éMile durkheim web 1 e 2

2.928 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.928
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
76
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

éMile durkheim web 1 e 2

  1. 1. Émile Durkheim Émile Durkheim (Épinal, 15 de abril de 1858 — Paris, 15 de novembro de 1917) é considerado um dos pais da Sociologia tendo sido o fundador da escola francesa, posterior a Marx, que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. É amplamente reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito da coesão social.1 Partindo da afirmação de que "os fatos sociais devem ser tratados como coisas", forneceu uma definição do normal e do patológico aplicada a cada sociedade, em que o normal seria aquilo que é ao mesmo tempo obrigatório para o indivíduo e superior a ele, o que significa que a sociedade e a consciência coletiva são entidades morais, antes mesmo de terem uma existência tangível. Essa preponderância da sociedade sobre o indivíduo deve permitir a realização deste, desde que consiga integrar-se a essa estrutura. Para que reine certo consenso nessa sociedade, deve-se favorecer o aparecimento de uma solidariedade entre seus membros. Uma vez que a solidariedade varia segundo o grau de modernidade da sociedade, a norma moral tende a tornar-se norma jurídica, pois é preciso definir, numa sociedade moderna, regras de cooperação e troca de serviços entre os que participam do trabalho coletivo (preponderância progressiva da solidariedade orgânica). A sociologia fortaleceu-se graças a Durkheim e seus seguidores. Suas principais obras são: Da divisão do trabalho social (1893); Regras do método sociológico(1895); O suicídio (1897); As formas elementares de vida religiosa (1912). Fundou também a revista L'Année Sociologique, que afirmou a preeminência durkheimiana no mundo inteiro. Para ocorrer o processo de efetivação do ensino e do trabalho docente, Codo (2000) afirma ser necessário a efetivação de algumas especificidades, dentre elas, a criação de um vínculo afetivo entre professor e aluno, para que o processo de ensino aprendizagem seja efetivado. O que eu quero dizer, é que para existir a construção do conhecimento de forma efetiva, é necessário nos conhecermos! Para isso, temos um importante instrumento: o Fórum! Dentro desse ambiente podemos discutir questões, dúvidas, colocar questionamentos. Nesse contexto, a Sociologia(1) será a ciência que utilizaremos para descobrir, analisar e compreender os fenômenos sociais que estão a nossa volta, que englobam desde questões econômicas, políticas, culturais e educacionais, buscando tornar mais clara as relações que existem entre os homens e a sociedade.
  2. 2. Em nossa primeira web aula, discutimos o papel do positivismo e a influência do pensamento durkheiminiano sobre a sociedade, principalmente na educação. Como vimos, Emile Durkheim(2), nasceu em Épinal (França) a 15 de abril de 1858. Estudou na École Normale Supérieure de Paris, tendo-se doutorado em Filosofia. Ocupou a primeira cátedra de Sociologia criada na França, na Universidade de Bordéus, em 1887. Aí permaneceu até 1902, quando foi convidado a lecionar Sociologia e Pedagogia na Sorbonne. Dentre todas as categorias trabalhadas, acredito que as questões sobre os fatos sociais são essenciais, pois segundo Durkheim, são eles que direcionam nossas ações cotidianas. Devemos pensar esses fatos sociais como “maneiras de agir, de pensar e de sentir exteriores aos indivíduos, dotadas de um poder de coerção em virtude do qual se lhe impõem” (Durkheim,1988, p. 48) lembrando sempre de suas categorias: coercitividade (coerção) no momento em que algum fato é imposto pela sociedade aos indivíduos, exterioridade (exterior) não dependendo do individuo para existir, e generalidade (geral) pois atinge um grande número de pessoas, ou seja, uma coletividade. Esta definição do fato social pode, além do mais ser confirmada por meio de uma experiência característica: basta, para tal, que se observe a maneira pela qual são educadas as crianças. Toda a educação consiste num esforço contínuo para impor às crianças maneiras de ver, de sentir e de agir às quais elas não chegariam espontaneamente, - observação que salta aos olhos todas as vezes que os fatos encarados tais quais são e tais quais sempre foram. Desde os primeiros anos de vida, são as crianças forçadas a comer, beber, dormir em horas regulares, são constrangidas a terem hábitos higiênicos, a serem calmas e obedientes; mais tarde, obrigamo-las a aprender a pensar nos demais, a respeitar usos e conveniências,
