O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2056

56 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2056

  1. 1. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.056 – Melbourne (Vic) - quinta-feira, 19 de maio de 2016 Bloco 1 - Almanaque Bloco 2 – IrOsvaldo Pereira Rocha – Dia do Abraço Bloco 3 - IrDanilo Bruno Louro de Oliveira – Estudos sobre a 1ª Vigilância Bloco 4 - IrEdson Gomes da Silva – O que são valores? Bloco 5 - Profª Eneida de Assis – Ritos Mortuários: As Pompas Fúnebres na Maçonaria Bloco 6 - IrValter Cardoso Júnior – A Revolução Pernambucana e a participação de religiosos maçons Bloco 7 - Destaques JB – versos do Ir. e Poeta Raimundo Corado – Maçonaria na Austrália & outros informes
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 2/30 O Brasil tem histórias incríveis, que a maioria dos brasileiros cada vez conhece menos. Você sabia... … que a Bandeira Imperial foi criada por um francês e o Brasão da República, por um alemão? … que o Brasil pode ser chamado, com justiça, de país Templário? … que uma bandeira nacional brasileira já tremulou com uma estrela vermelha? … que o primeiro a segurar a primeira Bandeira Nacional Brasileira seria o maior responsável pela consolidação territorial do Brasil? Não duvide, porque é verdade! Veja em www.artedaleitura.com 1 – ALMANAQUE Hoje é o 140º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Crescente) Faltam 226 dias para terminar este ano bissexto Dia do Defensor Público, dia do Físico Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 3/30 1905: Albert Einstein  715 — É eleito o Papa Gregório II  1051 — Casamento de Henrique I de França com Ana de Kiev  1445 — Batalha de Olmedo  1536 — Ana Bolena, consorte do rei Henrique VIII de Inglaterra, é executada na Torre de Londres  1769 — Ao fim de três meses de contenda entre as facções a favor e contra os Jesuítas, o conclave de cardeais elege papa Lorenzo Ganganelli, candidato da facção adversa aos Jesuítas, que adopta o nome de Clemente XIV.  1780 - o dia fica incomumente escuro em partes do Estados Unidos e do Canadá; evento ficaria conhecido como Dia Escuro.  1897 — O escritor irlandês Oscar Wilde sai da prisão.  1897 — Fundação da cidade de Dourado - SP.  1905 — Albert Einstein publica sua tese sobre a teoria da relatividade  1945 — O marechal Philippe Pétain é empossado como novo ministro da defesa na França.  1954 — Catarina Eufémia é morta a tiro pelo tenente Carrajola da GNR, tornando se assim um símbolo da resistência ao Estado Novo.  1980 — Um mês após ser preso, Luiz Inácio Lula da Silva é libertado pelo então diretor do DOPS (polícia política do Regime Militar), Romeu Tuma, sem ninguém saber.  2002  Madre Paulina é canonizada pelo Papa João Paulo II.  Timor-Leste torna-se um Estado independente. Eventos históricos - (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 4/30 1827 Francisco Pereira Dutra assume o cargo de Juiz de Fora, na capital catarinense. 1846 Decreto imperial nº 447, desta data, criou a Capitania dos Portos da Província de Santa Catarina. 1875 Lei Provincial nº 745, desta data, criou a comarca de Curitibanos. 1826 O Marechal MacDonald, Grão-Mestre do Grande Oriente de França, sanciona a Constituição que mais tarde seria também adotada pelo Grande Oriente do Brasil. 1832 Filiada e Regularizada no Grande Oriente do Brasil a Loja Tranquilidade, da Ilha Grande. 1847 Falece Joaquim Gonçalves Ledo, a figura exponencial da Independência do Brasil. 1895 Falece José Martí, patriota cubano, chamado O Apóstolo, morto nas lutas de independência, iniciado em Madri, na Loja Harmonia nr. 57. 1987 Fundação da Loja Aruanã, de Salvador - BA Fatos maçônicos do dia (Fontes: “O Livro dos Dias” do Ir João Guilherme - 20ª edição e arquivo pessoal) Fatos históricos de santa Catarina
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 5/30 Baixe Agora: iOS: http://fraternalhug.com/baixar-apple Android: http://fraternalhug.com/baixar-android Blog (fraternalhug.com/blog): De Irmão para Irmão As publicidades veiculadas nas edições diárias do JB News são cortesia deste informativo, como apoio aos irmãos em suas atividades profissionais. Valorize-os, caro leitor, preferindo o que está sendo anunciado.
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 6/30 Osvaldo Pereira Rocha* Grão-Mestre “Ad Vitam” do GOAM. Colaborador do JB News - Registro DRT/MA 53. São Luiz - MA E-mail rocha.osvaldo@uol.com.br site www.osvaldopereirarocha.com.br DIA DO ABRAÇO O Dia do Abraço é comemorado no Brasil em 22 de maio e serve para estimular as pessoas a praticarem este gesto que demonstra sentimentos de afeto com algum familiar ou amigo. Nos Estados Unidos da América e na Austrália o National Hug Day (Dia Nacional de Abraço) é comemorado em 21 de janeiro. E em outros países em 22 de março. O Dia do Abraço surgiu graças a um australiano, de pseudônimo Juan Mann que, em 2004, tomou a iniciativa de oferecer abraços grátis para as pessoas que passavam na Rua Pitt Street Mail, em Sidney. E a campanha, de nome Free Hugs Campaign (campanha de abraços grátis), procurou estimular a felicidade através de um abraço. O abraço é um gesto de carinho entre duas pessoas ou mais. Seu significado pode variar de acordo com cada cultura, e através dele podemos cumprimentar e expressar sentimentos de amor, saudade, congratulação e outros. Abraçar outra pessoa traz uma ligação emocional, pois sentimentos são transmitidos através dele. Além disso, um abraço é benéfico para a saúde de quem abraça e de quem é abraçado. Pode ser usado até mesmo como uma forma de tratamento contra a depressão, pois, segundo alguns especialistas, o abraço é capaz de transmitir emoções como amor e paz, fazendo com que a outra pessoa se livre de tristezas. Também o abraço pode significar um gesto de consolo, solidariedade e atenção, principalmente em situações tristes ou difíceis. A maneira mais fácil e eficaz de comemorar o Dia do Abraço é oferecer ou dar abraços de graça, sempre. É claro que também é comum distribuir-se mensagens carinhosas entre entes queridos distantes. Todavia, o abraço entre pessoas presentes é de uma significação ímpar. A popularidade desse ato surgiu, porém, após o vocalista da banda chamada Sick Puppies, Shimon Moore gravando Juan pelas ruas da cidade de Sidgney. Neste dia 22 de maio de 2016, Dia do Abraço, abrace afetuosamente seu marido ou mulher, esposo ou esposa, companheiro ou companheira, filho e/ou filha, neto e/ou neta, bisneta e/ou bisneto, irmão e/ou irmã, sobrinha e/ou sobrinho, prima e/ou primo, amigo e/ou amiga, e espante a tristeza e sinta alegria, de viver, de amar e de ser amado. Aproveito o ensejo para abraçar fraternalmente todos os meus familiares consanguíneos ou maçônicos e todos os amigos e amigas, de qualquer idade, raça ou religião, desejando-lhes saúde, amor e paz e um Feliz Dia do Abraço. 2 – Dia do Abraço Osvaldo Pereira Rocha
