Voz da Paróquia - Agosto 2014

224 visualizações

Publicada em

Voz da Paróquia - Agosto 2014

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz da Paróquia - Agosto 2014

  1. 1. Mioma 84ª Edição, agosto de 2014
  2. 2. 2 INDICE Pág. 3 — Francisco alerta para economia que «mata»; Pág. 4, 5 — domingo XVIII do tempo Comum; Pág. 5, 6, 7 — domingo XIX do tempo Comum; Pág. 7, 8, 9 - domingo XX do tempo Comum; Pág. 9, 10, 11 — domingo XXI do tempo Comum; Pág. 11, 12 — domingo XXII do tempo Comum; Pág. 13, 14, 15 — A Voz do Conselho Económico; Pág. 16, 17 — São Pedro—2014; Pág. 18 – Papa convida jovens a lutar contra «desânimo» e«mercadores de mor-te »; Pág. 19 — Passatempos; Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mês se-guinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia 20. Se queres receber no teu correio eletrónico um exemplar da “A Voz da Paróquia” envia uma mensagem para o endereço jesmioma@hotmail.com com o assunto “Quero receber a Voz” Versão Digital: http://www.slideshare.net/jesmioma http://issuu.com/jesmioma
  3. 3. Francisco alerta para economia que «mata» Papa insurge-se contra divinização do mercado e pede soluções para erradicar «causas estruturais da pobreza» 3 O PASSADO DO PRESENTE! IR—25/06/2014 A primeira exortação apostólica do Papa Francisco rejeita o que denomina de “economia da exclusão” e a confiança cega na “mão invisível do mercado”, ao mesmo tempo que pede soluções para as “causas estruturais da pobreza”. “Assim como o mandamento «não matar» põe um limite claro para assegurar o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer «não a uma economia da exclusão e da desigualdade social». Esta economia mata”, destaca a ‘Evangelii gaudium’ (a alegria do Evangelho, em português). O texto papal sustenta que o “crescimento equita/vo” exige mais do que o crescimento económico, para uma “promoção integral dos pobres que supere o mero assistencialismo”. “Enquanto os lucros de poucos crescem exponencialmente, os da maioria situam-se cada vez mais longe do bem-estar daquela minoria feliz. Tal desequilíbrio provém de ideologias que defendem a autonomia absoluta dos mercados e a especulação financeira”, adverte. O Papa destaca que estas ideologias “negam o direito de controlo dos Estados” e instauram “uma nova /rania invisível, às vezes virtual, que impõe, de forma unilateral e implacável, as suas leis e as suas regras”. “A dívida e os respe/vos juros afastam os países das possibilidades viáveis da sua economia, e os cidadãos do seu real poder de compra”, precisa. A primeira exortação apostólica do pon/ficado, iniciado em março de 2013, assinala que as questões da inclusão social dos pobres e da paz e do diálogo social “irão determinar o futuro da humanidade”. “A necessidade de resolver as causas estruturais da pobreza não pode esperar”, afirma Francisco, para quem a saída da actual crise económica global passa por iden/ficar a desigualdade como “raiz dos males sociais”, “renunciando à autonomia absolu-ta dos mercados e da especulação financeira”. “Longe de mim propor um populismo irresponsável, mas a economia já não pode recorrer a remédios que são um novo veneno, como quando se pretende aumentar a rentabilidade reduzindo o mercado de trabalho e criando assim novos excluídos”, alerta. Nesse sen/do, o Papa observa que qualquer mudança nas estruturas, sem gerar “novas convicções e a/tudes”, levará a que essas mesmas estruturas se tornem “corruptas, pesa-das e ineficazes”. Francisco retoma a reflexão sobre a solidariedade, que tem marcado várias das suas inter-venções, para sublinhar que esta supõe a criação de uma “nova mentalidade que pense em termos de comunidade, de prioridade da vida de todos sobre a apropriação dos bens por parte de alguns”. A exortação apostólica fala numa “crise antropológica profunda” que está na base da atual crise financeira, visível “no fe/chismo do dinheiro e na ditadura de uma economia sem rosto”. De acordo com Francisco, os “excluídos não são «explorados», mas resíduos, «sobras»” da sociedade, ví/mas daqueles que “detêm o poder económico” e dos “mecanismos sacralizados do sistema económico reinante”. O texto regressa às crí/cas pela “globalização da indiferença”, face ao sofrimento dos ou-tros, e demarca-se dos que procuram culpar os pobres dos seus próprios males. O Papa reflete ainda sobre a importância do trabalho, do “salário justo” e da é/ca, “fora das categorias do mercado”. “Uma reforma financeira que /vesse em conta a é/ca exigiria uma vigorosa mudança de a/tudes por parte dos dirigentes polí/cos”, exemplifica. OC—Ecclesia
