Regionalismos kau, jen e carol

1.623 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Regionalismos kau, jen e carol

  1. 1. Regionalismos Brasileiros
  2. 2. Escola Municipal de Ensino Fundamental Rui Barbosa <ul><li>Carolina Renata Stülp </li></ul><ul><li>Jenifer Martins Schaeffer </li></ul><ul><li>Kauane E. Mello Furtado </li></ul><ul><li>Turma 91 </li></ul><ul><li>Professora Melissa </li></ul><ul><li>Português </li></ul><ul><li>Campo Bom, Maio de 2010. </li></ul>
  3. 3. Como Falam os Brasileiros A Obra “Como falam os brasileiros”, alberga dentre outras questões, a variação linguística no território brasileiro. Na introdução do livro, há um enfoque sobre a linguagem, sobre a sua função sócio-comunicativa e sobre os diversos regionalismos brasileiros da fala.
  4. 4. O que é regionalismo? Regionalismo é o conjunto das particularidades linguísticas de uma determinada região geográfica, decorrentes da cultura lá existente. Uma de suas principais expressões é o dialeto.
  5. 5. Regionalismo no Brasil O regionalismo no Brasil é muito diferenciado, temos culturas e povos do mundo inteiro. Em cada região brasileira a língua portuguesa sofreu diferentes influências culturais, e por isto incorporou diferentes formas de expressão, o que aos poucos deu origem a diferentes dialetos.
  6. 6. Contexto histórico Ao longo do século XIX, surgem escritores voltados à produção de obras saudosistas, que se propõem a realizar uma retomada romântica do Brasil. Por conta disto, costuma-se estudar o regionalismo a partir dos romances coloniais de José de Alencar e das poesias indianistas de Gonçalves Dias, que nascem daquela aspiração patriótica de fundar a nobreza do país em um passado mítico.
  7. 7. Figuras de Linguagem Figuras de linguagem são estratégias que o escritor pode aplicar no texto para conseguir um efeito determinado na interpretação do leitor. São formas de expressão mais localizadas em comparação às funções da linguagem, que são características globais do texto. Podem relacionar-se com aspectos semânticos, fonológicos ou sintáticos das palavras afetadas.
  8. 8. Aspectos da Regi ão Sul A história da Região Sul é marcada pela grande imigração européia, pela Guerra dos Farrapos, também chamada de Revolução Farroupilha e mais recentemente pela Revolução Federalista, com seu principal evento o Cerco da Lapa. Outra revolta ocorrida na história da região foi a Guerra do Contestado, de caráter religioso.
  9. 9. Gírias do Sul Rio Grande do Sul Bah = interjeição multiuso Tri = bastante Trocinho = pessoa Guisado = carne moída Um quadro = pessoa engraçada Sinaleira = semáforo Parada de ônibus = ponto de ônibus Massinha = pão doce Cacetinho = pão francês Negrinho = brigadeiro (doce)
  10. 10. Paraná Vina = salsicha Mala = pasta, mochila Chineca = pão doce Bergamota = tangerina Jacú = brega Borrachudo = mosquito Dar uma banda = dar uma volta Tigrada = vileiros, manos Bater um fio = ligar Tipo... = por exemplo
  11. 11. Santa Catarina Mandrião = malandro Tanço = desajeitado Arrombassi = arrasou Acachapado = cansado, desanimado Atoxei = colocar demais Biju = pessoa bonita Cosca no lombo = querendo apanhar Malinagem = malvadeza Te arranca daí = sai daí
  12. 13. Amigo Punk <ul><li>Amigo punk </li></ul><ul><li>Escute este meu desabafo </li></ul><ul><li>Que a esta altura da manhã </li></ul><ul><li>Já não importa o nosso bafo </li></ul><ul><li>Pega a chinoca, monta no cavalo </li></ul><ul><li>E desbrava esta coxilha </li></ul><ul><li>Atravessa a Oswaldo Aranha </li></ul><ul><li>E entra no Parque Farroupilha </li></ul><ul><li>Amanhecia e tu chegavas em casa com asa </li></ul><ul><li>A tua mãe dá bom dia </li></ul><ul><li>E se prepara pra marcar </li></ul><ul><li>O gado com o ferro em brasa </li></ul><ul><li>E não importa se não tem lata de cola </li></ul><ul><li>Eu quero agora é sestear nos meus pelego </li></ul><ul><li>Com meu cavalo galopando campo afora </li></ul><ul><li>O meu destino é Woodstock, mas eu chego </li></ul><ul><li>Aonde eu ouço a voz da cordeona </li></ul><ul><li>Já escuto o gaiteiro puxando o fole </li></ul><ul><li>Vai animando a gauderiada no bolicho </li></ul><ul><li>Enquanto eu sigo detonando o hardcore </li></ul>Audio: Graforréia Xilarmônica
  13. 14. Referências bibliográficas <ul><li>www.universia.com.br </li></ul><ul><li>www.giriasdosul.com.br </li></ul><ul><li>pt.wikipedia.org </li></ul>

×