  3. 3. forçamo-las ao trabalho, etc.., etc. Se, com o tempo, essa coerção deixa se ser sentida, é porque pouco a pouco dá lugar a hábitos, a tendências internas que a tornam inútil, mas que não a substituem senão dela derivam. [...] Ora, estes últimos se tornam particularmente instrutivos quando lembramos que a educação tem justamente por objetivo formar o ser social; pode-se então perceber, como que num resumo, de que maneira este ser constitui através da história. A pressão de todos os instantes que sofre a criança é a própria pressão do meio social tendendo a moldá-la à sua imagem, pressão de que tanto os pais quanto os mestres não são senão representantes e intermediários (...) (DURKHEIM,1998, p. 48-49) Nesse contexto, podemos compreender que a sociedade estabelece para os indivíduos, dentro dos grupos nos quais esses pertencem, quais caminhos devem ser trilhados para a formação moral dos indivíduos, sendo essencial o cumprimento das leis estabelecidas socialmente sobre a possibilidade de uma punição. Aqui podemos encaixar a questão da família, da política, da ideologia, da escola. Aqui coloco mais uma questão para reflexão(1): muitas das ações que os indivíduos realizam parecem ser por vontade própria, independente da forma como a sociedade estabelece os seus princípios universais. Um estudo feito por Durkheim, sobre um tema que ainda hoje é considerado um tabu (o suicídio) provou sociologicamente, a sua teoria de que antes da vontade do individuo, existe a sociedade. Parece um pouco estranho achar que o suicídio está vinculado ao que ocorre em sociedade. Lembram que em nossa tele aula trabalhamos a categoria anomia social, sendo que essa categoria define um momento em que a sociedade encontra- se em um estado de caos, com problemas em seu funcionamento (lembram da analogia entre o corpo humano e a sociedade!) o que gera conflitos entre as partes existentes:
  4. 4. indivíduos, política, religião, estado, escola, família. Pois bem, segundo Durkheim, aparentemente, o suicídio tem todas as características de um ato individual, entretanto, ao colher os dados sobre os índices de suicídio na França, analisando-os mediante as regras sociológicas, o pensador construiu um esquema de análise com base em dados estatísticos que demonstra que existe regularidade na taxa de suicídio durante um determinado período de tempo. Segundo Cancian, Durkheim cruzou os dados com variáveis que incluem a idade, o sexo, o lugar de residência, a religião, o estado civil, sendo que a partir da análise desse cruzamento, foi possível ao autor desvelar as características sociais dos suicidas e apresentar explicações sobre as determinações sociais que influenciam ou causam o ato do suicídio. Nesse contexto, Durkheim estabeleceu três categorias de suicídios, sendo eles: suicídio altruísta, suicídio egoísta e suicídio anômic Nesse estudoDurkheimcolocaanecessidade de umprocessoeducativoparaomeioemque o individuoestáinserido,levandoemconsideraçãoaquestãosocial,políticae cultural do sujeito,nãodefendendoumsistemaeducativoúnico,e sim, umaeducaçãodirigidamedianteo papel doindividuoemsociedade,paraa formaçãomoral do mesmo. A educaçãoé umainstituiçãoformadoradospadrõesmoraisdosindivíduos,sendonecessário, como já discutimosemnossotexto“Culturae Sociedade”que aeducaçãoe a escolatemo papel de socializarosindivíduosparaque ele se desenvolva(socialmente,profissionalmente) dentrodospadrõespré-estabelecidosaseugruposocial,ouseja: socializar-se é aprenderasermembroda sociedade,e aprenderasermembroda sociedade é aprenderoseudevidolugarnela.Sóassim, é possível preservarasociedade (RODRIGUES, 2000, p.33). Como na concepção durkheiminiana, a educação é um forte instrumento de coesão social, cabe ao Estado ofertá-la e supervisioná-la, instituindo os princípios básicos para a concretização da moral da sociedade, que através da escola, seriam transmitidos as crianças e aos jovens. Podemos dizer que é na escola, que aprendemos a nos tornar membros da
