SlideShare uma empresa Scribd logo

Maquinas sincronas

J
J
janderson paixão dos santosTECNICO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA PLENO na COMPANHIA ENERGÉTICA DO MARANHÃO - CEMAR em COMPANHIA ENERGÉTICA DO MARANHÃO - CEMAR

apostila para estudo de maquinas sincronas

Maquinas sincronas

1 de 11
Baixar para ler offline
Apostila 2 – Disciplina de Conversão de Energia B
Introdução à Máquina Síncrona
1. Introdução
Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas
das máquinas síncronas. Também são abordados os processos de geração de tensão nos terminais
da máquina em vazio.
Assim como as máquinas de corrente contínua e as máquinas de indução (assíncronas), as
máquinas síncronas podem ser utilizadas tanto como motores como geradores. Devido a razões
construtivas e ao seu custo maior em relação às máquinas de indução, elas são entretanto mais
utilizadas como geradores. Como motores elas são em geral utilizadas em altas potências (acima
de 600 CV), onde apresentam vantagens importantes em relação aos motores de indução. Por
outro lado, máquinas síncronas a imãs permanentes vem tendo uma utilização cada vez maior
em baixas e médias potências especialmente quando se necessita de velocidade variável, alto
rendimento e respostas dinâmicas rápidas. Tanto as máquinas síncronas tradicionais de rotor
bobinado como as máquinas síncronas a imãs permanentes necessitam em geral um conversor
para o seu acionamento e controle, caso seja necessários que elas operem como motor com
velocidade variável.
Uma utilização típica da máquina síncrona funcionando como gerador é em centrais elétricas,
independente do seu tipo (hídrica, a carvão, a diesel, etc...). Praticamente toda a energia
elétrica disponível é produzida por geradores síncronos em centrais elétricas; eles convertem,
assim energia mecânica em elétrica. Geradores síncronos também são utilizados para geração de
energia elétrica em centrais de pequeno porte e em grupos geradores de emergência, os quais
são instalados em indústrias, hospitais, aeroportos, etc... Neste caso o gerador não está ligado a
um grande sistema de energia, mas funcionando de forma isolada.
2. Princípio de Funcionamento do Gerador Síncrono
A máquina síncrona é composta do estator, que aloja um enrolamento monofásico ou trifásico e
onde será induzida tensão pelo movimento do rotor. No enrolamento do estator será induzida
uma tensão alternada, a qual produzirá uma corrente igualmente alternada quando o mesmo se
encontrar sob carga. O rotor contém um enrolamento que é alimentado com corrente contínua e
que serve para criar campo magnético principal na máquina.
O princípio de funcionamento de um gerador é muito semelhante ao de uma máquina de
corrente contínua (figura 1). Conforme foi visto em disciplinas anteriores, sempre que houver
um movimento relativo entre um condutor e um campo magnético haverá uma tensão induzida
no condutor. No caso da máquina síncrona os condutores são fixos na armadura e o campo
magnético é forçado pela máquina primária a se mover. Por sua vez, a máquina primária é
acoplada mecanicamente ao rotor onde estão alojados os pólos e exerce sobre eles uma força
fazendo-os girar. O movimento relativo entre o campo e o condutor faz com que surja uma
tensão nos terminais do gerador. Ao ser ligado a uma carga a tensão induzida faz com que
circule corrente pelo gerador e pela carga. A potência mecânica transferida pela máquina
primária é assim convertida em energia elétrica (descontadas as perdas). O enrolamento de
campo (alojado nos pólos) é alimentado por uma fonte de corrente contínua por meio de anéis
deslizantes. Existem sistemas em que não existem anéis e escovas, sendo que a tensão contínua
necessária ao enrolamento de campo é fornecida por meio de um sistema de excitação estático
(brushless), formado por uma ou mais excitatrizes montadas no eixo e por dispositivos a base de
Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 2
semicondutores. O gerador síncrono produz uma tensão do tipo alternada senoidal, podendo ser
monofásica ou trifásica.
Numa máquina existem não apenas um condutor sendo movimentado no campo magnético, mas
uma série de condutores ligados em série, fazendo com que a potência convertida seja maior
que no caso de apenas um condutor. Com este arranjo a potência da máquina é maior,
aumentando o grau de aproveitamento dos materiais.
3. Partes Construtivas Principais
As partes construtivas principais de um gerador síncrono são mostradas na figura 1 de forma
esquemática e são discutidas brevemente no que segue.
3.1 Estator
O estator da máquina síncrona é muito semelhante ao de um motor de indução. É composto de
chapas laminadas dotadas de ranhuras axiais onde é alojado o enrolamento do estator. As chapas
possuem características magnéticas de alta permeabilidade, criando um caminho magnético de
baixa relutância para o fluxo, diminuindo assim o fluxo disperso e concentrando o campo no
entreferro. A construção do rotor a partir de chapas tem a mesma justificativa que para os
demais tipos de máquinas: diminuição das perdas provocadas por correntes parasitas (correntes
de Foucault), as quais estariam presentes em maior grau, caso fosse empregado uma construção
maciça. As chapas são em geral tratadas termicamente a fim de reduzir o valor das perdas
específicas por correntes induzidas. Não existe, em geral, uma isolação física entre as chapas
que compõem o rotor e o estator. O enrolamento do estator pode ser tanto monofásico como
trifásico. Em geral as máquinas síncronas são trifásicas, sendo que geradores monofásicos são
mais utilizados em pequenas potências, ou quando não existe uma rede trifásica disponível,
como em áreas rurais. Quando construídos para baixa tensão as bobinas do estator são formadas
de fios com seção circular e esmaltados; as ranhuras do estator são neste caso do tipo semi-
abertas (figura 2a). No caso de enrolamentos de alta tensão os condutores são de seção
retangular e as bobinas recebem uma camada extra de isolação com material a base de mica,
sendo que as ranhuras são do tipo aberta (figura 2b). A conexão dos enrolamentos segue o
mesmo padrão que para as máquinas de indução, havendo máquinas com enrolamentos para
ligação série-paralela, estrêla-triângulo e máquinas com tripla tensão nominal. Estas ligações
foram abordadas e discutidas na apostila 1.
3.2 Rotor
