SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Tema
Correlação entre caracteres
Componentes da correlação fenotípica;
As correlações fenotípicas como substitutas de correlações
genotípicas.
Elementos do Grupo
Alberto Elias Simbine;
Ivaristo Américo Mboa Junior.
Introdução
 Quando dois ou mais caracteres são considerados
simultaneamente nos indivíduos de uma população, seus valores
fenotípicos podem estar correlacionados, de maneira positiva ou
de maneira negativa.
 As causas dessas correlações fenotípicas podem ser genéticas
ou ambientais.
 A principal causa genética da correlação fenotípica entre duas
características é a acção pleiotrópica dos genes.
 Pleiotropia é simplesmente a propriedade segundo a qual um
determinado gene afecta duas ou mais características, de modo
que, se ele estiver segregando, ela causa variação nessas
características.
Definições básicas
 Correlação é uma medida de intensidade de associação linear
entre duas variáveis ou uma medida do grau de variação conjunta,
que pode ser negativa ou positiva .
 Correlação fenotípica é a associação entre duas características
que pode ser observada directamente no individuo.
 Correlação fenotípica é a associação entre duas características
que não podem ser observadas e essas são herdadas por um
individuo.
 Correlação ambiental é a correlação na qual duas características
podem ser influenciadas pelas mesmas diferenças de condições
ambientais.
 Pleiotropia é a propriedade na qual um determinado gene afecta
duas ou mais características, de modo que, se ele estiver
segregando, ela causa variação nessas características.
Correlações entre caracteres
 Nos programas de melhoramento genético, o conhecimento da
associação entre caracteres é de grande importância,
principalmente, se a selecção em um deles apresenta
dificuldades, em razão da baixa herdabilidade e, ou, apresenta
problemas de medição e identificação.
 A correlação que pode ser mensurada directamente a partir das
medidas de dois caracteres, nos indivíduos da população, é a
fenotípica, que tem causas genéticas e ambientais.
 Contudo, só as causas genéticas envolvem uma associação de
natureza herdável, que pode ser útil na orientação dos
programas de melhoramento.
 Portanto, conhecer a correlação fenotípica entre duas
características e, mais ainda, separar e quantificar as correlações
genéticas e ambientais o que é muito relevante nos estudos
genéticos.
 
