SlideShare uma empresa Scribd logo

PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.

O Objetivo do trabalho um momento de analise e reflexão sobre os conteudos trabalhado em sala de aula.Desenvolver uma proposta para o estudo da primeira guerra mundial. proporciona um campo de diálogo e de relacionamento dos alunos com os diversos públicos, posto que o domínio histórico é constituído por uma diversidade de matérias e de argumentos para a acção educacional, e faculta valências metodológicas de instrumentalização e estruturação dessa acção. os alunos no decurso da sua formação, é extensivo aos públicos junto de quem desenvolverão a acção educacional.

1 de 8
Baixar para ler offline
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
LINCENCIATURA EM HISTÓRIA
PROPOSTA METODOLOGICA
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.
Brasileia/Ac
2014
PROPOSTA METODOLOGICA
PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.
Trabalho individual apresentado ao curso de Linceciatura em
História da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para
disciplinas: História Contemporânea, Tecnologia da
Informação e Comunicação no Ensino de História, História
da África, Seminário VI.
Orientador Profª: Fábio Luiz da Silva, Cyntia Simioni França,
Taíse Ferreira da Conceição Nishikawa, Reinaldo Benedito
Nishikawa.
Brasileia/Ac
2014
INTRODUÇÃO
O Objetivo do trabalho um momento de analise e reflexão sobre os
conteudos trabalhado em sala de aula.Desenvolver uma proposta para o estudo da
primeira guerra mundial. proporciona um campo de diálogo e de relacionamento dos
alunos com os diversos públicos, posto que o domínio histórico é constituído por uma
diversidade de matérias e de argumentos para a acção educacional, e faculta valências
metodológicas de instrumentalização e estruturação dessa acção. os alunos no decurso
da sua formação, é extensivo aos públicos junto de quem desenvolverão a acção
educacional.
DESENVOLVIMENTO
REFERENCIAL TEÓRICO
O imperialismo e o Neocolonialismo final do século
No final do século XIX e o começo do século XX, os países
imperialistas se lançaram numa corrida por matéria-prima, mercados consumidores e
países com uma fragilidade política, com o intuito de colonizar, o que desencadeou
rivalidade entre os mesmos e concretizou o principal motivo da Primeira Guerra
Mundial, dando princípio à “nova era imperialista”.
A origem das teorias econômicas sobre Imperialismo foi a ideia (do
século XIX) da tendência decrescente, em longo prazo, da taxa de lucro sobre o capital.
Para economistas desse período, uma taxa de lucro declinante produziria estagnação
da sociedade capitalista, interpretada esta como propulsora do Capitalismo. Outros
acreditavam que essa inclinação poderia ser compensada pelo acesso a matérias-
primas mais baratas e a alimentos do exterior e, ainda, a novos mercados exportadores
e de investimentos. Adam Smith responsabilizou a competição excessiva do capital
interno pela tendência declinante do lucro; Thomas Malthus, o crescimento
demográfico, que pressionava os recursos alimentares. Já Stuart Mills culpou os
limitados recursos natura de cada país (Atualmente, cientistas econômicos apresentam
duas explicações: a “hipótese do subconsumo” e o ponto de vista de Marx.). Entrou no
século XXI, a Globalização, agora, tornou-se a corrente a assegurar as relações
internacionais, não mais apenas nos âmbitos político e econômico.
No século XIX e o começo do século XX, os países imperialistas se
lançaram numa corrida por matéria-prima, mercados consumidores e países com uma
fragilidade política, com o intuito de colonizar, o que desencadeou rivalidade entre os
mesmos e concretizou o principal motivo da Primeira Guerra Mundial.
O desenvolvimento do capitalismo, na sua fase monopolista capitalista,
forçou as potências industrializadas a expandirem os seus mercados. Mas os governos
nacionais, atuavam de acordo com os interesses dos grandes grupos econômicos de
seus respectivos países. A organização das áreas conquistadas variou sensivelmente.
Os especialistas normalmente.
Nacionalismo dos povos europeus
