SlideShare uma empresa Scribd logo

Argumentação, Retórica e Filosofia - 1

1 de 41
Baixar para ler offline
Argumentação, Retórica e
                       Filosofia
                               Filosofia 11º Ano

                              Jorge Barbosa, 2012



Domingo, 7 de Outubro de 12
Sumário
                              Argumentação e Retórica
                                O domínio do discurso argumentativo - a procura de adesão do auditório.
                                O discurso argumentativo - principais tipos de argumentos e falácias
                                informais
                              Argumentação e Filosofia
                                Filosofia, retórica e democracia
                                Persuasão e manipulação ou os dois usos da retórica
                                Argumentação, verdade e ser




Domingo, 7 de Outubro de 12
Argumentos Informais

Domingo, 7 de Outubro de 12
Argumentos Informais
                              A validade de um       A validade de um
                              argumento formal       argumento informal
                              depende unicamente     depende também de
                              da sua forma lógica.   outros critérios.




Domingo, 7 de Outubro de 12
Argumentos Informais
                        Indução: Generalizações e Previsões
                              Uma generalização indutiva é um argumento com
                              uma conclusão geral extraída de casos particulares
                              Uma previsão indutiva também parte de casos
                              particulares, mas a conclusão inferida é a de que algo
                              ocorrerá no futuro.



Domingo, 7 de Outubro de 12
Argumentos Informais
                        Indução: Generalizações e Previsões
                              Exemplos:
                                 Cada um dos cisnes observados até agora é branco. Logo,
                                 todos os cisnes são brancos. - generalização indutiva
                                 Cada um dos cisnes até agora é branco. Logo, o próximo
                                 cisne que observarmos será branco. - previsão indutiva.




Domingo, 7 de Outubro de 12
Anúncio

Recomendados

Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoCarla Ribeiro
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoJorge Barbosa
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesJorge Barbosa
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química Rui Barqueiro
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisIsabel Moura
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeAntónio Fernandes
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosacnlx
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoFilipaFonseca
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Mariana Monteiro
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informaisIsabel Moura
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaClaudia Martinho
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasmluisavalente
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 

Mais procurados (20)

Medição em Química
Medição em Química Medição em Química
Medição em Química
 
Lista_falácias_informais
Lista_falácias_informaisLista_falácias_informais
Lista_falácias_informais
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
 
Argumentos de autoridade
Argumentos de autoridadeArgumentos de autoridade
Argumentos de autoridade
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
Cristalizacoes
CristalizacoesCristalizacoes
Cristalizacoes
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
A falácia do falso dilema
A falácia do falso dilemaA falácia do falso dilema
A falácia do falso dilema
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
falácias informais
falácias informaisfalácias informais
falácias informais
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Crítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológicoCrítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológico
 

Destaque

ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAnorberto faria
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAnorberto faria
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoPaulo Gomes
 
Marketing de Guerrilha
Marketing de GuerrilhaMarketing de Guerrilha
Marketing de Guerrilhaposgraduanda
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia mluisavalente
 
Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasIsaque Tomé
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Jorge Barbosa
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioLuis De Sousa Rodrigues
 
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaPersuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaDuarte Súcia
 
Exemplos De Manipulação
Exemplos De ManipulaçãoExemplos De Manipulação
Exemplos De ManipulaçãoSandra Oliveira
 
O Poder da Persuasão
O Poder da PersuasãoO Poder da Persuasão
O Poder da PersuasãoAres_Bruno
 

Destaque (20)

ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIAARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
ARGUMENTAÇÃO E FILOSOFIA
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Demonstração e argumentação
Demonstração e argumentaçãoDemonstração e argumentação
Demonstração e argumentação
 
O debate em filosofia
O debate em filosofiaO debate em filosofia
O debate em filosofia
 
Filosofia e debate
Filosofia e debateFilosofia e debate
Filosofia e debate
 
Marketing de Guerrilha
Marketing de GuerrilhaMarketing de Guerrilha
Marketing de Guerrilha
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e Falácias
 
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
Argumentação, retórica e filosofia (de acordo com manual "Pensar Azul")
 
A falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palhaA falácia do boneco de palha
A falácia do boneco de palha
 
A falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípioA falácia da petição de princípio
A falácia da petição de princípio
 
Discurso persuasivo
Discurso persuasivoDiscurso persuasivo
Discurso persuasivo
 
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A PropagandaPersuasão e Manipulação - A Propaganda
Persuasão e Manipulação - A Propaganda
 
