AS PONTECIALIDADES GEOLÓGICAS E GEOMORFOLÓGICAS PARA O           GEOTURISMO NA CACHOEIRA DO OURICURI                      ...
para a comunidade, se montada por uma estrutura que abrigue os turistas e ao mesmotempo se preocupe com a preservação da c...
esforços tectônicos na formação da Província Borborema, atualmente mascaradas pelosprocessos exógenos e pela cobertura veg...
O falhamentos é sempre acompanhado de um deslocamento ao longo do planode ruptura, que pode assumir dimensões as mais vari...
Segundo a Companhia de Pesquisa e de Recursos Minerais (CPRM, 2005), acachoeira de Ouricurí pertence ao município de Pilõe...
Todos os elementos apontam e asseguram a ocorrência de uma mata típica dolocal, ou seja, Mata de Brejo, bem parecida com a...
dessa movimentação interna surgiu a cachoeira e consigo a estrutura de um relevo aindajovem, mas que já se encontra em pro...
Segundo Azevedo (2007 p. 21) no Brasil há preocupações com o patrimôniogeológico em forma de lei que se encontra expresso ...
gestores responsáveis pelas aplicações das políticas de incentivos a educação ambientalque são os principais responsáveis ...
Disponível em:http://www.geograficas.cfh.ufsc.br/arquivo/ed05/rel03ed05.pdf<Acessado              em:08/05/12>.AZEVEDO, Úr...
http://www.aesa.pb.gov.br/perh/relatorio_final/Capitulo%202/pdf/2.6%20-%20CaracTopograficaGeomorfologia.pdf. Acessado em 2...
..    .
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Geologia e geomorfolia associadas ao turismo sustentável

933 visualizações

Publicada em

Geologia e Geomorfologia associando para o desenvolvimento turístico sustentável

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geologia e geomorfolia associadas ao turismo sustentável

  1. 1. AS PONTECIALIDADES GEOLÓGICAS E GEOMORFOLÓGICAS PARA O GEOTURISMO NA CACHOEIRA DO OURICURI Jailson da silva CARDOSO Graduando em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira jailsongeografia2010@hotmail.com José Eldis Pereira dos SANTOS Graduando em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira eldiantos@hotmail.com Gilvânia Ribeiro ROCHA Graduanda em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira gilvaniaribeirorocha@hotmail.com Rômulo Sérgio Macedo LINS Prof.Ms. em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira (orientador) rsmgeo@yahoo.com.brRESUMOÁrea da Cachoeira de Ouricuri é de característica própria apresentar em sua estruturageológica rochas, que se encontra polidas e estriadas, bem como, os espelhos de falhasque são perceptíveis e possíveis de ser encontrada na superfície terrestre, ondeaconteceram falhamentos. Além desse potencial geológico a cachoeira encanta seusvisitantes pela exuberância da cobertura vegetal de mata fechada com uma tipologia decaatinga brejeira, a vegetação encontra-se entremeada das encostas e serras rochosas.Ao longo do curso o rio oscila seu volume hidrológico é volumoso no inverno e nasestiagens permanece com o fluxo menor, mas não seca, seu relevo é com formação devale “V” com altitudes de 450 metros o que irá propiciar um clima mais ameno devidoa este potencial geológico, geomorfológico e climático. Já existe o projeto “Caminhosdo frio rota cultual”, e a Cachoeira de Ouricuri encontra-se inserida nesteprojeto situada nos domínios da bacia hidrográfica do Mamanguape e do rio Araçagi,sendo um dos seus afluentes na Paraíba. Nesta pesquisa objetivou-se em fazer umlevantamento do potencial geológico e geomorfológico que há na Cachoeira deOuricuri, Pilões/PB, na expectativa da implantação do geoturismo, no intuito deamenizar a degradação ambiental que já se encontra bastante acelerada, podendocontribuir para uma educação ambiental dos moradores, dos visitantes e das geraçõesfuturas. Na metodologia procurou-se valorizar a pesquisa qualitativa somada a pesquisaempírica: com aplicação de questionários, ocorreu registro fotográfico e conversasinformais com os moradores próximos da cachoeira, com visitas in locus nos períodosde estiagens e chuvas, além da pesquisa de gabinete. Foi realizado um levantamentobibliográfico que nos auxiliou na definição desse segmento de pesquisa. As principaisideias foram utilizadas nos procedimentos teóricos e metodológicos. Os resultados nosderam conta que existe um potencial natural da cachoeira, que a presença de muitosvisitantes é nos feriados e finais de semana que se banham nas águas da Cachoeira deOuricuri e até acampam nas margens da mesma, o que está faltando planejamento eefetivação de parceria com instituições governamentais. Podemos concluir que existetoda uma riqueza geológica e geomorfológica na área em estudo, que pode gerar renda
