O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

entendendo-a-estutura-da-bncc.pdf

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 20 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

entendendo-a-estutura-da-bncc.pdf

  1. 1. Entendendo a estrutura da BNCC
  2. 2. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento de grande importância para a educação brasileira, uma vez que define as aprendizagens essenciais que devem ser desenvolvidas ao longo de toda a Educação Básica. Isso significa que a elaboração dos currículos nacionais deve ser norteada pela BNCC, a fim de garantir a todos os estudantes uma formação integral que os prepare para enfrentar os desafios da vida. Trata-se de um documento extenso e complexo, que tem despertado diversas dúvidas entre os educadores. Nesse contexto, a estrutura da Base como um todo e para cada segmento é um dos aspectos que tem gerado muitas perguntas. Neste infográfico, procuramos responder algumas dessas questões, indicando como a Base é estruturada e como cada ciclo é organizado. Confira! Entendendo a estrutura da Base Nacional Comum Curricular
  3. 3. Competências x Habilidades A BNCC se divide em competências e habilidades que o aluno deve desenvolver ao longo de toda a Educação Básica. As definições desses conceitos são apresentadas no próprio documento: “Na BNCC, competência é definida como a mobilização de conhecimentos (conceitos e procedimentos), habilidades (práticas, cognitivas e socioemocionais), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho.” Dessa forma, a escola deve pensar práticas pedagógicas com o objetivo de desenvolver as habilidades dos estudantes. A evolução das competências será fruto da mobilização dessas habilidades com o objetivo de resolver problemas e desafios. “As habilidades expressam as aprendizagens essenciais que devem ser asseguradas aos alunos nos diferentes contextos escolares.” Base Nacional Comum Curricular
  4. 4. Competências gerais da BNCC A Base Nacional Comum Curricular determina um conjunto de dez competências gerais que sumarizam os direitos de aprendizagem e de desenvolvimento dos estudantes. Essas competências devem ser trabalhadas ao longo de toda a Educação Básica e compreendem todas as dimensões do indivíduo: não apenas a cognitiva, mas também as dimensões física, social, emocional e cultural. “Ao longo da Educação Básica, as aprendizagens essenciais definidas na BNCC devem concorrer para assegurar aos estudantes o desenvolvimento de dez competências gerais, que consubstanciam, no âmbito pedagógico, os direitos de aprendizagem e desenvolvimento.” Base Nacional Comum Curricular Essas competências devem ser trabalhadas de forma integrada, uma vez que se relacionam de diversas maneiras, e seu desenvolvimento deve ser articulado com as habilidades dos componentes curriculares. Além disso, elas devem ser trabalhadas e estimuladas não apenas em sala de aula, mas em todo o espaço escolar, na relação com o outro e com o ambiente.
  5. 5. Veja a seguir quais são as dez competências gerais da BNCC e quais os seus objetivos: Conhecimento Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva. 1 Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas. Pensamento crítico, científico e criativo 2 3 Repertório cultural Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência.
  6. 6. 4 5 6 Cultura e comunicação digitais Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva. Comunicação Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo. Cidadania e projeto de vida Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade,autonomia, consciência crítica e responsabilidade. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência.
  7. 7. 7 8 9 10 Argumentação Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, dos outros e do planeta. Autoconhecimento e cuidado consigo mesmo Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e capacidade para lidar com elas. Empatia e colaboração Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza. Saber se relacionar com o mundo e com a sociedade Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência. O destaque indica o objetivo e a finalidade de cada competência.
