O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2067

16 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Indústria automotiva
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2067

  1. 1. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.067 – Melbourne (Vic) - segunda-feira, 30 de maio de 2016 Bloco 1 -Almanaque Bloco 2 -IrJuarez de Oliveira Castro – Se você não puder colher, plante (Foco & Ação) Bloco 3 -IrSérgio Quirino Guimarães – Vencer Minhas Paixões Bloco 4 -IrValdemar Sansão – Cargos ou Funções em Loja (2ª parte) – Mensagem do Dia Bloco 5 -IrJosé Maurício Guimarães – Maçonaria, Catolicismo, os Jesuítas e outras conexões Bloco 6 -IrPedro Juk – Perguntas & Respostas – do Ir Ícaro Bandeira Cavalcanti Andrade – (Carpina-PE) Bloco 7 - Destaques JB – Tratados de Mútuo Reconhecimento da GLSC
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 2/31 Banquete Maçônico - Origens, Preparação & Ritualística (Livro com 408 páginas, medindo 15 x 21cm) Autor: Helio P. Leite VALOR DE VENDA: R$ 59,99 Banquete Maçônico II - Simbolismo, Rituais & Gastronomia (Livro Com 282 páginas, medindo 15x21cm) Autor:Helio P. Leite Valor de Venda:R$ 50,00 COMO COMPRAR: banquetemaconico@gmail.com livro@banquetemaconico.com.br www.banquetemaconico.com.br Autor: Irmão Hélio Leite, contato: telefones (61) 8163-4605 e (85) 8662-2821 1 – ALMANAQUE Hoje é o 151º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Minguante) Faltam 215 para terminar este ano bissexto Dia do Geólogo e dia do Decorador Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 3/31  1416: Jerônimo de Praga 1469: Manuel II Rei de Portugal e Algarves  70 - Cerco de Jerusalém: Tito e as suas legiões romanas derrubam a segunda parede de Jerusalém. Os defensores judeus retiram-se para a primeira parede. Os romanos constroem uma circunvalação, cortando todas as árvores num raio de quinze quilómetros.  1416 - Jerônimo de Praga é condenado à morte na fogueira por heresia, pelo Concílio de Constança, realizado na cidade deConstança, na Alemanha.  1431 - Em Ruão, na França, Joana d'Arc é queimada na fogueira aos 19 anos por bruxaria.  1469 – Nasce Rei Manuel II, de Portugal e Algarves  1536 - Henrique VIII de Inglaterra casa com Joana Seymour, 11 dias depois da execução de Ana Bolena.  1834 - Joaquim António de Aguiar, apelidado de «O Mata-Frades», promulga uma lei, em Portugal, pela qual declara extintos «todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios, e quaisquer outras casas das ordens religiosas regulares», ficando os seus bens incorporados na Fazenda Nacional.  1917 - Alexandre I torna-se rei da Grécia.  1961 - Rafael Leónidas Trujillo, ditador da República Dominicana, é assassinado em Santo Domingo.  1998 - Paquistão realiza um teste nuclear subterrâneo no deserto de Kharan.  2003 - Pelo menos 70 pessoas associadas à Liga Nacional para a Democracia são mortas pela máfia do governo na Birmânia. Aung San Suu Kyi, líder da oposição, fugiu do local, mas é presa logo depois. EVENTOS HISTÓRICOS (fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 4/31 1816 Desembarca, no Rio de Janeiro, procedente da Europa, o naturalista francês, Augusto de Saint Hilaire, que em 1820 esteve em Santa Catarina, deixando interessante relato sobre as terras e a gente . 1872 Nasce, em Laguna, José Johanny. Jornalista editou a Revista Catarinense onde assinou vários artigos de história. Faleceu em Laguna em 25 de fevereiro de 1915. 1874 Inaugurado, nesta data, na cidade de Desterro, o cabo submarino da “Brazilian Telegraph Limited” 1898 Circula, em Florianópolis, o primeiro número do jornal crítico e literário “A Semana”. 1929 Morre, em Criciúma, o padre Ludovico Cocallo. Foi vigário das paróquias de São João Batista do Alto Tijucas, São Sebastião de Tijucas, Nossa Senhora Mãe DOS Homens, de Araranguá e Criciúma. 1962 Lei nº 828 criou o município de Navegantes, desmembrado de Itajaí. 1744 Falece Alexander Pope () poeta inglês. 1778 Falece Voltaire, François-Marie Arouet. O último suspiro - e talvez a última risada íntima - ocorreu em Paris no dia 30 de maio de 1778. A tumba onde se encontram os restos de Voltaire estão no Panthéon de Paris, no Quartier Latin. (foto JB News registrada em abril/2013) 1902 Fundação da Loja Maçônica Feminina Anita Bocaiúva, exclusivamente para mulheres, em Campos, Rio de Janeiro, fechada logo depois pelo Grande Oriente do Brasil. 1940 Ir.'. Winston Churchil. (Em 30 De Maio De 1940, Com 66 Anos De Idade Tornara-Se Primeiro Ministro Inglês, pronunciando um discurso de apenas uma linha: “Nada posso oferecer além de sangre, cansaço, lágrimas e suor”... e Hitler seria derrotado por ação dessa disposição). 1972 Intervenção policial armada no GO de São Paulo para destituir o Grão-Mestre Estadual. 1973 Decorridas as eleições de 1973, culminaram, estas, com a fraude do Poder Central, resultando no rompimento, a nível nacional, transformando os Grandes Orientes Estaduais em Potências Independentes. 1990 Fundação da Loja Obreiros da Luz nr. 44, de Lages (GOSC). 2013 O informativo JB News completa a sua milésima edição diária, ininterrupta. Fatos maçônicos do dia Fonte: O Livro dos Dias 20ª edição (Ir João Guilherme) e acervo pessoal históricos de santa catarina Extraído de “Datas Históricas de Santa Catarina” do Jornalista Jali Meirinho e acervo pessoal
