Conquista lusitana na amazônia e a resistência indígena

8.803 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.803
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.968
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conquista lusitana na amazônia e a resistência indígena

  1. 1. Conquista Lusitana naAmazônia e a ResistênciaIndígena
  2. 2. Invasores versus InvasoresApós expulsar os franceses do Maranhão, em1615, Por t ugalcr i a um apar el ho admi ni st r at i vo par a t er r as queest avamsendo conqui st adas ao nor t e do Br asi l .Em 1616, com a constituição do Forte Presépio, começa oesforço lusitano para a conquista da região amazônica nosdomínios ibéricos.A viagem de Pedro Teixeira a São Luís (mandada porCastelo Branco) marca o início dos conflitos entre índios eportugueses na Amazônia. A viagem por terra visava assegurara ligação terrestre entre a Capitania do Pará e a do Maranhão.
  3. 3. Expansão da ConquistaO esgotamento gradativo de índios da costa do Maranhão,boca do Amazonas, ilha do Marajó e região do baixoAmazonas, motivou a irradiação lusitana rumo ao oeste daAmazônia.As expedições de guerra e as caçadas humanas fizeram comque os portugueses empurrassem o marco de Tordesilhas atéas f r ont ei r as at uai s.A obra de irradiação sertanista desencadeou entre os indígenasum verdadeiro estado de guerra contra o domínio de suasterras e a escravização de sua força de t r abal ho.
  4. 4. Os TupinambásEm 1612, a ilha de São Luís e as terras circunvizinhas foramocupadas pelos franceses, com o objetivo de fundar ali aFrança Equi noci al .Os Tupinambás aj udar am os f r anceses a const r ui r of or t e de St . Loui s e t or nar am-se seus al i ados.Com a derrota dos franceses para os portugueses, osTupinambás f or am vi ol ent ament e r epr i mi dos pel as ar masdos l usos.
  5. 5. Antropofagia: canibalismo
  6. 6. Al guns grupos de Tupinambás fizeram aliança com osportugueses. Porém, o negócio dos lusos era o deescravizá-los. Esses índios não se submeteram à novacondição, o que r esul t ou no pr i mei r o conf l i t o, em1617.A rebelião foi liderada por um índio chamado Amaro, queviu, através das cartas mandadas por Castelo Branco, que ointeresse dos portugueses era de escravizá-l os.Autorizado pelo Governo-geral do Brasil, o capitão BentoMaciel Parente fez guerra aos Tupinambás e os exterminou.Estima-se que ao todo teriam sido massacrado e levado aocativeiro mais de 500 mil índios.
  7. 7. Os NheengaíbasGrupos indígenas que foram chamados assim pelosTupinambás.Nheengaíbas quer dizer: povo que fala mal ou povode língua t r avada.Resistiram belicosamente a presença lusitana naregião.
  8. 8. Os TapajósA atitude dos tapajós com os lusitanos era de pura amizade,porém os lusitanos, movidos pela cobiça, passaram a tratá-l os como r ebel des.Foi reunida uma tropa de guerra que invadiu a aldeia dosTapajós. Diante da alternativa de extermínio e submissão,os Tapajós optaram pela última.Os Tapajós, querendo evitar a sua própria escravidão,t or nar am-se escr avi zador es.
  9. 9. Penetração Sertanista do Rio NegroFoi autorizada uma expedição par a o Ri o Negr o com oobj et i vo de descobr i r o r i o do Our o ou l ago Dour ado.O verdadeiro objetivo da expedição era a caça ao índio, poiso governador acreditava mais na riqueza do descimento deíndios que na do l ago Dour ado.Foi fundada e missão dos Tarumãs, que servia de base e deapoio logístico para as realizações dos negócios dos r esgat ese dos desci ment os.
  10. 10. Massacre no Rio UrubuOs índios desse rio reagiram belicosamente aoscaçadores de índios, mataram o comandante daexpedição e quase t odos os sol dados.A represália lusitana foi cruenta: foi formado umexército, que invadiu o rio Urubu. A maioria dosíndios foi massacrada e os sobreviventes foramlevados como escravos para Belém.
  11. 11. Fortaleza da Barra do Rio NegroNeste contexto de caça ao índio se erigiu a Fortaleza de SãoJosé da Bar r a do Ri o Negr o, sendo f undada segundo aspesqui sas no ano de 1669.A fortaleza foi construída para ser um entreposto para servir decentro político e bélico na região muito embora indicou-se quenão cumpriu seu papel de forma eficiente uma que não se er aobr i gado a passar pel a f or t al eza par a cr uza o r i o.A f or t al eza com os anos f oi abandonada dei xando comol egado o povo que se al oj ou nas suas pr oxi mi dades, sendopovoada posteriormente nas suas redondezas por índiosBaníunas, Barés e Passés, dando or i gempar a o que que cer cade 200 anos se t or nar i a a ci dade de Manaós.
  12. 12. ConclusãoA conquista da Amazônia pel os por t uguesesr epr esent ou mai s do que um simples fato histórico,r epr esent ou t oda uma mudança econômica e culturalnos padrões de vi da dos habi t ant es l ocai s.Povos indígenas f or am compl et ament e di zi mados ouescr avi zados e muito da cultura, costumes e tradiçõesdest es f or am per di dos nas campanhas empr egadaspel os l usi t anos pel a conqui st a do sol o amazônico.
  13. 13. ReferênciasSANTOS, Francisco Jorge. História Geral da Amazônia. Rio deJaneiro: MemVavMem, 2007.

×