O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2107

26 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Indústria automotiva
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2107

  1. 1. JB NEWS Filiado à ABIM sob nr. 007/JV Editoria: Ir Jeronimo Borges Academia Catarinense Maçônica de Letras Academia Maçônica de Letras do Brasil – Arcádia de B. Horizonte Loja Templários da Nova Era nr. 91(Florianópolis) - Obreiro Loja Alferes Tiradentes nr. 20 (Florianópolis) - Membro Honorário Loja Harmonia nr. 26 (B. Horizonte) - Membro Honorário Loja Fraternidade Brazileira de Estudos e Pesquisas (J. de Fora) -Correspondente Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas (P. Alegre) - Correspondente Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.107 – Maceió (AL) - sábado, 9 de julho de 2016 Bloco 1 -Almanaque Bloco 2 -IrBarbosa Nunes – 200 Pílulas Maçônicas – Artigo nr. 282 Bloco 3 -IrMario López Rico – Estudio del Ser Humano (3 de 4) – El Alma y su dualidad Bloco 4 -IrPaulo Roberto – A Difícil Fraternidade Bloco 5 -IrE. Figueiredo – 9 de julho - Epopeia Paulista Bloco 6 -IrAdemar Valsechi – Coluna da Harmonia nr. 36 Bloco 7 - Destaques JB – Breviário Maçônico - versos do Irmão e Poeta Adilson Zotovici
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 2/25 Autor Ir Zelito Magalhães: zelito.magalhaes@hotmail.com Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. 1 – ALMANAQUE Hoje é o 191º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Nova) Faltam 175 para terminar este ano bissexto Dia da Revolução Constitucionalista Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 3/25 Johnny Weissmuller em 1922  1540 - Dissolução do casamento de Henrique VIII de Inglaterra com Ana de Cleves (celebrado a 6 de Janeiro)  1578 - Fernando II da Germânia, um sacro imperador romano (+1637).  1810 - Napoleão oficialmente torna os Países Baixos parte de seu império.  1816 - A Argentina proclama sua independência da Espanha.  1850 - O Báb, precursor da Fé Bahá'í, foi martirizado em praça pública, na cidade de Tabriz,  1877 - Teve início a primeira versão do Torneio de Wimbledon, na Inglaterra, com 21 tenistas amadores. A princípio s  1887 - Relatado o uso de guardanapos pela primeira vez por John Dickinson, nos Estados Unidos, no jantar anual das  1890 - Foi fundada a cidade de Boa Vista, hoje capital de Roraima.  1922 - Johnny Weissmuller nada os 100 metros livres em 58,6 segundos quebrando o recorde mundial de natação e a  1932 - Início da Revolução Constitucionalista, no Brasil.  1960 - No Brasil entra no ar a Rede Excelsior de Televisão.  1960 - O líder Nikita Kruschov, da União Soviética, alertou contra a intervenção americana em Cuba. O anúncio de qu  1972 - David Bowie apresentou pela primeira vez seu alter-ego, Ziggy Stardust, em um show em Londres.  1977 - Nascimento da Igreja Universal do Reino de Deus, fundada pelo Bispo Edir Macedo em 9 de julho de 1977.  1991 - A África do Sul é reintroduzida ao Movimento olímpico após 30 anos de exclusão.  1994 - O Ministério da Saúde proibiu a prescrição da talidomida. A substância ingerida por gestantes é responsável pe  1996 - O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, eleito com um discurso radical sobre o plano de paz com o  1997 - Um Fokker 100 da empresa aérea brasileira TAM lança o engenheiro Fernando Caldeira de Moura Campos a 2  2002 - A União Africana foi estabelecida em Adis Abeba (Etiópia). O primeiro presidente foi Thabo Mbeki, então Presid  2006 - A Seleção Italiana de Futebol sagra-se tetracampeã da Copa do Mundo na Alemanha.  2011 - O Sudão do Sul declara independência. 1793 A GL da Inglaterra autoriza a publicação do jornal Freemason’s Magazine 1869 Antônio Pinto Mendes, iniciado na sessão do dia 9 de julho de 1869. Foi o grande impulsionador da obra de reforma do Palácio Maçônico do Lavradio, em 1901, quando ocupou o cargo de Grande Secretário-Geral do Grande Oriente do Brasil. 1976 Fundação da Loja Coronel Plácido de Castro nr. 6 (fundação: 08.07.76) de Feijó (GLEAC). 1984 Fundação da Loja Caminho da Luz, de Londrina EVENTOS HISTÓRICOS (fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 4/25 . INFORMATIVO BARBOSA NUNES Artigo nr. 282 do IrBarbosa Nunes PÍLULAS MAÇÔNICAS – ALFÉRIO DE GIAIMO NETO Recebi autografado pelo autor, Alfério de Giaimo Neto, quando de palestra na capital paulista em 28 de abril de 2015, o livro de sua autoria intitulado “200 Pílulas Maçônicas”. É um maçom integrante da Loja “Jacques DeMolay”, de São Paulo, com uma atuação constante e pesquisadora. Membro da Academia Maçônica de Ciências e Letras, fundada pelo renomado escritor José Castellani. Articulista da revista Universo Maçônico. Já foi condecorado pela Câmara Municipal de Taubaté, pela Ordem dos Cavaleiros da Concórdia e recebeu a Comenda do Mérito Cívico e Cultural, oficializada pelo Ministério da Educação e Cultura. Profissionalmente é Engenheiro Metalurgista e Consultor Internacional em Metalurgia. Recentemente foi designado e empossado pelo Grão-Mestre Geral Marcos José da Silva, no cargo de Secretário Adjunto de Relações Exteriores do Grande Oriente do Brasil. Para publicação de suas obras, esta a terceira, recebeu apoio e patrocínio dos maçons Egisto Rigoli, Júlio Takano, Osvaldo Zago e Lojas “Jacques DeMolay”, “L’Áquila Romana” e “Cavaleiros do Ocidente”. Seu objetivo é através de pesquisas em livros e enciclopédias, proporcionar em pílulas resumidas, a possibilidade de uma leitura fácil, de 2 – 200 Pílulas Maçônicas Artigo nr. 282 do Informativo Barbosa Nunes
