Amélia & Vitor, a força do amor                                            IManuela desce de madrugada para tomar um copo ...
- O homem que está fazendo seu olhar brilhar. Eu reparei, viu?Amélia fica pensativa, como que escolhendo as palavras:- Fil...
Vitor abre um sorriso iluminado e responde:- Eu amo a Amélia e tudo que quero é fazê-la feliz, pode ter certeza.- Acredito...
- Pode - diz ela com um sorriso.Eles trocam mais beijos cheios de carinho.Amélia e Vitor ainda estão aos beijos quando Man...
- Tá certo, vou confiar. Ah, agora estou entendendo como o Bruno se sentiuquando eu quis namorar a Janaína! Não é fácil te...
- Tá bom, Vitor, mas cuidado...Ele abre um grande sorriso, pega a bandeja e dá um beijo no rosto de Terê emagradecimento.V...
- Meu filho, não ande mais sem essa proteção.- Por quê? Você acha que corro algum risco?- É até óbvio, né? Você está viven...
- Então não lembra. E se todos souberem da nossa história, o Max ficaráacuado... qualquer coisa que aconteça comigo, ele s...
Amélia olha nos olhos dele como se falasse com o olhar o quanto o ama. Oslábios dos dois vão se aproximando, e eles trocam...
mais a mulher dele... E quanto a gente voltar, nosso amor já vai ser fatoconsumado, nem o Max Martinez vai fazer alguma co...
Mais tarde, Vitor entra no quarto do hotel e avisa Amélia:- Arrume-se que nós vamos sair para jantar.- Não vai perguntar s...
Ela apenas concorda com a cabeça e o olhar.Vitor levanta-se, pega o colar, e posicionando-se atrás da cadeira de Amélia,põ...
- Imagino... agora você não tem mais nada a temer. E nós podemos vivernosso amor sem medo.- É... livres... - Amélia não co...
- Que bom - comenta Manu - Toda ajuda é bem vinda. O frigorífico é seu pordireito, Vitor, no que depender de mim você está...
XIManu e Solano partem para a lua-de-mel. Vitor e Amélia se despedem dosúltimos convidados que estavam na festa, dispensam...
Quando Amélia sai do banheiro, Vitor questiona:- E depois? Você já casou sua filha, Amélia, não tem mais com que sepreocup...
- Confio. E estou curiosa.Quando param em frente à casa de shows, Terê pergunta:- Mas aqui? O que tem na casa de shows?- A...
seu coração parar de funcionar. Com a morte do rei, a rainha e o príncipeficaram livres para viver seu amor. E foram feliz...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Amélia & vitor, a força do amor

2.477 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.477
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
141
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Amélia & vitor, a força do amor

  1. 1. Amélia & Vitor, a força do amor IManuela desce de madrugada para tomar um copo de água e encontra a mãena sala, pensativa. E se aproxima dela:- Mãe?Amélia, distraída, não escuta o chamado da filha. Manu chega mais perto,chamando de novo:- Mãe?Só então Amélia desperta do seu devaneio:- Hã? Ah, filha, nem vi você entrar...- É, eu percebi. Aconteceu alguma coisa, dona Amélia? Acordada uma horadessa...- Estou sem sono, fiquei aqui pensando na vida...- E esse olhar tristonho é por quê?Amélia olha para a filha e suspira:- Ah, Manu... preciso tomar uma decisão muito importante. Mas tenho medo dareação do seu pai.- A senhora está falando em separação? Não sou mais criança, já percebi quea relação de vocês está por um fio faz tempo. Quero lhe ver feliz, mãe... doutodo o meu apoio no que a senhora decidir.- Que bom ouvir isso, mas...- Mas o quê?Amélia olha para Manu por alguns instantes e deixa cair uma lágrima. Só entãoprossegue:- Não aguento mais, preciso abrir meu coração para você...- Pode falar, mãe... não vou lhe julgar.- Nem se eu contar que me apaixonei por outro homem? Por favor, entendauma coisa: nunca amei tanto nem fui tão amada... Isso não pode ser tãoerrado... - desabafa Amélia, num rompante.Manu, com expressão de surpresa, não fala nada. Amélia continua:- Sabe, quando casei com seu pai eu era muito jovem, não conhecia quasenada da vida. Achei que o Max era um bom homem para ser o pai dos meusfilhos, construir uma família. E eu fui feliz, sim. Mas com o tempo ele foi ficandocada vez mais rude, me tratando como se eu fosse propriedade dele...Manu finalmente consegue dizer algo:- Entendo - ela balbucia, e segura as mãos da mãe.Amélia sorri para a filha e prossegue:- Eu andava me sentindo tão... vazia, seca de sentimentos... Então apareceuesse homem e fez eu me sentir mulher novamente, sentir que não estou velha,que ainda posso viver muita coisa... Estou me sentindo viva outra vez.Amélia fica em silêncio, esperando algum comentário de Manu, que diz:- Mãe, eu quero a sua felicidade. Lute por esse amor. Meu pai vai chiar por asenhora deixar dele, mas não tenha medo. Eu e o Fred não vamos deixar queo seu Max Martinez lhe faça nenhum mal.Emocionada, Amélia abraça a filha.- Obrigada, minha filha... obrigada por apoiar e me dar coragem.Quando a mãe volta para o lugar, Manu pergunta:- Eu conheço?- Quem?
