Oficina Diversidade

260 visualizações

Publicada em

Apresentação desenvolvida por Andréa Teixeira e Verônica Land, em 8 de agosto de 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
260
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Falta o slide com fotos do projeto boneco de pano.`
  • Falta o slide com fotos do projeto boneco de pano.`
  • Barkley discorda da distinção TDAH e TDA: dentre os transtornos que envolvem atenção, para ele há apenas TDAH (déficit das funções executivas, com muitos ou poucos sintomas de hiperatividade/impulsividade) ou Tempo Cognitivo Lento/Déficit de Concentração (que pode ou não ter TDAH como comorbidade). No TCL temos crianças mais letárgicas, com dificuldade de compreensão; já no TDAH o problema está na produtividade, não na capacidade de compreensão.
    Pessoas letárgicas, paradas, que sonham acordadas e tem pouca interação social.
  • Defesa do TDAH como TDFE: mais importância ao problema ≠ “Problemas de atenção? Vá ao Starbucks e tome um café!”
  • Inibição comportamental: inibir a resposta predominante (vontade de agir no momento), inibir respostas em andamento que se mostrem ineficientes (sensibilidade aos erros) e inibir respostas a eventos irrelevantes (controle de interferências).
  • : aumentam agitação em 1 em cada 20 crianças com menos de 5 anos
  • durante o trabalho de casa algum barulho ou música beneficia (em ambientes entediantes há mais dispersão)
    A criança registra a sua produtividade num cartaz ou gráfico ao longo do dia.
    Autoavaliação/avaliação pelo professor (participação em aula, realização de tarefas, cumprimento das regras, relacionamento, dever de casa).
    O professor combina que quando falar “tartaruga” ou “resfriar”, a criança: pára o que está fazendo e junta as mãos e as pernas, olha ao redor da sua classe, pergunta a si mesma: o que eu deveria fazer?, retoma a tarefa que deveria estar fazendo.
    No caso de adolescentes: combinar dicas secretas para que ele preste atenção, como um pedacinho de papel colocado na carteira.
    Aulas expositivas, sente a criança na frente, não mande trabalho de aula para ser feito em casa, passe o dever de casa semanalmente, reduza ou elimine o dever de casa: pesquisas indicam a pouca relevância do trabalho de casa (Robinson & Pattall, 2006),, monitoria (pares), estimule a participação, não encorage a impulsividade fazendo perguntas para o primeiro que levantar a mão responder, alterne atividades chatas com atividades interessantes, coloque as atividades que exigem maior esforço no começo do dia (crianças), faça pausas frequentes, utilize material estruturado, deixe a criança escolher o objetivo do trabalho e o quanto ela acha que consegue fazer, aulas extras, estimule anotação do que é falado, tente recompensas para grupos.
    survey, draft or look at questions, read 1 paragrafo, recite major information out loud, write down, review


  • Responsabilizar a criança pelas suas ações(ela sabe a diferença entre o que é certo e errado) e cobrá-la com mais frequência.
  • Oficina Diversidade