O rotor é também formado de chapas laminadas justapostas que em geral são do mesmo
material que o estator. Do ponto de vista construtivo existem dois tipos básicos de rotores:
rotores contento pólos salientes e rotores contendo pólos lisos (figura 3a e 3b,
respectivamente). Esta diferenciação conduz a modelos equivalentes diferentes, mas não altera
em nada o princípio de funcionamento, que permanece idêntico para ambos. Rotores de pólos
lisos são em geral empregados em turboalternadores, onde o número de pólos é 2 ou 4. Este
emprego provém do fato que rotores com pólos lisos são mais robustos sendo assim mais aptos a
trabalharem em altas rotações (3600 e 1800 rpm). Os geradores em pólos saliente são em geral
empregados com número de pólos igual ou superior que 4. A escolha do número de pólos é
ditado pela rotação mais apropriada para máquina primária. Turbinas hidráulicas, por exemplo,
trabalham com baixa rotação, sendo por isso necessário geradores com alto número de pólos. A
velocidade de rotação da turbina hidráulica varia em função da pressão hidráulica existente e
em função da altura da queda d´água, sendo que ela se situa entre 50 a 600 rpm. Além disso a
velocidade também varia em função do tipo da turbina (Francis, Kaplan, Pelton, etc...). Este
tipo de gerador em geral é construído com eixo vertical, possuindo grande diâmetro e pequeno
Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 3
comprimento axial; esta relação entre comprimento e diâmetro é ditada pela baixa rotação a
que estão sujeitos (alto número de pólos). Turbogeradores em geral são construídos com eixo
horizontal e possuem diâmetro reduzido e comprimento axial maior que o diâmetro, devido ao
fato de girarem a altas rotações. Grupos geradores a diesel, por outro lado, utilizam geradores
com número de pólos entre 4 e 8. No caso de pólos salientes o enrolamento de campo, também
chamado de enrolamento de excitação, é alojado no espaço interpolar. No caso de pólos lisos o
enrolamento de campo é distribuído em ranhuras, as quais em geral cobrem apenas uma parte
da superfície do rotor. Além do enrolamento de campo, o rotor pode conter também um
enrolamento semelhante ao do rotor da máquina de indução em gaiola. Este enrolamento é
chamado de enrolamento amortecedor e é alojado em ranhuras semi-abertas e de formato
redondo sobre a superfície do rotor. Conforme o nome sugere, ele serve para amortecer
oscilações que ocorrem em condições transitórias, como por exemplo uma retirada brusca de
carga, alterações súbitas de tensão, variações de velocidade, etc.... Ele confere, assim, uma
maior estabilidade à máquina. Neste enrolamento só é induzida tensão quando ocorrem
fenômenos transitórios na máquina, em condições normais e em regime permanente não há nem
tensão nem corrente induzida neste enrolamento; as suas dimensões são portanto reduzidas em
relação ao enrolamento do estator e do rotor. No caso de motores síncronos ele pode também
funcionar como dispositivo arranque, funcionando da mesma forma que o enrolamento em gaiola
de esquilo dos motores de indução. O enrolamento neste caso se chama enrolamento de partida
e a partida do motor é chamada de partida assíncrona; neste caso o motor não possui, via de
regra, carga no eixo durante a partida.
Devido ao fato de não haver em regime permanente variações de fluxo em relação ao rotor, este
pode também ser construído de um material sólido, ao invés de lâminas. Assim, em algumas
máquinas todo o ou parte do rotor é construído de material sólido, a fim de aumentar a rigidez
mecânica. Neste caso, a própria superfície do rotor funciona como enrolamento amortecedor,
sendo desnecessário um enrolamento amortecedo inserido em ranhuras.
Independente da forma construtiva, os pólos são alimentados com corrente contínua e criam o
campo principal que induz tensão na armadura. A alimentação do enrolamento de excitação
pode ser feita por meio de anéis e escovas. A grande maioria dos geradores de média e baixa
potência, utiliza sistemas de excitação sem escovas, chamado de sistema de excitação
brushless. Neste caso a excitação é fornecida por meio de excitatrizes auxiliares montadas no
eixo da máquina e de dispositivos a base de semicondutores. Detalhes desta forma de excitação
podem ser encontrados em catálogos de fabricantes.
3.3 Conjunto de Escovas e Anéis
Têm por função conectar a fonte de corrente contínua com os pólos do rotor. Tratando-se de
componentes que se desgastam e que podem produzir faíscas e interferência eletromagnética,
em geral se empregam geradores com excitação sem escovas, denominados geradores brushless.
4. Valores Nominais
Os principais valores nominais das máquinas síncronas são discutidos a seguir. Os valores
nominais se referem ao funcionamento da máquina como gerador.
4.1 Tensão Nominal
É a tensão de trabalho do enrolamento do estator. Existem máquinas de baixa tensão (tensão
abaixo de 600 volts) e máquinas de alta tensão (tensão acima de 600 volts). Quando a máquina
funciona como gerador e não estiver ligado a um grande sistema, deve-se prover a máquina de
um regulador de tensão, o qual atua na fonte de corrente contínua que alimenta os pólos do
rotor e tem por função manter a tensão no valor nominal.
Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 4
4.2 Potência Nominal (Gerador)
É a potência aparente fornecida ao circuito elétrico conectado aos terminais do gerador, dada
pela seguinte equação:
lle IVP ⋅= (monofásico) (1)
lle IV3P ⋅⋅= (trifásico) (2)
A potência ativa fornecida pelo gerador depende da característica da carga, sendo dada pelas
expressões:
( )ϕ⋅⋅= cosIVP lle (monofásico) (3)
( )ϕ⋅⋅⋅= cosIV3P lle (trifásico) (4)
cos( )ϕ - fator de potência do gerador (igual ao da carga quando o gerador trabalha isolado)
lI - Corrente de linha
lV - Tensão de linha
Considerando o caso em que o gerador trabalha de forma isolada, ou seja desconectado de um
grande sistema de energia, o fator de potência com que o gerador trabalha depende
exclusivamente da característica da carga a ele ligada. Todo o gerador deve, assim, ser capaz de
fornecer a potência nominal dentro dos limites de fator de potência estabelecidos pelo
fabricante. A faixa de valores para o de fator de potência se situa em geral entre 0.8 e 1.0. A
potência ativa e reativa fornecida pelo gerador é neste caso idêntica à da carga a ele ligada. A
tensão terminal é mantida no valor nominal por meio do regulador de tensão.