  2. 2. - O homem que está fazendo seu olhar brilhar. Eu reparei, viu?Amélia fica pensativa, como que escolhendo as palavras:- Filha... você acha loucura eu me apaixonar por homem bem mais jovem?- Claro que não. A gente não escolhe por quem se apaixona, o amor não vêidade.- É verdade - comenta Amélia, com um sorriso de quem está lembrando dealgo bom.- E então, mãe? Conheço?- Conhece, aliás, conhece muito bem.Manu olha intrigada, Amélia respira fundo e revela:- É o Vitor.- O Vitor?! - exclama Manu em voz alta, quase gritando.- Fale baixo, pelo amor de Deus - pede a mãe, apreensiva.- Desculpa, é que não podia imaginar... o Vitor... quem diria... - Manu parecelembrar-se de algo - É por isso que ele está tão mudado, então?- O acidente mexeu muito com ele, também.- A Terê me disse que o Vitor estava apaixonado... mas eu nunca iadesconfiar...- Ele disse que a vontade de me ver de novo foi o que lhe deu forças para lutarpela vida, quando ficou perdido na mata... - conta Amélia, sorrindo, com olharapaixonado.- Nossa, parece até uma história de cinema... - brinca Manu.Amélia sorri um tanto encabulada.- Mãe, o que eu disse continua valendo. Estou do seu lado. Faça o que temque ser feito. Agora vou tentar dormir e digerir isso tudo. Fica bem - concluiManuela, dando um beijo no rosto da mãe.Amélia observa a filha subir as escadas e sorri, com uma luz de esperança noolhar.No dia seguinte, logo após o café da manhã, Amélia pede para conversar comMax no escritório. Torcendo as mãos de nervoso, ela respira fundo e diz:- É melhor eu ir direto ao assunto. Max, eu quero o divórcio.- O quê? Estás brincando.- Estou falando muito sério.- Pois tire o cavalo da chuva, porque não vais te separar de mim.- Ora, Max, você pensa que é meu dono?- Mas que atrevimento é esse?- Vai ser difícil chegar a um acordo com você. Queria resolver essa situaçãopacificamente, mas se não tem outro jeito... - Amélia se dirige à porta.- O que vais fazer?- Logo você vai saber... - ela responde, e sai. IIEnquanto isso, Manu procura Vitor na estalagem.- Manu, que surpresa...- Podemos conversar?- Claro, senta.Manu pensa um pouco e diz:- Vitor, minha mãe me contou tudo. Disse que vocês estão apaixonados.
  3. 3. Vitor abre um sorriso iluminado e responde:- Eu amo a Amélia e tudo que quero é fazê-la feliz, pode ter certeza.- Acredito nisso. E vocês têm o meu apoio. Conheço bem o pai que eu tenho...e sei que minha mãe merece muito mais do que ele pode dar. Só acho queprimeiro ela tem que resolver a situação com ele.- Claro, é o correto... Muito obrigado, Manu, de coração - agradece Vitor,abraçando-a.- De nada. Só mais uma coisa: toma cuidado com a minha mãe, hein?- Sempre. A Amélia é o que há de mais importante na minha vida.Depois, Manuela procura Fred e conta tudo ao irmão. Passado o choque inicial,ele comenta:- Bom, eu sou o que menos pode criticar. Afinal, me apaixonei por uma mulhermais madura.- É isso aí, maninho. A dona Amélia precisa de nós nesse momento.Amélia faz as malas e coloca tudo no carro. Quando está fechando o porta-malas, Max se aproxima:- Que tu pensas que estás fazendo?- Indo embora. Vou viver a minha vida, longe de você.- Se saíres daqui, vais com uma mão na frente e a outra atrás. Não vais levarnada, tudo isso foi comprado com o meu dinheiro.- É, Max, mas nós casamos com comunhão de bens. Eu tenho meus direitos.- Isso é o que nós vamos ver.- Ah, é? - responde Amélia com ar de desdém, e entra no carro, indo embora.Vitor está descendo as escadas quando Amélia entra na estalagem com umamala. Ele corre na direção dela:- Amélia!Ela põe o dedo na frente dos lábios, sinalizando para ele não dizer nada. Dáum olhar cúmplice a ele, e depois se dirige a Terê:- Tem um quarto vago?- Ah, minha amiga, que bom ver você aqui. Vem comigo.Amélia troca mais um olhar com Vitor e segue com Terê.Logo depois, Vitor bate na porta do quarto de Amélia.- Pode entrar.Ele entra e lhe dá um beijo muito apaixonado. Sorrindo, ela diz:- Me libertei, Vitor...Ele olha nos olhos dela e responde:- Agora você está livre para mim...- É, só faltam as formalidades. Mas o importante é que consegui, dei o passoque precisava.Eles beijam-se novamente. Os beijos vão ficando mais quentes, eles deitam-sena cama. Mas Amélia interrompe:- Calma, Vitor... aqui não, ainda não. Pode chegar alguém.- Tem razão. Mas é tão difícil resistir... - ele concorda, dando-lhe um delicadobeijo nos lábios.Amélia sorri olhando para Vitor e levanta-se. Ele vai atrás e a abraça:- Vou tentar me controlar... mas ficar assim abraçadinho, pode, né?
  4. 4. - Pode - diz ela com um sorriso.Eles trocam mais beijos cheios de carinho.Amélia e Vitor ainda estão aos beijos quando Manu e Fred batem na porta.- Mãe, viemos te ver, eu e o Fred - avisa Manu. IIIAmélia se afasta um pouco de Vitor, respira fundo e diz:- Podem entrar.Manu entra já indo abraçar a mãe, Fred vem atrás.- Liguei para casa e a Lurdinha me contou que você saiu com as malas - relataManu.- Foi o seu apoio que me deu coragem, filha.Fred dá um beijo na mãe e cumprimenta Vitor:- Tudo bem?- Tudo.Amélia se apressa a falar, nervosa:- O Vitor me viu chegar com malas, veio saber como eu estava...Manu e Fred se olham com um sorriso travesso, e ela diz:- Mãe, o Fred já sabe do sentimento que está rolando entre vocês. Eu contei aele.- Manu! Por que você fez isso? - responde a mãe, encabulada.- Porque eu sabia que a senhora ia ficar desse jeito, com medo de falar. E eutinha certeza que ele ia entender.Amélia fica mais sem jeito ainda, e Fred a acalma:- Fica tranquila, mãe, está tudo bem. Pode contar comigo para o que precisar.Emocionada, Amélia dá um beijo no rosto do filho. Manu interrompe, sedirigindo ao irmão:- Agora você e o Vitor vão lá pra fora porque eu quero conversar a sós com aminha mãe.- Já estamos saindo, maninha!Depois que eles saem, Manu segura as mãos de Amélia e pergunta:- E então, mãe, como a senhora está?- Ah, filha... apavorada, mas muito mais feliz.- Apavorada por quê?- O que vou fazer da minha vida agora?- Vai ser feliz, dona Amélia...- É, vou ser feliz... - concorda Amélia, sorrindo.Fred também conversa com Vitor:- Olha, cara, não quis dizer nada na frente da minha mãe porque ela já passoupor emoções muito fortes hoje... mas eu ainda estou bastante surpreso comtudo isso. Não se preocupe, não vou me opor, muito pelo contrário. Só levei umsusto.- Fred, lhe dou a minha palavra: jamais farei qualquer coisa que magoe aAmélia.
