Guerras e rebeliões indígenas do século xviii

9.198 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.198
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.213
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerras e rebeliões indígenas do século xviii

  1. 1. É possível afirmar que no período colonial da Amazônia,em nenhum momento a região esteve vivendo emplena situação de paz. A história da colonizaçãoeuropéia na Amazônia confunde-se com a história dase guerras e seus desdobramentos: rebeliões, fugas edeserções indígenas.Essas guerras evidenciaram a qualidade da resistênciaindígenas aos mecanismos da conquista, da ocupação eda dominação colonial no território amazônico.
  2. 2. Os índios Muras apareceram aos colonizadoresportugueses na Amazônia no início do século XVIII. Asua expansão territorial iniciou-se entre 1723 e 1725,não foi causada pela ação dos homens brancos, maspor próprias características das populações indígenas.Movimentaram-se do Madeira para o Amazonas,Solimões e rio Negro, chocaram – se com oscolonizadores.Índio Mura
  3. 3. Ao longo do tempo foram sendo massacrados pelastropas portuguesas , e também foram sendocontaminados pelas epidemias.Mais tarde as autoridades portuguesas chegaram a pedirao governo que declarasse guerra aos Muras, pois elesseriam responsáveis pelo não desenvolvimento daCapitania do Rio Negro.
  4. 4. No rio Madeira, o missionáriojesuíta João de Sampaio fundouo aldeamento indígena de SantoAntônio de Araretama. Essamissão foi obrigada a mudaralgumas vezes de lugar, essasmudanças de localização nãoaconteceram por simplesmotivos climáticos ou em buscade prover a missão indígena, masa principal razão se deve aosataques dos índios Muras.O projeto colonial português paraa Amazônia a essa altura, aindaera o de Pombal, elaborado em1750.
  5. 5. A pacificação dos Muras surpreenderam as autoridadesportuguesas, quando pediram a “paz e amizade” aosdirigentes dos núcleos coloniais da Capitania do RioNegro. Este fato atribui-se as seguintes razões: Os ataques anuais das Tropas Auxiliares; O enfraquecimento da tribo causado pelas epidemias; Necessidade de consumo de medicamentos eferramentas dos brancos; E , a guerra que os Mundurucus faziam contra eles.
  6. 6. A cidade de Belém, na segundametade do século XVIII,sofria pela falta de mão-de-obra indígena.A resposta prática para oproblema seria expediçõespara o lado oeste da Amazônia.Assim as expedições logoenfrentaram, no rio Negro, aresistência dos Manaus.
  7. 7. Devido a resistência dos Manaus, a autoridade paraenseinstaurou um processo de devassa a fim de apurar osfatos e punir os culpados.O resultado da devassa não foi diferente: os Manausforam considerados culpados e acusados deinfidelidade para com a Coroa.As autoridades declaram guerra justa aos Manaus,mesmo sem o consentimento da metrópole, resumidaem confrontos sangrentos, na morte e noaprisionamento de muitos índios, entre eles Ajuricaba.
  8. 8. “Altos, com peito largo, fortíssima musculatura,frequentemente de cor muito clara, de feições largas, e,embora afáveis, rudes, cabelos pretos luzidios,cortados na testa e todo o corpo tatuado com linhasfinas.”
  9. 9. A fonte da fama e o foco dos interessesdos Mundurucus era a própria guerra.Eles faziam frequentemente guerras aoutros índios, com o fim de aprisionaras mulheres moças e crianças, e não dematá-las. Matam apenas os homens,cujas cabeças conservam como troféus.
  10. 10. A presença dos Mundurucus, só começaram a aparecer apartir de meados do século XVIII.Após os primeiros contatos, os Mundurucus passaram a fazerparte dos relatos que se referiam à região dos rios Madeira eTapajós.Desde o início dos relatos, teve-se notícias das atividadesguerreiras dos Mundurucus. Essa nação inquietoucolonizadores e vizinhos indígenas, durante seusmovimentos expansionistas.Partindo do alto rio Tapajós, dominaram uma vasta região doEstado do Grão Pará e Rio Negro, entrando em choque coma população de brancos e índios.
  11. 11. Depois de cerca de 25 anos de confronto com osportugueses, ocorreu a pacificação dos Mundurucus.Assim, na Capitania do Rio Negro, foi posto em prática oprojeto de Lobo D’Almada.Através deste projeto, a paz entre os índios Mundurucuse os colonizadores portugueses.Depois de pacificados, os Mundurucus tornaram-sealiados dos portugueses, que os usaram no descimentode grupos tribais que resistiam ao domínio colonial.
  12. 12. Rebeliões do Rio BrancoAs rebeliões dos índios do Rio Branco, tiveram suasorigens no próprio cotidiano dos aldeamentos: haviaos maus tratos, a exploração do trabalho; a mistura deetnias; a violação de seus códigos culturais, que iamtornando formas deverdadeiros etnocídios.

×