  8. 8. Estrutura da BNCC para a Educação Infantil COMPETÊNCIAS GERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA A estrutura da BNCC para a Educação Infantil parte das competências gerais, que devem ser trabalhadas ao longo de toda a Educação Básica. É a partir dessas competências que os objetivos de aprendizagem para esta etapa do ensino são definidos. EDUCAÇÃO INFANTIL Direitos de aprendizagem e desenvolvimento • Conviver • Brincar • Participar • Explorar • Expressar • Conhecer-se Para os anos iniciais da Educação Básica, a BNCC determina seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento, que devem ser assegurados às crianças para que tenham condições de aprender e se desenvolver. Campos de experiências • O eu, o outro e o nós • Corpo, gestos e movimentos • Traços, sons, cores e formas • Escuta, fala, pensamento e imaginação • Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações Os direitos de aprendizagem e desenvolvimento devem ser garantidos por meio de atividades e práticas pedagógicas que trabalham cinco campos de experiências. Bebês (0-1a6m) Crianças bem pequenas (1a7m-3a11m) Crianças pequenas (4a–5a11m) Cada campo de experiência compreende diferentes objetivos de aprendizagem e desenvolvimento, que indicam o que se espera da criança e que são divididos em três grupos de acordo com a faixa etária. Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento
  9. 9. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO Bebês (zero a 1 ano e 6 meses) Crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses) Crianças pequenas (4 anos a 5 anos e 11 meses) (EI01TS01) Explorar sons produzidos com o próprio corpo e com objetos do ambiente. (EI02TS01) Criar sons com materiais, objetos e instrumentos musicais, para acompanhar diversos ritmos de música. (EI03TS01) Utilizar sons produzidos por materiais, objetos e instrumentos musicais durante brincadeiras de faz de conta, encenações, criações musicais, festas. Campo de experiências “traços, sons, cores e formas” Exemplo Código usado para identificar o objetivo de aprendizagem
  10. 10. Estrutura da BNCC para o Ensino Fundamental COMPETÊNCIAS GERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Assim como acontece para a Educação Infantil, o Ensino Fundamental é estruturado a partir das competências gerais. ENSINO FUNDAMENTAL Áreas do conhecimento Áreas do conhecimento O Ensino Fundamental se organiza em cinco áreas do conhecimento, que favorecem o trabalho dos componentes curriculares de forma integrada, sem deixar de preservar as especificidades de cada componente. Competências específicas de área Competências específicas de área Cada área do conhecimento determina competências específicas de área, que definem como as competências gerais se expressam em cada área e que devem ser trabalhadas ao longo de todo o ciclo. Componentes curriculares Componentes curriculares As áreas do conhecimento organizam-se em um ou mais componentes curriculares. Competências específicas de componente Para as áreas que compreendem mais de um componente, também são definidas competências específicas do componente. Anos Iniciais Anos Finais Linguagens Língua Portuguesa Para assegurar o desenvolvimento dessas competências específicas, cada componente curricular traz um conjunto de habilidades, que se relacionam a diferentes objetos do conhecimento (conceitos, conteúdos e processos) organizados em unidades temáticas. Arte Unidades temáticas Objetos de conhecimento Habilidades Educação Física Língua Inglesa Matemática Matemática Ciências da Natureza Ciências Ciências Humanas Geografia História Ensino Religioso Ensino Religioso
  11. 11. UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES Vida e evolução Corpo humano Respeito à diversidade (EF01CI02) Localizar, nomear e representar graficamente (por meio de desenhos) partes do corpo humano e explicar suas funções. (EF01CI03) Discutir as razões pelas quais os hábitos de higiene do corpo (lavar as mãos antes de comer, escovar os dentes, limpar os olhos, o nariz e as orelhas etc.) são necessários para a manutenção da saúde. (EF01CI04) Comparar características físicas entre os colegas, reconhecendo a diversidade e a importância da valorização, do acolhimento e do respeito às diferenças. CIÊNCIAS – 1o ANO Componente curricular Código usado para identificar a habilidade Exemplo
