SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
O canto ancestral de Dora Ferreira da Silva
Com uma escrita permeada pelos elementos míticos, símbolos e arquétipos, Dora Ferreira da
Silva é defensora de uma poesia atemporal. De descendência grega, a escritora e tradutora, que
dedicou mais de 50 anos à arte poética, intensifica sua relação com a temática mítica em sua
última obra lançada em vida: o livro Hídrias.

                                 Questões pesquisadas
 Por que o mito sobrevive?
 Como os mitos se relacionam com a condição humana?
 O que Narciso tem a ver com o homem contemporâneo?
 Como esse mito é evocado na poesia de Dora Ferreira da Silva?


            Narciso I
 Lampeja o olhar que antes a toda beleza
 se esquivara. És tu, Narciso,
 teu reflexo nas águas, ou a irmã
 de gêmeo rosto e forma?
 Não, não te afastas, porque a unidade
 em duas se faria e o mundo das sombras ulula
 à espera de tal luto. Permaneces inclinado
 e adoras, sem saber se és tu, ou quem queres ver
 nos exasperando amor que as águas refletem.
 A Morte veio enfim buscar-te, consternada,
 vendo os olhos do estranho amante
 fixos na flor nascida de teu sonho.


                                        Conclusões
Elemento fundamental na poesia de Dora Ferreira da silva, o mito, enquanto perpetuador dos
símbolos arquetípicos, é o construtor da perenidade da sua poesia. É com a reativação e a
transposição dos mitos antigos para o cotidiano que a poeta sensibiliza o seu leitor, fazendo-o
refletir acerca do sentido da existência humana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura simbolismo
Literatura   simbolismoLiteratura   simbolismo
Literatura simbolismojessica_wisni
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoCynthia Funchal
 
Análise de emparedado, de cruz e souza
Análise de emparedado, de cruz e souzaAnálise de emparedado, de cruz e souza
Análise de emparedado, de cruz e souzama.no.el.ne.ves
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaKarina Lobo
 
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave PanteraMarly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave PanteraRenata Bomfim
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasilJonatas Carlos
 
Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo iISJ
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismoesmigolpop
 
Texto literário e não literário 2
Texto literário e não literário 2Texto literário e não literário 2
Texto literário e não literário 2Vivian gusm?
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinhayannvp1
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoCrisBiagio
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacVitor Morais
 

Mais procurados (20)

O que é literatura?
O que é literatura?O que é literatura?
O que é literatura?
 
Literatura simbolismo
Literatura   simbolismoLiteratura   simbolismo
Literatura simbolismo
 
Literatura 2010
Literatura 2010Literatura 2010
Literatura 2010
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Análise de emparedado, de cruz e souza
Análise de emparedado, de cruz e souzaAnálise de emparedado, de cruz e souza
Análise de emparedado, de cruz e souza
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
 
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave PanteraMarly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Texto literário e não literário 2
Texto literário e não literário 2Texto literário e não literário 2
Texto literário e não literário 2
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
 
Simbolismo - Cruz e Souza
Simbolismo -  Cruz e SouzaSimbolismo -  Cruz e Souza
Simbolismo - Cruz e Souza
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 

Destaque

Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraJamille Rabelo
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguísticoJamille Rabelo
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorJomari
 
Clarice Lispector
Clarice Lispector Clarice Lispector
Clarice Lispector Tomás Pinto
 
Seminário setembro 2010
Seminário   setembro 2010Seminário   setembro 2010
Seminário setembro 2010cappaportugal
 
Plano de patrocínio evento de reumatologia 2013
Plano de patrocínio   evento de reumatologia 2013Plano de patrocínio   evento de reumatologia 2013
Plano de patrocínio evento de reumatologia 2013GTAmultimidia
 
Slides do hotel e da chapada
Slides do hotel e da chapadaSlides do hotel e da chapada
Slides do hotel e da chapadaEdirlene Fraga
 
Exercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerênciaExercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerênciaMarcos Amauri
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Joice Holanda
 
