OFICINA LEITURA E ESCRITA

301 visualizações

Publicada em

TEATRO COMO INSTIGAÇÃO A L E ESCRITA EM SALA DE AULA LEITURA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

OFICINA LEITURA E ESCRITA

  1. 1. No dia 20 de março pela manhã, os meninos da Oficina da Leitura juntamente com a Professora Helena Cunha, responsável pelo grupo, vieram apresentar um teatro de papel tendo como base o conto " A Cegonha e a Tartaruga" da autoria da dupla Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Partindo de dois cenários e de figuras desenhadas em papel, os meninos da Oficina da Leitura da Ruy Belo contaram a história da Cegonha e da Tartaruga. Foi um momento muito bonito. Às vezes a simplicidade é a melhor receita. Parabéns meninos e parabéns Professora Helena Cunha. Janeiro 2012 Durante o mês de Janeiro, nas 4 sessões que tivemos, a Oficina da Leitura e da Escrita dedicou-se à oralidade e à comunicação/expressão corporal através de jogos pedagógicos. Jogos? Então estiveram a brincar? Pois bem, através de jogos pedagógicos, foram trabalhadas situações de comunicação oral protagonizadas pelos alunos com o intuito de aprenderem a comunicar eficazmente. Ou seja, usou-se a brincadeira não como mera diversão, mas sim como instrumento de aprendizagem lúdico para facilitar a aprendizagem, desenvolver-se a nível pessoal, colaborar para uma boa saúde mental que auxiliará a expressão e construção do conhecimento.
  2. 2. Aqui ficam os jogos que colocamos em prática e que são sugestões para eventualmente experimentares com os teus colegas ou professores. A IMPORTÂNCIA DO GEST0 Com o objetivo de realçar o papel da comunicação não-verbal e perceber a importância de códigos não verbais na comunicação, realizou-se a seguinte atividade: 1- Fazer grupos e eleger um representante de cada grupo; 2- A professora mostrou um provérbio escrito numa folha a um representante e tentará levar o seu grupo a adivinhar o provérbio através de códigos não-verbais (movimentos corporais, expressões faciais ou desenhos no quadro) Ganha o grupo que mais provérbios conseguir descobrir, é claro.
  3. 3. E no final, discutiu-se a importância dos provérbios e de todo o significado da comunicação não-verbal. Deixamos aqui também alguns provérbios que exploramos: - Grão a grão enche a galinha o papo. - Casa roubada, trancas à porta. - Quem vai ao mar perde o lugar. - Cada macaco no seu galho. - Nem tudo o que reluz é ouro. - Mais vale prevenir que remediar. QUEM CONTA UM CONTO… …acrescenta um ponto. Com o propósito de desenvolver a capacidade de captação e retenção da informação, bem como produzir mensagens verbais concisas e claras, desenvolvemos a seguinte atividade: 1- Dois alunos ficam na sala de aula e os restantes ausentam-se.
  4. 4. 2- O professor entrega uma parábola a um dos alunos que a lê em voz alta para o outro sem repetir palavras ou segmentos de palavras e sem responder a qualquer pergunta. O outro aluno deverá estar atento à história e fixá-la o melhor possível para, por sua vez, recontá-la a outro e assim sucessivamente. Ouvimos a seguinte parábola: “Parábola dos sete vimes” de Trindade Coelho. "Era uma vez um pai que tinha sete filhos. Quando estava para morrer, chamou-os todos sete e disse-lhes assim: - Filhos, já sei que não posso durar muito; mas, antes de morrer, quero que cada um de vós me vá buscar um vime seco e mo traga aqui. - Eu também?- perguntou o mais pequeno, que só tinha 4 anos. O mais velho tinha 25, e era um rapaz muito reforçado e o mais valente da freguesia. - Tu também - respondeu o pai ao mais pequeno. Saíram os sete filhos; e daí a pouco tornaram a voltar, trazendo cada um o seu vime seco. O pai pegou no vime que trouxe o filho mais velho, e entregou-o ao mais novinho, dizendo-lhe: - Parte esse vime. O pequeno partiu o vime, e não lhe custou nada a partir. Depois o pai entregou outro ao filho mais novo, e disse-lhe: - Agora, parte também esse. O pequeno partiu-o; e partiu, um a um, todos os outros, que o pai lhe foi entregando, e não lhe custou nada a parti-los todos. Partindo o último, o pai disse outra vez aos filhos: - Agora ide por outro vime e trazei-mo. Os filhos tornaram a sair, e dali a pouco estavam outra vez ao pé do pai, cada um com o seu vime. - Agora dai-mos cá - disse o pai. E dos vimes todos fez um