O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2037

27 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2037

  1. 1. Este informativo está sendo editado em Melbourne. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.037 – Melbourne (Vic) – sábado, 30 de abril de 2016 Bloco 1 – Almanaque Bloco 2 – IrBarbosa Nunes – Informativo nr. 272 – De João Pessoa à Catolé do Rocha Bloco 3 – IrMario López Rico – Los pilares de la Sabiduría Sagrada Bloco 4 - IrPaulo Roberto – Sempre...a questão religiosa Bloco 5 - IrRui Jung Neto – Coluna do Rito Schröder (28) – A verdade sobre o Rito Schröder e ..... Bloco 6 - IrAdemar Valsechi – Coluna da Harmonia – Edição nr. 26 Bloco 7 - Destaques JB: Versos do Irmão e Poeta Adilson Zotovici.
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 2/27 Livros de artigos dirigidos aos Graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre coletados na existência da Revista O PRUMO. Agora em novas edições atualizadas de 1970 a 2015. Pedidos: site http://www.gosc.org.br Ou pelo telefone: (48) 3952-3300    1 – ALMANAQUE Hoje é o 121º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Quarto Minguante à 0h29) Faltam 245 dias para terminar este ano bissexto Dia Nacional da Mulher e dia do Ferroviário Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 3/27 1975: Fim da Guerra do Vietnã  313 — Licínio unifica sob seu comando todo o Império Romano do Oriente.  1489 — Fundação da Ordem da Imaculada Conceição por meio da Bula "Inter Universa" (30-04-1489) pelo Papa Inocêncio VIII (1484-1492).  1803 — Estados Unidos compram a Luisiana da França, por US$15 milhões.  1812 — Luisiana torna-se o 18º estado norte-americano.  1838 — Nicarágua declara independência da Federação de Estados Centroamericanos.  1854 — É inaugurada a primeira ferrovia do Brasil em seu trecho inicial, ligando o porto de Mauá (atual Guia de Pacobaíba) aFragoso (atual Magé), no Rio de Janeiro.  1900 — O Havaí torna-se território dos Estados Unidos.  1912 — Fundado o América Futebol Clube, em Belo Horizonte.  1918 — Emancipação do município brasileiro de Erechim, estado do Rio Grande do Sul.  1937 — Sporting Clube de Portugal instala-se no Stadium de Lisboa  1945 — Adolf Hitler e Eva Braun suicidam-se.  1948 — Criação da OEA com a assinatura da Carta da Organização dos Estados Americanos, em Bogotá.  1960  Elevação da Diocese de Aracaju à categoria de arquidiocese pelo Papa João XXIII.  Criação da Diocese de Estância pelo Papa João XXIII.  Inauguração do Jardim Botânico da Madeira.  1975 — Fim da Guerra do Vietnã, com ocupação de Saigon pelos Vietcong e exército norte-vietnamita.  1977 — As Mães da Praça de Maio iniciam sua primera marcha em frente à Casa Rosada (residência presidencial na Argentina).  1980 — A rainha Beatriz dos Países Baixos sobe ao trono.  1981 — Atentado frustrado contra o Pavilhão Riocentro, onde era realizado um show em homenagem ao dia do trabalhador.  1984 — Joaquim Agostinho sofre um acidente na Volta ao Algarve que lhe custaria a vida 10 dias depois  1994 — Grave acidente em Ímola mata o austríaco Roland Ratzenberger, da MTV Simtek- Ford na Temporada de Fórmula 1 de 1994  1999 — O Camboja junta-se a ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático).  2004 — A ONU cria a Minustah.  2008 — Naufrágio do Assalama: o ferribote da companhia espanhola Naviera Armas encalha ao largo de Tarfaya (sul de Marrocos) com 113 passageiros, 30 tripulantes e 60 automóveis a bordo; não houve baixas.  2013 — Abdica a rainha Beatriz dos Países Baixos, em favor de seu filho, Guilherme Alexandre dos Países Baixos Eventos históricos - (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 4/27 1789 IrGeorge Washington tornou-se o primeiro presidente dos Estados Unidos 1814 Rito Antigo e Primitivo de Memphis em 1814 o Irmão Samuel Honis introduziu o Rito na França. A primeira Loja do Rito foi fundada em Montauban a 30 de abril de 1815, pelos Maçons Marconis de Négre, Baron Dumas, Marquis de Laroque e Hipólito Labrunie. Esse rito tem acentuada característica filosófica e hermética. 1822 Gonçalves Ledo em seu jornal Revérbero Constitucional, desperta enorme entusiasmo ao sugerir abertamente que Dom Pedro proclame a independência. 1930 General José Maria Mendes Ribeiro Norton de Matos ascendendo ao cargo de Grão-Mestre adjunto do Grande Oriente Lusitano Unido – Maçonaria Portuguesa (6 de Dezembro de 1928) e, por fim, ao posto máximo de Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano Unido – Maçonaria Portuguesa (30 de Abril de 1930), do qual se demite em 21 de Maio de 1935. 1970 Fundado o Supremo Conselho do Iran, fechado pelos fundamentalistas muçulmanos e reaberto no exílio em 1988. Fatos maçônicos do dia (Fontes: “O Livro dos Dias” do Ir João Guilherme - 20ª edição e arquivo pessoal)
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 5/27 INFORMATIVO BARBOSA NUNES Artigo nr. 272 do IrBarbosa Nunes, GM Geral Adjunto do GOB, que escreve a “Opinião” dos sábados. Este artigo está sendo publicado simultaneamente no Jornal Diário da Manhã (Goiânia) de 23.04.16 DE JOÃO PESSOA À CATOLÉ DO ROCHA ALTO SERTÃO PARAIBANO Parafraseando Luiz Gonzaga: “Minha vida é andar por este país... Guardando as recordações, das terras onde passei, andando pelos sertões e dos amigos que lá deixei”. Nada mais que uma vida de viajante por uma missão maçônica. O faço me enriquecendo espiritualmente nas idas e vindas. Foi o que aconteceu nos dias 15, 16 e 17 de abril, quando conduzido por um grupo de maçons liderado pelo Grão-Mestre Estadual do Grande Oriente do Brasil – Paraíba, Geraldo Alves dos Santos, parti de João Pessoa para chegar a Catolé do Rocha, Alto Sertão Paraibano. Antes passando por Campina Grande, Santa Luzia, Caicó, Patos e Pombal. No retorno por Brejo do Cruz, cidade marcada pela confecção artesanal, sobretudo de redes nordestinas. Em João Pessoa, onde o sol chega primeiro e romântica com “Bolero de Ravel”, estive em sessão e homenageado na Loja “Padre Azevedo”. Padre Azevedo ficou conhecido por criar uma máquina de escrever a mão com o auxílio de apenas lixa e canivete. Só que a máquina não teve reconhecimento e o padre, com o passar dos anos, ficou esquecido no tempo. Existem suspeitas que 2 – De João Pessoa à Catolé do Rocha – Alto Sertão Paraibano Artigo nr. 272 do Informativo Barbosa Nunes
