SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
Baixar para ler offline
Laboratório de Criatividade
    Como fazer projetos criativos




                            Cristiane Dalla Santa
• Marque notas de 0 a 10 para cada atitude.
• Se a frase for absolutamente adequada a você, coloque 10;
• Caso seja absolutamente falsa, marque 0.
• As notas intermediárias – de 1 a 9 – devem ser usadas para as
  verdades parciais.
• Some as notas das questões ímpares.
• Some as notas das questões pares.
• Subtraia os totais: ímpares – pares.


                        +
• Se o número final deu , significa que as suas atitudes
  favorecem o treino, o uso da criatividade.

                        -
• Se o número final deu , quer dizer que você deve rever suas
  atitudes.
  Talvez você esteja perdendo, descartando algumas possibilidades
  de treinar seu comportamento.
• Questões ímpares       atitudes que facilitam o uso da criatividade;
• Questões pares       dificultam.


• O objetivo deste exercício é indicar atitudes que devem ser
  desenvolvidas.
comuns nas pessoas criativas
•   Fluência e flexibilidade de idéias;
•   Pensamento original e inovador;
•   Alta sensibilidade externa e interna;
•   Fantasia e imaginação
•   Inconformismo;
•   Independência de julgamentos;
•   Abertura a novas experiências;
•   Uso elevado de analogias e combinações incomuns;
•   Idéias elaboradas e enriquecidas;
•   Preferência por situações de risco;
•   Alta motivação e curiosidade;
•   Elevado senso de humor;
•   Impulsividade e espontaneidade;
•   Confiança em si mesmo e autoconceito positivo;
•   Sentido de destino criativo.                               WECHSLER, Solange Múglia. CRIATIVIDADE
                                      Descobrindo e Encorajando. Campinas, SP: Editorial PSY, 1998, p. 72-73
Hemisfério Esquerdo    Hemisfério Direito

     Palavras               Imagens

      Nomes                 Rostos

      Lógica                Intuição

     Racional              Emocional

      Detalhe          Visão de Conjunto

     Números               Símbolos

    Linearidade              Sonho

   Ordenamento        Seqüencial Sensações

      Análise             Criatividade
• Em diversas atividades os dois hemisférios agem
  concomitantemente. Exemplos: ao vermos uma pessoa, é o
  direito que reconhece o rosto enquanto o esquerdo informa o
  nome; num desenho a mão livre, determinadas estruturas do
  hemisfério esquerdo são indispensáveis para fornecer
  detalhes, enquanto estruturas do hemisfério direito são
  requisitadas para que o indivíduo tenha o domínio necessário
  sobre o contorno geral do objeto representado.



               http://www.lincx.com.br/lincx/saude_a_z/saude_mental/conhecendo_cerebro.asp
O MEU OLHAR é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada novo momento
Para a eterna novidade do mundo...                             Alberto Caeiro,
                                            O guardador de rebanhos, estrofe II
• "As mentes são como os pára-quedas: só funcionam se
  estiverem abertas.”
  (Ruth Noller - Pesquisadora da Universidade de Buffalo)



• "As pessoas que vencem neste mundo são as que procuram
  as circunstâncias de que precisam e, quando não as
  encontram, as criam.”
  (Bernard Shaw - Filósofo)



• "Minhas invenções são fruto de 1% de inspiração e 99% de
  transpiração.”
  (Thomas Edison - Inventor)

                                       http://www.bestreader.com/port/txcomosercriativo.htm
• “O conhecido caso de Isaac Newton, que formulou a lei da
  gravidade a partir da relação feita com a maçã que caiu na sua
  cabeça, demonstra que só aquele que já estava atento ao
  problema da gravidade poderia fazer tal ligação.”




                          WECHSLER, Solange Múglia. CRIATIVIDADE Descobrindo e
                              Encorajando. Campinas, SP: Editorial PSY, 1998, p. 52
• “O conhecimento do processo criativo leva o estudante a
  adquirir maior consciência e controle dos caminhos que sua
  mente percorre [...].”
• Etapas:
   o Identificação
   o Preparação
   o Incubação
   o Esquentação
   o Iluminação
   o Elaboração
   o Verificação
                     GOMES, Luiz Vidal N. . Criatividade: projeto < desenho > produto. 3. ed.
                                       Santa Maria: sCHDs Editora Ltda., 2004. v. 01, p. 65
• Construção de projetos de informática educativa.
“50% do problema está resolvido quando bem identificado.”
                                                                  (John Dewey)




• “Sua característica principal é a definição e o entendimento
  das necessidades e objetivos de um problema.” (p. 69)
O quê? Sobre o quê? Para quem? Onde?


• Nível/Série/Ano:
• Período do ano:
• Nº de alunos:
• Nº de computadores:
• Nº de aulas:
• Conteúdo(s):
O quê? Sobre o quê? Para quem? Onde?
        Projeto a ser desenvolvido na Informática da Escola.
• Nível/Série/Ano: Nível 2
• Período do ano: abril/maio
• Nº de alunos: 15
• Nº de computadores: 20
• Nº de aulas: 04
• Conteúdo(s): Austrália – animais
•   “Na preparação, há dois outros níveis que são, significativamente
    beneficiados [...], a saber: o nível do pensamento consciente, aquele
    no qual os fatos, idéias e experiências podem ser manuseados e postos
    em relação ao problema, ou seja, a mente humana começa a tentar a
    síntese – o agrupamento de conceitos, aparentemente, não relacionados;
    e o nível do subconsciente, aquele em que vários processos e fatos
    psíquicos atuam sobre a conduta do indivíduo, mas escapam ao âmbito
    da consciência, para sintetizar toda a informação conhecida.” (p. 83)
• Análise Denotativa/Conotativa
• Análise Sincrônica/Diacrônica
• Análise Semântica
• Análise Estrutural
• Análise Funcional
Análise Denotativa:
• Faz referência ao sentido e significado conceitual, fundamental e
  imutável de uma palavra.
• Buscar em dicionários, enciclopédias, compêndios, almanaques.