  4. 4. 4 DOMINGO XVIII do Tempo Comum (3 de agosto de 2014) LEITURA I Is 55, 1-3 «Vinde e comei» Leitura do Livro de Isaías Eis o que diz o Senhor: «Todos vós que tendes sede, vinde à nascente das águas. Vós que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei. Vinde e comprai, sem dinhei-ro e sem despesa, vinho e leite. Porque gastais o vosso dinheiro naquilo que não alimenta e o vosso trabalho naquilo que não sacia? Ouvi-Me com atenção e come-reis o que é bom; saboreareis manjares suculentos. Prestai-Me ouvidos e vinde a Mim; escutai-Me e vivereis. Firmarei convosco uma aliança eterna, com as graças prometidas a David. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 144 (145), 8-9.15-16.17-18 (R. cf. 16) Refrão: Abris, Senhor, as vossas mãos e saciais a nossa fome. O Senhor é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade. O Senhor é bom para com todos, e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas. Todos têm os olhos postos em Vós, e a seu tempo lhes dais o alimento. Abris as vossas mãos e todos saciais generosamente. O Senhor é justo em todos os seus caminhos e perfeito em todas as suas obras. O Senhor está perto de quantos O invocam, de quantos O invocam em verdade. LEITURA II Rom 8, 35.37-39 «Nenhuma criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que se manifes-tou em Jesus Cristo» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Irmãos: Quem poderá separar-nos do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo ou a espada? Mas em tudo isto somos ven-cedores, graças Àquele que nos amou. Na verdade, eu estou certo de que nem a morte nem a vida, nem os Anjos nem os Principados, nem o presente nem o futuro, nem as Potestades nem a altura nem a
  5. 5. profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que se manifestou em Cristo Jesus, Nosso Senhor. Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 4, 4b R Refrão: Aleluia. Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. 5 EVANGELHO Mt 14, 13-21 «Todos comeram e ficaram saciados» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, quando Jesus ouviu dizer que João Baptista tinha sido morto, reti-rou- Se num barco para um local deserto e afastado. Mas logo que as multidões o souberam, deixando as suas cidades, seguiram-n’O por terra. Ao desembarcar, Je-sus viu uma grande multidão e, cheio de compaixão, curou os seus doentes. Ao cair da tarde, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe: «Este local é deserto e a hora avançada. Manda embora toda esta gente, para que vá às aldeias comprar alimento». Mas Jesus respondeu-lhes: «Não precisam de se ir embora; dai-lhes vós de comer». Disseram-Lhe eles: «Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes». Disse Jesus: «Trazei-mos cá». Ordenou então à multidão que se sentasse na relva. Tomou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos ao Céu e recitou a bênção. Depois partiu os pães e deu-os aos discípulos, e os discípulos deram-nos à multidão. Todos comeram e ficaram saciados. E, dos pedaços que sobraram, encheram doze cestos. Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças. Palavra da salvação. DOMINGO XIX do Tempo Comum (10 de agosto de 2014) LEITURA I 1 Reis 19, 9a.11-13a «Sai e permanece no monte à espera do Senhor» Leitura do Primeiro Livro dos Reis Naqueles dias, o profeta Elias chegou ao monte de Deus, o Horeb, e passou a noite numa gruta. O Senhor dirigiu-lhe a palavra, dizendo: «Sai e permanece no monte à espera do Senhor». Então, o Senhor passou. Diante d’Ele, uma forte rajada de vento fendia as monta-nhas e quebrava os rochedos; mas o Senhor não estava no vento.