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 7/30 Danilo Bruno Louro de Oliveira, 22º, MEM 1º Vigilante ARLS União e Justiça nº 27, Poções/BA – GLEB Membro Correspondente da Loja Francisco Xavier Ferreira de Pesquisas Maçônicas bel.danilobruno@gmail.com ESTUDOS SOBRE A 1ª VIGILÂNCIA PARA QUE NOS REUNIMOS PARTE 4: LEVANTANDO TEMPLOS À VIRTUDE E CAVANDO MASMORRAS AOS VÍCIOS “Para impormos um freio salutar a essa impetuosa propensão, para elevarmo-nos acima dos vis interesses que atormentam o vulgo profano e acalmarmos o ardor de nossas paixões é que nos reunimos aqui neste Templo. Aqui trabalhamos para adaptar nosso espírito as grandes afeições e só conceberemos ideias sólidas de virtude, porque somente regulando nossos costumes pelos eternos princípios da Moral é que poderemos dar a nossa alma esse equilíbrio de forças e de sensibilidade que constitui da Ciência da Vida”. Grande Ritual de Iniciação – Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia – GLEB 1. INTRODUÇÃO Comecemos com a resposta do 1º Vigilante ao Venerável sobre os motivos da reunião dos Maçons, quais sejam, “combater a Tirania, a Ignorância, os Preconceitos e os Erros, glorificar o 3 – Estudos sobre a 1ª. Vigilância Danilo Bruno Louro de Oliveira
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 8/30 Direito, a Justiça e a Verdade, promover o Bem Estar da Pátria e da Humanidade, levantando Templos à Virtude e cavando Masmorras ao Vício”. Sendo objeto deste estudo, a parte por mim grifada. Continuando nossas reflexões, abordaremos o trecho final do diálogo. 2. GERÚNDIO O dicionário Michaelis define essa forma nominal: “Forma nominal do verbo, invariável, terminada em ‘ndo’”. O gerúndio pode expressar uma ação que está em curso, ocorrendo simultaneamente ou mesmo progredindo, avançando. Seu uso ressalta que a continuidade da ação, seu aperfeiçoamento e busca ao ápice. No caso em estudo, os gerúndios “levantando” e “cavando” aparecem no final do texto, o que denota a necessária continuidade da prática dessas atividades não apenas nas reuniões da Loja, mas, principalmente em nossa convivência no mundo profano para que nossas construções sociais sejam duradouras onde mais são necessárias, na sociedade que nos cerca. 3. TEMPLOS À VIRTUDE “Que entendeis por Virtude? É uma disposição da alma que nos induz à prática do Bem”. Grande Ritual de Iniciação da Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia – GLEB. Virtude são as qualidades básicas que nos constituem como Seres Humanos e possuem o desiderato de nos guiar em nossa busca pela Verdade, várias são as virtudes e os agrupamentos onde são listadas, pois tão antigo quanto o homem é o desejo de ser bom, belo e justo, características que, necessariamente, reivindicam uma vida virtuosa. A virtude revela-se quando é fruto de nosso livre-arbítrio, de nossas boas escolhas quando temos oportunidade de fazer as más, essa educação é um grande desafio que devemos enfrentar quando reunidos em Loja, rodeados por Irmãos em diferentes níveis de evolução e comprometimento, em torno de um objetivo comum e virtuoso que é tornar feliz a humanidade. Além do quanto ensinado, aprendido, estudado e debatido em Loja, a Virtude materializa-se na construção prática do Maçom no mundo profano, na prática da solidariedade, do altruísmo, do estudo, da compaixão, da caridade entre muitas outras. É importante nos atentarmos que atos isolados e esporádicos não podem ser considerados como Virtude, como uma perene busca pela Verdade, nosso estado de espírito deve ser direcionado uma busca que possa arraigar em nosso pensar e agir a procura por uma verdadeira vida virtuosa.
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 9/30 E nisso a Loja Maçônica possui papel fundamental, nunca nos permitindo esmorecer ou desistir, mas sempre nos incentivando a enfrentar as dificuldades e desafios próprios de uma vida virtuosa e frutífera. O auxílio dos Irmãos é expresso em nossos rituais em uma das mais hercúleas e necessárias tarefas que o Maçom toma, ao menos inconscientemente, para si: Vencer as suas paixões e submeter a sua vontade. Ao nos conscientizarmos de nossas paixões e seu lado maléfico, temos por obrigação buscar a superação deste, mediante aplicação das virtudes e da convivência social para que possamos vencer esta grande limitação de nossa matéria. Ao desbastarmos nossa pedra bruta e diminuirmos nossas asperezas, revelamos nosso divino interior e enxergamos qualidades que julgaríamos impossíveis em nós, mas sempre presentes em todos aqueles que se dedicam a essa nobre e árdua tarefa. Ao submetermos nossa vontade, igualmente, nos conscientizamos de nosso incipiente estágio evolutivo e suas flagrantes dificuldades. O que desejamos e buscamos de maneira incisiva e impensada pode gerar grandes danos em nossos semelhantes, em nós mesmos e até na Maçonaria, simplesmente por nos faltar a essencial qualidade Maçônica da humildade. Quando nos falta a percepção da nossa pequenez e insignificância perante o Universo, quando ignoramos que nossa vontade irrefletida pode revelar-se tão nefasta e cruel por estar alicerçada em nosso orgulho e arrogância, a posterior prática constante da Virtude é a única redenção, permitindo a busca da Verdade que deve guiar o Maçom em sua senda iniciática. Nosso ritual nos ensina uma preciosa lição: A virtude aparece em toda sua glória quando se materializa em uma disposição forte e constante para a prática do bem. Por fim, abrimos um parente para refletir que o alarde quanto à própria ou próxima virtude possui o malefício de anular a principal qualidade de uma vida virtuosa: a necessária modéstia que sempre a acompanha. Eis uma lição prática para uma vida virtuosa: Ignoremos nossa virtude e deixemos que nossas obras e nosso trabalho falem por nós, pois o reconhecimento nada mais é que o resultado de nossos labores e naturalmente acompanham todo aquele que procura uma vida ética de retidão. 4. MASMORRAS AOS VÍCIOS “Que pensais ser o Vício? É tudo que avilta o homem. É o hábito desgraçado que nos arrasta para o mal”. Grande Ritual de Iniciação – Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia – GLEB
