EVTdigital e CoP

707 visualizações

Publicada em

Apresentação da comunicação "O EVTDIGITAL COMO PONTE PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE PRÁTICA DE PROFESSORES" realizada no Challenges 2011, em Braga, a 13 de Maio de 2011.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

EVTdigital e CoP

  1. 1. O EVTDIGITAL COMO PONTE PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE PRÁTICA DE PROFESSORES José Alberto Rodrigues & António Moreira jarodrigues@ua.pt & moreira@ua.ptProjecto financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SFRH/BD/66530/2009),co-financiado pelo Fundo Social Europeu (FSE)
  2. 2. Decorrente da investigação que actualmente desenvolvemossobre a integração de ferramentas digitais na disciplinade Educação Visual e Tecnológica, surge o espaço chamadoEVTdigital, constituindo-se como um espaço online paradivulgação de ferramentas digitais baseadas na Web, Web 2.0e Software livre a explorar e integrar em contexto destadisciplina. http://evtdigital.wordpress.com
  3. 3. Consolidado após quinze meses de dedicação, as váriasequipas de colaboradores, que ascenderam a mais decinquenta docentes desta disciplina, o trabalhodesenvolvido constituiu-se como uma referência deprática em comunidade para os docentes quepretendem integrar ferramentas digitais nas suasactividades lectivas.
  4. 4. No presente momento, com quase trezentos manuaispublicados o EVTdigital é uma referência para osdocentes desta área curricular.Perspetivamos como estratégia futura a criação de umaComunidade de Prática online para oDesenvolvimento Profissional dos Professores esuas implicações na gestão curricular, nomeadamente naintegração das ferramentas digitais na disciplina de EVT,uma mais-valia na partilha e reflexão participada emcomunidade no âmbito da gestão curricular e dapromoção de práticas adequadas à integração das TIC noensino.
  5. 5. Depois de várias acções de formação com mais de cinquentadocentes colaboradores nesta investigação –, os resultados queobtivemos permitem-nos perspectivar novos rumos para o projeto,no qual o EVTdigital e o recente EVTux podem ser o“mote”.
  6. 6. O desenvolvimento profissional em geral e o de professores emparticular também passa por contextos abertos deaprendizagem e por estratégias formadoras e formativasinovadoras que proporcionem o desenvolvimento de competências,é nesta intersecção que se alicerça e fundamenta a importância dacriação de Comunidades de Prática de Professores (CoP) parao seu desenvolvimento profissional contínuo, bem como asimplicações as mesmas poderão ter na sua prática docente futura ena gestão curricular, nomeadamente na integração das ferramentasdigitais em EVT.
  7. 7. Ao longo do tempo fomos obtendo respostas e, principalmente,com as várias acções de formação realizadas percebemos que seestava a criar uma CoP de Professores que tinha como pontode partida a integração das ferramentas digitais no currículo dasua disciplina. Esse factor, aliado ao EVTdigital, suscitou-nos oquestionamento da importância futura da criação de uma CoPde Professores assumida para o DesenvolvimentoProfissional dos Professores (DPP) e DesenvolvimentoProfissional Contínuo (DPC) com enfoque na integraçãocurricular das TIC.
  8. 8. Wenger (1998) caracteriza as Comunidades de Prática porserem constituídas por indivíduos que, para além de seassociarem de forma espontânea, têm como objectivopartilhar interesses comuns e de se empenharcolaborativamente em práticas que potencializem ebeneficiem não só a aprendizagem, mas também odesempenho profissional. Pretende-se clarificar se osprofessores, assim associados, beneficiam no seu desenvolvimentoprofissional… Foi o que constatámos.
  9. 9. Decorrente do trabalho desenvolvido com os docentescolaboradores, sentiu-se gradualmente a necessidade de criarespaços para análise, reflexão e debate destasproblemáticas, quer presenciais e formais, em contextode formação, quer mais informais, suportados emambientes online. As redes sociais, as ferramentas da web2.0, o blogue do EVTdigital e outras ferramentas digitaisforam o mote para que os diversos intervenientespudessem estar em permanente ligação entre si.