  12. 12. Estrutura da BNCC para o Ensino Médio COMPETÊNCIAS GERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Assim como acontece para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, o Ensino Médio é estruturado a partir das competências gerais. ENSINO MÉDIO Áreas do conhecimento Áreas do conhecimento O Ensino Médio se organiza em quatro áreas do conhecimento, que têm por finalidade integrar um ou mais componentes curriculares, buscando o fortalecimento das relações entre eles, sem excluir suas especificidades e saberes próprios, historicamente construídos. Competências específicas de área Competências específicas de área Cada área do conhecimento determina competências específicas de área, articuladas às respectivas competências do Ensino Fundamental, com as adequações necessárias às especificidades da formação dos estudantes do Ensino Médio. Elas também devem orientar os itinerários formativos relativos a cada área. Língua Portuguesa Matématica Componentes curriculares As áreas de Linguagens e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias são organizadas em componentes curriculares – Língua Portuguesa e Matemática – que são obrigatórios durante os três anos do Ensino Médio. Habilidades Linguagens e suas Tecnologias Língua Portuguesa Relacionadas a cada uma das competências específicas, são descritas habilidades a serem desenvolvidas ao longo da etapa. São definidas, também, habilidades de Língua Portuguesa, componente curricular obrigatório durante os três anos do Ensino Médio. Matemática e suas Tecnologias Matemática Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ciências Humanas e Sociais Aplicadas
  13. 13. Habilidades (EM13LGG101) Compreender e analisar processos de produção e circulação de discursos, nas diferentes linguagens, para fazer escolhas fundamentadas em função de interesses pessoais e coletivos. (EM13LGG102) Analisar visões de mundo, conflitos de interesse, preconceitos e ideologias presentes nos discursos veiculados nas diferentes mídias, ampliando suas possibilidades de explicação, interpretação e intervenção crítica da/na realidade. (EM13LGG103) Analisar o funcionamento das linguagens, para interpretar e produzir criticamente discursos em textos de diversas semioses (visuais, verbais, sonoras, gestuais). (EM13LGG104) Utilizar as diferentes linguagens, levando em conta seus funcionamentos, para a compreensão e produção de textos e discursos em diversos campos de atuação social. (EM13LGG105) Analisar e experimentar diversos processos de remidiação de produções multissemióticas, multimídia e transmídia, desenvolvendo diferentes modos de participação e intervenção social. Competência específica 1 da área de Linguagens e suas Tecnologias:​ Compreender o funcionamento das diferentes linguagens e práticas culturais (artísticas, corporais e verbais) e mobilizar esses conhecimentos na recepção e produção de discursos nos diferentes campos de atuação social e nas diversas mídias, para ampliar as formas de participação social, o entendimento e as possibilidades de explicação e interpretação crítica da realidade e para continuar aprendendo. Código usado para identificar a habilidade Exemplo
  14. 14. Habilidades específicas de Língua Portuguesa: Exemplo Habilidades Competências específicas (EM13LP10) Analisar o fenômeno da variação linguística, em seus diferentes níveis (variações fonético-fonológica, lexical, sintática, semântica e estilístico-pragmática) e em suas diferentes dimensões (regional, histórica, social, situacional, ocupacional, etária etc.), de forma a ampliar a compreensão sobre a natureza viva e dinâmica da língua e sobre o fenômeno da constituição de variedades linguísticas de prestígio e estigmatizadas, e a fundamentar o respeito às variedades linguísticas e o combate a preconceitos linguísticos. 4 (EM13LP11) Fazer curadoria de informação, tendo em vista diferentes propósitos e projetos discursivos. 7 (EM13LP12) Selecionar informações, dados e argumentos em fontes confiáveis, impressas e digitais, e utilizá-los de forma referenciada, para que o texto a ser produzido tenha um nível de aprofundamento adequado (para além do senso comum) e contemple a sustentação das posições defendidas. 1, 7 (EM13LP13) Analisar, a partir de referências contextuais, estéticas e culturais, efeitos de sentido decorrentes de escolhas de elementos sonoros (volume, timbre, intensidade, pausas, ritmo, efeitos sonoros, sincronização etc.) e de suas relações com o verbal, levando-os em conta na produção de áudios, para ampliar as possibilidades de construção de sentidos e de apreciação. 1 (EM13LP14) Analisar, a partir de referências contextuais, estéticas e culturais, efeitos de sentido decorrentes de escolhas e composição das imagens (enquadramento, ângulo/vetor, foco/profundidade de campo, iluminação, cor, linhas, formas etc.) e de sua sequenciação (disposição e transição, movimentos de câmera, remix, entre outros), das performances (movimentos do corpo, gestos, ocupação do espaço cênico), dos elementos sonoros (entonação, trilha sonora, sampleamento etc.) e das relações desses elementos com o verbal, levando em conta esses efeitos nas produções de imagens e vídeos, para ampliar as possibilidades de construção de sentidos e de apreciação. 1 Código usado para identificar a habilidade Competências específicas de área às quais a habilidade está relacionada