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 10/30 Os vícios são uma das maiores razões de nos reunirmos em Loja Maçônica, seu combate deve ser diuturno e vigilante, por mais que falhemos nessa luta, o que invariavelmente acontece, devemos nos conscientizar que nossa caminhada é longa e difícil, porém necessária para nossa plena evolução e de todos que nos rodeiam e que, como Maçons, temos a obrigação de ajudar no desenvolvimento, pois nossa construção é social. Assim, tudo quanto oposto a Virtude, ao Belo, Bom e Justo, pode ser considerado vício, também os hábitos tão arraigados que muitas vezes não percebemos os malefícios produzidos. Em suma, tudo aquilo que nos desvia do caminho do bem, do nosso objetivo de tornar feliz a humanidade pode ser considerado vício. Esse é o bom combate do Maçom, travado nas reuniões da Loja, travado internamente. O mundo profano é uma escola, onde nossa disposição para o combate a estes vícios é testada diuturnamente, poderíamos nos desesperar ao refletir acerca da crueldade destas provas e de sua intrínseca dificuldade e constância. Porém o júbilo acompanha todos os Maçons, pois possuímos a oportunidade de iniciar na Arte Real e aprender, muitas vezes do modo mais bonito e enfático que é o exemplo, mas também por instruções e ensinamentos proferidos por grandes e sábios Irmãos espalhados por todos os recantos da Terra. E a recompensa desse árduo trabalho não é simplesmente material e transitória, mas espiritual, etérea e eivada das virtudes que sempre acompanham o bom trabalho e o bom combate. Também nos é oferecida a oportunidade de ensinar e acompanhar, ajudando os Irmãos e profanos que necessitam de uma mão amiga, um ombro acolhedor, uma vida plena de vivências e vitórias para guiar-lhes pelo mesmo caminho. E estas apenas podem ser conhecidas por quem conseguir domar seus vícios. 5. CONCLUSÃO “Esse trabalho é penoso e por isso deveis refletir bem antes de vos tornardes Maçom, pois se fordes admitido entre nós, a ele tereis de vos sujeitar com satisfação. Preferis seguir o caminho da Virtude ou do Vício? Da Maçonaria ou do Mundo Profano?”. Grande Ritual de Iniciação – Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia – GLEB Apesar de termos vencido várias fronteiras, desde transportes até comunicações, passando pelos meios de produção, a máxima “Conhece-te a ti mesmo”, continua presente em nossos labores, necessitando estudo e dedicação consistentes em um mergulho, uma viagem interior para
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 11/30 nossa evolução e a de nossos semelhantes, cumprindo os trabalhos maçônicos de construção social e busca pela verdade. Isto porque a reunião dos Maçons ocorre coletivamente no Templo Maçônico, mas o labor diuturno deve ocorrer em nosso Templo Interior, o conhecimento íntimo apenas pode ser alcançado nessa senda, nele estão contidos os Mistérios e os Segredos Maçônicos. Com esse trabalho, encerro minhas reflexões sobre essa parte do diálogo de abertura entre o Venerável Mestre e Primeiro Vigilante, sendo que ocupo este segundo cargo desde o ano passado. Minha intenção ao estudar porque os Maçons reúnem-se em Loja foi aprender com os Irmãos e capacitar-me melhor para ocupar este importante cargo em minha Loja. Hoje fico feliz em poder afirmar que minhas expectativas foram superadas pela resposta dos Irmãos que se manifestaram sobre estas reflexões e “cobraram” a continuidade, tanto na internet quanto em Loja. Para fechar essa série de artigos, preciso agradecer mais uma vez ao Irmão Jerônimo Borges e seu abnegado trabalho de difundir a cultura maçônica por nosso Grande País, com dedicação e renúncia dignas de todos os louvores com a edição diária do JB News que publicou esta séries de artigos. Referências http://michaelis.uol.com.br Grande Ritual de Iniciação – Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia – GLEB http://www.youtube.com/watch?v=n9icDo_C4bA&list=UUxEEQlnp8kbSoxO5gc-hYzw&index=1 O Ir Ir Wilmar Cirino, é MMda Loja Londrina- Londrina PRs feiras.
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 12/30 Irmão Edson Gomes da Silva, Mestre de Cerimônias da Loja Acácia Viçosense Viçosa-MG (do Ir Adalberto Rigueira Viana e sua obra “Maçonaria na Intimidade”) O que são valores? Andando pela rua ou viajando por uma rodovia, nos deparamos com um carro forte equipado com carroceria blindada, com poucos vidros e a prova de bala, com agentes fortemente armados e treinados. Transportando VALORES. Como poderemos ter a este objeto tao bem guardado: VALORES? Os valores podem ser transportados e guardados? Como as coisa podem ter um valor? Valor é uma coisa? Não vamos aqui falar em moedas ou valores econômicos. Isto é, as perguntas acima não levam em conta cifras, não perguntamos pela quantidade. O que vale mais, um carro forte ou um carro pipa? Ai podemos perceber que o valor não é uma coisa. Não podemos chegar num restaurante e pedir um quilo de valores. Então, os valores dependem só do sujeito? Imaginemos que você caminhou o dia todo num sol escaldante, em sua mente só uma imagem: Água. Repentinamente um oásis aparece e você se atira de corpo inteiro. Triste realidade, sua mente gerara uma ilusão. A consciência descobre o valor. Valor não é um objeto, tampouco pura criação da mente humana, mas implica simultaneamente em algo valioso pra alguém que a valoriza. Uma barra de ouro só tem valor se alguém a reconhece como valiosa. Um gesto de amizade, uma pintura só tem valor se alguém o torna valioso. Uma qualidade não existe sozinha. Nas coisas em geral e nos atos humanos encontramos uma qualidade que chamamos de valor. Não é percebida por nossos cinco sentidos, nem pela visão, pela audição, pelo tato , olfato e muito menos pelo paladar. Então como podemos perceber os valores É o momento de falarmos do polo subjetivo, “o valor pra mim”. O ser humano é capaz de colocar em evidencia uma qualidade nas coisas que aparentemente não se vê, não se ouve, não se sente. Este ato de descobrir algo valioso é próprio da consciência humana. Podemos dizer mais é um ato propriamente de humanização. A valoração, o desvendar o valioso nas coisas é um mode de realizar da pessoa humana. Algumas expressões revelam que descobrimos uma qualidade e com ela nos importamos, importante é aquilo que me importa, que provoca em mim um reação. Assim, o valioso é percebido por uma capacidade de avaliação de nossa consciência. Não se trata de uma avaliação intelectual, matemática. Mas de um sentimento. Diante de uma qualidade não podemos ficar indiferentes, temos que ter uma reação diante daquilo que descobrimos. Dar importância aquilo que descobrimos e que é valioso. É antes de tudo um ato de vida, um ato de decisão. Os valores abrangem nossa vida toda, vitais, de conhecimentos morais, estéticos, religiosos. A valoração é um ato de decisão sobre aquilo que prezamos, preferimos, escolhemos e vivemos em toda as dimensões de nossa vida. Em outras palavras, vivemos em função dos valores que temos. Muito se fala da inversão de valores. Os valores enquanto qualidades nunca podem mudar. O que muda é a forma de avaliar, de perceber, de valorar de cada geração. A sociedade cria mecanismos de critica e, também, de ilusão que capacitam e inibem os indivíduos em seus atos de valoração. Enfim, o valor é essencialmente uma questão de educação. Educar para os valores é criar condições para que cada pessoa possa valorar a si e a todo o seu contexto vital de forma justa. 4 – O que são valores? Edson Gomes da Silva