  5. 5. - Tá certo, vou confiar. Ah, agora estou entendendo como o Bruno se sentiuquando eu quis namorar a Janaína! Não é fácil ter uma mãe tão jovem ebonita... - Fred dá uma risada, e Vitor também ri.À noite, Amélia deita-se cedo, bastante cansada das emoções do dia. Estáquase em sono profundo quando sente alguém lhe abraçar. Abre os olhos e vêVitor. Eles se olham nos olhos por alguns instantes, até que Vitor diz comdoçura:- Não aguentei saber que você estava tão perto... Vamos passar a noite juntos?- Seu maluco... - ela responde, sorrindo.Vitor sorri também e a beija intensamente, com as mãos percorrendo o corpodela. Amam-se, cuidando para não fazer barulho.Antes do sol nascer, Terê abre uma frestinha da porta do quarto. Vê Amélia eVitor dormindo abraçados, e chama o rapaz, sussurrando:- Vitor... Vitor...Ele abre os olhos e em seguida Amélia também acorda.- Eu tinha certeza de que você estaria aqui. Agora vá para o seu quarto antesque os outros hóspedes acordem - pede Terê, com ternura.Vitor beija Amélia com carinho e se levanta. Ao passar por Terê, dá um beijo norosto dela e diz:- Acho que você é nosso anjo da guarda... ou nossa fada madrinha?Terê sorri, e Vitor sai do quarto.Amélia então comenta:- Ai, minha amiga, parece que eu voltei a ter 15 anos...- E está sendo muito bom, pelo que eu percebo. Nunca vi tanto brilho no seuolhar.- Só espero que o Max não descubra tão cedo. Temo que ele faça algumacoisa contra o Vitor.- Não pense nisso agora. Aproveite toda essa felicidade.Amélia sorri, e Terê sai do quarto. Depois de fechar a porta, Terê pensa em vozalta:- Que Deus proteja esses dois... IVNo dia seguinte, a separação de Amélia e Max é o assunto da cidade. Alguémcomenta de cá, outro comenta de lá, logo se começa a especular que Améliatrocou o marido por um homem mais jovem, já que Max é bem mais velho doque ela.Na fazenda, Max pede para o delegado Geraldo vigiar Amélia, tentar descobriro que ela está fazendo.- Sei que ela foi para a estalagem. Vou passar por lá, ver se pesco algumacoisa. Mas não posso ficar vigiando todos os passos da sua mulher, Max.- Buenas, mas tente descobrir quem é o safado. Tenho certeza que tem outromacho nessa história...Na estalagem, Terê está levando uma bandeja de café da manhã quando Vitora aborda no corredor:- Deixa eu levar? Por favor, Terê... ninguém vai ver - ele pede com ternura.
  6. 6. - Tá bom, Vitor, mas cuidado...Ele abre um grande sorriso, pega a bandeja e dá um beijo no rosto de Terê emagradecimento.Vitor entra no quarto com a bandeja, e Amélia acorda.- Bom dia, meu amor... - ele diz, colocando a bandeja na cama, e beijando oslábios de Amélia.- Ninguém viu você subindo com tudo isso? - pergunta ela, apreensiva.- Não se preocupe, era a Terê quem estava trazendo... só peguei aqui na porta.- Ah, melhor assim... - responde Amélia, mais tranquila.Vitor olha para ela com ar apaixonado. Depois, pergunta, com um sorriso:- Dormiu bem?Amélia sorri, um tanto encabulada:- Você ainda pergunta... - ela acaricia o rosto dele e continua - Vitor, é tudo tãomaravilhoso que dá até medo.- Medo por quê? - ele questiona com doçura.- De que essa nossa felicidade seja ameaçada por alguma coisa...Vitor olha bem nos olhos de Amélia e diz:- Eu não vou deixar nada estragar nossa felicidade. Fica tranquila - ele garante,abraçando-a com força e carinho.Eles ficam abraçados por alguns instantes, até que Amélia diz:- Eu amo você...- Também te amo, muito.Trocam um beijo apaixonado.Depois, Vitor pega uma pequena torrada, passa um pouco de geléia e leva àboca de Amélia, com carinho.À tardinha, Geraldo volta à fazenda e relata à Max:- Segundo o que apurei, dona Amélia não saiu da estalagem desde quechegou.- Então pode ser que o amante dela também esteja morando lá.- O senhor desconfia de alguém?Max coça a cabeça:- Pior é que desconfio... mas vou tomar minhas providências.- Max, vê lá o que você vai fazer...- Não esquente a cabeça, Geraldo. Com Max Martinez, não há ponto sem nó!Terê entra no quarto de Vitor trazendo algumas roupas limpas. O rapaz estápensativo, com um sorriso no rosto. Ela comenta:- O amor é lindo, mesmo...Ele sorri mais ainda e, quando Terê deixa as roupas sobre sua cama, seguraas mãos da amiga, dizendo:- Obrigado por tudo. Você tem sido nosso anjo, com certeza.Ao segurar nas mãos de Vitor, Terê tem uma visão. Vê um tiro sendodisparado. Ela olha para o rapaz com um jeito preocupado, e ele percebe:- O que foi, Terê?- Nada, não - ela tenta disfarçar - Mas tome cuidado. VNo dia seguinte, bem cedo, Terê entrega um amuleto para Vitor.