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 6/27 o padre foi sabotado por um amigo estrangeiro, que roubou os seus projetos. Outras fontes garantem que o modelo da máquina de escrever brasileira foi transferida para os Estados Unidos ou Inglaterra por um estrangeiro, mas com autorização do padre Azevedo. Segundo o biógrafo Ataliba Nogueira, o padre foi enganado e seus desenhos roubados. Tudo isso feito por um agente de negócios que o convenceu a não continuar o projeto da máquina e desistir de tudo. O padre aceitou essa ideia. O agente de negócios então roubou tudo sobre a máquina e entregou nas mãos do tipógrafo estadunidense Christopher Latham Sholes (1819 - 1890), que aperfeiçoou a máquina e a apresentou a todos como sendo seu o projeto, vindo a ser reconhecido como o inventor da máquina de datilografia. Francisco João de Azevedo, o inventor da máquina de escrever, é hoje nome de rua, de uma Loja Maçônica, onde com muita honra estive e de uma escola de datilografia em João Pessoa, a cidade onde nasceu. No Recife, onde viveu a maior parte de sua vida e se ordenou padre, não há referências ao inventor nos museus do estado. Fui levado pelo Grão-Mestre Geraldo Alves dos Santos, Grão-Mestre Honorário Aderaldo Pereira de Oliveira e maçons Eduardo Faustino, Guilherme Travassos Sarinho, Juvenal Da Roz, Gilvandro Ramos dos Santos, Antônio Mário, José Humberto de Souza, Almir Laureano, deputado estadual Lula, Davi Reis e pela presidente da Fraternidade Feminina Estadual, Miriam Castro dos Santos. Em Santa Luzia visitamos a Loja “Vale do Sabugi”, com um dos mais belos templos do Brasil, presidida pelo Venerável José Ivaldo de Morais, conhecidíssimo por “Galego”. Muito emocionado, revi a Carta Constitutiva da Loja, por mim assinada, quando do exercício do Grão-Mestrado Geral. Percorrendo os 480 quilômetros entre João Pessoa e Catolé do Rocha, vivi momentos extremamente felizes, descontraídos, com avaliações e análises de assuntos maçônicos, sempre com a boa palavra de Miriam Castro dos Santos e as intervenções inteligentes, curiosas, mas verdadeiras, de Davi Reis, por mim cognominado “Super Davi”, pois está, segundo ele, 25 horas por dia, disponível para os maçons da Paraíba e do Brasil. Catolé é uma palmeira nativa de abundância em outros tempos na região e Rocha, uma homenagem ao seu fundador que tinha este sobrenome. A história registra a presença de habitantes e fazendas de gado desde 1700 e as primeiras edificações iniciadas em 1774, pelo Tenente Coronel Francisco da Rocha Oliveira e sua esposa, Dona Brásida Maria da Silva.
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 7/27 Sua padroeira é Nossa Senhora dos Remédios. É muito hospitaleira, com aproximadamente 30 mil habitantes, uma das mais importantes do sertão paraibano. Chico César, uma dos filhos reconhecido na música popular nacional, canta a sua terra no seu hino: “Volto a ti como um pródigo sem teto. Procurando o teu afeto. Oh meu Deus, quanto sofri, quando bem longe eu pensava em voltar olhando o céu azul, eu me punha a soluçar.” Em Catolé do Rocha na Loja “União Catoleense”, presidida pelo Venerável Francisco de Lima, seis novos integrantes foram recebidos, Fábio de Oliveira, Josinaldo Trajano, Cristóvão Jaques, Evandro Osório de Lima, Francisco Dantas Veras Neto e Joaquim Daniel Junior. Solenidade altamente prestigiada por mais de 100 maçons da região, concluída socialmente em um evento referencial com jantar e homenagens às mulheres da maçonaria catoleense. Concluo este artigo enviando aos paraibanos que estão conosco aqui todos os sábados, reconhecimento a um povo destemido, corajoso, uma terra cravada na história do Brasil por acontecimentos decisivos e a uma prática maçônica do Grande Oriente Estadual – GOB Paraíba, liderada pelo Grão-Mestre Geraldo Alves dos Santos, querido e admirado pela família maçônica daquele estado, pelo seu equilíbrio, mansidão e seguro no seu caminhar na Ordem Maçônica. Para mim, mais uma vez gratificante, agora indo a ponto longínquo no Alto Sertão Paraibano, que é Catolé do Rocha, povo acolhedor e cidade agradável, que me proporcionou momentos inesquecíveis, por isto me defini no Grande Oriente do Brasil, “minha vida é andar por este país, guardando as recordações, das terras onde passei, andando pelos sertões e dos amigos que lá deixei. (Barbosa Nunes, advogado, ex- radialista, membro da AGI, delega- do de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil – barbosanunes@terra.com.br)
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 8/27 O Irmão Mario López Rico é de La Coruña – Espanha. Escreve aos sábados. Responsável pela publicação espanhola Retales de Masononeria mario.lopezrico@yahoo.es retalesdemasoneria.blogspot.com.es Los pilares de la Sabiduría Sagrada. “El esoterista trata de estudiar las cosas en si mismas, más allá de su aspecto tridimensional” [Mithila] Podemos definir el esoterismo como el estudio de lo oculto. Todo lo que apreciamos con los cinco sentidos es lo externo, lo exotérico; pero detrás de este mundo fenoménico se encuentra oculto otro que es la causa primera del mismo. Para el esoterista el mundo en el cual vivimos es el mundo de los “efectos” producidos por las causas del mundo esotérico que no solemos percibir. El esoterismo es una filosofía de vida. Es cierto; pero es mucho más que eso. La ciencia hermética, o la Sabiduría Sagrada – como también se le suele denominar – es todo un conjunto de enseñanzas, hechos y creencias que se transmiten al ser humano (hombre o mujer) que ha sido seleccionado a partir del mismo momento de su iniciación en los misterios. Estos misterios son tan antiguos como el propio ser humano y son conocidas las escuelas Sumeria, Egipcia, Griega y Romana, Azteca, Maya…donde la misma Sabiduría Sagrada se adaptaba a la evolución y costumbres de cada pueblo y civilización cambian su aspecto externo – exotérico – pero mantiene igual su aspecto interno – esotérico – a lo largo de toda la historia. Lo interno, lo esotérico, es inmutable porque la Verdad solo puede ser una. La Sabiduría Sagrada también se conoce como Ciencia Oculta porque oculta se encuentra para quien no es apto aún para conocerla. Además, durante la época negra medieval donde todo avance o ciencia era perseguida, ocultarse era preciso para seguir con vida. Esta ocultación fue aprovechada por falsos maestros para convertir la Sabiduría Sagrada, base de todas las Religiones y Filosofías, en un despojo de lo que realmente es. Los falsos maestros tomaron solo lo que les convenía y arrojaron el resto al abismo. Es necesario reconstruir por completo la Sabiduría Sagrada, aquella que nos liga de nuevo con lo que en realidad somos. La que nos religa con el Ser 3 – Los pilares de la Sabiduría Sagrada Mario López Rico