   Análise Conotativa:
• Idéia secundária em simultâneo com a idéia principal; diz-se de
  uma idéia associada, pela experiência individual ou coletiva, a uma
  palavra.
• Buscar em livros, artigos, ensaios, crônicas.
Análise Denotativa:
• Austrália: é o maior país da Oceania, ocupando todo o
  "continente australiano", e várias ilhas adjacentes. É banhado pelo
  oceano Índico, a sul e a oeste, pelo mar de Timor, mar de Arafura
  e Estreito de Torres, a norte, e mar de Coral e mar da Tasmânia, a
  leste. Através destes mares, tem fronteira marítima com a
  Indonésia, Timor-Leste e Papua-Nova Guiné, a norte, e com o
  território francês da Nova Caledónia, a leste, e a Nova Zelândia a
  sudeste. A capital do país é a cidade de Camberra. A população é
  de cerca de 21 milhões de habitantes, sendo que 60% desse total
  vive nas cidades de Sydney, Melbourne, Brisbane, Perth e
  Adelaide.
• Animal: ser dotado de sensibilidade e movimentos próprios; ser
  vivo irracional;
Análise Denotativa:
•   Fauna australiana: A Austrália tem grande diversidade de fauna e flora, já que
    boa parte do país é desértica ou semi-árida, mas também existem diversas
    regiões onde o clima é mais ameno. Existe um órgão federal com o fim de
    proteger a fauna e a flora australianas. Uma importante particularidade da fauna
    australiana é a ocorrência de diversas espécies marsupiais. O isolamento da
    Austrália tem favorecido a evolução de uma fauna que não se parece com
    nenhuma outra do planeta. A mesma caracteriza-se, sobretudo, pela presença de
    marsupiais (animais com uma bolsa para as crias) entre os quais destacam os
    cangurus, wallabees ou coalas (alimentam-se exclusivamente de folhas de
    eucaliptos), wombats ou topos marsupiais. Os mamíferos marsupiais
    desapareceram no resto dos continentes ao sucumbir à supremacia dos
    mamíferos placentários (os marsupiais finalizam a gravidez no exterior, em uma
    bolsa onde a mãe tem um mamilo interno para alimentar o filhote). Destacam
    espécies como o ornitorrinco, próprias e exclusiva do país, a equidna e o
    tamanduá espinhoso. Quanto à fauna marítima encontram-se baleias, golfinhos,
    pinguins, lobos-marinhos, focas de diversas espécies e topos aquáticos.
Análise Denotativa:
•   Fauna australiana (continuação): Quanto aos carnívoros, o país conta com
    uma só espécie, o dingo, ou cão selvagem. Cobras são comuns. E os crocodilos
    só existem nas zonas tropicais. O diabo espinhoso oferece um aspecto feroz,
    mas na realidade trata-se de um animal de menos de 20 centímetros de
    comprimento e é totalmente inofensivo. No sul da Tasmânia pode-se admirar um
    estranho animal chamado Diabo da Tasmânia, um carnívoro marsupial parecido
    com a raposa. Quanto à ornito-fauna, é rica e variada com mais de 650 espécies,
    destacam os pássaros lira ou pássaros do paraíso, papagaios, emas, casuarws,
    cisnes pretos, louros e emus. Pois nem todos os animais são nativos da
    Austrália. Os camelos foram trazidos do Afeganistão para trabalhar no deserto;
    porcos, cavalos e coelhos foram enviados também ao continente, e assim, um
    grande número de outros animais chegaram á Austrália. Isto significou uma
    problemática alteração do meio ambiente, prejudicando o homem e os animais
    naturais que já lá estavam; muitas espécies desapareceram, embora agora se
    estejam a realizar trabalhos de proteção para moderar os destroços.
Análise Denotativa:
•   Canguru:
•   O canguru é o maior dos marsupiais sendo encontrado nas florestas e campos
    da Austrália entre mais de 150 espécies diferentes. Possui patas traseiras
    grandes, pesadas e musculadas, as patas dianteiras são pequenas e leves.
    Possui locomoção bípede, orelhas grandes na grande maioria e cabeça
    pequena.
•   O canguru se alimenta de vegetais e frutas podendo pesar até 70 kg. Sua
    gestação varia entre 30 e 40 dias. Os filhotes dos cangurus nascem prematuros
    e vão para uma bolsa (o marsúpio) que fica na barriga da mãe onde encontram
    leite para alimentar-se, calor que vem do corpo da mãe e a proteção. O filhote
    permanece na bolsa mamando por 280 dias.
•   Suas patas traseiras são poderosas, possui grande força e sua cauda longa e
    esticada lhe permite saltar com equilíbrio. O salto do canguru pode atingir uma
    velocidade de aproximadamente 60 km/h com 9m de comprimento e 3m de
    altura. O canguru pode chegar a 1,6m de altura.
Análise Denotativa:
•   Coala:
•   O Coala é um mamífero marsupial cujo habitat são as florestas das regiões nordeste e sudeste da
    Austrália.
•   Este marsupial alimenta-se exclusivamente de folhas de eucalipto. Não bebem água, obtendo este
    líquido das folhas de eucalipto.
•   A digestão da celulose, encontrada nas folhas de eucalipto, ocorre no intestino grosso do animal, através
    do processo de fermentação bacteriana.
•   A pelagem dos coalas (densa e sedosa) apresenta-se nas cores cinza e branco. Possuem a cabeça de
    tamanho grande (em relação ao restante do corpo), olhos bem separados, nariz grosso e focinho curto.
•   Os colas não vivem em abrigos. Estão sempre expostos aos fatores da natureza (sol, vento e a chuva).
•   Dormem em média 14 horas por dia. As outras 10 horas passam comendo.
•   Os movimentos dos coalas são lentos, assemelhando-se com os do bicho-preguiça.
•   Não possuem cauda, utizando as garras para subirem nas árvores.
•   A reprodução dos coalas ocorre em época específica (durante 4 meses do ano). Após a fecundação, a
    gestação da fêmea dura de 33 a 36 dias. Na maioria dos casos, nasce apenas um filhote, que é criado
    pela mãe, pois o pai se afasta e não acompanha o desenvolvimento do filhote. Este nasce com,
    aproximadamente, 500 gramas e 20 centímetros de altura.
•   O principal predador dos coalas é uma espécie de cachorro selvagem, conhecido como canis dingo.
•   Esta é uma espécie ameaçada de extinção, em função da caça e das queimadas de florestas.
Análise Denotativa:
•   Diabo da Tasmânia:
•   PESO: macho de 6 a 9 kg e a fêmea de 4 a 5 kg
•   TAMANHO: Seu tamanho é 52 a 80 cm, rabo 23 a 30 cm
•   TEMPO DE VIDA: 7 a 9 anos
•   REPRODUÇÃO: Começam a acasalar aos 2 anos. Acasalam em março ou abril, e o jovem nasce maio
    ou junho. Gestação dura 21 dias. Machos e fêmeas vivem separados. A fêmea dá a luz 3 a 4 filhotes
    que medem 12 mm de comprimento. Ao contrário da maioria das fêmeas desta família, a bolsa
    marsupial fica completamente fechada durante todo o tempo em que os filhotes aí vivem.
•   FILHOTES: O filhote nasce e fica acomodado na bolsa marsupial que fica nas costas da mãe.
    Normalmente são 4 filhotes e, apesar de 4 tetas, o normal é sobreviver apenas 2 ou 3 filhotes. No final
    de 7 semanas já medem 70 mm e, depois de 15 semanas abandonam as tetas maternas. Nesse período
    já possuem pelagem e os olhos já estão abertos. São amamentados durante uns 5 meses e transferidos
    para um ninho tão logo atinjam um tamanho que não lhes permita continuar na bolsa ventral. São
    desmamados aos 6 ou 7 meses de idade.
•   CARACTERÍSTICAS FÍSICAS: O corpo maciço apresenta uma cabeça enorme, o focinho largo com o
    lábio superior eriçado de verrugas, bochechas contendo tufos de vibrissas longas e rígidas, os olhos
    pequenos, a cauda curta, cônica e muito grossa, e os membros curtos e ligeiramente tortos, quase
    iguais em tamanho. O marsúpio,. em forma de ferradura, abre-se posteriormente.
•   PELAGEM: a pelagem é negra em quase sua totalidade, constitui-se de pêlos curtos e eriçados e uma
    raia branca atravessa o peito, com duas manchas, igualmente brancas, ornando-lhe os flancos.
•   (...)
Análise Conotativa:
• Austrália: O nome Austrália vem da palavra em latim australis, que significa
    "do sul", e sua origem data de lendas do século II de "terra desconhecida do sul"
    (terra australis incognita). O explorador Matthew Flinders deu o nome para o
    lugar de Terra Australis, que mais tarde foi abreviado para a forma actual.
    Anteriormente, quando os holandeses exploraram a área chamaram-na de Nova
    Hollandicus ou Nova Holanda. Flinders mais tarde renomeou a terra para
    Australia, em 1804, enquanto estava preso pelos franceses em Maurícia. Quando
    retornou à Inglaterra e publicou seus trabalhos, em 1814, foi forçado a trocar o
    nome para Terra Australis pelo almirantado britânico. Tomando conhecimento da
    preferência de Flinders por Austrália, o governador Lachlan Macquarie, de New
    South Wales, começou a usar o nome em seus despachos para a Inglaterra. Em
    1824 o almirantado britânico finalmente aceitou que o continente deveria ser
    conhecido oficialmente como Austrália.
•   A palavra Austrália é pronunciada localmente como /ə st æ ljə/ ou /ə st æ jə/
    (IPA). Um costume muito popular entre os falantes da língua inglesa é chamar os
    australianos (australians) de aussies (lê-se "ózis").
Análise Conotativa:
• Austrália: A maioria étnica da população é de origem britânica, porém é
   significativa a presença de outras minorias étnicas, como irlandeses, gregos,
   asiáticos e os marginalizados nativos (restam 2% do total da população),
   dizimados pela implantação da "moderna" sociedade branca européia. A
   Austrália tornou-se independente do Império Britânico em 1942, mas faz parte do
   Commonwelth (Comunidade Britânica das Nações).
Análise Conotativa:
•   Canguru: Há uma característica que diferencia os cangurus de outros
    marsupiais: na hora do salto, os cangurus são capazes de associar o movimento
    do rabo com o das patas, para obter um maior deslocamento. Quando saltam
    podem atingir até 5 metros de distância. O habitat dos cangurus são as planícies
    e as florestas. Sua dieta é feita de frutas e vegetais, sendo que o rato
    almiscarado, também se alimenta de pequenos animais. Durante pequenos
    espaços de tempo um canguru pode atingir até 50 km/h. A idade destes animais
    oscila entre 12 e 25 anos, dependendo da quantidade de alimento disponível.
•   Coala: Os coalas são animais que vivem em pares, subindo em árvores assim
    como a preguiça e recebeu o nome de ursinho da Austrália. O único vegetal de
    que ele se alimenta é o eucalipto e mata sua sede com o suco oleoso das folhas
    desse vegetal.
•   CAMBERRA, Austrália - O urso coala está ameaçado pelo aumento do dióxido
    de carbono na atmosfera, que causa perda dos nutrientes das folhas de
    eucalipto, principal alimento dos animais, disse um pesquisador nessa quarta-
    feira.
Análise Conotativa:
•   Diabo da Tasmânia: Ameaçados pela doença
•   Os diabos-da-tasmânia são protegidos pelas leis ambientais da Austrália.
    Entretanto, um mal, conhecido como doença do tumor facial do diabo - Devil
    Facial Tumor Disease, pode pôr fim à existência desses animais.
•   Essa enfermidade é um tipo de câncer. Na face do marsupial, nascem tumores
    que aumentam de tamanho e o impede de se alimentar. Assim, ele acaba
    morrendo de fome.
•   Os cientistas procuram pela cura, mas não descobriram o que causa a doença.
    Sabem, entretanto, que ela é contagiosa entre os diabos-da-tasmânia. Por isso,
    tentam remover os animais saudáveis para outros lugares. Em algumas áreas da
    Tasmânia, 83% desses marsupiais estão infectados.
Análise Conotativa:
•   Diabo da Tasmânia: Foi no diabo-da-tasmânia que os desenhistas do
    Pernalonga se inspiraram para inventar o Taz. Como no desenho animado, o
    diabo-da-tasmânia de verdade adora carne e tem dentes muito fortes e afiados.
•   Ele come quase tudo quanto é bicho que encontra. Insetos, cobras, sapos,
    pássaros, coelhos, porcos e até carneiros.
•   Diferente do Taz, o diabo-da-tasmânia de verdade não fica correndo atrás de
    bichos vivos o tempo todo. O que ele mais come são carcaças.
    Som.
Análise Semântica:
• Painel visual (imagens que representem o assunto).
Análise Semântica:
Análise Semântica:
Análise Semântica:
Análise Semântica:
Análise Sincrônica:
• Análise contemporânea.