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 5/31 O Ir Juarez de Oliveira Castro, MI da Loja Alferes Tiradentes, escreve às segundas- feiras - (48) 9983-1654 (Claro) - (48) 9801-9025 (TIM) juacastr@gmail.com – http://www.alferes20.net Se você não puder colher, plante. Jamais devemos desistir diante das dificuldades. A Maçonaria nos diz que somente com as dificuldades e a luta constante é que conseguiremos por termo a paz da consciência. Lembra-nos uma das viagens realizada na iniciação em que ouvimos o “entrechocar de espadas” representando o perigo que encontraremos para sairmos vitoriosos no combate às paixões e no aperfeiçoamento de nossos costumes. Lembra-nos, também, que a perseverança e a constância nas lutas contra os vícios do mundo nos levarão, sempre, a ter um final de uma vida bem melhor. Quando era criança, vivendo na minha terra natal, Fortaleza-Ceará, havia uma propaganda da Loteria Estadual do Ceará que dizia: “Insista, persista, não desista que um dia a sorte lhe chegará”. Tem um grande significado a propaganda. Não devemos jamais desistir do caminho do bem. Há um ditado árabe que diz que “quem planta tâmaras, não colhe tâmaras” e ele nos deixa uma grande reflexão. Sublinho que o provérbio tem sentido porque antigamente as tamareiras levavam de 80 a 100 anos para produzir frutos. Claro que hoje com as técnicas modernas com cinco (5) anos já temos tâmaras. Mas, o que interessa nesta apresentação é que um senhor de certa idade plantava tâmaras no deserto quando um jovem o abordou perguntando: “Mas, por que o senhor perde tempo plantando o que não vai colher”. E, aí, vem uma resposta sábia do senhor plantador: “Se todos pensassem como você, ninguém colheria tâmaras”. Aí está o que devemos fazer: vamos plantar não importando se vamos colher. Vamos fazer o bem não importando a quem. O importante é aquilo que vamos deixar. Aquilo que vamos construir e plantar as ações que não serão para mim, ou apenas para mim, mas que possam servir para todos e para o futuro. Se não temos o que colher, então vamos plantar para o futuro. E a Maçonaria faz isso constantemente para todos, planta as boas sementes da sabedoria nos homens para, preparando-os para a vida, e colocando estes homens no meio da sociedade, para colher o que há de melhor para o bem da humanidade através do culto à virtude contribuindo com o trabalho para liberdade e fraternidade social. Finalizo com a parábola do semeador citado em Mateus, 13: “- Certo homem saiu para semear. Enquanto semeava, uma parte das sementes caiu à beira do caminho e os pássaros vieram e as comeram. Outra parte caiu no meio de pedras, onde havia pouca terra. Essas sementes brotaram depressa, pois a terra não era funda, mas, quando o sol apareceu, elas secaram, pois não tinham raízes. Outra parte das sementes caiu no meio de espinhos, os quais cresceram e as sufocaram. Uma outra parte ainda caiu em terra boa e deu frutos, produzindo 30, 60 e até mesmo 100 vezes mais do que tinha sido plantado. Quem pode ouvir, ouça”. Vamos plantar não importando se vamos colher, e se nossas sementes caírem em terra boa e derem frutos, estaremos fazendo o bem. E como semeador constante, vamos semear as nossas sementes do bem. 2 – Se você não puder colher, plante.(Foco & Ação) Juarez de Oliveira Castro
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 6/31 Ano 10 - artigo 22 - número sequencial 567 -29 maio 2016 Saudações, estimado Irmão! VENCER MINHAS PAIXÕES Como toda instituição formada por homens, o maior desafio é o próprio homem. Em meio a controvérsias e Independente da confiabilidade ou não da fonte, o site Wikipedia, relata que Tito Mácio Plauto, escritor romano do segundo século antes de Cristo na sua obra Assinaria sentencia: "Lupus est homo homini non homo" (Homo homini lúpus), O HOMEM É O LOBO DO HOMEM. Neste sentido, lamentavelmente ainda ouvimos em nossa Instituição: “A Maçonaria é perfeita. O que a estraga são os Maçons”. Por quê se diz isso? Simplesmente, porque algumas frases são apenas decoradas, sem atenção ao seu sentido; e não entronizadas em nossa razão prática. O TROLHAMENTO SE FAZ PELA CONSCIÊNCIA! Dentro do homem, há uma alcatéia formada pela “arrogância”, “discórdia”, “soberba”, “vaidade”, “inveja” e “vícios”, onde o “lobo alfa” é a “paixão”. A paixão é o sentimento de desejo desenfreado. O apaixonado oscila entre o real e o ilusório. Cria uma realidade distorcida e para mantê-la junta-se aos ”lobos” da “mentira”, “tagarelice”, “tramóia”, “falsidade” e “pseudoalegria”. Nesta sequência de SETE e CINCO há também outros TRÊS, que são os desvios de “se dar bem”, “desinteresse” e “desconfiança”, cada qual em sua evolução ou involução. Mas como não ser dominado pela matilha? Ë ter a consciência de que o primeiro trabalho do 3 – Vencer minhas paixões Sérgio Quirino Guimarães
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 7/31 Maçom é vencer suas paixões, seus lobos e compreender que irmandade e amizade devem andar lado a lado. Nosso Irmão Luis Romulo Cargnin, dotado de uma sensibilidade ímpar, em seu livro “POEMAS MAÇÔNICOS”, na página 57, ensina: Porque elas contagiam Da nossa alma a saúde Desvirtuam os conceitos Tão sagrados da virtude E transmitem o veneno Do egoísmo, grande mal, Perseguindo sempre estão Os princípios da moral É preciso unir coragem Com vontade resoluta, É por isso que o trabalho Inicia na pedra bruta. Estreitamos nossos laços Se vencermos as paixões, E a amizade entre nós Une mais os corações Fortalece a nossa alma Como seu valor interno, Nossa mente purifica E aumenta o amor fraterno. Neste décimo ano de compartilhamento de instruções maçônicas, mantemos a intenção primaz de fomentar os Irmãos a desenvolverem o tema tratado e apresentarem Prancha de Arquitetura, enriquecendo o Quarto-de-Hora-de-Estudo das Lojas. Precisamos incentivar os Obreiros da Arte Real ao salutar hábito da leitura como ferramenta de enlevo cultural, moral, ético e de formação maçônica. Fraternalmente Quirino Sérgio Quirino - ARLS Presidente Roosevelt 025 - GLMMG Contato: 0 xx 31 8853-2969 / quirino@roosevelt.org.br Facebook: (exclusivamente assuntos maçônicos) Sergio Quirino Guimaraes Guimaraes Os artigos publicados refletem a opinião do autor exclusivamente como um Irmão Maçom. Os conteúdos expostos não reproduzem necessariamente a ideia ou posição de nenhum grupo, cargo ou entidade maçônica.
