SlideShare uma empresa Scribd logo
Texto Áureo
“Revesti-vos de toda a armadura de
Deus, para que possais estar firmes
contra as astutas ciladas do diabo”
(Ef 6.11).
VERDADE PRÁTICA
Como salvos por Cristo, podemos
pela fé vencer o diabo em suas
investidas contra nós.
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Analisar as pragas desferidas e as propostas de
Faraó.
Saber que assim como Faraó, Satanás não
desiste facilmente.
Discutir a proposta final de Faraó.


Neste domingo examinaremos: as pragas enviadas por Deus e as
propostas de Faraó no sentido de manter os israelitas cativos.



Deus havia dito a Faraó, por meio de Moisés e Arão, que
deixasse seu povo ir embora daquela terra.



Deus poderia simplesmente retirar Ele mesmo o povo da
escravidão, mas preferiu usar Moisés como instrumento para
aquela obra.



Isso nos deve fazer lembrar de que Deus tem todo o poder, e
pode fazer o que desejar, mas ainda assim, em muitas
situações, prefere se valer de instrumentos humanos para
executar sua vontade.


Faraó dizia ser ele mesmo um deus.



O sistema religioso dos egípcios adorava elementos da natureza,
como o rio Nilo, o Sol e também os animais.



Ao fim do flagelo das pragas tanto israelitas quanto egípcios
precisaram reconhecer três verdades fundamentais:
(a) todos os ídolos do Egito eram falsos;
(b) somente Jeová é o único e verdadeiro Deus;
(c) Jeová é Deus tremendo, não apenas da Terra e do povo hebreu,
mas de todo o universo e de todos os povos.

•
•
•
Pragas atingem o Egito.(Êx 7.19—12.33).


As dez pragas foram todas de caráter judicial. Abateram-se sobre o
Egito após cada recusa do Faraó em permitir a partida de Israel.



Cada praga era uma afirmação da superioridade de Jeová sobre a
divindade (ou deuses) responsável pela área da natureza que estava
sendo particularmente atingida.



Elas eram autênticos derramamentos da ira de um soberano Deus
que desejou mostrar, para todo o Egito e também para o seu povo,
que Ele é o Senhor de toda Terra e Céu
Então, naquela mesma noite, Faraó chamou a Moisés
 Somente o Senhor seria o único e perfeitamente capaz de resgatar o
e a Arão eda penosa escravidão no Egito,saí do meio eles uma
seu povo lhes disse: Levantai-vos, fazendo com do
meu povo, tanto vós como os filhos de Israel;
aliança, tornando-os seus servos.
ide, servi ao SENHOR, como tendes dito. Levai
também convosco última praga, havendo Jeová destruído toda
 Quando sobreveio a vossas ovelhas e vosso gado, como
autoconfiança humana, embora e abençoai-me Moisés e seu
tendes dito; ide-vos Faraó rendeu-se e permitiu que também
povo partissem (Ex 12.31,32).
a mim.
ExSegundo Paul(ARA). pragas foram a resposta de Deus à pergunta de
12.31,32 Hoff, as



Faraó: “Quem é o SENHOR, cuja voz eu ouvirei?” (veja Êx 7.17). Cada
Assim diz o SENHOR: Nistodesafio aosque euegípcios e uma
saberás deuses sou o
praga foi, por outro lado, um
SENHOR: idolatria. bordão que tenho na mão ferirei
censura à com este

as águas do rio, e se tornarão em sangue. Êx 7.17
(ARA).
 Os egípcios prestavam culto às forças da natureza tais como
Nilo, o Sol, a Lua, a Terra, o touro e muitos outros animais.

o rio


Com o juízo de Deus sobre o Egito, as divindades egípcias davam
evidente demonstração de sua impotência perante o Senhor, não
podendo proteger os egípcios nem intervir a favor de ninguém.

Então, os oficiais de Faraó lhe disseram: Até quando de
Calcula-se vez o período das pragas tenha durado pouco menos
Poisserá por cilada este homem? Deixapragas sobre o
esta que enviarei todas as minhas ir os
nos ano. As primeiras três pragas - sangue, rãs e piolhos -, caíram em
um
teu coração, ouque sirvam povoSENHOR, sobre o teuforam
e sobre os teus oficiais,como os Deus.
e seu egípcios
todo o Egito,
homens, para seja, tanto o ao hebreu
povo, parapois Deusainda que oaEgito estápovos seja era o
atingidos, que saibas que não ambos os arruinado?
quis ensinar há quem me quem
Acaso, não sabes
semelhante em toda a terra. Êx 9.14 (ARA).
ÊxSenhor. (ARA).
10.7
Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que
 Mas as sete seguintes castigaram somente os egípcios, para que
habita o meu povo, que cuidava de Israel erahaja enxames
soubessem que o Deus para que nela não também o soberano
do Egito e mais forte do que seus deuses (Ex 8.22; no meio
de moscas, e saibas que eu sou o SENHOR9.14). As pragas
foram progressivamente mais
desta terra. Êx 8.22 (ARA).severas até que quase destruíram o


Egito (Ex 10.7).
E Os feiticeiros egípcios imitaram as duascom suas ciências
fizeram os magos o mesmo primeiras pragas, mas,
ocultas opara foi ferido de piolhos, confessaram que o não de
quando Egito produzirem piolhos, porém poder o
Deus era e havia deles e que homens era realmente
puderam; superior aopiolhos nos essa praga e no gado.
sobrenatural (Ex 8.18,19).
Então, disseram os magos a Faraó: Isto é o dedo de
 Os magos não poderiam reproduzir a praga de úlceras porque eles
Deus. Porém o coração de Faraóos pés até a cabeça. não
próprios estavam cheios delas desde se endureceu, e Não
ospuderam livrar a si mesmos dos terríveis juízos, muito menos18,19
ouviu, como o SENHOR tinha dito. Êx 8. a todo
o Egito.
(ARA)


Em resumo, as pragas cumpriram os seguintes propósitos:
• Demonstraram que o Senhor é o Deus supremo e soberano. Tanto os
israelitas como os egípcios souberam quem era o Senhor.
• Derrotaram as divindades do Egito.
• Castigaram os egípcios por haverem oprimido aos israelitas e por lhes
haverem amargado tanto a vida.
• Efetuaram o livramento de Israel e o prepararam para conduzir-se em
obediência e fé.


•

A ordem das pragas é a seguinte:
a) A água do Nilo converteu-se em sangue (Êx 7.14-25). Foi um golpe
contra Hapi, o deus das inundações do Nilo.

b) A praga das rãs (Êx 8.1-15). A terra ficou infestada de rãs. Os
egípcios relacionavam as rãs com os deuses Hapi e Ekte. “Hapi”, o
Porque, aquela portadorpassarei pela terra doaEgito e da
noite, da fertilidade; “Hekt”,
deus do Nilo,
deusa
ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde
fecundidade com cabeça de sapo. Em Êxodo 12.12, vemos o Senhor
os dizendo: “e até aos animais; executarei juízos”. sobre
homens sobre todos os deuses do Egito farei juízo

•

todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR.
•

c) A praga dos piolhos (talvez mosquitos, Êx 8.16-19). O pó da terra,
considerado sagrado no Egito, converteu-se em insetos muito
importunadores.
•

d) Praga das moscas (Êx 8.20-32). Enormes enxames de moscas
encheram o Egito. Deve ter sido um tormento para os egípcios. Foi
um juízo de Deus sobre o deus “kheper”. Este deus egípcio tinha a
forma de um besouro.