   Análise Diacrônica:
• Análise considerada de um ponto de vista histórico-evolutivo.
Análise Sincrônica: Os marsupiais são mamíferos
pertencentes à subclasse Theria. Esta subclasse é dividida
em duas infraclasses: Metatheria e Eutheria. Os metatérios
são os marsupiais e os eutérios correspondem aos mamíferos
chamados de placentários. Existem cerca de 260 espécies de
marsupiais, sendo que a grande maioria é nativa da Austrália
ou das ilhas vizinhas. A menor espécie de marsupial mede
apenas alguns centímetros e não chega a pesar nem 10
gramas.
Análise Diacrônica: Acredita-se que os marsupiais tenham se
originado na América do Norte, durante o Cretáceo Inferior, e
de lá se dispersado para a América do Sul, Europa, Ásia, norte
da África e Oceania. No entanto, durante o Cenozóico Médio,
sofreram uma grande extinção e, atualmente, o único
marsupial encontrado na América do Norte é uma espécie de
gambá (Didelphis sp.). Hoje em dia a maioria das espécies é
encontrada na América do Sul e na Austrália. Alguns
cientistas acreditam que este desaparecimento ocorreu
devido à competição com os mamíferos eutérios, outros
afirmam que foi apenas uma conseqüência da extinção de
muitos mamíferos que ocorreu naquela era.
Análise Funcional:
• Verificar software/aplicação on-line por suas funcionalidades
  principais.
    - Editor de textos;
    - Editor de imagens;
    - Planilha eletrônica;
    - Jogo educativo;
    - Navegador web;
    - ...
Análise Funcional:
Paint - O Paint é uma ferramenta de desenho que pode ser usada
   para criar desenhos simples ou elaborados. Esses desenhos
   podem ser em preto-e-branco ou coloridos e podem ser
   salvos como arquivos de bitmap.
Análise Funcional:
Australia Questions - Responda as questões apontando qual é o
  lugar que ele está perguntando
http://jogoonlinegratis.com.br/jogos-puzzle/australia-questions.html
Análise Funcional:
Peppy Patriotic Australia Girl – Escolher e montar roupas e
  acessórios
http://pt.t45ol.com/jogo/3954/australia-girl.html
Análise Funcional:
Taz Tropical Havoc - Taz Mania esta à solta pela selva e como sempre,
   com muita fome. Controle o Taz para vencer e subir os níveis. Como
   jogar: 1. Utilize as setas do teclado para mover o Taz; 2. Coma os
   pedaços de carne para girar; 3. Para passar de nível, você terá que
   destruir todas as pedras girando.
Análise Funcional:
Taz Dance Forever - Faça o Tazmania dançar ao som do dj Piu-Piu.
Análise Estrutural:
• Formato que poderá ser apresentada a produção.
   - Impresso
      • colorido, tons de cinza;
      • Formatos possíveis (cortar, montar...)
      • entregues
   - Digital
      • apresentação para colegas / troca de computadores
      • disponibilizado em mídias (CD, DVD...)
      • enviado por e-mail
   - On-line
      • Blog, site
- Impresso
   • Colorido
   • Tons de cinza
   • Formato de animais
   • Meia página
   • Mini-livro
   • Formato para exposição (mural em sala de aula)
- Digital
   • troca de computadores
   • disponibilizado em mídias (CD, DVD...)
• “A rotina trabalho-descanso-trabalho mesmo que, em um primeiro
  momento, nada permita criar, descobrir ou inventar, parece facilitar o
  processo criativo graças à interrupção.” (p.82)
•   “A esquentação – por permitir a volta ao problema projetual não mais
    verbalmente, mas visualmente -, traz a boa sensação de que o problema está
    prestes a ser resolvido [...] O resultado das técnicas de criatividade aparece
    melhor quando as idéias são representadas graficamente.” (p. 96)
• Representar idéias de projetos através de esquemas,
  rascunhos, esboços de idéias.
   - Técnicas de geração de alternativas (Brainstorm...).
•   “Heureca! é a Iluminação. É nesta etapa que “ocorre o término daquela forte
    angústia que o indivíduo vinha sentindo na busca de soluções para o seu projeto.
    [...] Há, necessariamente, muita atividade consciente para se chegar a essa
    etapa do processo criativo.” (p. 97)
• Com base na idéia selecionada, apresentar maior
  esclarecimento, detalhamento.
• Se houver mais do que uma idéia interessante, fazer o
  mesmo.
• Mini-livro com a silhueta dos animais em tons de cinza.
• Apresentação da sombra e leitor adivinha qual é o animal.
• Fotografia em tons de cinza de cada animal como resposta.
• Capa: Desenho das crianças.
• 1ª página: texto com a explicação do projeto.
• Impressão em tons de cinza, 1 mini-livro por aluno.
• “O desenhador, tal como músico [e professor!], tem que conhecer
  e saber muito bem o que e para que cria.” (p. 102)
• Execução da(s) idéia(s) selecionada.
• Verificação dos recursos do software/aplicação a serem
  utilizados.
•   Diálogo e Explicação com imagens organizadas no Power Point
•   No Paint: uso do pincel - espessuras diferenciadas, borracha
•   Montagem pela professora no Power Point (impressão folheto)
• “Há, na verificação, dois distintos momentos: a verificação parcial
  [...] e a verificação final [...].” (p. 110)
• Parcial e final.
    - Parcial: ao término de cada etapa;
    - Final: ao final do processo.
• Parcial e final.
    - Parcial: cada etapa foi cumprida, respeitando suas
      solicitações.
    - Final: o projeto sugerido está de acordo com o nível de
      ensino; as atividades são possíveis de ser realizadas
      pelos alunos; o conteúdo é abordado de forma adequada;
      a informática está sendo utilizada como um meio (não
      fim).
“Quando a Nasa enviou os primeiros astronautas ao espaço,
descobriu que as canetas não funcionavam com gravidade zero.
Para resolver esse problema, os engenheiros contrataram uma
empresa especializada para projetar a caneta espacial.
Dez anos e US$ 12 milhões depois, estava pronta a caneta que
podia ser usada no espaço, em qualquer posição. Nem a
temperatura poderia atrapalhar: a supercaneta funcionava bem
fizesse frio ou calor.
Os russos, que tiveram o mesmo problema,
optaram por uma solução mais simples:
passaram a usar um lápis.”
BRAINSTORMING – TEMPESTADE CEREBRAL
• 4 principais regras:
• Críticas são rejeitadas: Esta é provavelmente a regra mais
  importante.
• Criatividade é bem-vinda: Esta regra é utilizada para encorajar
  os participantes a sugerir qualquer idéia que lhe venha à mente,
  sem preconceitos e sem medo que isso o vá avaliar
  imediatamente.
• Quantidade é necessária: Quanto mais idéias forem geradas,
  mais hipóteses há de encontrar uma boa idéia. Quantidade gera
  qualidade.
• Combinação e aperfeiçoamento são necessários: O objetivo
  desta regra é encorajar a geração de idéias adicionais para a
  construção e reconstrução sobre as idéias dos outros.
SCAMPER (SCAMCEA, em português)
• S = Substituir (Que outro material? Outro local?
                 Outro processo?)
• C = combinar (Juntar idéias? Juntar propósitos?
                Juntar aparências?)
• A = adaptar (O que mais em lugar disto? O que mais
               adicionar? Tornar maior? Mais freqüente?
               Multiplicar? Exagerar?)
• M = modificar (Outra cor? Outro som? Outra forma?
                 Outro sabor?)
• C = colocar para (outras pessoas podem usar isto?
                    Em que lugares posso fazer uso disto?)
• E = eliminar (Diminuir? Subtrair? Condensar? Dividir?)
• A = arrumar (Mudar de padrões? Outra aparência?
               Outra seqüência? Outra fórmula?)
Criatividade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LC 03 Movimento Perceptivo
LC 03 Movimento PerceptivoLC 03 Movimento Perceptivo
LC 03 Movimento PerceptivoOdair Tuono
 