Correlação fenotípica
 O ambiente é outra causa de correlação fenotípica na medida
em que duas características podem ser influenciadas pelas
mesmas diferenças de condições ambientais.
 Uma vez mais, existem factores ambientais que causam
correlações positivas, outras negativas, entre duas
características.
 A associação entre duas características que pode ser
observada directamente é a correlação entre os valores
fenotípicos, chamada correlação fenotípica.
Correlação fenotípica
 Esta pode ser avaliada tomando-se mensurações de um
determinado número de indivíduos na população.
 Supondo-se, entretanto, que fosse possível conhecer não
somente os valores fenotípicos dos indivíduos avaliados, mas
também seus valores genotípicos e seus correspondentes
desvios ambientais, para as duas características, poder-se-ia
também computar as correlações entre os valores genotípicos
bem como entre os desvios ambientais das duas características
e assim separar as causas da correlação fenotípica.
Componentes da correlação fenotípica
 Os componetes da correlacao fenotipica são: a correlação
genotípica e a ambiental.
 Nos componentes da correlação fenotípica, apenas a correlacao
genotípica é que encerra uma associação de características
herdáveis e é utilizada na orientação dos programas de
selecção.
 Os valores genotípicos pudessem ser desdobrados em seus
componentes aditivos e não-aditivo (desvios causados pela
dominância e pela epistasia), poder-se-ia também computar uma
correlação entre os valores genéticos aditivos das duas
características.
 Em princípio, existem também correlações entre os desvios causados
pela dominância e entre os desvios causados pelos vários tipos de
acções epistáticas.
Componentes da correlação fenotípica
 Na prática, os problemas são trabalhados em termos de
apenas duas correlações.
 Estas são a correlação genética, entendida como sendo a
correlação entre valores genéticos aditivos, e a correlação
ambiental, que não engloba somente a correlação causada por
desvios ambientais, mas também as correlações devidas a
desvios causados por acções genéticas não-aditivas.
 Assim, as correlações genética (rA) e ambiental (rE)
correspondem à decomposição da co-variância fenotípica
entre duas características em um componente genético-
aditivo versus o resto.
Correlação genotipica e fenotipica
 A primeira tarefa consiste em demonstrar como a
correlação genética e a ambiental se combinam para dar
origem à observável correlação fenotípica.
 Os símbolos que serão usados para estudar a correlação
genética são:
 X e Y são os fenótipos das duas características sob
consideração;
 rP é a correlação fenotípica entre X e Y;
 rA é a correlação genética entre X e Y (isto é, a correlação
entre os valores genético-aditivos de X e de Y);
 rE é a correlação ambiental entre X e Y, incluindo efeitos
genéticos não-aditivos;
Correlação genotipica e fenotipica
 cov é a co-variância entre X e Y, com subscritos P, A e E,
denotando co-variância entre fenótipos, entre valores
genético-aditivos e entre desvios ambientais;
 σ2
e σ são, respectivamente, a variância e o desvio padrão,
com subscritos PX, AX, EX, PY, AY e EY, denotando
variâncias fenotípicas, genético-aditivas e ambientais para as
características X e Y;
 h2
é a herdabilidade, com subscritos X e Y, dependendo da
característica;
 e2
= 1 - h2
.
Correlação genotipica e fenotipica
 Estatisticamente, uma correlação entre duas variáveis é
sempre a razão entre a co-variância pelo produto dos dois
desvios padrão. Por exemplo, a correlação fenotípica entre X
e Y é:
 Assim, a co-variância fenotípica pode ser escrita como:
 cov(PX,PY) = rP(σPXσPY)
 A co-variância fenotípica é a soma das co-variâncias genética
e ambiental, isto é:
 covP = covA + covE
Correlação genotipica e fenotipica
 Escrevendo-se a co-variância genética e ambiental em
termos das correlações e dos desvios padrão, tem-se:
 rP(σPXσPY) = rA(σAXσAY) + rE(σEXσEY)
 Lembrando que σA = hσP, e σE = hσP, e fazendo-se as
pertinentes substituições tem-se:
 rP(σPXσPY) = rA(hXσPXhYσPY) + rE(eXσPXeYσPY)
 Dividindo ambos os lados da expressão por σPXσPY tem-se:
 rP = rA(hXhY) + rE(eXeY)
Correlações fenotípicas como substitutas de
correlações genéticas
 A correlação genética procura explicar por meio de mecanismos
genéticos, a variação conjunta de duas variáveis, sendo a
pleiotropia e a ligação gênica os fenômenos genéticos que
explicam a ocorrência da correlação genética.
 O grau de correlação originado pelo pleiotropismo expressa o
quanto duas características são influenciadas pelos mesmos
genes.
 Alguns genes podem actuar aumentando ou diminuindo ambas as
características, causando correlações positivas e negativas,
enquanto outros podem actuar em sentidos opostos.
 Portanto, o pleiotropismo não causa, necessariamente, uma
correlação que se possa detectar.
Correlações fenotípicas como substitutas de
correlações genéticas
 O desequilíbrio de ligação genica também é uma das causas de
associação entre caracteres, porém é transitória, ocasionada
principalmente em populações oriundas de cruzamentos
divergentes.
 Essa correlação será maior quanto mais próximo estiverem os
genes no cromossoma, aumentando a possibilidade de
permanecerem juntos mesmo após a autofecundação, mantendo-
se assim a correlação entre eles.
 Os Valores negativos da correlação indicam que o ambiente
favorece um carácter em detrimento do outro, e valores positivos
indicam que os dois caracteres são beneficiados ou prejudicados
pelas mesmas causas de variações ambientais.
Correlações fenotípicas como substitutas de
correlações genéticas
 As correlações genéticas e ambientais apresentam o mesmo
sinal (positivo ou negativo), porém, nos casos em que isso não
ocorre, há indicativo de que as causas de variação genética e
ambiental influenciam os caracteres por meio de diferentes
mecanismos fisiológicos
 Entretanto as correlações genotipicas em si só não são capazes
de nos dar dados suficientes, portanto só as correlações
fenotipicas as quais abrangem as genotipicas e ambientais que
nos são capazes de nos fornecer informações mais claras nas
correlações, por isso que as correlações fenotipicas são as mais
eficientes.
Conclusão
 A expressão rP = rA(hXhY) + rE(eXeY) mostra como as causas
genéticas e ambientais se combinam para dar origem à
correlação fenotípica observável entre duas
características.
 Se essas características têm baixas herdabilidades, então
a correlação fenotípica será determinada principalmente
pela correlação ambiental.
 Se as características têm altas herdabilidades, então a
correlação genética terá maior importância.
 A expressão deixa claro que nem a magnitude nem o
sinal da correlação genética podem ser determinados
somente a partir da correlação fenotípica.
Obrigado pela atenção
Fim
 deixamos este momento para
Duvidas
&
Comentários.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosUERGS
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoANCP Ribeirão Preto
 
Caracteres qualitativos e quantitativos
Caracteres qualitativos e quantitativosCaracteres qualitativos e quantitativos
Caracteres qualitativos e quantitativosVanessa Holanda
 
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozPós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozGeagra UFG
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralfabio schwab
 

Mais procurados (20)

Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Grupo 2sementes ppt
Grupo 2sementes  pptGrupo 2sementes  ppt
Grupo 2sementes ppt
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Importancia Sementes
Importancia SementesImportancia Sementes
Importancia Sementes
 
Milho transgênico
Milho transgênicoMilho transgênico
Milho transgênico
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
 
Caracteres qualitativos e quantitativos
Caracteres qualitativos e quantitativosCaracteres qualitativos e quantitativos
Caracteres qualitativos e quantitativos
 
Milho
MilhoMilho
Milho
 
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do ArrozPós-colheita e Beneficiamento do Arroz
Pós-colheita e Beneficiamento do Arroz
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão rural
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 

Último

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 

Correlação entre caracteres genotipicas, fenotipicas e ambiente segundo dr Ivomboa

  • 1. Tema Correlação entre caracteres Componentes da correlação fenotípica; As correlações fenotípicas como substitutas de correlações genotípicas. Elementos do Grupo Alberto Elias Simbine; Ivaristo Américo Mboa Junior.
  • 2. Introdução  Quando dois ou mais caracteres são considerados simultaneamente nos indivíduos de uma população, seus valores fenotípicos podem estar correlacionados, de maneira positiva ou de maneira negativa.  As causas dessas correlações fenotípicas podem ser genéticas ou ambientais.  A principal causa genética da correlação fenotípica entre duas características é a acção pleiotrópica dos genes.  Pleiotropia é simplesmente a propriedade segundo a qual um determinado gene afecta duas ou mais características, de modo que, se ele estiver segregando, ela causa variação nessas características.
  • 3. Definições básicas  Correlação é uma medida de intensidade de associação linear entre duas variáveis ou uma medida do grau de variação conjunta, que pode ser negativa ou positiva .  Correlação fenotípica é a associação entre duas características que pode ser observada directamente no individuo.  Correlação fenotípica é a associação entre duas características que não podem ser observadas e essas são herdadas por um individuo.  Correlação ambiental é a correlação na qual duas características podem ser influenciadas pelas mesmas diferenças de condições ambientais.  Pleiotropia é a propriedade na qual um determinado gene afecta duas ou mais características, de modo que, se ele estiver segregando, ela causa variação nessas características.
  • 4. Correlações entre caracteres  Nos programas de melhoramento genético, o conhecimento da associação entre caracteres é de grande importância, principalmente, se a selecção em um deles apresenta dificuldades, em razão da baixa herdabilidade e, ou, apresenta problemas de medição e identificação.  A correlação que pode ser mensurada directamente a partir das medidas de dois caracteres, nos indivíduos da população, é a fenotípica, que tem causas genéticas e ambientais.  Contudo, só as causas genéticas envolvem uma associação de natureza herdável, que pode ser útil na orientação dos programas de melhoramento.  Portanto, conhecer a correlação fenotípica entre duas características e, mais ainda, separar e quantificar as correlações genéticas e ambientais o que é muito relevante nos estudos genéticos.
  • 5.   Correlação fenotípica  O ambiente é outra causa de correlação fenotípica na medida em que duas características podem ser influenciadas pelas mesmas diferenças de condições ambientais.  Uma vez mais, existem factores ambientais que causam correlações positivas, outras negativas, entre duas características.  A associação entre duas características que pode ser observada directamente é a correlação entre os valores fenotípicos, chamada correlação fenotípica.
  • 6. Correlação fenotípica  Esta pode ser avaliada tomando-se mensurações de um determinado número de indivíduos na população.  Supondo-se, entretanto, que fosse possível conhecer não somente os valores fenotípicos dos indivíduos avaliados, mas também seus valores genotípicos e seus correspondentes desvios ambientais, para as duas características, poder-se-ia também computar as correlações entre os valores genotípicos bem como entre os desvios ambientais das duas características e assim separar as causas da correlação fenotípica.
  • 7. Componentes da correlação fenotípica  Os componetes da correlacao fenotipica são: a correlação genotípica e a ambiental.  Nos componentes da correlação fenotípica, apenas a correlacao genotípica é que encerra uma associação de características herdáveis e é utilizada na orientação dos programas de selecção.  Os valores genotípicos pudessem ser desdobrados em seus componentes aditivos e não-aditivo (desvios causados pela dominância e pela epistasia), poder-se-ia também computar uma correlação entre os valores genéticos aditivos das duas características.  Em princípio, existem também correlações entre os desvios causados pela dominância e entre os desvios causados pelos vários tipos de acções epistáticas.