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 9/27 Supremo que lo ha creado todo. Religión es justo eso. Religión es Re-ligare. En ese sentido no hay católico, musulmán, judío, taoísta…solo hay una religión, aquella que nos acerca al Creador. Entender que la auténtica religión es una e igual para todos y que las diferentes manifestaciones religiosas actuales son adaptaciones creadas al gusto de sus dirigentes es un primer paso en la reconstrucción de la Sabiduría Sagrada. No se trata de negar las religiones porque cuando se practican sin fanatismos propugnan el amor y la caridad; sino de rascar e ir algo más allá. No podemos quedarnos en la mera superficie de la misma. Es posible reconstruir la Sabiduría Sagrada. Para lograrlo es preciso fijarse y estudiar las órdenes iniciáticas depositarias de su conocimiento. Estudiemos lo que dicen los masones; pero también los rosacruces, los espiritistas, los teósofos, los alquimistas…y otras órdenes. Su conjunto nos dará el todo buscado. Debemos tener claro que la Sabiduría Sagrada no es solo religión, también es ciencia, filosofía y arte. La Sabiduría Sagrada se afianza en estos cuatro sólidos pilares. Es ciencia porque no expone teorías por exponer sino que trata de verificar lo que dice, aunque no del modo que hace la denominada ciencia oficial. Mal podría hacerlo cuando su ámbito de estudio es lo inmaterial, lo transcendente. Son temas de su interés, entre otros, las Leyes del Karma, la reencarnación, la antropogénesis, los chakras, la cosmogénesis, los planos sutiles de existencia, el Alma y muchas otras cosas. El fin último es acercarnos lo más posible al conocimiento de Dios comprendiendo sus Leyes y creaciones. Esotéricamente hablando “El Creador no solamente está en todas partes sino que EL es todas las partes, no existe separación o exclusión alguna. Ese espejismo disociativo solo es tal en la limitada mente humana. Todo en el Universo es parte de su Ser. Todo lo que vemos, tocamos, sentimos, somos, es parte de El” H.P. Blavatsky1 , en su obra “La doctrina secreta” nos aclara que esta ciencia no es la fantasía de un loco anacoreta sino la fusión ininterrumpida del conocimiento de miles de iniciados y maestros a lo largo de generaciones. De hombres que vivieron en épocas y lugares diversos que estudiaron las tradiciones orales de diversos pueblos y culturas encontrando puntos comunes. Buscando explicaciones y evidencias de dichas coincidencias ante la certeza de que las casualidades no existen. Descubriendo así mucho de lo que la Sabiduría Sagrada nos ha ido desvelando y buscando todo aquello que aún nos oculta, quizás por no estar preparados para ello. Es filosofía porque nos obliga a pensar y a vivir conforme a su pensamiento o leyes. No es posible creer en Dios realmente y vivir de espaldas a El. La filosofía busca conocernos a nosotros mismos, lo que realmente somos y, conociendo la obra, descubrimos al Creador. Giordano Bruno2 dijo “Lograr el conocimiento del UNO es la meta de toda filosofía” . 1 Helena Blavatsky, también conocida como Madame Blavatsky, cuyo nombre de soltera era Helena von Hahn y luego de casada Helena Petrovna Blavatsky —Елена Петровна Блаватская, en ruso—, (Yekaterinoslav, 12 de agosto de 1831 - Londres, 8 de mayo de 1891), fue una escritora, ocultista y teósofa rusa. Fue también una de las fundadoras de la Sociedad Teosófica y contribuyó a la difusión de la Teosofía moderna. Sus libros más importantes son Isis sin velo y La Doctrina Secreta, escritos en 1875 y 1888, respectivamente. 2 Giordano Bruno, de nacimiento Filippo Bruno (Nola, Nápoles, 1548 - Roma, 17 de febrero de 1600) fue un astrónomo, filósofo, matemático y poeta italiano. Sus teorías cosmológicas superaron el modelo copernicano, pues propuso que el Sol era simplemente una estrella; que el universo había de contener un infinito número de mundos habitados por animales y seres inteligentes. Miembro de la Orden de los Dominicos, propuso en el campo teológico una forma particular de panteísmo, lo cual difería considerablemente de la visión cosmológica sostenida por la Iglesia católica. Pero no fueron estos
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 10/27 La filosofía no es ciencia, no precisa de conocer objetos y analizarlos. La filosofía solo precisa de razonamiento. El hombre común piensa que posee un Alma. El filósofo invierte los factores y lanza la duda: ¿Y si fuese el Alma quien posee un cuerpo? De ese modo nos sumerge en el mundo metafísico, en la transcendencia más allá de lo material. Nos obliga a meditar sobre lo que realmente somos, sobre lo que es el Ser Humano y no la mayoría rechaza lo que se le muestra porque cuesta asimilar aquello que se escapa a nuestro control. Pero los iniciados saben que todo es posible, que solo hay que escuchar a nuestra Conciencia Eterna e Inmortal. Es arte porque el arte es la máxima expresión de la inteligencia, de la voluntad y del deseo creativo. Todas las civilizaciones nos han dejado sus obras para la posteridad y, casualidades de la vida, las más grandes con mensajes más o menos velados del Conocimiento de la Sabiduría Sagrada. El complejo de Stonehenge3 , los zigurats, las pirámides, las catedrales…esconden en si mismas conocimientos de astronomía, geometría, aritmética, teología…Esconden la ciencia de su época. Los jeroglíficos, la música, la escritura, nacieron como sistemas que permitían guardar el Conocimiento Secreto de modo exacto, sin los fallos de una comunicación oral pura. Al mismo tiempo permitía ocultar ese conocimiento de los no iniciados incapaz de interpretar nada de lo que veía por no saber leer. Recuerde el lector que hasta no hace mucho tiempo, la población era analfabeta ¡Qué mejor modo de ocultar un secreto que escribiéndolo para que solo el iniciado pudiese comprenderlo! Por otro lado, el arte permanece por siglos. El verdadero arte afecta al Alma y sentimos sensaciones que no siempre comprendemos. El arte nos hace sentir un éxtasis, nos hace “salir del cuerpo”, cuando escuchamos obras de Mozart, Beethoven o Brahms. Nos sentimos insignificantes ante las pirámides de Egipto, las ruinas de Ang-Korg o en el Machu-Pichu. Nos sobrecogemos en la calma que se puede respirar en el interior de los lugares sagrados. El Arte parece fundirse y querer hablar a nuestra Alma. Que la Sabiduría Sagrada es religión ya lo tocamos al comienzo porque es la asociación general que se hace. Pero ya matizamos que la religión esotérica no es una religión sino la Religión. La común a todos los Seres Humanos. Llamada no a eliminar a las existentes sino a completarlas. Porque estas son partes de aquella. Dice un proverbio “De muchos colores son las vacas pero su leche siempre es blanca”. Las diferentes vacas son las diferentes corrientes religiosas; la leche siempre igual, siempre blanca y pura, es la auténtica Religión. Así, la Sabiduría Sagrada se asienta en estos cuatro pilares: Ciencia, Filosofía, Arte y Religión. Todos los pilares igual de importantes para lograr el avance. Quien se entrega de verdad a su estudio sin ánimo de fama y si de conocimiento obtiene siempre sus frutos:  Descubre que la vida es el mejor regalo porque permite evolucionar al Alma. razonamientos la causa de su condena sino sus afirmaciones teológicas, que lo llevaron a ser condenado por las autoridades civiles de Roma después de que la Inquisición romana lo encontrara culpable de herejía. Fue quemado en la hoguera. 3 Stonehenge es un monumento megalítico, tipo crómlech, de finales del neolítico (siglo XX a. C.), situado cerca de Amesbury, en el condado de Wiltshire, Inglaterra, a unos quince kilómetros al norte de Salisbury.El conjunto megalítico de Stonehenge, Avebury y sitios relacionados fue proclamado Patrimonio de la Humanidad por la Unesco en 1986. En la actualidad se cree que podría ser un observatorio astronómico.