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 8/31 MENSAGEM DO DIA – CARGOS OU FUNÇÕES EM LOJA (2ª PARTE) Valdemar Sansão Dia 27 de maio CARGOS OU FUNÇÕES EM LOJA (2ª PARTE) Só com a posse efetiva do sucessor, cessa a responsabilidade do ocupante de cargos. a) CARGOS ELEGÍVEIS 5 - O Primeiro Vigilante – é responsável pela orientação dos Aprendizes; comanda a Coluna do Norte. Tem a responsabilidade de fechar a Loja. É o substituto natural do V∴ M∴, mas só pode dirigir a Loja ritualisticamente se for Mestre Instalado. Representa a força. Quando da Cerimônia de Iniciação, o Irmão Mestre de Cerimônias conduz o Neófito ao Ir.’. 1º Vigilante para que o ensine a trabalhar na Pedra Bruta, este lhe mostra como desbastá-la dando-lhe três batidas com o maço. O Neófito não se dá conta, naquele momento, que essas pancadas está dando em si mesmo. E... essa pedra bruta é ele próprio. Ao 1º Vigilante de uma Loja compete: 1. Substituir o Venerável Mestre em seus impedimentos; 2. Anunciar, ao 2º Vigilante e aos OObr∴ de sua Coluna, as ordens do Venerável Mestre; 3. Transmitir, ao Venerável Mestre, as comunicações do 2º Vigilante; 4. Manter a ordem e o silêncio em sua Coluna; 5. Pedir, através de uma batida de Malhete, a palavra para os Obreiros de sua Coluna; 6. Instruir os Obreiros de sua Coluna e propor aumento de salário para os Aprendizes; 7. Não consentir que os Obreiros passem de uma para outra Coluna sem autorização. 6 - 2º Vigilante –A Joia do 2º Vigilante é o Prumo, emblema da retidão de conduta que deve distinguir os Irmãos, quando estiverem fora do recinto da Loja. Senta-se no Sul e representa o Pilar da Beleza. Ao 2º Vigilante, compete: 1. Substituir o Venerável Mestre nos impedimentos deste e do 1º Vigilante; 2. Substituir o 1º Vigilante, nos impedimentos deste; 3. Anunciar, aos Obreiros de sua Coluna, as ordens do Venerável Mestre e fazer, através do 1º Vigilante, as comunicações necessárias; 4. Manter a ordem e o silêncio em sua Coluna; 5. Instruir os Obreiros de sua Coluna e propor aumento de salário para os Companheiros. 4 – Cargos ou Funções em Loja (2ª. parte) Valdemar Sansão
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 9/31 7 – Orador – Além das Luzes, para que a Loja possa estabelecer trabalho é necessária a presença de uma quarta figura que recebe o nome de Orador. Em Loja Maçônica, o Orador é a quarta Dignidade, depois do V∴M∴ e dos Vigilantes. Na Loja, ele é o representante do Ministério Público Maçônico, cabendo-lhe defender e aplicar a Legislação Maçônica em todas as oportunidades, sendo, por isso, denominado “Guarda da Lei”. Nesse ofício, a ele compete: . Apresentar suas conclusões em torno de qualquer assunto, ou proposta; . Verificar a legalidade dos documentos de visitantes; . Legitimar, ou não, um ato eleitoral; . Interpretar e dirimir quaisquer dúvidas sobre os dispositivos legais; . Ler atos e decretos do Grão-Mestre; . Denunciar de ofício Loja e Maçons que infringirem a legislação da Grande Loja; . O Orador, em Loja, é o único que pode chamar a atenção do V∴ M∴, se este cometer alguma irregularidade; representando aos poderes competentes, havendo persistência no ato ilegal; . Legitimar as Sessões Maçônicas, com suas conclusões finais sobre sua legalidade, ou não. Além disso, o Orador deve, em ocasiões solenes, apresentar peças de arquitetura (discursos) alusivas ao ato, agradecendo e desejando que levem os fluidos positivos da reunião realizada. Ao Orador compete verificar o Tronco de Beneficência. Não sabemos por que, e a nós não compete qualquer verificação para saber por que esse ato é sempre entregue ao Tesoureiro. Caso haja a formação da Cadeia de União, o Orador estará à direita do Venerável Mestre. 8 – Chanceler – É o antigo guarda dos selos e dos documentos de uma corte soberana, ou de uma universidade; em vários países europeus é o título do chefe de governo, enquanto que na América Latina aplica-se aos ministros das Relações Exteriores. Em Maçonaria, Chanceler é o oficial de uma Loja, responsável pela guarda dos selos e dos documentos dela, incluindo-se, aí, os Livros de Presença, e o timbre da Oficina (à semelhança dos antigos chanceleres das cortes medievais, altos magistrados responsáveis pela guarda do Selo Real). Timbre - toda Loja, assim como qualquer outro Corpo maçônico, possui o seu timbre que é a sua marca, o seu sinal e que a distingue das demais, quando impresso em seus papéis. O timbre, geralmente, possui símbolos maçônicos alusivos ao título da Loja, e ostenta, além do título, outros dados, como data de fundação e local da sede. Fica nas Lojas, sob a guarda do Chanceler. Chama-se também Guarda dos Selos o oficial das Oficinas dos Grandes Orientes ou Grandes Lojas e Supremos Conselhos que tem a seu cargo a guarda dos selos e timbres e os apõe nos documentos principais, registrando-os em livro especial, por ordem cronológica e anotados em índice de assuntos. A ordem, a exatidão, zelo, critério e assiduidade aos trabalhos são requisitos indispensáveis para chegar-se a este honroso cargo que, nas Lojas bem organizadas, só é confiado ao Mestre mais antigo e nas Grandes Lojas ao decano em idade.
