Mulheres da bíblia

486 visualizações

Publicada em

Mulheres da bíblia

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mulheres da bíblia

  1. 1. [Mulheres da Bíblia] “Débora – Uma mãe em Israel” por Pr. Alan Rennê by Roberta Macedo | segunda-feira, 10 setembro, 2012 | Feminismo, Mulheres da Bíblia  256Share  9Share “Débora, profetisa, mulher de Lapidote, julgava a Israel naquele tempo” (Juízes 4.4). Numa época marcada pelas reivindicações do movimento feminista, a figura de Débora pode parecer atrativa. Frequentemente apelos são feitos à narrativa sobre Débora, na tentativa de validar práticas, como a pregação feminina no culto público solene e até mesmo a ordenação feminina aos sagrados ofícios. Linda Belleville, uma feminista radical, na ânsia por legitimar a ordenação feminina, afirmou que, “Débora era tão respeitada que o comandante das suas tropas recusou-se a ir à batalha sem ela”.[1] Não obstante, o propósito da passagem de Juízes 4 não é ensinar a legitimidade do ministério feminino ou a pregação no culto público solene. O objetivo não é afirmar a proeminência da mulher em relação ao homem. É preciso recordar o contexto no qual Débora viveu, a fim de compreendermos devidamente a passagem, e para que possamos retirar algumas aplicações práticas.
  2. 2. Um Tempo de Constante e Flagrante Desobediência De forma específica, a narrativa sobre Débora está localizada logo após a narrativa sobre os juízes Otniel (vv. 7-11) e Eúde (vv.15-31), no capítulo 3. Estes dois juízes lideraram com bravura o povo de Deus e, com a ajuda do Senhor, libertaram Israel da opressão do rei da Mesopotâmia e dos moabitas. Sob Otniel o povo desfrutou de um período de quarenta anos de paz. O versículo 30 diz que, após o livramento recebido por meio de Eúde, “a terra ficou em paz oitenta anos”. Contudo, a despeito da provisão de Deus nestes dois livramentos extraordinários e nos períodos de paz que se seguiram, as pessoas, mais uma vez, “tornaram a fazer o que era mau perante o SENHOR, depois de falecer Eúde” (4.1). Como consequência, Deus as entregou nas mãos de um novo inimigo, Jabim, rei de Canaã, que oprimiu a Israel durante vinte anos (4.2,3).Sou de opinião que a pessoa deve iniciar a leitura de Juízes pelo último versículo do livro e, logo em seguida, retornar ao capítulo 1. A afirmação de Juízes 21.25 é chave para a devida compreensão do livro, bem como de situações específicas narradas nele: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto”. Além disso, há uma afirmação que soa como um refrão ao longo do livro: “Então, fizeram os filhos de Israel o que era mau perante o SENHOR” (2.11; Cf. 3.7,12; 4.1; 6.1; 10.6; 13.1). A dinâmica do livro é a seguinte: Deus abençoava o povo, advertia o povo contra o perigo de se associarem com os povos ímpios, e o povo de Israel respondia com o pecado, com a transgressão: “Quando o SENHOR lhes suscitava juízes, o SENHOR era com o juiz e os livrava das mãos dos seus inimigos, todos os dias daquele juiz; porquanto o SENHOR se compadecia deles ante os seus gemidos, por causa dos que os apertavam e oprimiam. Sucedia, porém, que, falecendo o juiz, reincidiam e se tornavam piores do que seus pais, seguindo após outros deuses, servindo-os e adorando-os eles; nada deixavam de suas obras, nem da obstinação dos seus caminhos”(2.18-19). E à medida que lemos o livro por inteiro percebemos que a situação em toda a nação só se agrava. O resultado disso, é que as pessoas viviam de acordo com a filosofia do “eu acho”, cada um fazia o que dava vontade. Era uma verdadeira anarquia. Jerram Barrs afirma que, “o período coberto pelo livro de Juízes é um tempo de vários séculos, um tempo prolongado de apostasia, um tempo quando a maioria do povo pactual tinha se desviado de Deus”.[2]É nesse contexto que Débora aparece.Uma Mãe em Israel Diferentemente do que aconteceu com Otniel e Eúde, que foram diretamente suscitados por Deus, Débora já aparece no capítulo 4 julgando “a Israel naquele tempo” (v. 4). Rebecca