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 11/27  Deja de temer a la muerte porque sabe que tan solo es un paso más en la vida.  Ve a todos los hombres como hermanos, diferentes y a la vez iguales a si mismo.  Enseña a hacer el bien incluso a quien hace el mal porque los errores de otros no justifican los suyos.  Incluso en medio de un desierto y solo se siente acompañado porque conoce que el mismo es parte del Todo.  No precisa buscar al Creador porque sabe que él es parte del Creador y el Creador lo engloba todo.  Comprende que todo lo que le rodea. Animales, plantas, aire, agua…son creaciones divinas y deben ser protegidas y conservadas para los que nos sigan.  Aprende que el Poder del Sabio no es mostrar lo mucho que sabe sino emplear lo que sabe para hacer lo correcto en cada momento. Y podríamos seguir con la lista pero de poco valdría. Solo son palabras. Lo importante es despertar en el hombre el interés para ir más allá de lo evidente. Hacer que pise el camino y que me siga como antes yo seguí a mi maestro que había seguido a otros y estos a otros que siguieron a otros. Se trata de que lo poco que uno sabe pase al siguiente. Que el que me sigue me supere siempre en Sabiduría. En definitiva, que usted que me está leyendo se convierta en un eslabón más es esta cadena que une al hombre con su Creador y a la que llamamos Sabiduría Sagrada. Sobre el autor Mario López Rico es maestro masón y trabaja actualmente su logia madre Renacimiento 54 – La Coruña – España, bajo la Obediencia de la Gran Logia de España, donde fue iniciado el 20 de Noviembre de 2007 y fue reconocido como maestro el 22 de Abril de 2010. A partir del año 2011 comienza a subir la escalera masónica filosófica del REAA siendo también, en la actualidad, Maestro de la Marca – Nauta del Arco Real, Compañero del Arco Real de Jerusalén y Super excelent master (grado cuarto y último de los Royal & Select Master – Rito york) Miembro Fundador Capitulo Semper Fidelis nº 36 de Masones del Arco Real el 18 – Oct – 2014 Miembro Fundador Consejo Mesa de Salomón nº 324 de Maestros Reales y Selectos (Masonería Criptica) el 20 – Feb - 2016
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 12/27 Ir. Paulo Roberto - MI da Loja Pitágoras nr. 15 Grande Secretário Adjunto Guarda-Selos da GLSC Escreve aos sábados prp.ephraim58@terra.com.br Paulo Roberto Sempre... A Questão Religiosa! A Instituição Maçônica em sua maioria das vezes sempre se vê ligada às questões religiosas, principalmente àquelas que são sinonímias à Igreja Católica. Às vezes até existe uma vontade de se profetizar que ambas irão existir enquanto uma delas sobreviver... Ou seja, uma depende da outra para obterem uma sobrevida! Assim sendo, houve até grandes autores maçônicos que escreveram obras sobre o exposto. Por exemplo, o livro “Maçonaria para Profanos e Neófitos” de autoria de Zilmar de Paula Barros é um típico exemplo do que estamos falando. Nessa obra é colocada determinada posição do Catolicismo Romano em relação a Maçonaria e aos maçons praticantes daquele credo religioso. Pelo que temos pesquisado não existe nenhum impedimento entre a Maçonaria e os católicos brasileiros, ortodóxicos e anglicanos, havendo inclusive um grande número de maçons entre seus sacerdotes. Entretanto, no que se refere ao Catolicismo Romano, convém deixarmos as devidas conclusões para os leitores de artigos dessa natureza. Deve-se afiançar que a Maçonaria regular, em todos os tempos, tem mostrado ser o sustentáculo dos princípios liberais, nacionalistas, adepta da religião tida como local, de vez que os iniciados em seus Augustos Mistérios, por força de seus regulamentos, têm que acatar a crença em um Ente Criador e a sobrevivência da alma. Se por acaso revermos a História Universal, iremos nos certificar de que “Maçonaria e Religião” sempre estiveram de mãos dadas, a despeito de algumas bulas papais. “Porém um fator essa História demonstra: as proibições papais não têm impedido, realmente, que grandes personagens da própria Igreja Católica, simples praticantes ou profissionais eminentes, abracem com vigor extremo os ideais maçônicos de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, sem haver prejuízo de seu Catolicismo.” (“A Maçonaria e as Forças Secretas da Revolução” – Morivalde Calvet Fagundes). 4 – Sempre...a questão religiosa Paulo Roberto
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 13/27 Um outro renomado escritor, A. Tenório d’Albuquerque, em seu livro “A Maçonaria e as Revoluções Pernambucanas”, publica uma relação apresentada por Mário Melo, com o título de “Centenas de Sacerdotes na Maçonaria Brasileira”. E, entre as dezenas de nomes de clérigos maçons publicados por esse autor, destacamos o seguinte: “... a Maçonaria no século XIX, ao menos no Brasil, teve no clero a sua maior sustentabilidade, sendo muitas Lojas da Província de Pernambuco fundadas por padres, conforme verificamos de seus arquivos existentes.” Logo, pode-se afirmar, que “fora maçom o Bispo Azeredo Coutinho, grau 33º, célebre escritor português, prelado de Pernambuco – 1742 - 1821.” Possuidor de uma inteligência notável e de um espírito com muita abnegação, exercendo uma influência poderosissíma sobre a mentalidade portuguesa de seu tempo pela doutrina