Considerando, por outro lado, que o gerador trabalhe conectado a um grande sistema de energia
com tensão e freqüência fixas, pode-se controlar a quantidade energia reativa, e o fator de
potência com que o gerador trabalha, controlando-se a corrente de excitação do mesmo.
Contudo, a faixa de operação do fator de potência deve ser respeitada. A quantidade de energia
ativa que o gerador fornece aos sistema a ele ligado é controlado atuando-se sobre a máquina
primária, a qual deve fornecer a potência ativa nos terminais mais as perdas.
Uma vantagem da máquina síncrona operando como motor é que o seu fator de potência pode
ser ajustado por meio da corrente de excitação, permitindo que o motor trabalhe tanto com
fatores de potência em adianto como em atraso. O motor síncrono pode, assim fornecer energia
reativa para a rede e também absorver energia reativa. Por essa característica ele é também
empregado como forma de corrigir o fator de potência de instalações industriais.
4.3 Rendimento
O rendimento para a máquina funcionando como gerador é dado pela equação:
( )
100
P
PP
100
P
P
m
pm
m
e
⋅
−
=⋅=η (%) (5)
η - rendimento em percentual (%)
mP - potência mecânica fornecida pela máquina primária no eixo (Watt)
Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 5
eP - potência elétrica fornecida à carga ligada aos terminais (Watt).
pP - perdas (watt).
A curva de rendimento em função da carga é semelhante à curva para o motor de indução,
sendo o rendimento muito próximo do nominal na faixa de 75% a 100% da potência nominal.
4.4 Tipos de Conexões
Como o estator é praticamente idêntico ao de um motor de indução ele pode ser conectado
segundo as mesmas ligações que o motor de indução, abordadas na apostila 1: conexão série-
paralela, conexão estrêla-triângulo e tripla tensão nominal.
4.5 Freqüência
A máquina síncrona sempre gira à velocidade síncrona (exceto em condições transitórias ou sob
algum tipo de oscilação). A velocidade síncrona é definida pela rotação da máquina primária, a
qual fornece a potência ativa para o sistema ligado ao gerador. A freqüência da tensão gerada
depende assim da velocidade de giro e do número de pólos, de acordo com a equação:
120
pn
f s ⋅
= (Hz) (6)
f - freqüência (Hz) da tensão gerada.
p - número de pólos da máquina, determinado pela construção da máquina. Ele é escolhido
em função da rotação da máquina primária.
sn - rotação da máquina primária (rpm).
De acordo com a equação acima, tomando-se uma máquina primária que gira a 1800 rpm e um
gerador de 4 pólos obtém-se :
60
120
41800
f =
⋅
= Hz.
Caso seja necessário que o gerador produza uma tensão a 50 Hz será necessário alterar a rotação
da máquina primária para 1500 rpm.
5. Tensão Induzida no Estator a Vazio
Sendo o processo de indução de tensão no estator de máquinas síncronas essencial para o
entendimento do seu funcionamento, no que segue é apresentado brevemente as equações
básicas que regem este fenômeno. Maiores detalhes são encontrados na bibliografia. A análise
permanece válida também para qualquer número de pólos.
A figura 4 ilustra de forma esquemática o arranjo de uma máquina síncrona, onde para facilitar
a análise, os enrolamentos do estator são concêntricos, ou seja cada fase é alojada em duas
ranhuras de passo diametral (não encurtado). Com base neste arranjo, pode-se estender a
análise para o caso mais geral de enrolamentos distribuídos e com passo encurtado. O rotor
possui dois pólos, a análise continua válida contudo para um número de pólos maior que 2. O
fluxo produzido pelo rotor é assumido como sendo distribuído de forma senoidal sobre a
periferia do estator. Sendo que os geradores são empregados em sistemas com tensões
senoidais, eles são projetados e construídos para que a sua tensão induzida seja o mais próximo
possível de uma senóide. Esta exigência impõe que a distribuição da indução no entreferro deva
Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 6
ser muito próxima de uma senóide. Isto é obtido basicamente pela forma como os enrolamentos
do estator são distribuídos ao longo da superfície interna do estator. No caso da máquina de
pólos salientes uma influência acentuada na forma da tensão induzida é também exercida pela
forma geométrica dos pólos, os quais são cuidadosamente projetados para produzir uma indução
senoidal no entreferro (figura 3a). No caso da máquina de pólos lisos a indução
aproximadamente senoidal no entreferro é obtida pela forma como o enrolamento de campo é
distribuído sobre a superfície do rotor e pela relação entre a parte ranhurada e a parte lisa do
rotor (figura 3b). Desta forma, a hipótese de assumir uma distribuição aproximadamente
senoidal para a indução no entreferro está de acordo com as características construtivas tanto
do gerador de pólos lisos como do gerador de pólos salientes. Sendo que a hipótese se aplica a
ambos os tipos de geradores (pólos lisos e salientes) a formulação que segue se aplica
igualmente a ambos. A velocidade de rotação do rotor também é assumida constante.
De acordo com a figura 4, o fluxo produzido pelo rotor é denominado de Φ e o fluxo
concatenado com as N espiras de cada fase é Φ⋅=λ N . A densidade de fluxo no entreferro é
dada pela expressão:
)cos(B)(B m θ⋅=θ (7)
mB - indução máxima no entreferro no centro do pólo
θ - ângulo elétrico medido a partir o eixo magnético do rotor (centro do pólo)
O fluxo sob um pólo é dado pela integral da indução, o qual resulta para uma máquina de p
pólos:
p
2
drL)cos(B
2
2
m ⋅θ⋅⋅⋅θ⋅=Φ
π
+
π
−
(8)
r - raio da superfície interna do estator
L - comprimento axial do estator
p - número do pólos da máquina
A constante 2/p que aparece na expressão acima decorre da conversão entre graus elétricos e
graus mecânicos. Avaliando-se a expressão acima, resulta para o fluxo sob um pólo :
p
2
rLB2 m ⋅⋅⋅⋅=Φ (9)
Conforme o rotor gira o fluxo concatenado com cada fase varia com o coseno do ângulo entre o
eixo magnético da fase e do rotor, dado por t⋅ω=α , onde t é o tempo e ω é a velocidade
angular (rad/s) do rotor. O fluxo concatenado com a fase a é então:
)tcos(N)cos(N)cos(N)t( ⋅ω⋅Φ⋅=α⋅Φ⋅=α⋅Φ⋅=λ (10)
A origem do tempo, simbolizado por t, é escolhido como o instante em que o eixo da fase a
coincide com o eixo magnético do rotor. De acordo com a Lei de Faraday, a tensão induzida no
enrolamento da fase a é dada por:
)t(sinN)tcos(
dt
d
N
dt
)t(d
e ⋅ω⋅ω⋅Φ⋅−⋅ω⋅
Φ
⋅=
λ
= (11)