  10. 10. Perspetivamos assim, numa futura disseminação do estudo, acriação de uma efectiva CoP de Professores de EVT quepartilhem a necessidade de um DPC para utilização dasTIC na disciplina de EVT, na integração das ferramentasdigitais no currículo da disciplina (e sua gestão), continuando oEVTdigital e impulsionando o EVTux.
  11. 11. Os seguintes objetivos desta CoP, também já outorgados por Laie outros (2006) são:• Corresponder às necessidades docentes individuais;• Reconhecer o conhecimento existente;• Situar na prática;• Corresponder a questões teóricas e pedagógicas;• Constituir um processo amplo de desenvolvimento profissional,envolvendo a resolução de problemas de forma colaborativa.
  12. 12. O desenvolvimento profissional dos professores deveincluir, também, momentos formativos, caracterizados poruma cultura de colaboração, com vista à construçãoconjunta de conhecimento, para que seja possíveldesenvolver um “sentido comum de missão” entre os docentes euma “dimensão colectiva” do agir enquanto profissionais(Fullan & Hargreaves, 2001; Nóvoa, 1992).
  13. 13. Durante o desenvolvimento do estudo realizámos várias sessõesde formação com todos os docentes colaboradores e, foi sempretónica dominante a necessidade de desenvolvimento contínuodos professores, numa atitude crítica de construção deconhecimento e, sobretudo, nesta perspectiva, na utilização eintegração das ferramentas digitais em contexto de EVT.
  14. 14. Do que desenvolvemos e da abertura que se criou, tanto noâmbito do estudo como decorrente da formação, do próprioEVTdigital poderemos criar um espaço para que se constituauma Comunidade de Prática online para a integração dasferramentas digitais no currículo da disciplina de EVT, também jáincluindo o novo EVTux.Da reflexão produzida, constatámos que o conceito decomunidade de prática se tornou num tema importante para oDesenvolvimento Profissional dos Professores dentro destegrupo de trabalho.
  15. 15. Acreditamos que, pela prática adquirida, esta comunidade deprática poderá ser um poderoso catalisador para habilitar osprofessores a melhorar a sua prática (Fusco, Gehlbach, &Schlager, 2000) e inovar no Desenvolvimento Profissionaldos Professores, alcançando sustentabilidade e escalabilidade(Schlager & Schank, 1997; Fusco, Gehlbach, & Schlager, 2000).
  16. 16. A implementação desta CoP em contexto educativo (no casopara professores de EVT) pode trazer à disciplina uma mudançaprofunda, essencialmente a nível da formação dos professores erelativamente à promoção e suporte ao DPP através dainteracção entre pares e na sua utilização com os alunos, peloseu envolvimento em práticas que tenham como elementosconstitutivos domínios de trabalho significativos (Matos, 2005)como no caso concreto de utilização das TIC.
  17. 17. Esta apresentação está disponível em:http://www.authorstream.com/tag/jarodrigueshttp://www.slideshare.net/jarodrigues/Contacto do EVTdigitalO EVTdigital na Internet e Redes Sociais
  18. 18. OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO José Alberto Rodrigues & António Moreira jarodrigues@ua.pt & moreira@ua.ptProjecto financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SFRH/BD/66530/2009),co-financiado pelo Fundo Social Europeu (FSE)
  19. 19. EXTRASDe seguida apresentam-se alguns diapositivos extra que nãoforam objeto de apresentação na comunicação oral daConferência.
  20. 20. Tendo em contas este contexto particular, e no âmbito do trabalhodesenvolvido, o grupo de docentes colaboradores que se criou em tornodeste projecto, desde cedo começou por necessitar de contactar, pordiversas formas, com os seus pares. Num espírito de partilha e reflexão,cedo se demonstrou a necessidade de criação de uma CoP em torno dautilização das ferramentas digitais em EVT. Algo que aconteceuinformalmente se considerarmos que Lave e Wenger (1991) e Ng,Connie e outros (2003) apontam que o conceito de comunidade deprática não se refere apenas a uma comunidade entendida no sentidousual em que um grupo de pessoas vivem fisicamente próximas, mas simcomunidade num sentido em que grupos de pessoas partilham ummodo de vida comum. Ou seja, comunidade segundo Ng, Connie eoutros (2003) significa, também, ser um grupo de pessoas socialmenteindependentes que discutem problemas comuns, tomam decisões epartilham práticas.
