O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2213

32 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2213

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte O JB News saúda os Irmãos leitores de Jaraguá do Sul. Terceiro núcleo industrial de SC. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Bloco 1-Almanaque Bloco 2-Ir Barbosa Nunes - História do Futuro – (Artigo nr. 298) Bloco 3-IrMario López Rico – Debemos aislarnos del mundo? Bloco 4-IrPaulo Roberto – Simbologia dos Ornamentos Bloco 5-IrMárcio dos Santos Gomes – Vícios e Virtudes ( do Site O Ponto Dentro do Círculo) Bloco 6-IrAndré Polidoro Pinto – Aprendendo a ser um Aprendiz Bloco 7-Destaques JB – Breviário Maçônico p/o dia 22 de outubro. Versos do Ir e Poeta Adilson Zotovici
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 2/27 22 de outubro 1721 — Pedro, o Grande assumiu-se como o czar de todas as Rússias. 1730 — Inaugurado pelo rei D. João VI, por ocasião do seu 41° aniversário, o convento de Mafra, cerimónia presidida pelo cardeal patriarca Tomás de Almeida, e que resultou duma promessa de mandar erigir este templo franciscano se sua mulher engravidasse, o que veio a acontecer e cuja primeira pedra fora lançada em 19/11/1917. Concebida pelo arq. Johann Frederik Ludwig, Ludovice (ver 17/1/1752). 1773 — Há documentação comprovativa que nesta data ou a dia 28, fazia parte do Oriente de Portugal, João Manuel de Noronha, 6º conde da Atalaia, nascido em Lisboa em 1751, maçon, que esteve presente no banquete solene que empossou o G.M. do G.O. de França, Louis Philippe Joseph d'Orléans, duque de Chartres, maçon (desconhecedor das práticas maçónicas nomeou o duque de Luxemburgo, administrador-geral), a que presidiu o duque do Luxemburgo (15/10/1737), que acabou por se refugiar em Portugal. 1811 — Nasceu em Raidig, Áustria, Franz von Liszt, pianista húngaro e compositor, em Weimar desenvolveu a sua atividade musical com quatrocentos discípulos. Compôs poemas sinfónicos, sinfonias, composições vocais, oratórios e mais de oitenta lieders, Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 296 dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Minguante às 16h14) Faltam 70 dias para terminar este ano bissexto Dia Internacional do Radioamador (com a saudação do PP5AVV) E dia Internaciomnal de Atenção à Cegueira Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. EFEMÉRIDES DO DIA -Ir Daniel Madeira de Castro (Lisboa) (Fonte: Livro das Efemérides - Históricas, Políticas, Maçônicas e Sociais - 2016)
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 3/27 iniciado em 18/9/1841 maçon em Frankfurt, na Loja Zur Einnigkeit, ou Loja da Igualdade (31/7/1886). 1835 — Faleceu em Lisboa, José Aleixo Falcão de Gamboa Fragoso Wanzeller, maçon (17/7/1762). 1848 — Nasceu em Serpins, Lousã, António Zeferino Cândido da Piedade, lic. em matemática e filosofia, prof., escritor e jornalista, doutorado em Coimbra, monárquico, fundador do jornal A Época, iniciado maçon com o nome simbólico de Darwin. Morreu em 1921. 1857 — Chegaram a Lisboa, as primeiras Irmãs da Caridade, instaladas no Asylo da Ajuda. 1871 — Nasceu no Sabugal, António Augusto Louro, farmacêutico, pedagogo, republicano, político, administrador dos concelhos de Alcanena, Torres Novas e Coruche. Fundador de centros republicanos no Seixal, Torres Novas e Alcanena, criou no Seixal O Montepio dos Operários, dinamizou a Sociedade Filarmónica Timbre Seixalense e o Grupo Dramático Instrução e Recreio Timbre Seixalense. Em Alcanena criou os bombeiros, hospital concelhio, Associação de Beneficência e Instrução Autonómica de Alcanena e uma rede de escolas móveis. Desenvolveu ação contra o analfabetismo, publicou Ortografia Portuguesa Sónica, Fonologia Portuguesa e Cartilhas, Vocabulários e Antologias de Textos. Carbonário e maçon, iniciado provavelmente na G.L. Simbólica Espanhola, com o nome simbólico de Luso, fundador de Triângulos na margem do sul do Tejo e no Ribatejo, V.M. das Lojas Elias Garcia, do Seixal, Esperança no Porvir, do Barreiro, Boa Viagem, na Moita e Firmeza, em Alcanena (1/8/1949). 1887 – Nasceu em Portand, Oregon, John Reed, escritor americano, graduado em Harvard, trabalhou no American Magazine, repórter radical, partiu para o México onde foi um dos líderes do grupo armado Panchos Villa, mais tarde deu cobertura à greve dos mineiros do Colorado, partiu para a Europa, onde escreveu A Guerra na Europa do Leste. Em 1917 esteve na Rússia, escrevendo Os Dez Dias que Chocaram o Mundo, íder comunista americano ajudou à formação do P. C. Americano, a sua obra mais conhecida é A Filha da Revolução (17/10/1920). 1898 – Inaugurado o Templo Gomes Freire, no Palácio Maçónico do G.O.L., em Lisboa. 1910 – Foi suprimido o ensino da doutrina cristã nas escolas portuguesas. 1918 – Faleceu em Lisboa, Faustino da Fonseca, maçon (1/4/1871). 1925 – Faleceu no Porto, Carolina Wilbelme Michaelis de Vasconcelos (15/3/1851). 1943 – Faleceu em Lisboa, Francisco Gonçalves Velhinho Correia, maçon (6/10/1882). 1945 – Criada a P.I.D.E. – Policia Internacional de Defesa do Estado, instrumento repressivo de Salazar (23/1/1933). 1954 – Deflagrou a guerra da independência da Argélia. 1963 Fundado o Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco da Índia. 1970 Funação da ARLS Sentinela do Oeste nr. 17, de Chapecó, (GLSC) 1997 Fundação da ARLS Sol do Oriente nr. 68, de Camboriú, que trabalha no Rito Adonhiramita GOB/SC Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 4/27 INFORMATIVO BARBOSA NUNES Artigo nr. 298 HISTÓRIA DO FUTURO Enquanto leio um livro, tenho na mão direita um marcador de textos. Vou lendo e marcando títulos, parágrafos, expressões e destaques identificados pela minha crítica. Ao concluir, inicio a releitura que me traz a possibilidade de uma análise mais compreendida. Assim fiz com o livro da Editora Intrínseca, “Míriam Leitão – História do Futuro: O Horizonte do Brasil no Século XXI”. Li e agora relendo. Míriam Leitão, exerce a profissão de jornalista há 40 anos, atuando em diversos e mais importantes órgãos de comunicação no jornalismo, rádio e televisão. Nascida em Caratinga, Minas Gerais, foi, em estado de gravidez, presa e torturada, física e psicologicamente pelo Regime Militar no Brasil. Desde 1991 integra as Organizações Globo. Comentarista econômica muito franca e de competência para dialogar com os mais famosos economistas, conduzindo e apresentando o “Programa Míriam Leitão”, no canal fechado Globo News. Não poupa, fustiga e vai fundo, questionando os entrevistados, porem elegantemente. Para o jornalista econômico Carlos Alberto Sardemberg “ela nunca se contentou com as explicações oficiais”. Tem fama de “brigona”, mas presta um grande serviço à comunidade e aos seus telespectadores e leitores, em grande número. 2 – História do Futuro - Barbosa Nunes, artigo nr. 298
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 5/27 O livro que releio e dá título a este artigo 298, indico como leitura leve, atraente, oportunidade de conhecer tendências que não podem ser ignoradas em áreas como meio ambiente, demografia, educação, economia, política, saúde e tecnologia. “A história do futuro contada, deixa claro que o Brasil dispõe dos recursos para garantir a nossos filhos um país bem melhor. E este futuro começa com decisões tomadas hoje”. É implacável quando afirma em sua obra: “A corrupção virou um modelo de negócios no Brasil. Não é correto achar que apenas uma pessoa se corrompeu. Se considerarmos que foi uma pessoa só, então é uma maçã podre num cesto de frutas boas. É mais amplo que isso. A corrupção é um crime racional, não é passional. Quem o comete avalia custos e benefícios.” Com relação a Sérgio Moro fala que “ele mostra e profere decisões emblemáticas no combate a corrupção, ao afirmar: “Nada disso é trabalho de um homem só e que não deve se influenciar pelas palmas”. Diz ela ainda: “O país passará por reformas políticas. Não uma. Várias. Não há uma reforma que acabe com todos os defeitos da democracia brasileira. O esgotamento do modelo atual ficou claro. O modelo de governança tem deficiências graves. O trabalho incessante dos próximos anos e décadas será o de mudar tanto o sistema eleitoral, quanto o político para aumentar a confiança do cidadão na democracia. “O país tem o sistema eleitoral mais fragmentado do mundo. Ninguém tem tantos partidos com presença no Congresso como o Brasil. Virou uma jabuticaba”. “De todos os setores da vida social, o mais atrasado é a política. A urna eletrônica e a rapidez da contagem dos votos parecem contrariar tal afirmação. O problema é que, assim que acaba a apuração, o Brasil se depara com as velharias do sistema de representação. Há práticas no parlamento que são intoleráveis. Há hoje entre o representante e o representado, um divórcio”. “Nas próximas décadas, as rupturas tecnológicas terão forte impacto na política. O Congresso não poderá continuar em conchavos intramuros nem o governo encastelado em palácios e burocracias. No século XXI, os brasileiros vão continuar dedicados a tarefa de tornar a democracia mais forte, ampla, eficiente e moderna. Esse trabalho não tem fim. Entretanto, a escolha mais decisiva já foi feita pelos brasileiros. A de viver numa sociedade democrática”. Embora para muitos, o presente parece sem dúvida uma sucessão interminável de desastres, Miriam não é pessimista em seu livro. Mapeia as virtudes, esperanças e oportunidades que podem fazer o país sair da crise. Escrito com base em entrevistas, viagens, análises de dados e departamento de especialistas, colhidos em 4 anos de pesquisas, “História do Futuro”, investiga a situação e aponta os caminhos que precisamos seguir caso não queiramos enfrentar um futuro implacável. No livro não prevalece uma visão pessimista, ao contrário, quando Miriam Leitão responde que: “O Brasil tem uma soma tão grande de chances e virtudes que isso dá ânimo. Não será fácil corrigir, sobretudo erros recentes, mas não é impossível”.
