Voz da Paróquia - Abril 2013

219 visualizações

Publicada em

Voz da Paróquia - Abril 2013

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz da Paróquia - Abril 2013

  1. 1. Mioma 68ª Edição, abril de 2013Mioma 68ª Edição, abril de 2013Mioma 68ª Edição, abril de 2013
  2. 2. 2 INDICE Pág. 3 — Habemus Papam Pág. 4, 5, 6 — domingo II da Páscoa Pág. 6, 7, 8 — domingo III da Páscoa; Pág. 9, 10 — domingo IV da Páscoa; Pág. 10, 11, 12 — domingo V da Páscoa; Pág. 13 — Vaticano: Papa critica falsos «salvadores» da humanidade; Viseu: Bis- po garante ao Papa «a oração filial» das suas comunidades diocesanas Pág. 14 — Verdadeiro» poder é «serviço» aos outros Pág. 15 — doença de lepra Pág. 16 — brasão do Papa Francisco; oração pelo Papa; Pág. 17 — A Voz do Conselho Económico; Oração Taizé; ; Pág. 18 — Culinária; Pág. 19 — Passatempos; Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mês se- guinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia 20. Se queres receber no teu correio eletrónico um exemplar da “A Voz da Paróquia” envia uma mensagem para o endereço jesmioma@hotmail.com com o assunto “Quero receber a Voz” Versão Digital: http://www.slideshare.net/jesmioma http://issuu.com/jesmioma
  3. 3. 3 O novo líder da Igreja católica é o cardeal-arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, o primeiro papa oriundo da América Latina. É também o primeiro jesuíta a tornar-se papa, o 266.º da história. Bergoglio, que será conhecido como papa Francisco, é um intelectual jesuíta, que viaja de autocarro e tem uma visão prática da pobreza: quando foi nomeado cardeal, con- venceu centenas de argentinos a não viajarem para Roma. Em vez de irem ao Vaticano celebrar a nomeação, Bergoglio pediu que dessem o dinheiro da viagem aos pobres. Foi um dos mais ferozes opositores à decisão das autoridades argentinas de legalizar o casa- mento homossexual em 2010, argumentando que as «crianças precisam de ter o direito a ser criadas e educadas por um pai e uma mãe». No entanto, é um moderado, tendo recebido a dignidade cardinalícia de João Paulo II, a 21 de fevereiro de 2001. O novo papa é um reconhecido adepto de futebol e manifestou por diversas ocasiões ser um seguidor do San Lorenzo de Almagro, clube fundado pelopadre Lorenzo Massa em 1908, tendo celebrado mesmo a eucaristia que assinalou os cem anos do clube. Nasceu a 17 de dezembro de 1936, na capital argentina e foi ordenado a 13 de dezembro de 1969, durante os estudos na Faculdade de Teologia do colégio de São José, em São Miguel de Tucuman (norte da Argentina). Em 1969, viajou para Espanha, onde cumpriu o seu terceiro período de preparação sacerdotal na Universidade de Alcalá de Henares, em Madrid. A docência desempenhou um papel muito importante na vida do cardeal Bergoglio, já que ensi- nou em vários colégios, seminários e faculdades. Em 1972, regressou à Argentina para ser pro- fessor de noviços na localidade de São Miguel de Tucuman. Em 1980-1986, desempenhou as funções de reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia de São Miguel. Concluiu o doutoramento na Alemanha, e foi também confessor e diretor espiritual da Companhia de Jesus, em Córdova (Espanha). A nomeação como bispo aconteceu a 20 de maio de 1992, quando João Paulo II lhe confiou a diocese de Auca e o tornou bispo auxiliar da diocese de Buenos Aires. Cinco anos mais tarde, em 1997, foi nomeado arcebispo coauditor de Buenos Aires e em 1998, depois da morte do ar- cebispo e cardeal Quarracino, subiu a arcebispo da capital argentina. O cardeal argentino integrava a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramen- tos, do Conselho pontifício para a Família e a Comissão Pontifícia para a América Latina. Foi presidente da conferência de bispos na Argentina, entre 08 de novembro de 2005 e 08 de novembro de 2011. A eleição, após a histórica renúncia de Bento XVI no mês passado, foi alcan- çada após cinco votações, no quinto dia do conclave. O pontificado de Bento XVI foi marcado por escândalos e o novo papa vai encarar desafios