Isso não tem lógica
Isso não tem lógicaIsso não tem lógica
Isso não tem lógicaaline farinha
 
O poder da criatividade
O poder da criatividade O poder da criatividade
O poder da criatividade Junior Kendrick
 
Ciência - O que Produz e Como é Produzida
Ciência - O que Produz e Como é ProduzidaCiência - O que Produz e Como é Produzida
Ciência - O que Produz e Como é ProduzidaDiego Fernandes Souza
 
As 5 Distorções Cognitivas das Pessoas Que Fazem Acontecer
As 5 Distorções Cognitivas  das Pessoas Que Fazem AcontecerAs 5 Distorções Cognitivas  das Pessoas Que Fazem Acontecer
As 5 Distorções Cognitivas das Pessoas Que Fazem AcontecerIbrahim Cesar
 
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensa
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensaAgilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensa
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensaMarco Dubovski
 
Design Thinking para Startups - Dma@pirates
Design Thinking para Startups - Dma@piratesDesign Thinking para Startups - Dma@pirates
Design Thinking para Startups - Dma@piratesJuliana Bach
 

Mais procurados (12)

Pensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdfPensamento e Criatividade.pdf
Pensamento e Criatividade.pdf
 
LC 03 Movimento Perceptivo
LC 03 Movimento PerceptivoLC 03 Movimento Perceptivo
LC 03 Movimento Perceptivo
 
Isso não tem lógica
Isso não tem lógicaIsso não tem lógica
Isso não tem lógica
 
O poder da criatividade
O poder da criatividade O poder da criatividade
O poder da criatividade
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Ciência e cotidiano: uma combinação possível
Ciência e cotidiano: uma combinação possívelCiência e cotidiano: uma combinação possível
Ciência e cotidiano: uma combinação possível
 
Ciência - O que Produz e Como é Produzida
Ciência - O que Produz e Como é ProduzidaCiência - O que Produz e Como é Produzida
Ciência - O que Produz e Como é Produzida
 
As 5 Distorções Cognitivas das Pessoas Que Fazem Acontecer
As 5 Distorções Cognitivas  das Pessoas Que Fazem AcontecerAs 5 Distorções Cognitivas  das Pessoas Que Fazem Acontecer
As 5 Distorções Cognitivas das Pessoas Que Fazem Acontecer
 
O Processo Criativo.
O Processo Criativo.O Processo Criativo.
O Processo Criativo.
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensa
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensaAgilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensa
Agilismo e Filosofia - Eles tem mais em comum do que você pensa
 
Design Thinking para Startups - Dma@pirates
Design Thinking para Startups - Dma@piratesDesign Thinking para Startups - Dma@pirates
Design Thinking para Startups - Dma@pirates
 

Destaque

Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...
Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...
Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...Ana Arantes
 
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeGustavo Zanotto
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?João Lima
 
Palestra criatividade
Palestra criatividadePalestra criatividade
Palestra criatividadeKaduLima
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeAugusto Pinto
 
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoJairo Siqueira
 

Destaque (11)

Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...
Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...
Liberdade e Criatividade no Behaviorismo Radical: Uma análise ilustrativa do ...
 