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 6/27 “A corrupção aumentou o custo de obras, viciou o setor público, provocou um desperdício brutal de investimentos que já são escassos. Aumentou a desconfiança ao Brasil. O efeito em cascata da corrupção é até difícil de medir. Mas esta crise também tem outras causas. O governo tomou decisões erradas na área econômica, ignorou os alertas, e o custo está sendo alto. O Brasil está prisioneiro do imediato”. O livro é uma reportagem sobre o horizonte do país, por isso ele se chama “História do Futuro”. Diz a jornalista que há projetos em andamento que podem dar certo. Há riscos aos quais estamos desatentos. Há vantagens não exploradas. O livro não é de futurologia. O exercício é o de olhar o tempo. Míriam Leitão declara: “Estamos aqui de passagem. É breve o tempo que temos. O país era antes de nós e continuará sendo depois de nós. O Brasil, como o conhecemos tem uma história intensa. Há erros trágicos e acertos animadores”. “Vivemos momento, por um lado de refundação da democracia como escolha definitiva, mas diante de uma grandiosa, monstruosa inimiga, a corrupção que parece invencível. Um monstro de mil cabeças, mas está sendo enfrentada. A política está confusa. Os cidadãos não tem mais confiança nos partidos. Mas vamos continuar a pressão sobre os políticos, porque cada pessoa tem mais capacidade de acompanhar a vida parlamentar, as decisões partidárias. Quem quiser ser representante terá que prestar contas ao representado, quem quiser governar terá que ser transparente”. “Nenhuma das travessias que fizemos foi fácil. Mas tendo sido feitas, infundem confiança de que será possível fazer as próximas”. Concluindo, o livro “não veio para estimular voluntarismo ou ufanismo. O esforço que temos de fazer é olhar o horizonte. Que nos apressemos. Há muito a fazer. O futuro está sendo escrito”. Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 7/27 O Irmão Mario López Rico é de La Coruña – Espanha. Escreve aos sábados. Responsável pela publicação espanhola Retales de Masononeria mario.lopezrico@yahoo.es - retalesdemasoneria.blogspot.com.es ¿Debemos aislarnos del mundo? Es común preguntarse cuando comenzamos el camino hacia la Luz si debemos o no aislarnos del mundo que nos rodea para concentrarnos en nuestro sendero. La respuesta corta a dicha pregunta es un rotundo NO. Aunque en ese momento no lo sabemos, existe una energía que rodea a todo lo que existe en el Universo y que ha recibido muchos nombres como Nous, Energía Vital, Energía etérea…en virtud de la escuela de misterios que leamos o pertenezcamos. Esa energía debe penetrar en nosotros y purificarnos de manera progresiva. Según las enseñanzas orientales, dicha penetración tiene lugar a través de los chakras y, en occidente, quizás por el tipo de vida social que llevamos, es uno de los puntos cruciales a desarrollar. La energía más sutil, al transitar libremente por el organismo, equilibra todo el sistema biopsíquico, armonizándolo con las frecuencias más elevadas. La sensibilidad psíquica es estimulada a continuación y el estudiante comienza a ampliar su horizonte de percepciones. En ese punto, sin saber muy bien porque, muchos empiezan a sentirse incómodos con la vida que llevaban. Todo alrededor parece complicar el proceso emprendido. El ruido de las calles, las habladurías de la gente, las noticias negativas de los diarios…todo parece molestar al estar más conscientes de todo ello y dan ganas de mandarlo todo a ”freír espárragos” y convertirse poco menos que en un anacoreta. Parece que la huida es la única solución. Pero esto dista mucho de ser cierto. Pronto nos daremos cuenta del gran error en el cual hemos caído y que el problema no se resuelve en absoluto. Al principio todo parece una maravilla, estamos tranquilos, en nuestro remanso de paz. Pero con el paso de los días surgen pequeños problemas como si el Sol calienta demasiado, o la lluvia no para o los animales de la zona como mosquitos o similares comienzas a molestarnos. Lo único que hemos logrado ha sido cambiar unos problemas por otros; pero no hemos dado con la tan ansiada solución. El problema real radica en que nos han enseñado y estamos habituados a proyectar nuestros problemas hacia el exterior. Es la familia y los deberes hacia ella que nos quitan tiempo para practicar los ejercicios de relajación o estudiar los diferentes temas y al final nos decimos: 3 – ¿Debemos aislarnos del mundo? - Mario López Rico
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 8/27 - Tengo que resolver mis problemas, para tener paz y poder continuar mis estudios debo aislarme. Pero un día descubre que, por más que se esfuerce los problemas le van a seguir donde quiera que vaya. Porqué la solución no es huir, ni intentar resolver aquello que está fuera de nosotros. La solución está en la ardua insistencia de la realización del trabajo de nuestro desarrollo interior. Es el continuo trabajo del día a día, la disciplina autoimpuesta para sacar tiempo de donde parece no haberlo lo que nos hará avanzar, porque se trata de eso, de avanzar pero sin abandonar nuestros deberes familiares o sociales. El auténtico iniciado está para servir y ayudar ¿cómo podemos decir que hacemos eso si para ello descuidamos nuestros compromisos sociales y familiares? La libertad que nos da la Luz tan deseada llega siempre de dentro para fuera, y no de fuera para adentro. La verdadera Luz y Sabiduría está en nuestro interior, en nuestras venas, en nuestra sangre, en nuestra propia vida. La Luz llega cuando la energía cósmica consigue circular libremente por todo nuestro organismo y nos armonizamos con todo lo que nos rodea: familia, amigos, naturaleza, sociedad.. Es entonces que empezamos a comprender la grandeza de la creación, que en cada lugar que miremos se ha producido un milagro de vida y comprendemos que para elevarse hacia la Luz no es necesario encerrarse en una cueva sino todo lo contrario. Necesitamos comprender como funciona el Universo, necesitamos comprender el mundo, necesitamos comprender a los hombres y, para ello, primero necesitamos comprendernos a nosotros mismos. Nos damos cuenta, poco a poco, que nuestras vibraciones internas se hacen más elevadas y nada nos parece ya incomodar. No se trata de abandonar los problemas, sino de resolverlos sin que nos afecten. Conseguimos así dar solución a los problemas que realmente la precisan de modo casi automático porque no dejamos que nos afecten emocionalmente y eso se logra simplemente porque hemos comenzado a comprender lo que sucede con las personas que nos rodean. La necesidad de huir ha desaparecido y descubrimos el dulce gusto de vivir libres de preocupaciones y totalmente entregados a los demás. La cosa es muy simple, o muy complicada, como ya nos dijeron los sabios de todos los tiempos: Hombre, conócete a ti mismo y conocerás el Universo y los Dioses Sobre el autor Mario López Rico es maestro masón y trabaja actualmente su logia madre Renacimiento 54 – La Coruña – España, bajo la Obediencia de la Gran Logia de España, donde fue iniciado el 20 de Noviembre de 2007 y fue reconocido como maestro el 22 de Abril de 2010. A partir del año 2011 comienza a subir la escalera masónica filosófica del REAA siendo también, en la actualidad, Maestro de la Marca – Nauta del Arco Real, Compañero del Arco Real de Jerusalén y Super excelent master (grado cuarto y último de los Royal & Select Master – Rito york) Miembro Fundador Capitulo Semper Fidelis nº 36 de Masones del Arco Real el 18 – Oct – 2014 Miembro Fundador Consejo Mesa de Salomón nº 324 de Maestros Reales y Selectos (Masonería Criptica) el 20 – Feb - 2016
