TÍTULO DA OBRANOME DO PRIMEIRO AUTOR                                    ESCREVENDO COMO
NOTA DO PROPONENTENas próximas páginas poderá encarnar um dos protagonistas de Um CappuccinoVermelho, João Dias Martins ou...
Envie a sua história para joel.gomes@gmail.com com o assunto “CappuccinoVermelho”: Eu escrevi o meu destino.  Número de pa...
Aquele dia também começou com uma vibração que quase quebrava o vidro da janela.Parecia que o céu estava a arrotar, mas nã...
Com tudo o que estava a acontecer na sua vida naqueles últimos dias, nem reparou queo camião da loja de mudanças no rés-do...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Um cappuccino vermelho passatempo

868 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um cappuccino vermelho passatempo

  1. 1. TÍTULO DA OBRANOME DO PRIMEIRO AUTOR ESCREVENDO COMO
  2. 2. NOTA DO PROPONENTENas próximas páginas poderá encarnar um dos protagonistas de Um CappuccinoVermelho, João Dias Martins ou Ricardo Neves, e escrever um pequeno conto em seunome. Para ajudar nessa tarefa disponibilizo algumas frases e parágrafos que poderá ounão utilizar. A história que a sua imaginação produzir, preferencialmente, não deverá ter nada quever com os acontecimentos descritos em Um Cappuccino Vermelho. Todavia, uma vezque as barreiras são feitas para serem quebradas, se quiser ir por esse caminho, eisalguns elementos a ter em consideração: a história de Um Cappuccino Vermelho decorre em 2002, e a história de A Imagem decorre entre 2002 e 2009; ambas as histórias e seus personagens estão trancados, ou seja, é difícil, mas não impossível, introduzir novos elementos sem correr o risco de quebrar a continuidade; poderá servir-se de personagens de Um Cappuccino Vermelho, quer como protagonistas, quer em cameos, desde que essas participações sejam anteriores a 2002 ou posteriores a 2009, ou que não exerçam qualquer influência na história principal. A minha intenção com este desafio é lançar uma votação com as histórias quereceber e incluir a mais votada como um extra em A Imagem. Ou juntar várias epublicá-las como uma antologia. Ambas são possíveis. A loja está aberta a sugestões. A Imagem será publicada em Dezembro de 2012 e todas as despesas de edição serãoassumidas por mim, assim como todas as receitas. Quanto aos direitos da história queescrever neste livreto, seja ela ou não publicada, estes pertencerão sempre ao autor damesma (excepção feita aos elementos que utilizar de Um Cappuccino Vermelho e de AImagem), podendo este recusar a sua publicação ou republicá-la por sua conta. Nessecaso, apenas peço o devido crédito se a sua história contiver elementos de livros meus.Se não for caso disso, boa sorte.
  3. 3. Envie a sua história para joel.gomes@gmail.com com o assunto “CappuccinoVermelho”: Eu escrevi o meu destino. Número de palavras: 5000-10000. Data limite: 31de Agosto de 2012 A votação decorrerá durante todo o mês de Setembro, sendo o vencedor (ouvencedores) anunciados no início de Outubro. O desafio está lançado. Mãos à obra! Joel G. Gomes Maio de 2012
  4. 4. Aquele dia também começou com uma vibração que quase quebrava o vidro da janela.Parecia que o céu estava a arrotar, mas não. Era o camião da loja de mudanças no rés-do-chão que às oito da manhã em ponto já estava a fazer cargas e descargas.Mais do que difícil, era doloroso correr com um pé torcido. A alternativa era parar eesperar não ser apanhado. A provável consequência disso seria uma dor mais intensa emais duradoura.Certificou-se de que não estava ninguém a ver e introduziu o cartão no ranhura domultibanco. Inseriu o pin e pediu o seu extracto bancário. Conforme lhe haviam ditopelo telefone, o dinheiro estava lá. E agora? Deveria devolver o dinheiro ou fugir parabem longe dali?Às onze da noite, o homem do casaco castanho entrou no café, sentou-se no lugar docostume e pediu uma água com gás. Quando o último cliente saiu, o dono fechou a porta.Os três iriam ter uma conversa a sós. Engoliu em seco.Acordou todo coberto de sangue. Depressa percebeu que o sangue não era seu, mas issonão fez nada para acalmar a sua ansiedade. Bem pelo contrário.Poderia continuar a fugir para sempre ou arriscar mudar o seu destino. Nada eradefinitivo.
  5. 5. Com tudo o que estava a acontecer na sua vida naqueles últimos dias, nem reparou queo camião da loja de mudanças no rés-do-chão não o despertara às oito em ponto.Fechou os olhos e tomou a sua decisão. Era uma decisão de instinto. A única que lheera possível.Deixou-se cair em cima da cama sem tirar a roupa ou as botas sujas de lama e esperouque o dia seguinte tardasse a chegar. FIM

×