  2. 2. para a comunidade, se montada por uma estrutura que abrigue os turistas e ao mesmotempo se preocupe com a preservação da cobertura vegetal, e a implantação daeducação ambiental, para os moradores bem como esse legado para as futuras gerações.Palavras- Chave: Cachoeira de Ouricuri, geológica e geomorfológica.INTRODUÇÃO As estruturas dos relevos cada uma com suas características próprias passarampor grandes transformações ao longo dos anos e séculos, vários fatores contribuírampara cada formação dessas que ao longo dos horizontes podemos perceber algunsrelevos mais pontiagudos, outros mais suaves e planos, além de se submeterem aosprocessos erosivos naturais, que também modificados pela ação do homem, que poraqui passou a tirar os próprios meios de subsistências e sobrevivências. Dá área ao redorda cachoeira comprometendo seu equilíbrio natural. A natureza foi a principal agentemodeladora responsável pela dinâmica, estrutura e diversas formas variadas dos relevosencontrados na superfície terrestre, sendo possível enxergar na sua formação de relevo,afloramentos rochosos, com falhas e escarpa de falhas que devido ao soerguimentotectônico do interior da Terra, subiu um material inorgânico para a superfície e daí foisurgiram às elevações que se destacam no município de Pilões/PB, o seu relevo écaracterizado por vales encaixados acidentado e marcado por falhas e dobras ao longodas serras. Para Leinz e Amaral, (2003 p. 351): As falhas são fraturas que ocorrem devido a certo deslocamento que éperceptível das partes, que se dá ao longo do plano de fraturas e esse deslocamento podeter certa amplitude que varia de milímetro e centenas de metros, sua formação pode serpor meio tectônico ou atectônico. Mas na sua formação de relevo no entorno daCachoeira de Ouricurí e na Serra do Espinho o que predomina de fato são as feiçõesgeológicas que comprovam que ocorreram grandes forças gravitacionais e queatualmente encontra-se mascarado pelo processo erosivo, mas podem-se perceber osplanos de falhas em sua estrutura a olho nu. Para Souza (2011) o mesmo enfatiza:Que a área de estudo apresenta uma topografia de planalto com movimentaçãoligeiramente ondulada em dobras e falhas antigas (Pré-cambriana e Paleomesozóica).As encostas correspondem a espelhos de falhas, soerguidas por forças endógenas de
  3. 3. esforços tectônicos na formação da Província Borborema, atualmente mascaradas pelosprocessos exógenos e pela cobertura vegetal. De acordo com Ferreira (2010 p. 39): O rebordo oriental dessa província apresenta e configura-se de um modeladoperfil de relevo côncavo- convexo interceptado por vales estreitos e encaixadosadaptados à morfologia local, e ao mesmo tempo é marcado por meandros e terraçosfluvial nos vales. Guerra e Cunha (2008 p. 83) irão enfatizar que: Nas áreas tectonicamente ativadas, a erosão vigoriza na frente da escarpa, queconsequentemente irá dar origem a vales estreitos e paralelos, que proporcionam, emalguns casos, o aparecimento de feições triangulares nos interflúvios escarpados. Com avegetação típica da região e com toda predominância dos afloramentos rochosos naprópria superfície, a paisagem se destaca com uma vista belíssima com que há ainda dacobertura vegetal se destacando por uma vegetação que permanece verde o ano todo,Ab’saber (2003 p. 146) vai assegurar que: “Na ocasião, fáceis espinhentos das caatingas as fixaram em pequenos setoresrochosos de serrinhas, piemontes de pães de açúcar e eventuais lajedos de rochasgraníticas ou similares.” Nesta pesquisa objetivou-se em fazer um levantamento do potencial geológicoe geomorfológico que há na Cachoeira de Ouricuri, Pilões/PB, na expectativa daimplantação do geoturismo, no intuito de amenizar a degradação ambiental que já seencontra bastante acelerada e poder contribuir para uma educação ambiental dosmoradores, dos visitantes e das gerações futuras.FUNDAMENTAÇÃO TEORICA METODOLOGICA De acordo com a Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa) o relevodo Estado da Paraíba destaca-se pelas formas diversificadas constituindo-se porformação de relevos bastante diferenciados que foram trabalhadas por diferentesprocessos, atuando com climas distintos e sobre rochas poucas ou muito caracterizados.A topografia assume sua importância, com interferência de formas significativas notocante ao clima, o que de certa maneira tem atuado nas ocorrências de diversificaçõesclimáticas existentes no Estado.
