A administração é um processo que envolve que funções?: Planejar Organizar Dirigir Controlar O uso de recursos a fim de alcançar seus objetivos
  • 60. As funções do Administrador na Organização Variáveis Básicas: Tarefa Estruturas Pessoas Tecnologia Ambiente
  • 61. Tipos de administradores Em relação ao nível de influência • Primeira linha ou Operacional São os chefes e supervisores que coordenam o trabalho operacional, não supervisionando outros administradores. • Médio ou Gerencial São os gerentes que ocupam posição intermediária na hierarquia organizacional, sendo responsáveis por outros administradores (chefes e supervisores) e por alguns empregados operacionais. • Topo ou Estratégico São os responsáveis pela administração global da organização. Estabelecem políticas operacionais e conduzem a interação da organização com seu meio ambiente.
  • 62. Tipos de administradores Em relação as suas habilidades •Técnica: é o conhecimento específico que envolve métodos, processos, procedimentos e técnicas. •Interpessoal: é a capacidade de trabalhar eficazmente como membro de uma equipe. •Conceitual: é ver a Organização de forma holística ou sistêmica. •Investigativa: é a capacidade de diagnosticar e resolver um problema. Política: é negociar e obter o poder necessário para atingir objetivos.
  • 63. Características necessárias para o Administrador moderno •Visão: enxergar além do que é, ou seja, ter uma abordagem holística, não reduzindo seu universo a um mero "ano fiscal". • Ética: ter um conjunto de regras e normas morais que fundamenta suas atitudes profissionais. •Diversidade Cultural: escolher colaboradores talentosos, independente de diferenças raciais, culturais ou sexuais. •Educação e Treinamento: buscar constante o aperfeiçoamento profissional.
  • 64. Grupo de até 4 alunos e estudo de caso baseado no Case “A copiadora da família” de DUBRIN (1998, p. 15). Kátia Lima, após sua formatura no curso de Administração, foi promovida a Chefe de Caixas do Banco Geral do Brasil (BGB). Um ano depois, seu tio, Jerônimo, faleceu deixando sua tia Clara sozinha para cuidar da loja “Lima Cópias e Imagens” situada no centro de Novo Hamburgo. A tia Clara lhe fez a seguinte proposta: “Não tenho condições de gerenciar a loja, quero que você assuma o negócio, ficando com 50% do lucro do ponto.” Após avaliar que o banco não lhe apresentava grandes perspectivas e a loja possuía uma boa estrutura, um bom volume de cópias, 10 funcionários e era bem localizada, Kátia assinou um contrato de 2 anos com sua tia.
  • 65. Depois de 1 mês gerenciando a empresa, Kátia identificou os seguintes problemas: • A cadeia de lojas “Copy Star”, um rede de atuação nacional e especializada no ramo, instalou uma loja concorrente a 3 quadras da empresa. • Os lucros da empresa da tia Clara não eram satisfatórios a pelo menos 6 meses. • 30% dos clientes organizacionais atrasavam constantemente seus pagamentos, alguns até já fecharam suas portas. 
  • 66. • Júlio, o funcionário especializado em editoração eletrônica, deseja sair da empresa pois acredita que seu salário é muito baixo. Responda: Conforme os aspectos estudados neste módulo, quais são as sugestões que o grupo dá para Kátia resolver seus problemas? Se você fosse Kátia, ficaria ou desistiria de gerenciar a loja? Porquê?