Resenha pronta teoria da literatura 01
Resenha pronta teoria da literatura 01Resenha pronta teoria da literatura 01
Resenha pronta teoria da literatura 01Reginaldo Batista
 
Plano de aula histórias em quadrinhos
Plano de aula histórias em quadrinhosPlano de aula histórias em quadrinhos
Plano de aula histórias em quadrinhosmfereguetti
 
Alienigena que queria aprender a ler
Alienigena que queria aprender a lerAlienigena que queria aprender a ler
Alienigena que queria aprender a lerNaysa Taboada
 
Denuncia sandra estupro
Denuncia sandra   estuproDenuncia sandra   estupro
Denuncia sandra estuproveronice23
 

Destaque (20)

Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
 
Para+DôRa..
Para+DôRa..Para+DôRa..
Para+DôRa..
 
Clarice Lispector
Clarice Lispector Clarice Lispector
Clarice Lispector
 
Villa Romana - Varginha - Mg - 2011
Villa Romana - Varginha - Mg - 2011Villa Romana - Varginha - Mg - 2011
Villa Romana - Varginha - Mg - 2011
 
Moltitudini mediali
Moltitudini medialiMoltitudini mediali
Moltitudini mediali
 
Seminário setembro 2010
Seminário   setembro 2010Seminário   setembro 2010
Seminário setembro 2010
 
Plano de patrocínio evento de reumatologia 2013
Plano de patrocínio   evento de reumatologia 2013Plano de patrocínio   evento de reumatologia 2013
Plano de patrocínio evento de reumatologia 2013
 
Slides do hotel e da chapada
Slides do hotel e da chapadaSlides do hotel e da chapada
Slides do hotel e da chapada
 
Os nomes de deus
Os nomes de deusOs nomes de deus
Os nomes de deus
 
Exercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerênciaExercicios de fixação de coesão e coerência
Exercicios de fixação de coesão e coerência
 
Jorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arteJorge coli - o que é arte
Jorge coli - o que é arte
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -
 
Resenha pronta teoria da literatura 01
Resenha pronta teoria da literatura 01Resenha pronta teoria da literatura 01
Resenha pronta teoria da literatura 01
 
Clarice lispector
Clarice lispectorClarice lispector
Clarice lispector
 
Plano de aula histórias em quadrinhos
Plano de aula histórias em quadrinhosPlano de aula histórias em quadrinhos
Plano de aula histórias em quadrinhos
 
Alienigena que queria aprender a ler
Alienigena que queria aprender a lerAlienigena que queria aprender a ler
Alienigena que queria aprender a ler
 
OS NOMES DE DEUS
OS NOMES DE DEUSOS NOMES DE DEUS
OS NOMES DE DEUS
 
Denuncia sandra estupro
Denuncia sandra   estuproDenuncia sandra   estupro
Denuncia sandra estupro
 

Semelhante a Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos

Semelhante a Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos (20)

Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdfMulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
Mulheres-Perséfone e sua descida ao submundo através da poesia.pdf
 
Apresentação da análise do livro: "Hídrias" de Dora Ferreira da Silva.
Apresentação da análise do livro: "Hídrias" de Dora Ferreira da Silva.Apresentação da análise do livro: "Hídrias" de Dora Ferreira da Silva.
Apresentação da análise do livro: "Hídrias" de Dora Ferreira da Silva.
 
O mito florbela espanca
O mito florbela espancaO mito florbela espanca
O mito florbela espanca
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
 
Miolo extracto_Contos Fantásticos
Miolo extracto_Contos FantásticosMiolo extracto_Contos Fantásticos
Miolo extracto_Contos Fantásticos
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Chicos 37
Chicos 37Chicos 37
Chicos 37
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Narciso
NarcisoNarciso
Narciso
 
Adelia Prado
Adelia PradoAdelia Prado
Adelia Prado
 
Homenagem à poetisa Quina Faleiro
Homenagem à poetisa Quina FaleiroHomenagem à poetisa Quina Faleiro
Homenagem à poetisa Quina Faleiro
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de Jamille Rabelo

A gramática nos livros didáticos
A gramática nos livros didáticosA gramática nos livros didáticos
A gramática nos livros didáticosJamille Rabelo
 
