SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 104
Direito do Consumidor
Noções de Direito do
Consumidor
Base: GIANCOLI, ARAUJO JR. Direito do Consumidor.
São Paulo RT, 2012
Prof. Ivan Furmann
Direito do Consumidor
Próximo ao Direito Econômico
e ao Direito do Trabalho, o
Direito do Consumidor nasce
como resposta às alterações
sociais provocadas a partir da
Revolução Industrial, em
especial no quesito da
vulnerabilidade frente as
grandes corporações Considera-se o marco
inicial da proteção ao
consumidor o discurso do
presidente John Kennedy
ao Congresso Nacional em
15 de março de 1962 .
Nesta ocasião,
proclama: “consumer by
definition, include us all”
Direito do Consumidor
Origens
Na Constituição Federal de 1988 dentre tantas
referências destaca-se:
CF: art. 5o , XXXII - o Estado promoverá, na forma da
lei, a defesa do consumidor.
- cláusula pétrea
CDC: Lei 8.078/1990, cujas normas são de interesse
social e de ordem pública.
Direito do Consumidor
Origens
Lei 8.078 de 11 de Setembro 1990
Art. 1° O presente código estabelece normas de
proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e
interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII,
170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48 de
suas Disposições Transitórias.
Vulnerabilidade (art. 4o , I, CDC) - todo consumidor é
presumidamente vulnerável.
Direito do Consumidor
Há 26 anos surgia a Lei nº 8.078/90, que criou o
Código de Defesa do Consumidor (CDC). Uma medida
abrangente que trata das relações de consumo em todas
as esferas, garantindo direitos e exigindo uma nova
postura das empresas com o consumidor.
Em outras palavras, o CDC é um conjunto de normas
que regulam as relações de consumo, protegendo o
consumidor e colocando os órgãos e entidades de defesa
do consumidor a seu serviço.
Direito do Consumidor
O CDC dispõe em
seu título I (Dos
Direitos do
Consumidor) de uma
espécie de "parte
geral" contendo seus
princípios gerais e os
direitos básicos do
consumidor.
Além disso, contém
as definições legais
mais importantes da
relação de consumo,
ou seja, seus sujeitos
(consumidor e
fornecedor) e o
objeto (produtos e
serviços).
Direito do Consumidor
Foge aos parâmetros das normas
tipificadoras (descritivas) de condutas,
transferindo para o juiz a tarefa de
elaborar a norma do caso concreto
Trata-se de uma lei Principiológica
porque sua estrutura é baseada em
princípios e cláusulas gerais.
Direito do Consumidor
Violar um princípio
é muito mais
grave que violar
uma norma, pois
ofende o
sistema de comandos.
Foram
propositadamente
deixados
indeterminados,
imprecisos, de
sentido vago. É o
sistema das
cláusulas gerais.
Direito do Consumidor
Princípios específicos do
Direito do Consumidor
Vunerabilidade
Art.4º: A igualdade
entre as partes é
encontrada através
de um tratamento
desigual
Pode ser fática,
técnica ou jurídica.
Boa-fé
Valores éticos e
determinados
comportamentos
que agora são
impostos
Transparência
Ligado diretamente
à boa-fé que surge
da absoluta
abertura de
informações para
não gerar falsas
expectativas.
Direito do Consumidor
Da concepção individual,
restrita a direitos civis e
políticos, eles passam ao
conceito coletivo ou grupal
(criança e adolescente,
consumidores idosos,
torcedores), abarcando direitos
sociais e difusos.
As violações a esses
direitos não ocorrem
somente por atos do Estado
ou de Particulares
Direito do Consumidor
A Carta Magna brasileira
reconhece a proteção do
consumidor como direito
fundamental, no art. 5º, XXXII:
"O Estado promoverá na
forma da lei (...) a defesa do
consumidor.”
Igualmente a defesa do
consumidor no tratamento da
defesa da ordem econômica,
como princípio constitucional
no art. 170:
A ordem econômica, fundada na
valorização do trabalho humano
e na livre iniciativa, tem por fim
assegurar a todos a existência
digna, conforme os ditames da
justiça social, observados os
seguintes princípios: (...)
V- defesa do consumidor.
Direito do Consumidor
Por isso, a caracterização do consumidor só poder
sere feita tomando em conta um análise dinâmica da
relação jurídica
Ser consumidor, diferentemente, é um papel que se
exerce em relação a um fornecedor.