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 5/25 clara de percepção, de escritores como José Castellani, Nicola Aslan, Theobaldo Varolli Filho, Kurt Prober, Raimundo Rodrigues, Jules Boucher, Alec Mellor, Albert Galatin Mackey, Bernard Jones, Henry Wilson Coil e outros. Trata-se de uma obra significativa para as Lojas Maçônicas e estudiosos da Arte Real. Os interessados em adquirir esta publicação, podem entrar em contato com alferiodegiaimo@yahoo.com.br Na pílula número 49, está a pesquisa “Simbolismo da Luz na Maçonaria”. “Já comentamos sobre Simbolismo e sobre alguns Símbolos pertencentes à Maçonaria. Vamos agora comentar sobre o termo simbólico “LUZ”, que foi traduzido e adaptado da “Masonic Holy Bible” dos EUA, Wichita, Kansas. “LUZ é de longe o mais importante e misterioso termo na Maçonaria, que é assim aceito pela maioria dos membros da Fraternidade. É o primeiro dos símbolos apresentado ao Iniciado, e continua sendo mostrado a ele com várias modificações através de seu progresso na vida maçônica. Representa como é aceito, “Conhecimento, Verdade ou Sabedoria”. Contem dentro de si uma alusão muito mais difícil de compreender dentro da essência da Maçonaria Especulativa, e abraça, dentro dela, o significado de todos os outros símbolos contidos na Ordem. Maçons são enfaticamente chamados de “Filhos da Luz” porque estão, ou deveriam estar, na posse do verdadeiro significado do símbolo; enquanto os não-iniciados estão, pela analogia da expressão, na “Escuridão”. Em todas as antigas religiões e em todos os “antigos mistérios”, a reverencia para a LUZ, como uma emblemática representação do ETERNO PRINCÍPIO DO BEM, é predominante. Isto foi verdade no Hebraísmo e Judaísmo, e é verdade no Cristianismo; isto é verdade do começo ao fim do Ritual da Maçonaria. no sentido mais predominante. A maior LUZ da Maçonaria é a Palavra de Deus; maçons são empenhados em solicitar dessa fonte de verdadeira luz e dos princípios da Ordem e crescer avançando na LUZ. A fonte original de toda verdadeira LUZ MAÇONICA é Deus; somente os homens que caminham nessa luz podem evitar a “escuridão”; somente esses homens são ditos “Filhos da Luz””. Concluo este artigo homenageando o irmão Alfério de Giaimo Neto, pela sua denodada persistência em pesquisar, registrando a pílula maçônica número 85, “Caráter Social da Maçonaria”. “Neste artigo, vou transmitir para todos aquilo que o Irmão Mestre Albert Gallatin Mackey afirma na sua “Encyclopédia of Freemasonry – vol 2”: Albert Gallatin Mackey, americano, um dos maiores historiadores maçônicos. Grande pesquisador da Ritualística e da simbologia maçônica. Nasceu em Charleston, Carolina do Sul, em 12 de março de 1807, falecendo em 1881.
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 6/25 A Francomaçonaria atrai nossa atenção como uma grande Instituição Social. Deixando de lado, dentro da Loja, as distinções de posição e riqueza que são, contudo, necessárias no mundo para o progresso normal da sociedade profana, os seus membros reúnem-se em suas Lojas tendo em comum um nível de fraternidade e igualdade. Somente as virtudes e os talentos constituem títulos e merecem preeminência, sendo o grande objetivo de todos o esforço para poder trabalhar melhor e colaborar ao máximo com todos. A forte amizade e a afeição fraternal são incultadas ativamente e são assiduamente cultivadas com vínculo místico, distingue de maneira peculiar a sociedade ali formada. Finalizando a Pílula Maçônica número 85, o autor usa a seguinte frase: “E é por isso Washington declarou que o benevolente propósito da Instituição Maçônica é de alargar a esfera da felicidade social e de promover a felicidade da raça humana”. Parabéns ao irmão Alfério de Giaimo Neto pelo seu interesse e dedicação às pesquisas maçônicas. (Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil – – barbosanunes@terra.com.br www.artedaleitura.com
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 7/25 O Irmão Mario López Rico é de La Coruña – Espanha. Escreve aos sábados. Responsável pela publicação espanhola Retales de Masononeria mario.lopezrico@yahoo.es - retalesdemasoneria.blogspot.com.es Estudio del Ser Humano (3 de 4) El Alma y su dualidad “Todo es dual, todo tiene polos…“ El Kybalion En el último artículo de esta serie dijimos que el Alma posee dos aspectos muy marcados y que era posible hablar de un Alma Humana y de un Alma Divina. Como sucede siempre en estos casos, la terminología cambia de acuerdo con la escuela de misterios que estemos estudiando y nos confunde. Determinadas escuelas afirman que existe un alma propia de los seres humanos, un alma típica del resto de seres animales. Afirman que solo el Alma Humana tiene la propiedad de ser consciente de lo que es y, por ello, tener la posibilidad de evolucionar. A mayores hablan de un Alma Divina perfecta en todo y a la que todas las demás Almas tratan de acercarse. En resumen, tenemos un Alma Divina, un Alma animal y un Alma Humana exclusiva para los seres humanos. Si lo analizamos con calma, la primera podríamos asociarla al Alma Divina de la que ya hemos hablado y las dos segundas en lo de Alma Humana partiendo de la base de que una, la animal, es menos evolucionada. El Alma Humana puede ser vista como el Alma imperfecta que debe evolucionar. Aunque no sea exactamente correcto podemos decir que el contacto con la parte material del Ser Humano la hace impura. A pesar de todo es infinitamente más pura que el cuerpo y se encuentra íntimamente ligada con el Alma Divina. Es la parte o aspecto inferior del Alma y sin embargo solo aparece en los momentos de lucidez del hombre. El Alma confinada en la materia se ve limitada por la misma. Ella conoce lo que somos, de dónde venimos y a donde vamos; pero nuestro cerebro es material y por ello limitado. La información que puede manejar la mente es limitada y por ello se precisa transcender hacia cuerpos o dimensiones superiores si queremos que el Alma Humana pueda mostrarse en todo su esplendor. Usando un lenguaje más místico: “El 3 – Estudio del Ser Humano (3 de 4) – El Alma y su dualidad Mario López Rico