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 9/27 Ir. Paulo Roberto - MI da Loja Pitágoras nr. 15 Grande Secretário Adjunto Guarda-Selos da GLSC e Membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras Escreve aos sábados neste espaço. prp.ephraim58@terra.com.br Paulo Roberto Simbologia dos Ornamentos Aqui, seguem concepções de décadas passadas... Entretanto, como a Instituição Maçônica, pode ser considerada milenar este assunto, já muito discutido e abordado, pode ser considerado moderno! Então... São considerados ornamentos, na Maçonaria, o Pavimento Mosaico, a Orla Dentada e a Corda de 81 nós. Mas, mesmo assim, nem todos os autores escritores, concordam com essa especificação. Na década de setenta do século passado, o Dicionário de Figueiredo, por exemplo, discrimina: “Um terço do equipamento necessário aos trabalhos a serem empreendidos por uma Loja e que compreende o Pavimento Mosaico (considerado símbolo do espírito e matéria de que se constitui o universo), a Borda Dentada (que figura a invisível muralha protetora da humanidade, constituída e solidificada pelos perpétuos Guardiões Divinos dos seres considerados mortais) e a Estrela Flamígera, cuja luz nos faz recordar a permanente presença do Grande Arquiteto do Universo, de que a Loja é um símbolo. Também se incluem entre os Ornamentos, as faixas, aventais e outras joias usadas em Loja. Os outros dois terços do equipamento são o Mobiliário e as Joias”. Assim sendo, esta matéria deverá ser apresentada em três partes e, hoje, iremos lembrar-nos do “Pavimento Mosaico”. O Pavimento Mosaico é formado por azulejos (ou suas devidas imitações), brancos e pretos, colocados alternadamente, transformando o assoalho em um tabuleiro, que pode ir, inclusive, da porta do Templo até o Oriente. A ele nos referimos ao tratar da Câmara do Meio, porque representa a figura do Pátio, dentro do Tabernáculo, onde passeavam, orando e meditando, antigamente os sacerdotes. Diz Ragon que “o Pavimento Mosaico, emblema da variedade do solo terrestre, formado de pedras brancas e pretas, unidas por um mesmo cimento, simboliza a união de todos os maçons do globo, malgrado a diferença das cores, dos climas e das opiniões políticas e religiosas; as pedras são uma imagem do bem e do mal, de que é semeado o caminho da vida”. 4 – Simbologia dos Ornamentos Paulo Roberto
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 10/27 Varoli acha que o “Pavimento Mosaico tem por significação, conforme os antigos rituais, a união estreita que deve reinar entre os maçons ligados pela verdade. Esta verdade, entretanto, não nos aparece aqui uniforme, já que é simbolizada por uma alternância regular de branco e preto. Pode-se então dizer que o Pavimento Mosaico continua no Templo o Binário das duas colunas e se deve deduzir que o Maçom, como profano, está submetido aos rigores da lei dos contrastes, confirmação não equivocada da relatividade das verdades que se podem revelar ao neófito em Loja de Aprendiz Maçom”. Wirth assim o define: “Nossas percepções resultam de contrastes. São eles que criam o constatável, no sentido de que, sem eles, a uniformidade nos escaparia e se confundiria com o Nada. O Pavimento Mosaico, composto de azulejos alternativamente brancos e pretos, é, em Maçonaria, a imagem da objetividade. Suporta tudo o que tomba sob os sentidos. O Iniciado se conserva direito e avança na vida sobre esse tabuleiro, que proporciona exatamente as satisfações e as penas, as alegrias e as dores dos viventes”. A isso acrescenta Boucher: “O simbolismo do Pavimento Mosaico, geralmente admitido, é, com efeito, o do Bem e do Mal, inerentes à existência terrestre”. Mas é também o Corpo e o Espírito, unidos, mas não confundidos. Esse traçado regular, formado de linhas transversais e longitudinais, cria múltiplas cruzes e é de espantar que os antimaçons, com a sua argúcia habitual, não tenham ainda visto lá um símbolo satânico e dito que os maçons calcam aos pés o emblema por excelência da religião cristã. Trevas e luz são ligadas no Pavimento Mosaico; são tecidas junto, se são consideradas as fileiras dos azulejos; mas os traços virtuais, que as separam, formam um caminho retilíneo tendo o branco e o preto, tanto à direita como à esquerda. Essas linhas são a via do Iniciado, que deve não rejeitar a moral ordinária, mas se elevar acima dela. É necessário sem cessar se defender de tudo quando se relaciona com a ética. Aliás, as religiões, à medida que remontam no tempo, se afastam das concepções morais que se tem o costume de associar a elas. Essas linhas não aparecem aos olhos dos profanos: eles não veem senão os azulejos brancos e pretos e, seguindo a via larga, a via exotérica, passam alternativamente do branco ao preto e do preto ao branco; têm então à sua direita, à sua esquerda, diante e atrás, uma cor oposta à sua; assim se acham marcadas as oposições múltiplas, que se formam sob seus passos. O Iniciado, ao contrário, segue a via esotérica, a via estreita, mais fina do que o fio de uma navalha, e passa entre o branco e o preto, que não põem obstáculo à sua marcha. A estreiteza do caminho indica, por ela mesma, que esse caminho não pode ser o do profano. Dá-se ao branco a acepção corrente do Bem e ao preto a do Mal. Seria mais justo dizer espiritualidade e materialidade. Por materialidade entendemos tudo quanto aproxima o homem do animal, quer dizer uma vida puramente fisiológica e, por espiritualidade, ao contrário, tudo aquilo que tende a livrar o homem dos laços da matéria. A espiritualidade considerada aqui não deve ser confundida com a concepção religiosa, monacal, feita de austeridade e de penitência, que deriva de misticismo doentio e que não pode em caso algum, - ou somente em casos extremamente raros, - conduzir à plenitude da Iniciação. O simbolismo esotérico do Pavimento Mosaico é eloquente: a querer se conservar no branco, a um ponto de vista estritamente religioso, se é assaltado de todos os lados por forças obscuras, que provocam fantasmas, de onde a Tentação de Santo Antônio pode ser citada como típica. Ao contrário, aquele que quiser fazer do preto sua regra de vida se achará bem cedo encerrado por forças brancas, que o obrigarão a abandonar sua posição, seja que morra, ou que seja suprimido da sociedade, de um modo ou de outro. Toda ação provoca uma reação, que vem restabelecer o equilíbrio momentaneamente alterado. Tal é o simbolismo do Pavimento Mosaico”.