•

e) Morte do gado dos egípcios (Êx 9.1-7). Amom, rei dos deuses e
protetor de faraós, era adorado em todo o Egito. Ele era
representado por uma figura masculina com cabeça de carneiro ou
como carneiro com uma tríplice coroa. No Baixo Egito eram
adoradas diversas divindades cujas formas eram de carneiro, de
bode ou de touro. A deusa Íris, rainha dos deuses, era
representada com chifres de carneiro ou vaca na cabeça.
•

f) A praga das úlceras (Êx 9.8-12). As cinzas que os sacerdotes
egípcios espalhavam como sinal de bênção causaram úlceras
dolorosas. Deus estava avisando os egípcios de que Seus
julgamentos não tinham limites.
g) A tempestade de trovões, raios e saraiva devastou a vegetação,
destruiu as colheitas de cevada e de linho e matou os animais do
Quem(Ex 9.13-35). de Faraó temia a palavra do
Egito dos oficiais

•

SENHOR fez fugir os seus servos e o seu gado para as
casas; Somente na terra de Gósen, onde estavam os
• Esse tipo de tempestade era quase desconhecido no Egito. O termo
“trovão” Israel, não havia chuva de pedras. Êx 9.
filhos de em hebraico significa literalmente “vozes de Deus”, e aqui
se insinua que Deus falava em juízo. Os egípcios que escutaram a
20, 26 (ARA).
advertência misericordiosa de Deus, salvaram seu gado (Ex 9.20).
Os hebreus não foram atingidos (cf. Êx 9.26).

•

h) A praga dos gafanhotos (Ex 10:1-6). A praga dos gafanhotos
trazida por um vento oriental consumiu a vegetação que havia
sobrado da tempestade de saraiva (Ex 10:1-20). Os deuses Isis
eSeráfis foram impotentes, eles que supostamente protegiam o
Egito dos gafanhotos.


i) As trevas (Ex 10.21-29). Foram três dias de densas trevas. As trevas
que caíram sobre o Egito foram o grande golpe contra todos os
deuses, especialmente contra Rá, personificação do sol, rei dos
deuses e pai da humanidade.



Os luminares celestes, objetos de culto, eram incapazes de penetrar
a densa escuridão.



Foi um golpe direto contra o próprio Faraó, suposto filho do Sol.
•

j) A morte dos primogênitos (cap. 11 e 12.29-36). O Egito havia
oprimido o primogênito do Senhor e agora eles próprios sofriam a
perda de todos os seus primogênitos. O primogênito era a esperança,
força e herdeiro da família.

•

Nenhuma família do Egito estaria isenta. Quando o homem se recusa
a ouvir, Deus sabe como falar de maneira que ele ouça. Nenhum
israelita morreu. Foi a graça da redenção que fez a diferença.

•

Há segurança em Jesus Cristo. Os hebreus foram uma figura de todos
aqueles que foram comprados pelo sangue de Cristo em todas as
épocas.
2. A primeira proposta (Êx 8.25)

”Então, permitiu que os israelitas oferecessem sacrifícios dentro dos
Faraó chamou Faraó a Moisés e a Arão e disse: Ide
e sacrificaiEgito, Êx 8.25Deus nesta terra“ (Êx 8.25).
limites do ao vosso






Com a incidência das pragas dos piolhos e das moscas, a vida dos
egípcios se tornou um inferno. Com essas pragas, Faraó chama
Moisés e Arão e lhes faz a seguinte proposta: “Ide e sacrificai ao
vosso Deus nesta terra“.
Ao que parece, Faraó foi convencido pelos piolhos e moscas
enviados por Deus, por isso fez essa contraproposta. Mas essa
contraproposta exigia que Israel cultuasse a Deus no próprio
Egito, em meio aos falsos deuses.


Veja que a escolha do local do sacrifício pertencia a Faraó, não a
Deus. Mas esse não era o plano de Deus.

Um povo separado por Deus e para SENHOR, sou santo
E ser-me-eis santos, porque eu, oDeus, e ao mesmo tempo
misturado com os ímpios egípcios, como sendo um só povo, seria
e separei-vos dos povos, Deus exige santidade do Lv 20.26(Lv
para serdes meus. seu povo
uma abominação ao Senhor.
(ARC)
20.26).





Faraó barganha fraudulosamente. Mas, quando Deus ordena, não há
lugar para barganhas com homens perversos.


Moisés tinha a resposta na ponta da língua: (Ex 8.26).



Muitos bebês meninos foram lançados ao Nilo para morrerem
afogados ou comidos por crocodilos. Naquelas terras os filhos de
Deus haviam perdido sua liberdade. Deus pretendia receber culto e
dar de presente aos filhos de Abraão uma nova terra pra viverem.

E Moisés disse: Não convém que façamos
assim, porque sacrificaríamos ao SENHOR, nosso
 A adoração pretendida por Deus não foi planejada para ser feita em
Deus, egípcias. Naquelas terras muitos israelitas morreram em
a abominação dos egípcios; eis que, se
terras
sacrificássemos a abominação dos egípcios perante
sofrimento.
os seus olhos, não nos apedrejariam eles? Êx 8.26
(ARC)
A segunda proposta de Faraó (Êx 8.28).
Faraó estava tão angustiado e humilhado pela praga das moscas que
Faraó mandou chamar depressa Moisés eNa primeira
começou a negociar os termos de sua rendição. Arão, e
proposta, ele fez uma oferta oferecer sacrifícios ao seu
disse: "Está bem! Podempara que Israel adorasse dentro das
fronteiras façam isso aqui mesmo, no Egito". na ponta
Deus. Masdo Egito (Êx 8.25), mas Moisés tinha a respostaÊx 8.25
da língua:
(VIVA).
 não conviria aos israelitas sacrificarem no Egito, porque o sacrifício
de animais sagradas aos egípcios lhes seria uma “abominação”
(Êx8.26), levando-os provavelmente a apedrejar os israelitas.
 Moisés indica que o local adequado à adoração seria a três dias de
distância do Egito. Faraó reconheceu que Moisés tinha razão. Ele
concordou em deixar Israel ir, mas somente a curta distância deserto
a dentro - “não vades longe”.