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 8/25 Ser Humano debe ser capaz de responder a las vibraciones provenientes de planos superiores con el fin de despertar su verdadera naturaleza espiritual” Es necesario “sincronizar” los cuerpos físico, astral y mental con el fin de evitar la interferencia de vibraciones inferiores – bajas – porque solo así es posible usar el potencial del Alma Humana. En este estado de paz interior, de relajación y meditación es posible entablar contacto con la parte Divina. Queda claro que no es necesario aislarse como un anacoreta para lograrlo; además eso sería contraproducente. Cuando se contacta con el Alma Divina experimentamos la Unidad, percibimos que todos somos uno, que somos hermanos en el más amplio sentido de la palabra. Comprendemos que estamos aquí para servir y ayudar en el camino a quien lo necesite. ¡Mal podemos hacerlo si nos aislamos del mundo! El Alma Divina es el Alma total, el “Alma de Dios” que todo lo engloba e impregna; pero no es Dios. Nos movemos por zonas desconocidas y no comprensibles por la naturaleza humana. En cierto modo el Alma Divina es el conjunto de todas las Almas Humanas; pero es mucho más que ello. Engloba el Alma de todos los seres del Universo, sean más o menos evolucionadas y sean o no sean humanas. Y por humanas no me refiero solo a las animales sino a cualquier otro tipo de vida que solemos denominar de extraterrestre. ¿o acaso cree usted que todo el Universo fue creado solo para crear vida en la diminuta Tierra? En la obra “La Luz diamantina” de Francisco Redondo, el autor nos ofrece un modo gráfico de ver todo esto. Imagine una cebolla. La capa externa que lo rodea todo es el Espíritu Divino – Dios – y cada capa hacia el interior es un Alma inferior hasta llegar al centro donde estaría el Alma Humana. Por citar algunas – con lo limitado de nuestro lenguaje para expresar lo no conocido – tenemos un Alma Humana propia de cada uno de nosotros, un Alma de Ser Humano – algo como el conjunto de todas las Almas individuales y que nos hace ser a todos iguales – el Alma Universal – que engloba a los seres de todo el Universo conocido – y luego tendríamos que seguir con las Almas de los Universos no conocidos y sus respectivos habitantes. Todo ese conjunto Formarían el Alma Divina, pero Dios es mucho más que las Almas, por eso decimos que es imposible abarcar lo que Dios es y representa y mucho menos ser capaces de definirlo. El Ser Humano, lejos de ser la perfección que se cree, está muy lejos de la perfección. Es la criatura más evolucionada sobre el planeta Tierra, la mejor dotada y preparada para comprender la obra del Creador; pero su arrogancia de creerse lo más perfecto frena su avance. Existen otros muchos mundos habitados por otros seres infinitamente más evolucionados que el Ser Humano. Un ejemplo sería lo que algunas escuelas denominan de ángeles solares, entidades elevadas o hijos de la mente – el nombre varía según la escuela – y que serían entes “super humanos” infinitamente mejores que cualquier patrón de perfección humano. En la obra “La doctrina Secreta” de
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 9/25 H.P.Blavastky1 , se les conoce como “Dyanes de fuego” y tratan de ayudar a la evolución humana. Para nosotros son como los ángeles descritos por la Iglesia. Seamos, por lo tanto humildes y dejemos de creernos el centro de la creación. NOTA: Esta serie de trabajos se basan en lo expresado en la obra de Francisco Redondo Segura “La Luz Diamantina”. Libro gratuito y que pueden descargar desde https://hermandadblanca.org/libro-la-luz-diamantina-de-francisco-redondo-segura/ Próxima entrega: Estudio del Ser Humano ( 4 de 4) – La monada Sobre el autor Mario López Rico es maestro masón y trabaja actualmente su logia madre Renacimiento 54 – La Coruña – España, bajo la Obediencia de la Gran Logia de España, donde fue iniciado el 20 de Noviembre de 2007 y fue reconocido como maestro el 22 de Abril de 2010. A partir del año 2011 comienza a subir la escalera masónica filosófica del REAA siendo también, en la actualidad, Maestro de la Marca – Nauta del Arco Real, Compañero del Arco Real de Jerusalén y Super excelent master (grado cuarto y último de los Royal & Select Master – Rito york) Miembro Fundador Capitulo Semper Fidelis nº 36 de Masones del Arco Real el 18 – Oct – 2014 Miembro Fundador Consejo Mesa de Salomón nº 324 de Maestros Reales y Selectos (Masonería Criptica) el 20 – Feb - 2016 1 Helena Blavatsky, también conocida como Madame Blavatsky, cuyo nombre de soltera era Helena von Hahn y luego de casada Helena Petrovna Blavatsky (Yekaterinoslav, 12 de agosto de 1831 - Londres, 8 de mayo de 1891), fue una escritora, ocultista y teósofa rusa. Fue también una de las fundadoras de la Sociedad Teosófica y contribuyó a la difusión de la teosofía moderna. Sus libros más importantes son Isis sin velo y La Doctrina Secreta, escritos en 1875 y 1888, respectivamente. Fue acusada de fraudes y engaños deliberados a lo largo de su vida, y también de todo lo contrario: se le atribuyeron poderes mediúmnicos y clarividentes, así como la capacidad de producir manifestaciones fenoménicas consumiendo parte de su vitalidad (lo que, según algunos, acortó los años de su vida y su estado de salud). Sus escritos incluyen afirmaciones que han sido interpretadas en clave racista y antisemita, y que sirvieron directamente de inspiración a los ideólogos nazis. En realidad, al defender la teoría de la transmigración de las almas o reencarnación, Helena nunca atribuyó una esencia superior a ningún grupo humano concreto, y afirmó que es posible que un alma nazca en un cuerpo humano caucásico y que en la siguiente encarnación surja en el cuerpo de una persona negra.
