Biome ca nica

1.212 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
102
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biome ca nica

  1. 1. BIOMECÂNICA DA CORRIDA PROFADRIANA
  2. 2. A corrida pode ser considerada, dentro de uma visão simplista, uma série de pequenos saltos de um pé para o outro que se repete por alguns metros a vários kilômetros.
  3. 3.  A velocidade de corrida de um depende da combinação de dois fatores: (1) amplitude da passada; (2) freqüência da passada. A amplitude da passada corresponde à soma de três distâncias: distância de impulsão, distância de vôo e distância de chegada ao solo. A freqüência de passada corresponde ao número de passadas executadas em um determinado tempo. Essa freqüência está diretamente relacionada ao tempo gasto para completar uma passada completa, o qual corresponde à soma do tempo em que o atleta está no solo com o tempo de vôo (HAY, 1981).
  4. 4.  FREQUÊNCIA DA PASSADA = ESFORÇO MUSCULAR
  5. 5.  Durante cada aterrissagem do pé no solo o corredor fica exposto a forças de impacto repetidas estimadas em duas a três vezes o seu próprio peso corporal. Aplicando este fato a um corredor de 70 kg de peso, que realiza durante a corrida uma média de 250 aterrissagens por pé por kilômetro percorrido, durante um kilômetro cada pé irá suportar 38 a 57 toneladas de força.
  6. 6.  Corredores com média de 60 a 120 km/sem podem expor seu corpo à aproximadamente 16.000 a 32.000 impactos por perna por semana, o equivalente a 2.400 a 7.200 toneladas de força.
  7. 7. Tipos de Pisadasa) Neutra: Inicia o contato com o solo do lado externo do calcanhar e,então, ocorre uma rotação moderada para dentro, terminando apassada no centro da planta do pé. Calçado ideal, entreamortecimento e estabilidadeb) Supinada: A pisada inicia no calcanhar do lado externo e semantém o contato do pé com o solo do lado externo, terminando apisada entre o 4º e 5º metatarso (dedinho do pé). Pé supinado é, emgeral, muito rígido. Calçado ideal, aumento do amortecimento e daflexibilidade.c) Pronada: Aquela em que a pisada também se inicia do lado externodo calcanhar, ou algumas vezes um pouco mais para a parte interna,para então ocorrer uma rotação acentuada do pé para dentro,terminando a passada perto do hálux (dedão do pé). A pronação é umproblema de hipermobilidade. Calçado ideal, menos flexível, maisestabilidade, e controle do movimento (retropé).
  8. 8. Evolução Cronológica dos Calçados Esportivos1866 - Produção do primeiro calçado com sola de borracha;1873 - Surge o termo "Sneaker" (Tênis - Calçado);1890 - Josefh William Foster produz os primeiros calçados com "tachas/pinos/travas" na sola (mais tarde a sua companhia torna-se aReebok);1892 - Fundação d a "Us Rubber Company";1897 - O catálogo "Sears" apresenta "sneaks" de lona branca a um dólar;1908 - Marquis M Converse funda a sua indústria;1909 - Surgem os calçados para basquetebol em couro;1915 - A Marinha americana encomenda os primeiros "Sneaks" para os soldados "1ª Guerra Mundial";1917 - Aparecem os Keds e os Converse "All Star";1920 - O Duque de Windsor lança a moda dos tênis brancos na sua visita aos Estados Unidos;1925 - É fundada a "Dassler Sport Shoes" (mais tarde daria origem à Puma e a Adidas);1929 - A Spalding apresenta o apoio para a Arcada e a Keds solas coloridas;1934 - A Keds apresenta os calçados de lona colorida;1935 - Os calçados de lona azul são aceitos nos campos de tênis;1942 - Desenvolvimento da borracha sintética;1948 - Adi Dassler funda a Adidas e Rudolph Dassler funda a Puma;1949 - Onitsuka Tiger fabrica os primeiros calçados esportivos no Japão (ASICS);1950 - Surgem os ilhoses nas laterais dos tênis para a transpiração;1961 - A New Balance apresenta o "Trackster", o primeiro calçado esportivo disponível em diferentes larguras;1968 - O "Boom" dos calçados esportivos;1971 - Phil Knight e Paul Bowerman fundam a Nike;1972 - A sola "Waffle" revoluciona os tênis para corrida;1979 - Paul Fireman compra os direitos da Reebok;1981 - A Reebok apresenta o primeiro tênis para atividades aeróbicas para senhoras;1989 - A Reebok lança o Pump por 175 dólares;1992 - A Nike introduz a tecnologia Huarache (tênis com uma meia embutida em neoprene);2000 - A Nike introduz um conceito novo: O shox (tênis com sistema de amortecimento em forma de molas);2004 - A Adidas lança o primeiro calçado com chip na sola intermédia (A1), que adapta o sistema de amortecimento conforme ascondições do solo;2006 - A Adidas em parceria com o fabricante de monitores de freqüência cardíaca, apresenta o primeiro calçado capaz de aceitar umsensor de velocidade e distância, fazendo parte de um conjunto calçado/têxtil monitor de freqüência cardíaca, capazes de comunicarcom o relógio do usuário;2006 - A Nike lança o tênis Air 360, tornando-se assim, a primeira empresa a fabricar um par de calçado esportivo, cujo amortecimentoda sola intermédia é totalmente não baseada em espuma de PU;2007 - Isaac Daniel lança uma linha de calçado esportivo com GPS incorporado, este calçado permite ao usuário utilizar um botão de"pânico" caso esteja em situações de perigo;2008 - A Brooks lança a tecnologia BioMogo, um composto da sola intermédia 100% biodegradável em apenas 20 anos, em lugar dos1000 que tarda uma sola convencional;Futuro - A indústria do calçado desportivo é uma indústria de materiais.
  9. 9. CALÇADO DESPORTIVO Todo praticante de atividade física, desportistas e atletas, que façam da corrida ou caminhada seu instrumento de condicionamento, devem se preocupar com o uso correto do tênis. Correm riscos de lesões se algumas questões não forem observadas adequadamente.
  10. 10.  Faz-se necessário, porém, apontar algumas características fundamentais para às quais o atleta/desportista deve estar atento. 1) Biomecânica: É comum que as lesões por sobrecarga sejam provocadas por uma combinação de fatores intrínsecos e extrínsecos. Dentre os fatores intrínsecos, posso destacar: desalinhamento do pé (pé plano, hiperpronação, pé cavo, tíbia vara, geno valgum, geno varum, patela alta, anteversão da cabeça femoral); discrepância de comprimento dos membros inferiores; fraqueza muscular; flexibilidade reduzida; composição e tamanho corporal; sexo e tipo de pé.
  11. 11. O fator extrínseco mais considerável é à força de reação do solo (FRS). No caso da corrida, o contato do pé com o solo, produz uma elevação muito aguda das forças verticais de reação que certamente se constituem, no fator mais importante para as lesões por sobrecarga. Neste sentido, os tênis para treinamento/atividade física são construídos objetivando dar suporte funcional ao pé, evitar movimentos rotacionais excessivos e evitar forças excessivas em geral
  12. 12.  Assim são observados alguns princípios: Limitar as forças de impacto durante o apoio (amortecimento), dar suporte ao pé durante o apoio médio (estabilização) e conduzir o pé durante a fase final de apoio (orientação). Podemos afirmar que os principais objetivos em relação à biomecânica do calçado são, de maximizar o rendimento, prevenir lesões e controlar sobrecarga no aparelho locomotor.