  6. 6. Depois do vento, sentiu-se um terramoto; mas o Senhor não estava no terramoto. Depois do terramoto, acendeu-se um fogo; mas o Senhor não estava no fogo. Depois do fogo, ouviu-se uma ligeira brisa. Quando a ouviu, Elias cobriu o rosto com o manto, saiu e ficou à entrada da gruta. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. 8) Refrão: Mostrai-nos, Senhor, o vosso amor e dai-nos a vossa salvação. Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis e a quantos de coração a Ele se convertem. A sua salvação está perto dos que O temem, e a sua glória habitará na nossa terra. Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade, abraçaram-se a paz e a justiça. A fidelidade vai germinar da terra, e a justiça descerá do Céu. O Senhor dará ainda o que é bom, e a nossa terra produzirá os seus frutos. A justiça caminhará à sua frente, e a paz seguirá os seus passos. LEITURA II Rom 9, 1-5 «Quisera eu próprio ser separado de Cristo por amor dos meus irmãos» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Irmãos: Em Cristo digo a verdade, não minto, e disso me dá testemunho a consciên-cia no Espírito Santo: Sinto uma grande tristeza e uma dor contínua no meu coração. Quisera eu próprio ser anátema, separado de Cristo, para bem dos meus irmãos, que são do mesmo sangue que eu, que são israelitas, a quem pertencem a adopção filial, a glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas, a quem pertencem os Pa-triarcas e de quem procede Cristo segundo a carne, Ele que está acima de todas as coisas, Deus bendito por todos os séculos. Amen. Palavra do Senhor. ALELUIA Salmo 129 (130), 5 Refrão: Aleluia. Eu confio no Senhor, a minha alma espera na sua palavra. 6
  7. 7. 7 EVANGELHO Mt 14, 22-33 «Manda-me ir ter contigo sobre as águas» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Depois de ter saciado a fome à multidão, Jesus obrigou os discípulos a subir para o barco e a esperá-l’O na outra margem, enquanto Ele despedia a multidão. Logo que a despediu, subiu a um monte, para orar a sós. Ao cair da tarde, estava ali sozinho. O barco ia já no meio do mar, açoitado pelas ondas, pois o vento era contrário. Na quarta vigília da noite, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar. Os discípu-los, vendo-O a caminhar sobre o mar, assustaram-se, pensando que fosse um fan-tasma. E gritaram cheios de medo. Mas logo Jesus lhes dirigiu a palavra, dizendo: «Tende confiança. Sou Eu. Não temais». Respondeu-Lhe Pedro: «Se és Tu, Senhor, manda -me ir ter contigo sobre as águas». «Vem!» disse Jesus. Então, Pedro desceu do barco e caminhou sobre as águas, para ir ter com Jesus. Mas, sentindo a violência do vento e começando a afundar-se, gritou: «Salva-me, Senhor!». Jesus estendeu-lhe logo a mão e segurou-o. Depois disse-lhe: «Homem de pouca fé, porque duvidaste?». Logo que subiram para o barco, o vento amainou. Então, os que estavam no barco prostraram-se diante de Jesus, e disseram-Lhe: «Tu és verdadeiramente o Filho de Deus». Palavra da salvação. DOMINGO XX do Tempo Comum (17 de agosto de 2014) LEITURA I Is 56, 1.6-7 «Conduzirei os filhos dos estrangeiros ao meu santo monte» Leitura do Livro de Isaías Eis o que diz o Senhor: «Respeitai o direito, praticai a justiça, porque a minha sal-vação está perto, e a minha justiça não tardará a manifestar-se. Quanto aos estrangeiros que desejam unir-se ao Senhor para O servirem, para amarem o seu nome e serem seus servos, se guardarem o sábado, sem o profana-rem, se forem fiéis à minha aliança, hei-de conduzi-los ao meu santo monte, hei-de enchê-los de alegria na minha casa de oração. Os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceites no meu altar, porque a mi-nha casa será chamada ‘casa de oração para todos os povos’». Palavra do Senhor.