  3. 3. Jones afirma que, “Débora não é um dos juízes mencionados como sendo diretamente chamados por Deus, embora não haja dúvidas de que ele a usou”.[3] O texto nos apresenta uma pequena, porém suficiente descrição de Débora. Ela era uma profetisa, esposa e juíza. Em primeiro lugar, Débora era uma profetisa. Além dela, apenas outras três mulheres no Antigo testamento foram chamadas de “profetisa”: Miriã, irmã de Moisés (Êxodo 15.20), Hulda (2Reis 22.14-20) e uma mulher que, possivelmente, era a esposa do profeta Isaías (Isaías 8.3). Débora não pregava a Palavra de Deus às pessoas. Ela era uma profetisa, não uma pregadora. Como profetisa, Débora anunciava a Palavra de Deus de forma inspirada, inerrante e autoritativa. O dom de profecia dado a Débora é de natureza absolutamente diferente do dom vinculado à pregação. No texto, Débora não expôs as Escrituras nem ao povo reunido solenemente nem a Baraque individualmente. Em vez disso, ela apresentou a mensagem do Senhor de forma preditiva: “Porventura, o SENHOR, Deus de Israel, não deu ordem, dizendo: Vai, e leva gente ao monte Tabor, e toma contigo dez mil homens dos filhos de Naftali e dos filhos de Zebulom? E farei ir a ti para o ribeiro Quisom a Sísera, comandante do exército de Jabim, com os seus carros e as suas tropas; e o darei nas tuas mãos […] Certamente, irei contigo, porém não será tua a honra da investida que empreendes; pois às mãos de uma mulher o SENHOR entregará a Sísera” (vv. 6,7,9). É importante notar também que, ela não profetizava como Isaías, Jeremias, Micaías e tantos outros profetas, isto é, de maneira pública. Ela profetizava em particular, quando procurada pelos filhos de Israel. O fato de Débora ser uma profetisa era algo extraordinário, fora do comum. Não era algo normal. A própria ordem do texto hebraico deixa isso transparecer: Débora-mulher- profetisa-mulher de-Lapidote-ela julgava-Israel-no tempo dela. O texto hebraico traz a palavra “mulher” logo após a menção do nome Débora. Esta palavra não tem a função de simplesmente definir que se tratava de uma “profetisa”, pois o termo hebraico nebhia já é feminino. Antes, o texto transmite a ideia de algo surpreendente: Não há profetas! Nem juízes! Em segundo lugar, Débora era uma esposa. A única passagem do Antigo Testamento onde Lapidote é mencionado é em Juízes 4.4. Não há nenhuma afirmação adicional a respeito da sua pessoa nem de sua história com Débora. Não obstante, é suficiente perceber o destaque
  4. 4. que o texto dá a Débora como sendo uma esposa, uma auxiliadora do seu marido que, mesmo julgando o povo de Israel, certamente cuidava de sua família e do seu lar. É importante também perceber que, antes de ser profetisa e juíza, ela era uma esposa. Enquanto o fato de ser profetisa aparece como algo extraordinário, o seu papel como esposa se enquadra dentro do papel ordinário que o Senhor lhe concedeu. O seu chamado para ser esposa e, talvez, mãe, vinha antes da sua atribuição como profetisa e juíza de Israel. Terceiro, Débora era uma juíza. Necessariamente não significava que Débora ocupava alguma posição de liderança em Israel. De forma errônea a Nova Versão Internacional traduz o versículo 4, dizendo que Débora “liderava Israel naquela época”. Porém, com exceção dessa passagem e de 3.10, a NVI traduz todas as ocorrências do verbo shaphat como “julgar”. Antes, significa simplesmente “decidir controvérsia, discriminar entre pessoas nas questões civis, políticas, domésticas e religiosas”.[4] Isso não significa que ela ocupava uma liderança de governo em Israel, visto que ela atendia às pessoas “debaixo da palmeira de Débora” e “os filhos de Israel subiam a ela em juízo” (v. 5). Ademais, Débora reafirmou a liderança masculina ao dizer a Baraque ele deveria liderar as tropas de Israel contra Sísera (vv. 6-7). Thomas Schreiner afirma que, “ela parece ser o único juiz em Juízes que não tem função militar. Os outros juízes também lideravam Israel em vitória nas batalhas, mas Débora recebe uma palavra de Deus para que Baraque faça isso”.