  4. 4. O falhamentos é sempre acompanhado de um deslocamento ao longo do planode ruptura, que pode assumir dimensões as mais variadas, até de centenas dequilômetros, jatobá e Lins (2003). Segundo Ferreira (2010 p. 37) afirma que o material geológico na Serra doEspinho é composto por granítico e gnáissico, que compõe de forma geral o arcabouço,com uma estruturação compacta e homogênea, mas é possível enumerar diversos pontosdesse material rochoso que aflora e apresentam significantes planos de fraturas,diáclases e pequenas dobras. Segundo (Press etal 2006.p 341) Um dos principais agentes geológicos queatuam na superfície da Terra são os rios, na medida em que as erosões das rochasocorrem no seu substrato e transportam e depositam areia, lama e cascalho, todos os riosdesde que sejam pequenos riachos até caudalosos, são todos proeminentes escultores dapaisagem. De acordo com o Geoturismo Brasil (2007) ressalta que o patrimôniogeológico são recursos naturais em transformação pelos processos geológicos quenecessita de cuidados para sua preservação levando em conta que alguns afloramentospodem ser tão frágeis quanto um habitat do meio biótico, os mesmos patrimônios são osafloramentos de rochas, a ocorrência de fosseis, minerais, estruturas geológicas e atémesmo paisagens que apresentem um significado didático, científico, cultural outurístico, conhecidos como geossítios. Para (Amorim, 2009) o serviço geológico do Brasil define a geodiversidadecomo sendo o estudo da natureza abiótica (meio físico) constituída por uma variedadede ambientes, composição, fenômenos e processos geológicos que dão origem àspaisagens, rochas, minerais, águas, fósseis, solos, clima e outros depósitos superficiaisque propiciam o desenvolvimento da vida na Terra, tendo como valores intrínsecos acultura, o estético, o econômico, o científico, o educativo e o turístico. Ab’saber (2009) ressalta que no Planalto da Borborema uma espécie de“maciço central” do Nordeste, posição para o leste, há a predominância de matas deencostas na vertente leste e sudeste no platô cristalino. E que em alguns casos, aumidade vinda de sudeste e leste contribuem para o desenvolvimento de matas cimeiras,de encostas e de piemonte. Na região do Agreste as espécies de matas da caatinga sãoconstituídas por uma vegetação arbóreas e por matinhas entremeadas típica do tropical.3 MATERIAL E MÉTODO
  5. 5. Segundo a Companhia de Pesquisa e de Recursos Minerais (CPRM, 2005), acachoeira de Ouricurí pertence ao município de Pilões que está localizado no estado daParaíba inserido na Microrregião do Brejo e na Mesorregião do Agreste Paraibano, naunidade geoambiental no Planalto da Borborema. Sua formação de relevo é de valesprofundos, estreitos e dissecados, e possui afloramentos das rochas, há uma variaçãocom altitude entre 0 á 20 metros de espessura. A sede do município possui uma altitudeaproximada de 334 metros, com distância da capital de 117 km com acesso a partir dastrês vias estaduais, duas delas asfaltadas, que ligam o município aos seus vizinhos edemais regiões do país, que são a PB 077 (João Pessoa – Guarabira – Cuitegi); PB 087(Campina Grande – Areia – Pilões); (Natal – Bananeiras – Borborema – Pilões). A áreaem estudo encontra-se no município de Pilões, inserido nos domínios da baciahidrográfica do rio Mamanguape. A pesquisa desenvolveu-se com base nos seguintes procedimentos:levantamento bibliográfico fundamentado em autores que abordam as discussões quedestacam as potencialidades naturais: Brilha (2005) que ressalta a importância doPatrimônio Geológico e sua Geoconservação; CPRM (2008) enfatiza a importância dopatrimônio geológico e o turismo sustentável; Amorim (2009) relaciona à geologia, ageodiversidade, a geoconservação e o geoturismo, dentre outros conteúdos, trabalhacom o conceito de patrimônio ambiental, implicações e exploração turística dos recursosnaturais; Seabra (2001) faz uma abordagem do turismo ecológico; Guerra e Marçal(2006) com ênfase no meio ambiente;. Ab’saber (2009) ecossistemas do Brasil. Caracterização da área em estudo Clima É o tropical chuvoso e com verão seco, a estação chuvosa se inicia emJaneiro/Fevereiro com término em setembro, podendo se adiantar até Outubro, volta aapresentar índices pluviométricos anuais bem aproximados daqueles do litoral, suaprecipitação média anual na Microrregião do Brejo é de 1400 mm, o que favorece aperenidade e fluxo d’água dos seus rios, chega apresentar uma umidade relativa do ar de85%, sua temperatura média anual é de 22°C, com sua mínima atingindo menos de15°C, isto nos anos mais frios.Vegetação