  8. 8. SALMO RESPONSORIAL Salmo 66 (67), 2-3.5.6.8 (R. 4) Refrão: Louvado sejais, Senhor, pelos povos de toda a terra. Deus Se compadeça de nós e nos dê a sua bênção, resplandeça sobre nós a luz do seu rosto. Na terra se conhecerão os vossos caminhos e entre os povos a vossa salvação. Alegrem-se e exultem as nações, porque julgais os povos com justiça e governais as nações sobre a terra. Os povos Vos louvem, ó Deus, todos os povos Vos louvem. Deus nos dê a sua bênção, e chegue o seu temor aos confins da terra. LEITURA II Rom 11, 13-15.29-32 «Os dons e o chamamento de Deus para com Israel são irrevogáveis» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Irmãos: É a vós, os gentios, que eu falo: Enquanto eu for Apóstolo dos gentios, pro-curarei prestigiar o meu ministério, a ver se provoco o ciúme dos homens da minha raça e salvo alguns deles. Porque, se da sua rejeição resultou a reconciliação do mundo, o que será a sua reinte-gração senão uma ressurreição de entre os mortos? Porque os dons e o chamamento de Deus são irrevogáveis. Vós fostes outrora desobedientes a Deus e agora alcançastes misericórdia, devido à desobediência dos judeus. Assim também eles desobedecem agora, de modo que, devido à misericórdia obtida por vós, também eles agora alcancem misericórdia. Efetivamente, Deus encerrou a todos na desobediência, para usar de misericórdia pa-ra 8 com todos. Palavra do Senhor. ALELUIA cf. Mt 4, 2 Refrão: Aleluia. Repete-se Jesus proclamava o evangelho do reino e curava todas as doenças entre o povo.
  9. 9. 9 EVANGELHO Mt 15, 21-28 «Mulher, é grande a tua fé» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus retirou-Se para os lados de Tiro e Sidónia. Então, uma mulher cananeia, vinda daqueles arredores, começou a gritar: «Senhor, Filho de David, tem compaixão de mim. Minha filha está cruelmente atormentada por um demónio». Mas Jesus não lhe respondeu uma palavra. Os discípulos aproximaram-se e pediram-Lhe: «Atende-a, porque ela vem a gritar atrás de nós». Jesus respondeu: «Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel». Mas a mulher veio prostrar-se diante d’Ele, dizendo: «Socorre-me, Se-nhor ». Ele respondeu: «Não é justo que se tome o pão dos filhos para o lançar aos cachorrinhos». Mas ela insistiu: «É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa de seus donos». Então Jesus respondeu-lhe: «Mulher, é grande a tua fé. Faça-se como desejas». E, a partir daquele momento, a sua filha ficou curada. Palavra da salvação. DOMINGO XXI do Tempo Comum (24 de agosto de 2014) LEITURA I Is 22, 19-23 «Porei aos seus ombros a chave da casa de David» Leitura do Livro de Isaías Eis o que diz o Senhor a Chebna, administrador do palácio: «Vou expulsar-te do teu cargo, remover-te do teu posto. E nesse mesmo dia chamarei o meu servo Eliacim, filho de Elcias. Hei-de revesti-lo com a tua túnica, hei-de pôr-lhe à cintura a tua faixa, entregar-lhe nas mãos os teus poderes. E ele será um pai para os habitantes de Jerusalém e para a casa de Judá. Porei aos seus ombros a chave da casa de David: há-de abrir, sem que ninguém pos-sa fechar; há-de fechar, sem que ninguém possa abrir. Fixá-lo-ei como uma estaca em lugar firme, e ele será um trono de glória para a casa de seu pai». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 137 (138), 1-2a.2bc-3.6. 8bc (R. 8bc) Refrão: Senhor, a vossa misericórdia é eterna: não abandoneis a obra das vossas mãos. Ou: Pela vossa misericórdia, não nos abandoneis, Senhor.
  10. 10. De todo o coração, Senhor, eu Vos dou graças, porque ouvistes as palavras da minha boca. Na presença dos Anjos Vos hei-de cantar e Vos adorarei, voltado para o vosso templo santo. Hei-de louvar o vosso nome pela vossa bondade e fidelidade, porque exaltastes acima de tudo o vosso nome e a vossa promessa. Quando Vos invoquei, me respondestes, aumentastes a fortaleza da minha alma. O Senhor é excelso e olha para o humilde, ao soberbo conhece-o de longe. Senhor, a vossa bondade é eterna, não abandoneis a obra das vossas mãos. LEITURA II Rom 11, 33-36 10 «D’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Como é profunda a riqueza, a sabedoria e a ciência de Deus! Como são insondáveis os seus desígnios e incompreensíveis os seus caminhos! Quem conheceu o pensamento do Senhor? Quem foi o seu conselheiro? Quem Lhe deu primeiro, para que tenha de receber retribuição? D’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas. Glória a Deus para sempre. Amen. Palavra do Senhor. ALELUIA Mt 16, 18 Refrão: Aleluia. Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do In-ferno não prevalecerão contra ela. EVANGELHO Mt 16, 13-20 «Tu és Pedro, e dar-te-ei as chaves do reino dos Céus» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus foi para os lados de Cesareia de Filipe e perguntou aos seus discípulos: «Quem dizem os homens que é o Filho do homem?». Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista, outros que é Elias, outros que é Jeremias ou algum dos profetas». Jesus perguntou: «E vós, quem dizeis que Eu sou?».