Temos apresentando visíveis problemas, principalmente no que tangia
ao conflito de interesses entre a burguesia e as camadas populares, o sentimento
nacionalista se fortaleceu como instrumento de mobilização nos movimentos
antimonárquicos que se desenvolveram na Europa do século XIX. Nesse mesmo
período, a onda nacionalista também ganhava fôlego com o imperialismo, que se
assentava na ideia de superioridade de uma nação como justificativa de seu domínio
em outras regiões do mundo.
Do ponto de vista histórico, o nacionalismo também veio a fomentar as
rivalidades que forneceriam sentido à ocorrência da Primeira Guerra Mundial. Afinal de
contas, as rivalidades imperialistas estavam sempre próximas a um discurso em que o
interesse de uma nação deveria estar acima das “injuriosas” ameaças de outras nações
inimigas. Com isso, as noções de superioridade e rivalidade se mostraram como
“centrais” na organização do ideário nacionalista.
Prosseguindo pelo século XX, o nacionalismo alcançou sua expressão
mais radical com o surgimento dos movimentos totalitários na Europa. Mais do que
simplesmente defensores da nação, esse movimentos tomaram para si a ideia de que
as liberdades individuais deveriam ser suprimidas em favor de um líder máximo, capaz
de traduzir e executar os anseios de toda uma coletividade.
Globalização e o encurtamento das distâncias entre os povos, o
nacionalismo aparece ainda na expressão de alguns pequenos grupos que rejeitam o
ideal de integração contemporâneo. Em alguns países, os chamados neonazistas,
também aparecem alimentados por um nacionalismo que repudia a chegada de
imigrantes que saem de sua terra natal em busca de oportunidades e melhores
condições de vida. Sem dúvida, a questão nacionalista ainda se movimenta no tempo
presente.
O desenvolvimento tecnológico
No movimento de reconfiguração de trabalho e formação docente, outro
aspecto parece constituir objeto de consenso: a possibilidade da presença das
chamadas “novas tecnologias” ou, mais precisamente, das tecnologias da informação e
da comunicação (TIC). Compreendido tanto como o conjunto das práticas de linguagem
desenvolvidas. Nas situações concretas de ensino quanto as que visam a atingir um
nível de explicação para essas mesmas situações.
A segunda metade do século XX foi marcada pela “formação de crenças
no poder miraculoso das tecnologias informacionais”. Mesmo que, em
princípio, pareça ingênuo. Este último movimento está inscrito em um
modo de objetivação das TIC Nas palavras de Mattelart (2002, p. 9)
“Globalização” é importante destacar a chamada revolução científico-
tecnológica como extrapolação conceitual indevida, motivada pelo determinismo
tecnológico as tecnologias podem não ser vistas como produções histórico-sociais,
sendo deslocadas para a origem de mudanças que, por sua vez, sustentam a
concepção de “sociedade da informação”.
É a materialização discursiva do esvaziamento desse trabalho, com a
restrição do professor à escolha d material didático a ser usado nas
aulas, durante as quais lhe cabe controlar o tempo de contato dos alunos
com os referidos materiais, concebido como mercadorias cada vez mais
prontas para serem consumidas (Barreto, 2002).
O século XIX foi palco de grandes transformações tecnológicas e
científicas. A Revolução Industrial trouxe inovações a uma velocidade nunca antes
imaginada e o processo de racionalização das ciências atingia seu auge. O mundo
assistia à expansão das máquinas a vapor, à construção das primeiras estradas de
ferro, à criação da fotografia, do telégrafo e do telefone, ao desenvolvimento da
eletricidade e a inúmeras outras invenções que viriam a transformar a vida cotidiana.
CONTEÚDO DIDATICO
O O professor de história poderá trabalhar com questões referentes ao
conteudo inicio do século XX. Papel do professor, portanto, aparece como sendo de
vital importância nesse processo. Dentro do universo escolar, cabe a ele ter
competência para articular as sugestões das Diretrizes. É preciso entender que o
professor, também um sujeito que pertence ao universo escolar, pode ter dúvidas,
angústias e resistências, pois cada professor carrega consigo uma multiplicidade de