  5. 5. sociedade, sendo que é dentro dela que passamos grande parte de nossas vidas nos socializando com outros indivíduos. Título: O trabalho como elemento central na constituição do ser social Antes de começarmos nossa discussão do trabalho do professor, acredito ser importante definirmos o que Marx pensa sobre o trabalho. Partimos do pressuposto de que é por meio do trabalho, no sentido marxista, que realizamos transformações intencionais, planejadas, que tem como resultado um produto real e concreto que antes só existia na mente humana. MARX (1985, p. 149), argumenta que é precisamente o trabalho que diferencia os homens dos outros animais quando afirma que: O textoa seguiré um trechoclássicodo livroOCapital de Marx quandoele define aconcepção real do trabalho. Uma aranha executaoperaçõessemelhantesasdotecelão,e a abelhaenvergonha maisde um arquitetohumanocoma construção dosfavosde suacolméia.Mas o que distingue,de antemão,opior arquitetodamelhorabelhaé que ele construiuofavoemsuacabeça, antes de construí-loemcera. Nofimdo processode trabalhoobtém-se umresultadoque jánoinício deste existiunaimaginaçãodotrabalhadore,portantoidealmente. É através do trabalho humano que as realizações objetivam e exteriorizam os sujeitos que fazem parte do mundo. Esse trabalho é atividade humana que transforma o mundo ao mesmo tempo em que transforma o sujeito. “Ao atuar, por meio deste movimento, sobre a natureza externa a ele e ao modificá-la, ele modifica, ao mesmo tempo, sua própria natureza” (Marx, 1985, p.149). É assim que o homem se reconhece em seu trabalho e se orgulha daquilo que constrói, dando-lhe significados. Aqui podemos compreender que o homem se reconhece no mundo através do seu trabalho! Mas segundo Marx, o processo de trabalho no modo de produção capitalista impede a realização do trabalho criativo, e consequentemente, a formação do trabalhador como responsável
  6. 6. pela construção social. Vocês podem estar se perguntando: Como e por que isso acontece? Marx deu uma resposta muito bem clara: em virtude do processo de divisão da sociedade em classes sociais, através da mais valia e da propriedade privada dos meios de produção. Como consequência desse processo, temos a categoria da Alienação como elemento que impede os sujeitos de se compreenderem como produtores de tudo: política, cultural, ideologia, musica, prédios, casas, educação. Mas será que conseguimos romper com a alienação imposta pela sociedade capitalista? Vinicius de Moraes, na poesia “O homem em construção” demonstra como esse processo se efetiva. Leia a poesia e responda a essa questão: Em que momento podemos verificar a ruptura da alienação imposta pelo trabalho alienado? Guarde sua resposta para daqui a pouco! E por que trabalhar a ruptura da alienação em Marx, no processo de formação de professores? Lembram da resposta a pergunta lançada acima? Pois bem, o professor é um dos responsáveis por ajudar no processo de ruptura da leitura de mundo imposta pela sociedade capitalista. Isso mesmo! Somos mediadores do conhecimento, e para isso temos que ter claro que ideologicamente, a sociedade não quer, na maioria das vezes, que sejamos livres de fato e de direito. Livre no sentido do pensamento, de nossas escolhas, ações. Para isso, torna-se essencial compreender o papel e o trabalho do professor nesse processo, elencando três características principais: a relação com o produto do seu trabalho, o saber e o saber fazer e a questão do vinculo afetivo. A primeira especificidade do trabalho do professor diz respeito ao produto do seu trabalho. Segundo CODO (2000), o produto do trabalho do professor é a formação de outra pessoa, ou seja, o aluno educado. Façamos um paralelo entre o trabalhador de uma fábrica de autopeças e o trabalhador docente. O produto, o resultado final, não pertence ao trabalhador em ambos os casos. No caso do operário, as