Moisés deu crédito na proposta de Faraó (talvez, entendendo as
Respondeu-lhe Moisés:como que saio aos três dias de viagem)
palavras “não vades longe” Eis referência da tua presença e
orarei ao rogar ao Senhoramanhã, estes enxames de
e prometeu SENHOR; (Êx 8.29).



moscas se retirarão de Faraó, dos seus oficiais e do
seu povo; somente que Faraó não as moscas engane,
 Deus, conforme a palavra de Moisés, retiroumais me e não ficou
não deixando ir A conforme aque ofereça Moisés, e ao
E uma o SENHORo completa suspensão destade sacrifícios os
fez só (Ex 8.31). povo para palavra praga fez com que o
rei ficasse mais inflexível e
SENHOR. Êx 8.29 (ARA). retiraram povo Faraó,8.32). Apesar
enxames de endureceu“não deixou ode Deus novo, ose deuses
moscas se o coração de (Ex dos seus
de ir” sobre
Mas tão grande apresentação do poder
não
de Faraó
oficiais eado seu de 8.32 estava cada uma só mosca. Êx
deixou o povo ir! Êx Faraó não ficou vez mais renitente contra
egípcios, vontade povo; (VIVA).
8.31 (ARA).
Deus e seu povo.


Moisés deu crédito na proposta de Faraó (talvez, entendendo as
palavras “não vades longe” como referência aos três dias de
viagem) e prometeu rogar ao Senhor (Êx 8.29).



Deus, conforme a palavra de Moisés, retirou as moscas e não ficou
uma só (Ex 8.31). A completa suspensão desta praga fez com que o
rei ficasse mais inflexível e “não deixou o povo ir” (Ex 8:32



Podemos ver no Faraó uma ilustração do fato de que o temor,
sozinho, nunca produz o verdadeiro arrependimento. Somente
alguém convencido pelo Espírito Santo pode mudar de direção,
mudar de vida, se arrepender de verdade.
O propósito de Faraó era vigiar e controlar os passos do povo de
Israel. Segundo ele, “não vades longe” significa para o crente hoje o
rompimento parcial com o pecado e com o mundo.
 É uma vida cristã sem profundidade, sem expressão e por isso
sempre vulnerável. irmãos, pelas misericórdias de
Rogo-vos, pois, Atualmente, muitos já aceitaram esta proposta e
querem viver um cristianismo vosso corpo por sacrifício
Deus, que apresenteis osem compromisso com Deus e sem a
cruz. Observe a mulher de Ló: saiu de Sodoma, mas não tirou
vivo, santoseu agradável suaDeus, que é o vosso culto
Sodoma do e coração e da a mente, e perdeu-se (Gn 19.17, 26;
Havendo-os levado fora, disse um deles: Livra- conforma
racional. EIsso podeolhou para tráscom esteque se mas
Lc mulher de Ló acontecer com qualquer um século,
17.32). não vos conformeis e
E a salva a tua vida; não olhes para converteu-se
te, o mundo. Vejapela renovaçãoPaulovossa mente, para
com estátua de bom conselho de datrás, nem pares
em
transformai-vos osal. Gn 19. 26 (ARA) (Rm 12.1,2).
numa


em toda a campina; foge para Lcmonte,(ARA).que nãoe
Lembrai-vos da mulher de seja 17.32 agradável
que experimenteis qual Ló. o a boa,para
pereças.vontade de Deus. Rm 12. 1, 2 (ARA).
perfeita Gn 19.17 (ARA).
A terceira proposta de Faraó (Êx 10.7)


Deus enviaria outra praga ao Egito: a praga dos gafanhotos. Por
causa das pragas anteriores, o Egito estava severamente
arruinado em todos os seus segmentos, econômicos e sociais. Os
prejuízos materiais estavam se avolumando, tornando
insuportável a permanência dos israelitas em solo egípcio.



Mas Faraó não pareceu entender assim. Ele não entendeu que
estava lidando com um poder pessoal sobrenatural, sem
precedentes na história do Egito. Ele não entendeu que estava
lidando com o próprio Deus, que estava dando a ele
oportunidades para que voltasse atrás em suas atitudes e
deliberações e liberasse Israel.
Então, os seus servos decidiram envolver-se na questão. Eles
Então, Moisés eenquanto o Deus de Moisés não presençaseu
perceberam que Arão foram conduzidos à recebesse de
culto, e egípcios sofreriam Ide, servi as SENHOR, vosso
Faraó; os este lhes disse: terrivelmente ao consequências. Por
esta porém quais são os que outra vez ir? Êx 10.8
Deus;razão, Moisés e Arão foram levados hão de à presença de
Faraó (Ex 10.8).



(ARA)


Faraó deu permissão para os israelitas partirem, mas tentou fazer
outro acordo. Ele permitiria a ida dos homens se deixassem suas
famílias e rebanhos.


Faraó manda lançar fora de sua presença Moisés e Arão, e deixa
claro que as crianças não iriam, somente os homens - “Então, ele
lhes disse: Seja o SENHOR assim convosco, como eu vos deixarei ir a
vós e a vossos filhos; olhai que há mal diante da vossa face. Não será
assim; andai agora vós, varões, e servi ao SENHOR; pois isso é o que
pedistes. E os lançaram da face de Faraó“.



Com esta proposta, Faraó garantiria a próxima geração de escravos
no Egito.
A situação caótica do Egito.


Faraó destaca-se por sua teimosia ao enfrentar os juízos de Deus.



Embora se mantivesse obstinado, quebrando sua promessa toda vez
que uma praga era suspensa, ia cedendo mais e mais às exigências de
Moisés. Primeiro, permitiu que os israelitas oferecessem sacrifícios
dentro dos limites do Egito (Ex 8.25)



depois, fora do Egito, mas não muito longe (Êx 8.28); mais tarde no
deserto, distante, porém com a condição de que fossem somente os
homens (Êx 10.7), e por fim, permitiu que todos pudessem ir longe
para sacrificar, mas deixando seu gado no Egito (Ex 10.24).


Deus mandou outra praga: as trevas. Todo o Egito durante três
dias seguidos ficou sem luz. Só havia luz na casa dos hebreus (Ex
10.21-23). A maioria dos estudiosos concorda que foi ohamsin,
uma tempestade de areia tão temida no Oriente que ocasionou

estas trevas. O milagre estava em que veio segundo a Palavra de
Deus (Ex 10.21).
2. A quarte e última proposta,





Por três dias os egípcios conviveram com a escuridão.
Moisés e Arão desta vez foram chamados com a seguinte proposta:
“Ide, servi ao Senhor; somente fiquem ovelhas e vossas vacas”
(Ex 10.24). O que esta proposta representava?
A falta de sacrifícios, de entrega ao Senhor e de adoração. Como
se não bastasse os anos de escravidão, Faraó queria impedir que
aquilo que eles tinham conseguido com trabalho fosse negado a
Deus.


Moisés declarou: “nem uma unha ficará” (Ex 10.26).



Nenhum acordo com Satanás jamais resultará em vitória total ou
liberdade completa para os filhos de Deus.
ÊXODO 12

29

A morte dos primogênitos

E aconteceu que à meia-noite o Senhor feriu todos os
primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de
Faraó, que se assentava em seu trono, até o primogênito do
cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos
animais.