  7. 7. - Meu filho, não ande mais sem essa proteção.- Por quê? Você acha que corro algum risco?- É até óbvio, né? Você está vivendo uma história com a mulher de MaxMartinez. E ele é perigoso.- Eu não tenho medo dele.- Não é questão de medo, mas de cautela. Por favor, não saia mais sem esseamuleto no pescoço, tá?Vitor coloca o cordão no pescoço e assegura:- Pode deixar.O sol começava a se pôr quando Vitor foi caminhar na beira do rio. Andavacomo se flutuasse, de tão feliz que estava. De repente, um tiro o acerta. Elecai, mas logo percebe que não se feriu. A bala acertou o amuleto, ficandopresa nele. Impressionado, Vitor volta correndo para a cidade. Procura pelodelegado e registra queixa da tentativa de assassinato, mostrando a bala. Maspede para ficar com o amuleto mais um pouco, porque precisa mostrar parauma pessoa. Geraldo concorda, desde que depois ele entregue a peça para aperícia.Vitor chega na estalagem quase sem fôlego, chamando:- Terê! Terê!Ela aparece logo, preocupada:- Que foi, que desespero é esse?Ele mostra o amuleto com a bala encravada, e Terê exclama:- Meu Deus! Quando foi isso?- Agora há pouco, na beira do rio. Você sabia que isso ia acontecer, por issome deu o amuleto, não é?- Eu tive um aviso, sim. Que bom que você me ouviu! - ela responde,abraçando o rapaz.Amélia desce as escadas depressa:- Vitor! O que aconteceu?- Sofri um atentado, Amélia - ele responde, mostrando a bala no amuleto.- Você não se feriu? - ela pergunta, tocando nele, muito nervosa.- Calma, está tudo bem... Isso me protegeu - Vitor ainda mostra o amuleto.Amélia fica pensativa e depois pergunta:- Você acha que pode ter sido o Max?- E quem mais ia querer me matar? - ele devolve.- Ah, Vitor, não vou me perdoar se o Max fizer alguma coisa com você... -Amélia afirma, abraçando o rapaz.- Ele não vai conseguir. Eu não vou lhe deixar sozinha, Amélia - Vitor promete,abraçando ela com força.Os dias passam, e Amélia e Vitor parecem cada vez mais apaixonados. Masapenas Terê, Manu e Fred sabem do romance.- Ah, Amélia, eu queria gritar pro mundo inteiro ouvir o quanto te amo... - Vitorcomenta, depois de mais um beijo trocado no quarto dela.- Eu também, Vitor... mas é melhor ainda tomarmos cuidado. O Max é capaz detudo. Se só por desconfiança ele já... ai, não quero nem lembrar.
  8. 8. - Então não lembra. E se todos souberem da nossa história, o Max ficaráacuado... qualquer coisa que aconteça comigo, ele será o principal suspeito, jápensou? O Max pode ser qualquer coisa, menos burro.- É verdade... vou pensar, sei que não podemos ficar nos escondendo parasempre... mas me dê mais um tempo?- Claro, Amélia, o tempo que você precisar... - ele responde, beijando os lábiosdela.Mais tarde, Vitor procura Manu:- Manu, você me ajudaria a fazer uma surpresa para a Amélia?- O que você precisa que eu faça?- Vou te explicar, chega mais perto. Ninguém pode ouvir. VIPela manhã, Manu visita a mãe na estalagem e convida:- Vim lhe buscar para um passeio de lancha. Coloque um maiô e vamos...- Mas, filha...- Isso não é um convite, é uma intimação. A senhora vai passear comigo -Manuela afirma, com um sorriso travesso.- Está bem, vou me arrumar - Amélia concorda.Ao chegarem na beira do rio, Amélia se depara com Vitor.- Manuela? - ela olha para a filha pedindo uma explicação.- É isso mesmo, mãe. Eu lhe trouxe para passear com o Vitor. Vocês vão paraum lado e eu para o outro. Mais a tarde nos encontramos aqui de novo. Paratodos os efeitos, a senhora saiu e voltou comigo.- Vocês são loucos... - comenta Amélia, sorrindo.- Vem, Amélia, a tarde é nossa - chama Vitor.Ela olha para a filha e sorri, depois vai até Vitor, que a ajuda a subir na lancha.Eles partem navegando pelo Araguaia.Vitor leva a lancha até uma praia deserta, num canto mais escondido do rio.- Vamos parar aqui um pouco? - ele sugere, já desligando os motores e tirandoa camiseta.- Pra quê? - pergunta Amélia, insegura, mas olhando para o tórax dele.Vitor a enlaça pela cintura e olha nos olhos dela:- Aqui nós estamos livres, podemos fazer o que quiser... ninguém vai nos ver.Ele a beija com carinho, depois tira com cuidado a túnica que ela tem sobre omaiô.- Vem, vamos para a água - Vitor convida.Ele tira a bermuda, ficando só de sunga, e pula na água. Então chega bemperto da lancha e estende a mão para Amélia. Ela segura a mão dele e vaidescendo com cuidado, até estar nos braços de Vitor, na água. Ele a beija e vaidescendo com ela até estarem submersos. Vitor beija Amélia mais um poucodentro da água e eles voltam para a superfície. Amélia ajeita os cabelos e ri:- Sabe que eu nunca tinha feito isso antes?- Feito o quê?- Ah... namorar dentro do rio - ela confessa, um pouco encabulada.Vitor dá um grande sorriso e comenta:- Viu, como você ainda tem muita coisa pra viver?
