Aula 22.11

447 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 22.11

  1. 1. A formiga boa Houve uma jovem cigarra que tinha o costume de chiar ao pé dum formigueiro. Só parava quandocansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas. Mas o bom tempo afinal passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados, passavam o diacochilando nas tocas. A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em grandes apuros, deliberou socorrer-se dealguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se dirigiu para o formigueiro. Bateu na porta – tique, tique, tique… Apareceu uma formiga, friorenta, embrulhada num xalinho de paina. – Que quer? – perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir. – Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu... A formiga olhou-a de alto a baixo. – E o que fez durante o bom tempo, que não construiu a sua casa? A pobre cigarra, toda tremendo, respondeu depois de um acesso de tosse: – Eu cantava, bem sabe... – Ah!... Era você então quem cantava nessa árvore enquanto nós trabalhávamos para encher as tulhas? – Isso mesmo, era eu... – Pois entre, amiguinha! Nunca poderemos esquecer as boas horas que sua cantoria nos proporcionou. Aquele chiado nos distraía e aliviava o trabalho. Dizíamos: que felicidade ter como vizinha tão gentil cantora! Entre, amiga, que aqui terá cama e mesa durante todo o mau tempo. A cigarra entrou, curou da tosse e voltou a ser a alegre cantora dos dias de sol. (LOBATO, Monteiro. A cigarra e as formigas. Fábulas. 35. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 9)Vocabulário:• faina – tarefa difícil• tulhas – recipiente para armazenar cereais• manquitolando – mancando• xalinho – manta para cobrir os ombros• paina – tecido macioO texto “A formiga boa” é uma versão do escritor brasileiro Monteiro Lobato para a clássica fábula “A cigarra e aformiga”, de autoria atribuída a Esopo, fabulista grego do século VI a.C. Com base nesse texto, responda asquestões1. O terceiro parágrafo do texto I dialoga com o texto II porque ambos defendem a ideia de que(A) os artistas são uma classe que não precisa trabalhar.(B) a classe dos artistas também é uma classe trabalhadora.(C) a classe dos trabalhadores deve sustentar a dos artistas.(D) o trabalho é um castigo cuja execução é atenuada pela música.(E) a atitude das formigas deve servir de exemplo para os humanos.2. No texto II, o uso de diminutivos, como em “cansadinha” (l. 1) e “amiguinha”(l.17), para se referir à cigarra, denota uma das seguintes intenções abaixo:(A) Ironizar o tamanho da personagem, maior que a formiga.(B) Referir-se às dimensões diminutas da personagem.(C) Traduzir pejorativamente o caráter da personagem.(D) Intensificar as características negativas da personagem.(E) Demonstrar afetividade em relação à personagem.3. No trecho “ – Que quer? – perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.” (l. 9), foram usados dois travessões para, respectivamente,(A) destacar as palavras do narrador e introduzir a fala da personagem (discurso direto).(B) indicar a fala da personagem (discurso indireto) e uni-la às palavras do narrador.(C) separar a fala da personagem (discurso indireto) e introduzir as palavras do narrador.(D) introduzir a fala da personagem (discurso direto) e separá-la das palavras do narrador.(E) unir as palavras do narrador à fala da personagem (discurso indireto).Leia: ConstruçãoAmou daquela vez como se fosse a últimaBeijou sua mulher como se fosse a últimaE cada filho seu como se fosse o único
  2. 2. E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquina Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico Seus olhos embotados de cimento e lágrima Sentou pra descansar como se fosse sábado Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago Dançou e gargalhou como se ouvisse música E tropeçou no céu como se fosse um bêbado E flutuou no ar como se fosse um pássaro E se acabou no chão feito um pacote flácido Agonizou no meio do passeio público Morreu na contramão atrapalhando o tráfego[...] (BUARQUE, Chico. Construção. Disponível em:<http://www.letras.terra.com.br/chico-buarque/45124>. Acesso em: 01 ago. 2009.) Segundo o gramático Celso Cunha, “elipse é a omissão de um termo que o contexto ou a situação permite facilmente suprir.” (CUNHA, Celso. Gramática do português contemporâneo. Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1978. P. 439.). 4. No verso “Beijou sua mulher como se fosse a última” (verso 2), é possível perceber duas possibilidades de preenchimento da elipse. As duas possíveis palavras elípticas em questão são (A) beijou e vez. (B) vez e mulher. (C) vez e amou. (D) amou e mulher. (E) amou e beijou. 