    1. 1. Desenvolvida em 08/08/2015 por Andréa Teixeira e Verônica Land
    2. 2.  Com a chegada/ permanência dos alunos da educação especial na nossa escola, algumas acomodações foram necessárias: adaptações curriculares, avaliações diferenciadas (conteúdo e estratégias), professores mediadores e bi docentes.  A partir da preocupação com os transtornos de atenção e de aprendizagem, foram tomadas medidas como: ambiente silencioso com tempo extra durante as avaliações, ledores de provas, estimulação dentro e fora do turno nos Laboratórios de Aprendizagem.  Todas estas medidas vão além da proposta do MEC: Sala de Recursos Multifuncionais apenas para o público alvo da Educação Especial (DI,DF,TGD, Altas Habilidades) no contra turno da escolarização regular com ênfase na superação dos obstáculos à escolarização, sem abordagem de conteúdo.
    3. 3.  Todas estas medidas estão relacionadas à inclusão.  Mas a ideia de inclusão pressupõe a existência de um grupo dos diferentes que deve ser assimilado pelo grupo dominante.  A palavra que queremos destacar é DIVERSIDADE.  Pensar na Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva regular ( Maria Teresa Mantoan).  Propor mecanismos para superar a desigualdade: só aí poderemos perceber melhor as diferenças (David Rodrigues).  Equidade: deve nortear o resultado esperado, não a oferta (David Rodrigues).
    4. 4.  O conceito de arquitetura inclusiva está associado ao fim do homem padrão.  Ele é baseado nos princípios do desenho universal, que prega soluções simples e holísticas e busca criar ambientes que possam ser usados por todos, na sua máxima extensão possível, sem necessidade de adaptação ou projeto especializado para pessoas com deficiência.  UDL (Universal Design for Learning): década de 90 (David Rose), baseado nos princípios da neurociência, valoriza a flexibilização de métodos e materiais.  Proposta: ir além e pensar na flexibilização de todo o currículo: o exemplo da Escola da Ponte.
    5. 5. *Princípio: repensar a sala de aula comum a partir da ideia de diversidade, utilizando o conceito de desenho universal.  Estudos de Barkley sobre TDAH: elementos para se construir na sala de aula comum um ambiente que favoreça a aprendizagem de todos os alunos, inclusive aqueles que têm dificuldade de atenção.  Dificuldade de atenção: TDAH, TCL (Barkley), nova forma de inteligência construída na cibercultura (Lévy).
    6. 6.  É um transtorno quantitativo do desenvolvimento (atraso na maturação; regra dos 30%).  Transições que caracterizam a maturação do cérebro (30 anos): externo privado outros auto-regulação agora antecipação do futuro imediato gratificação adiada  Primeiro: falha em desenvolver a inibição motora e emocional (dificuldade para lidar com frustrações, irritabilidade, raiva); depois: atenção (sustentada direcionada para objetivos de médio e longo prazos, moldada por meios internos, ≠ moldada pelas contingências). Cegueira (ou miopia) temporal é a deficiência fundamental.
    7. 7.  Teoria de Barkley (2008) sobre TDAH: retardo evolutivo em processos relacionados à inibição da resposta.  A inibição comportamental é essencial à privatização do comportamento público (ele torna-se autodirigido e encoberto) e à realização efetiva de quatro funções executivas: memória de trabalho não verbal, memória de trabalho verbal, regulação emocional e reconstituição (planejamento e generatividade).  Função Executiva: processos neuropsicológicos necessários para sustentar a resolução de problemas em direção a um objetivo.
    8. 8. Quem tem TDAH tem problemas com:  tempo (capacidade de guardar imagens e outras informações do passado na mente e projetá-las adiante no tempo para prever o futuro contribui para formar o nosso sentido de tempo);  motivação ( se não se considera o tempo e o futuro, não se valoriza as gratificações maiores posteriores sobre as gratificações mais óbvias, imediatas e menores – esse aspecto melhora com a maturidade);  comportamento regido por regras (fala internalizada orienta o comportamento + desconsideração de consequências futuras);  déficit na compreensão da leitura (retardo na fala autodirigida e déficit na memória de trabalho verbal).
    9. 9.  TV e videogames não causam TDAH, aditivos como corantes artificiais também não (mas podem exacerbar determinados aspectos, segundo pesquisa publicada na revista Lancet, em 2011, por Lidy Pelsser).  1/3 adquirido (5% após o nascimento, 95% durante a gravidez): envenenamento por chumbo, tratamento para a leucemia, defesa do corpo contra streptococcus. (mais propenso a convulsões do que os casos genéticos; mais meninos que meninas).  2/3 : fatores genético hereditários. - Cinco regiões do cérebro são 3 a 10% menores (destaque para o cerebelo); isso não tem relação com a medicação. -Determinadas áreas relacionadas às FE são 10-25% menos ativas.  Pesquisa genética : versões mais longas do gene DAT1=muitas bombas de dopamina; interação entre genes e ambiente: genes específicos + gestante fumante = 8 vezes mais chance de desenvolver TDAH.
    10. 10. http://norxpills.xyz/atomoxetine-mechanism-of-action/
    11. 11.  O professor não vai tirar o TDAH do seu aluno: pastor, não engenheiro.  Modificar o ambiente.  Torne pessoal a sua intervenção: toque, faça contato visual, seja breve, mantenha o senso de humor, estabeleça prioridades, perdoe, não culpe os pais, estabeleça uma troca contínua com a família, encaminhe, crie parcerias.  Em aulas expositivas: carteiras viradas para frente. Estimular trabalho em grupo, em dupla.  Dicas para adolescentes: definir um mentor/técnico, fazer cartão de controle de comportamento semanal, sugerir que gravem aulas importantes, ensinar a sistematização de informações (SQ4R).
    12. 12.  Regras de comportamento e instruções claras, concisas e visíveis (exteriorizadas). Pedir para a criança repeti-las; criar cartazes com símbolos (vermelho: aula expositiva, amarelo: trabalho na carteira, verde: brincadeira livre).  As consequências (prêmios ou castigos) pelo cumprimento/descumprimento das regras devem ser mais frequentes, intensas e imediatas.  Prêmios devem ser constantemente modificados (sistema de pontos: modificados a cada 2-3 semanas).  Feedback constante: o aluno deve se reportar a uma pessoa durante o dia escolar; ele deve ser responsabilizado (prestar contas) por suas ações.  Antecipação: antes de transições de atividades ou aulas, rever com o aluno a mudança de regras.
    13. 13.  Exteriorizar as informações (memória de trabalho): stick notes, agendas, calendários, listas, cartazes.  Exteriorizar o tempo (timers, relógios, calendários, agendas) e quebrá-lo em pequenos pedaços (3 páginas, 4 frases, 15 pontos; trabalho por 10 minutos, descanso por 3). Prova sem tempo extra, mas com timers.  Exteriorizar a resolução de problemas: material concreto, ábacos, cartas para composição de redações.  E-R-C (estímulo/resposta/consequência) : manter próximos, como num game.  Exteriorizar a motivação: behaviorismo???
    14. 14.  Ênfase no planejamento das ações e no controle do tempo: estimulação das funções executivas.  Calendários, listas de tarefas, sistematização das informações (pesquisa sobre personagens), planejamento das etapas, trabalho em equipe.  Valorização da cultura popular e do que é artesanal, valorização da autoestima.
    15. 15.  Site: http://adhdlectures.com (curso online gratuito, em inglês com versão em espanhol).  Episódio dos Simpsons (Meu irmãozinho drogado): https://www.youtube.com/watch?v=gfsv9uI-mzw  Email: andreateixeira@globo.com veronicaland1975@gmail.com

    ×