feixe , atando-os com um vincelho . E voltando-se para o filho mais velho, disse-lhe assim: - Toma este feixe! Parte-o! O filho empregou quanta força tinha, mas não foi capaz de partir o feixe. -Não podes? - perguntou ele ao filho. - Não, meu pai, não posso. - E algum de vós é capaz de o partir? Experimentai. Não foi nenhum capaz de o partir, nem dois juntos, nem três, nem todos juntos. O pai disse-lhes então: - Meus filhos, o mais pequenino de vós partiu sem lhe custar nada todos os vimes, enquanto os partiu um a um; e o mais velho de vós não pôde parti-los todos juntos; nem vós, todos juntos, fostes capazes de partir o feixe. Pois bem, lembrai-vos disto e do que vos vou dizer: enquanto vós todos estiverdes unidos, como irmãos que sois, ninguém zombará de vós, nem vos fará mal, ou vencerá. Mas logo que vos separeis, ou reine entre vós a desunião, facilmente sereis vencidos. Acabou de dizer isto e morreu - e os filhos foram muito felizes, porque viveram sempre em boa irmandade ajudando-se sempre uns aos outros; e como não houve forças que os desunissem, também nunca houve forças que os vencessem."
  5. 5. Trindade Coelho No final, o resultado foi este: "Era uma vez um pai que tinha sete filhos. Um dia, chamou-os e disse-lhes assim: - Filhos, vou morrer, quero que cada um de vós me vá buscar uma vide e ma traga aqui. Foram todos buscar a sua vide e quando voltaram, o pai pegou na vide que um dos filhos trouxe e pediu-lhe - Parte essa vide. E o filho mais novo partiu a vide, e a todas que o pai lhe foi entregando, sem lhe custar nada. A seguir, o pai disse outra vez aos filhos: - Agora ide buscar uma viga e trazei-ma. Os filhos voltaram a sair, e passado pouco tempo estavam outra vez ao pé do pai, cada um com a sua viga. E das vigas todas fez um peixe, atando-as com uma vinheta. E voltando-se para os filhos pediu-lhes para parti-las. Mas nenhum dos filhos conseguiu partir as vigas. A antes de morrer, o pai aconselhou a ficarem sempre unidos porque a união faz a força. E viveram para sempre felizes porque, unidos, ninguém os derrubou. Alunos da Oficina da Leitura e Escrita No final, refletiu-se acerca da distorção da mensagem recebida. A MAGIA A magia encantou os alunos da Oficina da Leitura e Escrita que resolveram explorar essa área e numa sessão apresentar o que aprenderam, descobrindo a magia presente em cada momento, gesto e palavra com que nos deparamos num instante.
  6. 6. Deixamos também uma sugestão de leitura que muito nos encantou: Contos Populares Portugueses de Adolfo Coelho:
  7. 7. Estes contos retratam sem dúvida a tradição popular da nossa sociedade do século XIX e XX, refletindo pois a cultura dos nossos antepassados e do poder que era atribuído ao homem na sociedade e na cultura portuguesas, de que a literatura é veículo de expressão. Recordamos todos muitas histórias que os avós, pais... contavam e ainda contam e que nossos olhos se deslumbram com tal magia contida em cada conto! Dezembro de 2011 Com apenas duas sessões, os alunos que integram a Oficina da Leitura e da Escrita soltaram amarras e deram asas à sua imaginação deixando para esta época festiva mensagens de natal, dando um sentido especial à vida e às pessoas que nos rodeiam e porque a palavra também é importante neste tempo natalício. Vejam algumas imagens: OBJETIVO: contribuir para a formação de leitores e para o desenvolvimento de habilidades essenciais a leitura: Ler e apreciar, inferir, concordar, discordar e perceber as diferentes possibilidades de uma mesma leitura. TEXTO PARA LEITURA E MEDITAÇÃO: PROVÉRBIOS 15, 1-9 1 A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. 2 A língua dos sábios adorna a sabedoria, mas a boca dos tolos derrama a estultícia. 3 Os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons. 4 A língua benigna é árvore de vida, mas a perversidade nela deprime o espírito. 5 O tolo despreza a instrução de seu pai, mas o que observa a repreensão se haverá prudentemente. 6 Na casa do justo há um grande tesouro, mas nos ganhos do ímpio há perturbação. 7 Os lábios dos sábios derramam o conhecimento, mas o coração dos tolos não faz assim. 8 O sacrifício dos ímpios é abominável ao SENHOR, mas a oração dos retos é o seu contentamento. 9 O caminho do ímpio é abominável ao SENHOR, mas ao que segue a justiça ele ama.