  21. 21. Evoluindo esta comunidade para interacções cada vez mais fortes esolidárias nos seus interesses, não só entre os seus membros, mas tambémcom o mundo, vão-se desenvolvendo aprendizagens colectivas e individuais,resultantes destas relações comunitárias, fazendo sentido, segundo Wenger(1998), designá-las de Comunidades de Prática, o que se sentiu nitidamenteneste grupo de colaboradores e que, num patamar superior, pretendemosvir a desenvolver ainda mais. Tal tem vindo a acontecer de forma bastanteinformal. Segundo Wenger (2002), uma comunidade deve ser entendidacomo Comunidade de Prática se efectivamente assumir umaintencionalidade. No caso, seria a integração das ferramentas digitais nadisciplina de EVT o motivo pelo qual esta comunidade se uniria. Assim, doponto de vista de Wenger (1998), a característica mais importante das CoP éa capacidade e o poder que estas comunidades têm para aprender, paraconstruir e, também, reconstruir o conhecimento.
  22. 22. Neste caso particular, devemos ainda assumir o conceito deDesenvolvimento Profissional dos Professores (DPP) e DesenvolvimentoProfissional Contínuo (DPC). O conceito de desenvolvimento profissionaltraduz a ideia de uma aprendizagem contínua, um processo evolutivo quecongrega todas as oportunidades para desenvolver novos conhecimentos,destrezas, perspectivas e disposições e para melhorar a eficácia docente,caso fidedigno e paradigmático ocorrido neste estudo e que se pretendecontinuar a um nível mais global.
  23. 23. Relativamente ao desenvolvimento profissional contínuo de professores,Gómez (1992) afirma que este é um domínio profundamenteinfluenciado e determinado pelos conceitos de escola, ensino e currículoprevalecentes em cada época. Neste seguimento, podemos afirmar quetemos consciência de que o conhecimento é sempre contínuo, o que fazcom que o professor ou esteja atento e se actualize e acompanhe asnovas informações, ou estagne no seu desenvolvimento e formação.
  24. 24. Acreditamos que a implementação desta CoP em contexto educativo (nocaso para professores de EVT) pode trazer à disciplina uma mudançaprofunda, essencialmente a nível da formação dos professores erelativamente à promoção e suporte ao DPP através da interacção entrepares e na sua utilização com os alunos, pelo seu envolvimento empráticas que tenham como elementos constitutivos domínios de trabalhosignificativos (Matos, 2005) como no caso concreto de utilização das TIC.A implementação desta CoP poderá resultar na alteração das práticas naeducação em três dimensões: a nível interno (a forma como se devemorganizar as experiências de aprendizagem com suporte das TIC); a nívelexterno (no relacionar das práticas de aprendizagem inovadoras com aparticipação periférica dos alunos em várias comunidades exteriores àescola); e a nível dos apoios aos alunos na aprendizagem ao longo davida.
  25. 25. Estamos cientes de que, tal como defendido por Wenger (1998), aassociação de pessoas de uma forma mais ou menos informal, partilhandoobjectivos e interesses que são tratados através de uma interacção regular, eneste caso específico de professores que pretendem desenvolver o seucrescimento profissional e o seu conhecimento, em prol da gestão curriculare da integração das TIC em contexto específico da sua disciplina, essainteracção dentro das CoP resulte na efectiva “construção do seuconhecimento”, entendida como “uma aventura colectiva”, não só seconstruindo o próprio conhecimento como ajudando ainda a construir oconhecimento colectivo e partilhado com os restantes membros dacomunidade. Portanto, com esta proposta agora apresentada, osprofessores devem procurar privilegiar a comunicação em rede,compartilhar informação, trocar ideias e dúvidas e encorajar os seus alunosa construírem o seu próprio conhecimento, no sentido da promoção dodesenvolvimento do “espírito colaborativo da Web 2.0”, objectivando-se,assim, conseguir-se práticas pedagógicas de sucesso e, consequentemente,caminhar rumo ao objectivo primordial da educação: o sucesso dos nossosalunos, no caso, integrando assumidamente as ferramentas digitais nocurrículo da disciplina de EVT.

×