5. Na construção de seus argumentos, o autor do texto I faz referência a uma situação descrita no texto III. Assinale a opção em que se identifica essa situação. (A) Um sonho realizado. (B) A vida amorosa do trabalhador. (C) Uma crise social resolvida. (D) A queda do operário. (E) O sacrifício do empregador.Leia: Cuidado e responsabilidade: sobre as enchentes na região serrana do RJ Inauguramos o BoletIN de 2011 falando sobre as enchentes que tomaram a região serrana do Rio de Janeiro.Pessoalmente, posso dizer que os sentimentos de caos, de perda e de “orfandade” tomam meu coração. Guardadas asdevidas proporções, nos últimos dois anos, vivi uma experiência pessoal de perda de família, de casa, de referências.Um período de luto mesmo, e foi justamente em Teresópolis que encontrei abrigo, onde tenho residência. Assim comoem Teresópolis, vejo que os outros municípios da região também foram abatidos por essa tragédia. Sei que existempessoas maravilhosas que vivem nesses lugares, ou melhor, viveram, ainda não sei. No caso de Teresópolis, aspessoas me acolheram com carinho mesmo, e algumas delas se foram nos escombros. Trata-se de um luto alargado, sinto que perdi outro pedaço de família, de referências, de lembranças. Claro queestou falando de uma definição de família que não se reduz ao grau de parentesco, como se aqueles que não tivessemlaçosde sangue, heranças, estivessem fora do “contrato de legitimidade”, numa posição inferior. Não! Quando falo de família,falo de um sentimento recíproco entre estima, respeito e amor, que nos une em diferentes planos de afetividade,independente de raça, etnia, gênero, orientação sexual, enfim, a diferença não é para nos apartar, mas para nos tornarcomuns uns aos outros, com reconhecimento recíproco. Essa ligação visceral que tenho com o interior do estado do Rio deve-se, em grande medida, à sua influência emminha trajetória de vida e profissional.
  3. 3. Afinal, são quase 18 anos estudando, pesquisando, formando e, principalmente, aprendendo com e no cotidiano daspessoas e das instituições desses vários municípios. É uma fonte permanente da teoria viva de tanto falo em meustrabalhos, e 40 acredito que ainda falo pouco. Sou professora e pesquisadora da Universidade do Estado do Rio deJaneiro, e o Instituto de Medicina Social (onde trabalho) tem essa tradição de extensão, muito estimulada pelo Prof. HésioCordeiro na década de 80 e, agora, com a Profª. Regina Henriques, Subreitora de Extensão da UERJ, que é tambémpesquisadora do LAPPIS. Sinto-me honrada com esse percurso. Sempre adorei trabalhar com essa realidade interiorana.O interior tem a ver com meus pais, com minha avó querida já falecida, enfim, tem a ver com minha origem, com quemfui, sou e serei. Entendo que se trata de uma obrigação civil minha, orgânica, de buscar contribuir e ajudar as pessoas adiminuírem sua dor e seu sofrimento. Confesso que me sinto órfã e novamente invadida por esse sentimento de perdaincalculável, de um vazio que não se preenche. Solidarizo-me com cada uma dessas vítimas que, mesmo perdendo seusparentes, não deixam de lutar pela vida de todos. O povo do Rio de Janeiro é guerreiro, heroico e solidário e, por isso,mais do que nunca, devemos cobrar das autoridades a responsabilidade sobre esses fatos e, de forma incansável eimplacável, cobrar medidas eficazes, para impedir que novas tragédias aconteçam. Temos de ter cuidado eresponsabilidade com o mundo em que vivemos e que construímos, aqui e agora. A responsabilidade se faz em ação, daqual não podemos nos esquivar. PINHEIRO, Roseni. Disponível em: <http://www.lappis.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1398&sid=20>. Acesso em: 20 abr. 6. A autora, nesse artigo, adota um recurso por meio do qual deixa transparecer muitas impressões pessoais sobre as enchentes na região serrana do Rio de Janeiro e sobre sua própria vida. Assinale a alternativa que aponta esse recurso. (A) O emprego de muitos advérbios de modo, como em [...] Pessoalmente [...] (l. 3). (B) O emprego de verbos no presente do indicativo. (C) A referência a Teresópolis, feita no primeiro parágrafo. (D) O emprego de verbos e pronomes na primeira pessoa do singular. 