30 E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos
os egípcios; e fez-se grande clamor no Egito, porque não havia
casa em que não houvesse um morto.
31 Então Faraó chamou Moisés e Arão de noite, e disse: Levantaivos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de
Israel; e ide servir ao Senhor, como tendes dito.
32 Levai também convosco os vossos rebanhos e o vosso
gado, como tendes dito; e ide, e abençoai-me também a mim.
Próxima Aula:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

03 efraim
03 efraim03 efraim
03 efraim
SGTDASILVA2003
 
Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
ibrdoamor
 
Israel: Do cativeiro ao êxodo
Israel: Do cativeiro ao êxodoIsrael: Do cativeiro ao êxodo
Israel: Do cativeiro ao êxodo
Daladier Lima
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
ibrenjtijuca
 
7 a jornada de moises - 7 aula
7   a jornada de moises - 7 aula7   a jornada de moises - 7 aula
7 a jornada de moises - 7 aula
PIB Penha
 
4. êxodo
4. êxodo4. êxodo
4. êxodo
mbrandao7
 
Moisés
MoisésMoisés
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
ibrenjtijuca
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
ibrenjtijuca
 
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!Uma festa no deserto!
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egitoLição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
Natalino das Neves Neves
 
39 Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
39   Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)39   Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
39 Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
Robson Tavares Fernandes
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
ibrenjtijuca
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
RODRIGO FERREIRA
 
Futuro sem visão
Futuro sem visãoFuturo sem visão
Futuro sem visão
REFORMADOR PROTESTANTE
 
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
PIB Penha
 
O chifre pequeno de daniel 8
O chifre pequeno de daniel 8O chifre pequeno de daniel 8
O chifre pequeno de daniel 8
Diego Fortunatto
 
Estudo do pentateuco
Estudo do pentateucoEstudo do pentateuco
Estudo do pentateuco
Flavia Araujo Batista Santos
 

Mais procurados (19)

03 efraim
03 efraim03 efraim
03 efraim
 
Aula 3 - Êxodo
Aula 3 - ÊxodoAula 3 - Êxodo
Aula 3 - Êxodo
 
Israel: Do cativeiro ao êxodo
Israel: Do cativeiro ao êxodoIsrael: Do cativeiro ao êxodo
Israel: Do cativeiro ao êxodo
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 10º
 
7 a jornada de moises - 7 aula
7   a jornada de moises - 7 aula7   a jornada de moises - 7 aula
7 a jornada de moises - 7 aula
 
4. êxodo
4. êxodo4. êxodo
4. êxodo
 
Moisés
MoisésMoisés
Moisés
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 9º
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 8º
 
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
 
Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!Uma festa no deserto!
Uma festa no deserto!
 
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egitoLição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
Lição 1 - O livro de êxodo e o cativeiro de israel no egito
 
39 Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
39   Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)39   Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
39 Estudo Panorâmico da Bíblia (Êxodo)
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 1º
 
Pentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodoPentatêuco, o livro de êxodo
Pentatêuco, o livro de êxodo
 
Futuro sem visão
Futuro sem visãoFuturo sem visão
Futuro sem visão
 
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd5   panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
5 panorama do at - exodo e numeros-francisco-ebd
 
O chifre pequeno de daniel 8
O chifre pequeno de daniel 8O chifre pequeno de daniel 8
O chifre pequeno de daniel 8
 
Estudo do pentateuco
Estudo do pentateucoEstudo do pentateuco
Estudo do pentateuco
 

Destaque

Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
José Santos
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
Moisés Sampaio
 
Exodo detalhado
Exodo detalhadoExodo detalhado
Exodo detalhado
Daniel Ferreira
 
O legado de Moisés
O legado de MoisésO legado de Moisés
O legado de Moisés
Moisés Sampaio
 
Páscoa
PáscoaPáscoa
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintoshEstudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
Tsushya marco
 
êX 7 – 12 as dez pragas do
êX 7 – 12 as dez pragas doêX 7 – 12 as dez pragas do
êX 7 – 12 as dez pragas do
iceanapolis
 
Quatro propostas de Faraó
Quatro propostas de FaraóQuatro propostas de Faraó
Quatro propostas de Faraó
Dário Melo
 
Mosca
MoscaMosca
3 Linha Histórica Do V T
3 Linha Histórica Do  V T3 Linha Histórica Do  V T
3 Linha Histórica Do V T
Israel serique
 
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de FaraóLição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
pralucianaevangelista
 
Êxodo
ÊxodoÊxodo
Atravessia do mar vermelho red sea crossing
Atravessia do mar vermelho red sea crossingAtravessia do mar vermelho red sea crossing
Atravessia do mar vermelho red sea crossing
Wesley Reis
 
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAELDEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
CEILANDIA
 
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan finalEscatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Jeronimo Nunes
 
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
GersonPrates
 
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
Osvaldo Gomes Cruz
 
Esta foi a sua vida!
Esta foi a sua vida!Esta foi a sua vida!
Esta foi a sua vida!
mirinha
 
A dor no coração de deus (queda humana)
A dor no coração de deus (queda humana)A dor no coração de deus (queda humana)
A dor no coração de deus (queda humana)
ministerioinfantilafupm
 
Aula 6 tipologia - aula slideshare 26.04
Aula 6   tipologia - aula slideshare 26.04Aula 6   tipologia - aula slideshare 26.04
Aula 6 tipologia - aula slideshare 26.04
Ana Maria Lourenço F Am-Gontijo
 

Destaque (20)

Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
 
Exodo detalhado
Exodo detalhadoExodo detalhado
Exodo detalhado
 
O legado de Moisés
O legado de MoisésO legado de Moisés
O legado de Moisés
 
Páscoa
PáscoaPáscoa
Páscoa
 
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintoshEstudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
Estudos sobre o livro de êxodo - C. H. mackintosh
 
êX 7 – 12 as dez pragas do
êX 7 – 12 as dez pragas doêX 7 – 12 as dez pragas do
êX 7 – 12 as dez pragas do
 
Quatro propostas de Faraó
Quatro propostas de FaraóQuatro propostas de Faraó
Quatro propostas de Faraó
 
Mosca
MoscaMosca
Mosca
 
3 Linha Histórica Do V T
3 Linha Histórica Do  V T3 Linha Histórica Do  V T
3 Linha Histórica Do V T
 
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de FaraóLição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
Lição 3 As Pragas Divinas e as Propostas Ardilosas de Faraó
 
Êxodo
ÊxodoÊxodo
Êxodo
 
Atravessia do mar vermelho red sea crossing
Atravessia do mar vermelho red sea crossingAtravessia do mar vermelho red sea crossing
Atravessia do mar vermelho red sea crossing
 
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAELDEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
DEUS DÁ SUA LEI AO POVO DE ISRAEL
 
Escatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan finalEscatologia bíblica jin 17 jan final
Escatologia bíblica jin 17 jan final
 
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
T300 A ética dos Dez Mandamentos - parte I_23.05.13
 
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
ÊXODO: O Livro do Êxodo com Esboços - (EXODUS: The Book of Exodus with Outlines)
 
Esta foi a sua vida!
Esta foi a sua vida!Esta foi a sua vida!
Esta foi a sua vida!
 
