O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A geração de 90 literatura na virada

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 19 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a A geração de 90 literatura na virada (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

A geração de 90 literatura na virada

  1. 1. UNIOESTE MARECHAL CÂNDIDO RONDON JOICE FERREIRA PEREIRA NATHÁLIA ELIZ DE OLIVEIRA
  2. 2. O acontecimento histórico da Queda do Muro e da Reunificação da Alemanha deu origem a um número considerável de obras literárias cujo foco se concentra nos desdobramentos culturais e socais dessa época. Nesse sentido, o período de criação da obra exerce importante influência sobre as formas e estilos literários.
  3. 3. Desde a queda do Muro em 1989 a “literatura da virada” desenvolveu conceitos poéticos extremamente distintos. As obras de Christa Wolf, Thomas Brussig, Ingo Schulze, Clemens Meyer e Uwe Tellkamp são exemplares no que se refere ao desenvolvimento literário no decorrer dos anos. Iniciando-se com o período do silêncio que emergiu logo após a Queda do Muro, as abordagens abrangem desde o satírico e o fragmentário até a narrativa parabólica.
  4. 4. CHRISTA WOLF THOMAS BRUSSIG INGO SCHULZE CLEMENS MEYER UWE TELLKAMP
  5. 5. No Brasil, ninguém imaginaria, no começo dos anos 1990, que aquela seria a década de transição de um país assolado por crises institucionais (o presidente Fernando Collor, na iminência de sofrer um impeachment, renuncia ao cargo em 1992) e econômicas (hiperinflação, confisco) para um país democrático, com uma economia estável, diversificada e dinâmica.
  6. 6. O mercado editorial, devagar, retoma as apostas em autores nacionais, que voltam a atrair, ainda que timidamente, a simpatia do público e o conto, pouco a pouco, ganha espaço, dividindo equitativamente com o romance a preferência de escritores e leitores.
  7. 7. O surgimento de Fernando Bonassi, em 1989, com o livro de contos “O amor em chamas”, revelaria um autor prolífico, com interesses bastante variados, mas preocupado primordialmente em retratar a vida miúda dos moradores do subúrbio, os traumas decorrentes da ditadura (O céu e o fundo do mar, O menino que se trancou na geladeira) e a vida dos excluídos da sociedade (100 histórias colhidas na rua).
  8. 8. FERNANDO BONASSI
  9. 9. A publicação da antologia “Geração 90 – Manuscritos de computador”, organizada por Nelson de Oliveira, se tornará um marco não só do lançamento de uma jovem geração de escritores, mas talvez principalmente de uma nova postura dos autores em relação ao mercado editorial.
  10. 10. Nelson de Oliveira
  11. 11. Outros autores como: Marçal Aquino, Bernardo Carvalho, Rodrigo Lacerda, Amilcar Bettega Barbosa, Livia Garcia Roza, Cintia Moscovich, Paulo Lins, Ivana Arruda Leite, André Sant’Anna, Marcelo Mirisola, Tércia Montenegro entre tantos outros, também são considerados grandes nomes que marcaram essa década.
  12. 12. MARÇAL AQUINO BERNARDO CARVALHO RODRIGO LACERDA AMILCAR BETTEGA BARBOSA LIVIA GARCIA ROZA
  13. 13. CINTIA MOSCOVICH PAULO LINS IVANA ARRUDA LEITE TÉRCIA MARCELO MIRISOLA MONTENEGRO ANDRÉ SANT’ANNA
  14. 14. Diferente dos escritores da década de 70, que escreviam seus contos em máquinas de escrever, os escritores da geração de 90 produziam literatura em computadores e estavam colados na globalização.
  15. 15. A importância dos autores da década de 90, aos poucos foi crescendo, pois, em lugar de se preocuparem com a ambientação como nos anos de 1980, buscavam a desterritorialização da narrativa, criando cenários onde uma rua pode ser qualquer rua, uma cidade, qualquer cidade ou cidade nenhuma.
  16. 16. Provocou alguma surpresa quando Chico Buarque, conhecidíssimo compositor de música popular desde a década de 1960, lançou-se na literatura, em 1991. Na verdade, seu interesse pela prosa de ficção já transparecia nas incursões pelo teatro (Roda viva, 1968; Calabar, 1973; Gota d’água, 1975 e Ópera do Malandro, 1978;) e até mesmo na novela “Fazenda modelo”, de 1974, uma fábula sobre a ditadura militar. Seus três primeiros romances, Estorvo, Benjamin e Budapeste, desenvolvem situações kafkianas, quando um fato absolutamente ordinário desencadeia uma série de desencontros e estranhamentos.
  17. 17. CHICO BUARQUE
  18. 18. Na década de 90 algumas tendências tornam-se visíveis: o humor ao invés da sátira, o esvaziamento psicológico das histórias em prol da teatralização das narrativas, a indecidibilidade entre o vivido e o inventado, tornando híbridos os gêneros narrativos e os sujeitos do texto e um impulso pela reinvenção da capacidade de encontrar novos jeitos de escrever uma narrativa.
  19. 19. Literatura no Brasil. Disponível em: http://www.mundovestibular.com.br/articles/4549/1/Literatura-no- Brasil/Paacutegina1.html Lange, Britta. Literatura e a queda do muro. Disponível em: http://www.goethe.de/kue/lit/prj/lwe/hin/pt4278641.htm Ruffato, Luiz. Alguns apontamentos sobre a literatura brasileira contemporânea. Disponível em: http://conexoesitaucultural.org.br/biblioteca/alguns-apontamentos-sobre-a-literatura- brasileira-contemporanea/ A literatura brasileira de 1990 a 2004. Disponível em: http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/7096/7096_4.PDF Cordeiro, Thiago. Geração 90: contistas que retratam a urbanidade. Disponível em: http://www2.metodista.br/outraspalavras/geracao90.htm

×