Exemplos De Manipulação
Exemplos De ManipulaçãoExemplos De Manipulação
Exemplos De Manipulação
 
Discurso Persuasivo
Discurso PersuasivoDiscurso Persuasivo
Discurso Persuasivo
 
O Poder da Persuasão
O Poder da PersuasãoO Poder da Persuasão
O Poder da Persuasão
 
Manipulação da Mídia
Manipulação da MídiaManipulação da Mídia
Manipulação da Mídia
 

Semelhante a Argumentação, Retórica e Filosofia - 1

Semelhante a Argumentação, Retórica e Filosofia - 1 (20)

Ficha arg. 9
Ficha arg. 9Ficha arg. 9
Ficha arg. 9
 
Ficha arg. 9
Ficha arg. 9Ficha arg. 9
Ficha arg. 9
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
 
Log1 introducao
Log1 introducaoLog1 introducao
Log1 introducao
 
Tiposdeargumentos
TiposdeargumentosTiposdeargumentos
Tiposdeargumentos
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
Argumentos informais
Argumentos informaisArgumentos informais
Argumentos informais
 
Tipos de Argumentos
Tipos de ArgumentosTipos de Argumentos
Tipos de Argumentos
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
 
2014 a prova_1_fase
2014 a prova_1_fase2014 a prova_1_fase
2014 a prova_1_fase
 

Mais de Jorge Barbosa

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaJorge Barbosa
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoJorge Barbosa
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Jorge Barbosa
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaJorge Barbosa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Jorge Barbosa
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialJorge Barbosa
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaJorge Barbosa
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosJorge Barbosa
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...Jorge Barbosa
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Jorge Barbosa
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estadoJorge Barbosa
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantianaJorge Barbosa
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesJorge Barbosa
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteJorge Barbosa
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECJorge Barbosa
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a EspinosaJorge Barbosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteJorge Barbosa
 

Mais de Jorge Barbosa (20)