A dor no coração de deus (queda humana)
A dor no coração de deus (queda humana)A dor no coração de deus (queda humana)
A dor no coração de deus (queda humana)
 
Aula 6 tipologia - aula slideshare 26.04
Aula 6   tipologia - aula slideshare 26.04Aula 6   tipologia - aula slideshare 26.04
Aula 6 tipologia - aula slideshare 26.04
 

Semelhante a Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final

Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no EgitoLição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Éder Tomé
 
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓLIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
Natalino das Neves Neves
 
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o EscapeLição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
Éder Tomé
 
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
Gerson G. Ramos
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
ibrenjtijuca
 
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
Gerson G. Ramos
 
2 exodo
2 exodo2 exodo
2 exodo
PIB Penha
 
O Reino Messiânico 1 - Introdução
O Reino Messiânico 1 - IntroduçãoO Reino Messiânico 1 - Introdução
O Reino Messiânico 1 - Introdução
Carlos Almeida
 
Gloria Deus
Gloria DeusGloria Deus
A Gloria De Deus
A  Gloria De  DeusA  Gloria De  Deus
A Gloria De Deus
Pastor Robson Colaço
 
Documento 1
Documento 1Documento 1
Moisés Enfrenta o Faraó
Moisés Enfrenta o FaraóMoisés Enfrenta o Faraó
Moisés Enfrenta o Faraó
Rogério Nunes
 
Israel e suas Profecias Biblícas
Israel e suas Profecias Biblícas Israel e suas Profecias Biblícas
Israel e suas Profecias Biblícas
Igreja Evangélica Assembléia de Deus
 
8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica
antonio ferreira
 
8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica
antonio ferreira
 
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptxSlide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
Charliston Souza
 
A Travessia do Mar Vermelho.
A Travessia do Mar Vermelho.A Travessia do Mar Vermelho.
A Travessia do Mar Vermelho.
Antonio Fernandes
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
Rogerio Sena
 
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano BLeituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 
Deus Chama Para Boa Obra...
Deus Chama Para Boa Obra...Deus Chama Para Boa Obra...
Deus Chama Para Boa Obra...
JOSE varreis
 

Semelhante a Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final (20)

Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no EgitoLição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
Lição 4 - As dez pragas: A Justiça de Deus no Egito
 
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓLIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
LIÇÃO 3 - AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ
 
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o EscapeLição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
Lição 3 - Diante do Caos Iminente Deus nos Concede o Escape
 
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
❉ Respostas 2 - A crise (interna e externa)_GGR
 
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7ºEstudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
Estudo da Bíblia Livro de Êxodo - Capítulo 7º
 
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
Adultério espiritual_Resumo_Lição_122013
 
2 exodo
2 exodo2 exodo
2 exodo
 
O Reino Messiânico 1 - Introdução
O Reino Messiânico 1 - IntroduçãoO Reino Messiânico 1 - Introdução
O Reino Messiânico 1 - Introdução
 
Gloria Deus
Gloria DeusGloria Deus
Gloria Deus
 
A Gloria De Deus
A  Gloria De  DeusA  Gloria De  Deus
A Gloria De Deus
 
Documento 1
Documento 1Documento 1
Documento 1
 
Moisés Enfrenta o Faraó
Moisés Enfrenta o FaraóMoisés Enfrenta o Faraó
Moisés Enfrenta o Faraó
 
Israel e suas Profecias Biblícas
Israel e suas Profecias Biblícas Israel e suas Profecias Biblícas
Israel e suas Profecias Biblícas
 
8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica
 
8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica8972699 a-trindade-satanica
8972699 a-trindade-satanica
 
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptxSlide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
Slide Licao 1 - 2T - 2023 - BETEL - Retangular.pptx
 
A Travessia do Mar Vermelho.
A Travessia do Mar Vermelho.A Travessia do Mar Vermelho.
A Travessia do Mar Vermelho.
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
 
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano BLeituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
Leituras: 34° Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
Deus Chama Para Boa Obra...
Deus Chama Para Boa Obra...Deus Chama Para Boa Obra...
Deus Chama Para Boa Obra...
 

Mais de Jeronimo Nunes

licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptxlicao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
Jeronimo Nunes
 
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptxLicao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Jeronimo Nunes
 
Do you speak global
Do you speak globalDo you speak global
Do you speak global
Jeronimo Nunes
 
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jinO nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
Jeronimo Nunes
 
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10   o líder diante da chegada da morte jinLição 10   o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Jeronimo Nunes
 
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jinAula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Jeronimo Nunes
 
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jinApostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Jeronimo Nunes
 
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
A ressurreição de jesus   irmão jin ibeA ressurreição de jesus   irmão jin ibe
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
Jeronimo Nunes
 
A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JIN
Jeronimo Nunes
 
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
Jeronimo Nunes
 
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principlesManual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Jeronimo Nunes
 
Dicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicosDicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicos
Jeronimo Nunes
 
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jinO exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
Jeronimo Nunes
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Jeronimo Nunes
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
Jeronimo Nunes
 
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JINCAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
Jeronimo Nunes
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Jeronimo Nunes
 
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Jeronimo Nunes
 
Os milagres de Eliseu (JIN)
Os milagres de  Eliseu (JIN)Os milagres de  Eliseu (JIN)
Os milagres de Eliseu (JIN)
Jeronimo Nunes
 
A longa seca sobre Israel
A  longa seca sobre IsraelA  longa seca sobre Israel
A longa seca sobre Israel
Jeronimo Nunes
 

Mais de Jeronimo Nunes (20)

licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptxlicao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
licao-01-paulo-e-a-igreja-em-filipos.pptx
 
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptxLicao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
Licao 1 - As Obras da Carne e o Fruto do Espirito JIN.pptx
 
Do you speak global
Do you speak globalDo you speak global
Do you speak global
 
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jinO nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
O nascimento de jesus ibe 512 irmão jin
 
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10   o líder diante da chegada da morte jinLição 10   o líder diante da chegada da morte jin
Lição 10 o líder diante da chegada da morte jin
 
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jinAula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
Aula 08 aprovados por deus em cristo jesus irmão jin
 
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jinApostasia, fidelidade e diligência no ministério   lição 05 final irmão jin
Apostasia, fidelidade e diligência no ministério lição 05 final irmão jin
 
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
A ressurreição de jesus   irmão jin ibeA ressurreição de jesus   irmão jin ibe
A ressurreição de jesus irmão jin ibe
 
A morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JINA morte de jesus final Irmão JIN
A morte de jesus final Irmão JIN
 
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
31 maio as limitações dos discípulos irmão jin final
 
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principlesManual  xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
Manual xsara-and-xsara-picasso-bsi-operating-principles
 
Dicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicosDicionário de estudos bíblicos
Dicionário de estudos bíblicos
 
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jinO exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
O exemplo pessoal na educação dos filhos aula jin
 
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
 
O sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a DeusO sacrifício que agrada a Deus
O sacrifício que agrada a Deus
 
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JINCAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
CAP CTA Jerônimo Inácio Nunes JIN
 
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).pptFamília, um projeto de Deus (JIN).ppt
Família, um projeto de Deus (JIN).ppt
 