Recomendados

Jornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio culturalJornalismo e patrimônio cultural
Jornalismo e patrimônio culturalMargareth Michel
 
Folhetim do Estudante - Ano V - Núm. 52
Folhetim do Estudante - Ano V - Núm. 52Folhetim do Estudante - Ano V - Núm. 52
Folhetim do Estudante - Ano V - Núm. 52Valter Gomes
 
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoSeminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoAline Corso
 
Programa Teorias da Cultura e do Contemporâneo 2011a
Programa Teorias da Cultura e do Contemporâneo 2011aPrograma Teorias da Cultura e do Contemporâneo 2011a
Programa Teorias da Cultura e do Contemporâneo 2011aFábio Fonseca de Castro
 
Apresentação de seminário do livro cartografias do estudos culturais de ana c...
Apresentação de seminário do livro cartografias do estudos culturais de ana c...Apresentação de seminário do livro cartografias do estudos culturais de ana c...
Apresentação de seminário do livro cartografias do estudos culturais de ana c...CDallapicula
 
A Telenovela Discutida na escola, na perspectiva da educomunicação
A Telenovela Discutida na escola, na perspectiva da educomunicaçãoA Telenovela Discutida na escola, na perspectiva da educomunicação
A Telenovela Discutida na escola, na perspectiva da educomunicaçãoDodô Calixto
 
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...
Jornalismo, semiformação e o espectro do fascismo: apontamentos à luz da Teor...Emerson Campos
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidade
A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidadeA revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidade
A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidadeguest0b027
 
Manuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar PortugalManuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar Portugalluvico
 
Os estudos de comunicação na america latina (1)
Os estudos de comunicação na america latina (1)Os estudos de comunicação na america latina (1)
Os estudos de comunicação na america latina (1)Virginia Gabriele
 
Teoria da comunicação unidade vi
Teoria da comunicação unidade viTeoria da comunicação unidade vi
Teoria da comunicação unidade viHarutchy
 
Os estudos da comunicação na américa latina
Os estudos da comunicação na américa latinaOs estudos da comunicação na américa latina
Os estudos da comunicação na américa latinaVirginia Gabriele
 
Oficio de cartografo Martin-Barbero
Oficio de cartografo Martin-BarberoOficio de cartografo Martin-Barbero
Oficio de cartografo Martin-BarberoMiguel Pachioni
 
Convergência entra a mídia e a cultura popular cristovão almeida
Convergência entra a mídia e a cultura popular   cristovão almeidaConvergência entra a mídia e a cultura popular   cristovão almeida
Convergência entra a mídia e a cultura popular cristovão almeidaLuara Schamó
 
Enciclopedia intercom de comunicação
Enciclopedia intercom de comunicaçãoEnciclopedia intercom de comunicação
Enciclopedia intercom de comunicaçãoDouglas Gonçalves
 

Mais procurados (9)

A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidade
A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidadeA revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidade
A revolução tecnológica na linguagem: do ensino à publicidade
 
Manuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar PortugalManuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar Portugal
 
Os estudos de comunicação na america latina (1)
Os estudos de comunicação na america latina (1)Os estudos de comunicação na america latina (1)
Os estudos de comunicação na america latina (1)
 
Teoria da comunicação unidade vi
Teoria da comunicação unidade viTeoria da comunicação unidade vi
Teoria da comunicação unidade vi
 
Os estudos da comunicação na américa latina
Os estudos da comunicação na américa latinaOs estudos da comunicação na américa latina
Os estudos da comunicação na américa latina
 
Oficio de cartografo Martin-Barbero
Oficio de cartografo Martin-BarberoOficio de cartografo Martin-Barbero
Oficio de cartografo Martin-Barbero
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
 
Convergência entra a mídia e a cultura popular cristovão almeida
Convergência entra a mídia e a cultura popular   cristovão almeidaConvergência entra a mídia e a cultura popular   cristovão almeida
Convergência entra a mídia e a cultura popular cristovão almeida
 
Enciclopedia intercom de comunicação
Enciclopedia intercom de comunicaçãoEnciclopedia intercom de comunicação
Enciclopedia intercom de comunicação
 

Destaque

Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Alan
 
A Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra MundialA Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra MundialSylvio Bazote
 
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundial
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra MundialPlano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundial
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundialpibidhistoriaraulcordula
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundialsueli leal
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundialecsette
 
1ª Guerra Mundial
1ª Guerra Mundial1ª Guerra Mundial
1ª Guerra Mundialpedrocsilv
 
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º AnoIzaac Erder
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILIsabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALIsabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogIsabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXIsabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 

Destaque (20)

1ª guerra mundial 1914 a 1918 pdf
1ª guerra mundial 1914 a 1918 pdf1ª guerra mundial 1914 a 1918 pdf
1ª guerra mundial 1914 a 1918 pdf
 
A primeira guerra mundial
A primeira guerra mundialA primeira guerra mundial
A primeira guerra mundial
 
Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918Primeira guerra mundial 1914 1918
Primeira guerra mundial 1914 1918
 
A Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra MundialA Primeira Guerra Mundial
A Primeira Guerra Mundial
 
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundial
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra MundialPlano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundial
Plano de Aula - Tabuleiro da Primeira Guerra Mundial
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
1ª Guerra Mundial
1ª Guerra Mundial1ª Guerra Mundial
1ª Guerra Mundial
 
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 

Semelhante a PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.

PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdf
PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdfPEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdf
PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdfmarciomjp25
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologiaequacao
 
Teoria e metodologia da comunicação.pdf
Teoria e metodologia da comunicação.pdfTeoria e metodologia da comunicação.pdf
Teoria e metodologia da comunicação.pdfJobsonPorto
 
Educação & Diversidade
Educação & DiversidadeEducação & Diversidade
Educação & DiversidadeIESAP Virtual
 
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...maisumaquestao
 
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abril
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora AbrilObjetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abril
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abriladrianograppa
 
O futuro da escola do passado
O futuro da escola do passadoO futuro da escola do passado
O futuro da escola do passadoCleonice Schmitz
 
Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento históricoUm percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento históricoCesar Silva
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismoafermartins
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educaçãoSimonelleGomes
 
Educação básica no brasil agenda da modernidade
Educação básica no brasil   agenda da modernidade Educação básica no brasil   agenda da modernidade
Educação básica no brasil agenda da modernidade Darlan Campos
 
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio Sam
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio SamBourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio Sam
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio SamRowanaCamargo
 

Semelhante a PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL. (20)

PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdf
PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdfPEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdf
PEREIRA, MJ & CASTRO NETTO, DA. Ensino de História e História Contemporânea.pdf
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 
Teoria e metodologia da comunicação.pdf
Teoria e metodologia da comunicação.pdfTeoria e metodologia da comunicação.pdf
Teoria e metodologia da comunicação.pdf
 
2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf2-2020 art Cult pop.pdf
2-2020 art Cult pop.pdf
 
Cul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdfCul pop tradicao art.pdf
Cul pop tradicao art.pdf
 
Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
 
3.as correntes históricas
3.as correntes históricas3.as correntes históricas
3.as correntes históricas
 
Revista historia
Revista historiaRevista historia
Revista historia
 
Educação & Diversidade
Educação & DiversidadeEducação & Diversidade
Educação & Diversidade
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 
História da Educação 2
História da Educação 2História da Educação 2
História da Educação 2
 
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...
Muq - simionatto. as expressões ideoculturais da crise capitalista na atualid...
 
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abril
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora AbrilObjetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abril
Objetos Educacionais - Portal de Educação Editora Abril
 
978 613-9-60525-5
978 613-9-60525-5978 613-9-60525-5
978 613-9-60525-5
 
O futuro da escola do passado
O futuro da escola do passadoO futuro da escola do passado
O futuro da escola do passado
 
Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento históricoUm percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educação
 
Educação básica no brasil agenda da modernidade
Educação básica no brasil   agenda da modernidade Educação básica no brasil   agenda da modernidade
Educação básica no brasil agenda da modernidade
 
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio Sam
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio SamBourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio Sam
Bourdie e Wacquant, A nova bíblia do Tio Sam
 

Último

SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 

Último (20)

SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 

PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.