[5] É interessante que, diante da covardia de Baraque, ela não arroga para si a tarefa de convocar o povo para a batalha. Ela o repreende por sua hesitação e anuncia, de maneira profética, que mesmo vitorioso na batalha, a honra seria concedida a uma mulher (v. 9). Então, longe de reivindicar a liderança para si, Débora reafirma a liderança masculina numa época em que os homens se mostravam negligentes. O que isso significa para as nossas irmãs, mulheres piedosas? Podemos apontar algumas aplicações: Primeiro, nossas irmãs devem compreender que a narrativa sobre Débora não as estimula a desejarem o ofício da pregação pública. Mulheres piedosas compreendem que a verdadeira piedade é encontrada na obediência. Sendo assim, mulheres piedosas se contentarão no exercício das funções que lhes foram atribuídas pelo Senhor, e não se firmarão nas interpretações igualitaristas a respeito das profetisas da Escritura, como Débora, por exemplo. Aprendemos com o exemplo não apenas de Débora, mas também de Hulda e Miriã, que elas não eram “pregadoras ou professoras públicas. Não estabeleceram padrões
  5. 5. doutrinários ou morais para a família da aliança”.[6] A razão para isso, é que “profecia difere de pregação. Profecia é baseada sobre revelação espontânea (1Coríntios 14.29-33a), enquanto pregação é uma exposição da revelação recebida”.[7] Apesar de não profetizarem como Débora, mulheres piedosas oferecerão sábios conselhos fundamentados na Palavra a todos aqueles que necessitarem de sua ajuda. Mulheres sábias aconselharão homens que as escutarão e adotarão as suas ideias. Segundo, nossas irmãs devem compreender que a maior realização de uma mulher cristã e piedosa é a assunção do seu papel como auxiliadora idônea e esposa. Como tal, ela compreende que não escrava ou serva do seu marido. Antes, ela o vê, nas palavras do Rev. David Lipsy: “com reverência, uma mistura de amor e temor, não, contudo, um ‘temor’ de escravo, que é nutrido com ódio ou aversão; mas um temor nobre e generoso, que procede do amor”.[8] Terceiro, mulheres piedosas não enxergarão a claudicância dos homens em assumir a liderança no lar e na igreja como uma oportunidade para a assumirem. Vivemos numa época marcada pela feminização dos homens, sendo que uma das suas características é a relutância em assumir o papel de líder, provedor, sustentador e defensor. Com Débora aprendemos que o papel das mulheres piedosas nessa situação é o de estimular e repreender, em particular, os homens, no lar e na igreja, para que honrem o seu chamado. Grudem diz: “A história de Débora deve motivar as mulheres nessa situação a fazerem o que ela fez: encorajar e exortar o homem a assumir o papel de liderança para o qual foi chamado por Deus, assim como Débora encorajou e exortou a Baraque”.[9] Uma Mãe em Busca de um Príncipe para o seu Povo Diante da omissão masculina, Débora se levantou como uma mãe em Israel (Juízes 5.7). Na canção registrada neste capítulo Débora fala da situação preocupante da nação diante dos ataques dos inimigos: “cessaram as caravanas; e os viajantes tomavam desvios tortuosos. Ficaram desertas as aldeias em Israel, repousaram, até que eu, Débora, me levantei, levantei-me como mãe em Israel. Escolheram-se deuses novos; então, a guerra estava às portas; não se via escudo nem lança entre quarenta mil em Israel” (vv. 6-8). Era uma época terrível: “Era um tempo sem confiança no Senhor, um tempo de covardia e medo, e,