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)Eliseu e a escola de profetas (JIN)
Eliseu e a escola de profetas (JIN)
 
Os milagres de Eliseu (JIN)
Os milagres de  Eliseu (JIN)Os milagres de  Eliseu (JIN)
Os milagres de Eliseu (JIN)
 
A longa seca sobre Israel
A  longa seca sobre IsraelA  longa seca sobre Israel
A longa seca sobre Israel
 

Último

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 

Último (10)

Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 

Ibe 19 jan pragas divinas e faraó aula irm jin final

  • 1.
  • 2.
  • 3. Texto Áureo “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo” (Ef 6.11).
  • 4. VERDADE PRÁTICA Como salvos por Cristo, podemos pela fé vencer o diabo em suas investidas contra nós.
  • 5. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: Analisar as pragas desferidas e as propostas de Faraó. Saber que assim como Faraó, Satanás não desiste facilmente. Discutir a proposta final de Faraó.
  • 6.  Neste domingo examinaremos: as pragas enviadas por Deus e as propostas de Faraó no sentido de manter os israelitas cativos.  Deus havia dito a Faraó, por meio de Moisés e Arão, que deixasse seu povo ir embora daquela terra.  Deus poderia simplesmente retirar Ele mesmo o povo da escravidão, mas preferiu usar Moisés como instrumento para aquela obra.  Isso nos deve fazer lembrar de que Deus tem todo o poder, e pode fazer o que desejar, mas ainda assim, em muitas situações, prefere se valer de instrumentos humanos para executar sua vontade.
  • 7.  Faraó dizia ser ele mesmo um deus.  O sistema religioso dos egípcios adorava elementos da natureza, como o rio Nilo, o Sol e também os animais.  Ao fim do flagelo das pragas tanto israelitas quanto egípcios precisaram reconhecer três verdades fundamentais: (a) todos os ídolos do Egito eram falsos; (b) somente Jeová é o único e verdadeiro Deus; (c) Jeová é Deus tremendo, não apenas da Terra e do povo hebreu, mas de todo o universo e de todos os povos. • • •
  • 8. Pragas atingem o Egito.(Êx 7.19—12.33).  As dez pragas foram todas de caráter judicial. Abateram-se sobre o Egito após cada recusa do Faraó em permitir a partida de Israel.  Cada praga era uma afirmação da superioridade de Jeová sobre a divindade (ou deuses) responsável pela área da natureza que estava sendo particularmente atingida.  Elas eram autênticos derramamentos da ira de um soberano Deus que desejou mostrar, para todo o Egito e também para o seu povo, que Ele é o Senhor de toda Terra e Céu
  • 9.
  • 10. Então, naquela mesma noite, Faraó chamou a Moisés  Somente o Senhor seria o único e perfeitamente capaz de resgatar o e a Arão eda penosa escravidão no Egito,saí do meio eles uma seu povo lhes disse: Levantai-vos, fazendo com do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; aliança, tornando-os seus servos. ide, servi ao SENHOR, como tendes dito. Levai também convosco última praga, havendo Jeová destruído toda  Quando sobreveio a vossas ovelhas e vosso gado, como autoconfiança humana, embora e abençoai-me Moisés e seu tendes dito; ide-vos Faraó rendeu-se e permitiu que também povo partissem (Ex 12.31,32). a mim. ExSegundo Paul(ARA). pragas foram a resposta de Deus à pergunta de 12.31,32 Hoff, as  Faraó: “Quem é o SENHOR, cuja voz eu ouvirei?” (veja Êx 7.17). Cada Assim diz o SENHOR: Nistodesafio aosque euegípcios e uma saberás deuses sou o praga foi, por outro lado, um SENHOR: idolatria. bordão que tenho na mão ferirei censura à com este as águas do rio, e se tornarão em sangue. Êx 7.17 (ARA).  Os egípcios prestavam culto às forças da natureza tais como Nilo, o Sol, a Lua, a Terra, o touro e muitos outros animais. o rio
  • 11.  Com o juízo de Deus sobre o Egito, as divindades egípcias davam evidente demonstração de sua impotência perante o Senhor, não podendo proteger os egípcios nem intervir a favor de ninguém. Então, os oficiais de Faraó lhe disseram: Até quando de Calcula-se vez o período das pragas tenha durado pouco menos Poisserá por cilada este homem? Deixapragas sobre o esta que enviarei todas as minhas ir os nos ano. As primeiras três pragas - sangue, rãs e piolhos -, caíram em um teu coração, ouque sirvam povoSENHOR, sobre o teuforam e sobre os teus oficiais,como os Deus. e seu egípcios todo o Egito, homens, para seja, tanto o ao hebreu povo, parapois Deusainda que oaEgito estápovos seja era o atingidos, que saibas que não ambos os arruinado? quis ensinar há quem me quem Acaso, não sabes semelhante em toda a terra. Êx 9.14 (ARA). ÊxSenhor. (ARA). 10.7 Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que  Mas as sete seguintes castigaram somente os egípcios, para que habita o meu povo, que cuidava de Israel erahaja enxames soubessem que o Deus para que nela não também o soberano do Egito e mais forte do que seus deuses (Ex 8.22; no meio de moscas, e saibas que eu sou o SENHOR9.14). As pragas foram progressivamente mais desta terra. Êx 8.22 (ARA).severas até que quase destruíram o  Egito (Ex 10.7).
  • 12.
  • 13. E Os feiticeiros egípcios imitaram as duascom suas ciências fizeram os magos o mesmo primeiras pragas, mas, ocultas opara foi ferido de piolhos, confessaram que o não de quando Egito produzirem piolhos, porém poder o Deus era e havia deles e que homens era realmente puderam; superior aopiolhos nos essa praga e no gado. sobrenatural (Ex 8.18,19). Então, disseram os magos a Faraó: Isto é o dedo de  Os magos não poderiam reproduzir a praga de úlceras porque eles Deus. Porém o coração de Faraóos pés até a cabeça. não próprios estavam cheios delas desde se endureceu, e Não ospuderam livrar a si mesmos dos terríveis juízos, muito menos18,19 ouviu, como o SENHOR tinha dito. Êx 8. a todo o Egito. (ARA)  Em resumo, as pragas cumpriram os seguintes propósitos: • Demonstraram que o Senhor é o Deus supremo e soberano. Tanto os israelitas como os egípcios souberam quem era o Senhor. • Derrotaram as divindades do Egito. • Castigaram os egípcios por haverem oprimido aos israelitas e por lhes haverem amargado tanto a vida. • Efetuaram o livramento de Israel e o prepararam para conduzir-se em obediência e fé. 