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 13/30 Monografia apresentada á disciplina Introdução à Antropologia, ministrada pela Profa . Eneida de Assis para a obtenção de nota parcial referente à 3º avaliação da turma do 2º semestre/manhã do curso de Ciências Sociais da UFPA – Universidade Federal do Pará-PA. (da obra “Maçonaria na Intimidade” do Ir Adalberto Rigueira Viana) Ritos mortuários: As pompas fúnebres na maçonaria Do Ritual Mortuário Segundo Jean-Pirre Bayard, o rito funerário trata da relação teatralizada e derradeira com o morto no sentido de fazer-lhe menção honrosa e também de dar aos seus o consolo de que a vida não se extinguiu de todo, pois asseguram-lhes haver uma vida algures. Soma-se a este sentido, o fato de que os ritos mortuários possuem eficácia simbólica ao fornecerem uma harmonização psico-social do cosmo, que fora perturbado com o fatídico acontecimento, tal como mostra o fragmento ritualístico maçônico utilizado quando do final do Ritual de Pompas Fúnebres pelo 1º Vigilante, 2º Vigilante e Venerável Mestre respectivamente: “Estamos confortados, certos do seu glorioso triunfo, pois, enquanto vivia, pelas suas ações e palavras em torno de nós era um modelo de virtude!” “Estamos confortados certos de seu glorioso triunfo, porque a Vida é uma só, e a mera supressão da aparência terrena, não corta o fio da existência. A saudade que dele sentimos, é agora um incentivo para o aprimoramento de nosso labor: não é um sentimento debilitante ou enfraquecedor!” “Já não voltamos a cabeça para a noite. Preferimos olhar o Sol que ilumina as cristas dos montes e enfeita de luz as estradas do mundo. Estamos sim mais confortados do que na abertura dos trabalhos.!” O Ritual Maçônico, tal como a instituição, é pleno de representações simbólicas. Estes atos simbólicos remetem-se justamente a analise teórica proposta na obra “Sentido Oculto dos Ritos Mortuários”, que trata da simbólica da morte como sendo um ato, no qual “o visível se remete a um significado ausente, a uma entidade abstrata e não apresentável” servindo, desta forma, para evocar o extra-sensível em todos os seus aspectos. Dentre os símbolos maçônicos significativos no comportamento ritual, tem-se, por exemplo, o transcrito a seguir, desde a ornamentação do Templo Maçônico - lócus onde se passa o Ritual – até a consumação dos atos da ritualística mortuária que se iniciam no 7°, 30° ou 33° dia após a morte “do elo ausente da corrente maçônica”: “A Loja será composta conforme as generalidades litúrgicas do Grau de Aprendiz [1º grau da Ordem Maçônica], com as disposições particulares que aqui se descrevem, mantidos os materiais e ornamentos daquele Grau. Entretanto, mesmo enquanto sendo a sessão celebrada no Grau de Aprendiz deve-se notar que, salvo determinações expressas do Grão-Mestre, as honras fúnebres são devidas somente aos Mestres Maçons.. A loja será forrada de preto, com galões brancos ou prateados e objetos alusivos ao ato, da mesma, se admitindo o uso de outros ornamentos. Caso se empregue vaso com flores nos altares, todas deverão ser brancas ou amarelas. Executam-se as de uso ritualístico que serão vermelhas, despetaladas, como se verá. A iluminação será efetuada por três luzes (velas de pura cera), além da instalação elétrica convencional, sendo uma em cada um dos altares do Venerável Mestre [posto Mor] e dos 1º e 2º Vigilantes [cargos consecutivos ao maior posto],instaladas em Castiçais de Três Luzes. Além dessas luzes, sobre o altar do Venerável Mestre estará á esquerda um castiçal 5 –Ritos Mortuários: As Pompas Fúnebres na Maçonaria Profa. Eneida de Assis
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 14/30 com uma única vela, que se acenderá/apagará no decorrer do cerimonial. O túmulo ou catafalco levantar-se-á no Ocidente, ao Centro do Pavilhão do Mosaico [parte por vezes central, por vezes geral do piso da Loja ,quadriculado em preto e branco, contendo as designações cardeais], adornado de preto e prata, segundo o uso destas solenidades, com a extremidade correspondente aos pés voltada para o Oriente. Nos ângulos do esquife estarão quatro brandões (grandes velas de cera ou círios). Sobre ele colocam-se, a partir do lado do Oriente (relativo á cabeça), uma Espada desembainhada, o Avental do defunto, o Esquadro, o Compasso, e o Ramo de Acácia. Ainda sobre o Pavilhão do Mosaico, na frente do catafalco, do lado do oriente, colocar-se-á uma coluneta, coberta de crepe e sobre ela a Pira Funerária, um vaso prateado com álcool perfumado. Os brandões e a Pira serão acesos no momento ritualístico adequado. Á direita e á esquerda da Pira Funerária, em dois suportes, um pouco mais baixos, estarão duas cestas, uma cheia de ramos verdes de Acácia e outra contendo pétalas de rosas vermelhas. Finalmente existirão três vasilhas (tripeças) contendo álcool perfumado, uma na altura da cabeça, ao lado esquerdo, outra no meio do túmulo, ao lado direito, e outra aos pés, do lado esquerdo. Elas designam os três graus simbólicos e tem relação com as três idades da vida humana. Serão acesas antes de se percorrer o Caminho da Saudade [voltas ritualizadas no entorno do caixão], e assim se conservam durante toda a cerimônia, apagando-se, porém, após se recitar a oração fúnebre de encerramento. Uma cadeira, simbolizando o lugar que o Irmão falecido ocupava na Loja, deve estar colocada na coluna do Sul [refere-se ao lado Sul da Loja], e coberta com pano preto salpicado com lágrimas prateadas. Serão designados quatro Irmãos com Espadas (pontas apoiadas no solo) para Guardiões do túmulo, que ficarão sempre sentados também voltados para o Ocidente (de costas, portanto, para o Oriente).(TRECHO DO RITUAL MAÇÔNICO DO RITO ADONHIRAMITA). Face aos esclarecimentos acima descritos, pode-se inferir comentários a respeito de sua simbólica, com base nas concepções teóricas de Bayard e das conclusões tiradas a partir das entrevistas (a níveis menos formais), com os membros desta Fraternidade: Da Hierarquização do Ritual: Sabe-se que a Maçonaria tem sua organização dividida em Graus, que são, Aprendiz (equivalente ao 1°Grau da Instituição); Companheiro( 2°Grau) e Mestre ( o 3° e último dos graus simbólicos, tendo por consecutivo os graus Filosóficos) . O Ritual Maçônico Magno de Pompas Fúnebres é concedido somente aos Mestres Maçons, pois eles acreditam que neste grau o Maçom alcançou sua plenitude em relação à simbologia da Pedra, outrora bruta, mas que quando de sua elevação ao grau de Companheiro, ganhou aspecto cúbico, polido. Pode-se, a partir desta concepção “hierarquizada” do cerimonial maçônico, fazer menção a obra de Bayard que diz que o ritual funerário pode variar conforme a posição social do irmão falecido. Dos Ornamentos: O Ritual se passa dentro do templo maçônico, que normalmente é azul. Contudo, por ocasião do luto, as paredes, os móveis e os adornos que circundam o esquife, são todos revestidos de panos pretos salpicados de lágrimas cor de prata, simbolizando, desta feita, o sofrimento ali presente em razão da partida do Irmão. Dos Símbolos: A Maçonaria faz uso dos símbolos para espargir suas intenções e conhecimentos. Em seu Ritual Fúnebre acontece o mesmo. Suas pretensões em relação à morte são postas de forma a serem compreendidas através dos símbolos ali presentes. Dentre esses símbolos tem-se: A Rosa, como símbolo da comunhão fraterna existente entre os membros desta instituição e também assinalando a simbologia de que “O AMOR É MAIS BELO QUE A MORTE!”, tal como informa o Ritual. Na ritualística, a Rosa é despetalada e lançada no esquife pelo 1º e 2º Vigilante ás ordens do Venerável Mestre que assim também o faz, enquanto circundam o esquife. Os ramos de Acácia, como emblema da imortalidade, não necessariamente metafísica - posto que esta pode se configurar no imaginário coletivo, como se pode notar no fragmento ritual a seguir: “Os virtuosos como vós, terminada a vida material, revivem nos