  7. 7. peças são para o carro, propriedade do empresário e, no caso do professor, a “peça” é o aluno. Mas podemos distinguir uma especificidade entre ambos. A diferença está na qualidade do vínculo que o trabalhador necessitou estabelecer com seu produto para que a atividade se realize. Em um caso, a atividade de trabalho tem que se objetivar em um sujeito, o aluno; no outro, num objeto. No primeiro caso, o trabalhador precisa formalizar um acordo, negociar para poder desenvolver a sua atividade, no segundo ele não tem na sua frente “um outro”, mas um objeto sobre o qual imprime sua atividade. (CODO 2000, p.45). O segundo aspecto particular é que o saber e o saber-fazer estão especificamente relacionados ao professor, e são as condições centrais para o desenvolvimento do seu trabalho, embora determinados pelas condições econômicas, políticas, sociais e culturais. Portanto, há determinações internas e externas ao exercício profissional, e o professor faz a mediação entre essas determinações na sua prática profissional. A diferença da atuação do professor, comparada a outros trabalhadores assalariados, está em se objetivar, através do seu trabalho, em um outro sujeito, o aluno em seu processo de formação. Ressalte-se que essa relação direta e imediata do professor com o outro é permeada pelo vínculo afetivo, considerado um terceiro aspecto essencial do trabalho docente. O vínculo afetivo é aqui entendido como uma relação de compromisso, de respeito às potencialidades e aos limites do outro, de condução ética do trabalho de ensinar. Nesse sentido, Marx colocaria que o trabalho docente deve ser antes de mais nada, um trabalho pedagógico e político. As três características que colocamos acima (relação com seu produto de trabalho, seu saber e saber fazer e a necessidade da construção de um vínculo afetivo) demonstram que nosso trabalho é muito mais do que transmitir conhecimentos,
  8. 8. realizar ações burocráticas (aplicar provas, corrigir provas, montar aula, trabalhos...) é formar o individuo para se reconhecer como produtor da realidade social; é romper com os paradigmas impostos pela sociedade alienante; é possibilitar ao aluno se desenvolver em sua plenitude (Marx chama isso de ominilateralidade). Web 2 Weber e a formação da sociedade Capitalista: a importância da reforma protestante no surgimento de um novo ethos social. Pessoal, continuando nosso caminho sobre como a sociologia interpreta a realidade social, fundamentado até agora em Durkheim (que concebe a sociedade como um organismo biológico, sendo que muitas vezes ela se encontra em estado de anomia social, sendo necessário o estabelecimento de novas leis e regras para a efetivação da harmonia social e seu progresso); em Marx (sociedade capitalista desigual por natureza, pois é dividida em duas classes sociais, sendo que existe a exploração de uma classe sobre a outra, o que impossibilita a liberdade do individuo dentre outras coisas!), acredito ser interessante refletirmos um pouco sobre o pensamento de mais um autor essencial: Max Weber. Weber não é muito conhecido no meio pedagógico, por ser considerado um pensador que tem sua obra mais vinculada à interpretação da política capitalista moderna. Mas mesmo assim, acho necessário conhecer um pouco mais sobre este intelectual muito importante para as Ciências Sociais. Uma questão interessante é a leitura que ele realizou sobre o surgimento do modo de produção capitalista, sendo que essa leitura está vinculada especificamente à Reforma Protestante de Martin Lutero e João Calvino.