  11. 11. Então, Simão Pedro tomou a palavra e disse: «Tu és o Messias, o Filho 11 de Deus vivo». Jesus respondeu-lhe: «Feliz de ti, Simão, filho de Jonas, porque não foram a carne e o sangue que to revelaram, mas sim meu Pai que está nos Céus. Também Eu te digo: Tu és Pedro; sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos Céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus». Então, Jesus ordenou aos discípulos que não dissessem a ninguém que Ele era o Messias. Palavra da salvação. DOMINGO XXII do Tempo Comum (31 de agosto de 2014) LEITURA I Jer 20, 7-9 «A palavra do Senhor tornou-se para mim ocasião de insultos ...» Leitura do Livro de Jeremias Vós me seduzistes, Senhor, e eu deixei-me seduzir; Vós me dominastes e vences-tes. Em todo o tempo sou objeto de escárnio, toda a gente se ri de mim; porque sempre que falo é para gritar e proclamar: «Violência e ruína!». E a palavra do Senhor tornou-se para mim ocasião permanente de insultos e zom-barias. Então eu disse: «Não voltarei a falar n’Ele, Não falarei mais em seu nome». Mas havia no meu coração um fogo ardente, comprimido dentro dos meus ossos. Procurava contê-lo, mas não podia. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6.8-9 (R. 2b) Refrão: A minha alma tem sede de Vós, meu Deus. Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro. A minha alma tem sede de Vós. Por Vós suspiro, como terra árida, sequiosa, sem água. Quero contemplar-Vos no santuário, para ver o vosso poder e a vossa glória. A vossa graça vale mais do que a vida; por isso, os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores.
  12. 12. Assim Vos bendirei toda a minha vida e em vosso louvor levantarei as mãos. Serei saciado com saborosos manjares, e com vozes de júbilo Vos louvarei. Porque Vos tornastes o meu refúgio, exulto à sombra das vossas asas. Unido a Vós estou, Senhor, a vossa mão me serve de amparo. LEITURA II Rom 12, 1-2 12 «Oferecei-vos como vítima viva» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Peço-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus, que vos ofereçais a vós mesmos como sacrifício vivo, santo, agradável a Deus, como culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos, pela renovação espiritual da vossa mente, para saberdes discernir, segundo a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe é agradável, o que é perfeito. Palavra do Senhor. ALELUIA cf. Ef 1, 17-18 Refrão: Aleluia. Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, ilumine os olhos do nosso coração, para sabermos a que esperança fomos chamados. EVANGELHO Mt 16, 21-27 «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus começou a explicar aos seus discípulos que tinha de ir a Jeru-salém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos príncipes dos sacerdotes e dos escri-bas; que tinha de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia. Pedro, tomando-O à parte, começou a contestá-l’O, dizendo: «Deus Te livre de tal, Senhor! Isso não há-de acontecer!». Jesus voltou-Se para Pedro e disse-lhe: «Vai-te daqui, Satanás. Tu és para mim uma ocasião de escândalo, pois não tens em vista as coisas de Deus, mas dos homens». Jesus disse então aos seus discípulos: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Pois quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la; mas quem perder a sua vida por mi-nha causa, há-de encontrá-la. Na verdade, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida? Que poderá dar o homem em troca da sua vida? O Filho do homem há-de vir na gló-ria de seu Pai, com os seus Anjos, e então dará a cada um segundo as suas obras». Palavra da salvação.