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 10/31 9 – Guarda do Templo – Chama-se também Cobridor. É o cargo do encarregado da segurança da Loja durante os trabalhos. Este cargo deve ser desempenhado por Maçom perfeito conhecedor dos sinais, toques e palavras. Armado de espada representa o traço de união entre o mundo externo e a Loja, cuja porta mantém fechada. Quando alguém bate, ele faz a comunicação ao 1º Vig∴ e este a transmite ao V∴M∴ que autoriza a entrada depois da verificação do nome e do grau de quem bate. É-lhe proibido sair do lugar que ocupa à porta da Loja. Estando de pé, fica à ordem mantendo a espada cruzada sobre o peito e apoiada no ombro esquerdo. Compete-lhe: I – manter sempre fechada a porta do Templo; II – avisar o 1º Vigilante quando baterem a Porta do Templo e transmitir-lhe o que for comunicado pelo Cobridor; III – só permitir a entrada de obreiros do Quadro depois da autorização do Venerável; IV – pedir e receber do visitante, pertencente à Loja da jurisdição, a Palavra Semestral e, de Obreiros em geral, a Palavra de Passe, sempre que a Loja esteja funcionando em Grau de Companheiro ou Mestre; V – não permitir que os obreiros cubram o T∴ sem prévia autorização do V∴M∴ ou dos Vigilantes. O 11º Landmark diz: “A necessidade de estar uma Loja a coberto, quando reunida, é um importante Landmark que não deve ser descurado. Origina-se do caráter esotérico da Instituição. O cargo de Guarda do Templo, que vela para que o lugar das reuniões esteja absolutamente vedado à intromissão de profanos, independe, em absoluto, de quaisquer leis de Grandes Lojas ou Lojas subordinadas. E o seu dever, por este Landmark é guardar a Porta do Templo, evitando que se ouça o que dentro dele se passa”. “Cobrir o Templo” não significa “fechar a porta”. Estar a coberto é muito mais do que fechar a porta. O Templo é um lugar dentro da Natureza, tanto que o teto é a própria Abóbada Celeste, em noite amena, quando as constelações são visíveis. A “coberto” significa estar sob o “Manto Sagrado do Grande Arquiteto do Universo”. Estar a coberto é possuir a Loja a sua Carta Constitutiva. O G∴T∴ é um protetor que, com sua Espada, afasta qualquer intromissão profana, mas essa “intromissão” não diz respeito apenas às pessoas. Não esqueçamos que a Corda de 81 Nós termina justamente na porta de entrada, interrompendo o círculo e findando com duas borlas pendentes em direção ao solo. 10 - Tesoureiro – Tem a seu cargo a responsabilidade o controle de todos os metais da Loja; cobrança e a guarda dos fundos da Loja, efetuando ou verificando os pagamentos; ter a escrituração sempre em dia; pagar a despesa legal, a vista de documentos; apresentar o projeto de orçamento da “receita e despesa”, anualmente; guardar os metais da Hospitalaria; recolher à Grande Tesouraria da Obediência os metais devidos, referentes a taxas e anuidade da Loja. Apresentar mensalmente, para conhecimento da Loja, a relação dos Obreiros em atraso com mais de duas mensalidades e contribuições. P.S. Continuação deste trabalho: CARGOS OU FUNÇÕES EM LOJA (3ª PARTE)
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 11/31 IrJosé Maurício Guimarães Venerável Mestre e fundador da Loja Maçônica de Pesquisas “Quatuor Coronati” Pedro Campos de Miranda jurisdicionada à Grande Loja Maçônica de Minas Gerais. Exerço o livre pensamento e a busca constante da Verdade, pois não tenho compromisso com o erro.(1) MAÇONARIA, CATOLICISMO, OS JESUITAS E OUTRAS CONEXÕES Os que estudam o Rito Escocês da Maçonaria constatam nele um acentuado aspecto religioso... Não me refiro aos Graus Simbólicos – que, na verdade, constituem o trabalho litúrgico maçônico geral ou "craft" – mas ao desenvolvimento superior, do Grau 4º ao Grau 33º. A Maçonaria, que deveria ser refratária ao proselitismo religioso, não escapou, no curso de sua história, das inspirações clericais: se na Inglaterra predominou a influência do anglicanismo e presbiterianismo, na França (berço do Rito Escocês) prevaleceram os efeitos do catolicismo. 5 – Maçonaria, Catolicismo, os Jesuítas e outras conexões José Maurício Guimarães
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 12/31 Não tenho a pretensão de esgotar o assunto nas limitações de minha capacidade ou nas possíveis imperfeições deste artigo. Mas creio que esta análise, fácil de ser compreendida, lançará alguma luz sobre os supostos "mistérios" que rondam a maçonaria escocesa, o rosacrucianismo e os interesses velados do Vaticano sobre as Loja maçônicas. Deixemos de lado as fantasias, as crendices, e vamos aos fatos: Depois que os Stuarts foram exilados na França em 1715, Andrew Michael Ramsay proferiu uma instrução aos maçons, afirmando que a maçonaria seria a sucessora da Ordem dos Templários e que as Lojas reclamavam legítimos ou supostos direitos dos antigos maçons operativos ligados à nobreza, à burguesia e à Igreja Católica. Vocês encontrarão muitos autores maçônicos torcendo o nariz para o célebre "Discurso de Ramsay" – uns por desconhecerem a história, outros por insistirem em manter esse assunto, bastante esclarecedor (e comprometedor), longe de nossos estudos. Ramsay havia se convertido ao catolicismo e mantinha, na França, estreita relação de amizade com os jesuítas. Dessa proximidade, a maçonaria passou a atrair simpatizantes para a causa da Contra-Reforma Católica que incluía, desde o Concílio de Trento (1545 a 1563) a catequização dogmática mediante a ação da Companhia de Jesus (Societas Jesu, "os jesuítas", ou S. J.), ordem fundada pelo basco Íñigo López de Loyola (o Santo Inácio de Loyola). Além das intenções políticas dos jesuítas na França – assunto que escapa ao objetivo deste artigo – a Companhia de Jesus pretendia reconduzir e voltar a submeter o povo britânico à autoridade do Vaticano mediante o apoio dos Stuarts e, obviamente, pela "doutrinação escocesa" do Cavaleiro Ramsay e das astúcias do Rosa-Cruz cristão, Charles Edward Louis Casimir Severin Stuart. O complô dos jesuítas incluía, além de uma moderna cruzada, ações e pressão junto aos políticos da Europa e a conquista do parlamento inglês. O sistema proposto por Ramsay pressupunha ainda um conselho secreto de jesuítas infiltrados no rito maçônico(2). Tudo isso foi convenientemente "desmentido" mais tarde, e Charles Edward Stuart tratou de desdizer quaisquer ligações com as lideranças dos graus templários e a conexão jesuíta. Mesmo o Rito Escocês Retificado (RER) foi diversas vezes "corrigido" e depurado durante as Magnas reuniões de Colônia, Lyon e Wilhelmsbad, nas quais foram colocados de lado os elementos introduzidos na maçonaria pelos jesuítas. Foi no escopo do Rito Escocês Retificado que nasceu o autêntico martinismo de Martinez de Pasqually, Barão von Hund e Louis Claude de Saint Martin, mais tarde desfigurado e falsificado em diversas correntes devido à ferrenha
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 13/31 oposição de Jean Baptiste Willermoz (o que explica, de certa forma, os resquícios de um mal interpretado cristianismo católico em suas atuais correntes). Durante os séculos XVIII e XIX evidenciaram-se muitas correntes antijesuíticas a partir do Iluminismo francês, reforçando uma suposta rivalidade entre os maçons e a Companhia de Jesus. Os intelectuais jesuítas revidaram. Com o conhecimento maçônico que haviam adquirido, convenceram o Papa Leão XIII e os bispos da França a fazerem infiltrar Léo Taxil (Joseph Antoine Pagès) na maçonaria, mediante iniciação, que produziu uma série de livros e panfletos acusando as Lojas de satanismo e adoração a um bode(3). Em abril de 1884, o mesmo Papa Leão XIII escreveu a Encíclica Humanun Genus ("O gênero humano") onde colocou uma pá de cal sobre o assunto, assim se pronunciando a todos os fiéis e ao clero: "Nós rogamos e imploramos a vós, respeitáveis irmãos, a juntar os vossos esforços com os nossos, e esforçadamente lutar pela extirpação desta praga maligna, que está se esgueirando através das veias do corpo da política [...] Desejamos que o vosso primeiro ato seja arrancar a máscara da Maçonaria, e deixar que ela seja vista como realmente é; e por sermões e cartas pastorais instruam o povo quanto aos artifícios usado pelas sociedades deste tipo para seduzir os homens e persuadi-los a entrar em suas fileiras, e quanto à perversidade de suas ações e à maldade de seus atos [...] Que nenhum seja enganado por uma pretensão de honestidade. Pode parecer a alguns que os maçons não exigem nada que seja abertamente contrário à religião e à moral; mas, como todo princípio e objetivo dessa seita está naquilo que é vicioso e criminoso, ajuntar-se com estes homens ou em algum modo ajudá-los não pode ser legítimo [...] A Maçonaria mostra-se insolente e orgulhosa de seu sucesso, e parece que ela não colocará limites à sua pertinácia. Seus seguidores, ajuntados por perversos acordos e por conselhos secretos, ajudam-se uns aos outros, e excitam-se uns aos outros a uma audácia nas coisas malignas." (Confiram a encíclica neste link do vaticano [ http://w2.vatican.va/content/leo-xiii/pt/encyclicals/documents/hf_l- xiii_enc_18840420_humanum-genus.html ] No século XX, os estudos acadêmicos (mesmo nas Universidades Católicas) lançaram novas luzes sobre o assunto; acreditava-se que um diálogo isento e inteligente poderia ser reiniciado entre católicos e maçons. As coisas pareciam ir chegando nos eixos quando, em novembro de 1983 o Cardeal Joseph Ratzinger(4), cumprindo ordens do Papa João Paulo II, durante a audiência de fevereiro de 1981, chamou de novo o povo católico para o parecer imutável de Leão XIII, também expresso como a negativa da Igreja a respeito das associações maçônicas e outras associações igualmente não mencionadas: A "Congregação Para a Doutrina da Fé" é a sucessora da "Suprema e Sacra Congregação do Santo Ofício", também chamada "Suprema e Sacra Congregação da Inquisição Universal" ou simplesmente, como no passado, a "Santa Inquisição".