ime- diatos: impor a sua autoridade à máquina burocrática e institucional do Vaticano, e tentar recu- perar os fiéis que a Igreja tem vido a perder nos últimos tempos. Depois do escândalo da fuga de documentos confidenciais do papa, «Vatileaks», e do relatório sobre estes acontecimentos - redigido por três cardeais e que será dado a conhecer ao novo papa -, Bento XVI anunciou, a 11 de fevereiro, e para surpresa geral, a renúncia devido à idade avançada. Primeiro líder da Igreja Católica a renunciar desde a Idade Média, o papa emérito abandonou o Vaticano a 28 de fevereiro, deixando um decreto que autorizava os cardeais a antecipar a data do conclave. LUSA
  4. 4. 4 DOMINGO II da Páscoa (7 de abril de 2013) LEITURA I Atos 5, 12-16 «Cada vez mais gente aderia ao Senhor pela fé, uma multidão de homens e mulheres» Leitura dos Atos dos Apóstolos Pelas mãos dos Apóstolos realizavam-se muitos milagres e prodígios entre o povo. Unidos pelos mesmos sentimentos, reuniam-se todos no Pórtico de Salomão; ne- nhum dos outros se atrevia a juntar-se a eles, mas o povo enaltecia-os. Uma multidão cada vez maior de homens e mulheres aderia ao Senhor pela fé, de tal maneira que traziam os doentes para as ruas e colocavam-nos em enxergas e em catres, para que, à passagem de Pedro, ao menos a sua sombra cobrisse alguns de- les. Das cidades vizinhas de Jerusalém, a multidão também acorria, trazendo enfer- mos e atormentados por espíritos impuros, e todos eram curados. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118), 2-4.22-24.25-27a (R. 1) Refrão: Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom, porque é eterna a sua misericórdia. Ou: Aclamai o Senhor, porque Ele é bom: o seu amor é para sempre. Diga a casa de Israel: é eterna a sua misericórdia. Diga a casa de Aarão: é eterna a sua misericórdia. Digam os que temem o Senhor: é eterna a sua misericórdia. A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se pedra angular. Tudo isto veio do Senhor: é admirável aos nossos olhos. Este é o dia que o Senhor fez: exultemos e cantemos de alegria. Senhor, salvai os vossos servos, Senhor, dai-nos a vitória. Bendito o que vem em nome do Senhor, da casa do Senhor nós vos bendizemos. O Senhor é Deus e fez brilhar sobre nós a sua luz.
  5. 5. 5 LEITURA II Ap 1, 9-11a.12-13.17-19 «Estive morto, mas eis-Me vivo pelos séculos dos séculos» Leitura do Livro do Apocalipse Eu, João, vosso irmão e companheiro nas tribulações, na realeza e na perseveran- ça em Jesus, estava na ilha de Patmos, por causa da palavra de Deus e do teste- munho de Jesus. No dia do Senhor, fui movido pelo Espírito e ouvi atrás de mim uma voz forte, se- melhante à da trombeta, que dizia: «Escreve num livro o que vês e envia-o às sete Igrejas». Voltei-me para ver de quem era a voz que me falava; ao voltar-me, vi sete cande- labros de ouro e, no meio dos candelabros, alguém semelhante a um filho do ho- mem, vestido com uma longa túnica e cingido no peito com um cinto de ouro. Quando o vi, caí a seus pés como morto. Mas ele poisou a mão direita sobre mim e disse-me: «Não temas. Eu sou o Primeiro e o Último, o que vive. Estive morto, mas eis-Me vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e da mora- da dos mortos. Escreve, pois, as coisas que viste, tanto as presentes como as que hão-de acontecer depois destas». Palavra do Senhor. ALELUIA Jo 20, 29 Refrão: Aleluia. Repete-se Disse o Senhor a Tomé: «Porque Me viste, acreditaste; felizes os que acre- ditam sem terem visto. EVANGELHO Jo 20, 19-31 «Oito dias depois, veio Jesus ...» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Na tarde daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, apresentou- Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: «A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós». Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: «Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiver- des ser-lhes-ão retidos». Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram-lhe os outros discípulos: «Vimos o Senhor».