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 11/27 Vícios e Virtudes Publicado pelo IrLuiz Marcelo Viegas (https://opontodentrodocirculo.wordpress.com) Autor: Irmão Márcio dos Santos Gomes, Mestre Instalado da Loja Águia das Alterosas – 197 – GLMMG, Oriente de Belo Horizonte, membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D’Almeida, e da Academia Mineira Maçônica de Letras O título desta Prancha decorreu de conversas com o meu Irmão padrinho, no trajeto de todas as quartas- feiras para a nossa Oficina, sobre a escolha de um tema complementar aos trabalhos que eu havia apresentado anteriormente a respeito da Terceira Instrução do Segundo Grau. Repercutindo os temas complexos daquele trabalho, e aprofundando aspectos da filosofia iniciática, disse- lhe que havia me defrontado de uma forma embaraçosa com os questionamentos iniciais provocadores sobre “O que é a vida? Para que ela serve? Qual o seu fim?”, os quais lançam desafios ao livre pensador na direção da busca da “Verdade” e da necessidade de “Meditação” sobre a temática. No processo de discussão, relatei-lhe que sempre retornava à minha mente aquelas perguntas do ritual de iniciação sobre o entendimento da Virtude e o que pensava ser o Vício, pois somente se pode trabalhar no sentido do aperfeiçoamento daquele e na desconstrução deste com o perfeito e justo entendimento dos respectivos limites de cada conceito e seus reflexos em nossa vida. Afinal, para isso eu entendia que meditar sobre a finalidade da vida seria um passo importante para começo de um plano de ação mais efetivo no sentido de dar concretude ao levantar templos à virtude e cavar masmorras ao vício, de forma a vencer paixões e submeter vontades, para o esperado aprimoramento espiritual. Assim, recebi a sugestão do prezado Irmão para aprofundar o tema envolvendo Vícios e Virtudes. Daí, deparei-me, na busca de literatura a respeito, com um texto anônimo, baixado da internet, sobre a “Finalidade da Vida”, que no processo de aquecimento preliminar apresentei no “Quarto- de-Hora de Estudos” do dia 09.06.10. No referido texto se afirma que ”a finalidade da vida 5–Vícios e Virtudes (Site O Ponto dentro do Círculo) - Márcio dos Santos Gomes
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 12/27 terrena é o aprimoramento espiritual”. Prossegue o texto dizendo: “Tudo aqui na Terra são meios de se aprimorar espiritualmente. O estudo, o trabalho, o casamento, o lazer, etc., são meios de a pessoa evoluir”. Não se pode olvidar que esse processo de evolução tem um ritmo diferenciado para cada indivíduo e, fazendo uma analogia com a mãe natureza, a profundidade das raízes que cultivamos, fortalecidas nos problemas enfrentados, nas penas e nas quedas, aí envolvida a construção dos nossos valores mais sagrados, nos dá forças necessárias para enfrentar a caminhada desafiadora de superação lançada pelo Grande Arquiteto do Universo, que sempre nos disponibiliza a inteligência como arma necessária para vencer as vicissitudes e romper as barreiras da ignorância. Entretanto, esse aprimoramento espiritual passa por reflexões sobre o conhecimento que temos de nós mesmos, da consciência da nossa ignorância, que nos remete à inscrição do “conhece-te a ti mesmo” insculpida no Templo de Delfos, inspirada em Sócrates (470 ou 469 a.C.), onde se lembrava aos homens que eles não passavam de meros mortais e que nenhum homem pode fugir ao seu destino. Este lema Socrático estimula a consciência racional de si mesmo em cada ser humano, para organizar a própria existência, pois não somos o mesmo em todas as situações de nossa vida atribulada, “por isso chamamos o correto reconhecimento de si próprio de a essência da Sabedoria humana, pois o homem não cessa e não deve cessar nunca de aprender, de se formar e de evoluir”. Ainda segundo Ubyrajara, “a psicologia nos ensina que quando uma pessoa amadurecida investe em se conhecer, liberta-se de certas restrições psicológicas arbitrárias impostas por sua educação e pela sociedade… o homem ignorante (Pedra Bruta) é uma presa fácil aos preconceitos… o conhece-te a ti mesmo é um chamamento ao homem para o despertar de suas Virtudes”. Na sequência de seu raciocínio, aduz que “no contexto filosófico, a Maçonaria, através do convite para que o iniciado ‘visite o seu interior‘, procura despertar no Aprendiz o seu pensar em sua própria existência, alertá- lo de seus deveres morais para consigo mesmo; quando o homem se escraviza a dogmas, quando o homem se esquece de si próprio , está a negar-se como SER. O Aprendiz ainda muito próximo do mundo material deve começar a investir no “conhecimento de si mesmo‘ e através de uma transformação individual evoluir como SER”. Essa evolução pressupõe o entendimento que o único bem a ser conquistado é a Virtude e esta consiste unicamente na coragem do homem de praticá-la, isto é, extirpar de si tudo que não for o bem. E para isso a primeira coisa é aprender a pensar, que demanda o saber ouvir com atenção. “Aprender a pensar é aprender a conhecer, é aprender a discernir, é aprender a concatenar os pensamentos, a aprender a falar”. Pensar a Virtude é se conscientizar de todos os hábitos constantes que levam o homem para o bem, quer como indivíduo, quer como espécie, quer pessoalmente, quer coletivamente. Para Sócrates a Virtude é o fim da atividade humana e se identifica com o bem que convém à natureza humana. Platão (429-347 a. C.), que desenvolve a doutrina de Sócrates, apresenta a Virtude como meio para atingir a bem-aventurança. Aristóteles (384-322 a. C.) interpreta-a como qualidade ou disposição permanente do ânimo para o bem. Para ele, Virtude é um hábito bom. Santo Agostinho diz que “a virtude é uma boa qualidade da mente, por meio da qual vivemos retamente“. Santo Tomás de Aquino diz que “a virtude é um hábito do bem, ao contrário do hábito para o mal ou o vício“. Esse aprendizado é estimulado no Aprendiz logo no ritual de iniciação quando o mesmo é instado a extinguir paixões, vícios e os preconceitos mundanos que possui, para viver com Virtude, Honra
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 13/27 e Sabedoria. É-lhe ensinado que a Virtude é uma disposição da alma que induz à prática do bem e o Vício tudo aquilo que avilta o ser humano, o hábito desgraçado que arrasta para o mal. Esse processo de aperfeiçoamento é penoso e somente pode ser alcançado com muito trabalho para adaptar nosso espírito e regular nossos costumes pelos eternos princípios da moral, para darmos à nossa alma o equilíbrio de forças e de sensibilidade que constitui a “Ciência da Vida”. Essa busca deve começar no fundo do coração e pode aparentar-se inicialmente muito fácil. Para isso vale trazer para reflexão a Lenda do Deus Brahma (criador da trindade Hindu), também conhecida como a Lenda dos Devas. Conta a lenda que, após criar nosso Universo, preparando-o para toda forma de vida que surgiria em seu devido tempo, o deus Brahma deparou-se com grande problema: onde esconder o segredo da chama da criação divina? Pergunta aos demais deuses e recebe de imediato a resposta: – Esconda-o no mais alto dos céus. Brahma pensa e responde: – Não! Haverá de surgir seres inteligentes, que chamarão a si mesmos de humanos, e estes irão construir pássaros maiores dos que criei e descobrirão o segredo. O grupo medita e fala: – Esconda-o no mais profundo dos oceanos. Brahma, novamente, pensa e propõe: – Não! Um dia esse mesmo ser construirá peixes que em pouco tempo encontrarão o segredo. O grupo faz mais uma tentativa e, depois de longa introspecção, sugere: – Esconda-o nas profundezas da Terra. Brahma, responde de imediato: – Também não adiantará! Eles chegarão lá em pouco tempo e terão o segredo em suas mentes. Finalmente Brahma diz ao grupo: – O segredo da chama divina da criação deverá ficar escondido dentro do coração de cada um destes seres que estão por vir. Nada entendendo, perguntam do por que da escolha deste lugar tão fácil de ser achado, a que Brahma responde: – Estes seres que estão por vir jamais procurarão nada no fundo de seus próprios corações. Então, se podemos facilitar, por que complicar? Para todo veneno temos um antídoto. Numa visão dualista, se o vício “é o oposto da virtude e sendo algo inato ao homem ele deverá ser