  • 8. Componentes da correlação fenotípica  Na prática, os problemas são trabalhados em termos de apenas duas correlações.  Estas são a correlação genética, entendida como sendo a correlação entre valores genéticos aditivos, e a correlação ambiental, que não engloba somente a correlação causada por desvios ambientais, mas também as correlações devidas a desvios causados por acções genéticas não-aditivas.  Assim, as correlações genética (rA) e ambiental (rE) correspondem à decomposição da co-variância fenotípica entre duas características em um componente genético- aditivo versus o resto.
  • 9. Correlação genotipica e fenotipica  A primeira tarefa consiste em demonstrar como a correlação genética e a ambiental se combinam para dar origem à observável correlação fenotípica.  Os símbolos que serão usados para estudar a correlação genética são:  X e Y são os fenótipos das duas características sob consideração;  rP é a correlação fenotípica entre X e Y;  rA é a correlação genética entre X e Y (isto é, a correlação entre os valores genético-aditivos de X e de Y);  rE é a correlação ambiental entre X e Y, incluindo efeitos genéticos não-aditivos;
  • 10. Correlação genotipica e fenotipica  cov é a co-variância entre X e Y, com subscritos P, A e E, denotando co-variância entre fenótipos, entre valores genético-aditivos e entre desvios ambientais;  σ2 e σ são, respectivamente, a variância e o desvio padrão, com subscritos PX, AX, EX, PY, AY e EY, denotando variâncias fenotípicas, genético-aditivas e ambientais para as características X e Y;  h2 é a herdabilidade, com subscritos X e Y, dependendo da característica;  e2 = 1 - h2 .
  • 11. Correlação genotipica e fenotipica  Estatisticamente, uma correlação entre duas variáveis é sempre a razão entre a co-variância pelo produto dos dois desvios padrão. Por exemplo, a correlação fenotípica entre X e Y é:  Assim, a co-variância fenotípica pode ser escrita como:  cov(PX,PY) = rP(σPXσPY)  A co-variância fenotípica é a soma das co-variâncias genética e ambiental, isto é:  covP = covA + covE
  • 12. Correlação genotipica e fenotipica  Escrevendo-se a co-variância genética e ambiental em termos das correlações e dos desvios padrão, tem-se:  rP(σPXσPY) = rA(σAXσAY) + rE(σEXσEY)  Lembrando que σA = hσP, e σE = hσP, e fazendo-se as pertinentes substituições tem-se:  rP(σPXσPY) = rA(hXσPXhYσPY) + rE(eXσPXeYσPY)  Dividindo ambos os lados da expressão por σPXσPY tem-se:  rP = rA(hXhY) + rE(eXeY)
  • 13. Correlações fenotípicas como substitutas de correlações genéticas  A correlação genética procura explicar por meio de mecanismos genéticos, a variação conjunta de duas variáveis, sendo a pleiotropia e a ligação gênica os fenômenos genéticos que explicam a ocorrência da correlação genética.  O grau de correlação originado pelo pleiotropismo expressa o quanto duas características são influenciadas pelos mesmos genes.  Alguns genes podem actuar aumentando ou diminuindo ambas as características, causando correlações positivas e negativas, enquanto outros podem actuar em sentidos opostos.  Portanto, o pleiotropismo não causa, necessariamente, uma correlação que se possa detectar.
  • 14. Correlações fenotípicas como substitutas de correlações genéticas  O desequilíbrio de ligação genica também é uma das causas de associação entre caracteres, porém é transitória, ocasionada principalmente em populações oriundas de cruzamentos divergentes.  Essa correlação será maior quanto mais próximo estiverem os genes no cromossoma, aumentando a possibilidade de permanecerem juntos mesmo após a autofecundação, mantendo- se assim a correlação entre eles.  Os Valores negativos da correlação indicam que o ambiente favorece um carácter em detrimento do outro, e valores positivos indicam que os dois caracteres são beneficiados ou prejudicados pelas mesmas causas de variações ambientais.
  • 15. Correlações fenotípicas como substitutas de correlações genéticas  As correlações genéticas e ambientais apresentam o mesmo sinal (positivo ou negativo), porém, nos casos em que isso não ocorre, há indicativo de que as causas de variação genética e ambiental influenciam os caracteres por meio de diferentes mecanismos fisiológicos  Entretanto as correlações genotipicas em si só não são capazes de nos dar dados suficientes, portanto só as correlações fenotipicas as quais abrangem as genotipicas e ambientais que nos são capazes de nos fornecer informações mais claras nas correlações, por isso que as correlações fenotipicas são as mais eficientes.
  • 16. Conclusão  A expressão rP = rA(hXhY) + rE(eXeY) mostra como as causas genéticas e ambientais se combinam para dar origem à correlação fenotípica observável entre duas características.  Se essas características têm baixas herdabilidades, então a correlação fenotípica será determinada principalmente pela correlação ambiental.  Se as características têm altas herdabilidades, então a correlação genética terá maior importância.  A expressão deixa claro que nem a magnitude nem o sinal da correlação genética podem ser determinados somente a partir da correlação fenotípica.
  • 17. Obrigado pela atenção Fim  deixamos este momento para Duvidas & Comentários.