  9. 9. Amélia olha nos olhos dele como se falasse com o olhar o quanto o ama. Oslábios dos dois vão se aproximando, e eles trocam mais um beijo apaixonado.Vitor desce com beijos pelo pescoço dela, baixa uma alça do maiô e continuabeijando o colo de Amélia, chegando até os seios. Eles se entregamcompletamente àquele momento, e se amam dentro do rio.Quando voltam para a lancha, Amélia diz, sorrindo:- Vitor, que loucura nós fizemos...- Uma loucura maravilhosa - ele responde com um sorriso iluminado.- Tem razão - ela concorda, acarinhando o rosto dele e o olhando com jeitoapaixonado.Vitor liga a lancha e eles voltam ao ponto de partida. Manuela chegapraticamente ao mesmo tempo. Descem à terra juntos.- Não quero saber nada, mãe - Manu se apressa a dizer - Mas é muito bom veresse brilho no seu olhar...- Vou indo na frente. Até mais tarde, Amélia... - avisa Vitor, roubando um rápidobeijo dela - E muito obrigado, Manu.- De nada.Amélia espera Vitor se afastar e então abraça Manu:- Ah, filha... foi uma tarde de sonho.- Então tudo valeu a pena, dona Amélia...Elas vão caminhando de volta à cidade, abraçadas.Amélia chega à estalagem e vai tomar um banho. Quando sai do banheiro,ainda de roupão, encontra Vitor sentado em sua cama.- Vitor? O que você está fazendo aqui?- Não consigo mais ficar longe de você, Amélia... - ele responde enquanto selevanta e se aproxima dela. E a beija apaixonadamente. VIIQuando descolam os lábios, depois de um beijo demorado, Amélia questionacom doçura:- Mas nós passamos a tarde inteira juntos...- Sim, mas depois voltamos para cá separados, como se estivéssemos fazendoalgo errado. E não estamos, Amélia! Pra quê continuar se escondendo?- Já conversamos sobre isso, Vitor...- Eu sei, e prometi esperar o seu tempo. Só que é muito difícil disfarçar o quesinto. Acho que qualquer pessoa que me pegue olhando pra você vai conseguirenxergar nos meus olhos que eu te amo...- Não dá para esconder completamente, é verdade. Mas eu tenho medo não épor mim, é por você... não aguentaria te perder, Vitor - confessa Amélia,abraçando ele.- Você não vai me perder - ele afirma.- Como eu queria ter essa sua segurança...- Tenho certeza que um amor tão forte nada nem ninguém pode destruir - Vitorexplica, olhando nos olhos de Amélia, que sorri emocionada.Ele continua:- Nós temos que ir embora daqui, Amélia, nem que seja apenas por um tempo,até a poeira baixar, até o Max se acostumar com a idéia de que você não é
  10. 10. mais a mulher dele... E quanto a gente voltar, nosso amor já vai ser fatoconsumado, nem o Max Martinez vai fazer alguma coisa contra.Amélia pensa um pouco e responde:- Talvez seja a melhor solução... Mas quero conversar com meus filhos antesde decidir qualquer coisa. Está bem?- Claro, converse com eles. Mas não demora muito pra decidir, tá? Porque eunão vejo a hora de sair com você daqui, de poder mostrar pra todo mundo oquanto te amo...- Eu também quero isso, viu? - ela garante, e eles beijam-se de novo.Alguns dias depois, Amélia e Vitor saem da cidade. E a notícia de que elesviajaram juntos corre de boca em boca. Assim que fica sabendo, o delegadoGeraldo procura Max:- Já está sabendo, Max? Sua mulher viajou com Vitor Villar.- Como é? Com aquele moleque?- É, e pelo que andam dizendo, eles pareciam dois pombinhos - conta odelegado, em tom irônico.- Não é possível que a Amélia ande enrabichada por um guri que tem idadepara ser filho dela... isso é uma afronta.- Pois é, Max... - comenta Geraldo, se segurando para não rir.Assim que Geraldo vai embora, Max procura Manuela e pergunta:- Por acaso tu sabes se tua mãe anda de cacho com o teu ex-noivo?- Disse bem, pai: ex-noivo. O Vitor é livre para namorar com quem ele quiser. Eminha mãe também. Ela já se separou do senhor, lembra?- Então é verdade! A Amélia não tem vergonha de se deitar por aí com um gurique mal deixou as fraldas?- Modere as palavras, seu Max... E o Vitor não é nenhum moleque. Aliás, eletem muito mais caráter que o senhor...- Até você está contra mim, Manuela?- Ora, pai, o senhor só está colhendo o que plantou. Não é? - diz Manu, e sai,deixando o pai sozinho.Max pensa em voz alta:- Eu preciso fazer alguma coisa. Não posso deixar isso barato... Amélia e Vitorme pagam. VIIIAmélia e Vitor vão para Paris. Eles caminham à beira do rio Sena, de mãosdadas. De repente, Vitor pára.- Que foi, Vitor?- Vem cá - ele diz, puxando Amélia para seus braços e beijando-aapaixonadamente.Quando consegue, ela diz quase sem fôlego:- Vitor, estamos no meio da rua, está todo mundo olhando...- É isso mesmo que eu quero, que olhem, que todo mundo veja o nosso amor -ele responde, aumentando o volume da voz a cada palavra, quase gritando"nosso amor" enquanto toma Amélia nos braços e rodopia com ela.Quando a coloca no chão de novo, Vitor olha para Amélia com um sorrisoradiante. Ela também sorri de um jeito que transborda felicidade.
  11. 11. Mais tarde, Vitor entra no quarto do hotel e avisa Amélia:- Arrume-se que nós vamos sair para jantar.- Não vai perguntar se eu quero ir? Ou já está querendo me dar ordens? - elaquestiona, chateada.Vitor olha para ela com olhar quase desesperado:- Desculpa, Amélia, desculpa... não tive a intenção de ser rude. Quero tanto tefazer feliz que acabo atropelando você, né? Perdoa meu mau-jeito, por favor...- Calma, Vitor... - ela diz com ternura - Sei que você não é autoritário como oMax. Você é jovem, impulsivo... age sem pensar às vezes. Só quero que vocêmeça um pouquinho as palavras, entende?- Tenho muito que aprender ainda, né? Quero ser o melhor homem do mundopara você, Amélia.- Você já é... - ela afirma, chegando mais perto dele.Eles se olham e terminam em mais um beijo apaixonado.Na entrada do restaurante, Vitor pede ao maitre:- Uma mesa para mim e minha mulher.Amélia percebe que ele fala "minha mulher" cheio de orgulho, e sorri, muitofeliz por sentir-se tão amada.Eles acomodam-se na mesa, e Vitor pede champagne. Quando a bebidachega, ele entrega uma taça para Amélia. Com a outra mão, segura a mão delae pergunta:- Você não acha que um amor como o nosso merece muitos brindes?Ela olha nos olhos dele e lembra de tudo que viveram até aquele momento: oprimeiro beijo, o reencontro após o acidente dele, o beijo no banheiro, aprimeira noite de amor, a tarde no rio...- Muitos. Todos os brindes possíveis - Amélia finalmente diz, emocionada.Eles tocam as taças e bebem um gole de champagne, sem tirar os olhos um dooutro. Vitor chama o garçom novamente e pede:- Pode trazer.Amélia fica olhando, intrigada, enquanto Vitor tira uma caixinha do bolso. Ogarçom chega e entrega a ele uma outra caixa parecida mas um tanto maior.- Essa não cabia no bolso - comenta Vitor, com um sorriso travesso, enquantocoloca a caixa maior sobre a mesa.- Você está me deixando curiosa - confessa Amélia, sem conseguir disfarçar aansiedade.- Já vou matar sua curiosidade... - ele responde, abrindo a caixinha emostrando um anel dentro dela.- Nossa, é lindo... - é só o que Amélia consegue dizer.Vitor pega o anel e, com todo o cuidado, coloca no dedo dela, finalizando comum carinhoso beijo na mão.- Vitor, não sei nem o que dizer...- Espera que tem mais... como você mesmo diz, eu sou impulsivo. Fui paracomprar um anel, mas não resisti, porque quando vi isso, imaginei como ficarialindo em você - ele fala, enquanto entrega a caixa maior nas mãos dela.Amélia abre a caixa. Dentro, o colar mais lindo que ela já viu.- Você é maluco... - ela comenta sorrindo.Ele dá um grande sorriso e pergunta:- Posso colocar em você?