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 14/31 "Declaração Sobre a Maçonaria - Foi perguntado se mudou o parecer da Igreja a respeito da maçonaria pelo fato que no novo Código de Direito Canônico ela não vem expressamente mencionada como no Código anterior. Esta Sagrada Congregação quer responder que tal circunstância é devida a um critério redacional seguido também quanto às outras associações igualmente não mencionadas, uma vez que estão compreendidas em categorias mais amplas. Permanece portanto imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçônicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçônicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão. Não compete às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçônicas com um juízo que implique derrogação de quanto foi acima estabelecido, e isto segundo a mente da Declaração desta Sagrada Congregação, de 17 de Fevereiro de 1981 (cf. AAS 73, 1981, p. 240- 241). O Sumo Pontífice João Paulo II, durante a Audiência concedida ao subscrito Cardeal Prefeito, aprovou a presente Declaração, decidida na reunião ordinária desta Sagrada Congregação, e ordenou a sua publicação. Roma, da Sede da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, 26 de Novembro de 1983. Joseph Card. Ratizinger, Prefeito (Confiram a proibição que ainda está em vigor, neste link do vaticano; [ http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfait h_doc_19831126_declaration-masonic_po.html ] Chamo a atenção dos leitores para a passagem: "não compete às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçônicas com um juízo que implique derrogação de quanto foi acima estabelecido", ou seja: os padres e bispos não podem fazer vista grossa sobre tal interdição, não têm permissão para abolir, relaxar ou alterar a proibição papal. Sei que tudo isso resulta muito incômodo para os maçons que de muito boa-fé professam sua fé. No entanto, não se pode mais "cobrir o sol com a peneira"; são fatos. Muitos poderão questionar, alegando que "há padres e bispos na maçonaria, frequentando nossas Lojas" e mesmo celebrando missas sobre altares maçônicos para as famílias de nosso Irmãos. A esses esclareço, para que não restem dúvidas, que uma coisa são os padres e bispos da Igreja Católica Apostólica Romana (Santa Sé ou Vaticano); outra coisa é a Igreja Católica Apostólica Brasileira, fundada por Dom Carlos Duarte Costa (1888-1961) bispo excomungado pela Igreja Católica Apostólica Romana do Vaticano. A Igreja Católica Brasileira de Dom Carlos em tudo se parece com a Igreja do Vaticano; mas não é a Igreja Católica do Papa, mesmo porque prega, entre
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 15/31 outras coisas, a abolição do celibato clerical, permitindo o casamento aos padres e bispos. Dessa Igreja Brasileira originaram-se dezenas de outras denominações independentes, no Brasil e no exterior. São os que se autodenominam vétero-católicos, novos anglicanos, néo-ortodoxos, etc.: a Igreja Anglicana Tradicional do Brasil, a Igreja Católica Apostólica Cristã, Igreja Católica Apostólica Nacional, Católica Apostólica Ortodoxa, o Patriarcado do Brasil, a Católica Apostólica Ortodoxa Americana, Católica Apostólica Ortodoxa Ocidental, Católica Apostólica Trinitária, Católica Livre do Brasil, a Igreja dos Velhos Católicos do Brasil, Igreja Episcopal Latina do Brasil, a Ordem dos Santos Padres Católicos Apostólicos Ortodoxos, a Santa Igreja Velha Católica, Ordem dos Missionários de Cristo Sacerdote Eterno, Congregação dos Missionário de Cristo Sacerdote Eterno, Congregação dos Missionários de Jesus, Congregação de São José, a Sociedade Missionária de São Marcos Evangelistas e muitas outras. Não quero nem posso polemizar sobre religião, nem autorizar umas e desautorizar outras. Apenas alerto para essa imensa variedade de "igrejas e padres católicos" que parecem ser a Igreja Apostólica do Vaticano; parecem, mas não são. Essa confusão toda resultou, no Brasil, em inúmeras ilações de que João Paulo II teria sido maçom – justamente ele que sempre se mostrou contrário às associações maçônicas e ferrenho inimigo das Lojas maçônicas do mundo inteiro, tendo expressado acerca de nossos princípios como inconciliáveis com a doutrina da Igreja – mesma linha adotada pelo atual Papa Francisco, o primeiro papa jesuíta escolhido, em ao longo de toda a história da Igreja. Outro movimento que tem confundido a compreensão sobre o pensamento católico entre os maçons é a Opus Dei, organização que se tornou muito conhecida após o livro de Dan Brown, "O Código Da Vinci", publicado em 2003 e filme do mesmo nome, estrelado por Tom Hanks em 2006. Essa instituição se insinua amplamente em todos os segmentos da sociedade – e, como não poderia deixar de ser, na própria maçonaria. A Opus Dei foi fundada mediante "inspiração divina" em 1928, na Espanha (terra e vocação do mesmo Inácio de Loyola), por Josemaria Escrivá de Balaguer. Está presente em setenta países. Também conhecida como Prelazia da Santa Cruz, a Opus Dei é um tipo de diocese ou jurisdição especial que como objetivo impulsionar as pessoas de todas as classes sociais para a vida cristã e a defesa dos ideais católicos, desde o homem comum até os mais ilustres, sem modificar-lhes o modo normal de vida ou seus trabalhos. É, no fundo, uma Ordem de homens e mulheres virtuosos e muito devotos que pouco se revela ao mundo, mas que influencia decididamente a sociedade, a política e a Igreja. A maioria dos membros da Opus Dei são extranumerários, homens e mulheres, na maioria casados. Os restantes