Recomendados

Máquinas síncronas
Máquinas síncronasMáquinas síncronas
Máquinas síncronaseselco
 
motores trifasicos de ca
  motores trifasicos de ca  motores trifasicos de ca
motores trifasicos de caRenato Campos
 
[Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos][Motores sincronos e assincronos]
[Motores sincronos e assincronos]Daniel Santos
 
Maquinas assincronas
Maquinas assincronasMaquinas assincronas
Maquinas assincronasSamuel R
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Single phase and special propose motors
Single phase and special propose motorsSingle phase and special propose motors
Single phase and special propose motorsAngelo Hafner
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoLuiz Carlos Farkas
 
Acionamentos de maquinas motores - inversores e soft starter's
Acionamentos de maquinas   motores - inversores e soft starter'sAcionamentos de maquinas   motores - inversores e soft starter's
Acionamentos de maquinas motores - inversores e soft starter'sElizeu Paulino
 
3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantesWilliam Andrade
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasRodrigo Prado
 
Aulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ibAulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ibRenata Nascimento
 
Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricoselliando dias
 
Motor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teoricaMotor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teoricaDaniel Ferrari
 
Como funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricosComo funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricosEverton Moura
 
Trabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores ccTrabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores ccTalita Medeiros
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007DeyvidDacoregio
 

Mais procurados (20)

Single phase and special propose motors
Single phase and special propose motorsSingle phase and special propose motors
Single phase and special propose motors
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Clic aqui
Clic aquiClic aqui
Clic aqui
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
 
Motor monofasico pronto
Motor monofasico prontoMotor monofasico pronto
Motor monofasico pronto
 
Acionamentos de maquinas motores - inversores e soft starter's
Acionamentos de maquinas   motores - inversores e soft starter'sAcionamentos de maquinas   motores - inversores e soft starter's
Acionamentos de maquinas motores - inversores e soft starter's
 
3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes3.0 m quinas el tricas girantes
3.0 m quinas el tricas girantes
 
motores e geradores
motores e geradoresmotores e geradores
motores e geradores
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
Motores elétricos
Motores elétricosMotores elétricos
Motores elétricos
 
Aulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ibAulas máquinas eléctricas ib
Aulas máquinas eléctricas ib
 
Motores de passo
Motores de passoMotores de passo
Motores de passo
 
Acionamentos Elétricos
Acionamentos ElétricosAcionamentos Elétricos
Acionamentos Elétricos
 
Assincronas
AssincronasAssincronas
Assincronas
 
Motor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teoricaMotor de inducao_parte_teorica
Motor de inducao_parte_teorica
 
Motor
MotorMotor
Motor
 
Como funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricosComo funcionam os motores elétricos
Como funcionam os motores elétricos
 
Trabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores ccTrabalho eletro motores cc
Trabalho eletro motores cc
 
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
Modulo1 geradores ca 1 a 21_2007
 

Semelhante a Maquinas sincronas

Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxjoelson37
 
Circuitos_Trifasicos.pdf
Circuitos_Trifasicos.pdfCircuitos_Trifasicos.pdf
Circuitos_Trifasicos.pdfssuser823aef
 
Apostila ete parte_2_2012_01
Apostila ete parte_2_2012_01Apostila ete parte_2_2012_01
Apostila ete parte_2_2012_01Carina Nogueira
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfantoniogff
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccIgor Fortal
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfvasco74
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfTomaz13
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de induçãoDorival Brito
 
Motor sincrono especific_w
Motor sincrono especific_wMotor sincrono especific_w
Motor sincrono especific_wDENIVALDO
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasLincoln Ribeiro
 
Apostila acionamentos eletricos
Apostila acionamentos eletricosApostila acionamentos eletricos
Apostila acionamentos eletricosPaulo Martins
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasPaulo Ricardo
 
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdf
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdfAPOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdf
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdfssuser823aef
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasandydurdem
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasandydurdem
 

Semelhante a Maquinas sincronas (20)

Motores
MotoresMotores
Motores
 
Motores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptxMotores de Indução 2023.pptx
Motores de Indução 2023.pptx
 
Circuitos_Trifasicos.pdf
Circuitos_Trifasicos.pdfCircuitos_Trifasicos.pdf
Circuitos_Trifasicos.pdf
 
Apostila ete parte_2_2012_01
Apostila ete parte_2_2012_01Apostila ete parte_2_2012_01
Apostila ete parte_2_2012_01
 
aula_11.pdf
aula_11.pdfaula_11.pdf
aula_11.pdf
 
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdfte039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
te039 aula 19 - motores eletricos (1).pdf
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
 
Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2Apostila maquinas eletricas_2
Apostila maquinas eletricas_2
 
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdfte344 aula 30 - motores eletricos.pdf
te344 aula 30 - motores eletricos.pdf
 
1 motores de indução
1 motores de indução1 motores de indução
1 motores de indução
 
