SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
*

  Ciência que trata das leis do movimento e do equilíbrio, bem
como da aplicação destas à construção e emprego das máquinas.
*Parte da Mecânica que estuda o movimento sem preocupar-
 se com as causas que deram origem ou interferem no
 movimento.




                              *
*Parte da Mecânica que propõe modelos para a causa dos
 movimentos e suas alterações.




                                  *
*Parte da Mecânica em que se estudam os sistemas físicos
 em equilíbrio.




                                     *
Movimento  estado em que um corpo muda de lugar ou de
 posição. É sempre um conceito relativo, só faz sentido falar em
 movimento de um corpo em relação a um referencial.


Referencial  sistema de coordenadas de referência ou
 referencial é um sistema de coordenadas utilizado para se
 medir e registrar as grandezas físicas, como por exemplo
 posição, velocidade, aceleração, campos eletromagnéticos ou
 gravitacionais etc.


Repouso  quando a posição entre o corpo e o referencial   não
 variar no decorrer do tempo, corpo parado.


Trajetória  é o conjunto de sucessivos pontos que um móvel
 ocupa no decorrer do tempo.
                                          *
*A aceleração do móvel é nula.

*Caracteriza-se por percorrer distâncias iguais em intervalos de
 tempos iguais, ou seja, o módulo do vetor velocidade é
 constante e diferente de zero.


* Vetor  Segmento de reta orientado, usado para a
 representação de forças, acelerações etc. Evidenciando a
 grandeza ou intensidade (expressa pelo comprimento do
 segmento), a direção (dada pela reta) e o sentido (dado pela
 seta).
*Movimento cuja velocidade varia uniformemente no
 decorrer do tempo, isto é, varia de quantidades iguais
 em intervalos de tempos iguais.


*A aceleração do móvel é constante no decorrer do tempo
 e diferente de zero.


*O espaço percorrido aumenta proporcionalmente ao
 quadrado do tempo.
∆
  ∆   =
=         ∆
  ∆
*
 1º: Posição x Tempo




• Movimento progressivo: Velocidade positiva, isto é, o móvel
desloca-se no sentido positivo da trajetória.
• Movimento regressivo: Velocidade negativa, isto é, o móvel
desloca-se no sentido negativo da trajetória.
*
2º: Velocidade x Tempo
2º: Velocidade x Tempo




 Velocidade e aceleração com sinais iguais =
movimento acelerado
 Velocidade e aceleração com sinais diferentes =
movimento retardado
1) Um carro partindo do repouso leva 5 s para alcançar
a velocidade de 20 m/s, calcule sua aceleração média.




                            *
*
“Quando a resultante de todas as forças que agem em uma
       partícula é nula, a partícula permanece em repouso
 (equilíbrio estático) ou em movimento retilíneo uniforme
                                      (equilíbrio dinâmico)”


                              *
“A mudança de
                            movimento é
                    proporcional à força
                  motora imprimida, e é
                 produzida na direção da
               linha reta na qual aquela
                     força é imprimida.”

                 A força resultante que
                      age em um ponto
                     material é igual ao
                produto da massa desse
                         corpo pela sua
                             aceleração
    FR = m.a

*
“Para toda força que surgir num corpo como resultado da
interação com um segundo corpo, deve surgir nesse segundo
    uma outra força, chamada de reação, cuja intensidade e
    direção são as mesmas da primeira, mas cujo sentido é o
                                       oposto da primeira”

             *
*
É a energia transferida de um corpo para
outro graças a diferença de temperatura
entre eles.




Medida!
 Grau de agitação das moléculas
 Energia Média das moléculas
Dois corpos de temperaturas diferentes trocam calor entre
si quando colocados em contato. Por exemplo, se você tocar uma
vidraça, pode passar calor de sua mão para ela; sua mão, portanto,
esfria porque perdeu calor e consequentemente teve a temperatura
diminuída. Por outro lado, a parte da vidraça que você tocou
recebeu calor e consequentemente sua temperatura aumentou.
*
*
1) Quando Fahrenheit definiu a escala termométrica que hoje leva o seu
nome, o primeiro ponto fixo definido por ele, o 0ºF, corresponde à
temperatura obtida ao se misturar uma porção de cloreto de amônia com
três porções de neve. Qual é esta temperatura na escala Celsius?
2) Uma escala termométrica arbitrária X atribui o valor 20°X para a
temperatura de fusão do gelo e 80°X para a temperatura de ebulição da
água, sob pressão normal. Quando a temperatura de um ambiente sofre uma
variação de 30°X, calcule a correspondente variação na escala Celsius.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula6 força e movimento ii
Aula6 força e movimento iiAula6 força e movimento ii
Aula6 força e movimento iiWeslley Murdock
 