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 10/25 Ir. Paulo Roberto - MI da Loja Pitágoras nr. 15 Membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras e Grande Secretário Adjunto Guarda-Selos da GLSC. Escreve aos sábados neste espaço. prp.ephraim58@terra.com.br Paulo Roberto A Difícil... FRATERNIDADE! Muitos maçons, tais como, a eminente figura de Rizzardo Da Camino, entre suas muitas e muitas obras sobre a Instituição Maçônica, especialmente em “Simbolismo do Primeiro Grau” e “Introdução à Maçonaria” praticamente afirma que a Maçonaria em hipótese alguma surgiu com essa denominação, inclusive, preferindo considerar sua remota origem nas debilidades da época como um “Movimento” de vulto. Inclusive, assevera que foi no Egito que a Maçonaria se fez criadora de todos os “Pedreiros” considerados “Livres e de Bons Costumes”. Na história, o Vale do Nilo, onde floresceu uma das mais antigas civilizações que se tem conhecimento, era em sua extensão, deveras apropriado ao desenvolvimento da cultura dita civilizada. Nessa época, ao vislumbrar o ocidente, certamente o homem percebeu que os campos eram demasiadamente férteis. Bom que lembremos que esse Vale do Rio Nilo, chegou a ser considerado pelo afamado egiptólogo James Henry Breasted, como um imensurável laboratório no qual a primeira considerada grande sociedade começou a manifestar-se. A partir desse estímulo podemos dizer que “surgimos como cultura, quando abandonamos a forma e passamos a buscar na essência, a harmonia do relacionamento através das palavras, dos pensamentos e das ações”. Aí, então, nesse primeiro celeiro o “homem se fez proprietário do ambiente em que vive”. Fazendo nascer a “Luz” no deus Ra, a “Vida” suavemente refletida nessa mesma “Luz” buscou uma suave manifestação através do “Amor”, por ele então nascendo, o seu primeiro discípulo. Essa vida, então manifestada de maneira discipular, trouxe a satisfação da justiça considerada de razão cósmica e a natureza modo se fez completa. Com a ingestão do chamado fluido vital atingiu, então, a esfera crística que o fez irmão, assim como, senhor de si próprio. Talvez, pensando por uma primeira vez, nosso irmão de ontem agregou todo o amor do pai, do filho e da “Fraternidade” que surgia da compreensão, indo de encontro à “Sabedoria”. É bom recordarmos que todo e qualquer sentimento de religiosidade sempre se fez refletir nas artes, na literatura e na filosofia. A arte encontrou na religião um imenso campo do imaginário. Já, a filosofia, teve seus princípios como sendo uma tentativa de racionalizar a mitologia procurando demonstrá-la com determinada coerência. Enfim, por que, sendo perfeito em essência, ousamos descer, buscando na vida, a gloriosa eternidade que, sendo nossa, ousamos desafiar como criador e gestor, arquiteto e profeta do pensamento humano? 4 – A Difícil Fraternidade Paulo Roberto
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 11/25 Talvez na relatividade de nossos atos, tenhamos de admitir quanto ao direito natural de buscar o ponto indefinido dos nossos propósitos, buscando na “Iniciação aos Mistérios” o princípio da “Fraternidade Livre”, tenha ela a denominação humana que mais convier ao dito intelecto do buscador. Essa “Egrégora do Movimento”, citada pelo maçonólogo Rizzardo Da Camino, concretiza a possibilidade de se decidir sobre o que queremos, o que necessitamos e, principalmente, o que discernimos como emoção e justiça de merecimentos dentro de nossa evolução cármica. Logo, a “Fraternidade Livre” não implica em imobilidade intelectual, assim como, a “Sabedoria dos Sábios” não pode ser elitista e sim compensadora da dignidade do paciente tido como buscador compreendendo a relação inédita do “Tempo” e “Espaço” contínuo, no contato tido como íntimo e até empolgante do buscador, considerado um eterno aspirante dos conhecimentos supremos, à disposição no seio da única e autêntica “Fraternidade”. “Fraternidade” e “Fidelidade” são dois aspectos de uma mesma “Escola” mas, “Igualdade”, implica em responsabilidade e essa se liga à nossa consciência que por sua vez deve impulsionar o progresso considerado real na direção da única atualidade. Verdadeiramente em uma “Fraternidade Livre”, podemos descobrir os principais fundamentos de uma “Fraternidade Invisível” cujo reflexo em um futuro não muito longíquo deverá ser a Organização Física dos Obreiros que deverão então reintegrar e reconciliar o Homem com o G.: A.: D.: U.: . Perguntamos... Não é dado ao Aprendiz a Régua de 24 polegadas, o Maço e o Cinzel para desbastar a Pedra Bruta? De que deverá servir o Maço na mão de um Aprendiz sem vontade, sem perseverança em uma inteligência meditativa e contemplativa para que sua consciência venha a lhe permitir com que vença os obstáculos da vida de um profano? Deverá sim, ser esse Aprendiz esclarecido no desbaste minucioso da Pedra Bruta, ainda, que, o Cinzel pode ser considerado como um irmão univitelino do Maço, devendo sempre se recordar que sua personalidade ainda não foi educada, mas, assim dverá ser, na direção de uma vida superior se vier a ser paciente, medindo com sua Régua as 24 horas que possui um dia, onde deverá ser bem mais criterioso na meditação, no trabalho e no descanso. Sabendo usar a Régua o Obreiro jamais se afastará do “Dever da Moral”. Deverá ainda aplicar em sua vida cotidiana o simbolismo desse instrumento, não procurando empregar mal seu tempo disponível, no egocentrismo existente. Servindo a humanidade deverá revelar exotericamente o que, por, “Graça” recebeu esotericamente. Assim sendo, essas ferramentas do Aprendiz, são apenas um puro conhecimento vindo de uma única fonte, ou seja, de um único pai que nos concede admitir a nossa origem comum. Recordando-se João 1:1, que nos diz que “No princípio era o VERBO, e o VERBO estava com Deus, e o VERBO era Deus”. O instante primeiro (No princípio era o VERBO), o ponto considerado indefinido, do qual foi projetado o primeiro pensamento. Sabe-se inclusive, que os antigos sofistas (primeiros filósofos do período socrático), antes da Criação, o G.: A.: D.: U.: deve ter amado a si mesmo com uma “Unidade Absoluta”. Quando por intermédio do “Amor” se revelou a Si próprio e a Si somente. Logo, desejando contemplar exclusivamente esse amor, o amor sem dualidade, tal como, um objeto externo, criou da não existência uma imagem de Si mesmo e lhe outorgou seus atributos em um todo. E... Essa é a “Imagem do Homem”. O Homem como síntese, o mais magnífico e belo pensamento emanado, apresenta-se, desde então, como um duplo manifestado. Havendo uma mente manifesta no “Templo”, a grande essência da Alma, o Sopro da Vida para vivenciar a Unidade. Por isso se pode dizer que a Criação