  9. 9. Max Weber se propôs a explicar o surgimento do modo de produção capitalista, não pelo viés econômico (como fez Marx), mas pela questão subjetiva dos indivíduos e de como essas ações (lembrando que ele desenvolve a questão da ação social afetiva, tradicional, racional com relação a fins e racional com relação a valores) geram os fenômenos sociais. Para Weber, em alguns países do ocidente europeu, a ética protestante instituiu alguns valores que ajudaram a criar em certos indivíduos, predisposições morais e motivações para se envolverem na produção e no comércio típico capitalista. Na crença protestante, os homens já nascem predestinados à salvação ou ao inferno, embora não pudessem saber ao certo o seu destino. Para tentar fugir de serem vistos como pecadores, eles dedicaram-se a glorificar a Deus por meio do trabalho e da busca pelo sucesso na profissão. Com isso, princípios como disciplina, dedicação ao trabalho, vocação, poupança são sinônimos de salvação, sendo essas características, na leitura de Weber, essenciais para o surgimento do capitalismo, pois a grande dedicação ao trabalho resultaria no sucesso e enriquecimento. A citação abaixo nos mostrará melhor como Weber pensou nos princípios do protestantismo como eixo inicial do capitalismo: Nesse sentido, o protestantismo: 1) separa radicalmente o homem de Deus, já que os desígnios d'Ele não podem ser conhecidos pela limitada mente humana; 2) desenvolve a teoria da Predestinação (já que não podemos agir moralmente e assim garantir a salvação, só podemos imaginar que alguns são predestinados à salvação, embora não possamos nos certificar de quais são os escolhidos); 3) como substituto à idéia católica das boas ações que garantem a salvação, cria-se a idéia de que o sucesso na vida mundana é um sinal de que se é predestinado. Com isso, o protestantismo cria uma ética inteiramente nova: a ética do trabalho. Se Deus quer a Glória, se
  10. 10. todo o Universo é criado para a Glória de Deus, e se os homens são escolhidos ou não nesse Universo por Deus, sem que nós possamos garantir nenhuma salvação, então apenas podemos nos contentar (e procurar nos tranquilizar) com a idéia de que, se somos prósperos, se engrandecemos a glória divina, então devemos ter sido escolhidos. Daí porque a riqueza é o sinal de nossa salvação, e consequentemente, a ética é a da produção da glória divina, a produção da prosperidade, da riqueza. No entanto, esta riqueza deve ser produzida para a Glória de Deus e não para a glória humana mundana. O sinal da salvação é dado pela prosperidade do homem que acumula, e não pelo homem que gasta - pois este último não trabalha pela glória de Deus, portanto não deve ser um escolhido.A ética protestante, como ética do trabalho feito para a acumulação (e não para os gastos, as despesas, o consumo da riqueza) é o fator cultural determinante para o desenvolvimento do capitalismo, segundo Weber. Continuando na questão da sociedade capitalista, Weber coloca que as diversas formas de dominação existentes são fruto das ações dos homens, visto que na leitura weberiana é o individuo que constitui a sociedade através da ação que realiza. Essa ação pode ser política, cultural, amorosa, econômica dentre outras, mas sempre terá uma finalidade. Nesse sentido, acredito ser interessante compreendermos um pouco mais a questão da dominação política, em virtude de representar os interesses de toda uma população. As formas de dominação instituídas por Weber (a tradicional, a carismática e a legal) são representações do poder instituídas pelos próprios homens. Vamos focalizar a dominação legal que representa o Estado Capitalista Democrático, ou seja, a Democracia. Para Weber, a dominação legal é aquela em que a obediência baseia- se na observação de estatutos, leis, normas e acordos estabelecidos em sociedade. Vamos pensar em como isso se efetiva nas escolas?