  12. 12. Ela apenas concorda com a cabeça e o olhar.Vitor levanta-se, pega o colar, e posicionando-se atrás da cadeira de Amélia,põe o colar no pescoço dela. Depois volta para a frente dela e a contempla.- Como você consegue ficar ainda mais linda? - ele comenta com um olharapaixonado.De repente, eles se dão conta que o restaurante inteiro está parado,observando os dois. Vitor olha ao redor e anuncia:- É isso mesmo, eu amo essa mulher!- Vitor, pára... - Amélia sussura, encabulada, mas ao mesmo tempo encantadacom a declaração pública de amor.Vitor senta-se novamente e olha para Amélia.- Parar? Estou só começando... IXDurante os dois meses seguintes, Vitor e Amélia passam por várias cidades daEuropa. Em cada uma delas, Vitor rouba beijos de Amélia no meio da rua, e fazsurpresas durante os passeios.No Araguaia, Max passa quase todo o tempo tentando arquitetar umavingança, mas não consegue achar o que considera o plano perfeito. Até queele tem um infarto e morre. Assim que recebem a notícia, através de Manuela,Amélia e Vitor voltam correndo. Chegam logo após o enterro e vão direto paraa casa da fazenda, onde encontram Manu sendo consolada por Solano.- Como você está, minha filha? - é a primeira coisa que Amélia pergunta aManu, enquanto abraça a filha.- Estou bem, seguindo em frente.Solano se despede e vai embora. Amélia pergunta à Manu:- E o Fred?- Estava aqui até há pouco. Só foi para a casa da Janaína depois que o Solanochegou para ficar comigo. Não sei se o Fred estava se segurando para me darforça, mas não vi ele derramar nenhuma lágrima pelo papai.- Meus sentimentos, Manu - diz Vitor - por mais que eu tivesse meus problemascom o Max, ele era seu pai.- Obrigada, Vitor. Mas imagino que você esteja se sentindo aliviado com amorte do meu pai. Afinal, agora Max Martinez não é mais uma ameaça paravocês.- Não posso negar isso, né? - responde ele, constrangido.- Tudo bem, não se culpe. Eu sei bem o quanto ele queria vingança.- Obrigado - conclui Vitor, se dirigindo em seguida à Amélia - Vou visitar a Terê,o pessoal da estalagem... sei que é você quem a Manu mais precisa nessemomento.Amélia dá um rápido e delicado beijos nos lábios dele, e Vitor sai, enquantoManu se aconchega nos braços da mãe.Horas depois, quando Vitor volta, encontra Amélia sozinha na sala. Ele não falanada, apenas a abraça.- Ah, Vitor... por um lado, eu sinto pelos meus filhos... mas por outro, é como seeu tivesse tirado um peso tão grande das minhas costas. Me sinto livre comonunca senti - ela desabafa.
  13. 13. - Imagino... agora você não tem mais nada a temer. E nós podemos vivernosso amor sem medo.- É... livres... - Amélia não consegue dizer mais nada, porque Vitor a beijaintensamente, e ela corresponde aos beijos.Eles ainda estão trocando beijos apaixonados quando ouvem a voz de Manu,que está descendo as escadas:- Mãe?Amélia se afasta de Vitor e abraça a filha enquanto diz a ela, com ternura:- Achei que você ainda estava descansando. Eu já ia avisar ao Vitor que voupassar a noite com você, dando um colinho de mãe... - Amélia se dirige a Vitor- Você compreende, né?- Claro, Amélia... já esperava por isso - ele responde.- Se você quiser pode ficar no quarto de hóspedes, Vitor. Não precisa pegar aestrada pra cidade a essa hora da noite... - convida Manu.Amélia sorri e acrescenta:- Fica. Vou pedir pra Lurdinha arrumar o quarto.É quase madrugada quando Amélia entra no quarto de hóspedes e senta nacama, pertinho de Vitor.- A Manuela dormiu, acho que está mais tranquila...- E você, como está?Amélia olha para ele e pede:- Preciso de um abraço bem forte...Imediatamente, Vitor a aperta em seus braços.- Ah, que bom... ao seu lado parece que eu ganho mais força, que até minhaalma se revigora - ela comenta baixinho, quase no ouvido dele.- Então fica aqui nos meus braços o quanto você precisar...- Eu ficaria todo o tempo do mundo... - Amélia responde sorrindo - mas precisovoltar para o quarto da Manuela.- Está bem. Mas se precisar de mais um abraço... - ele avisa, beijando-a comcarinho. XManu, Amélia e Vitor estão tomando o café da manhã quando Fred chega.- Filho! - diz Amélia, levantando para abraçá-lo - você está bem?- Já chorei tudo que tinha pra chorar, mãe. Agora é seguir em frente.- Foi bom você falar isso, Fred. Nós temos que decidir como tocar a fazenda.Há famílias que dependem dela, o trabalho tem que continuar - lembra Manu.- É... faça o que achar melhor, Manu. Vou continuar com minha operadora deturismo, não pretendo me envolver com a fazenda - responde o irmão- Vai largar tudo nas minhas mãos, é? - retruca ela, em tom de leve brincadeira.- Com carta branca - assegura Fred - E acho que você tem alguém bem maiscapacitado que eu para lhe ajudar nessa tarefa - ele acrescenta, olhando paraVitor.- Com certeza, pode contar comigo para o que precisar. Tanto aqui na fazendacomo no frigorífico. O Max era o sócio majoritário, vocês vão herdar as açõesdele - afirma Vitor.