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 12/25 de fato foi um grande ato de Amor. Sendo o “Desejo”, o movimento vibracional. Enfim, a Vida, a Grande Viagem, a Conscientização Cósmica, ou melhor... O “Grande Retorno”... Conhecendo-se o Homem, sabemos que nele está contido todo o Universo, sendo o Microcosmo por ele representado, como um sintetizador do modelo no qual deverá manifestar a sua própria razão de ser. Quando cônscio do seu estado material, deverá o Homem agir como um elemento adaptado ao meio em que se vê inserido, usufruindo de suas prerrogativas e contribuindo com as suas próprias responsabilidades. Frise-se, portanto, que a “Vida Consciente” é uma dádiva imensurável e, que, a responsabilidade de dispormos da mesma, está na sua verdadeira utilização! Conforme já foi citado, o “Desejo” como movimento vibrátil pode se manifestar exclusivamente no mundo que nos traduz o que vem a ser o verdadeiro significado de “Vigília”. Aqui, todos estamos, como elementos vivos e constituídos das nossas próprias ferramentas para nos conduzir ao exercício de nossas inspirações. Construções nas fases operativas e programações codificadas por nossas próprias opções, sempre ponderadas pelas 24 partes de nossa “Régua do Dever”. Filosofando, fomos todos insuflados com o “Sopro da Vida”, tornando-nos “Almas Viventes” e, de repente, viemos a acordar uma vez mais, por força do “Hálito Forte de Ísis” que fez juntar nossas inúmeras partes corpóreas. Daí podemos perceber que renascemos através de um “Ato de Amor”, vivendo-se igualmente, pela “Força do Amor” germinativo e nas lembranças do “Todo”, chegamos a sonhar, com o exílio de nossa própria “Origem” e, até, buscaremos, no que podemos denominar por “Reino”, o retorno a que temos direito como herdeiros que somos de nós mesmos. Já de algum tempo, lamentar a incoerência da sociedade em que vivemos não é o suficiente. Entretanto, determinar as diferenciações entre os Ritos ditos Iniciáticos Autênticos, foge da lógica histórica e de repente penetramos no obstáculo metafísico da Origem Primeira. Sobre o exposto, encontramos em diversos autores e escritores expressões, tais como, a abaixo relatada:  “Tão estreitamente ligadas estão as duas Ordens, em alguns países, que muitos dos grandes expoentes de uma são Obreiros ativos da outra”. Necessário se faz, unirmos nossas inspirações em um pensamento uníssono de coletividade. Somos outrossim Obreiros e sequiosos por um mundo bem mais pacífico, menos arrogante e violento! Contudo, se chegarmos a entender a mensagem de uma dor, seremos bem mais úteis na construção de um mundo melhor por força de nossa inabalável querencia manifestada pelo único pensamento que nos originou a todos: o “Amor”. Se observarmos a reflexão dessas quatro letras, podemos adentrar no verdadeiro pensamento dos antigos alquimistas. Através dessas letras compreenderemos a grandeza, por mais incoerente que possa parecer, da experiência por que passou a “Mãe” do maior de todos os Mestres ao entregá-lo nas circunstâncias que tudo foi consumado, nos braços do Grande e único Pai. Talvez muito cedo, o Homem em si, descobriu que com o nascimento de um novo dia, também, renascia a vida e, naquele dado instante, era todo o sentimento que ele se sentia compelido a vislumbrar. Em um espaço com reservas, retratou no Oriente o “Sol da Vida e do Conhecimento” . Buscando, então, a sua verdadeira Origem, o Homem parece que retratou a sua forma de vida. Com o devido tempo, veio a perceber o nosso irmão do passado, o valor máximo da união de proposituras de mentes afins no direcionamento das influências e na propagação de suas vontades. Daí então, deve ter surgido a “Primeira Loja”...
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 13/25 O interessante é que sabemos que os nossos ditos irmãos, viviam os mesmos tipos de turbulências que vivemos hoje, onde, principalmente, sagravam a discórdia e a intolerância. Todavia, sua consciência encontrava um abrigo seguro no ambiente em que eram consagrados seus filhos, alicerçando pela razão primeira, a Casa que por ele foi denominada como sendo o “Templo do Senhor”. E, aí, projetando de si próprio uma luz refletida, o Homem percebeu sua origem comum no ponto central da imensidão universal de sua “Consciência”. “Essa imagem de Homem, então, amou a si mesmo pela primeira vez...”. Dando continuidade ao que foi visto, sabemos que na extensão de sua glória o Homem tudo admitiu, até mesmo, sabendo, de que não haveria retorno de seus impensados atos. Mas, para tanto, o Senhor seu Deus se fez revelar como luz através do “Amor” daquela “Vida”, a “Vida” considerada consciente. Deve ter sido quando a “Alma penetrou no corpo e o Homem então chorou pela primeira vez...”. Procurando-se mutuamente, o Homem percebeu a força da união mas, não deve ter compreendido a fonte de sua origem. Assim sendo, essa Cadeia propiciou a possibilidade da grande volta, o retorno considerado prístino ao ponto vibrátil no centro do “Sol Primeiro”. Então, “juntos nessa ‘Cadeia de União’, o ser tornou-se mais iluminado a medida que se aproximava do ponto crucial de sua existência, atribuindo-lhe mais luminosidade em função do retorno de muitos, ao ponto de partida considerado comum!”. Em meados dos anos 20 do século passado, a escritora com a sua “Contemplação Criadora” e tradutora Marthe Elsa Prozor, nos ensinou a todos “que da mesma forma que na flor, nasce o perfume, na Alma Humana nasce o conhecimento”. Poesia? Mas, a pedra muda e dura não anseia possuir a transparência de um cristal?. No reino dos vegetais, a planta cravada à terra através de suas raízes, não expressa o impulso praticamente universal da vida, sendo sua aspiração ir de encontro à luz e da liberdade? Isso acontecendo, essa planta alcança seu apogeu pela sua delicada flor, podendo-se dizer que é a primeira grande revelação do “Verbo Eterno”, devido a sua exuberante beleza. Logo, por essa flor ser considerada plenitude, participa sim, do Eterno por meio apenas de sua inigualável perfeição! Continuando seu ciclo vital, a semente dessa flor se renovará, multiplicará e se perpetuará, assim como nós, no cimo do Reino Animal, representantes do movimento e desejo, do quarto e soberano “Reino” , o nosso, o “Homem”; o único ser vivo em nosso planeta que pode pronunciar “Eu Sou...”, às vezes, não tão corretamente... Finalmente, sabemos sim, que deveremos evoluir juntos porque nos foi ensinado que não deveremos terminar nossas experiências sem antes “Servirmos”. Jamais poderemos deixar de realizar, pois, o fim não é existencial para aquele que muito anseia em obter sua tão esperada evolução. Mas... Meus Irmãos... De que maneira deveremos por em prática esse discurso? Achamos que, inicialmente, devemos renovar nossos sagrados e solenes juramentos para com quem nos acolheu e nos deu a grande oportunidade de vislumbrarmos a “Luz”. Considerando inclusive, o que de fato nos levou à solicitação de admissão em uma “Escola Iniciática”, sendo então, nossa senda e, livremente escolhida. Repensemos... O que de fato nos motivou àquele impulso? O que de fato esperávamos receber? Com o que estamos sendo contemplados? “Agora, em posse das devidas respostas, podemos expressar de maneira acentuada e especial, revelando à nossa própria consciência o que finalmente estamos dispostos a fazer pela ‘Fraternidade’ que em seu esplendoroso seio tão bem nos recebeu...”.