Motor sincrono especific_w
Motor sincrono especific_wMotor sincrono especific_w
Motor sincrono especific_w
 
Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01Acionamentos aula 01
Acionamentos aula 01
 
Máquinas cc
Máquinas ccMáquinas cc
Máquinas cc
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
 
Apostila acionamentos eletricos
Apostila acionamentos eletricosApostila acionamentos eletricos
Apostila acionamentos eletricos
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
 
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdf
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdfAPOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdf
APOSTILA_DE_ACIONAMENTOS_ELETRICOS.pdf
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemias
 
Acionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemiasAcionamentos eletricos 2008 neemias
Acionamentos eletricos 2008 neemias
 

Último

(43)98816 5388 ASSESSORIA ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...daimonkonicz6
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...AaAssessoriadll
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...daimonkonicz6
 
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdf
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdfArtigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdf
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdfCassioZakabi
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...daimonkonicz6
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Unicesumar
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfphvs120
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...AaAssessoriadll
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...mariaclarinhaa2723
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...AcademicaDlaUnicesum
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.pptJefersonCavalcante10
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...AcademicaDlaUnicesum
 

Último (15)

(43)98816 5388 ASSESSORIA ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ECIV - MAPA - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
 
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdf
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdfArtigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdf
Artigo científico Cassio Kazedani Zakabi.pdf
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
 
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdfQuímica Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
Química Geral - Aula 1 - Introdução.pdf
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
 
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
A prescrição de exercícios físicos deve ser realizada de forma correta e base...
 