  • 1. SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO LINCENCIATURA EM HISTÓRIA PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL. Brasileia/Ac 2014
  • 2. PROPOSTA METODOLOGICA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL. Trabalho individual apresentado ao curso de Linceciatura em História da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para disciplinas: História Contemporânea, Tecnologia da Informação e Comunicação no Ensino de História, História da África, Seminário VI. Orientador Profª: Fábio Luiz da Silva, Cyntia Simioni França, Taíse Ferreira da Conceição Nishikawa, Reinaldo Benedito Nishikawa. Brasileia/Ac 2014
  • 3. INTRODUÇÃO O Objetivo do trabalho um momento de analise e reflexão sobre os conteudos trabalhado em sala de aula.Desenvolver uma proposta para o estudo da primeira guerra mundial. proporciona um campo de diálogo e de relacionamento dos alunos com os diversos públicos, posto que o domínio histórico é constituído por uma diversidade de matérias e de argumentos para a acção educacional, e faculta valências metodológicas de instrumentalização e estruturação dessa acção. os alunos no decurso da sua formação, é extensivo aos públicos junto de quem desenvolverão a acção educacional.
  • 4. DESENVOLVIMENTO REFERENCIAL TEÓRICO O imperialismo e o Neocolonialismo final do século No final do século XIX e o começo do século XX, os países imperialistas se lançaram numa corrida por matéria-prima, mercados consumidores e países com uma fragilidade política, com o intuito de colonizar, o que desencadeou rivalidade entre os mesmos e concretizou o principal motivo da Primeira Guerra Mundial, dando princípio à “nova era imperialista”. A origem das teorias econômicas sobre Imperialismo foi a ideia (do século XIX) da tendência decrescente, em longo prazo, da taxa de lucro sobre o capital. Para economistas desse período, uma taxa de lucro declinante produziria estagnação da sociedade capitalista, interpretada esta como propulsora do Capitalismo. Outros acreditavam que essa inclinação poderia ser compensada pelo acesso a matérias- primas mais baratas e a alimentos do exterior e, ainda, a novos mercados exportadores e de investimentos. Adam Smith responsabilizou a competição excessiva do capital interno pela tendência declinante do lucro; Thomas Malthus, o crescimento demográfico, que pressionava os recursos alimentares. Já Stuart Mills culpou os limitados recursos natura de cada país (Atualmente, cientistas econômicos apresentam duas explicações: a “hipótese do subconsumo” e o ponto de vista de Marx.). Entrou no século XXI, a Globalização, agora, tornou-se a corrente a assegurar as relações internacionais, não mais apenas nos âmbitos político e econômico. No século XIX e o começo do século XX, os países imperialistas se lançaram numa corrida por matéria-prima, mercados consumidores e países com uma fragilidade política, com o intuito de colonizar, o que desencadeou rivalidade entre os mesmos e concretizou o principal motivo da Primeira Guerra Mundial. O desenvolvimento do capitalismo, na sua fase monopolista capitalista, forçou as potências industrializadas a expandirem os seus mercados. Mas os governos nacionais, atuavam de acordo com os interesses dos grandes grupos econômicos de seus respectivos países. A organização das áreas conquistadas variou sensivelmente.
  • 5. Os especialistas normalmente. Nacionalismo dos povos europeus Temos apresentando visíveis problemas, principalmente no que tangia ao conflito de interesses entre a burguesia e as camadas populares, o sentimento nacionalista se fortaleceu como instrumento de mobilização nos movimentos antimonárquicos que se desenvolveram na Europa do século XIX. Nesse mesmo período, a onda nacionalista também ganhava fôlego com o imperialismo, que se assentava na ideia de superioridade de uma nação como justificativa de seu domínio em outras regiões do mundo. Do ponto de vista histórico, o nacionalismo também veio a fomentar as rivalidades que forneceriam sentido à ocorrência da Primeira Guerra Mundial. Afinal de contas, as rivalidades imperialistas estavam sempre próximas a um discurso em que o interesse de uma nação deveria estar acima das “injuriosas” ameaças de outras nações inimigas. Com isso, as noções de superioridade e rivalidade se mostraram como “centrais” na organização do ideário nacionalista. Prosseguindo pelo século XX, o nacionalismo alcançou sua expressão mais radical com o surgimento dos movimentos totalitários na Europa. Mais do que simplesmente defensores da nação, esse movimentos tomaram para si a ideia de que as liberdades individuais deveriam ser suprimidas em favor de um líder máximo, capaz de traduzir e executar os anseios de toda uma coletividade. Globalização e o encurtamento das distâncias entre os povos, o nacionalismo aparece ainda na expressão de alguns pequenos grupos que rejeitam o ideal de integração contemporâneo. Em alguns países, os chamados neonazistas, também aparecem alimentados por um nacionalismo que repudia a chegada de imigrantes que saem de sua terra natal em busca de oportunidades e melhores condições de vida. Sem dúvida, a questão nacionalista ainda se movimenta no tempo presente. O desenvolvimento tecnológico
