VIDA PÓS ESCOLAR: O DIREITO À CIDADANIA

859 visualizações

Publicada em

A Portaria n.º 201- C / 2015. Implicações essenciais no processo de Inclusão. Curriculos funcionais ou participação funcional?

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

VIDA PÓS ESCOLAR: O DIREITO À CIDADANIA

  1. 1. joaquim.coloa@gmail.com Joaquim Colôa ©AlmadaNegreiros
  2. 2. joaquim.coloa@gmail.com no sentido do trabalho prévio requerido e do período de tempo necessário para a transição. na passagem de um nível educacional ou de um estadio de vida para outro. em termos das situações pessoal e social PROCESSO TRANSFER MUDANÇA
  3. 3. joaquim.coloa@gmail.com A transição no âmbito da educação especial coloca a enfase em resultados pós escolares que permitam ao aluno ser produtivo, focando-se sobretudo a área do emprego.. (Harvey, 2001) A razão mais convincente é económica. MAS O interesse na transição é multifacetado
  4. 4. joaquim.coloa@gmail.com Portaria n.º 201-C/2015 de 10 de julho
  5. 5. Individualizado Orientado para o jovem VIDA ADULTA joaquim.coloa@gmail.com Qualidade de Vida do Jovem
  6. 6. novas formas de atendimento à diversidade e novos recursos. plena participação direito a tomar decisões direito a fazer escolhas sobre a sua vida. joaquim.coloa@gmail.com Qualidade de Vida Conceito de dimensão multifatorial e eminentemente pessoal.
  7. 7. O princípio da autodeterminação + autoconhecimento joaquim.coloa@gmail.com
  8. 8. Promoção de competências necessárias ao quotidiano da vida, Promoção de competências que correspondam às expectativas / exigências sociais e de comunicação da vida adulta. Exige técnicas de formação adequadas, incluindo a experiência direta em situações reais fora da escola. joaquim.coloa@gmail.com
  9. 9. “(…) frequentar a turma que melhor se adequa às suas necessidades e capacidades, não podendo ser rejeitada a sua inscrição ou matrícula em função da natureza do percurso curricular ou formativo da turma.” joaquim.coloa@gmail.com
  10. 10. Plano Individual de Transição (PIT) Planificação do processo de transição Consulta colaborativa Politicas e principais orientações joaquim.coloa@gmail.com
  11. 11. “A carga horária do CEI não poderá ser inferior à prevista, na escola, para o nível de ensino que o aluno frequenta.” “O estabelecimento de metas diferenciadas e o ensino de componentes curriculares específicas não invalida que, sempre que possível, o aluno participe em disciplinas do currículo comum e nas diferentes atividades desenvolvidas pela escola para o conjunto dos seus alunos.” joaquim.coloa@gmail.com
  12. 12. “As disciplinas da formação académica do currículo são distribuídas, preferencialmente, pelos docentes dos grupos de recrutamento respetivo com perfil adequado ao trabalho a desenvolver com os alunos.” joaquim.coloa@gmail.com
  13. 13. O PIT não é mais do que uma parte do PEI, mas não o substitui! O PIT é complementar do CEI logo não o substitui! joaquim.coloa@gmail.com
  14. 14. O currículo deve contemplar três grandes áreas de competências: i) académicas, ii) vocacionais e profissionais, iii) pessoais e sociais. joaquim.coloa@gmail.com
  15. 15. Expressa a pessoa concreta seja no que se refere aos seus sonhos como às suas escolhas. São planos de ação de todo um conjunto de pessoas que apoiam definição de um projeto de vida, de um percurso individual a resolução de problemas. joaquim.coloa@gmail.com UM MAPA DE VIDA
  16. 16. O que é necessário? Quem é necessário (responsabilidades, papéis e funções)? joaquim.coloa@gmail.com
  17. 17. joaquim.coloa@gmail.com A Funcionalidade do Mapa / Currículo Anos 70 – 80 advento do denominado currículo funcional que teve em Lou Brown (1982) o exponente máximo: Preconizou atividades apropriadas à idade dos alunos independentemente da idade do desenvolvimento e abriram as portas de muitas escolas públicas regulares. (CAST, 2002)
  18. 18. joaquim.coloa@gmail.com A Funcionalidade do Mapa / Currículo Com o advento da educação inclusiva (anos 80 – 90), o mote é que os alunos: Têm algo a comunicar e necessitam de parceiros que respeitem o que têm para dizer. A importância das interações e a autodeterminação foi tornando-se uma realidade. Podem aprender conteúdos académicos o que proporciona oportunidades naturais para melhorar a comunicação e interações sociais. (CAST, 2002)
  19. 19. joaquim.coloa@gmail.com A Funcionalidade do Mapa / Currículo A era de 2000 advoga a exigência de padrões académicos para todos os alunos. É o direito à EQUIDADE. Defende-se o direito a oportunidades académicas e funcionais para todos os alunos. A qualidade de ensino deve basear-se em currículos universalmente concebidos. A flexibilidade curricular e as práticas de diferenciação permitem o acesso de todos os alunos (Rose & Meyer, 2002). (CAST, 2002)
  20. 20. joaquim.coloa@gmail.com A Funcionalidade do Mapa / Currículo A atualidade: O DESENHO UNIVERSAL PARA A APRENDIZAGEM
  21. 21. Currículo funcional? ou Participação “funcional”? joaquim.coloa@gmail.com
  22. 22. joaquim.coloa@gmail.com Joaquim Colôa ©AlmadaNegreiros

×