  6. 6. Todos os elementos apontam e asseguram a ocorrência de uma mata típica dolocal, ou seja, Mata de Brejo, bem parecida com a Mata Atlântica e apresenta árvores degrande porte e algumas de suas espécies, com Pau Santo, Pau D’arco entre outrasespécies, a exemplos de alguma palmácea (macaíba, pindoba, catolé e etc.) e ainda ocedro, o bálsamo, entre outras. A vegetação é da tipologia de caatinga hipoxerófila destaunidade é formada por florestas típicas das áreas agrestes que são Subcaducif´dica eCaducif´dica. RESULTADO E DISCURSSÃOA geomorfologia da Cachoeira de Ouricuri, bem como, da Serra do Espinho écaracterizada por espelho de falha, ou seja, ocorreram fraturas e falhas quando ocorreu osoerguimento do material inorgânico através de movimentação internas, que ao expeliro material geológico para fora da superfície deu forma a topografia atual, esse fenômenoé conhecido por endógenos ou processos endogenéticos.Figura (1) vista frontal da Pedra do Espinho Pilões/ PB Fonte: Márcia Albuquerque, 2012.Para Penha (2008 p. 61) o mesmo ressalta que deve ficar entendido que tanto odobramento como o falhamento são fenômenos endógenos, processos que acontecem nointerior da crosta e não na superfície, como logo ao observar aparentam ser. E através
  7. 7. dessa movimentação interna surgiu a cachoeira e consigo a estrutura de um relevo aindajovem, mas que já se encontra em processo erosivo, onde o calor, o frio, a umidade, orio que é um dos principais agentes responsáveis pela transformação do relevo e entreoutros. Guerra e Guerra (2008) mencionam: A cachoeira como sendo, uma quedad’água no curso de um rio, ocasionada pela existência de um degrau no perfillongitudinal do mesmo. As causas da existência dessas diferenças de nível no leito dorio podem estar ligadas a falhas, dobras, erosão diferencial e diques. No sopé dacachoeira geralmente há o aparecimento de marmitas ou caldeirões, produzidospelochoque das correntes fluviais. Geralmente as águas carregam sedimentos dediversas dimensões depositados em suspensão, que são responsáveis pela escavação dasmarmitas de turbilhonamento. No caso da cachoeira do Ouricuri as marmitasencontram-se num espelho de falha da encosta oriental do Planalto da Borborema,embora o degrau tectônico esteja muito mascarado pela erosão. Essa movimentação é responsável pela forma de relevo que predomina nomunicípio de Pilões em si, e torna-se importante para geólogos, como para a populaçãoentender o seu passado, para compreender o presente, embora que seja um laboratóriofísico e natural, mais ainda pouco explorado pelos os pesquisadores, ao contrário o quepercebemos na localidade em estudo e ao seu entorno são fatores que só nos preocupamque é a retirada da cobertura vegetal, queimadas irregulares, criação de agropastoris,plantação de monocultura e entre outros. Para Brilha (2005 p. 40) as atividades de exploração aos recursos mineraispodem constituir uma ameaça a geodiversidade, em dois níveis conhecidos, como asexplorações das paisagens e dos afloramentos rochosos. Na exploração da paisagem,quando não se utiliza nenhuma estratégia para minimizar os impactos negativos dapaisagem natural implantada na região, ou então dos afloramentos das rochas, ocorridapela realização das atividades extrativas, que pode de igual modo destruir as formaçõese as estruturas das rochas, que por alguma razão venha conter um valor particular. Oque se necessita atualmente e com urgência é a educação ambiental voltada para asustentabilidade da comunidade já que o turismo encontra-se implantado de formaaleatória e sem aplicação das leis vigentes ao patrimônio geológico natural, embora quejá exista, mas tem que existir além dos papéis e ser aplicadas de fato.