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 15/30 exemplos que deixaram, triunfando sobre a morte”. A Acácia, por fim, representa que “O AMOR É MAIS FORTE QUE A MORTE!”. Da mesma forma que ocorre com a Rosa, a Acácia é lançada enquanto se circundam três vezes o esquife. O Incenso, como signo da união entre o transitório e o Eterno. Neste Ritual ele representa o contato, por meio da oração, entre o mundano e o divinal, e lembra também que “O AMOR É MAIS SABIO QUE A MORTE!”. O esquife é incensado três vezes enquanto se executa as três voltas rituais. O Esquife vazio simboliza a morte do irmão. Este é colocado no centro do Templo sobre o Pavimento do Mosaico. As grandes velas ou círios simbolizam pela sua Luz, conforme nos diz Louis-Vincent Thomas, “o calor, a leveza, a pureza e o amor”, além de testemunharem “a imortalidade da alma e a sua entrada na mansão celeste”. Acresce-se a isso o fato de que a claridade dos círios denota expressão de vida e conhecimento, sendo este último a culminância dos ideais maçônicos. O Avental, símbolo do trabalho maçônico, é posto no interior do esquife para ratificar sua vida maçônica no post mortem. Há também Fogo, além dos círios, representado na Pira Funerária, que é um vaso prateado contendo álcool perfumado, a qual é colocada sobre uma coluneta coberta de crepe. Junto á Pira Funerária e os Círios existem três vasilhas contendo também álcool perfumado, simbolizando as três idades da vida humana ( “nascer, viver e morrer) e o três graus simbólicos da Ordem Maçônica. O fogo é, senão, a representação da purificação por meio da destruição da vida terrena. Remonta também, a dualidade vida x morte, aquele que destrói para fazer renascer, tal como a Fênix que a cada cem anos incinera-se a si própria, para das próprias cinzas renascer. Entre os símbolos, há também a cadeira que o falecido ocupava quando dos trabalhos in Loja. Esta estará posta no lado Sul da Loja, lado mais iluminado do Templo Maçônico, revestida com um pano preto salpicado de lagrimas prateadas. Como já foi esclarecido anteriormente, as lagrimas e o preto simbolizam o pesar e o luto maçônico pela fatídica perda, mas também a esperança de que o “Irmão” que partiu, encontra-se Na Luz . Por fim, há a designação de quatro maçons, para sentarem-se disposto dois - a - dois, voltados para o Ocidente - lado mais escuro do Templo Maçônico -, portando espadas, que ficarão voltas para o solo. Estes recebem a alcunha de Guardiões do Túmulo. Ora, pode-se concluir a partir disso, que esses “Guardiões”, possuem a função de salvaguardar a “passagem iluminada” do morto ao plano etéreo das influências obscuras vindas da “noite escura”. Evidentemente que a interpretação dos símbolos acima descritos, bem como sua utilização, foram descritas conforme sugere o Ritual “Público” de Pompas Fúnebres, que é uma cerimônia aberta aos “profanos”, sendo a simbólica “secreta” restringida aos pertencentes da instituição em voga.
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 16/30 A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA E A PARTICIPAÇÃO DE RELIGIOSOS MAÇONS M∴M∴Valter Cardoso Júnior – ARLS – Delta do Norte nº 3273 – Oriente de Florianópolis –SC - GOB Ir∴ M∴M∴ VALTER CARDOSO JUNIOR Ler e estudar diariamente são os grandes exercícios que temos que oferecer a nós mesmos, pois é a grande fonte para nossa evolução, é como um vício, depois que pega a embocadura não paramos jamais. É um processo que nos inspira e nos da vida, oferecendo aquela oportunidade que muitas vezes já conversamos que é a do aprender a desaprender para aprender o novo. Evidentemente, que para isso, temos que estar constantemente em busca de novos livros, textos, jornais, boletins e tudo mais, como uma proposta feita a mim mesmo, resolvi sempre que possível, ler números antigos de nosso Informativo Diário – JB News e que na época ainda não conhecia. Lá tenho encontrado trechos Maçônicos maravilhosos e, que tem contribuído muito para meu aprendizado constante, esta semana tive o prazer de acessar o JB News de número 579 de 30.03.2012 e lá encontrei o texto de nosso grande Ir∴ Hercule Spoladore lá do Or∴ de Londrina no Paraná, que tem o título de “Padres que foram Maçons e que viveram no Paraná no século XIX”. Neste trabalho o mano Hercule se lembrou da importante participação da Maçonaria quando da aprovação da Lei do Ventre Livre, principalmente do então Grão Mestre da GOB, Visconde do Rio Branco, na época Ministro do Gabinete do Império e, lembra do episódio que ocorreu logo após o pronunciamento feito pelo Ir∴ Padre José Luiz de Almeida lá no ano de 1872. Ainda neste testo tomamos conhecimento de que a Loja Amizade do Or∴ de São Paulo talvez tenha sido a Loja que mais iniciou padres no Brasil, sendo que o último que se tem notícia foi iniciado em 1895, finalzinho do século 19 e, lembrou ainda de que um dos padres mais famosos que foi maçom e que pertenceu a esta mesma Loja foi o Padre Diogo Antônio Feijó, conhecido de todos nós que estudamos a história de nossa Pátria. 6 – A Revolução Pernambucana e a Participação de Religiosos Maçons – Valter Cardoso Júnior