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 16/31 – numerários e agregados – vivem o celibato (sem modificarem suas condições laicas ou profissionais) para se dedicarem ao trabalho de formação dos outras pessoas na Opus Dei. (1) Parte da epígrafe que costumo usar nos meus textos foi recentemente usada por Michel Temer ao citar o original que é de Juscelino Kubitschek: "Costumo voltar atrás, sim, pois não tenho compromisso com o erro". Eu conhecia esse pensamento "de ouvido"... mas não sabia que era de JK. Fiquei mais feliz ainda! (2) Sobre a Ordem dos Jesuítas, recomendo o excelente livro do Irmão Ademar de Castro "O que é... a Igreja Católica Romana", editado pela Gazeta Maçônica em 1975. Com o surgimento do Iluminismo, os jesuítas foram combatidos em muitos países da Europa e expulsos de Portugal no reinado de D. José I, em 1759, sobre a orientação do primeiro-ministro maçom, Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras e futuro Marquês de Pombal (3) Nasce dessa farsa a figura do bode na maçonaria, apesar de muitos Irmãos pretenderem "dourar a pílula" dessa infame acusação que tantos danos nos tem causado. (4) o Cardeal Joseph Ratzinger tornou-se Papa Bento XVI em abril de 2005 e renunciou ao cargo em fevereiro de 2013. Convido você para conhecer o meu site http://josemauricioguimaraes.com.br/index.html Sou contra o spam na rede e respeito a sua privacidade. Para garantir que todas as informações enviadas cheguem até você, escolha uma das três opções: 1) adicione o remetente jmauriciog@josemauricioguimaraes.com.br ao seu catálogo de contatos; 2) ou marque-o como confiável; 3) ou inscrever-se no meu site clicando aqui _ http://josemauricioguimaraes.com.br/participar.html ::: ::: ::: ::: ::: ::: :::
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 17/31 Este Bloco é produzido pelo Ir. Pedro Juk, todas as terças, quintas, sábados e domingos Loja Estrela de Morretes, 3159 - Morretes – PR Substitutição de cargos Em 08/10/2015 o Irmão Ícaro Bandeira Cavalcanti de Andrade, Aprendiz Maçom da Loja Academia de Suassuna Carpinense, 67, REAA, GOIPE-COMAB, Oriente de Carpina, Estado de Pernambuco, assinante da Revista A Trolha, formula as questões seguintes: icaro_andr@hotmail.com 1. Em determinada reunião em minha Oficina, em razão de o Secretário titular estar exercendo "Ad Hoc" outra função, a secretaria ficou "sob espada", sendo incumbido a mim, Aprendiz Maçom, a digna missão de lavrar o balaústre, ocupando o cargo de Tesoureiro ad hoc naquela Sessão, posto que não poderia subir ao Oriente. Na reunião seguinte, quando o Secretário titular leu a ata elaborada por mim e submetia à aprovação, o Irmão Orador interviu, observando que havia minha assinatura no referido documento, sendo que, segundo aquela Dignidade, só o Secretário titular pode assinar as atas e documentos da Secretaria. Embora concordando em parte com o Irmão, visto que sequer este humilde Aprendiz ocupava a Secretaria na Sessão anterior (Tesoureiro em exercício temporário), gostaria de esclarecimentos no que atine à competência para apor assinaturas como ocupante do cargo Ad Hoc. Também gostaria que o estimado Irmão esclarecesse se naquela Sessão eu poderia ter assumido a Tesouraria e lavrar a ata ao mesmo tempo, considerando que naquela oportunidade só havia cinco Mestres. 2. Na minha Loja mãe, os Irmãos aduzem que só os Mestres ocupam cargos no Oriente, e quiçá, na Oficina inteira, todavia, em seu irretocável Curso de Maçonaria vol. I (para o Grau de aprendiz), o Irmão já falecido, Theoabaldo Varoli Filho, afirma categoricamente que os Companheiros podem assumir a Secretaria e a Oratória, informação que igualmente colide com o que se pratica em outras Oficinas pernambucanas, visto que, na minha região, em Lojas de Potência distinta que frequento esporadicamente, há a concordância quase unânime de que só os Mestres Instalados podem ser o representante do Ministério Público em Oficina (observação razoável, considerando a necessidade de Não esqueça: envie sua pergunta identificada pelo nome completo, Loja, Oriente, Rito e Potência. 6 – Perguntas & Respostas Pedro Juk
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 18/31 experiência para tal exercício). Quem está com a razão, Theobaldo Varoli e outros baluartes de verve autêntica ou essa prática aparentemente herdada dos místicos? Considerações: 1 – Eu lamento informar que houve uma sucessão de erros, inclusive no uso desse termo estranho “sob espada”. Qualquer cargo em Loja é privativo de Mestre Maçom. A cátedra do Secretário por ser uma das Dignidades da Loja não poderia jamais ficar vazia em Loja aberta. Na ausência do titular um Mestre “Ad Hoc” preenche o cargo. Saliente-se que tradicionalmente sem o mínimo de sete Mestres uma Loja não pode ser aberta. Para o caso do REAA, numa situação dessas, a Loja deveria ficar assim composta: Venerável e os Vigilantes mais o Orador e o Secretário somados ao Cobridor Interno e ao Mestre de Cerimônias. Os Diáconos nessa oportunidade seriam preenchidos “momentaneamente” para a transmissão da Palavra pelo Secretário e pelo Mestre de Cerimônias. Assim, no que diz respeito ao item 1 da questão, em primeira instância o Orador está correto em não permitir assinatura de um Aprendiz (ou mesmo de um Companheiro) no Balaústre, já que independente de qualquer situação Aprendizes e Companheiros não podem assumir nenhum cargo em Loja. Há, entretanto outra situação não menos importante. Caberia perguntar então: como é que o Orador na oportunidade pode permitir que um Aprendiz assumisse o cargo de Tesoureiro e ainda deixando-o responsável por lavrar o Balaústre da Sessão na Coluna do Norte e no lugar do Secretário? No meu modo de ver, essa Sessão, a mesma que resultou no Balaústre, devido a sua composição não deveria ser realizada já que ela não poderia ser considerada Justa e Perfeita. Quanto à questão de um Secretário “Ad Hoc”, em sendo ele um Mestre Maçom, o mesmo pode perfeitamente assinar o livro dos Balaústres. 