  8. 8. JOGO DO DICIONÁRIO  Dividir a sala em duas equipes;  Chamar 2 alunos e apresentar uma palavra para que eles encontrem o seu significado;  O aluno que encontrar a palavra primeiro marca 1 ponto para a sua equipe;  Após encontrar a palavra o aluno deverá ler e explicar o seu significado para os demais;  A equipe que marcar mais pontos ganhará um pirulito cada. Palavras e seus significados:  Branda: suave, fraco, mole, meigo, carinhoso  Furor: fúria, raiva, irritação  Suscitar: fazer surgir, provocar, encorajar, surgir  Adornar: enfeitar, embelezar, tornar enfeitado, ornar  Estultice: ato de estulto, ignorância, asnice, burrice  Deprimir: provocar depressão, enfraquecer, entristecer  Instrução: conhecimento, educação, saber, aquisição de conhecimento, cultura, o conhecimento construído nas escolas e nas vivências diárias  Repreensão: admoestação, advertência, chamada, censura  Prudente: moderado, cauteloso, cuidadoso, seguro  Ímpio: desumano, cruel, impiedoso, desalmado  Abominável: detestável, odioso, horrendo, ruim, nojento, muito ruim, péssimo  Benigno: bondoso, benévolo LEITURA E INTERPRETAÇÃO  Formar 9 grupos;  Cada grupo ficará com um versículo para analisar, compreender sua mensagem e após, socializar com o grande grupo; (O professor pode determinar um tempo para esta atividade)  Na medida que os alunos explicam, o professor pode complementar ou acrescentar seu entendimento. BINGO Instruções: Selecione 10 palavras do texto acima e escreve na cartela. Preste atenção às palavras chamadas e marque as que você escreveu. BOA SORTE! CONCURSO CULTURAL CATEGORIAS: Redação ou poesia  Escolha um ou mais versículos e elabore um texto explicando a sua compreensão.  O texto deve ter um título, no mínimo 15 linhas escritas com letra legível na norma padrão da língua portuguesa, não pode conter gírias nem linguagem abreviada e símbolos usados na internet.  O autor da melhor redação e da melhor poesia ganhará um livro de brinde. ESCOLHA DO TEXTO Os alunos leem os textos produzidos e o professor juntamente com os alunos escolhem o melhor em cada Categoria. EM FOTOS TURNO: MATUTINO
  9. 9. A oficina de leitura e a hora do conto visam incentivar o gosto pela Literatura, o hábito da leitura e proporcionar oportunidade para difusão da interpretação e produção literária. As crianças tornam-se autônomas nas decisões em relação aos títulos a serem lidos. Aprimorando nas escolhas dos livros e adquirindo critérios próprios de seleção dos mesmos. Melhoram significativamente na leitura das tarefas em casa. Trabalhamos a postura, entonação de voz e falar em público. Estamos SEMPRE com novidades e muitas surpresas! Venham conhecer e fazer uma aula experimental!!! << Voltar Faça o download do anexo abaixo e confira as opções, horários e valores de 2015. Oficinas2015.pdf
  10. 10. Demais Oficinas Conheça outras atividades extracurriculares oferecidas aos alunos do Ensino Médio. São projetos sociais, culturais e de voluntariado, além de olimpíadas acadêmicas que permitem um maior crescimento intelectual, social e profissional do aluno. Ver oficinas Além de informática, música, idiomas, o Colégio PGD oferece uma série de atividades extracurriculares, com variadas opções para que os alunos possam complementar a sua formação, de acordo com seus interesses. São atividades esportivas, culturais e pedagógicas divididas em OFICINAS específicas. São oferecidas também atividades artísticas de Dança sob a Coordenação da Professora Viviane Terrenta e Patinação Artística – Juliana Reche Olivari Rocha. Tecnologia 3D com aulas em ambientes virtuais, artes, dança, teatro, música, idiomas, robótica, esportes e uma série de projetos que estimulam novas ideias, valorizam a criatividade, reforçam talentos e fortalecem a competência para atuar na sociedade moderna. Informações:  As vagas são limitadas.  