Teorias da criatividade
Teorias da criatividade Teorias da criatividade
Teorias da criatividade
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Aula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e CriatividadeAula 04 - Inovação e Criatividade
Aula 04 - Inovação e Criatividade
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
 
Palestra criatividade
Palestra criatividadePalestra criatividade
Palestra criatividade
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
 
Criatividade e Inovaçao
Criatividade e InovaçaoCriatividade e Inovaçao
Criatividade e Inovaçao
 
Criatividade e Inovação
Criatividade e InovaçãoCriatividade e Inovação
Criatividade e Inovação
 

Semelhante a Criatividade

Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011Ana Caetano
 
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)Miguel Carrasco
 
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por LucimaraEbook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por LucimaraEspaço da Mente
 
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptxcontacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptxEduardoLima522172
 
Crianças índigo
Crianças índigoCrianças índigo
Crianças índigoDalila Melo
 
Arte e pensamento 4
Arte e pensamento 4Arte e pensamento 4
Arte e pensamento 4João Lima
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaSinara Duarte
 
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFComo-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFFernandoFrancoSerpa
 
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02Cicera Cavalcante
 

Semelhante a Criatividade (20)

Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011Otimismo e criatividade  conferencia e workshop 23 setembro 2011
Otimismo e criatividade conferencia e workshop 23 setembro 2011
 
(3) aprender a pensar
(3) aprender a pensar(3) aprender a pensar
(3) aprender a pensar
 
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
Ciclos de vida da Dáfnia e do Bicho-da-Seda(Grupo B)
 
Criatividade
Criatividade Criatividade
Criatividade
 
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por LucimaraEbook Caixa de Areia por Lucimara
Ebook Caixa de Areia por Lucimara
 
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptxcontacaodehistoriaalfredo2016.pptx
contacaodehistoriaalfredo2016.pptx
 
Crianças índigo
Crianças índigoCrianças índigo
Crianças índigo
 
Os 7 Saberes para o Século XXI
Os 7 Saberes para o Século XXIOs 7 Saberes para o Século XXI
Os 7 Saberes para o Século XXI
 
Arte e pensamento 4
Arte e pensamento 4Arte e pensamento 4
Arte e pensamento 4
 
Psicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infânciaPsicologia do desenvolvimento: infância
Psicologia do desenvolvimento: infância
 
Gardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências MúltiplasGardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências Múltiplas
 
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFComo-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
 
UMA MENTE DOIS CEREBROS
UMA MENTE DOIS CEREBROSUMA MENTE DOIS CEREBROS
UMA MENTE DOIS CEREBROS
 
Uma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebrosUma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebros
 
Uma mente dois cérebros
Uma mente dois cérebrosUma mente dois cérebros
Uma mente dois cérebros
 
Uma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebrosUma mente dois cerebros
Uma mente dois cerebros
 
Lei de Causa e Efeito
Lei de Causa e EfeitoLei de Causa e Efeito
Lei de Causa e Efeito
 
Filosofia da Ciência
Filosofia da CiênciaFilosofia da Ciência
Filosofia da Ciência
 
Aula II - CP
Aula II - CPAula II - CP
Aula II - CP
 
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02
Apresentaofilosofia 130830213648-phpapp02
 

Mais de janetemagali

Código TDB Vencedora
Código TDB VencedoraCódigo TDB Vencedora
Código TDB Vencedorajanetemagali
 
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da SementinhaPdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da Sementinhajanetemagali
 
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009janetemagali
 
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009janetemagali
 
Gincana Turno Integral 2009 Semana Criança
Gincana Turno Integral 2009 Semana CriançaGincana Turno Integral 2009 Semana Criança
Gincana Turno Integral 2009 Semana Criançajanetemagali
 

Mais de janetemagali (9)

Código TDB Vencedora
Código TDB VencedoraCódigo TDB Vencedora
Código TDB Vencedora
 
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da SementinhaPdf Livro A Viagem Da Sementinha
Pdf Livro A Viagem Da Sementinha
 
Projeto Criativo
Projeto CriativoProjeto Criativo
Projeto Criativo
 
Projeto Criativo
Projeto CriativoProjeto Criativo
Projeto Criativo
 
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
 
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
Cronograma PráTica Projeto Pingos 2009
 
Gincana Turno Integral 2009 Semana Criança
Gincana Turno Integral 2009 Semana CriançaGincana Turno Integral 2009 Semana Criança
Gincana Turno Integral 2009 Semana Criança
 
Fundo 7 Setembro
Fundo 7 SetembroFundo 7 Setembro
Fundo 7 Setembro
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 