  13. 13. Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios dominicais na igreja matriz 127,19€ Venc. Pároco 600,00 € Missas plurintencionais 220,00 € Evang. Voz Paróquia 36,00 € Sr.º Padre António Leitão 470,00 € TOTAL 517, 19€ 1.106,00 € 13 A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de junho de 2014 Cartório 10,00 € Serviços prestados pelo Um funeral 50,00 € Festa de Santo António-Meã 70,00 € Missa de 7.º dia 20,00 € 1 pinheiro seco—Lages 20,00 € Contributos a entregar na diocese Ofertório do 1.º domingo aos meios de comunicação social da igreja 31,24€ Missas plurintencionais 110,00€ Total 141,24€ RESUMO FINAL Receita Total 517,19 € A entregar na diocese 141,24 € Saldo para o fundo paroquial 375,95 € Despesas da paróquia 1.106,00 € Saldo Final menos 730,05 € Nota 1: Foi devolvida à paróquia no dia 4 de julho de 2014, pelo sr.º Padre António Boavida, a importância referente aos últimos três meses de vencimento. Assim revertem à fábrica da igreja — 1.800,00 € ( abril, maio, junho—600,00€ X 3). Nota 2: Os mordomos da festa de São Pedo, manifestaram o desejo de adquirir uma vara metálica para o guião, já que segundo eles é o único da paróquia que tem vara em madeira, e que por sinal já não está nas melhores condições, e também por outro lado, a vara metálica permite maior funcionalidade no transporte, já que é composta por elementos e pode desmontar-se. Entretanto os mordomos falaram com o conse-lho económico, que não só aprovou a ideia, como se prontificou na ajuda da aquisi-ção da mesma. Nesse sentido fizeram a entrega do saldo da festa que já foi depositado na fábrica da igreja e que é de 765,00€. O conselho económico irá providenciar essa mesma aqui-sição assim que lhe seja possível, e disso dará depois conta à paróquia.
  14. 14. Saldo positivo de 235,04€ Este valor do saldo positivo vai ser entregue aos mordomos nomeados para o ano dois mil e quinze que foram os senhores António Caetano, Armando Cerdeira e Fausto Faro. A estes mor-domos, o mordomo do ano dois mil e catorze, José Manuel Oliveira Martins, entregou oficial-mente as chaves da capela (esmola mais correio) e ouro do Santo António (4 pares de brincos e 1 par de arcádias). 14 Relação de contas fa festa de Santo António—Meã RECEITAS DESPESAS Emigrantes 600,00 € Acordeonistas 120,00 € Meã 3.000,00 € Grupo Musical Novo Rit-mo 350,00 € Lages 600,00 € Grupo Musical Design 1.100,00 € Afonsim 347,00 € Grupo Musical Banda S 950,00 € Mioma 610,00 € Iluminação 750,00 € Fontainhas 270,00 € Banda de santa Cecília 950,00 € Quinta do Monte e Tremoa 115,00 € Almoço e jantares dos músicos 425,00 € Fora da freguesia 520,00 € Lanches e prémios 600,00 € Esmola na capela 170,00 € Licença direitos de autor 210,00 € Cravanços 200,00 € Cartazes e cravanços 70,00 € Bar 1.600,00 € Sr.º Padre (missa do-mingo) 70,00 € Malha 120,00 € Sr.º Padre (missa sexta feira) 20,00 € Sueca 520,00 € Flores 830,00 € Bebidas para bar 1.150,00 € Lavandaria 20,00 € Diversos 91,96€ Arca congeladora 420,00€ Frigorifico 310,00€ SOMA 8.672,00 € SOMA 8.436,96 €
  15. 15. Fontainhas 330,00€ Cartazes, enfeites e faxa 136,00 Mioma 2.940,00€ Sardinhada 115,00€ Mioma/ofertório do dia 29—5.º domingo 215,00€ Bebidas 1.015,00€ Jogos tradicionais 755,00€ Prémios sueca e malha 343,00€ 15 Relação de contas da festa dõ Santíssimo RECEITAS DESPESAS Afonsim 265,00€ Banda 7.200,00 € Fontainhas 255,00€ Pequeno almoço, almo-ço, lanche 432,00 € Meã 462,50€ Flores Monte/Trémoa 226,00€ Produtos de limpeza 2. 187,50 € Lages 665,00€ Mioma/ofertório do dia 22—4.º domingo 1.515,00€ SOMA 3.388,50€ SOMA 2.112,51 € Saldo 1.275,99€ Relação de Contas da festa de São Pedro—Mioma RECEITAS DESPESAS Monte/ Trémoa 284,00€ Conjuntos musicais 3.550,00 € Afonsim 540,00€ Banda 1.000,00 € Meã 875,00€ Iluminação 600,00 Lages 1.029,00€ Direitos de autor 2. 187,50 € Patrocínios 851,00€ Flores (andores e igreja) 510,00€ Leilão da carne 189,00€ Refeições para conjun-tos e banda 430,00€ Outros 666,00€ SOMA 8.674,00€ SOMA 7.909,00 € Saldo 765,00€