  6. 6. 6 Mas ele respondeu-lhes: «Se não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, se não meter o dedo no lugar dos cravos e a mão no seu lado, não acreditarei». Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez em casa e Tomé com eles. Veio Jesus, estando as portas fechadas, apresentou-Se no meio deles e disse: «A paz esteja convosco». Depois disse a Tomé: «Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; aproxima a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas cren- te». Tomé respondeu-Lhe: «Meu Senhor e meu Deus!». Disse-lhe Jesus: «Porque Me viste acreditaste: felizes os que acreditam sem terem visto». Muitos outros milagres fez Jesus na presença dos seus discípulos, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para acreditardes que Jesus é o Messias, o Filho de Deus, e para que, acreditando, tenhais a vida em seu nome. Palavra da salvação. DOMINGO III da Páscoa (14 de abril de 2013) LEITURA I Actos 5, 27b-32.40b-41 «Somos testemunhas destes factos, nós e o Espírito Santo» Leitura dos Atos dos Apóstolos Naqueles dias, o sumo sacerdote falou aos Apóstolos, dizendo: «Já vos proibimos formalmente de ensinar em nome de Jesus; e vós encheis Jerusalém com a vossa doutrina e quereis fazer recair sobre nós o sangue desse homem». Pedro e os Apóstolos responderam: «Deve obedecer-se antes a Deus que aos ho- mens. O Deus dos nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós destes a morte, sus- pendendo-O no madeiro. Deus exaltou-O pelo seu poder, como Chefe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e o perdão dos pecados. E nós somos testemunhas destes factos, nós e o Espírito Santo que Deus tem con- cedido àqueles que Lhe obedecem». Então os judeus mandaram açoitar os Apósto- los, intimando-os a não falarem no nome de Jesus, e depois soltaram-nos. Os Apóstolos saíram da presença do Sinédrio cheios de alegria, por terem merecido serem ultrajados por causa do nome de Jesus. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 29 (30), 2.4-6.11-12a.13b (R. 2a) Refrão: Eu vos louvarei, Senhor, porque me salvastes. Eu Vos glorifico, Senhor, porque me salvastes e não deixastes que de mim se regozijassem os inimigos. Tirastes a minha alma da mansão dos mortos, vivificastes-me para não descer à cova.
  7. 7. 7 Cantai salmos ao Senhor, vós os seus fiéis, e dai graças ao seu nome santo. A sua ira dura apenas um momento e a sua benevolência a vida inteira. Ao cair da noite vêm as lágrimas e ao amanhecer volta a alegria. Ouvi, Senhor, e tende compaixão de mim, Senhor, sede Vós o meu auxílio. Vós convertestes em júbilo o meu pranto: Senhor, meu Deus, eu Vos louvarei eterna- mente. LEITURA II Ap 5, 11-14 «Digno é o Cordeiro que foi imolado de receber o poder e a riqueza» Leitura do Livro do Apocalipse Eu, João, na visão que tive, ouvi a voz de muitos Anjos, que estavam em volta do trono, dos Seres Vivos e dos Anciãos. Eram miríades de miríades e milhares de milhares, que diziam em alta voz: «Digno é o Cordeiro que foi imolado de receber o poder e a riqueza, a sabedoria e a força, a honra, a glória e o louvor». E ouvi todas as criaturas que há no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e o uni- verso inteiro, exclamarem: «Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro o louvor e a honra, a glória e o poder pelos séculos dos séculos». Os quatro Seres Vivos diziam: «Ámen!»; e os Anciãos prostraram-se em adoração. Palavra do Senhor. ALELUIA Refrão: Aleluia. Repete-se Ressuscitou Jesus Cristo, que criou o universo e Se compadeceu do género humano. EVANGELHO Forma longa Jo 21, 1-19 «Jesus aproximou-Se , tomou o pão e deu-lho, fazendo o mesmo com os peixes» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, Jesus manifestou-Se outra vez aos seus discípulos, junto do mar de Tiberíades. Manifestou-Se deste modo: Estavam juntos Simão Pedro e Tomé, chamado Dídimo, Natanael, que era de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e mais dois discípulos de Jesus. Disse-lhes Simão Pedro: «Vou pescar».