  14. 14. - Que bom - comenta Manu - Toda ajuda é bem vinda. O frigorífico é seu pordireito, Vitor, no que depender de mim você está de volta ao controle dele.Mas, voltando à fazenda... mãe, Fred, eu queria fazer algo que vai marcar ocomeço de um novo tempo no Araguaia... e gostaria do apoio de vocês.- No que você está pensando, filha?- Bom, eu e o Solano já estamos planejando nosso casamento ... então, é aténatural que a gente pense em unir as duas fazendas numa só. Essas terras jáforam motivo de tanta discórdia... a partir de agora podem representar a paz. Eo respeito por cada trabalhador, como já acontece em Girassol.- Nossa, Manuela, que palavras lindas... eu estou do seu lado, minha filha -assegura Amélia.- E claro que eu também, maninha - acrescenta Fred.Manuela sorri e avisa, animada:- Então vou começar a arregaçar as mangas. Vou procurar o Solano.Chega o dia do casamento de Manu e Solano. A cerimônia é feita na fazenda,ao ar livre. Na mesma mesa se reúnem, além dos noivos, Amélia e Vitor, Frede Janaína, Bruno e Teresinha, Beatriz, Tavinho e Lenita, como uma só família.Depois, enquanto todos dançam e se divertem, Amélia observa um pouco àdistância. Vitor chega por trás e a abraça, perguntando com ternura:- Que foi, porque não vem participar da festa?- Estou contemplando a felicidade da minha filha... sabe, Vitor, não tem nadaque realize mais uma mãe do que ver um filho assim, feliz com toda aplenitude.- Imagino...Amélia olha para Vitor e acaricia seu rosto:- Eu não posso mais te dar filhos... tem certeza que não vai se arrepender denão ter escolhido uma mulher mais jovem?- Amélia, eu já te garanti que não me importo... não pensa mais nisso. Sabe oque eu acho? Que assim é até melhor... sem crianças, eu tenho mais tempopara cuidar de você.- Ah, Vitor... você existe mesmo? - brinca Amélia, com um sorriso iluminado.- Existo e amo você - ele responde, beijando-a - E antes que eu esqueça: eunão te escolhi, acho que já estava escrito... você é minha metade, lembra?Eles trocam mais um beijo apaixonado, e depois Amélia olha para Manu eSolano novamente. Fica observando por alguns instantes e comenta:- Não é engraçado lembrar que podia ser você quem estaria se casando com aManuela?- Ainda bem que isso não aconteceu, né? Imagina, Amélia, se eu tivessecasado com a Manu e depois me descobrisse apaixonado por você? Ia seruma tragédia... - Vitor dá uma risada.- Bobo... - Amélia também ri.- Tá, então vou falar sério - ele olha nos olhos dela - Você é o amor da minhavida, e eu te amo como nunca amei e nem vou amar mulher nenhuma.- Também te amo, Vitor, como nunca imaginei que fosse possível amaralguém...Vitor sorri e suavemente se aproxima dos lábios de Amélia, beijando-a comamor. Entre os beijos, ele sussurra "te amo" várias vezes. A cada declaraçãodele, ela também sussurra "te amo".
  15. 15. XIManu e Solano partem para a lua-de-mel. Vitor e Amélia se despedem dosúltimos convidados que estavam na festa, dispensam os empregados e entramna casa.- Estou feliz, mas exausta. Tudo que eu preciso agora é de um bom banho -comenta Amélia.- Boa ideia... eu também preciso - diz Vitor, com um sorriso travesso e um olharcarregado de segundas intenções.- Vitor, você não está pensando... - questiona Amélia, sem conseguir terminar afrase, querendo censurá-lo mas sorrindo.- Qual o problema, Amélia? Estamos sozinhos aqui... vem, vamos para o banho- ele responde, pegando a mão dela e conduzindo Amélia pela escada.No manhã seguinte, Vitor entra no quarto com uma bandeja de café e a colocanum canto da cama. Ele se aproxima de Amélia e fica por alguns instantes aobservando.- Amélia... você é linda até dormindo... - ele murmura para si mesmo.Em seguida, acaricia o rosto dela, que acorda ao sentir o toque.- Bom dia... - ele diz, trazendo a bandeja para mais perto de Amélia.- Vitor... nossa, acho que eu dormi demais. Eu queria trazer café pra você nacama, mas não consegui acordar a tempo - ela comenta.- Você ainda vai ter oportunidade. Mas hoje é minha vez - ele diz com ternura.Ela sorri e senta-se na cama, começando a tomar o café. Eles fazem a refeiçãojuntos. Amélia comenta:- O dia ontem foi mesmo muito cansativo... Acho que vou ficar um pouco maisna cama.- Podemos passar o dia inteiro aqui. É domingo, e estamos só nós dois emcasa mesmo... - Vitor sugere com um olhar sedutor.- É, então acho que podemos nos permitir um dia inteiro de "dolce far niente"...- ela devolve, sorrindo.- Você acha que eu vou ficar ao seu lado sem fazer nada? - ele pergunta comum sorriso malicioso, enquanto coloca a bandeja no chão e cola seu corpo aode Amélia, beijando-a intensamente.Chega a segunda-feira, e Amélia acorda com o barulho do despertador. Olhapara o lado e vê Vitor já sentando-se na cama e se espreguiçando.- Vitor, por que está acordando tão cedo? - ela pergunta ainda com voz desono.- Preciso ir para Juruanã, tenho um frigorífico para tocar, lembra?- É mesmo, já havíamos falado nisso.- Você não vem?- Prometi para a Manuela que ficaria cuidando da fazenda enquanto ela estiverfora.- Mas eu não vou deixar minha mulher sozinha aqui, não - ele avisa com umtom protetor - Vamos fazer assim: você vem comigo, eu resolvo tudo lá nofrigorífico, passo algumas instruções e tiro o restante da semana de folga. Agente volta ainda hoje para a fazenda.- Você pensa em tudo mesmo... - ela responde com um sorriso, e levanta-se dacama, indo em direção ao banheiro - Vou me arrumar.