combatido com o desenvolvimento da virtude através do autoconhecimento”. “O triunfo da virtude é a vitória do homem sobre suas paixões, conquistando a harmonia interior, quando se torna senhor de si”. Quando o homem compreender que o vício é incompatível com sua própria felicidade e até mesmo com sua própria segurança mais ele sentirá a necessidade de combatê-lo e será levado a agir assim por seu próprio interesse na busca da felicidade”. Para ajudar a humanidade não afeita aos estudos filosóficos e meditações transcendentais, as religiões e assemelhados sempre ocuparam esse espaço procurando definir os contornos dos conceitos de vícios ou pecados a serem evitados e das virtudes necessárias a uma boa orientação para a vida em coletividade. Os nossos conhecidos sete pecados capitais são quase tão antigos quanto o cristianismo. Mas eles só foram formalizados no século VI, quando o papa Gregório Magno, tomando por base as Epístolas de São Paulo, definiu como sendo sete os principais vícios de conduta: gula, luxúria, avareza, ira, soberba, preguiça e inveja. Mas a lista só se tornou “oficial” na Igreja Católica no século XIII, com a Suma Teológica, documento publicado pelo teólogo são Tomás de Aquino (1227-1274). No documento, ele explica o que os tais sete pecados têm o que os outros não têm. O termo “capital” deriva do latim caput, que significa cabeça, líder ou chefe, o que quer dizer que as sete infrações são as “líderes” de todas as outras. E, do ponto de vista teológico, o pecado mais grave é a soberba, afinal é nesta categoria que se enquadra o pecado original: Adão e Eva aceitaram o fruto proibido da árvore do conhecimento,
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 14/27 querendo igualar-se a Deus. A Igreja até tentou oferecer soluções para os pecados capitais, criando uma lista de sete virtudes fundamentais – humildade, disciplina, caridade, castidade, paciência, generosidade e temperança -, mas os pecados acabaram ficando mais famosos. Afinal, notícia boa não repercute. Outras religiões, como o judaísmo e o protestantismo, também têm o conceito de pecado em suas doutrinas, mas os sete pecados capitais são exclusivos do catolicismo. Assim, se conclui que ”desde que o homem começou a ter as primeiras noções de moral, vem-lhe sendo repetido que deve ser bom, que deve elevar sua vida e ser melhor. Entretanto, foi-lhe ensinado positivamente como fazer para alcançar semelhante desiderato?”. Respondendo a este questionamento, González Pecotche afirma que não foi ensinado ao homem como ser melhor, por falta de conhecimento daqueles que pretenderam fazê-lo, ao inculcar no semelhante, desde a mais tenra idade, pensamentos e sugestões incompatíveis com sua razão e sensibilidade. Prossegue, afirmando que sempre se buscou o fácil, o ilusório e sedutor, a fim de conquistar adeptos para uma ou outra seita religiosa ou tendência filosófica. Na concepção daquele educador, o caminho passa pelo conhecimento, pelo bloqueio e na ação de debilitar e anular todas as deficiências psicológicas que afetam a criatura humana. Ressalta que “é preferível conhecer que inimigos temos dentro, para combatê-los com lucidez mental, a ignorá- los, enquanto ficamos à mercê de sua influência despótica, suportando docilmente a maioria dos desgostos e depressões que diariamente nos acarretam”. Com isso, assegura Pecotche, aquela citação de que “pau que nasce torto morre torto” torna-se inconsistente, pois que, ao modificar as causas que determinam a defeituosa configuração psicológica do indivíduo, modifica-lhe também a vida na totalidade de seu conteúdo. No aspecto prático da sua doutrina Pecotche chama de deficiência ao pensamento negativo (dominante ou obsessivo) que, enquistado na mente, exerce forte pressão sobre a vontade do indivíduo, induzindo-o de modo contínuo a satisfazer seu insaciável apetite psíquico. Ilustra o autor que essas deficiências, em alguns casos, têm tanta influência na vida do ser humano e se evidenciam de tal maneira, que este é apelidado pelas suas características, tais como: vaidoso, rancoroso, egoísta, teimoso, intolerante e, em outros casos, de presunçoso, hipócrita, fátuo (vaidoso, pretensioso), intrometido, obstinado, néscio, etc. Nesse sentido, é trabalhoso descobri- las e convencer-se de sua realidade e enfrentar a tarefa de erradicá-las da nossa vida. Para corrigir essas deficiências ou vícios, Pecotche criou a figura da “antideficiência”, que seria a virtude em ação ou forma de pensamento específico para opor-se a elas, para anular o despotismo que o pensamento-deficiência exerce sobre o mecanismo mental, sensível e espiritual do homem, vigiando, repreendendo e paralisando o vício. Nesse desiderato, o trabalho de localizar e compreender cada deficiência demanda perseverança na vigilância sobre ela. Nessa senda, é indispensável manter-se firme no propósito de superação e adaptação à “antideficiência”. Para ilustrar essa necessidade de perseverar e cuidar, Pecotche traz a metáfora do fazendeiro que tem suas terras invadidas por feras, as quais, após assolar seus campos e sedentas de sangue, se lançam contra sua vivenda, com o objetivo de acabar com ele. Nesta imagem, alguém faz chegar ao fazendeiro armas de fogo para a defesa de sua vida e de seus
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 15/27 bens, mas ele não sabe como usá-las. No início as feras se assustam com os estampidos, mas quando não vêm os resultados e se acostumam a eles voltam a atacar. Nesse contexto, Pecotche afirma que as deficiências ou vícios são feras mentais que destroem os pensamentos e projetos úteis, como acontece com o pessimismo, a obstinação, o descuido, a irritabilidade, a veemência, etc. Essas deficiências afetam a vida psíquica, tal como fazem as enfermidades em relação ao corpo. Ainda segundo ele, não devemos nos iludir acreditando que uma deficiência, por leve ou inofensiva que pareça, possa permanecer em nossa mente sem prejudicar-nos. Para ilustrar novamente, cita o caso do camponês que levou dois filhotes de tigre para criar, presumindo que cresceriam mansos e inofensivos ao seu lado. Certo dia, já crescidos, esqueceu-se de levar-lhes alimento e os mesmos, impelidos pela fome, atiraram-se sobre ele e o devoraram. Vícios, como feras, enquanto não eliminados, serão sempre risco latente. Portanto, devemos estar alertas e operantes no sentido de vencer as deficiências generalizadas no ser humano, dentre aquelas mais conhecidas e que retirei do rol apresentado por Pecotche, quais sejam: vaidade, falsa humildade, soberba, presunção, impaciência, egoísmo, cobiça, verborragia, rancor, intolerância, teimosia, hipocrisia, negligência, rigidez, petulância, etc. Assim, para quem se propõe a superar essas deficiências deve substituí-las por uma eficiência como objetivo a ser alcançado, onde deverá ser colocado o máximo de empenho. Portanto, na seqüência acima, teríamos a modéstia, sinceridade, humildade, paciência inteligente, desprendimento, honestidade, concisão, bondade, tolerância, docilidade, veracidade, diligência, flexibilidade, cordura (ser cordato), etc. Além dessas e de outras deficiências e “antideficiências”que enumera, Pecotche destaca ainda uma série de pensamentos negativos que se manifestam esporadicamente e exercem pressão sobre a vontade e promovem um relaxamento circunstancial do juízo, denominados propensões. Estas devem ser também enfrentadas com a firme determinação de vencê-las, tais como as propensões a: adular, prometer, dissimular, iludir, isolamento, exagero, desalento, desespero, desatenção, confiar no acaso, pessimismo, licenciosidade, descuido, etc. É preciso, pois, acabar com tais deficiências e pensamentos antes que eles acabem conosco, perseverando e assumindo uma condução consciente da vida, tornando-nos seres humanos mais plenos, persistentes no caminho do bem, não postergando a necessária e inadiável evolução interna nesta jornada material do aprimoramento do espírito, efetiva finalidade da vida, conforme avocado no início deste trabalho. Enfim, para uma reflexão mais profunda, vale o alerta do educador, escritor e naturalista norte-americano David Starr Jordan, “sabedoria é saber o que fazer, virtude é fazer”. Autor: Márcio dos Santos Gomes Márcio é Mestre Instalado da ARLS Águia das Alterosas – 197 – GLMMG, Oriente de Belo Horizonte, membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D’Almeida, da Academia Mineira Maçônica de Letras, e para nossa alegria, também um colaborador do blog. Fontes de pesquisa Ritual e Instrução Grau 2 – R∴E∴A∴A∴ e Manual de Instruções – Grau 1- R∴E∴A∴A∴ Souza Filho, Ubyrajara. Cognições e Evolução dos Rituais Maçônicos, Londrina (PR): Editora “A Trolha”, maio 2010 González Pecotche, Carlos Eduardo. Deficiências e Propensões do Ser Humano. São Paulo: Logosófica, 11ª Ed, 2005. Revista Mundo Estranho – site: http://mundoestranho.abril.com.br/religiao/pergunta_287783.shtml