2 – Parece difícil compreender como é que o Mestre Theobaldo Varolli tenha equivocadamente mencionado em algumas das suas obras que Aprendizes e Companheiros poderiam assumir cargos em Loja. Acredito que provavelmente o autor (oriundo da Grande Loja) estivesse se referindo sim aos idos tempos operativos da Maçonaria de Ofício, quando de então não existia ainda o grau especulativo de Mestre Maçom, salvo apenas duas classes de trabalhadores (cortadores e entalhadores da pedra). Na Maçonaria Operativa (de Ofício) era comum a regra de que uma Oficina seria obrigatoriamente composta por um dirigente e dois auxiliares imediatos (Companheiros designados como Mestre da Obra e como Wardens), mais dois Companheiros do Ofício (Fellows Craft) e dois Aprendizes da Arte, cuja quantidade mínima perfazia sete integrantes. É daí que viria surgir o conhecido princípio - Três governam a Loja; Cinco a compõe e Sete a completam. Desse modo, tratava-se então da Maçonaria de Ofício (antecessora da Moderna Maçonaria Especulativa). Assim, naquelas épocas remotas dos construtores da pedra o Mestre da Obra (não confundir com o atual grau de Mestre Maçom) era na verdade um Companheiro do Ofício, já que como mencionado, existiam apenas duas classes de trabalhadores à época – a dos Aprendizes Iniciados (na Arte) e a dos Companheiros do Ofício – geralmente dentre esses últimos é que era escolhido o mais experiente para dirigir o Canteiro de Obras (atual Loja). Inclusive, vale a pena mencionar que esse Mestre da Obra foi o ancestral do Venerável Mestre da Moderna Maçonaria Especulativa. Quanto ao grau especulativo do Mestre Maçom, ele somente apareceria na Moderna Maçonaria por volta de 1.724/25 e oficializado a partir da segunda Constituição de Anderson – a de 1.738. Entenda-se que para registo histórico e acadêmico a Maçonaria Especulativa, ou dos Aceitos tem como ponto de partida o ano de 1.600 em Edimburgo na Escócia. Já a rotulada como Moderna Maçonaria, que inauguraria dentro da Maçonaria Especulativa o primeiro sistema obediencial (aparece a Obediência e a figura do Grão-Mestre), tem como marco de referência histórica a fundação da “Premier Grand Lodge” em Londres a 24 de junho de 1.717.
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 19/31 Anterior ao ano de 1.600 tem-se apenas registro documental (autêntico) a partir do século XII com as Guildas dos Construtores ou dos Canteiros Medievais a exemplo da Companhia dos Maçons de Londres no período operativo (profissional) – ver as Associações Monásticas, Confrarias Leigas e por fim a Francomaçonaria de Ofício. Graças a esses acontecimentos da história é que provavelmente, muitos bons articulistas em não raras vezes fizeram referência aos tempos remotos da Ordem (séculos XII e XIII) o que, se bem observado, se diferenciava em muito das práticas da Moderna Maçonaria surgida no seu período Especulativo desde o século XVIII. Desse modo é que mesmo excelentes autores autênticos, a exemplo de Varolli, acabariam mencionando práticas que estariam em desacordo com a liturgia e ritualística iniciática da atual Maçonaria. Inclusive, a título de ilustração, ainda existem muitos Regulamentos de Obediências Maçônicas que entram em contradição com as práticas ritualísticas por não observar essa tradição. Talvez possa essa ser uma explicação plausível para a afirmativa do saudoso Irmão Theobaldo Varolli Filho quando mencionava que Companheiros podiam ocupar cargos em Loja na atual Maçonaria. Já no que diz respeito aos Mestres Instalados não existe nada de verídico em relação ao mencionado na vossa questão, até porque aos olhos da razão em se tratando do REAA, esse título distintivo é puro enxerto, já que a Instalação, tal como a que comumente conhecemos por aqui, é natural da vertente inglesa de Maçonaria, lembrando que a Maçonaria brasileira e em particular o Rito Escocês, salvo raras exceções, é filha espiritual da França. Assim, na França, Instalação é tida pura e simplesmente como a posse do Venerável Mestre. Terminado o seu ofício no tempo regimental ele é apenas o ex-Venerável. Infelizmente ainda muitos cultuam equivocadamente o Mestre Instalado como fosse ele um grau maçônico, o que não é verdade, pois ele é apenas um título distintivo dado para aquele que fora um dia eleito para exercer o cargo de dirigente principal da Loja. Exceto o Venerável Mestre de ofício, nenhum outro cargo na Loja é restrito a um Mestre Instalado, lembrando também que genuinamente o substituto imediato do Venerável em caso precário (ausência temporária por motivo de força maior, não definitiva) é o Primeiro Vigilante e que, numa situação dessas, ele não precisa ser necessariamente um Mestre Instalado. Concluindo, volto a repetir: a condição sine qua non para que um maçom possa assumir qualquer cargo em Loja na Moderna Maçonaria, além de outras exigências previstas pela Lei das respectivas Obediências, a principal é a que ele seja portador do grau de Mestre Maçom podendo, inclusive, se legalmente eleito, ser Instalado (tomar posse) como Venerável Mestre de ofício da Oficina. Com isso, não existe nada de preconceituoso contra os Aprendizes e os Companheiros no que diz respeito à ocupação de cargos – essa prática é apenas o cumprimento de uma regra iniciática e de plenitude de direitos maçônicos. T.F.A. PEDRO JUK – jukirm@hotmail.com - Nov/2015
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 20/31 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 04.05.1956 Acácia do Continente - 2014 Florianópolis 04.05.1956 Lauro Müller - 1694 Florianópolis 05.05.2001 Luz do Vale - 3370 (30/06/2010) Gaspar 06.05.1997 Comte. Lara Ribas - 3055 Florianópolis 08.05.1996 Zohar - 2948 Florianópolis 10.05.1995 Orvalho do Hermon - 2859 Brusque 13.05.1999 Libertação - 3228 São José 13.05.2000 União e Prosperidade - 3316 Florianópolis 15.05.2000 Fraternidade Barravelhense - 3314 Barra Velha 19.05.2001 União da Ilha - 3372 Florianópolis 19.05.2004 Costa Esmeralda - 3595 Itapema 20.05.1951 Acácia do Sul - 1346 Videira 20.05.2011 Harmonia e Fidelidade - 4129 Itapema 21.05.1998 Perfeição Biguaçu - 3156 Florianópolis 22.05.1998 Acad. Bruno Carlini - 3176 Baln. Camboriú 25.05.1902 Ordem e Trabalho - 0787 Florianópolis 28.05.1998 Obreiros de Trento - 3161 Rio dos Cedros 28.05.2008 A Caminho da Luz - 3925 Joinville 30.05.1997 Hiram - 3059 Mafra 30.05.2005 Phoenix - 3662 Baln. Camboriú 30.05.2008 Estrela Mística - 3929 Itajaí 31.05.2004 Luiz Alberto Pacenko - 3621 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de maio 7 – Destaques (Resenha Final)