  8. 8. 8 Eles responderam-lhe: «Nós vamos contigo». Saíram de casa e subiram para o barco, mas naquela noite não apanharam nada. Ao romper da manhã, Jesus apresentou-Se na margem, mas os discípulos não sa- biam que era Ele. Disse-lhes Jesus: «Rapazes, tendes alguma coisa de comer?». Eles responderam: «Não». Disse-lhes Jesus: «Lançai a rede para a direita do barco e encontrareis». Eles lançaram a rede e já mal a podiam arrastar por causa da abundância de pei- xes. O discípulo predileto de Jesus disse a Pedro: «É o Senhor». Simão Pedro, quando ouviu dizer que era o Senhor, vestiu a túnica que tinha tirado e lançou-se ao mar. Os outros discípulos, que estavam apenas a uns duzentos côvados da margem, vieram no barco, puxando a rede com os peixes. Quando saltaram em terra, viram brasas acesas com peixe em cima, e pão. Disse-lhes Jesus: «Trazei alguns dos peixes que apanhastes agora». Simão Pedro subiu ao barco e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e, apesar de serem tantos, não se rompeu a rede. Disse- lhes Jesus: «Vinde comer». Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar-Lhe: «Quem és Tu?», porque bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-Se, tomou o pão e deu-lho, fazendo o mesmo com os peixes. Esta foi a terceira vez que Jesus Se manifestou aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado dos mortos. Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: «Simão, filho de João, tu amas-Me mais do que estes?». Ele respondeu-Lhe: «Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo». Disse-lhe Jesus: «Apascenta os meus cordeiros». Voltou a perguntar-lhe segunda vez: «Simão, filho de João, tu amas-Me?». Ele respondeu-Lhe: «Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo». Disse-lhe Jesus: «Apascenta as minhas ovelhas». Perguntou-lhe pela terceira vez: «Simão, filho de João, tu amas-Me?». Pedro entristeceu-se por Jesus lhe ter perguntado pela terceira vez se O amava e respondeu-Lhe: «Senhor, Tu sabes tudo, bem sabes que Te amo». Disse-lhe Jesus: «Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo: Quando eras mais novo, tu mesmo te cingias e andavas por onde querias; mas quando fores mais velho, estenderás a mão e outro te cingirá e te levará para on- de não queres». Jesus disse isto para indicar o género de morte com que Pedro havia de dar glória a Deus. Dito isto, acrescentou: «Segue-Me». Palavra da salvação.
  9. 9. 9 DOMINGO IV da Páscoa (21 de abri de 2013) LEITURA I Atos 13, 14.43-52 «Vamos voltar-nos para os pagãos» Leitura dos Atos dos Apóstolos Naqueles dias, Paulo e Barnabé seguiram de Perga até Antioquia da Pisídia. A um sábado, entraram na sinagoga e sentaram-se. Terminada a reunião da sinagoga, muitos judeus e prosélitos piedosos seguiram Paulo e Barnabé, que nas suas conversas com eles os exortavam a perseverar na graça de Deus. No sábado seguinte, reuniu-se quase toda a cidade para ouvir a palavra do Senhor. Ao verem a multidão, os judeus encheram-se de inveja e res- ponderam com blasfémias. Corajosamente, Paulo e Barnabé declararam: «Era a vós que devia ser anunciada primeiro a palavra de Deus. Uma vez, porém, que a rejeitais e não vos julgais dignos da vida eterna, voltamo-nos para os gentios, pois assim nos mandou o Senhor: ‘Fiz de ti a luz das nações, para levares a salvação até aos confins da terra’». Ao ouvirem estas palavras, os gentios encheram-se de alegria e glorificavam a palavra do Senhor. Todos os que estavam destinados à vida eterna abraçaram a fé, e a palavra do Senhor divulgava-se por toda a região. Mas os judeus, instigando algumas senhoras piedosas mais distintas e os homens principais da cidade, desencadearam uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. Estes, sacudindo contra eles o pó dos seus pés, seguiram para Icónio. Entretanto, os discípulos estavam cheios de alegria e do Es- pírito Santo. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 99 (100), 2.4.5.6.11.12.13b (R. 3c) Refrão: Nós somos o povo de Deus, somos as ovelhas do seu rebanho. Ou: Nós somos o povo do Senhor; Ele é o nosso alimento. Aclamai o Senhor, terra inteira, servi o Senhor com alegria, vinde a Ele com cânticos de júbilo. Sabei que o Senhor é Deus, Ele nos fez, a Ele pertencemos, somos o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. O Senhor é bom, eterna é a sua misericórdia, a sua fidelidade estende-se de geração em geração.