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 17/30 Segue o texto, com o Ir∴ Spoladore se lembrando do Ir∴ Vigário Bartolomeu da Rocha Filho que era grau30, Cavaleiro do Kadosh e vivia em Recife e, foi agraciado com a Comenda Cavaleiro da Ordem de Cristo dada pela Coroa á pessoas importantes do Império, sob o manto da Santa Sé. Neste momento Ir∴ Spoladore relembra de Padres patriotas que foram precursores da Independência do Brasil, que eram Maçons que agiram no nordeste em especial em Pernambuco quando da formação do primeiro governo livre no Brasil, que alias fará 200 anos em 06 de março do próximo ano de 2017, já que este evento ocorreu em 06 de março de 1817. Entre os nomes citados estão os Padres Maçons - Miguel Joaquim de Almeida Castro (PADRE MIGUELINHO), Joaquim da Silva Rabelo (FREI CANECA) e José Inácio de Abreu e Lima (PADRE ROMA), o que me chamou bastante a atenção pois lembrei das ruas existentes em nossa Capital Florianópolis, homenageando exatamente estas três figuras históricas brasileiras. Isso aguçou meu instinto de leitor e pesquisador para buscar respostas do porque destas homenagens e, alguma coisa a mais sobre cada uma destas figuras importantes da história nacional. Inicialmente verifiquei através do site da Loja Caminho do Dever, do Oriente de São Sebastião da Gama em São Paulo número 2569 - www.caminhododever.mvu.com.br/site/macons-ilustres/...3/atr.aspx , onde nos oferece relação de nomes de maçons ilustres de cada pais, e lá pude verificar que estes três religiosos foram sim iniciados na maçonaria. Buscando entender o porquê destas homenagens como nome de ruas em nossa Capital, acabei encontrando muitas dificuldades e em pesquisa pessoal na Prefeitura Municipal de Florianópolis, na Biblioteca Pública e no Instituto Histórico e Geográfico, infelizmente nada encontrei que pudesse enriquecer este trabalho. Verdade é que descobri que, por exemplo, a Rua Padre Roma existe aproximadamente desde 1.915, quando ainda não existia a Câmara Municipal nos moldes de hoje, apesar de que a primeira eleição para a Câmara de Desterro ter sido realizada no dia 23 de março de 1726, quando a Povoa de Dias Velho foi elevada a categoria de VILA, a eleição era feita por sorteio entre homens bons do povoado. Tanto Intendentes, Superintendentes e Prefeitos na época eram nomeados pelo Governo Estadual, sendo que o primeiro Prefeito efetivamente eleito pelo povo foi em novembro de 1954 e que esteve a frente do Município até 1959, o Sr. Osmar Cunha. Evidentemente que minha pesquisa estaria muito mais enriquecida se pudesse definir o porquê e quem foi o autor desta feliz iniciativa de homenagear estas grandes figuras como nome de ruas em nossa Capital, em não conseguindo gostaria de deixar um pouco da história de cada um deles para conhecimento de todos. MIGUEL JOAQUIM DE ALMEIDA CASTRO (PADRE MIGUELINHO: Padre Miguelinho
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 18/30 Nascido em Natal no dia 17 de setembro de 1768, filho do Capitão Português Manoel Pinto de Castro, foi um dos heróis revolucionários na Revolução de Pernambucana, Sacerdote e idealista, um dos mais dinâmicos ativistas daquela luta e que foi condenado pelo crime de lesa-majestade e fuzilado em 12 de junho de 1817 em Salvador na Bahia. JOAQUIM DA SILVA RABELO ( FREI CANECA) Frei Caneca Também conhecido como Joaquim do Amor Divino Rabelo e Caneca, foi Frade Carmelita e político Pernambucano (Recife) e um dos lideres da Confederação do Equador. Nasceu em Recife no dia 20 de agosto de 1779, foi um dos lideres da Revolução Pernambucana e como jornalista esteve á frente do Typhis Pernambucano. A seu respeito refere Evaldo Cabral de Melo: “O homem que na História do Brasil, encarnara por excelência o sentimento nativista era curiosamente um lusitano “jus sanguinis”. Faleceu em 13 de janeiro de 1825 em Recife e deixou uma frase que se tornou celebre “Quem bebe de minha “CANECA” tem sede de liberdade”. JOSÉ INÁCIO DE ABREU E LIMA ( PADRE ROMA) Padre Roma (tela de Antônio Parreiras) Padre e patriota da Cidade de Recife – Pernambuco e foi um dos lideres e mártires da Revolução Pernambucana de 1817, conhecido como Padre Roma, nasceu em 1768 e foi condenado a morte em 1817. Filho do Capitão Francisco Inácio Ribeiro de Abreu e Lima e de Dona Rosa Maria de Abreu Grades, considerada família nobre. Dos três heróis, me chamou a atenção, a história deste Ir∴ Maçom conhecido como Padre Roma de quem gostaria de deixar algo a mais para conhecimento de todos. PADRE ROMA foi levado para o Convento da Goiana onde recebeu o nome de Frei José da Santa Rosa, jovem inteligente e determinado que após alguns anos de convento,
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 19/30 partiu para Portugal, onde se formou bacharel em Teologia pela conhecida Universidade de Coimbra. Com muita motivação partiu logo em seguida para a Itália onde recebeu ordens sacras e deixou a vida religiosa aos 39 anos de idade deixou a vida religiosa para retornar para Pernambuco, onde abriu em Recife uma banca de advocacia. Como lá na sua passagem pela Itália mais precisamente na cidade de ROMA José Inácio aperfeiçoou seus conhecimentos de grego e latim e acabou recebendo o apelido de Padre Roma. Por suas atividades políticas e ao aceitar uma missão que somente os fortes aceitariam ( levar aos baianos a notícia da Revolução de 06 de março que oferecia uma pátria aos brasileiros, sob o regime republicano) , foi preso quando viajava pela Bahia nesta missão revolucionária, julgado e condenado, foi fuzilado em 29 de março de 1817. De acordo com o historiador Pereira da Costa (in. Dicionário Biográfico de Pernambucanos Célebres, Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1982), a morte do Padre Roma foi assim descrita pelo seu filho General Abreu e Lima, presente à execução: "O seu porte em presença do Conselho, no oratório e durante o trajeto para o lugar do suplício, foi sempre o de um filósofo cristão, corajoso, senhor de si, mas tranqüilo e designado. Suas faces não se desbotaram senão quando o sangue que as tingia correu de suas feridas, regando o solo onde, seis anos depois, se firmou para sempre a independência de sua pátria". Nosso Ir∴ Raimundo Rodrigues deixou registrado de que: a gana de ver a Pátria independente, visando a fundação de uma Republica, esses homens, cuja maioria pagou com a vida o “atrevimento”bendito de amar a Pátria acima de tudo, deixaram um exemplo de heroísmo que jamais pode ser apagado da memória nacional”. Segundo registrado na história, nenhuma derrota abateu o ânimo dos revolucionários. O Chefe de cada regimento jurava, naquele dia, defendê-la até a morte. Ainda lembra a história que Padre Roma era acompanhado naquele momento pelo Revolucionário Frei Caneca como Secretário que integrava o quadro da Academia de Suassuna, a qual, segundo muitos historiadores era uma Loja Maçônica e na qual o Frei havia sido iniciado. Um fato marcante que gostaria de deixar como conclusão desta pesquisa é sobre o filho do Padre Roma, José Inácio de Abreu e Lima que como um duplo e muito penoso castigo, foi obrigado a assistir seu fuzilamento. Na Revista a Defesa Nacional nº725 maio e junho de 1986, pagina 091 á 116 registrou assim este acontecimento: E esta visão do martírio do seu pai pela causa da Independência do Brasil, por certo o marcou fundo para o resto da vida, o que o faz merecedor de todos os brasileiros de um profundo respeito e admiração. Impressionou-o, sobremodo, o eloqüente e histórico exemplo de coragem que seu pai e mártir da Independência lhe deu ao assim proceder. O Padre Roma, a 29 de março, véspera do Domingo de Páscoa, marchou serenamente para a morte, depois de reconciliar-se com Deus. Dispensou a venda nos olhos. Volvendo-se para o pelotão de fuzilamento falou, segundo Argel Guimarães, pondo a mão sobre o coração: "Camaradas eu vos perdôo a minha morte. Lembrai-vos que aqui é a fonte da vida! Atirai!"
