Ilya Prigogine




Jorge Barbosa

                                  Ilya Prigogine
                Para Motivação do Conhe...
2                                                                                                        Ilya Prigogine


...
3                                                                                       Ilya Prigogine

Problemas

Não opo...
4                                                                                   Ilya Prigogine

– L’Homme devant l’inc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ilya Prigogine

1.721 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Ilya Prigogine

  1. 1. Ilya Prigogine Jorge Barbosa Ilya Prigogine Para Motivação do Conhecimento de Prigogine 18 de Agosto de 2010
  2. 2. 2 Ilya Prigogine ILYA PRIGOGINE   Ilya Prigogine (1917-2003), nascido na Rússia, de nacionalidade belga, ensinou na Universidade Livre de Bruxelas e na Universidade do Texas em Austin. Recebeu o prémio Nobel da Química em 1977. No plano filosófico, publicou em 1979, em colaboração com Isabelle Stengers, La Nouvelle Alliance: métamorphose de la science. O livro La Fin des certitudes: temps, chaos et les lois de la nature foi publicado em 1996. As suas investigações científicas em termodinâmica levam-no a valorizar os fenómenos de não-equilíbrio e os estados de ruptura. Elabora uma teoria – das estruturas dissipativas – que explica as formações de ordem a partir da desordem e da ruptura com outras ordens. A mecânica clássica de Isaac Newton e de Pierre-Simon Laplace, modelo grandioso da ciência dita moderna, e as próprias teorias de Einstein, baseiam-se na noção quase teológica de lei da natureza e na ideia de um determinismo sem falhas. Mas a ciência contemporânea descobre a cada vez maior importância do aleatório e do espontâneo, a todos os níveis da natureza. A irreversibilidade do tempo, que Prigogine chama “a flecha do tempo” não pode ser só da ordem do tempo vivido ou do senso comum, mas deve tornar-se numa categoria científica fundamental. As investigações em astrofísica, em microfísica, em química, ou mesmo em biologia, concedem um lugar de importância crescente aos fenómenos de desequilíbrio, de flutuações e às relações probabilísticas. Os cálculos previsionais e “retrodictivos” encontram os seus limites e o sonho de um mundo integralmente regulado deve ser abandonado. Está aberta a via da racionalidade da incerteza. A humanidade já não pode compreender-se a si mesma como se fosse uma ilha de criatividade e de liberdade no seio de uma natureza regulada desde o início para a eternidade. Ao dualismo dominante na filosofia ocidental pode agora opor-se um novo monismo apoiado na ciência. A “Antiga Aliança”, a partir de agora “rompida” no desencantamento, como proclamava Jacques Monod1, é substituída pela possibilidade de uma “nova aliança”. “Flecha do tempo”, emergências da novidade e invenção tornam-se propriedades universais de toda a existência. O novo dado científico pode emparelhar com a arte, as letras, a filosofia e toda a cultura humanista da liberdade. 1 Jacques Monod (1910-1976) Bioquímico francês, prémio Nobel da medicina em 1965, autor do livro Le Hasard et la Nécessité (1970), no qual afirma que a antiga aliança entre ciência e filosofia está, a partir de agora, desfeita.
  3. 3. 3 Ilya Prigogine Problemas Não opor tempo do homem e tempo da natureza A criatividade humana é um caso particular da criatividade da natureza. Neste sentido, a realidade universal do tempo reside na novidade e na inovação. Herança da ciência clássica A grande ciência clássica de Galileu, Descartes, Isaac Newton, incluindo a do próprio Einstein, privilegia as noções de equilíbrio, de estabilidade, de permanência e de repetição. Constrói um dualismo filosófico pouco aceitável entre a matéria e o espírito, entre o determinismo e a liberdade, natureza e homem. Tempo do homem e tempo da natureza são, deste modo, radicalmente opostos. Quando alguns filósofos recusam este dualismo e se referem a um tempo existencial, recusam também o pensamento científico. Prigogine combate precisamente esta herança. Determinismo e contingência O determinismo estritamente “necessarista” de Espinosa e de Laplace já não é defensável. No entanto, o universo também não pode obedecer a processos puramente aleatórios. Resta-nos, então, um caminho estreito entre determinismo e contingência. Ciência e Humanismo O conflito entre ciências humanas e ciências duras, debate antigo entre partidários da mudança e partidários da permanência, é um reflexo do dualismo filosófico. É preciso alcançar um novo monismo, no qual ciência e filosofia se reconciliariam. Obras importantes – La Nouvelle Alliance : métamorphose de la science, Gallimard, coll. « Bibliothèque des sciences humaines », 1979 (co-autor: Isabelle Stengers). – De l’être au devenir : l’intégrale des entretiens d’Edmond Blattchen, Alice, coll. «Noms de dieux, l’intégrale des entretiens d’Edmond Blattchen », 1980. – La Fin des certitudes : temps, chaos et les lois de la nature, Odile Jacob, 1996. – Entre le temps et l’éternité, Fayard, 1988 (co-autor: Isabelle Stengers).
  4. 4. 4 Ilya Prigogine – L’Homme devant l’incertain, Odile Jacob, coll. « Sciences », 2001 (obra coordenada por Ilya Prigogine). A consultar na Internet – http://mediatheque.ircam.fr/articles/textes/gerzso95a/ : uma entrevista com Ilya Priogogine sobre o tempo. – http://nobelprize.org/nobel_prizes/chemistry/laureates/1977/prigogineautobio.html : apresentação de Prigogine no sítio do Nobel. - http://perso.orange.fr/temhis.spaths/SurrealismeEtScience/01_FinDesCertitudes/01_WebPages/LaFinDesCertitu des.htm : extractos de La Fin des certitudes de Prigogine. PHILOSOPHIE

×