  6. 6. consequentemente, um tempo terrível para o povo”.[10] Então, as palavras de Débora demonstram que ela aguardava um valente, um príncipe em Israel. É interessante que, tanto no início do livro como no final há um clamor por um libertador: “Quem dentre nós, primeiro subirá aos cananeus para pelejar contra eles?” (1.1b); “Quem dentre nós subirá, primeiro, a pelejar contra Benjamim?” (20.18). Não há ninguém, dentre o povo, capaz de livrar a Israel definitivamente dos seus inimigos: “O clamor de Débora por um príncipe em Israel não é satisfeito pelos barraques do mundo. O verdadeiro herói é o bebê que virá um dia, o Salvador prometido sobre quem as tentações de Dalila não terão nenhum poder e contra o qual nenhum inimigo, quer físico ou espiritual, pode prevalecer”.[11] A lição é clara: Mulheres piedosas devem ser fiéis e buscar agir como Débora em nossa época marcada pelos reclamos. Entretanto, devem saber que seus anelos mais profundos só podem ser satisfeitos pelo Senhor Jesus, o Príncipe da paz, que venceu todos os seus inimigos. ___________ [1] Apud in Wayne Grudem. Confrontando o Feminismo Evangélico. São Paulo: Cultura Cristã, 2009. p. 70. [2] Jerram Barrs. Through His Eyes: God’s Perspective On Women In The Bible. Wheaton, IL: Crossway, 2009. p. 105. [3] Rebecca Jones. A Mulher Segundo a Bíblia: O Cristianismo Oprime as Mulheres? São Paulo: Cultura Cristã, 2009. p. 80. [4] Francis Brown, S. R. Driver e Charles A. Briggs. A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament. In: BIBLEWORKS 7.0. [5] Thomas R. Schreiner. “The Ministries of Women in the Contexto f Male Leadership”. In: John Piper e Wayne Grudem (Eds.). Recovering Biblical Manhood & Womanhood: A Response to Evangelical Feminism. Wheaton, IL: Crossway, 2006. p. 216. [6] Dan Doriani. Mulheres e Ministério. São Paulo: Cultura Cristã, 2009. p. 34.
  7. 7. [7] Thomas R. Schreiner. “The Ministries of Women in the Contexto f Male Leadership”. In: John Piper e Wayne Grudem (Eds.). Recovering Biblical Manhood & Womanhood: A Response to Evangelical Feminism. pp. 216-217. [8] David Lipsy. A Mulher Puritana. São Paulo: Os Puritanos, 2011. p. 19. [9] Wayne Grudem. Confrontando o Feminismo Evangélico. p. 72. [10] Jerram Barrs. Through His Eyes: God’s Perspective On Women In The Bible. p. 106. [11] Rebecca Jones. A Mulher Segundo a Bíblia: O Cristianismo Oprime as Mulheres? p. 81. _______________ * Rev. Alan Rennê é Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana de Tucurí, Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico do Nordeste, em Teresina -PI (2005), e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo -SP (2010). Cursa o Sacrae Theologiae Magister S.T.M, com área de concentração em Estudos Históricos e Teológicos e linha de pesquisa em Teologia Sistemática, no Centro Presbiteriano de Pós- Graduação Andrew Jumper, São Paulo-SP. Escreve no blog Cristão Reformado.
  8. 8. A DÁDIVA DE SER MÃE! ( Tipos de Mãe na Bíblia ) Home > Estudos Bíblicos,Mensagens > A DÁDIVA DE SER MÃE! ( Tipos de Mãe na Bíblia ) “Todavia, será preservada através de sua missão de mãe, se elas permanecerem em fé e amor e santificação, com bom senso.” (I Timóteo 2:15) Mãe é a expressão do Amor de Deus. Ser mãe é uma dádiva de Deus. Ser mãe é receber de Deus um sublime dom. (Gera posteridade) Ser mãe é receber um singelo dom. (Pois não existe outra forma de gerar o homem a não ser do ventre de uma mãe) Ser mãe é receber um perpétuo dom. (Ela concebe um ser que nasce para ser eterno, nunca morrerá) Dizem que cada criança que nasce é um telegrama de Deus anunciando que ainda ama o homem. Por 289 vezes a palavra “mãe” ou “mães” aparece na Bíblia. Lendo-as, notamos que o princípio segundo o qual as mães devem ser honradas (Êxodo 20.12), junto com os pais, é repetido várias vezes, no Antigo e no Novo Testamento. Elas devem ser honradas por serem mães, mesmo que seus conselhos ou práticas não devem ser seguidos. Temos na Bíblia histórias de mães magníficas e outras nem tanto. Devemos, logo, afirmar que, embora haja uma imensa influência delas sobre os seus filhos, elas não são responsáveis pelas escolhas que eles fazem. A MISSÃO DE SER MÃE “Talvez um dos papéis mais preponderantes da mulher destacado na bíblia, seja o de mãe, embora todos os papéis sejam igualmente reconhecidos. Esse papel de mãe era tão
