O poeta do povo

287 visualizações

Publicada em

Solano Trindade, uma das maiores vozes latino-americanas.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
287
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O poeta do povo

  1. 1. O POETA DO POVO Jefferson Bruno Borges dos Santos
  2. 2. O ARTISTA, ATOR, ESCRITOR... • Dos escritores negros que deixaram sua marca na literatura brasileira, Solano Trindade foi um dos mais significativos. Isso porque foi o primeiro, e talvez o mais contundente a se dirigir, não impessoalmente a toda a população, mas também, particularmente à população negra, descrevendo os mais graves problemas sociais vividos pelos negros brasileiros, e dos quais se tornou um dos mais ilustres artistas.
  3. 3. O NEGRO • 1908 – A 24 de julho, nasce Francisco Solano Trindade, numa casa da Rua Nogueira, bairro de São José, Recife. Filho do sapateiro Manoel Abílio e da doméstica Merenciana, quituteira. • 1920 – No final da década, torna-se protestante, sendo diácono presbiteriano. • 1934 – Organiza no Recife o I Congresso Afro-Brasileiro e o II em Salvador. • 1936 – Funda no Recife, com o pintor primitivista Barros Mulato e o escritor Vicente Lima, a Frente Negra Pernambucana e o Centro Cultural Afro- Brasileiro. • - Publica o livro "Poemas Negros".
  4. 4. O NEGRO • 1940 – Em Pelotas, funda um Grupo de Arte Popular. Depois, retorna ao Recife. • 1942 – Com um grupo de artistas, expõe sua pintura no Rio de Janeiro, onde fixou residência. • 1944 – Publica o livro "Poemas de uma Vida Simples". • 1961 – Publica o livro “Cantares Ao Meu Povo”. • 1969 – Adoece e passa por vários hospitais e um asilo, até morrer, numa clínica em Santa Tereza, Rio de Janeiro, a 20 de fevereiro de 1974.
  5. 5. • Eita negro! quem foi que disse que a gente não é gente? quem foi esse demente, se tem olhos não vê… • - Que foi que fizeste mano pra tanto falar assim? - Plantei os canaviais do nordeste • - E tu, mano, o que fizeste? Eu plantei algodão nos campos do sul pros homens de sangue azul que pagavam o meu trabalho com surra de cipó-pau. - Basta, mano, pra eu não chorar, CONVERSA
  6. 6. • E tu, Ana, Conta-me tua vida, Na senzala, no terreiro - Eu… cantei embolada, pra sinhá dormir, fiz tranças nela, pra sinhá sair, tomando cachaça, servi de amor, dancei no terreiro, pra sinhozinho, apanhei surras grandes, sem mal eu fazer. Eita! quanta coisa tu tens pra contar… não conta mais nada, pra eu não chorar - CONVERSA
  7. 7. • E tu, Manoel, que andaste a fazer - Eu sempre fui malandro Ó tia Maria, gostava de terreiro, como ninguém, subi para o morro, fiz sambas bonitos, conquistei as mulatas bonitas de lá… • Eita negro! - Quem foi que disse que a gente não é gente? Quem foi esse demente, se tem olhos não vê. CONVERSA
  8. 8. O POEMA • No poema a conversa, Solano Trindade apresenta, ou supõe, o papel do negro na construção da identidade brasileira. • Faz uma retomada à memória para essa construção. • Apresenta fatos que evidenciam essa contribuição. • Cultura, dança e música. • Também discute a esteriotipação do negro.
  9. 9. • A memória individual do segundo interlocutor, “- Eu plantei algodão”, centra-se em suas lembranças vividas, no passado, assim como os demais membros que são chamados a fazer parte da conversa: a Ana “Eu cantei embolada [...] dancei no terreiro [...] apanhei surras” 5ª estrofe; e o Manoel “Eu sempre fui malandro [...] gostava de terreiro [...] subi para o morro [...] fiz sambas [...] conquistei mulatas” (7ª estrofe). As memórias foram relatadas e não transferidas de uma mente para outra. • Nos exemplos mostrados acima, percebe-se que a ligação do sujeito “eu” está sempre ligado a verbos de ação, em sua maioria no pretérito: “plantei”, “pagavam”, “cantei”, “fiz”, “servi”, “dancei”, “apanhei”, “fui”, “gostava”, “subi”, “conquistei”.
  10. 10. FIM

×