  • 14.  • A ordem das pragas é a seguinte: a) A água do Nilo converteu-se em sangue (Êx 7.14-25). Foi um golpe contra Hapi, o deus das inundações do Nilo. b) A praga das rãs (Êx 8.1-15). A terra ficou infestada de rãs. Os egípcios relacionavam as rãs com os deuses Hapi e Ekte. “Hapi”, o Porque, aquela portadorpassarei pela terra doaEgito e da noite, da fertilidade; “Hekt”, deus do Nilo, deusa ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde fecundidade com cabeça de sapo. Em Êxodo 12.12, vemos o Senhor os dizendo: “e até aos animais; executarei juízos”. sobre homens sobre todos os deuses do Egito farei juízo • todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR. • c) A praga dos piolhos (talvez mosquitos, Êx 8.16-19). O pó da terra, considerado sagrado no Egito, converteu-se em insetos muito importunadores.
  • 15.
  • 16.
  • 17. • d) Praga das moscas (Êx 8.20-32). Enormes enxames de moscas encheram o Egito. Deve ter sido um tormento para os egípcios. Foi um juízo de Deus sobre o deus “kheper”. Este deus egípcio tinha a forma de um besouro. • e) Morte do gado dos egípcios (Êx 9.1-7). Amom, rei dos deuses e protetor de faraós, era adorado em todo o Egito. Ele era representado por uma figura masculina com cabeça de carneiro ou como carneiro com uma tríplice coroa. No Baixo Egito eram adoradas diversas divindades cujas formas eram de carneiro, de bode ou de touro. A deusa Íris, rainha dos deuses, era representada com chifres de carneiro ou vaca na cabeça.
  • 18.
  • 19.
  • 20. • f) A praga das úlceras (Êx 9.8-12). As cinzas que os sacerdotes egípcios espalhavam como sinal de bênção causaram úlceras dolorosas. Deus estava avisando os egípcios de que Seus julgamentos não tinham limites.
  • 21.
  • 22.
  • 23. g) A tempestade de trovões, raios e saraiva devastou a vegetação, destruiu as colheitas de cevada e de linho e matou os animais do Quem(Ex 9.13-35). de Faraó temia a palavra do Egito dos oficiais • SENHOR fez fugir os seus servos e o seu gado para as casas; Somente na terra de Gósen, onde estavam os • Esse tipo de tempestade era quase desconhecido no Egito. O termo “trovão” Israel, não havia chuva de pedras. Êx 9. filhos de em hebraico significa literalmente “vozes de Deus”, e aqui se insinua que Deus falava em juízo. Os egípcios que escutaram a 20, 26 (ARA). advertência misericordiosa de Deus, salvaram seu gado (Ex 9.20). Os hebreus não foram atingidos (cf. Êx 9.26). • h) A praga dos gafanhotos (Ex 10:1-6). A praga dos gafanhotos trazida por um vento oriental consumiu a vegetação que havia sobrado da tempestade de saraiva (Ex 10:1-20). Os deuses Isis eSeráfis foram impotentes, eles que supostamente protegiam o Egito dos gafanhotos.
  • 24.  i) As trevas (Ex 10.21-29). Foram três dias de densas trevas. As trevas que caíram sobre o Egito foram o grande golpe contra todos os deuses, especialmente contra Rá, personificação do sol, rei dos deuses e pai da humanidade.  Os luminares celestes, objetos de culto, eram incapazes de penetrar a densa escuridão.  Foi um golpe direto contra o próprio Faraó, suposto filho do Sol.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. • j) A morte dos primogênitos (cap. 11 e 12.29-36). O Egito havia oprimido o primogênito do Senhor e agora eles próprios sofriam a perda de todos os seus primogênitos. O primogênito era a esperança, força e herdeiro da família. • Nenhuma família do Egito estaria isenta. Quando o homem se recusa a ouvir, Deus sabe como falar de maneira que ele ouça. Nenhum israelita morreu. Foi a graça da redenção que fez a diferença. • Há segurança em Jesus Cristo. Os hebreus foram uma figura de todos aqueles que foram comprados pelo sangue de Cristo em todas as épocas.
  • 29.
  • 30. 2. A primeira proposta (Êx 8.25) ”Então, permitiu que os israelitas oferecessem sacrifícios dentro dos Faraó chamou Faraó a Moisés e a Arão e disse: Ide e sacrificaiEgito, Êx 8.25Deus nesta terra“ (Êx 8.25). limites do ao vosso    Com a incidência das pragas dos piolhos e das moscas, a vida dos egípcios se tornou um inferno. Com essas pragas, Faraó chama Moisés e Arão e lhes faz a seguinte proposta: “Ide e sacrificai ao vosso Deus nesta terra“. Ao que parece, Faraó foi convencido pelos piolhos e moscas enviados por Deus, por isso fez essa contraproposta. Mas essa contraproposta exigia que Israel cultuasse a Deus no próprio Egito, em meio aos falsos deuses.
  • 31.  Veja que a escolha do local do sacrifício pertencia a Faraó, não a Deus. Mas esse não era o plano de Deus. Um povo separado por Deus e para SENHOR, sou santo E ser-me-eis santos, porque eu, oDeus, e ao mesmo tempo misturado com os ímpios egípcios, como sendo um só povo, seria e separei-vos dos povos, Deus exige santidade do Lv 20.26(Lv para serdes meus. seu povo uma abominação ao Senhor. (ARC) 20.26).   Faraó barganha fraudulosamente. Mas, quando Deus ordena, não há lugar para barganhas com homens perversos.
  • 32.  Moisés tinha a resposta na ponta da língua: (Ex 8.26).  Muitos bebês meninos foram lançados ao Nilo para morrerem afogados ou comidos por crocodilos. Naquelas terras os filhos de Deus haviam perdido sua liberdade. Deus pretendia receber culto e dar de presente aos filhos de Abraão uma nova terra pra viverem. E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao SENHOR, nosso  A adoração pretendida por Deus não foi planejada para ser feita em Deus, egípcias. Naquelas terras muitos israelitas morreram em a abominação dos egípcios; eis que, se terras sacrificássemos a abominação dos egípcios perante sofrimento. os seus olhos, não nos apedrejariam eles? Êx 8.26 (ARC)
  • 33. A segunda proposta de Faraó (Êx 8.28). Faraó estava tão angustiado e humilhado pela praga das moscas que Faraó mandou chamar depressa Moisés eNa primeira começou a negociar os termos de sua rendição. Arão, e proposta, ele fez uma oferta oferecer sacrifícios ao seu disse: "Está bem! Podempara que Israel adorasse dentro das fronteiras façam isso aqui mesmo, no Egito". na ponta Deus. Masdo Egito (Êx 8.25), mas Moisés tinha a respostaÊx 8.25 da língua: (VIVA).  não conviria aos israelitas sacrificarem no Egito, porque o sacrifício de animais sagradas aos egípcios lhes seria uma “abominação” (Êx8.26), levando-os provavelmente a apedrejar os israelitas.  Moisés indica que o local adequado à adoração seria a três dias de distância do Egito. Faraó reconheceu que Moisés tinha razão. Ele concordou em deixar Israel ir, mas somente a curta distância deserto a dentro - “não vades longe”. 