  8. 8. Segundo Azevedo (2007 p. 21) no Brasil há preocupações com o patrimôniogeológico em forma de lei que se encontra expresso no artigo 4° da lei de número 9.985de 2000 que logo institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Oartigo referido coloca em seu incisoVII como um dos objetivos do SNUC “ Proteger ascaracterísticas relevantes da natureza, geológica, geomorfológica, espeleológicas,arqueológica, palenteológica e cultural.” Onde foi preciso a junção de academias,órgãos e outras instituições interessadas no assunto. Ao mesmo tempo a sociedade, acomunidade em si, terá que está organizada para lutarem pelos os seus direitos,cobrando das lideranças e autoridades em suas esferas legislativas, com a intenção deimplantação de políticas públicas em prol de um determinado objetivo a ser alcançado,ou seja, uma política voltada para intervir na ação antrópica que desfruta dos bensnaturais sem nenhuma preocupação com os fatores bióticos e abióticos no ecossistemapresente. As políticas de gestão ambiental tendem a se concentrar sobre determinado elementos naturais aos quais se dá maior atenção para a importância para a civilização, como por exemplo: a biodiversidade e a unidade de conservação, os recursos hídricos, os solos, as paisagens excepcionais, os sítios fosseis e entre outros. (Floriano, 2007.p. 32). Para concretizar de fato uma área de conservação serão necessários alguns cuidadospor parte dos órgãos públicos fazendo fiscalizações concretas da área, além de darênfase à aplicação de conhecimentos técnicos para ajudarem os agricultores nos seusplantios, ensinando como correlacionar as técnicas dos profissionais com oconhecimento do homem do campo, evitando as queimadas e ensinar os pequenosagricultores a plantarem, mas respeitando as curvas de nível do próprio relevo, evitar asretiradas das matas ciliares do leito do rio, que consequentemente irá evitar a seca dosrios, bem como seu assoreamento. Será de suma importância os órgãos responsáveisimplantarem uma estrutura para agregar os visitantes turistas e fomentar a importânciade manter a Cachoeira limpa, com a coleta seletiva dos resíduos sólidos, em algunslocais implantarem lixeiras, e placas de avisos, para evitar os rabiscos nas rochas e apoluição da mesma, além de incentivarem desde a sala de aula até a comunidadereceptora e produtora desse potencial turístico para os moradores, visitantes e estudantesdo município, modos elementares de conscientização e preservação ecológicas, que sãoos portadores indispensáveis para uma educação ambiental, claro que a partir dos
  9. 9. gestores responsáveis pelas aplicações das políticas de incentivos a educação ambientalque são os principais responsáveis por essas medidas, logo perceberá mudanças que vãocontribuir para a conservação da área protegida, sabendo que o retorno não será deimediato, mas são necessários os primeiros passos.CONSIDERAÇÕES FINAIS No decorrer do desenvolvimento desta pesquisa, observou-se a presenteatividade dos moradores, turistas e produtores rurais próximos à cachoeira do Oricurí,tanto no desfrute da mesma pelo seu potencial turístico, quanto também à utilizaçãoirregular das curvas níveis, contribuindo com a retirada da cobertura vegetal, que temocasionado o aceleramento da erosão e o empobrecimento do solo através do cultivo dasmonoculturas, seria de suma importância que técnicos na área, incentivassem osmoradores a plantarem corretamente, aproveitando-se do local de modo sustentável semcomprometer a cobertura vegetal e sua formação topográfica, a