econômica que assimilou e difundiu. Bom que se saiba que era um brasileiro, natural de Campos e descendente de família ilustre da Capitania da Paraíba do Sul, hoje, parte do Estado do Rio de Janeiro. Impossível neste momento, esquecermos de mencionar a pessoa de Frei Joaquim do Amor Divino Rabelo Caneca, nascido em Recife, Província de Pernambuco em 20 de agosto de 1779, político, escritor, jornalista e orador brasileiro, sendo executado por fuzilamento na mesma cidade, em 13 de janeiro de 1825. Frei Caneca, religioso e político pernambucano. Um dos líderes da “Confederação do Equador” Sobre influência fortíssima de um liberalismo revolucionário, frequentou segundo alguns assentamentos, um grupo denominado “Academia Paraíso”, filiado à Maçonaria. Frei Caneca, como era conhecido, era um brilhante orador e maçom fiel à causa, na ocasião de sua morte era grau 7º. Suas obras políticas e literárias na ocasião de seu fuzilamento foram reunidas por Dom Antônio Joaquim de Melo (1791 - 1861) sacerdote e sétimo bispo da cidade de São Paulo. Ficaram inéditas, também, as traduções de “Espelho das Mulheres”, de autor não identificado; “História da Franco-Maçonaria”; “História da Província Pernambucana e a Defesa”, onde justifica sua participação na Revolução Pernambucana, também conhecida como Revolução dos Padres, eclodida em 1817. Uma outra figura histórica que devemos citar, trata-se de Frei Francisco de Santa Teresa de Jesus Sampaio, redator da “Representação dos Fluminenses”. Orador da Loja “Comércio e Artes” Nº
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 14/27 0001, fundada em 15 de novembro de 1815, primaz do Brasil, detentora da Estrela de Distinção e Cruz de Perfeição e Grande Orador do “Grande Oriente do Brasil”. Frei Sampaio era um maçom, grau 7º, obreiro ativo do quadro da Loja “Comércio e Artes”, onde ocupava o cargo de Orador. “Na maioria das vezes, para assentarem-se os planos que se urdiam na Maçonaria em favor do movimento de Independência, Frei Sampaio arrastava os companheiros para o seu cativeiro no primeiro andar do convento, junto do gradil que se estendia por cima da sacristia voltado para o jardim”. E, ali, naquela cela gradeada com ferro, passavam-se os mais variados e graves problemas da emancipação brasileira. Até D. Pedro I, o Príncipe Regente, lá esteve em determinado momento fazendo parte do citado movimento. Nos dias antecedentes ao ‘FICO’, a cela de Frei Sampaio tornou-se a ‘fornalha’ da insurreição. Nomes como José Clemente Pereira, Francisco de França Miranda, todos sem exceção, vultos predominantes do referido movimento, entre aquelas quatro paredes, até muito tarde da noite, moldaram os termos da representação popular que impediu o Imperador de retornar a Portugal como exigiam as Cortes Lisboetas”. Afonso d'Escragnolle Taunay, em “Grandes Vultos da Independência”, disse: “Na casa da Rua da Ajuda, em um Templo Maçônico, assim como, na cela de Frei Sampaio, no Convento de Santo Antônio, reuniam-se os principais integrantes e propugnadores do ‘Dia do Fico’”. Continuando, não poderíamos deixar de escrever, nem que seja um breve relato, sobre outro membro do clero – Padre Eutychio Pereira da Rocha, grau 33º. Homem de acirrada cultura e inteligência fez-se profundo conhecedor das finalidades da Maçonaria alcançando todos os graus e as maiores distinções oferecidas pela mesma. Da Loja “Harmonia” Nº 8, fundada em 28 de março de 1857, Padre Eutychio da Rocha era o Guarda da Lei, Orador de amplos recursos, a sua palavra, por muitas vezes, embeveceu os trabalhadores da Ordem Maçônica Paraense. No ano de 1873, pela grandeza de seus méritos, foi agraciado com o cargo de Delegado do Grão- Mestre na Província do Pará, o qual exerceu até o seu falecimento. Abnegadamente atuou com grande firmeza de caráter, visitando quase sempre outras cidades, em viagens de fiscalização e representação. Fora da Igreja Católica mudou os hábitos talares pelos seculares, continuando a prestar serviços à Maçonaria e à Humanidade. Jamais se recurvou as pressões, mesmo de seus superiores, para que abjurasse a Maçonaria. Certa vez, o Bispo Dom Antônio de Macedo Costa, do Pará, determinou que ele abandonasse a Instituição Maçônica. Ao invés de ficar amedrontado com essa manifestação do clérigo em questão, que o ameaçava de suspensão de ordens e até excomunhão, Padre Eutychio Pereira da Rocha respondeu altiva e corajosamente: “Pode Vossa Eminência proceder como bem entender, que seria indigno de minha pessoa se renegasse a Maçonaria, órfão, fui por ela educado até minha saída do seminário. Irei até viver como esmoler, mas não morderei as mãos de meu benfeitor”. Já em determinada ocasião, o Padre em evidência, declarou ao Papa que nada havia encontrado na Maçonaria que viesse a hostilizar a sagrada doutrina católica. Mas, o fenômeno da morte, veio surpreendê-lo no desempenho do cargo de Delegado do Grande Oriente do Brasil. E, então, setenta e três anos depois, mas precisamente no dia 21 de julho de 1943, por iniciativa do Ilustre Irmão Apolinário Pinheiro Moreira, Grão-Mestre da Grande Loja do Estado do Pará, os restos fúnebres do Padre Eutychio Pereira da Rocha foram trasladados para o Templo da Loja Simbólica “Harmonia” Nº 8, na sede da Grande Loja do Pará.