  9. 9. importante nos tempos bíblicos que a esterilidade feminina chegava a ser considerada uma maldição divina, porquanto furtava a mulher de uma de suas funções mais importante na vida. Há casos destacados com especialidade como o de Sara( Gn 17:15), Raquel (Gn30), e Ana (I Sm 1:2). R. C. Muitas noites acordadas, cansaços físicos, renúncias, ingratidões, uma tarefa difícil, árdua. Porém é extremamente gratificante para a mãe ver o filho que ela amamentou crescido, criado, formado, bem encaminhado na vida. É honroso para a mãe ver em seus filhos suas próprias virtudes. É alentador para a mãe ser reconhecida por seus filhos como aquela que esteve ao seu lado nos momentos mais difíceis, educando, corrigindo, formando, protegendo, consolando, animando. Todo e qualquer investimento, afim de que seja próspero tem que ter uma boa mão de que o cuida. Assim é a mãe, para que seu filho seja prospero durante sua vida. As Ás várias funções da Mãe: G Gerar (conceber). Alimentar. Consolar. Dar amor. Proteção. Educar. (ensinar, edificar, exortar, corrigir, repreender). “ Ensina a criança no caminho que deve andar e ainda quando for velho não se desviará dele” Pv 22:6 “ Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste. E que desde a infância sabes as sagrada letras que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Jesus Cristo.” II Tm 3:14,15 AS VÁRIAS MÃES DA BÍBLIA 1. Estamos hoje homenageando as mães, um tributo necessário àquelas que podem ser consideradas mães de verdade! Sabemos que muitas mulheres não são dignas de serem chamadas de mães, pois abortam seus filhos, os assassinam filhos, jogam-nos na lata de lixo. Há também mães que impõem sobre seus filhos torturas, castigos extremos, sofrimento, abandono, etc., sem falar naquelas que desonram seus filhos pelo comportamento pecaminoso que exercem, quando descambam para a prostituição, drogas.
  10. 10. 2. Porém a grande maioria das mulheres, honram de fato a posição de mães que ocupam. Fazem de tudo para que seus filhos possam vir a ser vidas honradas na sociedade em que vivem. Muitas delas dão até mesmo a própria vida pelos seus filhos, fazendo de tudo para que possam crescer e ocupar espaços de destaque no mundo em que vivemos. Há exemplos de mães que, até mesmo, passaram privações, fome, para que seus filhos se formassem numa faculdade. Na Escritura encontramos vários exemplos de mães, os quais queremos trazer nesta noite. Vejamos: ALGUNS EXEMPLOS NEGATIVOS E POSITIVOS DE MÃES DENTRO DA PALAVRA DE DEUS: A – EXEMPLOS NEGATIVOS: I – AGAR – A MÃEDISPLICENTE Gn 21.13-18, “13 Mas também do filho da serva farei uma grande nação, por ser ele teu descendente. 14 Levantou-se, pois, Abraão de madrugada, tomou pão e um odre de água, pô-los às costas de Agar, deu-lhe o menino e a despediu. Ela saiu, andando errante pelo deserto de Berseba. 15 Tendo-se acabado a água do odre, colocou ela o menino debaixo de um dos arbustos 16 e, afastando-se, foi sentar-se defronte, à distância de um tiro de arco; porque dizia: Assim, não verei morrer o menino; e, sentando-se em frente dele, levantou a voz e chorou. 17 Deus, porém, ouviu a voz do menino; e o Anjo de Deus chamou do céu a Agar e lhe disse: Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino, daí onde está. 18 Ergue-te, levanta o rapaz, segura-o pela mão, porque eu farei dele um grande povo”. 1.. Agar vem do hebraico “rgh” – Hagar – significado “vôo”. 2. Notem que Agar, mesmo sabendo da parte de Deus, que Ismael seria pai de muitas nações, abandonou o seu filho achando que o menino ia morrer. Foi incrédula e displicente! Parece que Agar era de fato era “avoada”, conforme nos indica seu nome. II – REBECA – A MÃEPARCIAL Gn 25.28, “Isaque amava a Esaú, porque se saboreava de sua caça; Rebeca, porém, amava a Jacó”.