Criatividade

  • 1. Laboratório de Criatividade Como fazer projetos criativos Cristiane Dalla Santa
  • 2. • Marque notas de 0 a 10 para cada atitude. • Se a frase for absolutamente adequada a você, coloque 10; • Caso seja absolutamente falsa, marque 0. • As notas intermediárias – de 1 a 9 – devem ser usadas para as verdades parciais.
  • 3. • Some as notas das questões ímpares. • Some as notas das questões pares. • Subtraia os totais: ímpares – pares. + • Se o número final deu , significa que as suas atitudes favorecem o treino, o uso da criatividade. - • Se o número final deu , quer dizer que você deve rever suas atitudes. Talvez você esteja perdendo, descartando algumas possibilidades de treinar seu comportamento.
  • 4. • Questões ímpares atitudes que facilitam o uso da criatividade; • Questões pares dificultam. • O objetivo deste exercício é indicar atitudes que devem ser desenvolvidas.
  • 5. comuns nas pessoas criativas • Fluência e flexibilidade de idéias; • Pensamento original e inovador; • Alta sensibilidade externa e interna; • Fantasia e imaginação • Inconformismo; • Independência de julgamentos; • Abertura a novas experiências; • Uso elevado de analogias e combinações incomuns; • Idéias elaboradas e enriquecidas; • Preferência por situações de risco; • Alta motivação e curiosidade; • Elevado senso de humor; • Impulsividade e espontaneidade; • Confiança em si mesmo e autoconceito positivo; • Sentido de destino criativo. WECHSLER, Solange Múglia. CRIATIVIDADE Descobrindo e Encorajando. Campinas, SP: Editorial PSY, 1998, p. 72-73
  • 6. Hemisfério Esquerdo Hemisfério Direito Palavras Imagens Nomes Rostos Lógica Intuição Racional Emocional Detalhe Visão de Conjunto Números Símbolos Linearidade Sonho Ordenamento Seqüencial Sensações Análise Criatividade
  • 7. • Em diversas atividades os dois hemisférios agem concomitantemente. Exemplos: ao vermos uma pessoa, é o direito que reconhece o rosto enquanto o esquerdo informa o nome; num desenho a mão livre, determinadas estruturas do hemisfério esquerdo são indispensáveis para fornecer detalhes, enquanto estruturas do hemisfério direito são requisitadas para que o indivíduo tenha o domínio necessário sobre o contorno geral do objeto representado. http://www.lincx.com.br/lincx/saude_a_z/saude_mental/conhecendo_cerebro.asp
  • 8. O MEU OLHAR é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pelas estradas Olhando para a direita e para a esquerda, E de vez em quando olhando para trás... E o que vejo a cada momento É aquilo que nunca antes eu tinha visto, E eu sei dar por isso muito bem... Sei ter o pasmo essencial Que tem uma criança se, ao nascer, Reparasse que nascera deveras... Sinto-me nascido a cada novo momento Para a eterna novidade do mundo... Alberto Caeiro, O guardador de rebanhos, estrofe II
  • 9. • "As mentes são como os pára-quedas: só funcionam se estiverem abertas.” (Ruth Noller - Pesquisadora da Universidade de Buffalo) • "As pessoas que vencem neste mundo são as que procuram as circunstâncias de que precisam e, quando não as encontram, as criam.” (Bernard Shaw - Filósofo) • "Minhas invenções são fruto de 1% de inspiração e 99% de transpiração.” (Thomas Edison - Inventor) http://www.bestreader.com/port/txcomosercriativo.htm
  • 10. • “O conhecido caso de Isaac Newton, que formulou a lei da gravidade a partir da relação feita com a maçã que caiu na sua cabeça, demonstra que só aquele que já estava atento ao problema da gravidade poderia fazer tal ligação.” WECHSLER, Solange Múglia. CRIATIVIDADE Descobrindo e Encorajando. Campinas, SP: Editorial PSY, 1998, p. 52
  • 11. • “O conhecimento do processo criativo leva o estudante a adquirir maior consciência e controle dos caminhos que sua mente percorre [...].” • Etapas: o Identificação o Preparação o Incubação o Esquentação o Iluminação o Elaboração o Verificação GOMES, Luiz Vidal N. . Criatividade: projeto < desenho > produto. 3. ed. Santa Maria: sCHDs Editora Ltda., 2004. v. 01, p. 65
  • 12. • Construção de projetos de informática educativa.
  • 13.
  • 14. “50% do problema está resolvido quando bem identificado.” (John Dewey) • “Sua característica principal é a definição e o entendimento das necessidades e objetivos de um problema.” (p. 69)
  • 15. O quê? Sobre o quê? Para quem? Onde? • Nível/Série/Ano: • Período do ano: • Nº de alunos: • Nº de computadores: • Nº de aulas: • Conteúdo(s):
  • 16. O quê? Sobre o quê? Para quem? Onde? Projeto a ser desenvolvido na Informática da Escola. • Nível/Série/Ano: Nível 2 • Período do ano: abril/maio • Nº de alunos: 15 • Nº de computadores: 20 • Nº de aulas: 04 • Conteúdo(s): Austrália – animais
  • 17. “Na preparação, há dois outros níveis que são, significativamente beneficiados [...], a saber: o nível do pensamento consciente, aquele no qual os fatos, idéias e experiências podem ser manuseados e postos em relação ao problema, ou seja, a mente humana começa a tentar a síntese – o agrupamento de conceitos, aparentemente, não relacionados; e o nível do subconsciente, aquele em que vários processos e fatos psíquicos atuam sobre a conduta do indivíduo, mas escapam ao âmbito da consciência, para sintetizar toda a informação conhecida.” (p. 83)
  • 18. • Análise Denotativa/Conotativa • Análise Sincrônica/Diacrônica • Análise Semântica • Análise Estrutural • Análise Funcional
  • 19. Análise Denotativa: • Faz referência ao sentido e significado conceitual, fundamental e imutável de uma palavra. • Buscar em dicionários, enciclopédias, compêndios, almanaques. Análise Conotativa: • Idéia secundária em simultâneo com a idéia principal; diz-se de uma idéia associada, pela experiência individual ou coletiva, a uma palavra. • Buscar em livros, artigos, ensaios, crônicas.
  • 20. Análise Denotativa: • Austrália: é o maior país da Oceania, ocupando todo o "continente australiano", e várias ilhas adjacentes. É banhado pelo oceano Índico, a sul e a oeste, pelo mar de Timor, mar de Arafura e Estreito de Torres, a norte, e mar de Coral e mar da Tasmânia, a leste. Através destes mares, tem fronteira marítima com a Indonésia, Timor-Leste e Papua-Nova Guiné, a norte, e com o território francês da Nova Caledónia, a leste, e a Nova Zelândia a sudeste. A capital do país é a cidade de Camberra. A população é de cerca de 21 milhões de habitantes, sendo que 60% desse total vive nas cidades de Sydney, Melbourne, Brisbane, Perth e Adelaide. • Animal: ser dotado de sensibilidade e movimentos próprios; ser vivo irracional;
  • 21. Análise Denotativa: • Fauna australiana: A Austrália tem grande diversidade de fauna e flora, já que boa parte do país é desértica ou semi-árida, mas também existem diversas regiões onde o clima é mais ameno. Existe um órgão federal com o fim de proteger a fauna e a flora australianas. Uma importante particularidade da fauna australiana é a ocorrência de diversas espécies marsupiais. O isolamento da Austrália tem favorecido a evolução de uma fauna que não se parece com nenhuma outra do planeta. A mesma caracteriza-se, sobretudo, pela presença de marsupiais (animais com uma bolsa para as crias) entre os quais destacam os cangurus, wallabees ou coalas (alimentam-se exclusivamente de folhas de eucaliptos), wombats ou topos marsupiais. Os mamíferos marsupiais desapareceram no resto dos continentes ao sucumbir à supremacia dos mamíferos placentários (os marsupiais finalizam a gravidez no exterior, em uma bolsa onde a mãe tem um mamilo interno para alimentar o filhote). Destacam espécies como o ornitorrinco, próprias e exclusiva do país, a equidna e o tamanduá espinhoso. Quanto à fauna marítima encontram-se baleias, golfinhos, pinguins, lobos-marinhos, focas de diversas espécies e topos aquáticos.