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 16/27 André Polidoro Pinto Loja União da Ilha. Florianópolis GOB/SC Aprendendo a ser um Aprendiz Acredito que tudo na nossa vida está pronto, esperando o momento certo para se materializar, Somos o que acreditamos ser e conquistamos o que realmente queremos de acordo com um plano superior e o nosso merecimento. Desde muito jovem eu procurei me instruir sobre autoconhecimento, sempre fui muito curioso e questionador, eu vivia observando as pessoas e seus comportamentos e procurando buscar respostas para muitos acontecimentos do meu cotidiano e de meus amigos e familiares. Tive a oportunidade de estudar em uma das melhores escolas da minha cidade natal até o início da minha adolescência, foi uma etapa muito confusa da minha vida, porque eu vivia diariamente um dilema social. Meu pai se esforçava muito para pagar a mensalidade pra mim e pra minha irmã, e mesmo tendo uma bolsa de estudos de 50% do valor, as parcelas pesavam muito no orçamento. Eu convivi com os filhos das pessoas mais bem sucedidas financeiramente na cidade, e convivi também com o preconceito e a escassez de valores familiares por parte de muitos dos meus colegas. Quando fui estudar nas escolas estaduais eu me encontrei, sabia que ali eu estava mais próximo da minha realidade econômica e social, mas muito distante dos sonhos que a maioria dos meus colegas tinham. Eu sempre ouvi uma voz interior ecoar em mim dizendo, você tem muito pra fazer aqui, você pode mais, não desista, acredite em você! Quando eu tinha uns 13 anos de idade, tive a oportunidade de conviver de perto com pessoas de bom poder aquisitivo, meu tio era presidente de uma usina hidroelétrica próxima a cidade de Santa Maria – RS, ele morava em um município muito pequeno chamado Faxinal do Soturno. Um dia, num churrasco com autoridades da cidade, eu lembro de sentar ao lado da mesa e escutar aquele grupo de homens falando sobre a maçonaria. Todos eram muito bem sucedidos, com negócios próprios e prósperos, naquele momento eu pensei comigo mesmo, um dia eu serei Maçom. Os anos se passaram, não pensei mais sobre o assunto, em 2001 eu dava aula de artes marciais em uma cidade do RS chamada Passo Fundo e na ocasião trabalhava em uma academia onde o proprietário se dizia Maçom. Ele tinha no seu escritório o símbolo da Maçonaria e falava o tempo todo pra mim que ele era grau 33. Bem, ele era um charlatão, sabia algumas coisas sobre a ordem, mas não era um Maçom. Como fiquei sabendo disso, primeiro pelas suas atitudes, pela sua reputação, e em seguida por meio de alguns de meus alunos que eram Maçons e me confirmaram que ele era um profano. Tive muitos alunos Maçons, pessoas maravilhosas que me deram muitos conselhos e dicas que me fizeram admirar a Maçonaria. Desde então eu comecei a ler sobre a Maçonaria na internet e assistir programas que falavam sobre essa “sociedade secreta”. Certa vez um aluno meu chamado Jorge Cansian, um médico oncologista de Passo fundo, me falou da importância do Rito, das tradições em qualquer segmento. Ele era Maçom, e nunca esquecerei o que ele me disse; “Você não vira Maçom, você já nasce Maçom”, mas tem que mostrar merecimento para ser aceito na ordem, acreditar em Deus e ser honesto, justo e de bom coração. Bem, na época eu estava devendo minha faculdade, endividado e negativado e mesmo 6 – Aprendendo a ser um Aprendiz André Polidoro Pinto
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 17/27 sendo uma pessoa que acreditava em Deus, justa e de bom coração, não me julgava honesto naquele momento por estar em débito com a faculdade. A partir daquele momento eu novamente deixei de lado o desejo de ser Maçom pensando que nunca seria convidado, porque eu estava negativado e por tanto, qualquer sindicância iria apontar essa falha minha. Anos se passaram, eu vim morar em Florianópolis em 2007, na oportunidade eu encontrei o João Emerton (pra mim sempre foi o Jonhy) meu amigo de adolescência. Tive a oportunidade de ir até o escritório dele onde ele me recebeu carinhosamente e até mesmo me orientou e ajudou em um processo de locação junto a outra imobiliária. Foi a única vez que nos falamos, depois disso eu fui morar em Balneário Camboriú, lá eu sempre olhava pela janela da academia que eu trabalhava a loja Maçônica que fica no alto de um morro e a curiosidade sempre era latente, porém sabendo das minhas limitações, ainda estava endividado. Depois de muito trabalho eu consegui pagar todas as minhas dívidas e comecei a me relacionar de uma forma mais aberta com empresários da cidade, como eu não tinha nada a esconder, não tinha devia mais nada, minha autoconfiança melhorou e abriu muitas portas pra mim, comecei a trabalhar com expansão de uma rede de franquias de idiomas e em pouco tempo eu tive a oportunidade de abrir uma Escola em Florianópolis. O Claudio, meu irmão Gêmeo aqui, sempre me acompanhou desde adolescente e em todas as cidades e projetos que eu iniciava ele sempre esteve presente, eu digo que ele sentia o cheiro das minhas mudanças aparecia pra me incentivar, sempre foi um grande amigo por quem eu tenho grande admiração e respeito. Hoje somos sócios e irmãos reconhecidos aqui na ordem, não consigo imaginar minha vida sem ele, faz parte da minha família. Pra variar, foi ele que trouxe em primeira mão a notícia de que tinha conversado com o Jonhy que também sempre foi amigo dele, desde a adolescência, inclusive eles tinham um relacionamento mais próximo, ele me contou que tinha estado no escritório do Johny e ele o falou que tinha um convite para fazer pra ele e pra mim, o Jonhy perguntou para o Claudio o que ele achava de mim e o Cláudio falou a ele que me conhecia bem, e contou um pouco sobre a minha história, e nesse momento o Johny disse que faria um convite para a gente ingressar na maçonaria. Eu não sabia, fiquei sabendo a pouco tempo que o Claúdio também tinha muito interesse em ingressar na ordem, e sempre estudou sobre o assunto. Certo dia o meu telefone tocou e era o Johny me ligando pra dizer que nos estaria fazendo um convite oficial pra entrar na Maçonaria, naquele momento eu me senti orgulhoso, com uma sensação enorme de felicidade e gratidão, eu nunca imaginara que o meu amigo era um Mestre Maçom e venerável de uma loja! Bem, logo a gente marcou um jantar com a família e fomos orientados a aguardar alguns meses devido as formalidades necessárias. Certo dia chegou em nosso email o formulário de inscrição acompanhado da relação de documentos necessários, eu nunca havia precisado apresentar tantos documentos na minha vida porém, foi com grande orgulho que entreguei os documentos para o Jonhy e tempos depois fui avisado que em breve eu receberia a visita de pessoas da loja que me entrevistariam. Ao mesmo tempo o Claudio foi informado, mas a sindicância dele aconteceu rápida e antes da minha, como ninguém havia entrado em contato comigo, eu pensei que não tinha sido aceito, mas o fato foi que os responsáveis pela minha sindicância, haviam deixado para os últimos dias, e em uma sequência de 3 dias eu recebi as 3 vistas. Tudo certo, agora faltava apenas aguardar o resultado. Dias depois o Jonhy me ligou dizendo que nós tínhamos sido aprovados e que tinha mais uma etapa para realizar, que era a cerimônia de iniciação. Quando ele me falou a data prevista fiquei preocupado, porque o dia escolhido era o dia que eu chegava de viagem dos Estados Unidos, deu tudo certo, o Supremo, o Grande Arquiteto do Universo realmente estava comigo, nada deu errado, nenhum vôo atrasou, não peguei trânsito e tudo correu da melhor forma possível.