modalidade de“geoturismo”, tem por objetivo mostrar as potencialidades geológicas egeomorfológicas e ao mesmo tempo em que o turista desfrute e aproveite, onde ousuário ao mesmo tempo desfrute do lugar e fique bem informado dos aspectosgeológicos e geomorfológicos, no intuito dos mesmos valorizarem essas riquezas epreservarem para as gerações futuras, com a implantação de uma possível educaçãoambiental, sabendo que essa modalidade por si mesmo não contribuirá para uma área depreservação se os gestores públicos não intervirem com devido planejamento ambientalintegrando o desenvolvimento rural como também a sustentabilidade da comunidade doOricurí, com incentivos na própria agricultura familiar e ao mesmo tempo preservar aidentidade local dos moradores.REFERENCIAS BIBLIOGRAFICASAB’SABER, Aziz. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas.São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.AB’SABER, Aziz, MARIGO, Luis Claudio. Ecossistema do Brasil. São Paulo,Metalivre, 2009.AMORIM, David Crhistopher Muniz. Relatório de campo: geologia, geodiversidade,geoconservação e geoturismo em morro do Chapéu/BA (NE- Brasil).
  10. 10. Disponível em:http://www.geograficas.cfh.ufsc.br/arquivo/ed05/rel03ed05.pdf<Acessado em:08/05/12>.AZEVEDO, Úrsula Ruchkys. Patrimônio geológico e geoconservação no QuadriláteroFerrífero, Minas Gerais: Potencial para a criação de um geoparque da UNESCO. Tesede Doutorado, instituto de geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, BeloHorizonte, 2007.BRILHA. José. Patrimônio Geológico e Geoconservação: A conservação da naturezana sua vertente geológica. Braga, 2005. Disponível em:http://www.dct.uminho.pt/docentes/pdfs/jb_livro.pdf< acessado em 08/02/12>CPRM- Serviço geológico do Brasil. Projeto cadastro de fontes de abastecimento porágua subterrânea. Diagnóstico do município de Pilões, estado da Paraíba. Organizado[por] João de Castro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de SouzaJunior, Franklin de Morais, Vanildo Almeida Mendes, Jorge Luiz Fortunato deMiranda. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.FERREIRA, Joab Ítalo da Silva. Geomorfologia da Serra do Espinho, Pilões/PB.Guarabira, UEPB, 2010.FLORIANO, Eduardo Pagel. Políticas de gestão ambiental. Departamento de ciênciasnaturais, Universidade Federal de Santa Maria. 3ª Ed. Revisada. Santa Maria, 2007.GUERRA, Antônio José Texeira, CUNHA, Sandra Batista da. Geomorfologia: Umaatualização de bases e conceitos. Organizadores. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,2008.JATOBÁ, Lucivânio, 1952 introdução à geomorfologia /Lucivânio Jatobá, Lins; RachelCaldas.__4. Ed. Revista e ampliada.__Recife: Bagaço. 2003,166pLEINZ, Viktor; AMARAL, Sérgio Estanislau do. Geologia geral. 14ª Ed. São Paulo:Campanhia editora nacional, 2003.PRESS, Frank... [org]. Para entender a terra. Tradução MENEGAT, Rualdo... [etal]. 4ªEd. Porto Alegre: Bookman, 2006.SILVA, Cassio Roberto da.Geodiversidade do Brasil: Conhecer o passado, paraentender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro. CPRM, 2008. Disponível em:<http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade_brasil.pdf>. Acessado em:12/03/12.SOUZA, Ramon Santos. A geodiversidade da Serra da Jurema- Serra de Pilões comoatrativo geoturístico paraibano, 2011.Sítios consultados:http://www.geoturismobrasil.com/patrimonio.html. Acessado em: 21/04/12.
  11. 11. http://www.aesa.pb.gov.br/perh/relatorio_final/Capitulo%202/pdf/2.6%20-%20CaracTopograficaGeomorfologia.pdf. Acessado em 22/07/12...
  12. 12. .. .

×