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 15/27 “A humanidade é infeliz por ter feito do trabalho um sacrifício e do amor um pecado” Ir Rui Jung Neto, ex-V.M., AStM da Cinq. Ben. A.R.L.S. "Concordia et Humanitas" Nr. 56 - Or. de Porto Alegre - RS (51) 9942-2605 - e-mail: ruijung@gmail.com “Afinal, não basta saber muito, é preciso compreender o todo” – Ir. Rui Jung Neto. 28ª Coluna do Rito Schröder – 30 de abril de 2016 – publicada no JB NEWS 2.037 O Rito Schröder, composto pelos Rituais das Lojas de Aprendiz (com a Loja de Mesa e a Loja de Funeral), Companheiro e Mestre Maçom, é um Sistema de Ensino maçônico há muito adotado por algumas das mais antigas Lojas na Alemanha. No último dia de cada mês o JB News brinda os Irmãos do Rito Schröder e seus simpatizantes, com uma coluna mensal sob a coordenação do Ir. Rui Jung Neto, ex-V.M. da Cinq. Ben. A.R.L.S. "Concordia et Humanitas" Nr. 56 - ao Or. de Porto Alegre – RS – que trabalha no Rito Schröder desde 1958 – GLMERGS, membro do Colegiado Diretor do “Colégio de Estudos do Rito Schröder Ir. Gouveia”, e que estará à disposição para responder aos Irmãos leitores através do e-mail: ruijung@gmail.com Nesta coluna reproduzimos parcialmente a Peça de Arq. do Venerabilíssimo Ir. Kurt Max Hauser†, P.G.M. da MRGLMERGS, esclarecendo a “confusão” que alguns autores estrangeiros do passado, e brasileiros, da atualidade, fazem em relação ao Ir. F. L. Schröder, criador dos Rituais que levam seu nome e que conhecemos como Rito Schröder. Boa leitura e até a nossa 29ª Coluna em maio de 2016! 5 – Coluna do Rito Schröder (28ª) A VERDADE SOBRE O RITO SCHRÖDER E SEU FUNDADOR - Rui Jung Neto
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 16/27 A VERDADE SOBRE O RITO SCHRÖDER E SEU FUNDADOR (Reprodução parcial) Ir. Kurt Max Hauser (†) ... (F. L.) Schröder submeteu seu texto aos Mestres de Hamburgo (i. é, aos Veneráveis Mestres das 5 Lojas que até hoje trabalham com o Ritual de Schröder), em 29 de junho de 1801, os quais o adotaram por unanimidade e, depois de uma revisão de algumas passagens que pareciam não guardar relação com a cerimônia, foi impressa, em edição limitada, para as Lojas de Hamburgo, e outra maior foi editada em 1816, para todas as Lojas da Alemanha. Desta edição existe somente uma cópia, pertencente a uma Loja da cidade de Celle, cujo exemplar, felizmente, tem sido possível ser estudado. Este texto não contém nada de místico ou oculto, mas retém a simplicidade do original inglês (da G.L. de Londres de 1717), inclusive o pensamento alemão da época, revelando um texto de alto fervor moral aliado a um generoso espírito de princípios humanitários. Agora surge a pergunta crucial: por que razão na Maçonaria brasileira, ou, melhor dizendo, nos livros de escritores maçônicos brasileiros, Schröder é apresentado com a pecha de "Cagliostro da Alemanha", assim como o seu Ritual é considerado místico, eivado de alquimia e magia, além de outras titulações? Tal entendimento só pode ser atribuído à falta de um estudo mais acurado da vida de Friedrich Ludwig Schröder e, principalmente, da Maçonaria alemã de seu tempo. Naquela época existiam, na Alemanha, mais dois personagens maçons e que, igualmente, tinham o sobrenome de "Schröder": O primeiro chamava-se Friedrich Joseph Wilhelm Schröder, nascido a 19 de março de 1733 e falecido a 27 de outubro de 1778, o qual, efetivamente, vivia envolvido em práticas de magia, alquimia e teosofia e que, igualmente fundou Lojas, nas quais era praticada uma mistura de magia com rosacrucianismo. É bem provável que, em virtude de ambos possuírem o prenome de "Friedrich", tenha-se originado essa confusão. Outro contemporâneo era o maçom de nome Joachim Heinrich Schröder da mesma forma dedicado às ciências místicas. Isto nos proporciona, ao final de nossa tentativa, a oportunidade de apresentar a obra de Schröder, no contexto da Maçonaria alemã no seu tempo, e mostrar como ele se esforçou para adaptar a um texto, embora espúrio (i.é., o TDK), à sua concepção do que a Maçonaria deveria ser. O fato de que o seu Ritual foi imediatamente aceito e adotado, pela maioria das Lojas que não pertenciam a uma das Constituições então existentes, que trabalhavam na variedade cristã de origem franco sueca, prova o forte desejo da Maçonaria Simbólica alemã de retornar ao trabalho
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 17/27 com as ferramentas que a Maçonaria inglesa tinha originalmente providenciado, para o benefício dos maçons, em qualquer lugar em que se encontrassem, por toda a superfície do Globo. NOTAS COMPLEMENTARES Para complementação do trabalho “A Verdade sobre o Rito Schröder e seu Fundador”, permitimo- nos apresentar uma tradução de texto da “Enciclopédia da Maçonaria”, de Albert G. Mackey, volume II, editada em 1966, páginas 911 e 912, contendo notas biográficas que interessam à história da Maçonaria: FRIEDRICH JOSEPH WILHELM SCHRÖDER Doutor e Professor de Farmacologia em Marburg, Alemanha; nascido em Bielefeld, na Prússia a 19 de março de 1733, e falecido a 27 de outubro de 1778. De constituição doentia, desde sua juventude, ele ainda enfraqueceu sua saúde física e suas faculdades mentais pela sua grande devoção às atividades teosóficas, de química e alquimia. Ele fundou em Marburg, em 1776, um Capítulo dos Verdadeiros e Antigos Maçons Rosa-Cruzes e, em 1779, ele organizou numa Loja de Saarburg, uma Escola ou Rito, fundado sobre os princípios da Magia da Teosofia e da Alquimia, que possuía 7 graus, sendo quatro graus avançados, fundamentados sobre essas ciências ocultas, acrescentados aos três graus simbólicos originais. Este Rito, chamado “Rosa- Cruz Retificado”, foi praticado somente por duas Lojas, sob a Constituição da Grande Loja de Hamburgo. Clavel, em seu livro “Histórias Pitorescas da Maçonaria”, na página 183, chama Friedrich Joseph Wilhelm Schröder de “Cagliostro Alemão”, porque foi na Escola deste personagem que o charlatão italiano aprendeu suas lições iniciais de magia e teosofia. O Dr. Oliver, não entendendo Clavel, chamou este Schröder de “aventureiro”, em seu livro “Landmarks Históricos”, na página 710. Seria mais justo, entretanto, se lhe atribuíssemos uma imaginação doentia e vítima de estudos mal orientados, em vez de um mau coração e práticas impuras. Este personagem não deve ser confundido com Friedrich Ludwig Schröder, um homem possuidor de um caráter muito diferente. FRIEDRICH LUDWIG SCHRÖDER