F1 aula 01-fundamentos da cinemática
F1 aula 01-fundamentos da cinemáticaF1 aula 01-fundamentos da cinemática
F1 aula 01-fundamentos da cinemáticafisicarildo
 
Cap13 movimentocorposrigidos
Cap13 movimentocorposrigidosCap13 movimentocorposrigidos
Cap13 movimentocorposrigidosjperceu
 
Mecânica-cinemática 2012
Mecânica-cinemática 2012Mecânica-cinemática 2012
Mecânica-cinemática 2012Paulo Filho
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estáticoRui Oliveira
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalLuise Moura
 
Aula 10 sistemas de particulas e colisoes
Aula 10   sistemas de particulas e colisoesAula 10   sistemas de particulas e colisoes
Aula 10 sistemas de particulas e colisoesHenriqueCesar777
 
Fisica 001 leis de newton
Fisica   001 leis de newtonFisica   001 leis de newton
Fisica 001 leis de newtoncon_seguir
 
Aula 05 mecância - dinâmica - leis de newton
Aula 05   mecância - dinâmica - leis de newtonAula 05   mecância - dinâmica - leis de newton
Aula 05 mecância - dinâmica - leis de newtonBruno San
 
Impulsoequantidadedemovimento
Impulsoequantidadedemovimento Impulsoequantidadedemovimento
Impulsoequantidadedemovimento Valmiro Menezes
 
Quantidade de movimento e Impulso
Quantidade de movimento e ImpulsoQuantidade de movimento e Impulso
Quantidade de movimento e ImpulsoMarcelo Franco
 
08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e PotênciaEletrons
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angularleonardoenginer
 

Mais procurados (18)

Aula6 força e movimento ii
Aula6 força e movimento iiAula6 força e movimento ii
Aula6 força e movimento ii
 
F1 aula 01-fundamentos da cinemática
F1 aula 01-fundamentos da cinemáticaF1 aula 01-fundamentos da cinemática
F1 aula 01-fundamentos da cinemática
 
Cap13 movimentocorposrigidos
Cap13 movimentocorposrigidosCap13 movimentocorposrigidos
Cap13 movimentocorposrigidos
 
Mecânica-cinemática 2012
Mecânica-cinemática 2012Mecânica-cinemática 2012
Mecânica-cinemática 2012
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacional
 
Aula 10 sistemas de particulas e colisoes
Aula 10   sistemas de particulas e colisoesAula 10   sistemas de particulas e colisoes
Aula 10 sistemas de particulas e colisoes
 
11. rotação b
11. rotação b11. rotação b
11. rotação b
 
11. rotação
11. rotação11. rotação
11. rotação
 
Apostila estatica
Apostila estaticaApostila estatica
Apostila estatica
 
Fisica 001 leis de newton
Fisica   001 leis de newtonFisica   001 leis de newton
Fisica 001 leis de newton
 
Aula 05 mecância - dinâmica - leis de newton
Aula 05   mecância - dinâmica - leis de newtonAula 05   mecância - dinâmica - leis de newton
Aula 05 mecância - dinâmica - leis de newton
 
As leis de newton
As leis de newtonAs leis de newton
As leis de newton
 
Lista01
Lista01Lista01
Lista01
 
Impulsoequantidadedemovimento
Impulsoequantidadedemovimento Impulsoequantidadedemovimento
Impulsoequantidadedemovimento
 
Quantidade de movimento e Impulso
Quantidade de movimento e ImpulsoQuantidade de movimento e Impulso
Quantidade de movimento e Impulso
 
08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência08 Trabalho e Potência
08 Trabalho e Potência
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular
 

Destaque

Revisão testão 2º ano
Revisão testão 2º anoRevisão testão 2º ano
Revisão testão 2º anoRildo Borges
 
Gêneros textuais 22_03 (1)
Gêneros textuais 22_03 (1)Gêneros textuais 22_03 (1)
Gêneros textuais 22_03 (1)Moises Ribeiro
 
Carta comercial
Carta comercialCarta comercial
Carta comercial11CPTS
 
Webquest cadeia alimentar 6º ano
Webquest   cadeia alimentar    6º anoWebquest   cadeia alimentar    6º ano
Webquest cadeia alimentar 6º anoLilia Thomaz
 
Generos textuais (1)
Generos textuais (1)Generos textuais (1)
Generos textuais (1)vinivs
 