Corda Bamba - Lygia Bojunga
Corda Bamba - Lygia BojungaCorda Bamba - Lygia Bojunga
Corda Bamba - Lygia BojungaJamille Rabelo
 
Lançamento do primeiro livro do POEIMA
Lançamento do primeiro livro do POEIMALançamento do primeiro livro do POEIMA
Lançamento do primeiro livro do POEIMAJamille Rabelo
 
Realismo trágico x Realismo Cômico
Realismo trágico x Realismo CômicoRealismo trágico x Realismo Cômico
Realismo trágico x Realismo CômicoJamille Rabelo
 
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesa
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesaOs recursos de apoio ao professor de língua inglesa
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesaJamille Rabelo
 
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa Jamille Rabelo
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoJamille Rabelo
 
Aula de Língua Portuguesa para estrangeiros
Aula de Língua Portuguesa para estrangeirosAula de Língua Portuguesa para estrangeiros
Aula de Língua Portuguesa para estrangeirosJamille Rabelo
 
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.Jamille Rabelo
 

Mais de Jamille Rabelo (13)

Poeima na ong
Poeima na ongPoeima na ong
Poeima na ong
 
A gramática nos livros didáticos
A gramática nos livros didáticosA gramática nos livros didáticos
A gramática nos livros didáticos
 
Corda Bamba - Lygia Bojunga
Corda Bamba - Lygia BojungaCorda Bamba - Lygia Bojunga
Corda Bamba - Lygia Bojunga
 
Poesia e Imaginário
Poesia e ImaginárioPoesia e Imaginário
Poesia e Imaginário
 
Lygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes TellesLygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes Telles
 
Lançamento do primeiro livro do POEIMA
Lançamento do primeiro livro do POEIMALançamento do primeiro livro do POEIMA
Lançamento do primeiro livro do POEIMA
 
Realismo trágico x Realismo Cômico
Realismo trágico x Realismo CômicoRealismo trágico x Realismo Cômico
Realismo trágico x Realismo Cômico
 
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesa
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesaOs recursos de apoio ao professor de língua inglesa
Os recursos de apoio ao professor de língua inglesa
 
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa
O uso da tecnologia nas aulas de língua portuguesa
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Aula de Língua Portuguesa para estrangeiros
Aula de Língua Portuguesa para estrangeirosAula de Língua Portuguesa para estrangeiros
Aula de Língua Portuguesa para estrangeiros
 
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.
O uso de tecnologias facilitadoras da comunicação no ambiente de trabalho.
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
 

Hídrias: Dora Ferreira da Silva e os mitos gregos

  • 1. O canto ancestral de Dora Ferreira da Silva Com uma escrita permeada pelos elementos míticos, símbolos e arquétipos, Dora Ferreira da Silva é defensora de uma poesia atemporal. De descendência grega, a escritora e tradutora, que dedicou mais de 50 anos à arte poética, intensifica sua relação com a temática mítica em sua última obra lançada em vida: o livro Hídrias. Questões pesquisadas Por que o mito sobrevive? Como os mitos se relacionam com a condição humana? O que Narciso tem a ver com o homem contemporâneo? Como esse mito é evocado na poesia de Dora Ferreira da Silva? Narciso I Lampeja o olhar que antes a toda beleza se esquivara. És tu, Narciso, teu reflexo nas águas, ou a irmã de gêmeo rosto e forma? Não, não te afastas, porque a unidade em duas se faria e o mundo das sombras ulula à espera de tal luto. Permaneces inclinado e adoras, sem saber se és tu, ou quem queres ver nos exasperando amor que as águas refletem. A Morte veio enfim buscar-te, consternada, vendo os olhos do estranho amante fixos na flor nascida de teu sonho. Conclusões Elemento fundamental na poesia de Dora Ferreira da silva, o mito, enquanto perpetuador dos símbolos arquetípicos, é o construtor da perenidade da sua poesia. É com a reativação e a transposição dos mitos antigos para o cotidiano que a poeta sensibiliza o seu leitor, fazendo-o refletir acerca do sentido da existência humana.