Estilos na Relação Interpessoal

5.878 visualizações

Publicada em

Texto de apoio - Psicologia e Sociologia 10º CMRPP

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.878
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
297
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estilos na Relação Interpessoal

  1. 1. TÉCNICA  DE  AUTO-­‐AFIRMAÇÃO  DE  BOWER  (1976)  -­‐  DEEC   O  Sr.  A  descreve  o  comportamento  do  Sr.  B  de  uma  D   Descrever   forma  tão  precisa  e  objectiva  quanto  possível,  sem   emitir  juízos  de  valor;  é  factual   O  Sr.  A  transmite  ao  Sr.  B  o  que  pensa  e  sente  em  E   Expressar   relação  ao  seu  comportamento.  Revela  os  seus   sentimentos,  preocupações  e  desacordos.   O  Sr.  A  propõe  ao  Sr.  B  uma  forma  realista  de  E   Especificar   modificar  o  seu  comportamento   O  Sr.  A  tenta  interessar  o  Sr.  B  pela  solução  proposta,  C   Consequência   indicando-­‐lhe  as  possíveis  consequências  benéficas  do   novo  comportamento  que  lhe  é  proposto  
  2. 2. CONFIANÇA  NA  RELAÇÃO  INTERPESSOAL   Significa  que,  numa  determinada  situação,  os  resultados  da   acção  da  outra  pessoa  nos  afecta  significativamente.   Contingência   Se  o  comportamento  de  outra  pessoa  não  tem  qualquer  efeito   sobre  nós,  não  há  necessidade  de  ter  confiança  nela.   Relaciona-­‐se  com  o  grau  de  certeza  que  nós  temos  acerca   daquilo  que  a  outra  pessoa  fará  ou  não  fará.  Nesta  dimensão,  é   Previsibilidade   possível  prever  o  comportamento  ou  as  intenções  da  outra   pessoa.   Implica  que  possamos  escolher  outra  atitude  além  da   confiança.  Opções  alternativas   A  confiança  surge  porque  somos  influenciados  pelo   comportamento  de  outra  pessoa  e  somos  capazes  de  prever   como  é  que  essa  pessoa  se  comporta  perante  nós.  
  3. 3. “Toques”   Condicionais   Incondicionais   Referem-­‐se  a  um   Apresentam-­‐se  como   determinado  momento  da   verdades  definitivas,  válidas   existência  do  sujeito  ou  a  um   em  qualquer  situação,   comportamento  específico;  só   qualquer  que  seja  o  contexto   tem  validade  num  momento   onde  o  sujeito  se  insere.  POSITIVOS   determinado.   Ajudam  o  sujeito  a  agir,  São  sinais  de   Podem,  a  qualquer  momento,   tornam-­‐no  mais  competente  reconhecimento   ser  alterados.   e  autónomo.  que  satisfazem  o   São  estimuladores  e  agradam  sujeito  porque  o   ao  sujeito,  levando-­‐o  a  repetir   Ex.:  valorizam  e  lhe  dão   o  que  foi  elogiado  ou   • És  muito  inteligente  força  para  seguir   reconhecido   • És  uma  pessoa  interessante   Ex.:   • És  muito  criativo   • Este  trabalho  está  bem  feito   • Hoje  estás  muito  bonita    
  4. 4. “Toques”   Condicionais   Incondicionais   São  sinais  ou  informação  que   São  informações   não  valorizam  o  sujeito  nem   desagradáveis  e  destrutivas.   são  construtivos.   Desvalorizam  o  sujeito  e   Poderão,  contudo,  ser   bloqueiam  a  comunicação  e  a  NEGATIVOS   estimulantes  porque  referem-­‐ acção  São  sinais   se  a  um  momento  ou  a  uma   Não  favorecem  nenhuma  desagradáveis  que   acção    específica  do  sujeito.   mudança  no  comportamento  provocam  no  sujeito   Ex.:   do  sujeito.  insatisfação  e  o   • Fizeste  um  mau  trabalho   Ex.:  desvalorizam   • Não  gostei  do  que  disseste   • Nunca  fazes  o  que  te  peço   • Hoje  estás  com  mau  aspecto   • És  um  incompetente   • És  um  oportunista   • Ninguém  pode  ter  confiança   em  ti.  

×