  10. 10. 10 LEITURA II Ap 7, 9.14b-17 «O Cordeiro será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água viva» Leitura do Livro do Apocalipse Eu, João, vi uma multidão imensa, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas. Estavam de pé, diante do trono e na presença do Cordeiro, vestidos com túnicas brancas e de palmas na mão. Um dos Anciãos tomou a palavra para me dizer: «Estes são os que vieram da grande tribulação, os que lavaram as túnicas e as branquearam no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante do trono de Deus, servindo-O dia e noite no seu templo. Aquele que está sentado no trono abrigá -los-á na sua tenda. Nunca mais terão fome nem sede, nem o sol ou o vento ardente cairão sobre eles. O Cordeiro, que está no meio do trono, será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água viva. E Deus enxugará todas as lágrimas dos seus olhos». Palavra do Senhor. Refrão: Aleluia. Repete-se Eu sou o bom pastor, diz o Senhor: conheço as minhas ovelhas e elas conhe- cem-Me. EVANGELHO Jo 10, 27-30 «Eu dou a vida eterna às minhas ovelhas» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, disse Jesus: «As minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me. Eu dou-lhes a vida eterna e nunca hão-de pe- recer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que Mas deu, é maior do que todos, e ninguém pode arrebatar nada da mão do Pai. Eu e o Pai somos um só». Palavra da salvação. DOMINGO V da Páscoa (28 de abri de 2013) LEITURA I Atos 14, 21b-27 «Contaram à Igreja tudo o que Deus tinha feito com eles» Leitura dos Atos dos Apóstolos Naqueles dias, Paulo e Barnabé voltaram a Listra, a Icónio e a Antioquia. Iam fortale- cendo as almas dos discípulos e exortavam-nos a permanecerem firmes na fé, «porque __ diziam eles __ temos de sofrer muitas tribulações para entrarmos no rei- no de Deus». Estabeleceram anciãos em cada Igreja, depois de terem feito orações acompanhadas de jejum, e encomendaram-nos ao Senhor, em quem tinham acredi- tado.
  11. 11. 11 Atravessaram então a Pisídia e chegaram à Panfília; depois, anunciaram a palavra em Perga e desceram até Atalia. De lá embarcaram para Antioquia, de onde tinham partido, confiados na graça de Deus, para a obra que acabavam de realizar. À chegada, convocaram a Igreja, contaram tudo o que Deus fizera com eles e como abrira aos gentios a porta da fé. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 144, 8-13ab (R. 1) Refrão: Louvarei para sempre o vosso nome, Senhor, meu Deus e meu Rei. O Senhor é clemente e compassivo, paciente e cheio de bondade. O Senhor é bom para com todos, e a sua misericórdia se estende a todas as criaturas. Graças Vos dêem, Senhor, todas as criaturas e bendigam-Vos os vossos fiéis. Proclamem a glória do vosso reino e anunciem os vossos feitos gloriosos. Para darem a conhecer aos homens o vosso poder, a glória e o esplendor do vosso reino. O vosso reino é um reino eterno, o vosso domínio estende-se por todas as gerações. LEITURA II Ap 21, 1-5a «Deus enxugará todas as lágrimas dos seus olhos» Leitura do Livro do Apocalipse Eu, João, vi um novo céu e uma nova terra, porque o primeiro céu e a primeira ter- ra tinham desaparecido, e o mar já não existia. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do Céu, da presença de Deus, bela como noiva adornada para o seu esposo. Do trono ouvi uma voz forte que dizia: «Eis a morada de Deus com os homens. Deus habitará com os homens: eles serão o seu povo, e o próprio Deus, no meio deles, será o seu Deus. Ele enxugará todas as lágrimas dos seus olhos; nunca mais haverá morte nem luto, nem gemidos nem dor, porque o mundo antigo desapare- ceu». Disse então Aquele que estava sentado no trono: «Vou renovar todas as coi- sas». Palavra do Senhor.