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 18/27 Chegou o dia a iniciação, fui até Biguaçu conforme o combinado com o irmão Lesley, o qual me passou um trote e me fez segurar uma vela de sete dias e uma espiga de milho em pleno centro da cidade, na porta do fórum, as pessoas passavam me olhando surpresas. Fui vendado e conduzido até o local da iniciação com o sentimento de tranquilidade, mesmo respondendo as perguntas do Lesley do tipo; você tem animal de estimação? E está disposto a sacrificá-lo para entrar na maçonaria? Você tem medo de cemitério? Bem, eu sabia que fazia parte tudo isso, como se não bastasse, ele fechou as janelas do carro e ligou o ar condicionado no quente, e cada minuto perguntava se eu estava tranqüilo, e eu realmente estava, porque fui atleta por anos e aprendi a me controlar, eu sabia que ele não iria fazer por muito tempo, porque ele estava sofrendo junto comigo, mas naquele momento comecei a pensar, será que isso já é um teste da minha perseverança? Será que isso é pra testar minhas reações e respostas? Resolvi responder somente o básico e tentar me concentrar, porque eu não sabia o que viria pela frente. O Lesley tinha me falado que me levaria pro cemitério do Itacurubi, mas logo percebi que não estávamos indo, devido aos caminhos que pegamos indo mais para nossa direita. Quando chegamos em uma estrada com mais buracos, eu pensei que estávamos em algum sítio, ouvia barulho de cascalho. Quando ele parou o carro eu fui recebido por outro irmão, ele pegou no meu braço e me conduziu cuidadosamente pelo caminho. Nesse momento eu passava por inúmeras sensações, porque estava privado de um dos meus sentidos e já começara ali a refletir sobre a importância da visão. Minha concentração ficou redobrada, ouvia muitos barulhos, som de festa, pessoas conversando até que me pediram para me abaixar, naquele momento eu imaginava entrando em algum lugar velho, pois sentia um forte cheiro de madeira, é incrível o que passa pela nossa cabeça nesse momento, parecia que eu estava vivendo uma regressão, voltando ao tempo, os cheiros de incenso e de velas entravam em minhas narinas causando uma sensação estranha, boa, mas confusa. Fui conduzido e fiz um percurso me abaixando até que fui convidado a sentar-se. Mandaram que eu ficasse segurando a espiga de milho e ali fiquei por algum tempo, escutando sussurros, barulhos de papeis e metais. Aproveitei o tempo para agradecer a Deus por tudo o que estava vivendo, pela oportunidade de ter chegado são e salvo da viagem, pela oportunidade de estar sendo iniciado na ordem e pedido força para qualquer desafio que por ventura eu tivesse que superar. Fui conduzido por 3 ou quatro vezes a lugares diferentes dentro daquele ambiente, sentei em vários tipos de cadeiras, duras, macias, banco, cadeiras que ringiam enfim, a todo o momento eu procurava significados que pudessem justificar o motivo pra eu estar fazendo tudo aquilo. Nunca fui um homem de rituais, e me questionei o tempo todo se eu estaria no lugar certo. Mas a resposta que vinha em minha mente era, tudo acontece na sua vida por um motivo grandioso que somente o futuro irá lhe revelar, tenha fé, seja perceverante. Em certa altura, me perguntaram se eu tinha sede, naquele momento eu pensei, e agora, será que é um teste? Se eu disser que estou com sede, posso estar demonstrando fraqueza, se eu disser que não estou, posso perder uma oportunidade. Resolvi dizer que estava bem. Tempos depois fui indagado novamente, porém agora me perguntaram se eu estava com fome, novamente pensei sobre qual resposta dar, então pensei, se eles estão me oferecendo o que comer e eu não aceitar, poderão pensar que não confio neles, então resolvi aceitar, me pediram se eu queria beber e disse que sim, pedi água. Em seguida me serviram água e um sanduíche, que veio em boa hora, pois eu estava desde as 9 horas da manhã se comer. Comecei a pensar no Claudio, sentia que ele estava próximo a mim, refleti porque que Deus havia colocado ele na minha vida e o quanto eu estava feliz por estar compartilhando esse momento com ele. Logo nos retiram do ambiente e fomos conduzidos pra um outro local, o local estava frio. A
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 19/27 pessoa que sempre me auxiliava me ofereceu uma bala de gengibre e mesmo eu não gostando de gengibre pensei, vou aceitar, deve ter algum propósito tudo isso, pois o ar gelado batia na minha face e eu sentia frio, poderia evitar uma dor de garganta. Com um pouco de receio, pedi para ir no banheiro, e prontamente fui conduzido. Sentia um cheiro forte de tempero, a confusão mental se fazia naquele momento, porque tanto tempo sentado? porque tantos cheiros? Será que vai demorar muito? Que horas eu vou pro cemitério? Eu sei que tem um momento que tem espada e caveira. Bem, fui conduzido para outro ambiente, muito pequeno, minha venda foi retirada e fui orientado a ler e assinar 3 documentos. Em minha frente lembro que tinha sal, um crânio, uma ampulheta, uma panela e não lembro agora o que mais tinha. Mas parte da escrita em um papel fixado na parede era: “se a curiosidade te trouxe, vai embora” e o restante do texto eu não lembro, mas era impactante. O ambiente parecia um calabouço, um local para refletir, nunca tive medo da morte, lido bem com isso, me concentrei pra ler os todos os textos, falava sobre em caso da minha morte, quem era a pessoa que eu deixava tudo, eu sabia que era bom pra mim, jamais um amigo como o Jonhy me colocaria numa fria, e os assinei sem receio. Respondi 5 perguntas que tinha no questionário e bati na porta como fui orientado fazer quando estivesse pronto. Fui vendado novamente, o que me deu certo desânimo, pois estava cansado, eu havia viajado a noite toda e não tinha dormido, estava no meu limite. Eu já não tinha mais noção do tempo, queria acabar logo com tudo aquilo. Então fomos conduzidos para outro ambiente, agora sentia o Claudio ao meu lado, por um momento nos demos as mãos e aquilo me deu uma maior motivação. Começa uma cerimônia de apresentação minha e do Claudio para o Venerável Mestre, foi bom escutar a voz do meu amigo Johny, é impressionante como a voz dos nossos amigos nos fazem bem, nos dão força. Bem, mesmo sabendo que era o Jonhy, na minha mente eu vivia um momento diferente no tempo, parecia que eu estava no século passado, uma sensação de estar vivendo um ato real, fiquei calçando no meu pé esquerdo o sapato e no direito um chinelo, minha camisa foi colocada de uma maneira que meu peito ficava descoberto, fui conduzido por várias etapas, pulei, agachei, subi escadas, lavei minhas mãos, foram secadas, senti o calor do fogo, fui interrogado, fiz juramentos, senti a ponta de espada no meu peito, foi conduzido para fora, barulhos, murmúrios, frio, muito frio, eu tremia. Em alguns momentos que necessitava da minha resposta eu me concentrava para não falar tremendo, porque minhas pernas tremiam. Eu tinha uma sensação de que estava realmente revivendo um momento anterior da minha vida, parecia que eu já havia passado por aquilo. Um dos momentos mais emocionantes e uma sensação muito boa foi ouvir que fomos aceitos na ordem, a música, a retirada da venda parecia um renascer com meu amigo ao lado e mais 27 irmãos, foi maravilhoso. O momento em que ficamos ajoelhados e a espada do Venerável Mestre nos tocou a cabeça e os ombros e todos nos cobriram de espadas foi um momento muito especial me senti protegido. Meu olho direito estava todo embaçado, conseguia enxergar apenas com o olho esquerdo, mas bastou para ficar pra sempre na minha memória. Fomos cumprimentados por todos os irmãos, recebemos flores, o avental, o livro de aprendiz, dois pares de luvas, botons, regulamentos e depois assinamos o livro de presença. Em seguida recebemos orientações prévias sobre o toque e cumprimentos. Agora estou aqui, pronto pra aprender, pronto para servir e lapidar a minha pedra bruta. Muito obrigado!