  15. 15. COMPETÊNCIAS GERAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Formação geral básica​ ÁREAS DO CONHECIMENTO Competências específicas de Linguagens e suas Tecnologias Competências específicas de Matemática e suas Tecnologias Competências específicas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competências específicas de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Habilidades de área Habilidades de área Habilidades de área Habilidades de área Habilidades de Língua Portuguesa Itinerários formativos​ Linguagens e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias Ciências da Natureza e suas Tecnologias Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Formação técnica e profissional O currículo do Ensino Médio deverá ser composto pelas aprendizagens apontadas pela Base Nacional Comum Curricular e por itinerários formativos. Eles devem ser organizados por meio da oferta de diferentes arranjos curriculares, conforme a relevância para o contexto local e a possibilidade dos sistemas de ensino: ​ I. Linguagens e suas Tecnologias; ​ II. Matemática e suas Tecnologias; ​ III. Ciências da Natureza e suas Tecnologias; ​ IV. Ciências Humanas e Sociais Aplicadas; ​ V. Formação Técnica e Profissional. Os Itinerários Formativos do Ensino Médio
  16. 16. Os Itinerários Formativos​ Os itinerários formativos são estratégicos para a flexibilização da organização curricular do Ensino Médio, uma vez que oferecem opções de escolha dos estudantes.​ Eles podem ser estruturados com foco em uma área do conhecimento, na formação técnica e/ou na mobilização de competências e habilidades de diferentes áreas. Nesse caso, são chamados de itinerários integrados.​ A oferta de diferentes itinerários formativos deve considerar o contexto, a realidade local e as necessidades da comunidade local, bem como os recursos físicos, materiais e humanos das instituições de ensino. Eles devem promover e favorecer o protagonismo do estudante por meio da garantia da apropriação de procedimentos cognitivos. Os itinerários devem ser organizados em torno de um ou mais eixos estruturantes:​ • Investigação científica;​ • Processos criativos;​ • Mediação e intervenção sociocultural;​ • Empreendedorismo.
  17. 17. Conclusão Compreender a estrutura da BNCC e seus objetivos consiste no primeiro passo para a sua implementação. A partir daí, as escolas devem, com o documento em mãos, dar continuidade ao processo por meio da reelaboração dos currículos. Ainda assim, a implementação da Base Nacional Comum Curricular representa um grande desafio para as escolas, devido a todas as adaptações e mudanças que o processo implica. Pensando nisso, desenvolvemos um guia com 7 etapas que vão ajudar a escola a traçar um planejamento e organizar seus trabalhos para implementar a BNCC: Referências: Base Nacional Comum Curricular referente à Educação Infantil e ao Ensino Fundamental, homologada em 20 de dezembro de 2017 Base Nacional Comum Curricular referente ao Ensino Médio, divulgada em 3 de abril de 2018 Entrevista de Anna Penido concedida ao portal e-docente Referências: Base Nacional Comum Curricular, homologada em 14 de dezembro de 2018 Entrevista de Anna Penido concedida ao portal e-docente BAIXE O GUIA DA IMPLEMENTAÇÃO DA BNCC EM 7 ETAPAS
  18. 18. Gostou do material? COMPARTILHE COM SEUS COLEGAS!
  19. 19. Revista Parágrafo, segunda edição 5 dicas para trabalhar competências e habilidades da BNCC BNCC: Tudo que você precisa saber sobre a Base Nacional Comum Curricular Confira outros conteúdos relacionados VISITE A PÁGINA DE MATERIAIS EDUCATIVOS DA PAR VISITE O BLOG DA PAR BAIXAR REVISTA BAIXAR INFOGRÁFICO LER ARTIGO
  20. 20. A par é uma Plataforma Educacional parceira das escolas. Acreditamos na rede, na força do vínculo e no seu poder transformador. Junto com a gente, cada escola poderá individualizar sua proposta pedagógica a partir do seu contexto e da sua história. A par é diferente porque une conteúdo didático excepcional, suporte integral e tecnologia para facilitar o processo e alcançar resultados. Ser par é ser parte. É amparar. É compartilhar. É saber que educar é nossa missão de todo dia. É nosso presente. E é também o único jeito de mudar nosso futuro. www.somospar.com.br SAIBA MAIS SOBRE A PAR

×