Rota Do Manguezal

4.125 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
270
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rota Do Manguezal

  1. 1. Rota do Manguezal Manguezal
  2. 5. A rota do Manguezal <ul><li>A IMPORTÂNCIA DO MANGUEZAL </li></ul><ul><li>Qual é a importância do mangue para a natureza e o homem? É com esta pergunta que nos propormos, ao aceitar o desafio deste trabalho sobre o manguezal, a responder. Todos nós já ouvimos falar do mangue, às vezes moramos perto dele. Mas não paramos para refletir sobre sua importância. Ter uma consciência ecológica nos faz preocuparmos com este sistema de vida. </li></ul><ul><li>O MANGUEZAL </li></ul><ul><li>O que é o manguezal? Não podemos responder a primeira pergunta, sem antes saber o que é o manguezal, este ecossistema mais importante da biosfera. São este ecossistema que faz a transição entre os ambientes terrestres e marinhos, zonas úmidas, de características das regiões tropicais e subtropicais. </li></ul><ul><li>Seu solo caracteriza-se por ser úmido, salgado, pouco oxigenado e muito rico em nutrientes. Serve também para ser abrigo de diversas espécies de caranguejos. Às vezes apresentar odor, por possuir matéria orgânica em decomposição, que serve de alimentos para crustáceos e peixes. </li></ul><ul><li>Sua vegetação em virtude do solo salino e de baixa oxigenação predomina os vegetais halófilos (amante do sal). Suas longas raízes permitem a sustentação das árvores no solo lodoso. </li></ul><ul><li>Em Vitória, há  três tipos de mangue: Avicenia schaureliana (mangue branco), Rhizofora mangle (mangue vermelho) e a Laguncularia (mangue preto). Isto de acordo com o oceonógrafo da Secretária do Meio Ambiente (SEMMAN), Fernando Corleto. </li></ul><ul><li>O mangue se encontra em quase toda a extensão da Baía de Vitória e receber sua denominação de acordo com o local onde se encontra. Como: o Manguezal da Estrelinha e Inhanguetá; Lameirão; Manguezal da UFES e da Margarida </li></ul><ul><li>SUA IMPORTÂNCIA </li></ul><ul><li>O manguezal é tão importante, que é protegido por lei federal, estadual e municipal e é considerado como área de preservação permanente. </li></ul><ul><li>Para o solo: a vegetação dos mangues serve para fixar o solo evitando assim a erosão e estabilizando a linha da costa. </li></ul>
  3. 6. <ul><li>Os manguezais são áreas de transição entre ambientes terrestres e marinhos. Eles se formam no encontro de rios e mares, áreas estas denominadas de estuários. Na foz desses rios – área de encontro entre a água do rio com a do mar – há uma deposição de sedimentos de origem mineral e orgânica formando uma lama característica destes ecossistemas. Porém, nem todas as áreas de encontro de rios com o ambiente marinho formam manguezais, como visto em muitas regiões do litoral do Espírito Santo. Para entendermos por que isso acontece é necessário primeiro fazermos algumas observações sobre a composição química dos minerais transportados pelos rios e a diferença entre o relevo destes. </li></ul>
  4. 7. <ul><li>a origem do sedimento transportado pelo rio é de origem tanto orgânica quanto mineral. A primeira é originada da decomposição de organismos que vivem nesses habitats ou que de alguma forma foram neles depositados. Já os minerais são formados pela degradação de rochas através de intemperismos e posterior erosão desses sedimentos. Os principais tipos de rochas relacionadas a esse processo são as Rochas Ígneas ou Magmáticas, formadas através da atividade vulcânica. Essas por sua vez são formadas por três tipos de minerais: Mica, Quartzo e Feldspato. Este último, mais sujeito a degradação, se decompõe formando os argilo minerais, principal componente mineral da lama dos manguezais. </li></ul><ul><li>Alguns rios possuem um relevo bastante inclinado em sua foz, o que faz com estes possua uma grande “ energia ” no transporte dos sedimentos para o mar. Nestes casos esta energia é suficiente para romper a barreira feita pela maré, que tende a ser um entrave natural ao despejo daqueles no oceano. Assim, a grande maioria dos sedimentos acumulados durante a maré cheia é carregados pela correnteza do rio quando a maré baixar. Além disso, outro fator que influencia sobremaneira são as correntes marítimas que possam existir no local – a corrente nordeste é a principal. </li></ul><ul><li>Outros rios, ao contrário, apresentam em sua foz um relevo plano, o que acarreta numa baixa energia no transporte dos sedimentos. Neste caso, este sedimento pode se acumular de forma mais eficiente ao entorno dessa foz, dando início ao processo de formação do mangue. Outro fato interessante é que, geralmente, essas regiões são cercadas por porções de terras, ou rochas, formando as “baias” (Baia de Guanabara por ex.) que bloqueiam a atuação das correntes marítimas sobre tais sedimentos. </li></ul><ul><li>Desta forma, podemos concluir que os ecossistemas de manguezais possuem uma estreita relação com o relevo do ambiente e com a presença de outros fatores físicos, como as correntes e a presença ou não das baias. </li></ul>

×