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 20/27 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome da Loja Oriente 03.10.1981 Ação e Fraternidade Gasparense nr. 26 Gaspar 17.10.1969 São João Batista nr. 14 Orleans 19.10.2000 Gênesis nr. 47 Florianópolis 20.10.1977 Duque de Caxias nr. 21 Florianópolis 22.10.1970 Sentinela do Oeste nr. 17 Chapecó 25.10.1978 Harmonia e Fraternidade nr. 22 Joinville 25.10.1996 Cavaleiros da Luz nr. 64 Florianópolis 28.10.1989 Jack Malt nr. 49 Rio Negrinho 28.10.2008 Delta do Universo nr. 98 Florianópolis Data Nome da Loja Oriente 05/10/1991 Zezinho Cascaes Braço do Norte 12/10/1994 Fraternidade Serrana São Joaquim 13/10/2004 Portal da Serra Bom Retiro 15/10/1985 Lealdade, Ação e Vigilância Florianópolis 16/10/1951 Estrela do Planalto Curitibanos 18/10/1997 Acácia das Gaivotas Bal. Gaivota 20/10/2008 Construtores da Paz Chapecó 21/10/1972 General Bento Gonçalves Araranguá 22/10/1997 Sol do Oriente Camboriú 26/10/1975 Acácia das Neves São Joaquim 30/10/2002 Frank Shermann Land Florianópolis 7 – Destaques (Resenha Final) Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de setembro
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 21/27 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 03.10.03 Delta de Ingleses - 3535 Florianópolis 06.10.81 Prof. Clementino Brito - 2115 Florianópolis 13.10.07 Luz de São Joaquim - 3884 São Joaquim 15.10.93 Cidade Azul - 2779 Tubarão 15.10.05 Estácio de Sá -3763 Florianópolis 17.10.08 Luz de Órion - 3951 Itapema 23.10.00 Luz e Harmonia - 3347 Brusque 26.10.96 Arquitetos do Vale - 2996 Blumenau 26.10.08 Amigos da Liberdade - 3967 Palhoça 27.10.97 Atalaia -3116 Itajaí 28.10.95 Luz do Atlântico Sul - 2894 Baln. Camboriú
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 22/27 Entrada no Templo O Cobridor, estando o cortejo conduzido pelo Mestre de Cerimônias à porta do Templo, dará com a mão uma só batida na porta, que será o sinal bastante para ser aberta pelo Guarda do Templo. O Mestre de Harmonia inicia música suave e adequada ao ato. Cada obreiro, à medida que for entrando, irá ocupar lugar que lhe compete nas colunas, inclusive no Oriente, conservando-se de pé, mas sem estar à ordem, voltado para a linha equatorial do Templo, no Ocidente, e para as respectivas laterais do trono, no Oriente, observado o máximo de silêncio. O Mestre de Cerimônias postar-se-á à frente da coluna "B", aguardando a passagem do Venerável Mestre para acompanhá-lo ao trono. O Cobridor não entrará no Templo; permanecerá no exterior e junto à porta até que se cumpra a formalidade de aclamação sequente à abertura da Loja, depois a qual poderá entrar e permanecer ao lado do Guarda do Templo, conforme for o espaço disponível, ou, preferencialmente, junto à porta atrás da coluna "B". Fechada a porta, o Mestre de Cerimônia, já no seu lugar no Ocidente, verificará se todos estão corretamente colocados, depois o que dirá: "Venerável Mestre, os cargos estão preenchidos e todos os presentes acham-se revestidos conforme nossos usos e costumes". Observação: Está fazendo parte de nossos usos e costumes cantar o Hino da Loja Alferes Tiradentes, de autoria do nosso Irmão Áureo dos Santos, antes da fala do Mestre de Cerimônias informando que "os cargos estão preenchidos....". Juarez de Oliveira Castro (48) 9983-1654 (Claro) (48) 9801-9025 (TIM) juacastr@gmail.com "Quando você ajuda alguém a subir a montanha, você alcança o topo com ele".
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 23/27 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) Para o dia 22 de outubro: A Providência Considera-se o vocábulo em dois sentidos: o suprimento de bens, quando alguém providencia para a sua aquisição; e o que providencial, ou seja, que nos vêm por meio de uma força superior, que no caso será Deus. Em uma linguagem comum, a providência significa o que nos vem de favor, por intermédio daquele que é onisciente e que não deixa a sua criatura desamparada. Essa providência cuida que os pássaros tenham alimento e que os lírios do campo tenha vistosa “vestimenta” – Então como não há de cuidar dos elementos mais valiosos da Natureza, que somos nós? Aqueles que se acanham em reconhecer a existência de Deus, sem se declararem ateus, têm como divindade a providência; seu Deus é aquele que tudo provê, portanto trata-se apenas de uma questão de vocábulo. A providência tem dois caminhos na sua via; aquele que vem a nós, de forma segura, posto que misteriosa,e aquele que via “aos outros”, sob o manto da caridade. O maço deve aceitar ser um “instrumento”; Deus o usa para prover os que necessitam de bens materiais. A doação abrange os bens materiais como os sociais; uma palavra amiga de conforto, um conselho, um amparo, isso caracteriza também o providencial. Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014, p. 314.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 24/27 Templo de uma das lojas maçônicas em Jaguarão (RS) pertencente a GLRS.
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 25/27 1– Teste: Você está lidando bem com o estresse? 2 – Você quer conhecer as frutas mais saudáveis de todas? 3 – Você já viu as belas flores de cerejeira fluorescendo? 4 – Sensacional: The Beer Bottle Boys : https://www.youtube-nocookie.com/embed/NkbZlautuUc?rel=0 5 – Cachorro levando bronca da dona: https://www.youtube.com/watch?v=pFy7Qg7T2qU 6 - Danúbio Azul, em Viena: An der schönen blauen Donau - 2012 New Year's Concert Vienna / Neujahrskonzert Wien HD – YouTube 7 – Filme do dia: “Caminho Declarado”- dublado Sinopse: O Caminho do Guerreiro (2010 Dublado) Um mestre assassino jurou cumprir uma missão: matar o último sobrevivente do clã inimigo. Mas quando ele descobre que ela é uma criança indefesa, sente-se tocado por sua inocência e decide aposentar a espada e iniciar uma vida nova. Resolve, então, criar a criança no Velho Oeste Americano. Em uma empoeirada cidadezinha esquecida do mundo, ele conhece uma mulher interessante e vive pacificamente até que uma gangue de foras da lei força o verdadeiro herói a matar novamente. O Ocidente se encontra com o Oriente para um confronto incrível entre um famoso atirador, o sádico líder da gangue, o clã assassino que ele traiu e toda a cidadezinha em pé de guerra, todos armados com pistolas, espadas, punhos e muita fúria. https://www.youtube.com/watch?v=CiTmwTWWTjQ
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 26/27 O Irmão Adilson Zotovici, Obreiro da Loja Chequer Nassif-169 São Bernardo do Campo – SP GLESP Escreve aos sábados. adilsonzotovici@gmail.com PULCRO TEMPLO Num pulcro templo silente Mas operante oficina Bom ferramental presente Fulcro do bem se origina Labor profícuo premente O Ambiente vaticina Num erigir renitente Muro a prumo descortina Com fé e amor por semente Busca à verdade a doutrina Elos de forte corrente A luz do alto ilumina A eterna obra eminente... Que o Grande Arquiteto ensina Adilson Zotovici ARLS Chequer Nassif-169
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.213 – Florianópolis (SC) – sábado, 22 de outubro de 2016 Pág. 27/27

×