  11. 11. 1. Nome “Rebeca” – Hebraico “hqbr” – Ribqah – significado “amarrar firme”, “corda com laçada para amarrar animais pequenos”. 2. Todos nós sabemos da trama familiar montada por Rebeca, motivando e incentivando Jacó a enganar seu irmão Esaú, e que em virtude desta trama recebeu a bênção da primogenitura de seu pai Isaque, em lugar de seu irmão. Tal posição de Rebeca motivou uma intriga familiar muito séria – ódio e ameaça de assassinato. De seu nome podemos deduzir que ela apenas “se amarrou” apenas Jacó, quando de fato era mãe também de Esaú. B – EXEMPLOS POSITIVOS: I – EVA – A MÃEA DE TODA HUMANIDADE Gn 3.20, “E deu o homem o nome de Eva a sua mulher, por ser a mãe de todos os seres humanos”. -. A palavra “Eva” – “hwx” – Chavvah – significa “vida”, “vivendo”. -. A primeira mulher recebeu este nome por ser a mãe de todos os seres humanos. Como seu próprio nome indica, Eva deu origem ao processo de “vida” dos seres humanos a partir dela, recebendo o privilégio de ser chamada a “mãe de toda a humanidade”. II- SARA – A MÃESÍMBOLO DE FÉ Hb 11.11-12, “11 Pela fé, também, a própria Sara recebeu poder para ser mãe, não obstante o avançado de sua idade, pois teve por fiel aquele que lhe havia feito a promessa. 12 Por isso, também de um, aliás já amortecido, saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu e inumerável como a areia que está na praia do mar”. -. Nome “Sara” – Hebraico “hr s” – Sarah – significado “nobre”, “magnífica”, “princesa”. -. Sara é um exemplo de fé para todas as mães, uma vez que mesmo sendo impossível gerar um filho pela sua idade avançada, creu nas promessas divinas e Deus a tornou fértil. Assim ela gerou Isaque, que seria o continuador da descendência de Abraão. Vemos nela de fato uma “princesa da fé”, podendo ser exemplo para todas as mães. Sua fé é inigualável e deve ser copiada por todas as mães.
  12. 12. III – JOQUEBEDE – A MÃE“AMA DE CRIAÇÃO” DE SEU PRÓPRIO FILHO Êx 2.1-9, “1 Foi-se um homem da casa de Levi e casou com uma descendente de Levi. 2 E a mulher concebeu e deu à luz um filho; e, vendo que era formoso, escondeu-o por três meses. 3 Não podendo, porém, escondê-lo por mais tempo, tomou um cesto de junco, calafetou-o com betume e piche e, pondo nele o menino, largou-o no carriçal à beira do rio. 4 A irmã do menino ficou de longe, para observar o que lhe haveria de suceder. 5 Desceu a filha de Faraó para se banhar no rio, e as suas donzelas passeavam pela beira do rio; vendo ela o cesto no carriçal, enviou a sua criada e o tomou. 6 Abrindo-o, viu a criança; e eis que o menino chorava. Teve compaixão dele e disse: Este é menino dos hebreus. 7 Então, disse sua irmã à filha de Faraó: Queres que eu vá chamar uma das hebréias que sirva de ama e te crie a criança? 8 Respondeu-lhe a filha de Faraó: Vai. Saiu, pois, a moça e chamou a mãe do menino. 9 Então, lhe disse a filha de Faraó: Leva este menino e cria-mo; pagar-te-ei o teu salário. A mulher tomou o menino e o criou”. -. Nome “Joquebede”, Hebraico “dbkwy” – Yowkebed – significado “Javé é a glória”. -. Sabemos que Joquebede foi a ama de seu próprio filho, Moisés. Quando a criança, para escapar da morte, foi colocada sobre o leito do rio e apanhada pela filha de Faraó, Joquebede foi chamada para ser-lhe “ama de criação”. Isto aconteceu porque Joquebede colocou Miriã, sua filha mais velha, para vigiar a criança que deslizava no leito do rio. Foi Miriã que ofereceu à filha de Faraó, os serviços de sua mãe como “babá”, o que foi aceito pela princesa. De fato seu nome indica que Joquebede foi uma promotora da “glória” de Javé. IV – ANA – A MÃESUPLICANTE 1 Sm 1.10-18, “10 levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao SENHOR, e chorou abundantemente. 11 E fez um voto, dizendo: SENHOR dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao SENHOR o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha. 12 Demorando-se ela no orar perante o SENHOR, passou Eli a observar-lhe o movimento dos lábios, 13 porquanto Ana só no coração falava; seus lábios se moviam, porém não se lhe ouvia voz nenhuma; por isso, Eli a teve por embriagada 14 e lhe disse: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti esse vinho! 15 Porém Ana respondeu: Não, senhor meu! Eu sou mulher