  12. 12. 12 Refrão: Aleluia. Repete-se Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor: amai-vos uns aos outros, como Eu vos amei. EVANGELHO Jo 13, 31-33a.34-35 «Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Quando Judas saiu do Cenáculo, disse Jesus aos seus discípulos: «Agora foi glorificado o Filho do homem, e Deus foi glorificado n’Ele. Se Deus foi glorificado n’Ele, Deus também O glorificará em Si mesmo e glorificá-l’O-á sem demora. Meus filhos, é por pouco tempo que ainda estou convosco. Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como Eu vos amei, amai-vos também uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros». Palavra da salvação.
  13. 13. 13 Vaticano: Papa critica falsos «salvadores» da humanidade Cidade do Vaticano, 05 abr 2013 (Ecclesia) – O Papa Francisco disse hoje no Vaticano que o mundo oferece “muitos salvadores” para os problemas das pessoas mas que só Jesus as salva verdadeiramente. “Muitos recorrem a magos ou tarólogos para resolver os seus problemas”, observou Francisco, na homilia da missa a que presidiu na Casa de Santa Marta, antes de sublinhar que “é só o nome de Jesus que salva”. “Em nenhum outro há salvação”, insistiu o Papa ar- gentino, evocando o testemunho de São Pedro após a ressurreição de Jesus. Francisco recordou um episódio dos seus tempos na cúria da Arquidiocese de Buenos Aires, onde trabalha há 30 anos um pai de oito filhos: “Antes de sair, antes ir fazer as suas coisas, diz sempre ‘Jesus’”. “Eu, um dia, perguntei-lhe: ‘Porque diz sempre Jesus?’. Este homem humilde disse-me: ‘Quando eu digo Jesus, sinto-me forte, sinto-me capaz de traba- lhar, sei que Ele está a meu lado’”, relatou. O Papa elogiou este homem que, sem nunca ter estudado Teologia, dá um testemunho de fé com “a graça do Batismo e a força do Espírito”. “É o Espírito que nos leva a confessar Jesus ou a falar de Jesus, a ter confian- ça em Jesus, que está no nosso caminho de vida, sempre”, precisou.RV/OC Viseu: Bispo garante ao Papa «a oração filial» das suas comunidades diocesanas Viseu, 19 mar 2013 (Ecclesia) – O bispo de Viseu está a viver “com alegria e muita esperança” o início do pontificado de Francisco e garante “a oração fili- al” das suas comunidades diocesanas, em ordem ao sucesso da missão abra- çada pelo Papa argentino. “Em total comunhão de Fé e em oração filial de louvor, de acção de graças e de intercessão, a Igreja de Viseu pede pelo Sumo Pontífice e pela sua missão de Pastor da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica”, realça o prelado. O bispo “promete” ao Papa “a total fidelidade” da Igre- ja Católica de Viseu “ao Evangelho, Boa Nova para a transformação do mundo” e o empenho das suas co- munidades na proclamação “com alegria e entusiasmo, dos valores do Reino de Deus”. JCP
  14. 14. 14 Verdadeiro» poder é «serviço» aos outros O Papa Francisco disse no Vaticano que o “verdadeiro poder” deve ser “serviço”, com especial atenção aos pobres e fracos, apelando ao compro- misso neste sentido de quem tem car- gos políticos ou económicos. “Não esqueçamos nunca que o verda- deiro poder é o serviço, e que o pró- prio Papa, para exercer o poder, deve entrar cada vez mais naquele serviço que tem o seu cume luminoso na Cruz”, afirmou, na homilia da missa que marca o início solene do seu pon- tificado, na Praça de São Pedro, pe- rante dezenas de milhares de pesso- as. A intervenção papal deixou um apelo direto aos que “ocupam cargos de responsabilidade” no campo económi- co, político ou social, e a todos “os homens e mulheres