  • 6. No movimento de reconfiguração de trabalho e formação docente, outro aspecto parece constituir objeto de consenso: a possibilidade da presença das chamadas “novas tecnologias” ou, mais precisamente, das tecnologias da informação e da comunicação (TIC). Compreendido tanto como o conjunto das práticas de linguagem desenvolvidas. Nas situações concretas de ensino quanto as que visam a atingir um nível de explicação para essas mesmas situações. A segunda metade do século XX foi marcada pela “formação de crenças no poder miraculoso das tecnologias informacionais”. Mesmo que, em princípio, pareça ingênuo. Este último movimento está inscrito em um modo de objetivação das TIC Nas palavras de Mattelart (2002, p. 9) “Globalização” é importante destacar a chamada revolução científico- tecnológica como extrapolação conceitual indevida, motivada pelo determinismo tecnológico as tecnologias podem não ser vistas como produções histórico-sociais, sendo deslocadas para a origem de mudanças que, por sua vez, sustentam a concepção de “sociedade da informação”. É a materialização discursiva do esvaziamento desse trabalho, com a restrição do professor à escolha d material didático a ser usado nas aulas, durante as quais lhe cabe controlar o tempo de contato dos alunos com os referidos materiais, concebido como mercadorias cada vez mais prontas para serem consumidas (Barreto, 2002). O século XIX foi palco de grandes transformações tecnológicas e científicas. A Revolução Industrial trouxe inovações a uma velocidade nunca antes imaginada e o processo de racionalização das ciências atingia seu auge. O mundo assistia à expansão das máquinas a vapor, à construção das primeiras estradas de ferro, à criação da fotografia, do telégrafo e do telefone, ao desenvolvimento da eletricidade e a inúmeras outras invenções que viriam a transformar a vida cotidiana. CONTEÚDO DIDATICO O O professor de história poderá trabalhar com questões referentes ao conteudo inicio do século XX. Papel do professor, portanto, aparece como sendo de vital importância nesse processo. Dentro do universo escolar, cabe a ele ter competência para articular as sugestões das Diretrizes. É preciso entender que o professor, também um sujeito que pertence ao universo escolar, pode ter dúvidas, angústias e resistências, pois cada professor carrega consigo uma multiplicidade de
  • 7. experiências, as quais podem interferir nas suas ideias, inclusive com relação à História da África. No caso do ensino da história, devemos questionar a forma como este é ensinado, geralmente seguindo uma ordem. Para se compreender essa maneira de lecionar a História é necessário compreender que a multiplicidade da História tende a desvincular uma racionalidade dominante, pois apresenta uma cronologia histórica dos acontecimentos pré-estabelecidos, por exemplo, pelo livro didático.Mas a importância da contextualização e da discussão e de fundamental importância, ainda mais quando é possível utilizar a experiência dos próprios alunos. O processo de imperialismo, promorvido pelas Compreender a relação existente entre a politica imperalista adotadas potencias capitalisa a partir do XIV e a deflagração da primeira guerra mundial.Indentificar os países participantes dos seus principais interesses, refletir sobre significados implicações da primeira guerra do mundo, leitura e intepretação da fontes escritas e imagéticas.Reprodução de videos, reprodução de painel de slides, produção de textos argumentativos.Clima de tensão marcava os paises vesperas da primira potencias capitalista entre os seculos XIX e XX , certamente, um dos principais fatores relacionados a eclosão do movimento.Objetivo e apontar as relações entre o imperalismo neocolsita e a deflagração da primeira guerra. CONCLUSÃO Trabalhará com documentos e textos através de uma leitura, que será mais bem compreendida. Uma coisa é certa, cada vez mais somos conduzidos nos corredores da História através de textos, e muitas vezes deixamos de nos questionar o quanto são válidas tais afirmativas impostas pelos autores. Assim como Bloch salienta que “a ignorância do passado não se limita a prejudicar o conhecimento do presente; compromete, no presente, a própria ação”, somos transportados nos mesmos condutores dessa esfera gigante, e se, o inevitável é nosso único destino. . Privilegiar a natureza interactiva e construtiva da História da Educação permite superar a tendência residual e dedutiva, a que frequentemente é remetida no seio das diversas Ciências da Educação. Complementarmente, assume-se uma valorização dos factores.
  • 8. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS MATTELART, A. História da sociedade da informação. São Paulo: Loyola, 2002. ARAGÃO, João Carlos Medeiros. A questão do imperialismo. Revista do Programa de Mestrado em Direito do UniCEUB, Brasília, v. 1, n. 1, p. 5-14, jul./dez. 2004.Disponível em:<http://www.publicacoesacadem. ANGOTTI, José Peres; AUTH, Milton Antonio. Ciência e tecnologia: implicações sociais e o papel da educação. Ciência & Educação, v. 7, n. 1, p. 15-17, 2001. Disponível em: <http://www2.ufpa.br/ensinofts/artigo4/ctseduca.pdf>. Acesso em: 6 ago. 2012.