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
 

Último

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 

Argumentação, Retórica e Filosofia - 1

  • 1. Argumentação, Retórica e Filosofia Filosofia 11º Ano Jorge Barbosa, 2012 Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 2. Sumário Argumentação e Retórica O domínio do discurso argumentativo - a procura de adesão do auditório. O discurso argumentativo - principais tipos de argumentos e falácias informais Argumentação e Filosofia Filosofia, retórica e democracia Persuasão e manipulação ou os dois usos da retórica Argumentação, verdade e ser Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 4. Argumentos Informais A validade de um A validade de um argumento formal argumento informal depende unicamente depende também de da sua forma lógica. outros critérios. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 5. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões Uma generalização indutiva é um argumento com uma conclusão geral extraída de casos particulares Uma previsão indutiva também parte de casos particulares, mas a conclusão inferida é a de que algo ocorrerá no futuro. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 6. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões Exemplos: Cada um dos cisnes observados até agora é branco. Logo, todos os cisnes são brancos. - generalização indutiva Cada um dos cisnes até agora é branco. Logo, o próximo cisne que observarmos será branco. - previsão indutiva. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 7. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões A premissa partilhada por estes argumentos diz respeito àquilo que se observou em diversos casos particulares, que constituem: uma AMOSTRA Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 8. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões Em ambos os casos, a conclusão ultrapassa a informação contida nas premissas: No 1º, a generalização, conclui-se que todos os cisnes, e não só os que já forma observados, são brancos; No 2º, a previsão, conclui-se que o próximo cisne que será observado, à semelhança dos que já foram observados, há de ser branco. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 9. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões Argumentos deste género não são dedutivamente válidos, mas podem ser indutivamente válidos. Sê-lo-ão se as suas premissas, caso sejam verdadeiras, constituírem uma razão para acreditarmos que é muito provável que a conclusão seja verdadeira. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 10. Argumentos Informais Indução: Generalizações e Previsões Dois Critérios para validar generalizações e previsões: Quanto maior é a amostra referida na premissa ou premissas, mais estas confirmam a conclusão; Quanto mais diversificada é a amostra referida na premissa ou nas premissas, mais estas confirmam a conclusão. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 11. Argumentos Por Analogia Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 12. Argumentos por Analogia Definição: Um argumento por analogia é uma inferência baseada numa comparação. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 13. Argumentos por Analogia Dois Exemplos: 1. O Universo é como uma máquina. As máquinas são criadas por seres inteligentes. Logo, o Universo foi criado por um ser inteligente. 2. O sistema imunitário dos chimpanzés é muito semelhante ao dos seres humanos. A vacina X resultou nos chimpanzés. Logo, a vacina X há de resultar nos seres humanos. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 14. Argumentos por Analogia Estrutura dos Argumentos por Analogia: Dado que duas coisas se assemelham significativamente (isto é, são análogas), e dado que uma delas tem uma certa característica ou propriedade, conclui-se que também a outra tem essa mesma característica ou propriedade. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 15. Argumentos por Analogia Critérios de Validade dos argumentos por Analogia: 1. Uma analogia não é válida se os objetos comparados não forem semelhantes nos aspetos relevantes. (com base neste critério, podemos questionar a validade do argumento 1, apresentado antes, em que se compara o Universo a uma máquina. Com efeito, as máquinas desempenham uma função, mas não é certo que o Universo tenha uma função.) Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 16. Argumentos por Analogia Critérios de Validade dos argumentos por Analogia: 1. Quanto maiores forem as semelhanças relevantes entre os objetos comparados nas premissas, mais estas confirmam a conclusão. A relevância das semelhanças depende daquilo que está em questão. Se a questão é a eficácia de uma vacina, então aquilo que é relevante comparar é o sistema imunitários dos dois animais. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 17. Argumentos de Autoridade Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 18. Argumentos de Autoridade Vejamos dois exemplos de argumentos de autoridade: 1. Platão e Descartes acreditavam na imortalidade da alma. Logo, a alma humana é imortal. 2. As maiores organizações de defesa dos direitos dos animais afirmam que uma dieta vegetariana é a mais saudável. Logo, uma dieta vegetariana é a mais saudável. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 19. Argumentos de Autoridade Características dos Argumentos de Autoridade: Num argumento de autoridade conclui- se que uma determinada proposição é verdadeira porque uma certa autoridade (um ou vários indivíduos, uma ou várias organizações) defende que essa proposição é verdadeira. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 20. Argumentos de Autoridade Critérios de validade num argumento de autoridade: 1. A autoridade invocada tem de ser competente no que respeita ao assunto em causa e não podem existir autoridades igualmente competentes que a contradigam. Por este critério, o argumento 1 é insatisfatório. É verdade que Platão e Descartes são autoridades competentes que refletiram sobre a imortalidade da alma. Porém, muito outros filósofos, igualmente competentes, contestaram a imortalidade da alma. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 21. Argumentos de Autoridade Critérios de validade num argumento de autoridade: 2. A autoridade invocada tem de ser imparcial sobre o assunto em causa. Por este critério, o argumento 2 é insatisfatório. Como as organizações de defesa dos animais estão interessadas em protegê-los da exploração humana, não são uma autoridade fiável no que toca a saber se é saudável comê- los. