EDUCAÇÃO INCLUSIVA 4 EIXOS DE ACÇÃO E O TÓPICO FORMAÇÃO

584 visualizações

Publicada em

Comunicação realizada em Cascais no âmbito do Projeto malhas dinamizado pela Câmara Municipal de Cascais.

Educação Inclusiva 4 eixos de acção e o tópico formação

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
584
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EDUCAÇÃO INCLUSIVA 4 EIXOS DE ACÇÃO E O TÓPICO FORMAÇÃO

  1. 1. Joaquim.coloa@gmail.com Camara Municipal de Cascais Projeto Malha - Cascais 2 de março ©FlorentinusJoseph
  2. 2. Mudança esperada no atendimento à diversidade Mudança Real do atendimento à diversidade (Williams; Berger; McClendon, 2005) Joaquim.coloa@gmail.com
  3. 3. O enfoque e as respostas são essencialmente corretivas e compensatórias. Ambientes inclusivos em todas as escolas assegurando um conjunto complementar e integrado de respostas que fazem parte da rede escolar de forma articulada com outras respostas terapêuticas e sociais. Joaquim.coloa@gmail.com
  4. 4. Teoria Práticas (Parrish,1996). Politicas Joaquim.coloa@gmail.com
  5. 5. Atitudes… Relatório - práticas de sala de aula - AEDENE Esta não é apenas uma discussão normativa onde são tomadas posições com base em emoções ou em outras perceções ou sentimentos. Joaquim.coloa@gmail.com
  6. 6. Fontes significativas de exclusão Visão endógena da política educativa sem diálogo com a sociedade. Uma visão prescriptiva do currículo pensado de cima para baixo, muito afastado da missão da escola e das práticas de sala de aula. A imposição de modelos homogéneos de ensino. Uma visão do aluno ideal que se sobrepõe ao real. Uma preocupante desconsideração das histórias, sensibilidades, identidades, crenças e expetativas dos docentes. Falta de assimilação critica de um suposto modelo internacional de reforma que deve ser seguido. (Opertti,, 2007). Joaquim.coloa@gmail.com
  7. 7. P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s eixo 1
  8. 8. P o l i t i c a s i n c l u s i v a s l i d e r a n ç a s l e g i s l a ç ã o f i n a n c i a m e n t o o r g a n i z a ç ã o i n t e r a ç õ e s d e s c e n t r a l i z a ç ã o m o n i t o r i z a ç ã o c o m u n i c a ç ã o P o l i t i c a s i n c l u s i v a s
  9. 9. Currículo prescrito Currículo referenciado P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s eixo 2
  10. 10. Currículo prescrito Currículo referenciado p a r t i c i p a ç ã o d i f e r e n c i a ç ã o p e r t i n ê n c i a e r e l e v â n c i a a d e q u a ç ã o / a c e s s o f l e x i b i l i d a d e c o n c e ç ã o e c o l ó g i c a a b e r t u r a c e r t i f i c a ç ã o a v a l i a ç ã o c o m s e n t i d o e s e n t i d o
  11. 11. Currículo prescrito Currículo referenciado P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s eixo 3
  12. 12. r e c u r s o s b a r r e i r a s a t i t u d e s c o l a b o r a ç ã o a f e t i v i d a d e s v a l o r e s i n v e s t i g a ç ã o r e s o l u ç ã o d e p r o b l e m a s f a c i l i t a d o r e s
  13. 13. Currículo prescrito Currículo referenciado P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s eixo 4
  14. 14. a v a l i a ç ã o i n c l u s i v a e s t i l o s p r e f e r e n c i a i s r e f l e x ã o e c r i t i c i d a d e e x p e r i e n c i a s s i g n i f i c a t i v a s q u a l i d a d e d e v i d a t e m p o s
  15. 15. Currículo prescrito Currículo referenciado P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s F O R M A Ç Ã O F O R M A Ç Ã O
  16. 16. Formação Tempo da formação? População alvo? Currículo da formação? Competências de saída? (Shier, 2002) Incongruência e Banalização
  17. 17. F O R M A Ç Ã O F O R M A Ç Ã O i n i c i a l c o n t í n u a experiências de campo em salas de aula inclusivas estágios difusão de informações sobre diversidade ao longo do currículo contato direto com pessoas com deficiência atividades de incursão (crianças com deficiência, visitando a Universidade) Trabalho com grupos diferenciados de alunos. contextos de trabalho como as instituições de formação autoformação participada análise e reflexão continuadas
  18. 18. Currículo prescrito Currículo referenciado P o l i t i c a s i n c l u s i v a s P o l i t i c a s i n c l u s i v a s Diversidade Relação e comunicação F O R M A Ç Ã O F O R M A Ç Ã O
  19. 19. Smith (2006) O conceito de educação inclusiva não se aplica unicamente aos alunos com deficiência, mas deve entender-se como referindo-se a todos os “potenciais aprendentes” que, por qualquer razão, se encontram excluídos da escola por consequência de uma significativa participação tanto no que respeita à vida económica, como social, politica e cultural. Joaquim.coloa@gmail.com
  20. 20. A natureza do conceito não surge da soma de categorias de alunos (uma suposta lista sem fim). Pelo contrário trata-se de oferecer oportunidades de aprendizagem efetiva a todos as crianças e jovens, respeitando e protegendo a sua identidade e construindo respostas curriculares e pedagógicas que tenham em conta a diversidade de situações, contextos e perfis de comportamento. Joaquim.coloa@gmail.com (Opertti,, 2007).
  21. 21. Um processo de abordar as respostas à diversidade das necessidades de todos os alunos através da crescente participação na aprendizagem, nas culturas e nas comunidades e a redução da exclusão dentro e desde a educação. Joaquim.coloa@gmail.com (UNESCO).
  22. 22. Legislação para as deficiências ou para a diversidade? Joaquim.coloa@gmail.com
  23. 23. Legislação setorial ou transversal? Joaquim.coloa@gmail.com
  24. 24. O problema a resolver já não radica tanto no direito de acesso à educação mas centra-se, sobretudo, nos aspetos de equidade ou seja os direitos na educação. A garantia de um acesso real a competências e conhecimentos. Joaquim.coloa@gmail.com
  25. 25. Reestruturação das organizações escolares no sentido de “unificação de sistemas de ensino” (McLaughlin & Warren, 1992). Implementando e desenvolvendo um conjunto de programas educativos e serviços que respondam às necessidades de todos os alunos. (Parrish,1996). Joaquim.coloa@gmail.com
  26. 26. Valorizar a diversidade porque somos diversos! Joaquim.coloa@gmail.com
  27. 27. ©ЕленаМудрых Apresentação disponível em: www.slideshare.net/jcoloa www.facebook.com/groups/244591468914345/ Joaquim.coloa@gmail.com

×