02 secretariado (carta comercial)
02   secretariado (carta comercial)02   secretariado (carta comercial)
02 secretariado (carta comercial)Elizeu Ferro
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisMarcia Oliveira
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade médialuam1969
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]afpinto
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuaistlfleite
 

Destaque (18)

Termometria
TermometriaTermometria
Termometria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Revisão testão 2º ano
Revisão testão 2º anoRevisão testão 2º ano
Revisão testão 2º ano
 
Gêneros textuais 22_03 (1)
Gêneros textuais 22_03 (1)Gêneros textuais 22_03 (1)
Gêneros textuais 22_03 (1)
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Carta comercial
Carta comercialCarta comercial
Carta comercial
 
Webquest cadeia alimentar 6º ano
Webquest   cadeia alimentar    6º anoWebquest   cadeia alimentar    6º ano
Webquest cadeia alimentar 6º ano
 
Generos textuais (1)
Generos textuais (1)Generos textuais (1)
Generos textuais (1)
 
02 secretariado (carta comercial)
02   secretariado (carta comercial)02   secretariado (carta comercial)
02 secretariado (carta comercial)
 
Comunicado aos funcionarios
Comunicado aos funcionariosComunicado aos funcionarios
Comunicado aos funcionarios
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]43640380 mecanica-vetorial[2]
43640380 mecanica-vetorial[2]
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5  gêneros e tipos textuaisPnaic unidade 5  gêneros e tipos textuais
Pnaic unidade 5 gêneros e tipos textuais
 

Semelhante a Mecânica e termometria 8° ano

Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaCarla Regina
 
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02Habilidade 20 enem_fisica_aula_02
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02William Ananias
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_viniciusafpinto
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_viniciusEmerson Assis
 
Fisica -resumao_de_formulas
Fisica  -resumao_de_formulasFisica  -resumao_de_formulas
Fisica -resumao_de_formulasCelso Franzotti
 
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptxAULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptxKarine Felix
 
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdf
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdfPLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdf
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdfFilipeJooPintoDaCost
 
Dinâmica de máquinas e vibrações
Dinâmica de máquinas e vibraçõesDinâmica de máquinas e vibrações
Dinâmica de máquinas e vibraçõesSérgio Faria
 
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptxAULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptxKarine Felix
 
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptxConteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptxwilliancardx
 

Semelhante a Mecânica e termometria 8° ano (20)

Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e Energia
 
Mecânica Slides
Mecânica SlidesMecânica Slides
Mecânica Slides
 
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02Habilidade 20 enem_fisica_aula_02
Habilidade 20 enem_fisica_aula_02
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius
 
dinamica- Física
dinamica- Física dinamica- Física
dinamica- Física
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Slideharedinamica
SlideharedinamicaSlideharedinamica
Slideharedinamica
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Fisica -resumao_de_formulas
Fisica  -resumao_de_formulasFisica  -resumao_de_formulas
Fisica -resumao_de_formulas
 
Centro demassa
Centro demassaCentro demassa
Centro demassa
 
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptxAULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
 
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdf
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdfPLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdf
PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 9º ANO ANO LETIVO.pdf
 
Dinâmica de máquinas e vibrações
Dinâmica de máquinas e vibraçõesDinâmica de máquinas e vibrações
Dinâmica de máquinas e vibrações
 
Fisica ii
Fisica iiFisica ii
Fisica ii
 
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptxAULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
 
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptxConteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
 

Mais de Wellington Sampaio (20)

Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de NewtonCartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
Cartilha Inércia e a Primeira Lei de Newton
 
Astrobiologia
AstrobiologiaAstrobiologia
Astrobiologia
 
Nos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicosNos ombros dos gigantes mágicos
Nos ombros dos gigantes mágicos
 
Via Láctea
Via LácteaVia Láctea
Via Láctea
 
Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008Almanaque socioambiental 2008
Almanaque socioambiental 2008
 
Lista 1 termometria - dilatação
Lista 1   termometria - dilataçãoLista 1   termometria - dilatação
Lista 1 termometria - dilatação
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Espelhos
EspelhosEspelhos
Espelhos
 
Óptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e LentesÓptica da Visão e Lentes
Óptica da Visão e Lentes
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
 
Exercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano RECExercícios 8° ano REC
Exercícios 8° ano REC
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Lista de Exercícios
Lista de ExercíciosLista de Exercícios
Lista de Exercícios
 
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° semLista de exercícios 8° ano 2° sem
Lista de exercícios 8° ano 2° sem
 
Sociedade de consumo
Sociedade de consumoSociedade de consumo
Sociedade de consumo
 