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 22. Falácias Informais As falácias formais são argumentos que podem parecer dedutivamente válidos, mas que, na verdade, têm uma forma dedutivamente inválida Todas as restantes falácias são designadas por “informais”. Vamos distinguir sete dessas falácias informais: Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 23. Falácias Informais 1. Ad Hominem Encontramos esta falácia no seguinte argumento: 1. Defendes que as touradas devem acabar porque não passas de um intelectual suburbano desligado da vida rural. Logo, as touradas não devem acabar. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 24. Falácias Informais 1. Ad Hominem As falácias Ad Hominem consistem em ataques pessoais. Para mostrar que uma certa proposição é falsa, atava- se quem defende que ela é verdadeira. Em vez de se apresentarem verdadeiras razões para aceitar a conclusão, tenta-se desacreditar a pessoa que rejeita essa conclusão. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 25. Falácias Informais 2. Apelo à Ignorância Comete-se esta falácia no seguinte argumento: Ninguém consegue provar que existe vida noutros planetas. Logo, não existe vida noutros planetas Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 26. Falácias Informais 2. Apelo à Ignorância Numa falácia de Apelo à Ignorância afirma-se nas premissas que não se sabe que uma certa proposição é verdadeira, concluindo-se daí que ela é falsa. Ou então, declara-se que não se sabe que uma certa proposição é falsa, concluindo-se daí que é verdadeira. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 27. Falácias Informais 3. Falso Dilema Encontramos esta falácia no seguinte argumento: Ou acreditas em Deus ou és ateu. Não acreditas em Deus. Logo, és ateu. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 28. Falácias Informais 3. Falso Dilema Comete-se a falácia do Falso Dilema caso se apresentem duas hipóteses alternativas como se estas esgotassem todas as possibilidades, quando, na verdade, existem mais do que duas hipóteses. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 29. Falácias Informais 4. Petição de Princípio Comete-se esta falácia no seguinte argumento: A Bíblia é a palavra de Deus. Se a Bíblia é a palavra de Deus, então é verdadeira. Na Bíblia está escrito que Deus existe. Logo, Deus existe. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 30. Falácias Informais 4. Petição de Princípio Este argumento visa provar a existência de Deus, a partir de três premissas. Porém, na primeira premissa já está implícita a afirmação de que Deus existe - se a Bíblia for realmente a palavra de Deus, então Deus existe. Portanto, neste argumento pressupõe-se numa das premissas a conclusão que se pretende estabelecer. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 31. Falácias Informais 5. Derrapagem Comete-se esta falácia, também conhecida por “bola de neve”, no seguinte argumento: Se permitirmos o casamento homossexual, uma dia as crianças poderão ser adotadas por casais homossexuais. Se as crianças puderem ser adotadas por casais homossexuais, a família tradicional desaparecerá. Se a família tradicional desaparecer, assistiremos ao fim da sociedade civilizada. Ora, devemos impedir o fim da sociedade civilizada. Logo, não devemos permitir o casamento homossexual. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 32. Falácias Informais 5. Derrapagem Este argumento diz-nos, em suma, que devemos proibir o casamento homossexual porque, se não o fizermos, inicia-se um processo de derrapagem - formar-se-á uma bola de neve, por assim dizer - que terminará em algo calamitoso: o fim da civilização. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 33. Falácias Informais 5. Derrapagem O argumento é falacioso porque as premissas afirmam relações causais extremamente duvidosas: 1. nada leva a crer que a possibilidade de os casais homossexuais adotarem crianças leve ao fim da família tradicional (era preciso, no mínimo, que todas as crianças fossem adotadas por casais homossexuais...) Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 34. Falácias Informais 5. Derrapagem O argumento é falacioso porque as premissas afirmam relações causais extremamente duvidosas: 2. nada nos permite inferir do fim do modelo de família tradicional (a verificar-se) o fim da sociedade civilizada (seria necessário que a civilização fosse algo estático, portanto, não civilizado) Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 35. Falácias Informais 6. Boneco de Palha Comete-se esta falácia no seguinte argumento: Os ateus defendem que o Universo surgiu do nada. Mas é inconcebível que o Universo tenha surgido do nada. Logo, os ateus estão enganados - Deus existe. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 36. Falácias Informais 6. Boneco de Palha Este argumento pretende refutar o ateísmo. No entanto, a primeira premissa distorce a perspetiva do ateu: ele defende que Deus não existe; não tem de pensar que o Universo surgiu do nada. Esta falácia consiste em distorcer a posição do oponente para ser mais fácil atacá-la. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 37. Exercícios Selecione a alternativa correta: 1. “Todos os cães gostam de guloseimas, pois todos os cães que eu conheço são assim”. Este argumento é... A. Uma generalização indutiva. B. Uma previsão indutiva. C. Um argumento por analogia. D. Um argumento de autoridade. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 38. Exercícios Selecione a alternativa correta: 1. “Todos os cães gostam de guloseimas, pois todos os cães que eu conheço são assim”. Este argumento é... A.Uma generalização indutiva. ✔ B. Uma previsão indutiva.✗ C. Um argumento por analogia.✗ D. Um argumento de autoridade.✗ Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 39. Exercícios Selecione a alternativa correta: 1. Numa petição de princípio comete-se o erro de... A. Pressupor aquilo que está em questão. B. Apresentar duas alternativas como se estas fossem as únicas. C. Atacar aquele que defende uma certa perspetiva. D. Concluir que algo é falso porque não se provou que fosse verdadeiro. Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 40. Exercícios Selecione a alternativa correta: 1. Numa petição de princípio comete-se o erro de... A.Pressupor aquilo que está em questão.✔ B. Apresentar duas alternativas como se estas fossem as únicas.✗ C. Atacar aquele que defende uma certa perspetiva.✗ D. Concluir que algo é falso porque não se provou que fosse verdadeiro.✗ Domingo, 7 de Outubro de 12
  • 41. Os exercícios continuam no “Moodle” Jorge Barbosa, 2012 Domingo, 7 de Outubro de 12