  16. 16. 16
  17. 17. 17
  18. 18. Papa convida jovens a lutar contra «desânimo» 18 e«mercadores de morte» O Papa encerrou uma visita à ilha italiana da Sardenha após um encontro com milhares de jovens, os quais desafiou a resis/r à tentação do “desânimo” e aos “mercadores da morte”. “Por favor, não vendais a vossa juventude a esses que vendem a morte”, disse, na cidade de Cagliari, capital da ilha, desafiando a assembleia a abrir o coração “à fraternidade, à ami-zade, à solidariedade”. Francisco dirigia-se em par/cular a quem se sen/a “triste”, frisando que por vezes se proje-ta um futuro mas acaba por se “viver um falhanço, uma frustração: é uma prova e é im-portante”. O Papa observou que a mesma experiência é feita, na Igreja, por padres, catequistas ou animadores que “trabalham muito” e dão tudo de si sem ver “resultados corresponden-tes ao seu esforço”. “O que há a fazer, certamente, não é deixar-se vencer pelo pessimismo e a des-confiança. Vós jovens não podeis e não deveis viver sem esperança, a esperança faz parte do vosso ser”, declarou. Francisco disse aos presentes que devem confiar em Jesus para “transformar” as suas vidas e usou uma analogia com a vida despor/va, destacando a importância do treino para “obter resultados”. “As dificuldades não devem assustar-vos, mas levar-vos a andar em frente”, sublinhou, para "construir um mundo melhor". A intervenção adver/u para a “ameaça do lamento, da resignação” e apelou à superação de “demasiados cálculos humanos”. “A fé em Jesus conduz a uma esperança que vai mais além, a uma certeza fundada não só nas nossas qualidades e capacidades, mas na Palavra de Deus”, sublinhou o Papa. Esta a/tude deve con/nuar, de acordo com Francisco, mesmo quando há problemas pesso-as e sociais: “Não é bom dar-se por vencido”. “O caminho é Jesus, fazê-lo sair na nossa barca e ir para o largo com Ele. Ele é o Senhor, Ele muda a perspe/va da vida”, defendeu. O Papa destacou a importância dos jovens na evangelização, em par/cular junto das pesso-as da sua idade, como um “contributo indispensável”. “Tende a coragem de ir contra a corrente, não vos deixeis arrastar pelas correntes: encon-trar Jesus Cristo, experimentar o seu amor e a sua misericórdia é a maior e mais bela aventura que pode acontecer a alguém”, apelou. O Papa brincou com o facto de ter trocado o italiano pelo espanhol, numa palavra do dis-curso, perante as gargalhadas da assembleia: “Eu também falo um dialeto, hoje”. O tom manteve-se numa referência do Crisma, quando disse que este se /nha tornado no “sacramento do adeus”: “(Os jovens) fazem-no e depois vão-se embora”. Num registo pessoal, o Papa acrescentou que neste sábado foi o 60.º aniversário da sua vocação, o dia em que ouviu a voz de Deus no seu coração. “Apenas vos digo isto, não me arrependi”, confessou. No final do encontro, Francisco seguiu de carro para o aeroporto de Cagliari-Elmas, onde foi recebido por autoridades civis e religiosas, antes de entrar no avião e regressar ao Va/ca-no. OC—Ecclesia
  19. 19. 19 Passatempos
  20. 20. 20 Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. Com a colaboração do JES 2014 Lua cheia Lua nova Quarto crescente Quarto Minguante Agosto Enquanto aproveita para relaxar e conseguir o bronze que andou os últimos meses a ambicionar, o jardim continua a celebrar a grande festa do tempo quente que faz luzir uma panóplia de cores e cheiros sem fim. Se não estiver demasiado calor ou um tempo de-masiado seco, transplante as bienais de pri-mavera a partir das bandejas de sementeira e semeie amores-perfeitos, asteres, centaureas, goivos, linho de jardim, margaridas, prímulas, sálvias e verbenas, além de coníferas de flora-ção primaveril, adquiridas em centros de jar-dinagem.

×