Circuitos elétricos
Circuitos elétricosCircuitos elétricos
Circuitos elétricos
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as criançasPara Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
Para Sara, Raquel, Lia e para todas as crianças
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 

Último

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Mecânica e termometria 8° ano

  • 1. * Ciência que trata das leis do movimento e do equilíbrio, bem como da aplicação destas à construção e emprego das máquinas.
  • 2. *Parte da Mecânica que estuda o movimento sem preocupar- se com as causas que deram origem ou interferem no movimento. *
  • 3. *Parte da Mecânica que propõe modelos para a causa dos movimentos e suas alterações. *
  • 4. *Parte da Mecânica em que se estudam os sistemas físicos em equilíbrio. *
  • 5. Movimento  estado em que um corpo muda de lugar ou de posição. É sempre um conceito relativo, só faz sentido falar em movimento de um corpo em relação a um referencial. Referencial  sistema de coordenadas de referência ou referencial é um sistema de coordenadas utilizado para se medir e registrar as grandezas físicas, como por exemplo posição, velocidade, aceleração, campos eletromagnéticos ou gravitacionais etc. Repouso  quando a posição entre o corpo e o referencial não variar no decorrer do tempo, corpo parado. Trajetória  é o conjunto de sucessivos pontos que um móvel ocupa no decorrer do tempo. *
  • 6. *A aceleração do móvel é nula. *Caracteriza-se por percorrer distâncias iguais em intervalos de tempos iguais, ou seja, o módulo do vetor velocidade é constante e diferente de zero. * Vetor  Segmento de reta orientado, usado para a representação de forças, acelerações etc. Evidenciando a grandeza ou intensidade (expressa pelo comprimento do segmento), a direção (dada pela reta) e o sentido (dado pela seta).
  • 7. *Movimento cuja velocidade varia uniformemente no decorrer do tempo, isto é, varia de quantidades iguais em intervalos de tempos iguais. *A aceleração do móvel é constante no decorrer do tempo e diferente de zero. *O espaço percorrido aumenta proporcionalmente ao quadrado do tempo.
  • 8. ∆ ∆ = = ∆ ∆
  • 9. * 1º: Posição x Tempo • Movimento progressivo: Velocidade positiva, isto é, o móvel desloca-se no sentido positivo da trajetória. • Movimento regressivo: Velocidade negativa, isto é, o móvel desloca-se no sentido negativo da trajetória.
  • 11. 2º: Velocidade x Tempo  Velocidade e aceleração com sinais iguais = movimento acelerado  Velocidade e aceleração com sinais diferentes = movimento retardado
  • 12. 1) Um carro partindo do repouso leva 5 s para alcançar a velocidade de 20 m/s, calcule sua aceleração média. *
  • 13. *
  • 14. “Quando a resultante de todas as forças que agem em uma partícula é nula, a partícula permanece em repouso (equilíbrio estático) ou em movimento retilíneo uniforme (equilíbrio dinâmico)” *
  • 15. “A mudança de movimento é proporcional à força motora imprimida, e é produzida na direção da linha reta na qual aquela força é imprimida.” A força resultante que age em um ponto material é igual ao produto da massa desse corpo pela sua aceleração FR = m.a *
  • 16. “Para toda força que surgir num corpo como resultado da interação com um segundo corpo, deve surgir nesse segundo uma outra força, chamada de reação, cuja intensidade e direção são as mesmas da primeira, mas cujo sentido é o oposto da primeira” *
  • 17. *
  • 18. É a energia transferida de um corpo para outro graças a diferença de temperatura entre eles. Medida!  Grau de agitação das moléculas  Energia Média das moléculas
  • 19. Dois corpos de temperaturas diferentes trocam calor entre si quando colocados em contato. Por exemplo, se você tocar uma vidraça, pode passar calor de sua mão para ela; sua mão, portanto, esfria porque perdeu calor e consequentemente teve a temperatura diminuída. Por outro lado, a parte da vidraça que você tocou recebeu calor e consequentemente sua temperatura aumentou.
  • 20. *
  • 21. *
  • 22. 1) Quando Fahrenheit definiu a escala termométrica que hoje leva o seu nome, o primeiro ponto fixo definido por ele, o 0ºF, corresponde à temperatura obtida ao se misturar uma porção de cloreto de amônia com três porções de neve. Qual é esta temperatura na escala Celsius?
  • 23. 2) Uma escala termométrica arbitrária X atribui o valor 20°X para a temperatura de fusão do gelo e 80°X para a temperatura de ebulição da água, sob pressão normal. Quando a temperatura de um ambiente sofre uma variação de 30°X, calcule a correspondente variação na escala Celsius.