A matrícula deve ser feita somente pelo Responsável em horário comercial.  Procurar a Tesouraria com a Ficha de Matrícula preenchida e efetuar o pagamento da oficina.  Não será permitida a participação do aluno em qualquer atividade, sem a matrícula efetivada.  Não há aula experimental para nenhuma das atividades.  As oficinas seguem o calendário escolar do Colégio PGD nos feriados e recessos.  Não há período de permanência no Colégio antes ou após as Oficinas. Faça o download do anexo abaixo e confira as opções, horários e valores de 2015. Oficinas2015.pdf Ou clique nos links abaixo e visualize sobre cada oficina.  Novas Oficinas  Futsal  Judô  Xadrez  Robótica  Oficina de Leitura e Escrita  Teatro  Dança  Patinação
  11. 11. OFICINA DELEITURA E ESCRITA O trabalho realizado:  Desperta o interesse pelaleiturae escrita;  favorece o aprimoramento e o domínioda linguagemescrita;  proporciona o contato com mais de 500 títulosde livros literáriose tambémcom escritores;  amplia o vocabulário e desenvolve aescritaortográfica;  desenvolve opensamentocriativoe argumentativo;  desenvolve habilidadesde leiturae escritados diversosgênerostextuais;  amplia o conhecimentoe a compreensãodas regras gramaticais de forma significativa;  promove o desenvolvimentodorendimentoescolardo aprendiz. Oficinaleiturae escrita 1. 1. ConstruçãoLúdica da Escrita Dinamizadoras:AnaPaulaConsentinoChavesFrancine NevesNardyGoulartHelenFernandaMachadoSantosLucianaBarbosa Borgesde Sá 2. 2. AlfabetizaçãoLínguatrabalhadanafunção social Texto:Unidade de sentidoda línguaEncaminhamentoConteúdo:AvaliaçãoMetodológicoA próprialíngua Diagnóstica:Práticas:•LeituraOralidade e •Cumulativa•ProduçãoEscrita •Permanente •Análise Lingüística•Contínua 3. 3. Emília FerreiroHipótesebaseadanaLei Biogenéticade Herckel:“A ontogênese repete afilogênese”A criançaconstrói a linguagemescritapassando,emseu desenvolvimento,pelasmesmasseqüênciasde etapaspelasquaisahumanidade passoupara chegar a um sistemade escritaalfabética. 4. 4. FaseFase Pictórica–garatujas,desenhosNível 1– Fase Pré-silábicaFase Pré- silábica–GráficaPrimitiva–símbolose pseudoletrasdiferenciaçãoentre letras enúmeros 5. 5. Nível 2 – IntermediárioIConflito:aindanãoentende aorganizaçãodoCostuma “negar” a escrita:o alunodizque “nãosabesistemadaescrita.Reconhece alguns trechosJáreconhece algumasletrase sonsescrever”.depalavras 6. 6. Nível 3 - SilábicoConta“pedaçossonoros”(sílabas):sonorizaçãooufonetizaçãoda escrita(inexistente nasfasesanteriores).Ex.:UA = uvaB E A = bonecaV K = vaca 7. 7. Nivel 4 – IntermediárioIIouSilábico-alfabéticoNovoconflito:descobertade que uma letrapara cada sílaba não funciona.Acrescentaletrasàescritadafase anterior. Ex.:TOAT = tomate CVAO= cavalo 8. 8. Compreende alogicidade dabase alfabéticadaNível 5- Alfabético Conhece ovalor sonoroconvencional de todasouda maiorparteescrita. Distingue letras,sílabas, palavrase frases.Escrevedasletras. foneticamente,masnãoortograficamente.EX.: BICICETA = bicicletaIPOPOTAMO= hipopótamo 9. 9. Nível 6 - OrtográficoObservaçãoe interaçãoentre a “convenção”do códigoescrito e a sua própriaescrita.Odesafio,agora,é caminharemdireçãoàconvencionalidade,
  12. 12. emdireçãoà correçãoortográficae gramatical.Obs.:Nemtodososautoresmencionam este nível emseustextos

×