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 14/25 E. Figueiredo - é jornalista - Mtb 34 947 e pertence ao CERAT - Clube Epistolar Real Arco do Templo / Integra o GEIA – Grupo de Estudos Iniciáticos Athenas / Membro do GEMVI – Grupo de Estudos Maçônicos Verdadeiros Irmãos E Obreiro da ARLS Verdadeiros Irmãos– 669 (GLESP) efig2005@gmail.com 9 de Julho: EPOPEIA PAULISTA “Aos épicos de Julho de 32, que, fiéis cumpridores da sagrada promessa feita a seus maiores – os que houveram as terra e as gentes por sua força e fé – na lei puseram sua força e em São Paulo sua Fé.” Guilherme de Almeida obre a Revolução Constitucionalista de 1932, irradiada de São Paulo, muita coisa poder-se-ia dizer. Apesar de passados tantos anos, esse movimento ainda provoca polêmicas. As causas e as razões mudam, de acordo com o ponto de vista de quem tenta escrever a História. Entretanto, uma coisa é inquestionável: a guerra foi deflagrada contra aqueles que, depois da Revolução de 30, queriam servir-se dela para perpetuarem no poder. Os paulistas ficaram decepcionados com os rumos da Revolução de 30, que fez com que a desordem administrativa e o fortalecimento central imperassem, prejudicando a autonomia do S 5 – 9 de Julho – Epopeia Paulista E. Figueiredo
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 15/25 Estado. Havia, ainda, o agravamento da crise econômica, que veio se somar às agitações proletárias e a humilhante ocupação militar. Ao contrário do que se apregoou na época (e que muitos ainda, infelizmente, repetem) não foi um movimento separatista. Naqueles dias, sob a ditadura de Getúlio Vargas, o tema foi intensamente explorado pelo Governo Federal para obter os reforços e coesão dos demais Estados contra São Paulo. O estopim da mobilização popular foi a missão de Oswaldo Aranha, que em Maio de 32 foi incumbido de promover a reforma do secretariado de Pedro de Toledo, então interventor de São Paulo. Essa medida foi tida como intromissão na vida política paulista. O povo é convocado para manifestar-se na Praça do Patriarca no dia 22 de Maio. Após alguns discursos, a massa humana se inflama e rompe-se a passeata. O exército promete não atirar contra o povo A marcha segue para o bairro da Luz e a cavalaria, na tentativa de dispersar a multidão, deixa alguns feridos. O conglomerado segue, então, para o Palácio dos Campos Elíseos, sede do governo estadual, e pressiona o interventor Pedro de Toledo. Este pede vinte e quatro horas para resolver a questão a contento. No dia seguinte, 23 de Maio, demonstrando sua insatisfação com a demora em solucionar o problema, o comércio cerra as portas. Novamente, o povo vai postar-se defronte ao Palácio e, inteirando-se das liberações lá tomadas, ruma para o centro. No caminho jornais simpatizantes à ditadura são empastelados. A sede do Partido Popular Paulista, que apoiava o Governo Federal, que ficava na praça da República, é atacada. Há revide com disparos de tiros contra a multidão. Vários manifestantes são atingidos e morrem Mário Martins Almeida, Euclides Bueno Miragaia, Dráusio Marcondes Souza e Antônio Américo Camargo Andrade. Com as iniciais desses quatro heróis compõem-se o MMDC, entidade que passou a congregar todas as organizações civis e secretas para combater a ditadura. O movimento, estrategicamente, armado estruturou-se através de uma central secreta. Muitos alegam que nessa homenagem aos heróis, foi esquecido o nome de um mineiro de Muzambinho, Orlando Oliveira Alvarenga, e, que a sigla deveria ter sido MMDCA. Alvarenga foi gravemente atingido por metralhadora no mesmo embate; socorrido pelo acadêmico Silveira Peixoto, foi conduzido a um consultório médico e, de imediato, transferido para o Hospital Santa Rita, vindo a falecer após meses de a atroz sofrimento. Quando da formação da sociedade, somente Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo haviam falecidos. O MMDC conclamou o povo conseguindo sensibilizar o opinião pública. A bandeira MMDC mexeu com o brio dos paulistas dando-lhes coragem para mobilização geral para pegar em armas e lutar por um direito, lutar pela Constituição do Brasil. Às 11:40h do dia 9 de Julho de 1932, um sábado, estourava a revolução armada sob a direção militar do coronel Euclides Figueiredo. A coordenação civil, inclusive os trabalhos de retaguarda, esteve sob a orientação da Maçonaria que, entre os seus membros, contava com personalidades proeminentes da política, indústria, comércio e imprensa. As emissoras de rádio exerceram papel político preponderante, jamais visto no Brasil. E houve um locutor que se destacou como porta-voz do movimento: César Ladeira. Como o Estado de São Paulo não possuía um hino, César Ladeira começou a tocar o dobrado “Paris-Belfort”, que havia sido criado na França, quando da Primeira Grande Guerra Mundial, com objetivo ufanista.