de boa vontade”. “Queria pedir, por favor (...): se- jamos «guardiões» da criação, do desígnio de Deus inscrito na natu- reza, guardiões do outro, do am- biente; não deixemos que sinais de destruição e morte acompa- nhem o caminho deste nosso mundo”, referiu Francisco, que falou de pé. O Papa convidou os católicos a “cuidar carinhosamente” de todas as pessoas, “especialmente das crianças, dos ido- sos, daqueles que são mais frágeis e que muitas vezes estão na periferia”. Ele próprio, precisou, deve "abrir os braços para guardar todo o Povo de Deus e acolher, com afeto e ternura, a humanidade inteira, especialmente os mais pobres, os mais fracos, os mais pequeninos". 14 A homilia evocou a solenidade de São José, que a Igreja Católica assinala anualmente no dia 19 de março, elogi- ando a “discrição” com que o esposo de Maria viveu a sua vida, “com humil- dade, no silêncio, mas com uma pre- sença constante e uma fidelidade total, mesmo quando não consegue enten- der”. O primeiro Papa do continente ameri- cano, de 76 anos, declarou que o exemplo de José deve inspirar os cató- licos a ser sensíveis às “pessoas que lhe estão confiadas” e a “saber ler com realismo os acontecimentos”. O sucessor de Bento XVI falou também da necessidade de proteger “a beleza da criação”, a exemplo de Francisco de Assis (c.1181-1226), que o inspirou na escolha do nome para o pontificado. “Guardar quer dizer vigiar sobre os nossos sentimentos, o nosso cora- ção, porque é dele que saem as boas intenções e as más: aquelas que edificam e as que destroem. Não devemos ter medo de bonda- de, ou mesmo de ternura”, acres- centou. A ternura, disse o Papa, “não é a virtude dos fracos, antes pelo con- trário”, e permite abrir um “horizonte de esperança” perante os “tantos pe- daços de céu cinzento do mundo de hoje. “Peço a intercessão da Virgem Maria, de São José, de São Pedro e São Pau- lo, de São Francisco, para que o Espíri- to Santo acompanhe o meu ministério, e, a todos vós, digo: rezai por mim”, concluiu. A celebração começou com a entrega do anel do pescador, em prata doura- da, e do pálio petrino, insígnias oficiais do Papa. OC
  15. 15. 15 O último domingo do mês de janeiro, é considerado o dia mundial dos lepro- sos, instituído pela ONU, a pedido do grande Romeu Francês, Raoul Follere- an, que marcou o mundo inteiro pela sensibilidade e doação total, a favor da cura desta doença, que vitimou tantos seres humanos, e, que hoje, graças ao Senhor e a este homem que conseguiu atrair a atenção dos profissionais de saúde, dos ricos e dos pobres, no sentido de eliminar a doença, já não existem tantos casos. No entanto, ainda alastra alguns lugares do mundo. Em Portugal rondam os 100 que estão a ser curados em suas casas, pela unidade de saúde mais próxima. Na Tocha, encontram-se 14 pessoas já ve- lhinhas que ali se trataram da doença e por ali ficaram abandonadas pelas famílias, as quais mostram grandes sinais evidentes, como amputação dos membros. Era no hospital Rovisco Pais, que as pessoas eram internadas, o qual hoje desativado e transformado num centro de reabilitação do tipo “Alcoitão”, que se encontra em funcionamento. Sabemos que o custo da cura de lepra em fase inicial, é de 25 euros. Este ano, apesar da crise, a paróquia de Mioma conseguiu angariar 223 euros, que foram enviados por vale de correio à associação portuguesa amigos de Raoul Fol- lerean, com sede em Lisboa, na rua de Matola, 2 – apartado 8395 – 1800 – 270 Lisboa. Que Deus nos abençoe a todos e nos livre de qualquer doença do corpo e da alma. E.S.
