Tragedy Teresópolis Rio de Janeiro- Brasil

622 visualizações

Publicada em

Tragedy Teresópolis Rio de Janeiro- Brasil

Publicada em: Dispositivos e hardware
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
58
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tragedy Teresópolis Rio de Janeiro- Brasil

  1. 1. Tragédia em Teresópolis12-1-2011<br />Para dar uma noção da real tragédia acometida apenas no bairro da Posse em Teresópolis, peguei minha bicicleta em 14.1.2011 e fotografei o que encontrei pelo caminho até chegar a comunidade de Campo Grande – localizada após o Supermercado da Posse, 3 dias após a trágedia que destruiu parte da cidade. <br />Moradores dizem que uma imensa onda devastou o bairro e seus belos sítios. Praticamente todas as habitações situadas à direita da estrada da Posse (em direção ao final do bairro) foram ou inundadas ou destruídas (desabaram ou foram soterradas). <br />A quantidade de água que encontrei era enorme – rios caudalosos cortam vários trechos do final da Posse e de Campo Grande.<br />www.jarbascomputadores.blogspot.com<br />
  2. 2. Carros arrastados<br />
  3. 3. Nível da água<br />
  4. 4. Nível da água<br />
  5. 5. Carros amontoados pelo caminho<br />
  6. 6. Nível da água na estrada da Posse<br />
  7. 7.
  8. 8. Nível da água<br />
  9. 9. Casas soterradas (muitas)<br />
  10. 10. Nível da água<br />
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. A toca do coelho é um motel. Esta é a entrada soterrada. Lá dentro, tudo no mesmo nível da rua (era uns 3 metros abaixo com bangalos – todos soterrados)<br />
  14. 14.
  15. 15.
  16. 16. Entrada do Clube do Lago (soterrada em 1 metro e meio – observe o orelhão ao fundo)<br />
  17. 17. Aqui tinha uma ponte<br />
  18. 18. Pela Estrada da Posse é possível ir de carro até o Sup. da Posse (destruído)<br />Ao fundo, lá atrás, a barreira de arvores e pedras<br />
  19. 19.
  20. 20.
  21. 21.
  22. 22.
  23. 23. Aqui foi uma rua de paralelepipedo, larga. Há 1 metro de terra e depois pedras muitas pedras enormes!<br />
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27. Belo sitio, que como muitos outros, foi destruído<br />
  28. 28.
  29. 29.
  30. 30.
  31. 31.
  32. 32.
  33. 33.
  34. 34.
  35. 35.
  36. 36.
  37. 37.
  38. 38. Esta é a visão desoladora que se tem ao chegar na comunidade de Campo Grande, depois de se percorrer <br />o que sobrou da Estrada da Posse<br />
  39. 39. No meio destas pedras havia um bairro populoso... De onde elas vieram? Tantas...<br />
  40. 40.
  41. 41.
  42. 42. Um silêncio sepulcral e uma visão imponderável... Embaixo disso, tem casa e gente...<br />
  43. 43. As toras de árvore entraram com tanta velocidade que cortaram as colunas e impediram a laje de crescer<br />
  44. 44.
  45. 45. Havia um bairro aqui...<br />
  46. 46.
  47. 47.
  48. 48.
  49. 49.
  50. 50.
  51. 51.
  52. 52.
  53. 53.
  54. 54. Voltei completamente elameado e cansado!<br />

×