ALTERIDADE, A CONDIÇÃO INDIGENA NA SOCIEDADE.                                                                 OLIVEIRA, Iv...
Entre esses e vários outros conceitos que abrange o termo diversidade, existe aalteridade que diz respeito a diferença ent...
navegações não era gente e sim animal dava a possibilidade de pensamento de que essagente poderia ser dizimada sem peso na...
novamente e vivem refugiados, em terras demarcadas pelo INCRA nas margens dealgumas cidades ou em áreas também demarcadas ...
Referênciashttp://pt.wikipedia.org/wiki/DiversidadeGRESSLER, Lori Alice. História do Mato Grosso do Sul, 4ª série/ Lori Al...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo1

652 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo1

  1. 1. ALTERIDADE, A CONDIÇÃO INDIGENA NA SOCIEDADE. OLIVEIRA, Ivanildo Pereira.RESUMOO presente trabalho vem tratar de diversos fatores que coloca os povos indígenas em situação deabandono em território brasileiro, essa realidade também pode estar ocorrendo em outros lugaresou outros países com a mesma intensidade e talvez o problema seja ainda maior do que o nosso. Osfatores que mais contribuíram para esse problema se tornar cada vez maior, tem inicio com asformas com que os europeus utilizaram para explorar as riquezas do país, tais como: pau-brasil,ouro, lavoura, cana de açúcar. Assim os índios, vem sendo excluído da evolução populacional emterritório brasileiro desde a vinda dos europeus.Palavras-chave: descobrimento, exploração e exclusão social.IntroduçãoA pretensão é buscar informações suficientes para entender os motivos dos povosindígenas ainda enfrentarem problemas de preconceito e serem discriminados em suasinvestidas na busca por um lugar dentro do contexto social.Em palestras e nas escolas hoje, se houve falar muito em inclusão, diversidade,alteridade que é uma palavra que tem como significado a aceitação as diferenças dooutro.Então, estamos vivendo uma ótima época para questionar, atitudes que não têm nada aver com a realidade do que está sendo proposto pelos órgãos de apoio e combate aexclusão, de pessoas dentro e fora da escola.Precisamos tratar a intolerância/preconceito como coisa séria, muitas vezes essesvínculos de discriminação perpassa por várias gerações dentro de uma mesma família.São palavras simples do tipo (minha preta, minha nega) que precisamos estar atentospara que novas gerações não sejam contaminadas com essa cultura preconceituosa dever as diferenças em um meio social.De acordo com a Wikipédia, o termo diversidade abrange diversos pontos deentendimento dentro de um contexto social, tais como: O termo diversidade diz respeito à variedade e convivência de idéias, características ou elementos diferentes entre si, em determinado assunto, situação ou ambiente. A idéia de diversidade está ligada aos conceitos de pluralidade, multiplicidade, diferentes ângulos de visão ou de abordagem, heterogeneidade e variedade. E, muitas vezes, também, pode ser encontrada na comunhão de contrários, na intersecção de diferenças, ou ainda, na tolerância mutua.
  2. 2. Entre esses e vários outros conceitos que abrange o termo diversidade, existe aalteridade que diz respeito a diferença entre o eu e o outro.Dentre esses conceitos de diversidade esse trabalho vai tratar da condição indígena nasociedade atual e dos acessos destinados a essa parcela da sociedade.A existência dos índios em território brasileiro de acordo com estudos de arqueólogos eescrita por historiadores datam de mais de 17 mil anos. Nesse sentido, a história dessepovo começa a mais tempo do que se pode imaginar, isso quer dizer que quando oseuropeus aqui chegaram, já havia milhões de índios e milhares de anos que eles viviampor aqui. Dessa forma a historiadora diz que: A América era habitada muito antes da chegada dos europeus. A explicação mais aceita é que os primeiros povoadores vieram da Ásia e atravessaram andando o estreito de Bering, que estava congelado. É possível que, algum tempo depois, outros grupos humanos tenham vindo para a América por mar, provenientes da Ásia e da Oceania. GRESSLER, Lori Alice.Pode-se dizer que aqueles milhões de índios que existiam no Brasil foram reduzidos amilhares. Não se tem uma quantia exata de quantos eles eram e nem de quantos eles são.A história desse povo começa juntamente com a história do Brasil, tanto os índios quepodemos denominar hoje como sendo os donos da terra, por que de fato eles já estavamaqui quando da chegada dos portugueses, então nessa época existia o continente e osíndios, nem um nem o outro estava preparado para receberem visitas de pessoasdesconhecidas, nesse sentido esses povos não tinham idéia da dimensão do mundo enem mesmo da capacidade de violência/crueldade que outras pessoas poderiamimprimir em contato com outros povos.Após a chegada do homem europeu, tudo mudou por aqui, tanto a vida dos que jáviviam quanto à diversidade de fauna, flora e relevo. A Colonização do Brasil foi um processo de povoação, exploração e dominação do território, já que a Corte Portuguesa acreditava na hipótese de ter o território brasileiro invadido e tomado caso não fosse ocupado. Apesar dessas intenções, a Corte Portuguesa também tinha como objetivo transformar o novo território em fonte de renda para Portugal. trabalhodehistoria3anogrupo1.wordpress.com/.../A idéia de que o dono da terra não oferecia resistência para proteger os bens que aquiexistiam, levou os invasores a pensar que eram donos da terra por que na visão deles, osque viviam aqui não podiam nem ser denominados por seres humanos, e essadenominação de que os habitantes desse mundo ainda não descoberto pelo homem das