  13. 13. atribulada de espírito; não bebi nem vinho nem bebida forte; porém venho derramando a minha alma perante o SENHOR. 16 Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial; porque pelo excesso da minha ansiedade e da minha aflição é que tenho falado até agora. 17 Então, lhe respondeu Eli: Vai-te em paz, e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste.18 E disse ela: Ache a tua serva mercê diante de ti. Assim, a mulher se foi seu caminho e comeu, e o seu semblante já não era triste”. -. Nome “Ana”, Hebraico “hnx” – Channah, significado “graça”. -. Ana foi a mãe de um dos maiores sacerdotes-profetas do Velho Testamento. Porém, sabemos as dificuldades que ela enfrentou devido à sua esterilidade, que a motivou “chorar” na presença de Deus, junto ao templo. Vimos que até mesmo o sacerdote Eli a teve por embriagada. Em seu pedido suplicante, ela ofereceu seu filho para o serviço de Deus, cumprindo seu voto mais adiante. Note que em sua súplica, Ana achou “graça” diante do Senhor. V- RISPA , A MÃE MODELO Mãe amorosa, não abandonou seus filhos nem quando morreram; passando aproximadamente seis meses enxotando as aves de rapina para que não comessem os corpos de seus dois filhos expostos na terra. Foi honrada por rei Davi, enterrando seus filhos nas sepulturas dos reis de Israel. (2 Sm. 21:8-14). Quantas mães já abandonaram seus filhos, mesmo vivos? Uma tristeza. -Rispa, foi uma mãe virtuosa que entendeu e aceitou a missão de ser mãe. Uma mãe verdadeiramente convertida aos seus filhos. ( Malaquias 4:6) Mesmo em face ao sofrimento, e morte, não abandonou seus filhos nem de dia e noite ficava perto de seus corpos não deixando as aves devorar seus corpos. Quantas mães já desistiram de seus filhos deixando que as aves das drogas, dos traficantes, prostituições, más compainhas, os pecados diversos, filmes e revistas pornográficas, namoros fornicares, namorados dormirem na casa. Enxote essas aves de seus filhos, mande embora, mas não perca seus filhos.
  14. 14. VI – MARIA – A MÃE AGRACIADA E SOFREDORA Lc 1.30-33, “30 Mas o anjo lhe disse: Maria, não temas; porque achaste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. 32 Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; 33 ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim”. Lc 2.34-35, “34 Simeão os abençoou e disse a Maria, mãe do menino: Eis que este menino está destinado tanto para ruína como para levantamento de muitos em Israel e para ser alvo de contradição 35 (também uma espada traspassará a tua própria alma), para que se manifestem os pensamentos de muitos corações”. 1. Nome “Maria” – Grego – “Maria” – Maria; Hebraico – “Myrm” – Miryam – significado “rebelião”. 2. Maria hospedou em seu ventre o Filho de Deus, o Deus Encarnado, para depois vê-lo ser sacrificado em prol dos pecados humanos, 1 Co 15.3, “Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras”. Certamente Maria, agonizou junto à cruz de seu filho. Talvez, esta mulher de Deus, seja a I89 única das mães citadas, cujo nome não faz juz ao seu significado, uma vez que jamais foi “rebelde”. A vida de Maria se resume no seguinte ato de obediência: “Cumpra-se em mim segundo a sua palavra”, Lc 1.38. AS BÊNCÃOS DA MÃEVIRTUOSA Será sempre lembrada em suas virtudes . Não será esquecida nem quando morrer. Será sempre amada. Seu caráter estará evidente em seus filhos e na sua posteridade. Deus a honrará como honrou a Rispa. O amor de Deus representado simbolicamente pelo amor de mãe: “ Mas Sião diz: O Senhor me desamparou, o Senhor se esqueceu de mim. Acaso pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que se compadece do filho do seu ventre?
