Artigo de opinião

27.914 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Artigo de opinião

  1. 1. Noções Básicas dos gêneros ARTIGO DE OPINIÃO
  2. 2. <ul><li>O ARTIGO DE OPINIÃO </li></ul><ul><li>A todo instante temos de nos posicionar sobre certos temas que circulam socialmente. Por exemplo, a pena de morte é uma saída contra a violência? Uma mulher grávida deve ter o direito de interromper a gravidez de um feto anencéfalo? A televisão deve sofrer algum tipo de controle? </li></ul><ul><li>Como resposta a essas e outras questões, são publicadas em jornais e revistas ARTIGOS DE OPINIÃO, nos quais o autor expressa um ponto de vista sobre o tema em discussão. </li></ul>
  3. 3. CARACTERÍSTICAS DO ARTIGO DE OPINIÃO Texto argumentativo que difunde opinião sobre um tema polêmico. Circula nos meios de comunicação em geral, por exemplo, jornais, revistas, etc. Tem como estrutura básica uma idéia central (que resume o ponto de vista do autor) e sua fundamentação com base em argumentos, construídos a partir de verdades. Exige a variedade padrão da língua.
  4. 4. <ul><li>COMO PRODUZIR O ARTIGO DE OPINIÃO </li></ul><ul><li>Use a 1ª pessoa do plural ou a 3ª do singular. </li></ul><ul><li>(Embora permitido por alguns autores, a maioria recomenda que o aluno não use a 1ª pessoa do singular) </li></ul><ul><li>Verbos predominantemente no presente do indicativo. Expressa o fato no momento em que se fala. </li></ul><ul><li>O aluno  lê  um poema. </li></ul><ul><li>Posso  afirmar que meus valores mudaram. </li></ul><ul><li>Um aluno  dorme . </li></ul><ul><li>Construa períodos curtos, com no máximo duas ou três linhas, evitando orações intercaladas ou ordem inversa desnecessária. </li></ul><ul><li>Empregue vocabulário escolarizado, evitando termos coloquiais, adjetivação desnecessária, gírias, afirmações extremas e generalizações. </li></ul>
  5. 5. Modelo de artigo de Opinião <ul><li>A prevenção da recaída </li></ul><ul><li>Sónia Sequeira </li></ul><ul><li>soniapsicologia@sapo.pt  </li></ul><ul><li>2004 </li></ul><ul><li>Palavras-chave: Prevenção da recaída, comportamentos aditivos, adição. </li></ul><ul><li>A Prevenção da Recaída é um programa de psicoterapia e tratamento que se baseia na capacidade individual da modificação de comportamentos aditivos. Ela tem como criador o pesquisador canadense G. Alan Marlatt, PhD, diretor do departamento de psicologia da Universidade de Washington, EUA. </li></ul><ul><li>O objetivo primário da Prevenção da Recaída é ensinar os indivíduos que estão tentando mudar seu comportamento aditivo, seja ele de drogas, comida, sexo, etc., a identificar, antecipar e lidar com as pressões e problemas que podem levar a uma recaída. </li></ul><ul><li>Os fundamentos do trabalho da Prevenção da Recaída são as noções de situações de alto risco e as estratégias de manejo disponíveis para o indivíduo. O Paciente precisa aprender a identificar sinais de alerta precoces destas situações potenciais de recaída e as habilidades e necessárias de enfrentamento, a fim de conseguir modificar suas crenças e expectativas acerca de seu comportamento aditivo. </li></ul><ul><li>Não importa qual a sua dependência, nem o tipo de droga que você use. O importante é saber que ninguém consegue fazer uma mesma coisa, da mesma forma, todo o tempo, seja ela boa ou má. Sempre vão existir exceções, que devem ser pesquisadas em conjunto pelo terapeuta e pelo paciente, que uma vez descobertas, poderão se tornar a base de sustentação de outras exceções. </li></ul><ul><li>Se um paciente percebe a exceção como sendo alguma coisa sobre a qual ele tem um certo controle e, portanto, pode repetir, fica encorajado a &quot;fazer mais vezes, aquilo que funciona&quot;. </li></ul><ul><li>Crie Exceções !!! </li></ul>

×