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 21/31 GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 04.05.1956 Lauro Muller nr. 07 Florianópolis 04.05.1992 Arte Real Palhocence nr. 51 Palhoça 07.05.1967 Obreiros de São João nr. 13 São Bento do Sul 08.05.1987 Phoenix nr. 46 Lages 09.05.1994 Acácia Pomerana nr. 60 Pomerode 09.05.2006 João Cândido Moreira nr. 87 São Francisco do Sul 10.05.2001 Eduardo Teixeira II nr. 80 Camboriú 11.05.1886 Luz Serrana nr. 12 Lages 12.05.1977 Fraternidade Timboense nr. 19 Timbó 23.05.2000 Luz do Planalto nr. 76 São Bento do Sul 27.05.1998 Luz, Paz e Fraternidade nr. 71 Indaial 27.05.1983 União Indaialense nr. 36 Indaial GOSC https://www.gosc.org.br Data Loja Oriente 03/05/1982 Templários do Vale Indaial 07/05/2001 Artífices da Sabedoria Pomerode 09/05/2011 Luz e Verdade Blumenau 11/05/1982 Acácia do Sul Tubarão 13/05/1979 Milênio da Paz Chapecó 13/05/1999 Fraternidade Universal Florianópolis 15/05/1979 Justiça e Trabalho Balneário Camboriú 16/05/2008 Cavaleiros do Oriente Biguaçu 20/05/1996 Manoel Galdino Vieira Florianópolis 23/05/2013 Triângulo União Fraterna Florianópolis 25/05/1902 Ordem e Trabalho Florianópolis 26/05/2002 Colunas do Vinhedo Urussanga 30/05/1990 Obreiros da Luz Lages 30/05/2000 Lázaro Gonçalves de Lima São José 30/05/2012 Luz e Sabedoria Joinville
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 22/31 Maçonaria na Austrália: Maçons Australianos Famosos: O Irmão Douglas Ralph Nicholls, nasceu em 09 de dezembro de 1906 em missão Cummeragunja aborígene, New South Wales. Foi jogador de futebol australiano, soldado, boxeador e Pastor. Foi o primeiro aborígene australiano a ser nomeado cavaleiro e primeiro a servir no gabinete “vice- régia”. Em 01 de dezembro de 1976 foi nomeado governador da Austrália do Sul, sendo o primeiro aborígene governador, mas a sua saúde deteriorou-se em algumas semanas, tornando-se difícil para ele exercer as suas funções oficiais. Douglas Nicholls morreu em 4 de Junho de 1988. Foi iniciado na Lodge Antoc (Grande Loja Unida de Victoria) em 1954. Or∴ de Belo Horizonte, 27 de maio de 2016. A A∴R∴L∴S∴ Guardiões da Liberdade 038 convida os IIr∴ para a sessão Magna de instalação e posse da administração 2016/2018, a realizar-se no dia 15 de junho de 2016 Às 20:00 no templo 702 na Av.Brasil 478 Santa Efigênia Venerável Mestre – Euler Teles Caetano Primeiro Vigilante – Sérgio Paranhos F. Belizário Segundo Vigilante – Camilo Manoel Campolina ARLS Guardiões da Liberdade nº 038 Jurisdicionada à GLMMG Av. Brasil, 478 – Templo 702 – Bairro Santa Efigênia Belo Horizonte – MG – CEP 30.140-001
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 23/31 Tratados de Mútuo Reconhecimento, de Compartilhamento de Território e de Amizade assinados pela Grande Loja de Santa Catarina ( do site http://www.mrglsc.org.br Durante a Assembleia Geral do Povo Maçônico realizada no dia 23 de abril de 2016 no Templo da Grande Loja de Santa Catarina, em Florianópolis, a Grande Loja de Santa Catarina assinou os seguintes Tratados: Mútuo Reconhecimento e Compartilhamento de Território entre a com a Grande Loja de Santa Catarina e o Grande Oriente de Santa Catarina. Este Tratado pode ser lido clicando aqui.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 24/31 Mútuo Reconhecimento e de Amizade entre a Grande Loja de Santa Catarina e o Grande Oriente do Paraná. Este Tratado pode ser lido clicando aqui.
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 25/31 Mútuo Reconhecimento e de Amizade entre a Grande Loja de Santa Catarina e a Grande Loja Simbólica do Paraguai. Este Tratado pode ser lido clicando aqui.
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 26/31 Mútuo Reconhecimento e de Amizade entre a Grande Loja de Santa Catarina e a Grande Loja Equinocial do Equador. Este Tratado pode ser lido clicando aqui.
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 27/31 Loja Estrela do Oriente (São José do Rio Preto) Sessão Magna de Elevação na ARLS Estrela do Oriente 159 - GLESP no Or.'. de São José do Rio Preto/SP. dos Irmãos Dela Morena, Ivo Misiagia, Carlos Alves Filho e Denilson Marzocchi (afilhado do operoso Irmão Chico Madeira). Os trabalhos foram conduzidos pelo VM Ir.'. Aledir Silveira Pereira. (Fotos e texto do Ir Chico Madeira
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 28/31
  29. 29. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 29/31 ARLS Regeneração Olindense nr. 3218 – Grande Oriente de Pernambuco
  30. 30. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 30/31 Os vídeos são pesquisados ou repassados, em sua maioria, por irmãos colaboradores do JB News. 1 – Mamãe pata e sua ninhada: Mamãe pata e sua ninhada.mp4 2 – Hotel Tropical – Manaus – Brasil: Brasil.-Manaus - Hotel Tropical-EcoPark._._._._._._._._._._._._D.4-4.pps 3 – Lugares Incríveis: LUGARES INCRIVEIS.pps 4 – Fotos muito pouco conhecidas: FOTOS Muito Pouco Conhecidas.pps 5 – Fotos Curiosas: Fotos Curiosas 24 (som).ppsx 6 – Ilhas de Fernando de Noronha: Islas_de_Fernando_de_Noronha.ppsx 7 – Filme do dia: “Gatilhos em Fogo” – Faroeste – legendado https://www.youtube.com/watch?v=5CYKF3Sdcdw
  31. 31. JB News – Informativo nr. 2.067 – Melbourne (Vic.) segunda-feira, 30 de maio de 2016 Pág. 31/31 Velha árvore de mais de dois mil anos na África do Sul, conhecida como a árvore da vida

×