  • 22. Análise Denotativa: • Fauna australiana (continuação): Quanto aos carnívoros, o país conta com uma só espécie, o dingo, ou cão selvagem. Cobras são comuns. E os crocodilos só existem nas zonas tropicais. O diabo espinhoso oferece um aspecto feroz, mas na realidade trata-se de um animal de menos de 20 centímetros de comprimento e é totalmente inofensivo. No sul da Tasmânia pode-se admirar um estranho animal chamado Diabo da Tasmânia, um carnívoro marsupial parecido com a raposa. Quanto à ornito-fauna, é rica e variada com mais de 650 espécies, destacam os pássaros lira ou pássaros do paraíso, papagaios, emas, casuarws, cisnes pretos, louros e emus. Pois nem todos os animais são nativos da Austrália. Os camelos foram trazidos do Afeganistão para trabalhar no deserto; porcos, cavalos e coelhos foram enviados também ao continente, e assim, um grande número de outros animais chegaram á Austrália. Isto significou uma problemática alteração do meio ambiente, prejudicando o homem e os animais naturais que já lá estavam; muitas espécies desapareceram, embora agora se estejam a realizar trabalhos de proteção para moderar os destroços.
  • 23. Análise Denotativa: • Canguru: • O canguru é o maior dos marsupiais sendo encontrado nas florestas e campos da Austrália entre mais de 150 espécies diferentes. Possui patas traseiras grandes, pesadas e musculadas, as patas dianteiras são pequenas e leves. Possui locomoção bípede, orelhas grandes na grande maioria e cabeça pequena. • O canguru se alimenta de vegetais e frutas podendo pesar até 70 kg. Sua gestação varia entre 30 e 40 dias. Os filhotes dos cangurus nascem prematuros e vão para uma bolsa (o marsúpio) que fica na barriga da mãe onde encontram leite para alimentar-se, calor que vem do corpo da mãe e a proteção. O filhote permanece na bolsa mamando por 280 dias. • Suas patas traseiras são poderosas, possui grande força e sua cauda longa e esticada lhe permite saltar com equilíbrio. O salto do canguru pode atingir uma velocidade de aproximadamente 60 km/h com 9m de comprimento e 3m de altura. O canguru pode chegar a 1,6m de altura.
  • 24. Análise Denotativa: • Coala: • O Coala é um mamífero marsupial cujo habitat são as florestas das regiões nordeste e sudeste da Austrália. • Este marsupial alimenta-se exclusivamente de folhas de eucalipto. Não bebem água, obtendo este líquido das folhas de eucalipto. • A digestão da celulose, encontrada nas folhas de eucalipto, ocorre no intestino grosso do animal, através do processo de fermentação bacteriana. • A pelagem dos coalas (densa e sedosa) apresenta-se nas cores cinza e branco. Possuem a cabeça de tamanho grande (em relação ao restante do corpo), olhos bem separados, nariz grosso e focinho curto. • Os colas não vivem em abrigos. Estão sempre expostos aos fatores da natureza (sol, vento e a chuva). • Dormem em média 14 horas por dia. As outras 10 horas passam comendo. • Os movimentos dos coalas são lentos, assemelhando-se com os do bicho-preguiça. • Não possuem cauda, utizando as garras para subirem nas árvores. • A reprodução dos coalas ocorre em época específica (durante 4 meses do ano). Após a fecundação, a gestação da fêmea dura de 33 a 36 dias. Na maioria dos casos, nasce apenas um filhote, que é criado pela mãe, pois o pai se afasta e não acompanha o desenvolvimento do filhote. Este nasce com, aproximadamente, 500 gramas e 20 centímetros de altura. • O principal predador dos coalas é uma espécie de cachorro selvagem, conhecido como canis dingo. • Esta é uma espécie ameaçada de extinção, em função da caça e das queimadas de florestas.
  • 25. Análise Denotativa: • Diabo da Tasmânia: • PESO: macho de 6 a 9 kg e a fêmea de 4 a 5 kg • TAMANHO: Seu tamanho é 52 a 80 cm, rabo 23 a 30 cm • TEMPO DE VIDA: 7 a 9 anos • REPRODUÇÃO: Começam a acasalar aos 2 anos. Acasalam em março ou abril, e o jovem nasce maio ou junho. Gestação dura 21 dias. Machos e fêmeas vivem separados. A fêmea dá a luz 3 a 4 filhotes que medem 12 mm de comprimento. Ao contrário da maioria das fêmeas desta família, a bolsa marsupial fica completamente fechada durante todo o tempo em que os filhotes aí vivem. • FILHOTES: O filhote nasce e fica acomodado na bolsa marsupial que fica nas costas da mãe. Normalmente são 4 filhotes e, apesar de 4 tetas, o normal é sobreviver apenas 2 ou 3 filhotes. No final de 7 semanas já medem 70 mm e, depois de 15 semanas abandonam as tetas maternas. Nesse período já possuem pelagem e os olhos já estão abertos. São amamentados durante uns 5 meses e transferidos para um ninho tão logo atinjam um tamanho que não lhes permita continuar na bolsa ventral. São desmamados aos 6 ou 7 meses de idade. • CARACTERÍSTICAS FÍSICAS: O corpo maciço apresenta uma cabeça enorme, o focinho largo com o lábio superior eriçado de verrugas, bochechas contendo tufos de vibrissas longas e rígidas, os olhos pequenos, a cauda curta, cônica e muito grossa, e os membros curtos e ligeiramente tortos, quase iguais em tamanho. O marsúpio,. em forma de ferradura, abre-se posteriormente. • PELAGEM: a pelagem é negra em quase sua totalidade, constitui-se de pêlos curtos e eriçados e uma raia branca atravessa o peito, com duas manchas, igualmente brancas, ornando-lhe os flancos. • (...)
  • 26. Análise Conotativa: • Austrália: O nome Austrália vem da palavra em latim australis, que significa "do sul", e sua origem data de lendas do século II de "terra desconhecida do sul" (terra australis incognita). O explorador Matthew Flinders deu o nome para o lugar de Terra Australis, que mais tarde foi abreviado para a forma actual. Anteriormente, quando os holandeses exploraram a área chamaram-na de Nova Hollandicus ou Nova Holanda. Flinders mais tarde renomeou a terra para Australia, em 1804, enquanto estava preso pelos franceses em Maurícia. Quando retornou à Inglaterra e publicou seus trabalhos, em 1814, foi forçado a trocar o nome para Terra Australis pelo almirantado britânico. Tomando conhecimento da preferência de Flinders por Austrália, o governador Lachlan Macquarie, de New South Wales, começou a usar o nome em seus despachos para a Inglaterra. Em 1824 o almirantado britânico finalmente aceitou que o continente deveria ser conhecido oficialmente como Austrália. • A palavra Austrália é pronunciada localmente como /ə st æ ljə/ ou /ə st æ jə/ (IPA). Um costume muito popular entre os falantes da língua inglesa é chamar os australianos (australians) de aussies (lê-se "ózis").
  • 27. Análise Conotativa: • Austrália: A maioria étnica da população é de origem britânica, porém é significativa a presença de outras minorias étnicas, como irlandeses, gregos, asiáticos e os marginalizados nativos (restam 2% do total da população), dizimados pela implantação da "moderna" sociedade branca européia. A Austrália tornou-se independente do Império Britânico em 1942, mas faz parte do Commonwelth (Comunidade Britânica das Nações).
  • 28. Análise Conotativa: • Canguru: Há uma característica que diferencia os cangurus de outros marsupiais: na hora do salto, os cangurus são capazes de associar o movimento do rabo com o das patas, para obter um maior deslocamento. Quando saltam podem atingir até 5 metros de distância. O habitat dos cangurus são as planícies e as florestas. Sua dieta é feita de frutas e vegetais, sendo que o rato almiscarado, também se alimenta de pequenos animais. Durante pequenos espaços de tempo um canguru pode atingir até 50 km/h. A idade destes animais oscila entre 12 e 25 anos, dependendo da quantidade de alimento disponível. • Coala: Os coalas são animais que vivem em pares, subindo em árvores assim como a preguiça e recebeu o nome de ursinho da Austrália. O único vegetal de que ele se alimenta é o eucalipto e mata sua sede com o suco oleoso das folhas desse vegetal. • CAMBERRA, Austrália - O urso coala está ameaçado pelo aumento do dióxido de carbono na atmosfera, que causa perda dos nutrientes das folhas de eucalipto, principal alimento dos animais, disse um pesquisador nessa quarta- feira.
  • 29. Análise Conotativa: • Diabo da Tasmânia: Ameaçados pela doença • Os diabos-da-tasmânia são protegidos pelas leis ambientais da Austrália. Entretanto, um mal, conhecido como doença do tumor facial do diabo - Devil Facial Tumor Disease, pode pôr fim à existência desses animais. • Essa enfermidade é um tipo de câncer. Na face do marsupial, nascem tumores que aumentam de tamanho e o impede de se alimentar. Assim, ele acaba morrendo de fome. • Os cientistas procuram pela cura, mas não descobriram o que causa a doença. Sabem, entretanto, que ela é contagiosa entre os diabos-da-tasmânia. Por isso, tentam remover os animais saudáveis para outros lugares. Em algumas áreas da Tasmânia, 83% desses marsupiais estão infectados.