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 20/30 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Loja Oriente 04.05.1956 Acácia do Continente - 2014 Florianópolis 04.05.1956 Lauro Müller - 1694 Florianópolis 05.05.2001 Luz do Vale - 3370 (30/06/2010) Gaspar 06.05.1997 Comte. Lara Ribas - 3055 Florianópolis 08.05.1996 Zohar - 2948 Florianópolis 10.05.1995 Orvalho do Hermon - 2859 Brusque 13.05.1999 Libertação - 3228 São José 13.05.2000 União e Prosperidade - 3316 Florianópolis 15.05.2000 Fraternidade Barravelhense - 3314 Barra Velha 19.05.2001 União da Ilha - 3372 Florianópolis 19.05.2004 Costa Esmeralda - 3595 Itapema 20.05.1951 Acácia do Sul - 1346 Videira 20.05.2011 Harmonia e Fidelidade - 4129 Itapema 21.05.1998 Perfeição Biguaçu - 3156 Florianópolis 22.05.1998 Acad. Bruno Carlini - 3176 Baln. Camboriú 25.05.1902 Ordem e Trabalho - 0787 Florianópolis 28.05.1998 Obreiros de Trento - 3161 Rio dos Cedros 28.05.2008 A Caminho da Luz - 3925 Joinville 30.05.1997 Hiram - 3059 Mafra 30.05.2005 Phoenix - 3662 Baln. Camboriú 30.05.2008 Estrela Mística - 3929 Itajaí 31.05.2004 Luiz Alberto Pacenko - 3621 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de maio 7 – Destaques (Resenha Final)
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 21/30 GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 04.05.1956 Lauro Muller nr. 07 Florianópolis 04.05.1992 Arte Real Palhocence nr. 51 Palhoça 07.05.1967 Obreiros de São João nr. 13 São Bento do Sul 08.05.1987 Phoenix nr. 46 Lages 09.05.1994 Acácia Pomerana nr. 60 Pomerode 09.05.2006 João Cândido Moreira nr. 87 São Francisco do Sul 10.05.2001 Eduardo Teixeira II nr. 80 Camboriú 11.05.1886 Luz Serrana nr. 12 Lages 12.05.1977 Fraternidade Timboense nr. 19 Timbó 23.05.2000 Luz do Planalto nr. 76 São Bento do Sul 27.05.1998 Luz, Paz e Fraternidade nr. 71 Indaial 27.05.1983 União Indaialense nr. 36 Indaial GOSC https://www.gosc.org.br Data Loja Oriente 03/05/1982 Templários do Vale Indaial 07/05/2001 Artífices da Sabedoria Pomerode 09/05/2011 Luz e Verdade Blumenau 11/05/1982 Acácia do Sul Tubarão 13/05/1979 Milênio da Paz Chapecó 13/05/1999 Fraternidade Universal Florianópolis 15/05/1979 Justiça e Trabalho Balneário Camboriú 16/05/2008 Cavaleiros do Oriente Biguaçu 20/05/1996 Manoel Galdino Vieira Florianópolis 23/05/2013 Triângulo União Fraterna Florianópolis 25/05/1902 Ordem e Trabalho Florianópolis 26/05/2002 Colunas do Vinhedo Urussanga 30/05/1990 Obreiros da Luz Lages 30/05/2000 Lázaro Gonçalves de Lima São José 30/05/2012 Luz e Sabedoria Joinville
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 22/30 Maçonaria na Austrália: Nesta quinta, 19 de maio, haverá sessão nas seguintes Lojas de Melbourne: Gardenvale Mobility Lodge No.243 Obligate the Master Elect Where: Moorabbin (Masonic Centre) When: 7:30pm on Thursday the 19th of May 2016 Temple: Rowans Rd & Isabella St Albert Victor Lodge No.117 2nd Degree Where: Darebin (Ivalda Masonic Temple) When: 7:30pm on Thursday the 19th of May 2016 Temple: 42 Salisbury Ave Samaritan Lodge No.380 Full Open and Close Where: Darebin (Ivalda Masonic Temple) When: 10:00am on Thursday the 19th of May 2016 Temple: 42 Salisbury Ave Stewart Lodge of St. Arnaud No.61 Where: St. Arnaud (Masonic Centre) When: 7:45pm on Thursday the 19th of May 2016 Temple: 4 Inkerman St Albert Edward Lodge No.59 Vacant Chair Where: Alexandra (Masonic Centre) When: 7:30pm on Thursday the 19th of May 2016 Temple: Webster St & Nihil St Beechworth Lodge of St. John No.14 Where: Beechworth (Masonic Centre) When: 7:30pm on Thursday the 19th of May 2016 Temple: 19 Loch St Maçons Australianos Famosos: Ir Charles Kingsford Smith Aviador, foi o primeiro a atravessar o Pacífico dos EUA para Brisbane, Pertencente a Lodge Gascoyne, No. 62. Air Commodore Sir Charles Edward Kingsford Smith, (09 de fevereiro de 1897 - 08 de novembro de 1935) foi um aviador australiano mundialmente conhecido. Em 1928, ele fez o primeiro voo trans-Pacífico dos Estados Unidos para a Austrália. Ele também fez a primeira travessia sem escalas do continente australiano, os primeiros voos entre Austrália e Nova Zelândia, e a primeira travessia para o leste do Pacífico da Austrália para os Estados Unidos. Ele ainda realizou um voo da Austrália para Londres, e estabeleceu um novo recorde de 10,5 dias. O principal aeroporto de Sydney, localizado no subúrbio da mascote foi nomeado Kingsford Smith International Airport em sua honra.