Maquinas sincronas

  • 1. Apostila 2 – Disciplina de Conversão de Energia B Introdução à Máquina Síncrona 1. Introdução Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas. Também são abordados os processos de geração de tensão nos terminais da máquina em vazio. Assim como as máquinas de corrente contínua e as máquinas de indução (assíncronas), as máquinas síncronas podem ser utilizadas tanto como motores como geradores. Devido a razões construtivas e ao seu custo maior em relação às máquinas de indução, elas são entretanto mais utilizadas como geradores. Como motores elas são em geral utilizadas em altas potências (acima de 600 CV), onde apresentam vantagens importantes em relação aos motores de indução. Por outro lado, máquinas síncronas a imãs permanentes vem tendo uma utilização cada vez maior em baixas e médias potências especialmente quando se necessita de velocidade variável, alto rendimento e respostas dinâmicas rápidas. Tanto as máquinas síncronas tradicionais de rotor bobinado como as máquinas síncronas a imãs permanentes necessitam em geral um conversor para o seu acionamento e controle, caso seja necessários que elas operem como motor com velocidade variável. Uma utilização típica da máquina síncrona funcionando como gerador é em centrais elétricas, independente do seu tipo (hídrica, a carvão, a diesel, etc...). Praticamente toda a energia elétrica disponível é produzida por geradores síncronos em centrais elétricas; eles convertem, assim energia mecânica em elétrica. Geradores síncronos também são utilizados para geração de energia elétrica em centrais de pequeno porte e em grupos geradores de emergência, os quais são instalados em indústrias, hospitais, aeroportos, etc... Neste caso o gerador não está ligado a um grande sistema de energia, mas funcionando de forma isolada. 2. Princípio de Funcionamento do Gerador Síncrono A máquina síncrona é composta do estator, que aloja um enrolamento monofásico ou trifásico e onde será induzida tensão pelo movimento do rotor. No enrolamento do estator será induzida uma tensão alternada, a qual produzirá uma corrente igualmente alternada quando o mesmo se encontrar sob carga. O rotor contém um enrolamento que é alimentado com corrente contínua e que serve para criar campo magnético principal na máquina. O princípio de funcionamento de um gerador é muito semelhante ao de uma máquina de corrente contínua (figura 1). Conforme foi visto em disciplinas anteriores, sempre que houver um movimento relativo entre um condutor e um campo magnético haverá uma tensão induzida no condutor. No caso da máquina síncrona os condutores são fixos na armadura e o campo magnético é forçado pela máquina primária a se mover. Por sua vez, a máquina primária é acoplada mecanicamente ao rotor onde estão alojados os pólos e exerce sobre eles uma força fazendo-os girar. O movimento relativo entre o campo e o condutor faz com que surja uma tensão nos terminais do gerador. Ao ser ligado a uma carga a tensão induzida faz com que circule corrente pelo gerador e pela carga. A potência mecânica transferida pela máquina primária é assim convertida em energia elétrica (descontadas as perdas). O enrolamento de campo (alojado nos pólos) é alimentado por uma fonte de corrente contínua por meio de anéis deslizantes. Existem sistemas em que não existem anéis e escovas, sendo que a tensão contínua necessária ao enrolamento de campo é fornecida por meio de um sistema de excitação estático (brushless), formado por uma ou mais excitatrizes montadas no eixo e por dispositivos a base de
  • 2. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 2 semicondutores. O gerador síncrono produz uma tensão do tipo alternada senoidal, podendo ser monofásica ou trifásica. Numa máquina existem não apenas um condutor sendo movimentado no campo magnético, mas uma série de condutores ligados em série, fazendo com que a potência convertida seja maior que no caso de apenas um condutor. Com este arranjo a potência da máquina é maior, aumentando o grau de aproveitamento dos materiais. 3. Partes Construtivas Principais As partes construtivas principais de um gerador síncrono são mostradas na figura 1 de forma esquemática e são discutidas brevemente no que segue. 3.1 Estator O estator da máquina síncrona é muito semelhante ao de um motor de indução. É composto de chapas laminadas dotadas de ranhuras axiais onde é alojado o enrolamento do estator. As chapas possuem características magnéticas de alta permeabilidade, criando um caminho magnético de baixa relutância para o fluxo, diminuindo assim o fluxo disperso e concentrando o campo no entreferro. A construção do rotor a partir de chapas tem a mesma justificativa que para os demais tipos de máquinas: diminuição das perdas provocadas por correntes parasitas (correntes de Foucault), as quais estariam presentes em maior grau, caso fosse empregado uma construção maciça. As chapas são em geral tratadas termicamente a fim de reduzir o valor das perdas específicas por correntes induzidas. Não existe, em geral, uma isolação física entre as chapas que compõem o rotor e o estator. O enrolamento do estator pode ser tanto monofásico como trifásico. Em geral as máquinas síncronas são trifásicas, sendo que geradores monofásicos são mais utilizados em pequenas potências, ou quando não existe uma rede trifásica disponível, como em áreas rurais. Quando construídos para baixa tensão as bobinas do estator são formadas de fios com seção circular e esmaltados; as ranhuras do estator são neste caso do tipo semi- abertas (figura 2a). No caso de enrolamentos de alta tensão os condutores são de seção retangular e as bobinas recebem uma camada extra de isolação com material a base de mica, sendo que as ranhuras são do tipo aberta (figura 2b). A conexão dos enrolamentos segue o mesmo padrão que para as máquinas de indução, havendo máquinas com enrolamentos para ligação série-paralela, estrêla-triângulo e máquinas com tripla tensão nominal. Estas ligações foram abordadas e discutidas na apostila 1. 3.2 Rotor O rotor é também formado de chapas laminadas justapostas que em geral são do mesmo material que o estator. Do ponto de vista construtivo existem dois tipos básicos de rotores: rotores contento pólos salientes e rotores contendo pólos lisos (figura 3a e 3b, respectivamente). Esta diferenciação conduz a modelos equivalentes diferentes, mas não altera em nada o princípio de funcionamento, que permanece idêntico para ambos. Rotores de pólos lisos são em geral empregados em turboalternadores, onde o número de pólos é 2 ou 4. Este emprego provém do fato que rotores com pólos lisos são mais robustos sendo assim mais aptos a trabalharem em altas rotações (3600 e 1800 rpm). Os geradores em pólos saliente são em geral empregados com número de pólos igual ou superior que 4. A escolha do número de pólos é ditado pela rotação mais apropriada para máquina primária. Turbinas hidráulicas, por exemplo, trabalham com baixa rotação, sendo por isso necessário geradores com alto número de pólos. A velocidade de rotação da turbina hidráulica varia em função da pressão hidráulica existente e em função da altura da queda d´água, sendo que ela se situa entre 50 a 600 rpm. Além disso a velocidade também varia em função do tipo da turbina (Francis, Kaplan, Pelton, etc...). Este tipo de gerador em geral é construído com eixo vertical, possuindo grande diâmetro e pequeno