  13. 13.  Como usar o tênis adequadamente: A indústria utiliza principalmente, EVA (acetato vinil etileno), P.U(poliuretano), MoGo (uma liga plástica), SPEVA, SOLYTE e o X10(carbono), entre outros, na confecção da entressola do tênis. Este material é deformado de acordo com as pressões exercidas na marcha e na corrida. E necessita-se de pelo menos 24 horas para este material se “recuperar” das pressões exercidas, devendo assim considerar, quem corre todos os dias, a relevância da aquisição de um segundo modelo. Um modelo para treino longo, outro para treino de intensidade, por exemplo.
  14. 14.  ESTABILIDADE a característica mais importante na escolha do tênis para o treinamento ou atividade física, no que se refere à prevenção de lesões, funcionamento biomecânico correto dos membros inferiores e a performance. E assim, deve ser dada preferência se o indivíduo não for um supinador excessivo ou um pronador excessivo, usar tênis da categoria ESTABILIDADE.
  15. 15.  a) Controle do Movimento (pronadores excessivos): São os mais rígidos. Geralmente, são mais pesados, mas muito duráveis, e têm solado plano para oferecer maior estabilidade e suporte. Você deve preferir este tipo de tênis caso tenha um grau de pronação muito acentuada. b) Estabilidade (pronadores leves a moderados, corredores neutros e supinadores leves a moderados podem optar por tênis desta categoria): Estes tênis possuem uma boa estabilidade, sem deixar de lado o amortecimento. Apresentam solado semi-curvo. Em geral a grande maioria de atletas e ou desportistas vão se enquadrar nesta categoria.
  16. 16.  c) Amortecimento. (Supinadores moderados a severos): Tem como principal objetivo amortecer o impacto com o solo. Os supinadores, que normalmente têm o pé mais rígido, encontrarão aqui os modelos mais adequados. Solado curvo ou semicurvo para estimular os movimentos dos pés. d) Performance (competição): são tênis mais leves indicados para as competições ou até mesmo treino de intensidade. e) Trilha: Tracking, caminhadas em montanhas, terrenos arenosos e entre outros.
  17. 17.  Bom amortecimento prevenindo assim as lesões, dependendo do modelo, entre 500 e 800 km de uso.
  18. 18. COMO ESCOLHER O TÊNIS IDEAL? Em primeiro lugar, é preciso entender que os tênis de corrida, em geral, são agrupados em cinco categorias: estabilidade, controle de movimento, amortecimento, performance e trilha. O que de fato vai nos interessar são as três primeiras categorias.
  19. 19.  CONTROLE DO MOVIMENTO São os mais rígidos. Geralmente, são mais pesados, mas muito duráveis, e têm solado plano para oferecer maior estabilidade e suporte.
  20. 20.  ESTABILIDADE- Estes tênis possuem uma boa estabilidade, mas não deixam totalmente de lado o amortecimento. Amortecem o impacto, pelo menos no calcanhar, e sua estrutura procura minimizar o movimento de pronação , estabilizando o pé após seu contato com o solo.
  21. 21.  AMORTECIMENTO Amortecimento: está do outro lado do espectro em relação à categoria Controle de Movimento. Tem como principal objetivo amortecer o impacto com o solo.
  22. 22.  Lesões por Supinação excessiva - Entorses por inversão do tornozelo. - Síndrome do estresse tibial medial - Tendinite dos fibulares . - Síndrome do atrito no trato iliotibial. - Bursite trocantérica. - Fratura por estresse do 5º metatarso (fratura de Jones)
  23. 23.  Lesões por Pronação excessiva - Fratura por estresse do navicular. - Fratura por estresse do 2º metatarso ( fratura de March). - Joanete. - Fasciíte plantar. - Tendinite do tibial posterior .
  24. 24.  - Tendinite do tendão de aquiles. - Síndrome do estresse tibial medial (sóleo e tibial posterior). - Dor na parte medial do joelho. - Neuroma de morton. - Subluxação do cubóide. - Síndrome do túnel do tarso.
  25. 25. estabilidade
  26. 26. amortecimento
  27. 27. trilha

×