  16. 16. 16
  17. 17. 17 A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de fevereiro de 2013 Contributos a entregar na diocese Missas plurintencionais 147,50 € Universidade católica 45,90 € RESUMO FINAL Receita Total 590,04 € A entregar na diocese 193,40 € Saldo para o fundo paroquial 396,64 € Despesas da paróquia 673,00 € Saldo Final menos 276,36 € Todas as quartas 6as-feiras de cada mês, às 21h, na igreja dos Terceiros, junto ao parque da Cidade de Viseu. (Próxima Oração—26 de abril de 2013) No dia 28 de abril de 2013, no decorrer do Ano da Fé, o Arciprestado de Sá- tão, irá viver um dia diferente, “A Caminhada Arciprestal”, será no Senhor dos Caminhos, com a pre- sença do Sr.º Bis- po, D. Ilí- dio, que celebrará a eucaristia às 16 horas e 30 minutos. Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios dominicais na igreja matriz 195,04 € Venc. Pároco 600,00 € Côngrua paroquial (4) 65,00 € Evang. Voz Paróquia 36,00 € Missas plurintencionais 295,00 € Culto 37,00 € Dois pinheiros caídos com o vento 35,00 € TOTAL 590,04 € 673,00 €
  18. 18. 18 Receitas com iogurte: das doces às salgadas Iogurte, por si só, já é uma delícia de bebida, com todos seus benefícios que traz para a saúde. Além de tudo isso, é um excelente ingrediente no preparo de receitas – das doces às salgadas. Os molhos à base de iogurte são mais leves e trazem um pouco do azedinho da bebida para o preparo final. Em outras palavras, é perfeito para quem gosta de temperos e sabores variados à mesa. Para quem ficou com vontade, vale experimentar alguma das receitas abaixo – todas deliciosas!! Lombo com molho de iogurte Prepararação:45 minutos Rendimento: 8 pessoas Dificuldade: Fácil Ingredientes: · 2 chávenas (chá) de iogurte · 1 chávena (chá) de leite · 1/4 de chávena (chá) de azeite · 1 cebola em pedaços · 5 dentes de alho · 1 colher (sopa) de sal · 2 1/2 kg de lombo de porco · 1 chávena (chá) de água Molho: · 1 chávena (chá) de vinagre · 1/2 chávena (chá) de açucar mas- cavo Para Decorar: · 1 pepino sem sementes cortado em tirinhas Modo de preparo: Bata no liquidificador o iogurte, o leite, o azeite, a cebola, o alho e o sal. Aqueça o for- no em temperatura alta. Ponha o lombo na assadeira com a gordura para cima. Banhe com a mistura de iogurte e cubra com papel-alumínio. Asse por 1 horas e retire o pa- pel. Asse novamente, regando com água aos poucos para o caldo não secar, por mais 30 minutos ou até a carne ficar macia e dourada. Molho: Leve o vinagre e o açucar ao fogo médio até engrossar um pouco. Ponha o lombo em uma travessa. Por cima, despeje o molho de vinagre e as tiras de pepino. E está pron- to a servir. Bom apetite. Morango com iogurte: deliciosamente refrescante! Ingredientes: · 2 caixas de gelatina de morango · 1 Chávena (chá) de morangos · 4 iogurtes naturais Limpe os morangos e pique-os em cubinhos. Prepare a ge- latina segundo as instruções do fabricante. Leve ao frigori- fico até ficar firme. Despeje-a no liquidificador com o mo- rango picado e o iogurte. Bata bem e distribua em taças individuais húmidas. Devolva ao frigorifico e deixe gelar. Sirva decorado com ramos de hortelã.
  19. 19. 19
  20. 20. 20 Com a colaboração do JES Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. 2013 Lua cheia Lua nova Quarto crescente Quarto Minguante Abril AGRICULTURA. JARDINAGEM. ANIMAIS Em Abril mondar e sachar os campos semeados no mês anterior; rega matutina. Plantar espargos e morangueiros. Semear milho e plantar batata nas terras mais secas e, no final do mês, nas terras mais fundas. Na Horta semear, no Crescente, em local definitivo, abóboras, batata, beterraba, brócolos, cenoura, couves, fava, feijão, melão, melancia, nabo, pimento, rabanete, salsa, etc. Em viveiro, semear cebola, pepino e tomate. Nos últimos dias do mês, semear feijão temporão. Limpar os rebentos (ladrões) nos enxertos efetuados nas árvores de fruta. Na vinha, fazer os tratamentos contra o míldio, oídio e outros; adubar as castas mais envelhecidas. No Jardim semear estrelas do Egipto, girassóis e malmequeres; colher as flores dos lilases, margaridas, etc. Plantar begónias, dálias, gladíolos e jarros. Animais: higiene das vacas leiteiras e separar os vitelos das mães. Tosquia das ovelhas no Quarto Minguante.

×