  • 3. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 3 comprimento axial; esta relação entre comprimento e diâmetro é ditada pela baixa rotação a que estão sujeitos (alto número de pólos). Turbogeradores em geral são construídos com eixo horizontal e possuem diâmetro reduzido e comprimento axial maior que o diâmetro, devido ao fato de girarem a altas rotações. Grupos geradores a diesel, por outro lado, utilizam geradores com número de pólos entre 4 e 8. No caso de pólos salientes o enrolamento de campo, também chamado de enrolamento de excitação, é alojado no espaço interpolar. No caso de pólos lisos o enrolamento de campo é distribuído em ranhuras, as quais em geral cobrem apenas uma parte da superfície do rotor. Além do enrolamento de campo, o rotor pode conter também um enrolamento semelhante ao do rotor da máquina de indução em gaiola. Este enrolamento é chamado de enrolamento amortecedor e é alojado em ranhuras semi-abertas e de formato redondo sobre a superfície do rotor. Conforme o nome sugere, ele serve para amortecer oscilações que ocorrem em condições transitórias, como por exemplo uma retirada brusca de carga, alterações súbitas de tensão, variações de velocidade, etc.... Ele confere, assim, uma maior estabilidade à máquina. Neste enrolamento só é induzida tensão quando ocorrem fenômenos transitórios na máquina, em condições normais e em regime permanente não há nem tensão nem corrente induzida neste enrolamento; as suas dimensões são portanto reduzidas em relação ao enrolamento do estator e do rotor. No caso de motores síncronos ele pode também funcionar como dispositivo arranque, funcionando da mesma forma que o enrolamento em gaiola de esquilo dos motores de indução. O enrolamento neste caso se chama enrolamento de partida e a partida do motor é chamada de partida assíncrona; neste caso o motor não possui, via de regra, carga no eixo durante a partida. Devido ao fato de não haver em regime permanente variações de fluxo em relação ao rotor, este pode também ser construído de um material sólido, ao invés de lâminas. Assim, em algumas máquinas todo o ou parte do rotor é construído de material sólido, a fim de aumentar a rigidez mecânica. Neste caso, a própria superfície do rotor funciona como enrolamento amortecedor, sendo desnecessário um enrolamento amortecedo inserido em ranhuras. Independente da forma construtiva, os pólos são alimentados com corrente contínua e criam o campo principal que induz tensão na armadura. A alimentação do enrolamento de excitação pode ser feita por meio de anéis e escovas. A grande maioria dos geradores de média e baixa potência, utiliza sistemas de excitação sem escovas, chamado de sistema de excitação brushless. Neste caso a excitação é fornecida por meio de excitatrizes auxiliares montadas no eixo da máquina e de dispositivos a base de semicondutores. Detalhes desta forma de excitação podem ser encontrados em catálogos de fabricantes. 3.3 Conjunto de Escovas e Anéis Têm por função conectar a fonte de corrente contínua com os pólos do rotor. Tratando-se de componentes que se desgastam e que podem produzir faíscas e interferência eletromagnética, em geral se empregam geradores com excitação sem escovas, denominados geradores brushless. 4. Valores Nominais Os principais valores nominais das máquinas síncronas são discutidos a seguir. Os valores nominais se referem ao funcionamento da máquina como gerador. 4.1 Tensão Nominal É a tensão de trabalho do enrolamento do estator. Existem máquinas de baixa tensão (tensão abaixo de 600 volts) e máquinas de alta tensão (tensão acima de 600 volts). Quando a máquina funciona como gerador e não estiver ligado a um grande sistema, deve-se prover a máquina de um regulador de tensão, o qual atua na fonte de corrente contínua que alimenta os pólos do rotor e tem por função manter a tensão no valor nominal.
  • 4. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 4 4.2 Potência Nominal (Gerador) É a potência aparente fornecida ao circuito elétrico conectado aos terminais do gerador, dada pela seguinte equação: lle IVP ⋅= (monofásico) (1) lle IV3P ⋅⋅= (trifásico) (2) A potência ativa fornecida pelo gerador depende da característica da carga, sendo dada pelas expressões: ( )ϕ⋅⋅= cosIVP lle (monofásico) (3) ( )ϕ⋅⋅⋅= cosIV3P lle (trifásico) (4) cos( )ϕ - fator de potência do gerador (igual ao da carga quando o gerador trabalha isolado) lI - Corrente de linha lV - Tensão de linha Considerando o caso em que o gerador trabalha de forma isolada, ou seja desconectado de um grande sistema de energia, o fator de potência com que o gerador trabalha depende exclusivamente da característica da carga a ele ligada. Todo o gerador deve, assim, ser capaz de fornecer a potência nominal dentro dos limites de fator de potência estabelecidos pelo fabricante. A faixa de valores para o de fator de potência se situa em geral entre 0.8 e 1.0. A potência ativa e reativa fornecida pelo gerador é neste caso idêntica à da carga a ele ligada. A tensão terminal é mantida no valor nominal por meio do regulador de tensão. Considerando, por outro lado, que o gerador trabalhe conectado a um grande sistema de energia com tensão e freqüência fixas, pode-se controlar a quantidade energia reativa, e o fator de potência com que o gerador trabalha, controlando-se a corrente de excitação do mesmo. Contudo, a faixa de operação do fator de potência deve ser respeitada. A quantidade de energia ativa que o gerador fornece aos sistema a ele ligado é controlado atuando-se sobre a máquina primária, a qual deve fornecer a potência ativa nos terminais mais as perdas. Uma vantagem da máquina síncrona operando como motor é que o seu fator de potência pode ser ajustado por meio da corrente de excitação, permitindo que o motor trabalhe tanto com fatores de potência em adianto como em atraso. O motor síncrono pode, assim fornecer energia reativa para a rede e também absorver energia reativa. Por essa característica ele é também empregado como forma de corrigir o fator de potência de instalações industriais. 4.3 Rendimento O rendimento para a máquina funcionando como gerador é dado pela equação: ( ) 100 P PP 100 P P m pm m e ⋅ − =⋅=η (%) (5) η - rendimento em percentual (%) mP - potência mecânica fornecida pela máquina primária no eixo (Watt)
  • 5. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 5 eP - potência elétrica fornecida à carga ligada aos terminais (Watt). pP - perdas (watt). A curva de rendimento em função da carga é semelhante à curva para o motor de indução, sendo o rendimento muito próximo do nominal na faixa de 75% a 100% da potência nominal. 4.4 Tipos de Conexões Como o estator é praticamente idêntico ao de um motor de indução ele pode ser conectado segundo as mesmas ligações que o motor de indução, abordadas na apostila 1: conexão série- paralela, conexão estrêla-triângulo e tripla tensão nominal. 4.5 Freqüência A máquina síncrona sempre gira à velocidade síncrona (exceto em condições transitórias ou sob algum tipo de oscilação). A velocidade síncrona é definida pela rotação da máquina primária, a qual fornece a potência ativa para o sistema ligado ao gerador. A freqüência da tensão gerada depende assim da velocidade de giro e do número de pólos, de acordo com a equação: 120 pn f s ⋅ = (Hz) (6) f - freqüência (Hz) da tensão gerada. p - número de pólos da máquina, determinado pela construção da máquina. Ele é escolhido em função da rotação da máquina primária. sn - rotação da máquina primária (rpm). De acordo com a equação acima, tomando-se uma máquina primária que gira a 1800 rpm e um gerador de 4 pólos obtém-se : 60 120 41800 f = ⋅ = Hz. Caso seja necessário que o gerador produza uma tensão a 50 Hz será necessário alterar a rotação da máquina primária para 1500 rpm. 5. Tensão Induzida no Estator a Vazio Sendo o processo de indução de tensão no estator de máquinas síncronas essencial para o entendimento do seu funcionamento, no que segue é apresentado brevemente as equações básicas que regem este fenômeno. Maiores detalhes são encontrados na bibliografia. A análise permanece válida também para qualquer número de pólos. A figura 4 ilustra de forma esquemática o arranjo de uma máquina síncrona, onde para facilitar a análise, os enrolamentos do estator são concêntricos, ou seja cada fase é alojada em duas ranhuras de passo diametral (não encurtado). Com base neste arranjo, pode-se estender a análise para o caso mais geral de enrolamentos distribuídos e com passo encurtado. O rotor possui dois pólos, a análise continua válida contudo para um número de pólos maior que 2. O fluxo produzido pelo rotor é assumido como sendo distribuído de forma senoidal sobre a periferia do estator. Sendo que os geradores são empregados em sistemas com tensões senoidais, eles são projetados e construídos para que a sua tensão induzida seja o mais próximo possível de uma senóide. Esta exigência impõe que a distribuição da indução no entreferro deva