  11. 11. Se pensarmos na escola como uma instituição inserida na teia de relações sociais, podemos perceber que ela é constituída por diversas regras, que possibilitam muitas atividades: os currículos, os conteúdos, a hierarquia, as políticas educacionais que direcionam um sistema educacional nacional. Para que as escolas funcionem, torna- se necessário a instituição de um inúmero conjunto de regras e normas que direcionem a prática pedagógica. Dentro dessa prática pedagógica, instituem-se práticas burocráticas, que dão direção ao processo de ensino de um país, por exemplo: Imaginem se cada escola ensinasse conteúdos que achassem interessante para seus alunos, sem seguir um plano geral, instituído socialmente. Cada aluno seria formado de uma forma, teria acesso a conteúdos restritos a vontade de professores e da direção pedagógica. Quero deixar bem claro, que não estou falando de homogeneização de ensino (onde todos devem apreender da mesma forma, tirando a autonomia da escola, a especificidade da região e o trabalho e autonomia do professor), mas sim, da necessidade de um direcionamento geral para o processo de ensino aprendizagem de um país. Por isso a existência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9394/96), dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Nesse contexto, existe a formação os professores também dentro de uma diretriz. Em nosso caso, temos a diretriz nacional do curso de Pedagogia, que estabelece categorias essenciais para a formação do pedagogo, sendo que para Weber isso representa a burocratização do processo de ensino, necessário ao desenvolvimento da sociedade capitalista moderna. Interessante o pensamento weberiano sobre a nossa sociedade, não é? Só gostaria de reafirmar um aspecto: todos os autores trabalhados interpretaram a sociedade capitalista em um determinado momento histórico, tendo cada um uma leitura especifica sobre essa realidade. Não existe um pensador certo e outro errado, o que existe são diferentes pontos de vista sobre o mesmo objeto de estudo, sendo
  12. 12. essencial discernirmos as categorias trabalhadas por Durkheim, Marx e Weber dentro de suas teorias, pois cada uma trás um conjunto de especificidades. Devemos ter cuidado para não “misturar” as categorias explicativas no que chamamos ecletismo teórico ou seja, relacionar aspectos que são diferentes ideologicamente, dando a entender que toda teoria explicativa da realidade social é igual. Reafirmando o que disse no final do nosso texto: O que é importante salientar, é que nenhum dos pensadores trabalhados fornece em suas teorias, métodos e técnicas prontas para a Educação, mas apontam como é extremamente importante o papel do processo educativo na construção da sociedade, para o indivíduo, para a classe e, portanto, para a nossa história. Pela antropologia, cultura é o modo como os indivíduos ou comunidades respondem as suas próprias necessidades e desejos simbólicos. O ser humano, ao contrário dos animais, não vive de acordo com seus instintos, isto é, regido por leis biológicas, invariável para todas as espécies, mas a partir da sua capacidade de pensar, a realidade que o circunda o faz construir novos significados para essa natureza, que vão além daqueles percebidos imediatamente. A essa construção simbólica, que vai guiar toda ação humana, dá-se o nome de cultura. A cultura, nesse sentido amplo, engloba a língua que falamos, as idéias de um grupo, as crenças, os costumes, os códigos, as instituições, as ferramentas, a arte, a religião, a ciência, enfim, toda as esferas da atividade humana. Mesmo as atividades básicas de qualquer espécie, como a reprodução e a alimentação, são realizadas de acordo com regras, usos e costumes de cada cultura particular. Os rituais de namoro e casamento, os usos referentes à alimentação (o que se come, como se come), o preparo dos alimentos, o tipo de roupa que vestimos, a língua que falamos, as palavras de nosso vocabulário, tudo isso é regulado pela cultura à qual pertencemos. A função da cultura é tornar a vida segura e contínua para a sociedade humana. Ela é o "cimento" que dá unidade a um determinado grupo
  13. 13. de pessoas que dividem os mesmos usos e costumes, os mesmos valores. Deste ponto de vista, podemos dizer que tudo o que faz parte do mundo humano é cultura. Para compreendermos o processo de constituição da cultura brasileira, devemos voltar ao processo de colonização do Brasil, pois a formação do povo brasileiro iniciou-se nesse momento, em que o povo europeu entra em contato, através das grandes navegações, com o povo indígena que já habitava as terras brasileiras. Junto a esse momento, o povo negro, fruto do processo escravista, também faz parte da formação do que convencionamos chamar de cultura brasileira. Somos fruto da miscigenaçãodas raças branca X negra X indígena. Gilberto Freire, autor pernambucano, foi o primeiro estudioso sobre a cultura brasileira. Em seu livro “Casa Grande e Senzala” de 1933, Freire escreve que a integração social entre o negro, o branco e o índio efetuou-se de forma harmoniosa, sendo que essa miscigenação proporcionou um equilíbrio entre os diversos grupos culturais, sendo que essa “mistura” se deu sobre relações sociais que se fundamentavam sobre o trabalho escravo e no poder do senhor de engenho e da família patriarcal, um dos processos da colonização portuguesa no Brasil. Dessa relação, surgiria uma cultura genuinamente brasileira, fundamentada na fusão dos vocabulários das raças, nas práticas diárias, nas crenças e nas representações de poder, o que segundo Freire resulta em um processo de democratização racial entre os indivíduos. É dessa relação entre poder e sobrevivência, respectivamente entre brancos e negros, que surgiria uma cultura propriamente brasileira expressa na fusão do vocabulário das duas raças, nas práticas diárias, nas crenças e nas representações de poder, o que resultou em um processo democratização racial entre os indivíduos.