7. A autora revela explicitamente o seu comprometimento em ajudar as vítimas das enchentes na região serrana do Rio de Janeiro num dos períodos abaixo transcritos. Assinale-o. (A) [...] No caso de Teresópolis, as pessoas me acolheram com carinho mesmo, e algumas delas se foram nos escombros. [...] (l. 14-16) (B) [...] Essa ligação visceral que tenho com o interior do estado do Rio deve-se, em grande medida, à sua influência em minha trajetória de vida e profissional. [...] (l. 31-34) (C) [...] Entendo que se trata de uma obrigação civil minha, orgânica, de buscar contribuir e ajudar as pessoas a diminuírem sua dor e seu sofrimento. [...] (l. 52-54) (D) [...] Solidarizo-me com cada uma dessas vítimas que, mesmo perdendo seus parentes, não deixam de lutar pela vida de todos. [...] (l. 57-59) 8. [...] O povo do Rio de Janeiro é guerreiro, heroico e solidário e, mais do que nunca, devemos cobrar das autoridades a responsabilidade sobre esses fatos e, de forma incansável e implacável, cobrar medidas eficazes, para impedir que novas tragédias aconteçam. [...] (l. 59-65). O trecho sublinhado, introduzido pelo termo para, exprime a ideia de (A) finalidade. (B) consequência. (C) causa. (D) oposição. 9. [...] Sei que existem pessoas maravilhosas que vivem nesses lugares, [...] (l. 12-13) O vocábulo que destacado nesse fragmento se refere ao termo anterior - pessoas maravilhosas. Então, assinale a alternativa na qual o vocábulo destacado também retoma um termo anteriormente expresso. (A) [...] Claro que estou falando de uma definição de família que não se reduz ao grau de parentesco [...] (l.19-21) (B) [...] Quando falo de família, falo de um sentimento recíproco entre estima, respeito e amor, que nos une em diferentes planos de afetividade [...] (l. 24-26) (C) [...] Entendo que se trata de uma obrigação civil minha, orgânica, de buscar contribuir e ajudar as pessoas a diminuírem sua dor e seu sofrimento. [...] (l. 52-54) (D) [...] Confesso que me sinto órfã e novamente invadida por esse sentimento de perda incalculável, de um vazio que não se preenche. [...] (l. 55-57) 10. [...] Pessoalmente, posso dizer que os sentimentos de caos, de perda e de “orfandade” tomam meu coração. [...] (l. 3-5) O emprego das aspas na palavra orfandade justifica-se, pois a autora (A) fez uso de um neologismo, ou seja, de uma palavra nova criada por ela. (B) utilizou a palavra em seu sentido real e quis dar ênfase a essa ideia. (C) empregou a palavra fora de seu sentido real. (D) quis imprimir um tom sarcástico à ideia. 11. [...] Trata-se de um luto alargado, _____ sinto que perdi outro pedaço de família, de referências, de lembranças. [...] (l. 17-19)
  4. 4. 12. Um conectivo poderia ser empregado na lacuna criada nesse fragmento do texto, desde que fosse mantido o seusentido original. Trata-se do seguinte termo:(A) entretanto. (B) mas. (C) ou. (D) pois13. A autora afirma manter um forte vínculo afetivo com municípios interioranos. Isso se deve principalmente(A) à sua trajetória profissional, exercida por 18 anos em favor da população dessas cidades.(B) ao fato de ter vivido em Teresópolis, cidade da região serrana do Rio de Janeiro.(C) à associação que pode ser feita entre família e esses municípios.(D) ao fato de as cidades interioranas serem muito tranquilas. Leia a charge:14. Além da capacidade da fala, o cachorro da charge apresenta outro atributo que o aproxima dos seres humanos.Trata-se da(o)(A) ausência do faro apurado, típico dos cães. (B) manifestação de sentimento de indignação. (C) desespero diante de situações adversas. (D) individualismo diante da dor alheia. 15. A charge chama atenção para o descuido das autoridades com as tragédias naturais e suas consequências para a população. O fragmento do texto I que dialoga com essa ideia é (A) [...] Assim como em Teresópolis, vejo que os outros municípios da região também foram abatidos por essa tragédia. [...] (l. 10-12) (B) [...] Afinal, são quase 18 anos estudando, pesquisando, formando e, principalmente, aprendendo com e nocotidiano das pessoas e das instituições desses vários municípios. [...] (l. 35-38)(C) [...] Entendo que se trata de uma obrigação civil minha, orgânica, de buscar contribuir e ajudar as pessoas adiminuírem sua dor e seu sofrimento. [...] (l. 52-54)(D) [...] devemos cobrar das autoridades a responsabilidade sobre esses fatos e, de forma incansável eimplacável, cobrar medidas eficazes, para impedir que novas tragédias aconteçam. [...] (l. 61-65)Leia:16. A pergunta feita pelo homem traz implicitamente a ideia de que (A) o pagamento dos impostos não garante qualidade de vida ao cidadão. (B) todo cidadão deve ter seus impostos pagos antecipadamente. (C) o resgate da mulher está condicionado à quitação de seus impostos. (D) o não pagamento de impostos é uma das causas do aumento de desastres ambientais. 17. O cachorro dessa charge se opõe ao do texto II por demonstrar uma postura de (A) inércia. (B) ativismo. (C) militância.(D) participação.

×