  • 6. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 6 ser muito próxima de uma senóide. Isto é obtido basicamente pela forma como os enrolamentos do estator são distribuídos ao longo da superfície interna do estator. No caso da máquina de pólos salientes uma influência acentuada na forma da tensão induzida é também exercida pela forma geométrica dos pólos, os quais são cuidadosamente projetados para produzir uma indução senoidal no entreferro (figura 3a). No caso da máquina de pólos lisos a indução aproximadamente senoidal no entreferro é obtida pela forma como o enrolamento de campo é distribuído sobre a superfície do rotor e pela relação entre a parte ranhurada e a parte lisa do rotor (figura 3b). Desta forma, a hipótese de assumir uma distribuição aproximadamente senoidal para a indução no entreferro está de acordo com as características construtivas tanto do gerador de pólos lisos como do gerador de pólos salientes. Sendo que a hipótese se aplica a ambos os tipos de geradores (pólos lisos e salientes) a formulação que segue se aplica igualmente a ambos. A velocidade de rotação do rotor também é assumida constante. De acordo com a figura 4, o fluxo produzido pelo rotor é denominado de Φ e o fluxo concatenado com as N espiras de cada fase é Φ⋅=λ N . A densidade de fluxo no entreferro é dada pela expressão: )cos(B)(B m θ⋅=θ (7) mB - indução máxima no entreferro no centro do pólo θ - ângulo elétrico medido a partir o eixo magnético do rotor (centro do pólo) O fluxo sob um pólo é dado pela integral da indução, o qual resulta para uma máquina de p pólos: p 2 drL)cos(B 2 2 m ⋅θ⋅⋅⋅θ⋅=Φ π + π − (8) r - raio da superfície interna do estator L - comprimento axial do estator p - número do pólos da máquina A constante 2/p que aparece na expressão acima decorre da conversão entre graus elétricos e graus mecânicos. Avaliando-se a expressão acima, resulta para o fluxo sob um pólo : p 2 rLB2 m ⋅⋅⋅⋅=Φ (9) Conforme o rotor gira o fluxo concatenado com cada fase varia com o coseno do ângulo entre o eixo magnético da fase e do rotor, dado por t⋅ω=α , onde t é o tempo e ω é a velocidade angular (rad/s) do rotor. O fluxo concatenado com a fase a é então: )tcos(N)cos(N)cos(N)t( ⋅ω⋅Φ⋅=α⋅Φ⋅=α⋅Φ⋅=λ (10) A origem do tempo, simbolizado por t, é escolhido como o instante em que o eixo da fase a coincide com o eixo magnético do rotor. De acordo com a Lei de Faraday, a tensão induzida no enrolamento da fase a é dada por: )t(sinN)tcos( dt d N dt )t(d e ⋅ω⋅ω⋅Φ⋅−⋅ω⋅ Φ ⋅= λ = (11)
  • 7. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 7 Na expressão acima existem dois termos para a tensão induzida. O primeiro deles é chamado de tensão de transformação e se deve à variação temporal no fluxo. Este termo está presente sempre que a amplitude do fluxo variar, mesmo que não haja movimento do rotor. O segundo termo, chamado de tensão de movimento, é devido ao movimento relativo entre o rotor e o estator. Ele existe somente quando este movimento existir. Esta tensão é também denominada de força eletromotriz induzida. No caso da máquina síncrona em regime permanente a corrente de excitação não varia e a amplitude do fluxo também permanece constante. Desta forma, em regime permanente, a tensão induzida é dada por : )t(sinNe ⋅ω⋅ω⋅Φ⋅= (12) Considerando a equação (8), a tensão induzida pode, finalmente, ser escrita como: )t(sin p rL BN4e m ⋅ω⋅ω⋅⋅ ⋅ ⋅⋅⋅= (13) Pode-se ver que a distribuição senoidal da indução leva a uma tensão induzida igualmente senoidal. Deve-se notar que expressão acima também pode ser obtida a partir da tensão induzida em condutor que se movimenta no campo magnético criado pelo rotor. A obtenção da equação (13) sob este ponto de vista é deixada como um exercício. A partir da equação (12) pode-se obter o valor eficaz (RMS) da tensão induzida. Pela equação (12), o valor máximo da tensão induzida é dado por: Φ⋅⋅⋅π⋅=ω⋅Φ⋅= Nf2NEm (14) f - freqüência do rotor (Hz) Utilizando a equação (12), o valor eficaz da tensão induzida é: Φ⋅⋅⋅=Φ⋅⋅⋅ π⋅ = Nf44,4Nf 2 2 E (15) A tensão induzida se refere à uma das fases, as demais fases possuem tensões com mesmas características, mas defasadas temporalmente de 120 graus elétricos. Este defasamento se deve ao fato de as fases estarem defasadas espacialmente 120 graus elétricos ( os eixos magnéticos das fases estão defasados 120 graus). A constante N que consta nas equações apresentadas é assim o número total de espiras em série numa fase. O tipo de enrolamento concentrado contendo apenas uma bobina, e que foi utilizado na dedução das expressões da tensão induzida, raramente é utilizado em máquinas síncronas. Em geral os enrolamentos estão distribuídos em mais de uma bobina alojadas em ranhuras. Além disso, o passo do enrolamento em geral é encurtado, ou seja os lados das bobinas não estão em posições diametralmente opostas (180 graus de dfasagem). Estas medidas contribuem para melhorar a dissipação térmica da máquina e também melhoram significativamente a forma de onda da tensão induzida, fazendo com que a mesma apresente um desvio menor em relação a uma senóide. Considerando que o enrolamento possa ser distribuído e com passo encurtado, a expressão do valor eficaz da tensão induzida é dada por: Φ⋅⋅⋅⋅= NKf44,4E w (16)
  • 8. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 8 wK - fator de enrolamento (17) O fator de enrolamento é obtido pelo produto do fator de distribuição e o fator de encurtamento de passo. Numericamente ele se situa entre 0.8 e 0.95, provocando assim uma diminuição do fluxo em relação ao caso de enrolamentos concentrados. 6. Exercícios 1) Um gerador síncrono monofásico com tensão nominal de 220 volts (tensão eficaz de linha) é ligado a uma carga resistiva de 20 Ohms. Qual a potência fornecida à carga ? Sabendo que o rendimento do gerador para esta carga é de 90%, qual a potência sendo fornecida pela máquina primária ? 2) Sendo o número de pólos do gerador do exercício 1 igual a 6, qual a rotação mecânica da máquina primária para que uma tensão com freqüência de 60 Hz seja obtida ? 3) Considerando os dados dos exercícios 1 e 2, qual o torque fornecido pela máquina primária ? 4) Mantendo a corrente do exercício 1 constante e alterando-se a característica da carga de tal forma que o fator de potência passe a ser de 0.8, determine: a potência fornecida à carga e a potência fornecida pela máquina primária mantendo-se o mesmo rendimento. 5) Qual a potência aparente do exercício 1 e 4 ?
  • 9. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 9
  • 10. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 10
  • 11. Apostila 2 - Conversão de Energia B - Introdução à Máquina Síncrona 11