Ator, dramaturgo e escritor maçônico, nascido em Schwerin, Alemanha, a 3 de novembro de 1744, tendo falecido perto de Hamburgo, a 3 de setembro de 1816. Ele começou sua vida como ator, na cidade de Viena, e foi tão famoso em sua profissão, que Hoffmann disse que ele foi, “incontestavelmente, o maior ator que a Alemanha já teve e, igualmente, na tragédia e na comédia”. Como maçom ativo e zeloso, ele adquiriu um caráter muito elevado. Christoph Bode, um bem conhecido maçom, era seu amigo íntimo e, por sua influência, Schröder foi iniciado, em 1774, na Maçonaria, na Loja “Emanuel zur Maienblume” (“Emanuel à Flor de Maio”). Logo depois, ele mesmo fundou uma Loja, trabalhando com o sistema “Zinnendorf”, mas que não durou muito tempo. Schröder, então, foi para Viena, onde permaneceu até 1785, quando voltou para Hamburgo. No seu retorno, foi eleito (Venerável) Mestre da Loja “Emanuel zur Maienblume”, por seus velhos amigos e Irmãos, e cujo mandato manteve até 1799. Em 1794, foi eleito Grão-Mestre Adjunto da Grande Loja Provincial Inglesa (de Hamburgo e) da Baixa Saxônia e, em 1814, no
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 18/27 septuagésimo ano de sua vida, ele foi induzido a aceitar o cargo de Grão-Mestre. Foi depois de sua eleição, em 1787, para (Venerável) Mestre da Loja “Emanuel zur Maienblume”, em Hamburgo, que resolveu devotar-se à tarefa de promover uma completa reformulação no sistema maçônico, que havia sido muito corrompido no continente europeu, inventando-se inumeráveis “graus avançados”, muitos dos quais tinham origem nas fantasias buscadas na alquimia, no rosacrucianismo e na filosofia hermética. É a esta resolução, totalmente executada, que devemos o esquema maçônico hoje conhecido como o Rito de Schröder e que, sejam quais forem seus efeitos, na estimação de alguns, tornou-se muito popular entre os maçons alemães. Schröder começou com a teoria de que, já que a Maçonaria se havia transportado da Inglaterra para o Continente, dever-se-ia procurar no livro inglês da Constituição e no primeiro Ritual Inglês a forma pura e não a adulterada da Maçonaria. Ele, consequentemente, selecionou uma boa exposição, conhecida pelo nome de “Jachim e Boaz”, que representavam, na sua opinião, a melhor forma da velha Iniciação, tendo-a traduzido para a língua alemã, remodelando-a e apresentando-a à Grande Loja Provincial, em 1801, que a aceitou, estabelecendo-a. Em razão de sua simplicidade, foi aceita por muitas outras Lojas alemãs. O Sistema de Schröder assim adotado consistiu dos Três Graus da Antiga Arte Maçônica, sendo todos os Altos Graus rejeitados. Mas Schröder achou necessário engrandecer seu Sistema, de forma a oferecer aos Irmãos, que desejassem uma oportunidade de investigar mais do que a Filosofia da Maçonaria. Por isso, ele estabeleceu um “Engbund”, ou Seleta União Histórica, que devia ser composta unicamente por Mestres Maçons, que se ocupariam com o estudo dos diferentes Sistemas e Graus da Maçonaria. As Lojas de Hamburgo consistiriam em um “Mutterbund”, ou Corpo Central, ao qual todas as lojas estariam ligadas por correspondência. O erro deste Sistema parece ser o de que, retornando ao Rito primitivo, que não reconhece nada além do Grau de Mestre-Maçom, rejeita todos os desenvolvimentos dos labores das mentes filosóficas de um Século. Sem dúvida, nos “altos graus” do Século XVIII, havia uma abundância de joio, mas havia, também, algum trigo nutritivo. Schröder, juntamente com o anterior, botou fora o ulterior. Seu Sistema, entretanto, tem algum mérito e ainda é praticado por grande quantidade de Lojas nos países de língua germânica. Friedrich Ludwig Schröder, notável ator e escritor alemão ingressou na Maçonaria aos 30 anos de idade, trabalhando em Lojas do Sistema Zinnendorf. Tempos depois, foi eleito Venerável da Loja “Emanuel”, de Hamburgo, quando então preconizou uma profunda reforma na Maçonaria, despojando-a dos vícios ocultistas, alquimistas, herméticos e rosacrucianistas, que estavam no auge em toda a Europa, e que tinham buscado refúgio e amparo nos Templos maçônicos, deformando sua essência Iniciática. Propôs-se obter o regresso à simplicidade dos Ritos da Maçonaria Pré-Especulativa e às práticas dos primeiros anos da Ordem. Cancelou, pois, todos os Graus, fora dos Três Simbólicos e, tendo apresentado sua reforma em 1801, a mesma foi seguida por grande número de maçons alemães.
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 19/27 Dados Bibliográficos da Peça de Arquitetura original: - Origem e Fontes do Ritual Schröder: Trabalho apresentado pelo Ir. Hans Henrich Solf, perante a Loja de Pesquisa “Quatuor Coronati”, nº 2076, de Londres, em 1979; - História da Maçonaria: de J.G. Findel, edição de 1870, págs. 516-523 e pág. 409; -Enciclopédia da Franco-Maçonaria: de C. Lenning, edição de 1828, volume III, págs. 343-356; -Enciclopédia da Maçonaria: de Albert G. Mackey, edição em 1966, volume II, págs. 911 e 912. Autor: Venerabilíssimo Ir. Kurt Max Hauser (†), Ex-Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado do Rio Grande do Sul; Membro Fundador, Benemérito e ex-V.M. da Cinq. Ben. Aug. e Resp. Loja Simb. “Concordia et Humanitas”, Nr. 56 - Fundada em 24/06/1958 – Rito Schröder – MRGLMERGS; Membro Fundador da Loja Maçônica de Estudos e Pesquisas “UNIVERSUM” N° 147, MRGLMERGS. Trabalho publicado originalmente pela Loja Maçônica de Estudos e Pesquisas “UNIVERSUM” N° 147 em “Edições Universum” - N° 2, julho de 1997. Original revisado, editado e comentado pelo Ven. Ir. Rui Jung Neto, ex-V.M. da Cinq. Ben. Aug. e Resp. Loja Simb. “Concordia et Humanitas”, Nr. 56, especialmente para a Sessão Conjunta das Lojas do “Condomínio São João”, em 17 de setembro de 2009. Δ Rumo ao “VII SEMINÁRIO Nacional do Rito Schröder – Ir. Kurt Max Hauser”, ao Or. de Porto Alegre, dias 11 e 12/11/2016! sempre de pé e à ordem! www.artedaleitura.com