  • 34. Moisés deu crédito na proposta de Faraó (talvez, entendendo as Respondeu-lhe Moisés:como que saio aos três dias de viagem) palavras “não vades longe” Eis referência da tua presença e orarei ao rogar ao Senhoramanhã, estes enxames de e prometeu SENHOR; (Êx 8.29).  moscas se retirarão de Faraó, dos seus oficiais e do seu povo; somente que Faraó não as moscas engane,  Deus, conforme a palavra de Moisés, retiroumais me e não ficou não deixando ir A conforme aque ofereça Moisés, e ao E uma o SENHORo completa suspensão destade sacrifícios os fez só (Ex 8.31). povo para palavra praga fez com que o rei ficasse mais inflexível e SENHOR. Êx 8.29 (ARA). retiraram povo Faraó,8.32). Apesar enxames de endureceu“não deixou ode Deus novo, ose deuses moscas se o coração de (Ex dos seus de ir” sobre Mas tão grande apresentação do poder não de Faraó oficiais eado seu de 8.32 estava cada uma só mosca. Êx deixou o povo ir! Êx Faraó não ficou vez mais renitente contra egípcios, vontade povo; (VIVA). 8.31 (ARA). Deus e seu povo.
  • 35.  Moisés deu crédito na proposta de Faraó (talvez, entendendo as palavras “não vades longe” como referência aos três dias de viagem) e prometeu rogar ao Senhor (Êx 8.29).  Deus, conforme a palavra de Moisés, retirou as moscas e não ficou uma só (Ex 8.31). A completa suspensão desta praga fez com que o rei ficasse mais inflexível e “não deixou o povo ir” (Ex 8:32  Podemos ver no Faraó uma ilustração do fato de que o temor, sozinho, nunca produz o verdadeiro arrependimento. Somente alguém convencido pelo Espírito Santo pode mudar de direção, mudar de vida, se arrepender de verdade.
  • 36. O propósito de Faraó era vigiar e controlar os passos do povo de Israel. Segundo ele, “não vades longe” significa para o crente hoje o rompimento parcial com o pecado e com o mundo.  É uma vida cristã sem profundidade, sem expressão e por isso sempre vulnerável. irmãos, pelas misericórdias de Rogo-vos, pois, Atualmente, muitos já aceitaram esta proposta e querem viver um cristianismo vosso corpo por sacrifício Deus, que apresenteis osem compromisso com Deus e sem a cruz. Observe a mulher de Ló: saiu de Sodoma, mas não tirou vivo, santoseu agradável suaDeus, que é o vosso culto Sodoma do e coração e da a mente, e perdeu-se (Gn 19.17, 26; Havendo-os levado fora, disse um deles: Livra- conforma racional. EIsso podeolhou para tráscom esteque se mas Lc mulher de Ló acontecer com qualquer um século, 17.32). não vos conformeis e E a salva a tua vida; não olhes para converteu-se te, o mundo. Vejapela renovaçãoPaulovossa mente, para com estátua de bom conselho de datrás, nem pares em transformai-vos osal. Gn 19. 26 (ARA) (Rm 12.1,2). numa  em toda a campina; foge para Lcmonte,(ARA).que nãoe Lembrai-vos da mulher de seja 17.32 agradável que experimenteis qual Ló. o a boa,para pereças.vontade de Deus. Rm 12. 1, 2 (ARA). perfeita Gn 19.17 (ARA).
  • 37. A terceira proposta de Faraó (Êx 10.7)  Deus enviaria outra praga ao Egito: a praga dos gafanhotos. Por causa das pragas anteriores, o Egito estava severamente arruinado em todos os seus segmentos, econômicos e sociais. Os prejuízos materiais estavam se avolumando, tornando insuportável a permanência dos israelitas em solo egípcio.  Mas Faraó não pareceu entender assim. Ele não entendeu que estava lidando com um poder pessoal sobrenatural, sem precedentes na história do Egito. Ele não entendeu que estava lidando com o próprio Deus, que estava dando a ele oportunidades para que voltasse atrás em suas atitudes e deliberações e liberasse Israel.
  • 38. Então, os seus servos decidiram envolver-se na questão. Eles Então, Moisés eenquanto o Deus de Moisés não presençaseu perceberam que Arão foram conduzidos à recebesse de culto, e egípcios sofreriam Ide, servi as SENHOR, vosso Faraó; os este lhes disse: terrivelmente ao consequências. Por esta porém quais são os que outra vez ir? Êx 10.8 Deus;razão, Moisés e Arão foram levados hão de à presença de Faraó (Ex 10.8).  (ARA)  Faraó deu permissão para os israelitas partirem, mas tentou fazer outro acordo. Ele permitiria a ida dos homens se deixassem suas famílias e rebanhos.
  • 39.  Faraó manda lançar fora de sua presença Moisés e Arão, e deixa claro que as crianças não iriam, somente os homens - “Então, ele lhes disse: Seja o SENHOR assim convosco, como eu vos deixarei ir a vós e a vossos filhos; olhai que há mal diante da vossa face. Não será assim; andai agora vós, varões, e servi ao SENHOR; pois isso é o que pedistes. E os lançaram da face de Faraó“.  Com esta proposta, Faraó garantiria a próxima geração de escravos no Egito.
  • 40. A situação caótica do Egito.  Faraó destaca-se por sua teimosia ao enfrentar os juízos de Deus.  Embora se mantivesse obstinado, quebrando sua promessa toda vez que uma praga era suspensa, ia cedendo mais e mais às exigências de Moisés. Primeiro, permitiu que os israelitas oferecessem sacrifícios dentro dos limites do Egito (Ex 8.25)  depois, fora do Egito, mas não muito longe (Êx 8.28); mais tarde no deserto, distante, porém com a condição de que fossem somente os homens (Êx 10.7), e por fim, permitiu que todos pudessem ir longe para sacrificar, mas deixando seu gado no Egito (Ex 10.24).
  • 41.  Deus mandou outra praga: as trevas. Todo o Egito durante três dias seguidos ficou sem luz. Só havia luz na casa dos hebreus (Ex 10.21-23). A maioria dos estudiosos concorda que foi ohamsin, uma tempestade de areia tão temida no Oriente que ocasionou estas trevas. O milagre estava em que veio segundo a Palavra de Deus (Ex 10.21).
  • 42. 2. A quarte e última proposta,    Por três dias os egípcios conviveram com a escuridão. Moisés e Arão desta vez foram chamados com a seguinte proposta: “Ide, servi ao Senhor; somente fiquem ovelhas e vossas vacas” (Ex 10.24). O que esta proposta representava? A falta de sacrifícios, de entrega ao Senhor e de adoração. Como se não bastasse os anos de escravidão, Faraó queria impedir que aquilo que eles tinham conseguido com trabalho fosse negado a Deus.
  • 43.  Moisés declarou: “nem uma unha ficará” (Ex 10.26).  Nenhum acordo com Satanás jamais resultará em vitória total ou liberdade completa para os filhos de Deus.
  • 44. ÊXODO 12 29 A morte dos primogênitos E aconteceu que à meia-noite o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se assentava em seu trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. 30 E Faraó levantou-se de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e fez-se grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto. 31 Então Faraó chamou Moisés e Arão de noite, e disse: Levantaivos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide servir ao Senhor, como tendes dito. 32 Levai também convosco os vossos rebanhos e o vosso gado, como tendes dito; e ide, e abençoai-me também a mim.