  15. 15. Mas ainda que essa viesse esquecer-se dele, eu, todavia , não me esqueceria de ti” Is 49:14,15 “ Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei o meu filho… Todavia eu ensinei a andar a Efraim; tomei-os nos meus braços, mas não atinaram que eu os curava. Atrai-os com cordas humanas, com laços de amor, e fui para com eles como quem alivia o jugo de sobre as suas queixadas, e me inclinei para dar-lhes de comer.” Os 11:1,3,4 Deus abençoe cada dia as mães. Para que compreendendo a sua missão na terra, nunca desfaleça, nunca desista, nunca desanime, pois estará plantando uma semente, regando com amor, paciência e oração. O que diz a Bíblia sobre ser uma mãe cristã? Pergunta: "O que diz a Bíblia sobre ser uma mãe cristã?" Resposta: Ser mãe é um papel muito importante que o Senhor escolhe para dar a muitas mulheres. Às mães é dito que amem seus filhos em Tito 2:4-5, que diz: “Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.” Em Isaías 49:15a a Bíblia diz: “Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre?” Quando se começa a ser mãe?
  16. 16. Os filhos são presentes do Senhor (Salmos 127:3-5). Em Tito 2:4, aparece a palavra grega “phileoteknos”. Esta palavra representa um tipo especial de “mãe- amor”. A idéia que esta palavra evoca é de “preferir” nossos filhos, “cuidar” deles, “alimentá-los”, “abraçá-los” com amor, “satisfazer suas necessidades”, “amavelmente ser amiga” de cada um como único vindo da mão de Deus. A Escritura nos ordena para que vejamos “mãe-amor” como nossa responsabilidade. A palavra de Deus ordena tanto às mães quanto aos pais para que façam várias coisas na vida de seus filhos, dando: Disponibilidade – manhã, tarde e noite (Deuteronômio 6:6-7). Envolvimento – interagindo, colocando pontos de vista, pensando e processando a vida juntos (Efésios 6:4). Ensinamento – sobre as Escrituras, a visão bíblica do mundo (Salmos 78:5-6, Deuteronômio 4:10, Efésios 6:4). Treinamento – ajudando o filho a desenvolver habilidades e descobrir seu potencial (Provérbios 22:6). Disciplina – ensinando o temor do Senhor, ensinando seus limites de forma consistente, amorosa e firme (Efésios 6:4, Hebreus 12:5-11, Provérbios 13:24, 19:18, 22:15, 23:13-14, 29:15-17). Nutrição – provendo um ambiente de constante apoio verbal, liberdade de falhar, aceitação, afeto e amor incondicional (Tito 2:4, II Timóteo 1:7, Efésios 4:29-32, 5:1- 2, Gálatas 5:22, I Pedro 3:8-9). Exemplo com integridade – vivendo de acordo com o que ensina, sendo um modelo com o qual o filho possa aprender “captando” a essência de um viver piedoso (Deuteronômio 4:9, 15, 23; Provérbios 10:9, 11:3; Salmos 37:18, 37). A Bíblia nunca ordena que todas as mulheres devam ser mães. Contudo, diz que aquelas que o Senhor abençoa e se tornam mães devem tomar seriamente tal responsabilidade. As mães têm um papel único e crucialmente importante nas vidas de seus filhos. A maternidade não é um trabalho ou tarefa desagradável. Da mesma forma com que uma mãe gera seu filho durante a gravidez, e da mesma forma com que a mãe alimenta e cuida de seu filho durante a infância, as mães têm também um papel constante na vida de seus filhos, adolescentes, jovens
  17. 17. adultos e até filhos completamente adultos. Enquanto o papel da maternidade deve se transformar e se desenvolver, o amor, cuidado, educação e encorajamento que uma mãe dá nunca devem terminar

×