  16. 16. Quando Amélia sai do banheiro, Vitor questiona:- E depois? Você já casou sua filha, Amélia, não tem mais com que sepreocupar... quando você vai morar de vez comigo em Juruanã? Eu adoro ficaraqui em Girassol, mas não posso trazer o frigorífico na mala... - ele ri, econtinua - Prometo que vamos vir sempre para cá.Ela se aproxima e olha nos olhos dele antes de responder:- Você tem razão... depois que a Manuela chegar, eu faço as malas.Vitor abre um grande sorriso e diz:- Vou contar os dias. XIIApós o retorno de Manu e Solano, as terras das famílias Martinez e Rangel setornam uma só, aumentando a cidade de Girassol. Amélia deixa o casarão dafazenda para a filha, mas Manu sugere que a mãe e Vitor tenham a própriacasa lá. Vitor manda construir uma casa menor, mas muito aconchegante, paraonde eles vão todos os fins de semana.Numa tarde de sábado, Amélia e Vitor estão abraçados numa rede,descansando, quando ele comenta:- Estava pensando... a Terê nos ajudou tanto, queria dar um presente para ela.Mas não um presente qualquer.- Você tem alguma idéia?- Tenho. Preciso primeiro falar com o Fred e a Janaína. Vamos lá agora?- Claro, vou adorar ver meu filho.Vitor sugere a Fred e Janaína que a casa de shows abrigue um espetáculo decirco uma vez por semana.- Vocês só entram com o local. Os custos ficam por minha conta. Mas nãofalem nada para a Terê, é uma surpresa.Os dois apoiam a idéia de Vitor, e ele procura Neca Tenório para contar anovidade. E pede que o artista organize todo o primeiro espetáculo sem contarnada para a mãe, colocando-se a disposição para ajudar, principalmente comas despesas.No dia marcado para o espetáculo, Amélia e Vitor visitam Terê, que fica muitofeliz com a presença deles.- Meus amigos! Como é bom vê-los assim, tão felizes, podendo viver em pazesse amor tão lindo...- Devemos muito a você, fada madrinha! - Vitor diz, abraçando a amiga.- Que nada, eu apenas fiz o que meu coração mandou.- Você ajudou a abrir meus olhos, Terê... - confessa Amélia.- Lembra o que eu disse no dia em que vi seu futuro? Mesmo que não tivessete falado nada, você não poderia fugir do seu destino.- Mesmo assim, eu vou ser eternamente grata a você, minha amiga... -responde Amélia, abraçando Terê carinhosamente.Vitor interrompe:- Terê, nós viemos aqui para te levar a um lugar...- Que lugar?- É surpresa. Confia na gente?
  17. 17. - Confio. E estou curiosa.Quando param em frente à casa de shows, Terê pergunta:- Mas aqui? O que tem na casa de shows?- Abra a porta, Terê - responde Vitor.Terê entra e se depara com o salão todo enfeitado para um espetáculo decirco. As luzes se acendem no palco, e Neca entra, abrindo o espetáculo. Terêassiste a tudo com os olhos marejados.Depois da apresentação, Neca abraça a mãe com força e depois conta:- Foi o Vitor que tornou tudo isso possível, mamãe. Ele agora é nosso sócio.- Isso mesmo, Terê. Você tem seu circo de volta. Com o tempo, a genteconstrói um picadeiro em outra área, de repente até uma escola de artescircenses, imagina? No que depender de mim, você não fica mais sem o circo.Terê não consegue segurar as lágrimas enquanto abraça Vitor e Amélia, aomesmo tempo.- Obrigada, obrigada... - é só o que consegue dizer.Algumas semanas depois, Amélia e Vitor recebem um recado de Terê,avisando que eles são convidados de honra para o próximo espetáculo docirco."Vamos contar uma linda história, que vocês conhecem bem", ela antecipa. XIIITerê recebe Amélia e Vitor na porta do salão.- Sejam bem vindos - ela diz, abraçando os dois - Os lugares de vocês já estãoreservados, na primeira fila. Venham comigo.- O que você está aprontando, Terê? - pergunta Amélia, com doçura.- Apenas retribuindo a surpresa.O espetáculo começa. A trupe do circo encena a história de uma rainha queera muito triste. Vivia em seu castelo com o rei, um homem muito autoritário eaté cruel, e seus dois filhos. Apesar de já ter filhos adultos, a rainha ainda erajovem e muito bonita. Porém, seu olhar trazia sempre uma sombra de tristeza.Um dia, um príncipe chegou ao castelo para pedir a mão da princesa. Mas ajovem princesa se apaixonara por um plebeu, um cavaleiro que mal chegara aoreino. O príncipe não queria desistir.A rainha o aconselha, e nasce uma linda amizade entre os dois. A cada dia opríncipe se aproximava mais da rainha, aquela amizade se tornando cada vezmais importante para os dois. Até que o príncipe percebeu que seu coração erada rainha, e não da princesa. Sem saber como resolver aquela situação, eledecidiu voltar para o seu reino. Mas no caminho sofreu um acidente e ficouperdido na floresta por dias. Enquanto lutava para sobreviver, percebeu quesua vida não tinha sentido sem a linda rainha.Ao saber do acidente, a rainha também entende que se apaixonou pelopríncipe. Ele consegue voltar ao reino dela, e decide lutar por aquele amor. Arainha, a princípio, tem medo da reação do rei e dos filhos. Mas o sentimento émais forte, e ela deixa o castelo. Com o príncipe, a rainha volta a ter brilho nosolhos. E o príncipe descobre com a rainha o verdadeiro amor. O rei promete sevingar, mas não consegue cumprir a ameaça, porque tanto ódio acaba fazendo
  18. 18. seu coração parar de funcionar. Com a morte do rei, a rainha e o príncipeficaram livres para viver seu amor. E foram felizes para sempre.- Que essa história sirva de incentivo a todos, para que não deixem jamais deacreditar no amor - conclui Terê.Na primeira fila, lágrimas escorrem pelas faces de Amélia e Vitor.- É a nossa história... - ela diz baixinho.- Sim... e é a história mais bonita do Araguaia - ele acrescenta, enquantoenxuga as lágrimas dela com as pontas dos dedos.Eles se olham nos olhos e vão aproximando os lábios, que se encontram emum beijo carregado de amor. FIM

×