Método Psicologia

1.240 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Método Psicologia

  1. 1. Metodologia Da Investigação Científica (Questões epistemológicas típicas das ciências humanas)
  2. 2. As ciências humanas têm um problema, epistemologicamente decisivo, na sua raiz: A proximidade / identidade entre o objecto de estudo e o sujeito que investiga. O homem estuda o homem
  3. 3. "Sou humano, e nada do que é humano me é estranho“ Terêncio
  4. 4. Esta proximidade entre sujeito e objecto levanta uma série de problemas que pode constituir um sério obstáculo à investigação: • Perigo de contaminação dos dados observacionais com elementos “subjectivos”, ou seja, inerentes ao observador e à forma como ele reage emocionalmente ao observado.
  5. 5. •  Possibilidade de adulteração dos dados observacionais com valorações decorrentes de sistemas valorativos inerentes à cultura do observador.
  6. 6. •  Incapacidade do observador se desligar do observado, por viver no mesmo contexto histórico (sócio-cultural).
  7. 7. •  Perigo de alteração da situação observada, quando há uma interacção entre o observador e o observado.
  8. 8. •  Dificuldade (ou impossibilidade, ética ou funcional) de comprovar experimentalmente as hipóteses.
  9. 9. •  Dinamicidade das situações observacionais: a realidade humana está em constante transformação.
  10. 10. •  Condicionamento dos comportamentos observados – as pessoas se se souberem objecto de investigação, podem alterar, mesmo que inconscientemente, os seus comportamentos.
  11. 11. •  A extrema complexidade dos fenómenos humanos (cada homem é, em si mesmo, um universo imenso), torna muito difícil isolar variáveis que permitam uma análise estrutural desses mesmos fenómenos, bem como a formulação de uma explicação (causal) para a sua ocorrência.
  12. 12. As ciências humanas são INTERSUBJECTIVAS
  13. 13. Ou seja: O observador e o observado não são independentes: partilham a mesma natureza e são ambos seres dotados duma consciência intencional, estando por isso em constante interacção.
  14. 14. Ou seja: O observador e o observado são ambos sujeitos, conscientes e agentes que interagem numa mesma situação, embora assumam papéis diferentes.
  15. 15. Assim, A base das ciências naturais é a explicação, enquanto que, nas ciências humanas, é a compreensão.
  16. 16. Explicar é estabelecer nexos causais entre os fenómenos, é responder à questão “Porquê?” – é indicar, para cada conjunto de fenómenos, a causa que os produz e que, por isso, é a sua razão de ser.
  17. 17. A generalização é, por esta razão, inerente à explicação: uma vez descoberta a causa de um fenómeno particular, ficamos a conhecer a causa de todos os fenómenos do mesmo tipo (do tipo a que pertence o fenómeno particular cuja causa descobrimos).
  18. 18. Compreender é ser capaz de estabelecer nexos significativos entre os fenómenos humanos (que são sempre culturais) e entre estes e o observador, sem anular a singularidade, mas antes, procurando iluminá-la a partir dum contexto que permita interpretá-la sem a deturpar e sem a reduzir.
  19. 19. Procura-se assim encontrar formas de enquadrar a singularidade num quadro geral, sem que se perca de vista a riqueza e a complexidade dos fenómenos humanos.
  20. 20. Os actos humanos, sendo intencionais, não têm apenas um «porquê?» , mas também, um «para quê?» (e, muitas vezes um «para quem?» ), não podendo ser explicados, como se explicam os fenómenos naturais…
  21. 21. Por isso, As ciências humanas recorrem a uma ampla gama de métodos de investigação e de intervenção…

×