  • 30. Análise Conotativa: • Diabo da Tasmânia: Foi no diabo-da-tasmânia que os desenhistas do Pernalonga se inspiraram para inventar o Taz. Como no desenho animado, o diabo-da-tasmânia de verdade adora carne e tem dentes muito fortes e afiados. • Ele come quase tudo quanto é bicho que encontra. Insetos, cobras, sapos, pássaros, coelhos, porcos e até carneiros. • Diferente do Taz, o diabo-da-tasmânia de verdade não fica correndo atrás de bichos vivos o tempo todo. O que ele mais come são carcaças. Som.
  • 31. Análise Semântica: • Painel visual (imagens que representem o assunto).
  • 36. Análise Sincrônica: • Análise contemporânea. Análise Diacrônica: • Análise considerada de um ponto de vista histórico-evolutivo.
  • 37. Análise Sincrônica: Os marsupiais são mamíferos pertencentes à subclasse Theria. Esta subclasse é dividida em duas infraclasses: Metatheria e Eutheria. Os metatérios são os marsupiais e os eutérios correspondem aos mamíferos chamados de placentários. Existem cerca de 260 espécies de marsupiais, sendo que a grande maioria é nativa da Austrália ou das ilhas vizinhas. A menor espécie de marsupial mede apenas alguns centímetros e não chega a pesar nem 10 gramas.
  • 38. Análise Diacrônica: Acredita-se que os marsupiais tenham se originado na América do Norte, durante o Cretáceo Inferior, e de lá se dispersado para a América do Sul, Europa, Ásia, norte da África e Oceania. No entanto, durante o Cenozóico Médio, sofreram uma grande extinção e, atualmente, o único marsupial encontrado na América do Norte é uma espécie de gambá (Didelphis sp.). Hoje em dia a maioria das espécies é encontrada na América do Sul e na Austrália. Alguns cientistas acreditam que este desaparecimento ocorreu devido à competição com os mamíferos eutérios, outros afirmam que foi apenas uma conseqüência da extinção de muitos mamíferos que ocorreu naquela era.
  • 39. Análise Funcional: • Verificar software/aplicação on-line por suas funcionalidades principais. - Editor de textos; - Editor de imagens; - Planilha eletrônica; - Jogo educativo; - Navegador web; - ...
  • 40. Análise Funcional: Paint - O Paint é uma ferramenta de desenho que pode ser usada para criar desenhos simples ou elaborados. Esses desenhos podem ser em preto-e-branco ou coloridos e podem ser salvos como arquivos de bitmap.
  • 41. Análise Funcional: Australia Questions - Responda as questões apontando qual é o lugar que ele está perguntando http://jogoonlinegratis.com.br/jogos-puzzle/australia-questions.html
  • 42. Análise Funcional: Peppy Patriotic Australia Girl – Escolher e montar roupas e acessórios http://pt.t45ol.com/jogo/3954/australia-girl.html
  • 43. Análise Funcional: Taz Tropical Havoc - Taz Mania esta à solta pela selva e como sempre, com muita fome. Controle o Taz para vencer e subir os níveis. Como jogar: 1. Utilize as setas do teclado para mover o Taz; 2. Coma os pedaços de carne para girar; 3. Para passar de nível, você terá que destruir todas as pedras girando.
  • 44. Análise Funcional: Taz Dance Forever - Faça o Tazmania dançar ao som do dj Piu-Piu.
  • 45. Análise Estrutural: • Formato que poderá ser apresentada a produção. - Impresso • colorido, tons de cinza; • Formatos possíveis (cortar, montar...) • entregues - Digital • apresentação para colegas / troca de computadores • disponibilizado em mídias (CD, DVD...) • enviado por e-mail - On-line • Blog, site
  • 46. - Impresso • Colorido • Tons de cinza • Formato de animais • Meia página • Mini-livro • Formato para exposição (mural em sala de aula) - Digital • troca de computadores • disponibilizado em mídias (CD, DVD...)
  • 47. • “A rotina trabalho-descanso-trabalho mesmo que, em um primeiro momento, nada permita criar, descobrir ou inventar, parece facilitar o processo criativo graças à interrupção.” (p.82)
  • 48.
  • 49. “A esquentação – por permitir a volta ao problema projetual não mais verbalmente, mas visualmente -, traz a boa sensação de que o problema está prestes a ser resolvido [...] O resultado das técnicas de criatividade aparece melhor quando as idéias são representadas graficamente.” (p. 96)
  • 50. • Representar idéias de projetos através de esquemas, rascunhos, esboços de idéias. - Técnicas de geração de alternativas (Brainstorm...).
  • 51.
  • 52. “Heureca! é a Iluminação. É nesta etapa que “ocorre o término daquela forte angústia que o indivíduo vinha sentindo na busca de soluções para o seu projeto. [...] Há, necessariamente, muita atividade consciente para se chegar a essa etapa do processo criativo.” (p. 97)
  • 53. • Com base na idéia selecionada, apresentar maior esclarecimento, detalhamento. • Se houver mais do que uma idéia interessante, fazer o mesmo.
  • 54. • Mini-livro com a silhueta dos animais em tons de cinza. • Apresentação da sombra e leitor adivinha qual é o animal. • Fotografia em tons de cinza de cada animal como resposta. • Capa: Desenho das crianças. • 1ª página: texto com a explicação do projeto. • Impressão em tons de cinza, 1 mini-livro por aluno.
  • 55. • “O desenhador, tal como músico [e professor!], tem que conhecer e saber muito bem o que e para que cria.” (p. 102)
  • 56. • Execução da(s) idéia(s) selecionada. • Verificação dos recursos do software/aplicação a serem utilizados.
  • 57. Diálogo e Explicação com imagens organizadas no Power Point • No Paint: uso do pincel - espessuras diferenciadas, borracha • Montagem pela professora no Power Point (impressão folheto)
  • 58. • “Há, na verificação, dois distintos momentos: a verificação parcial [...] e a verificação final [...].” (p. 110)
  • 59. • Parcial e final. - Parcial: ao término de cada etapa; - Final: ao final do processo.
  • 60. • Parcial e final. - Parcial: cada etapa foi cumprida, respeitando suas solicitações. - Final: o projeto sugerido está de acordo com o nível de ensino; as atividades são possíveis de ser realizadas pelos alunos; o conteúdo é abordado de forma adequada; a informática está sendo utilizada como um meio (não fim).
  • 61.
  • 62. “Quando a Nasa enviou os primeiros astronautas ao espaço, descobriu que as canetas não funcionavam com gravidade zero. Para resolver esse problema, os engenheiros contrataram uma empresa especializada para projetar a caneta espacial. Dez anos e US$ 12 milhões depois, estava pronta a caneta que podia ser usada no espaço, em qualquer posição. Nem a temperatura poderia atrapalhar: a supercaneta funcionava bem fizesse frio ou calor. Os russos, que tiveram o mesmo problema, optaram por uma solução mais simples: passaram a usar um lápis.”
  • 63. BRAINSTORMING – TEMPESTADE CEREBRAL • 4 principais regras: • Críticas são rejeitadas: Esta é provavelmente a regra mais importante. • Criatividade é bem-vinda: Esta regra é utilizada para encorajar os participantes a sugerir qualquer idéia que lhe venha à mente, sem preconceitos e sem medo que isso o vá avaliar imediatamente. • Quantidade é necessária: Quanto mais idéias forem geradas, mais hipóteses há de encontrar uma boa idéia. Quantidade gera qualidade. • Combinação e aperfeiçoamento são necessários: O objetivo desta regra é encorajar a geração de idéias adicionais para a construção e reconstrução sobre as idéias dos outros.
  • 64. SCAMPER (SCAMCEA, em português) • S = Substituir (Que outro material? Outro local? Outro processo?) • C = combinar (Juntar idéias? Juntar propósitos? Juntar aparências?) • A = adaptar (O que mais em lugar disto? O que mais adicionar? Tornar maior? Mais freqüente? Multiplicar? Exagerar?) • M = modificar (Outra cor? Outro som? Outra forma? Outro sabor?) • C = colocar para (outras pessoas podem usar isto? Em que lugares posso fazer uso disto?) • E = eliminar (Diminuir? Subtrair? Condensar? Dividir?) • A = arrumar (Mudar de padrões? Outra aparência? Outra seqüência? Outra fórmula?)