  3. 3. navegações não era gente e sim animal dava a possibilidade de pensamento de que essagente poderia ser dizimada sem peso na consciência, o europeu queria explorar,escravizar e até eliminar os moradores da terra que não estivessem a serviço deles e semficar com a consciência pesada, por que esses tinham a idéia de que havia achado umbaú e que tudo que havia dentro dele era de sua propriedade.Nesse sentido o baú era o Brasil e tudo que estava dentro dele pertencia ao país de suasorigens. E não se media esforços para conseguir mão de obra barata, ou até mesmo degraça, não se tinha escrúpulos a ponto de tirar a liberdade de outras pessoas. Dessaforma a escravidão foi um dos problemas enfrentados pelos índios, para fazer o trabalhopesado. Nesse sentido: O aprisionamento foi uma das principais formas de obtenção de escravos indígenas. Eles tinham que executar o trabalho nas lavouras, onde sofriam maus tratos e eram explorados. Pelo fato de não serem adaptados à escravidão, vários índios morriam. As atividades realizadas pelo aprisionamento geravam lucros apenas internos. O alto lucro gerado pelo tráfico negreiro era de alto interesse da metrópole. Traficantes, Colonos, Coroa Portuguesa e até a Igreja Católica, ganhavam com a vinda de escravos para o Brasil.A partir desse momento o povo, as florestas, os minerais e todo mais que tinha valorforam desaparecendo e sendo transportado para outros continentes.Para piorar com a vida dos que aqui viviam houve o tratado de Tordesilhas quepossibilitou à entrada de estrangeiros em outras frentes no país, e ai as possibilidades defuga do índio para não ser morto ou capturado pelo homem europeu se tornou aindamais difícil.Porque ele era bombardeado de diversas frentes, e os que saíram vivos desse processo,são hoje os que conseguiram constituir as suas famílias e daí formaram suas tribos
  4. 4. novamente e vivem refugiados, em terras demarcadas pelo INCRA nas margens dealgumas cidades ou em áreas também demarcadas pelo governo, mas mesmo assimprecisam ficar disputando os seus espaços com garimpeiros, posseiros e fazendeiros.Então, aquela luta iniciada por aquele povo que foram os antepassados dos que vivemaqui hoje continua a mesma, os seus problemas às vezes continuam os mesmos, é umabusca por espaço sem fim, e fica parecendo que o que eles pedem é que respeite os seusdireitos, seus espaços e não aborreçam.De acordo com a Constituição Federal artigo 23, inciso V, “é competência comum daUnião, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proporcionarem os meios deacesso à cultura, educação e à ciência”.Mais como oferecer esses benefícios se não sabemos quem são? Quantos são? O quefazem para sobreviverem? Estão interessados ou não?São perguntas importantes que demonstram que temos vários brasis dentro de um sóBrasil e também que o Brasil não conhece os brasileiros, temos um conceito pré-formado de território de povo de cultura, mais que cultura é a do brasileiro, qual é amelhor se existir uma melhor do que a outra.O melhor de tudo é que o Brasil se tornou um país multi-racial/cultural com uma ampladiversidade de linguagens, dialetos e falares regional. Mais é preciso aprender aconviver com as diferenças existentes entre os povos. Cada cidadão tem seus direitosgarantidos por lei, mas esses precisam ser respeitados na íntegra, não por que a leigarante que seja respeitado, mas por que cada indivíduo, foi aculturado comconhecimento de cidadania igualdade e irmandade, e com isso ninguém vê o seusemelhante com olhar de inferioridade ou de superioridade.Nesse sentido fica claro que precisamos de políticas publicas mais eficientes para incluiro índio na sociedade brasileira.Sabemos que existem muitos projetos sendo desenvolvidos nesse sentido, mas ficaparecendo que ainda está longe de termos uma efetivação nesse sentido de incluir osindígenas e acabar com as diferenças dentro do território nacional, mas enquanto nãoacabar com as desigualdades sociais, raciais e financeiras vai ser difícil, dar as mesmasoportunidades de escolhas aos indígenas, as quais tem os não indígenas.
  5. 5. Referênciashttp://pt.wikipedia.org/wiki/DiversidadeGRESSLER, Lori Alice. História do Mato Grosso do Sul, 4ª série/ Lori AliceGressler, Luiza Mello Vasconcelos, Zélia Peres de Souza – São Paulo: FTD, 2005.http://www.reporterbrasil.org.br/images/articles/20080513debret-cafe.jpgtrabalhodehistoria3anogrupo1.wordpress.com/.../

×