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 16/25 O dobrado “Paris-Belfort” acabou tornando-se hino de guerra de São Paulo e um dos símbolos da Revolução Constitucionalista. Menos de três meses duraria a revolta, mas o bastante para mostrar uma sucessão de lances heroicos, de abnegação e táticas desesperadoras diante da maioria numérica do inimigo. Soldados, precariamente armados, enfrentando com inaudita coragem os aviões do ditador, revelaram o indômito espírito paulista e a glória de combater pelo Brasil ! Apesar do prometido apoio de outros Estados, São Paulo ficou sozinho e não conseguiu avançar além da divisa com o Rio de Janeiro. Há que se destacar a participação da Mulher Paulista nesse importante acontecimento histórico. As virtudes cívicas e morais da Mulher Paulista, reveladas nos três meses da Revolução Constitucionalista foram de grandeza e esplendor, tendo sido o verdadeiro esteio desse movimento admirável e arrebatador. Ela também ajudou a escrever páginas brilhantes e inesquecíveis da campanha Constitucionalista, dando provas diárias, como os homens, de devotamento e dedicação. Em 1° de Outubro, sábado, celebrou-se a Convenção Militar, e a Força Pública do Estado de São Paulo, obediente, deixou as trincheiras, obrigando a cessação da luta armada. A amargura da derrota, nas armas, foi transformada em júbilo de vitória quanto aos objetivos: Os vencidos obrigaram os vencedores à convocação da Assembleia Constituinte. Houve fugas, prisões e exílio, mas o movimento tornar-se-ia, moralmente, vencedor. Os paulistas não tinha lutado em vão. A Revolução Constitucionalista de 1932, ainda que derrotada no campo de batalha e a despeito das controvérsias que, ideologicamente, possa provocar, foi, sem dúvida, o maior, o mais importante e o mais espontâneo movimento cívico ocorrido no Brasil ! Bibliografia: Donato, H. - A Revolução de 32 Rodrigues J. - A Mulher Paulista no Movimento Pró Constituinte Coleção Nosso Século - Abril Cultural D. O. Leitura - Junho ’92 O Globo - 07.07.82 O Estado de S. Paulo - 09.07.82 Jornal da Tarde 08.07.82 IT.IU.TU
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 17/25 Coluna da Harmonia O Irmão Ademar Valsechi escreve aos sábados. É MI da Loja Templários da Nova Era – 33º. REAA – membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras, ex-Grande Mestre de Harmonia, atual Grande Secretário de Cultura da GLSC e autor do Livro “A Arte da Música Através do Tempo e na Maçonaria” além da Coletânea em MP3 de Músicas para Ocasiões Maçônicas. - valsechibr@gmail.com Coluna da Harmonia – Nr. 36 História da Música – Música Medieval – 3ª parte A partir do século XII, a voz principal passa a ser chamada de “Tenor” (do latim tenere, i. é, manter) e a voz organal, mais alta, se movia livremente. Com o início da Catedral de Notre Dame em 1.163, Paris se torna um importante centro musical, formando a “Escola de Notre Dame ou Organum de Notre Dame”. Os historiadores chamam a esse período de “ars antiqua”, iniciando a partir de 1.300 a “ars nova”, com o sistema mensural já estabelecido, com notas musicais como as atuais. Embelezando a 36ª Coluna da Harmonia, vamos ouvir: Miserere Mei, Dei – Allegri.  81 - Miserere Mei, Dei (Allegri).mp3 6 – Coluna da Harmonia nr. 36 Ademar Valsechi
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 18/25 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 01.07.1977 Alferes Tiradentes, nr. 20 Florianópolis 07.07.1999 Solidariedade Içarense, nr. 73 Içara 07.07.2005 Templários da Nova Era, nr. 91 Florianópolis 10.07.2007 Obreiros da Maravilha, nr. 96 Maravilha 12.07.1980 XV de Novembro, nr. 25 Imbituba 21.07.1993 Liberdade Criciumense, nr. 55 Criciuma 28.072006 Anhatomirim, nr. 94 Florianópolis 31.07.1975 Obreiros de Hiram, nr. 18 Xanxerê 31.07.2007 Acácia Palhocense, nr. 97 Palhoça GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 02.07.01 Renovação - 3387 Florianópolis 03.07.78 Flor da Acácia - 2025 Itajaí 08.07.10 Lealdade - 3058 Florianópolis 13.07.01 Frat. Alcantarense - 3393 Biguaçú 14.07.2006 Acadêmica Razão e Virtude nr. 3786 (Rito Moderno) Brusque - SC 17.07.02 Colunas da Serra - 3461 Joinville 17.02.02 Mestres da Fraternidade-3454 Florianópolis 17.07.97 Compasso das Águas -3070 São Carlos 23.07.1875 Luz e Caridade - 327 São Francisco do Sul 26.07.05 Frat. Acad. Ciência e Artes - 3685 Jaraguá do Sul 29.07.96 Estrela Matutina - 2965 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de julho 7 – Destaques (Resenha Final)
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 19/25 GOSC https://www.gosc.org.br Generosidade "Generosidade é mais do que dar dinheiro ou coisas materiais. É dar o eu, que não tem preço. No espírito de colocar os outros na frente, aqueles que abraçam a simplicidade doam seu tempo livremente aos outros. Isto é feito com gentileza, abertura, intenções puras e sem expectativas ou condições. As sementes das ações generosas dão frutos abundantes." José Aparecido dos Santos TIM: 044-9846-3552 E-mail: aparecido14@gmail.com Visite nosso site: www.ourolux.com.br "Tudo o que somos é o resultado dos nossos pensamentos". Data Nome da Loja Oriente 04/07/1999 Giuseppe Garibaldi Florianópolis 04/07/2002 Léo Martins São José 11/07/2009 Universitária Luz de Moriah Chapecó 11/07/2009 Passos dos Fortes Xaxim 12/07/2006 Colunas Da Concórdia Concórdia 18/07/2003 Ardósia do Vale Rio do Sul 21/07/1973 Silêncio de Elêusis Chapecó 22/07/1981 Acácia da Ilha Florianópolis 24/07/2013 Triângulo Força e União Cocal do Sul 25/07/1995 Gitahy Ribeiro Borges Florianópolis 26/07/1980 União da Fronteira São Miguel do Oeste 27/07/1981 Arquitetos do Oriente Xanxerê 27/07/2009 Luz da Acácia Capivari de Baixo