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 20/27 Coluna da Harmonia O Irmão Ademar Valsechi escreve aos sábados. É MI da Loja Templários da Nova Era – 33º. REAA – membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras, ex-Grande Mestre de Harmonia, atual Grande Secretário de Cultura da GLSC e autor do Livro “A Arte da Música Através do Tempo e na Maçonaria” além da Coletânea em MP3 de Músicas para Ocasiões Maçônicas. - valsechibr@gmail.com Coluna da Harmonia – Nr. 26 História da Música A Influência da Música nas Sociedades – 2ª parte O declínio das civilizações clássicas da China e da Índia coincidiu com o declínio, paralelo ou mesmo anterior, da sua música. A Grécia antiga proporciona um exemplo particularmente claro. A música grega entrou em declínio durante a época de Péricles, por volta de 444 a 429 a.C., época em que a civilização helênica e suas artes atingiam o seu nível mais alto. Foi a música que indicou caminho para a decadência. Instalou-se uma nova música, suplantando os estilos clássicos, mais refinados e disciplinados. Pouco tempo depois, a revolução na música manifestou-se explicitamente como revolução física, violenta, com a queda da elite ateniense. Seguindo-se à revolução grega de 404 a.C., o espalhafato e a rudeza passaram ser a tônica dos versos e da música. A Grécia foi definhando até empalidecer de todo, se tornando presa fácil para outro povo belicoso que iniciou tomando as colônias gregas no sul da península itálica até transformar todo Império Helênico em Império Romano. Para ilustrar a 26ª Coluna da harmonia, vamos ouvir as músicas: - The Watermil – Jeremy Polmear  106- The Watermill - Jeremy Polmear.mp3 - Concierto D´Amore – Tradicional  05 - CONCIERTO D' AMORE (Tradicional).mp3 6 – Coluna da Harmonia nr. 26 Ademar Valsechi
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 21/27 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 04.05.1956 Lauro Muller nr. 07 Florianópolis 04.05.1992 Arte Real Palhocence nr. 51 Palhoça 07.05.1967 Ibreiros de São João nr. 13 São Bento do Sul 08.05.1987 Phoenix nr. 46 Lages 09.05.1994 Acácia Pomerana nr. 60 Pomerode 09.05.2006 João Cândido Moreira nr. 87 São Francisco do Sul 10.05.2001 Eduardo Teixeira II nr. 80 Camboriú 11.05.1886 Luz Serrana nr. 12 Lages 12.05.1977 Fraternidade Timboense nr. 19 Timbó 23.05.2000 Luz do Planalto nr. 76 São Bento do Sul 27.05.1998 Luz, Paz e Fraternidade nr. 71 Indaial 27.05.1983 União Indaialense nr. 36 Indaial GLSC - http://www.mrglsc.org.br Data Nome Oriente 04.05.1956 Lauro Muller nr. 07 Florianópolis 04.05.1992 Arte Real Palhocence nr. 51 Palhoça 07.05.1967 Ibreiros de São João nr. 13 São Bento do Sul 08.05.1987 Phoenix nr. 46 Lages 09.05.1994 Acácia Pomerana nr. 60 Pomerode 09.05.2006 João Cândido Moreira nr. 87 São Francisco do Sul 10.05.2001 Eduardo Teixeira II nr. 80 Camboriú 11.05.1886 Luz Serrana nr. 12 Lages 12.05.1977 Fraternidade Timboense nr. 19 Timbó 23.05.2000 Luz do Planalto nr. 76 São Bento do Sul 27.05.1998 Luz, Paz e Fraternidade nr. 71 Indaial 27.05.1983 União Indaialense nr. 36 Indaial Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de maio 7 – Destaques (Resenha Final)
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 22/27 GOSC https://www.gosc.org.br Curta nossa Página no Facebook Curta nossa página no facebook José Renato dos Santos - www.joserenatodosantos.com.br Data Loja Oriente 03/05/1982 Templários do Vale Indaial 07/05/2001 Artífices da Sabedoria Pomerode 09/05/2011 Luz e Verdade Blumenau 11/05/1982 Acácia do Sul Tubarão 13/05/1979 Milênio da Paz Chapecó 13/05/1999 Fraternidade Universal Florianópolis 15/05/1979 Justiça e Trabalho Balneário Camboriú 16/05/2008 Cavaleiros do Oriente Biguaçu 20/05/1996 Manoel Galdino Vieira Florianópolis 23/05/2013 Triângulo União Fraterna Florianópolis 25/05/1902 Ordem e Trabalho Florianópolis 26/05/2002 Colunas do Vinhedo Urussanga 30/05/1990 Obreiros da Luz Lages 30/05/2000 Lázaro Gonçalves de Lima São José 30/05/2012 Luz e Sabedoria Joinville
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 23/27
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 24/27 CONVOCAÇÃO e CONVITE ATENÇÃO MUDANÇA de LOCAL ! O Secretário da Loja, que subscreve, convoca todos os Irmãos do quadro, com base no inciso V do Artº 116 do Regulamento Geral da Federação e convida todos os demais Irmãos, para a 40ª Sessão da Augusta e Respeitável Loja Simbólica “Alvorada da Sabedoria” nº 4.285, dia 3 DE MAIO, TERÇA-FEIRA, quando comemoraremos o 3º aniversário da Loja, com palestra do Venerável Ir. Marcos de Oliveira, Mestre da Loja Alvorada da Sabedoria, com o tema: “Pequena História da Loja Alvorada da Sabedoria”. Na oportunidade faremos diversas homenagens. A sessão será no Templo Maçônico situado à rua Mal Cândido Rondon, 48, esquina da rua Pintor Eduardo Dias, Bairro Jardim Atlântico, São José. A rua Pintor Eduardo Dias é a 2ª paralela à avenida Atlântico. O estacionamento da Loja tem entrada nesta rua. Programação: 20:15 h: encontro no átrio do Templo; 20:30 h: início da sessão. Traje: maçônico completo. Após a sessão, será oferecido um ágape com um bom whisky. Ir.’. Weber Franco Moraes Secretário Wisdom Dawn Lodge
  25. 25. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 25/27 Loja Maçônica Luz no Horizonte 2038, Goiânia - GO.
  26. 26. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 26/27 Os vídeos são pesquisados ou repassados, em sua maioria, por irmãos colaboradores do JB News. 1 –CASACO DE PELE - SUPER INTERESSANTE... http://elrellano.com/videos_online/4624/circo-roncalli.html 2 – Tocando em frente: Tocando_em_Frente.pps 3 – Tico-Tico: Tico-Tico.WMV 4 – Fotos espetaculares: FOTOS-Espetaculares.151.pps 5 – Fotos curiosas: Fotos-Curiosas.ppsx 6 –Esse vídeo é o início do filme" Meia-noite em Paris" de Woody Allen. Um passeio pela Cidade Luz que, mesmo na chuva, é de uma beleza ímpar. A música de fundo, “ Si tu vois ma mère”, é de Sidney Bechet, um compositor de jazz , negro, nascido em New Orleans, que depois de passar por Chicago e New York se radicou em Paris. Para os amantes do jazz... sensacional! http://www.youtube.com/embed/J3ExqFAO85o?rel=0 7 – Filme do dia: Operação Resgate 2016 - Dublado https://www.youtube.com/watch?v=XWHLQd45eBQ
  27. 27. JB News – Informativo nr. 2.037 – Melbourne (Vic.) sábado, 30 de abril de 2016 Pág. 27/27 Irmão Adilson Zotovici, Loja Chequer Nassif-169 de São Bernardo do Campo – GLESP Escreve aos sábados neste espaço. (O Irmão Adilson, antecipa a sua Homenagem ao Dia do Trabalho – 1º. de Maio) adilsonzotovici@gmail.com SEM TRABALHO Leva a nau em travessia Com esperança, sem temor Sopre branda brisa fria Ou vento forte, no calor ! Falta de peixe angustia ! Causa tristeza e traz torpor Mas aos teus e à confraria És grande homem pescador Persevera, ora e fia ! Lembra-te do teu Criador Lança tua rede à porfia Alegre, pensa em teu valor ! Hoje também é teu dia Parabéns pois, trabalhador ! Adilson Zotovici ARLS Chequer Nassif-169

×