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 23/30 Loja AUGUSTO PINTO DA LUZ , 4245 GOB-SC realiza 2ª Cerimonia de Iniciação (Cortesia do meu bom Confrade e Mano Cid Gomes) No dia 14 de Maio do corrente ano, a ARLS Augusto Pinto da Luz 4245, da constelação do Grande Oriente do Brasil Santa Catarina (GOB-SC), do oriente de Florianópolis, procedeu a segunda reunião de Cerimonia de Iniciação em sua historia. Nesta sessão foi admitido nos quadros da Maçonaria o profano , hoje nosso Irmão , Carlos Eduardo Mota da Luz. Para a loja foi uma Cerimonia que promoveu grande emoção, pois o referido candidato Carlos Eduardo, é neto do Patrono da Oficina, Ir. Augusto Pinto da Luz, de saudosa memoria, destacado membro da Arte Real em nosso Estado e baluarte do Rito Moderno ou Frances no Brasil. Compareceram inúmeros Irmãos que foram afilhados do Ir. Pinto da Luz e também os que receberam a Luz quando o mesmo ocupava o malhete principal da centenária ARLS Ordem e Trabalho787 GOB-SC. A cerimonia foi conduzida pelo V:. M:. Ir Janio Schefer. Foto dos participantes da iniciação na ARLS Augusto Pinto da Luz 4245 GOB-SC Dia 14/05/2016. O Ir Carlos Eduardo é o 2º a esquerda da primeira fila. VM Irmão Janio Schefer é o primeiro a esquerda da segunda fileira.
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 24/30 C O N V O C A Ç Ã O ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Convocamos, através de seu Presidente – Acadêmico Edy Genovêz Luft, em conformidade com o artigo 17 do Estatuto da Academia Catarinense Maçônica de Letras, tem o prazer de convocar o Ilustre Confrade, para a Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no próximo dia 09 de junho, quinta-feira, no horário das 18,00 horas em primeira convocação e as 18,30 horas em segunda convocação. Será realizada no Templo Maçônico da Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Regeneração Catarinense”, N. 138, sito a Rua Vidal Ramos, N. 310, Centro, na Cidade de Florianópolis, Santa Catarina, PAUTA: 01. Aprovação das Indicações de novos Acadêmicos; 02. Aprovação de Comissão para Homenagem aos Fundadores da Academia Catarinense Maçônica de Letras; 03. Entrega de Fichas Cadastrais; 04. Assuntos Gerais. Florianópolis = SC =, 09 de maio de 2.016 Acadêmico Edy Genovêz Luft
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 25/30 Loja Maçônica Fé e Perseverança Nº 24 FUNDADA EM 21/01/1943 JURISDICIONADA À GRANDE LOJA MAÇÔNICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Utilidade Pública: Municipal – LEI 4595 de 30/10/1986 Estadual – LEI 11274 de 19/11/1993 Caríssimos IIr.: S.’. F.’. U.’. A ARLS Fé e Perseverança, 024 convida os digníssimos iir.’. para a Sess.’. Magna de Iniciação do candidato Edson das Chagas Pereira a realizar no dia 21 de maio de 2016 (sábado) com início previsto para 09:00h (ATENÇÃO NOVO HORÁRIO). A partir das 12:00h o iniciado oferecerá um ágape, onde as cunhadas são nossas convidadas. Contamos com a presença dos iir.’. para abrilhantar nossa sess.’. e, estreitarmos os nossos laços de fraternidade. Fraternalmente Família Fé e Perseverança  Geraldo Magela Teixeira de Melo Júnior – V.:M.:  Maxwell Zaidan – 1º Vig.:  Vicente Maia do Prado – 2 o Vig.:  Iir.’. Fé e Perseverança Rua Antônio de Albuquerque, 842 – Sala 202 – CEP 30.112-011 – Belo Horizonte – Minas Gerais – Brasil Horário das sessões semanais: Sextas-feiras às 20:00h
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 26/30 Reeleito o Grão-Mestre da GLESP O Irmão Ronaldo Fernandes (foto) foi reeleito Grão-Mestre da Grande Loja do Estado de São Paulo com 85,23% dos votos válidos, para a administração 2016/2019. Eis o resultado oficial das eleições do Tribunal Maçônico da GLESP: Total de votantes.....13.851 Brancos,..... .........165 Nulos,.,.......................1.058 Abstenção,..............1.788 Votos válidos: Chapa 1 - Ronaldo..9.239 85,23 dos votos válidos Chapa 2 - José Renato..1.601 14,76% dos votos válidos
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 27/30 Registro da visita feita pelo JB News em maio de 2013 à Loja Cavaleiros Templários nr. 32, em Palmas, jurisdicionada à Grande Loja do Estado de Tocantins.
  28. 28. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 28/30 Os vídeos são pesquisados ou repassados, em sua maioria, por irmãos colaboradores do JB News. 1 – Atenção! Estes 10 Alimentos Não Devem Ir à Geladeira! 2 – Já Ouviu Esta? O Enterro da Sogra 3 – Teste: Você Consegue Identificar Essas Imagens? 4 – Cure as Dores de Ouvido com O Que Está na Sua Cozinha! 5 – 8 Segredos de Albert Einstein Para Resolver Problemas! 6 – 9 Formas Surpreendentes de Usar o Vinho No Dia a Dia 7 – Filme do dia: “O segredo de seus olhos” – (lançamento 2016 - dublado): Sinopse: A vida dos investigadores do FBI Ray (Chiwetel Ejiofor) e Jess (Julia Roberts) e da procuradora Claire (Nicole Kidman) é severamente abalada pelo assassinato da filha adolescente de Jess. Treze anos após o crime, Ray continua buscando pistas e finalmente parece ter encontrado um caminho para solucionar o caso. A verdade é chocante e os limites entre justiça e vingança tornam-se imperceptíveis. https://www.youtube.com/watch?v=Bir5HbLlZEk
  29. 29. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 29/30 Ir Raimundo Augusto Corado MI e Deputado Federal pela Loja Templo de Salomão nº 2737 Membro das Lojas União e Trabalho Mimosense nr. 3.170 e Irmão Paulo Roberto Machado nr. 3.182 Barreiras – GOB/BA. Escreve às terças e quintas-feiras raimundoaugusto.corado@gmail.com A FALSA IMAGEM -característica de Bartó- Autor: Raimundo A. Corado. Barreiras, 22 de setembro de 2003 Em quaisquer instituições formadas; Existem momentos de decepção; Seu aumento é crescente na maçonaria; Onde nos tratamos por irmãos. Foge-se do conceito dos instrumentos; Despreza-se o sentido do simbolismo; Fala-se mal, aumenta-se, inventam-se; Sem se importarem com os prejuízos.
  30. 30. JB News – Informativo nr. 2.056 – Melbourne (Vic.) quinta-feira, 19 de maio de 2016 Pág. 30/30 Quando estes, de ti chegarem perto; Calar e ouvir é o mais correto; Pois a falsa imagem os acompanha. Às suas criticas, a habilidade maçônica; Aos elogios, a sabedoria Salomânica; Pois seus lábios têm peçonha.

×