  14. 14. Muitos estudiosos acreditavam que a leitura feita por Freire era romântica e não apresentava a questão da contradição existente entre os diversos grupos culturais existentes no Brasil. Florestan Fernandes é um desses autores de cunho marxista, que acreditava que a leitura freiriana mascarava a questão do conflito de classes existentes entre dominantes e dominados, estabelecendo a diferença entre os grupos como algo natural. Em seu livro “A integração do Negro na Sociedade de Classes” de 1978, Florestan busca compreender o processo de exclusão do negro na formação da cultura brasileira. Para Fernandes, o negro e sua cultura sempre participaram do processo de desenvolvimento do país, mas sempre em posição de inferioridade dentro da estrutura social, visto que no inicio do processo de colonização eles eram visto como mercadorias e depois da abolição da escravidão em 1888, a presença do negro sempre foi vinculada ao trabalho não capacitado. Nesse processo, a sociedade brasileira ideologicamente e historicamente colocou o negro a margem da sociedade, visto que com o desenvolvimento do capitalismo no Brasil (desenvolvimento das cidades, da produção, comércio) os negros passaram a concorrer com os trabalhadores imigrantes (alemães, italianos, japoneses), que já estavam acostumados com o trabalho nos princípios do modo de produção capitalista. Vamos ilustrar um pouco essa questão: Imagine um negro, que antes da abolição da escravidão era visto como mercadoria: Sergio Buarque de Holanda também discute de forma interessante o que chamamos da formação dohomem cordial. Em seu livro Raízes do Brasil (2003), a formação da cultura brasileira tem relação com o período de transição do Brasil tradicional para uma ordem moderna, onde o modelo agrário, rural e patriarcal dava lugar para o modelo industrial, urbano e democrático.
  15. 15. A formação da cultura brasileira tem relação o período que o Brasil atravessava desde o século XIX sob uma prolongada crise de transição de uma ordem tradicional a uma ordem moderna. Tratava- se de uma revolução lenta, com a superação de um modelo agrário, rural e patriarcal, por um outro modelo - industrial urbano e democrático. A dificuldade de ultrapassagem para esta última fase se originava de uma série de entraves que a estrutura colonial havia legado e que se manifestava desde então no modo de ser do brasileiro. Premido entre os novos imperativos da civilização ocidental e os condicionantes arcaicos da sua formação histórica, o Brasil assistia a um impasse na definição de seu destino (HOLLANDA, 2007). Nesse contexto, podemos estabelecer a relação entre o português, o índio e o negro, fundado na questão da dominação legal do branco sobre as outras culturas, instituindo uma relação de superioridade e de poder sobre o homem simples (fruto da mistura de raças). Sendo assim, esse homem cordial aceita as estruturas sociais vigentes, sem questionar, pois é muito forte culturalmente, o domínio de uma classe sobre a outra. Abordamos aqui três autores importantes para a discussão da formação do povo brasileiro, cada um com sua leitura de mundo que possibilitou várias interpretações sobre a nossa cultura. Independente da concepção teórica (marxista ou tradicional) podemos chegar a uma conclusão sobre a diversidade cultural brasileira: Somos fruto do processo de miscigenação das raças. O que devemos ter claro enquanto educadores, que esse processo muitas vezes é visto de forma etnocêntrica, sendo essencial possibilitarmos aos nossos alunos a real e histórica constituição da cultura brasileira, elencando suas contradições e especificidades. O vídeo abaixo é fruto de um documentário sobre o livro “O povo brasileiro” de Darcy Ribeiro e sintetiza bem nossa discussão. Antes de
  16. 16. finalizar, quero deixar um questionamento: Podemos compreender a cultura brasileira e consequentemente a forma como ela se coloca em nossa sociedade (escola, família, meios de comunicação de massa) sem analisá-la historicamente?

×