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 20/25 Vem aí a XXI Jornada Maçônica do Estado de São Paulo Em 25 de Setembro de 2.016, na Uni Sant´Anna, situada à R. Voluntários da Pátria, 257 Bloco I - 6º Andar, estaremos realizando a XXI Jornada Maçônica do Estado de São Paulo. O objetivo da tradicional Jornada Maçônica é o de oferecer um espaço para a integração sócio cultural de Maçons, oriundos de várias Lojas da Capital e do Interior de São Paulo e de diversas cidades do país, através de quatro Conferências e 29 Palestras, realizadas por doutores, pesquisadores, historiadores, doutrinadores e formadores de opinião, os quais abordam uma variedade de assuntos relevantes. Aos que possuem a saudável sede de conhecimento e estudo. O programa abrange uma apurada análise da conjuntura brasileira atual com ênfase para os temas litúrgicos, doutrinários e ritualísticos da Ordem. Mais um evento promovido pela Associação Cultural e Assistencial Obreiros do Leste ENTRE NO SITE:jornadamaconica.com.br INSCREVA-SE Jose Renato dos Santos PAST GRÃO MESTRE ADJUNTO DA GLESP tel 011 29411621 Edson Sales Junior SECRETARIO EXECUTIVO
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 21/25 Estamos, com muito prazer, encaminhado o nosso Boletim Especial de nº 100, de junho de 2016, na esperança de estar contribuindo com a divulgação da cultura Maçônica. Informamos que todos os Boletins da Chico podem ser acessados no site: http://www.guiamaconicors.com.br/chico.da.botica/chico.da.botica.htm O Irmão também pode acessar todas as edições do Informativo JB News no site http://www.jbnews33.com.br/informativos/ Caso seja de vossa liberalidade, solicitamos divulgar o mesmo em vossas listas de Maçons, Lojas e Grupos. Com nossos agradecimentos deixamos um TFA Marco Antonio Perottoni Loja Cônego Antonio das Mercês – GORGS Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas – GORGS Porto Alegre - RS  Antes de imprimir pense em seu compromisso com o Meio Ambiente
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 22/25 Do amigo e Irmão Hélio Leite (autor do “Banque Maçônico”: Caro e querido mano e amigo Jerônimo Borges, bom dia. A minha loja-mãe lançou recentemente o seu site: www.uniaoesilencio.com.br. Nele você vai encontrar: 1. fotos de nosso templo, para aquela sua seção de templos. 2. fotos de nosso último banquete 3. Foto da outorga da Comenda do Mérito D. Pedro I, que me foi outorgada em 17/3/16 4. Convite para o boi no rolete de 2016 Veja o que lhe interessa publicar no nosso JB News. Tenha um bom dia e um fim de semana abençoado. Aceite meu terno e fraternal abraço. Helio Leite. http://www.banquetemaconico.com.br/
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 23/25 Ir Marcelo Angelo de Macedo, 33∴ MI da Loja Razão e Lealdade nº 21 Or de Cuiabá/MT, GOEMT-COMAB-CMI Tel: (65) 3052-6721 divulga diariamente no JB News o Breviário Maçônico, Obra de autoria do saudoso IrRIZZARDO DA CAMINO, cuja referência bibliográfica é: Camino, Rizzardo da, 1918-2007 - Breviário Maçônico / Rizzardo da Camino, - 6. Ed. – São Paulo. Madras, 2014 - ISBN 978-85.370.0292-6) BREVIÁRIO MAÇÔNICO – 9 de julho O IRMÃO É sabido que só os Irmãos de sangue possuem características comuns que conduzem ao afeto sólido e desinteressado, cultivando o amor familiar. Inexiste tratamento mais afetuoso que o de “irmão”; maçonicamente, já no Poema Regius, no ano de 1390, o mais antigo que se conhece, recomenda o tratamento de “caro irmão” entre os maçons. Fisiologicamente, os Irmãos provindos dos mesmos pais são denominados de “germanos”, que em latim significa “do mesmo sangue”. Na Maçonaria não há esse aspecto, porém, a Fraternidade (frater em latim) harmoniza os seres por meio da parte espiritual; diz-se que os maçons são Irmãos porque provêm da mesma Iniciação; morrem na Câmara de Reflexões para renascerem produzidos ou procriados por meio do germe filosófico que transforma integralmente a criatura, refletindo-se no comportamento posterior. A essência da Fraternidade é o amor; os maçons dedicam muito amor uns para com os outros; é essa prática que funde o sangue para que haja no grupo uma só criatura. O bem-querer, a tolerância e a Fraternidade dentro da Loja transformam o homem em criatura dócil, espontânea e fiel, apta a desempenhar a cidadania no mundo profano. A rigor, o amor fraternal deveria estender-se a toda a humanidade; no entanto, ainda não estamos preparados para isso. RIZZARDO DA CAMINO
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 24/25 O Irmão Adilson Zotovici, Loja Chequer Nassif-169 de São Bernardo do Campo – GLESP escreve aos sábados neste espaço. adilsonzotovici@gmail.com NÃO TEM TEMPO ! Triste... difícil entender ! Não sei se insatisfeito Quiçá um mau proceder, Mas grande desrespeito ! Há quem bata no peito Até com certa arrogância Dizendo-se justo, perfeito, Em flagrante inconstância Tem tempo com abundância Pra passear, pra pavonear... Tudo faz com alternância Para se refastelar ! Mas algo há de se notar Tratando-se da confraria, Sua oficina é complementar, Nem pensar no dia a dia !
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.107– Maceió (AL) sábado, 9 de julho de 2016 Pág. 25/25 Diz com grande soberbia, Doblez, acreditem vocês, Que ali sente euforia Já veio “uma vez” no mês ! Penso que pouco cortês Quando assim se arroja Esquecendo o juramento que fez Pois só não há tempo...à sua Loja !!! Adilson Zotovici ARLS Chequer Nassif-169

×