Os tradicionais protagonistas do direito civil detêm
um status, ou seja, sempre carregam sua condição de
forma estática.
Direito do Consumidor
Relação de consumo é a relação existente entre o
consumidor e o fornecedor na compra e venda de um produto
ou na prestação de um serviço.
O CDC tutela as relações de consumo e sua
abrangência está restrita às relações negociais, das quais
participam, necessariamente, o consumidor e o fornecedor,
transacionando produtos e serviços, excluindo destes últimos
os gratuitos e os trabalhistas.
Disto conclui-se que, para que seja amparada pelo
Código de Defesa do Consumidor, a relação tem que possuir
todos estes aspectos, isto é, uma relação de negócios que
visa a transação de produtos e/ou serviços, feita entre um
fornecedor e um consumidor.
RELAÇÃO DE CONSUMO
Direito do Consumidor
Relação de consumo - "um vínculo que o direito
reconhece entre pessoas ou grupos, atribuindo-lhes
poderes e deveres. Representa uma situação em que
duas ou mais pessoas se encontram, a respeito de
bens ou interesses jurídicos”
PRODUTO/
SERVIÇO
CONSUMIDOR
FORNECEDOR
RELAÇÃO
DE
CONSUMO
Direito do Consumidor
ABRANGÊNCIA DA LEI
Consumidor Fornecedor
O consumidor é:
Art.2º/CDC
a) Toda pessoa física
(pessoa humana).
b) A pessoa jurídica (as
empresas) que adquirem e
utiliza produto ou serviço
como destinatário final.
O fornecedor é:
Art. 3º/CDC
a) A pessoa física;
b) A pessoa jurídica, pública
ou privada, nacional ou
estrangeira;
c) O ente despersonalizado
(sociedade de fato, empresa
falida, camelô etc.).
Equipara-se a consumidor a
coletividade de pessoas,
ainda que indetermináveis,
que haja intervindo nas
relações de consumo.
Parágrafo único do art. 2º.
Direito do Consumidor
É qualquer pessoa que compra um produto ou
que contrata um serviço, para satisfazer suas
necessidades pessoais ou familiares.
Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou
jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço
como destinatário final.
Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a
coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis,
que haja intervindo nas relações de consumo.
CONSUMIDOR
Direito do Consumidor
Também é considerado consumidor as vítimas de
acidentes causados por produtos defeituosos, mesmo que
não os tenha adquirido (art. 17, CDC), bem ainda as pessoas
expostas às práticas abusivas previstas no Código do
Consumidor, como, por exemplo, publicidade enganosa ou
abusiva (art. 29, CDC).
Art. 17. Para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos
consumidores todas as vítimas do evento
Art. 29. Para os fins deste Capítulo e do seguinte,
equiparam-se aos consumidores todas as pessoas
determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas.
EQUIPARDADOS AO CONSUMIDOR
Direito do Consumidor
Quem são os
consumidores?
• Consumidor direto;
• Consumidor que compra ou que usa;
• Pessoa jurídica (empresa);
• Pessoa que não é consumidora (revenda);
• Vítima do acidente (envolvida
(in)diretamente no acidente);
• Pessoas expostas às práticas comerciais,
mesmo não adquirido produto ou contratado
algum serviço;
Direito do Consumidor
FORNECEDOR - art 3º
Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica,
pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem
como os entes despersonalizados, que
desenvolvem atividade de produção, montagem,
criação, construção, transformação, importação,
exportação, distribuição ou comercialização de
produtos ou prestação de serviços.
Direito do Consumidor
FORNECEDOR - art 3º
Pessoa
• física ou jurídica;
• pública ou privada;
• nacional ou estrangeira;
• entes despersonalizados;
Que desenvolve atividade de
produção montagem, criação,
construção, transformarão,
importação, exportação,
distribuição ou comercialização de
produtos ou prestação de serviços.
Direito do Consumidor
Atividades de fornecedores
1.Transformação;
2. Importação,
3. Montagem;
4. Exportação
5. Construção
6. Criação;
7. Distribuição;
8. Comercialização.
TIMEC_CDC
Art. 3º/CDC. Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica,
pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os
entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de (...).
Direito do Consumidor
PRODUTO (art. 3°, § 1°)
Bem móvel ou imóvel, material ou
imaterial
SERVIÇO (art. 3° § 2°)
Toda atividade fornecida no mercado,
mediante remuneração
Incluindo: natureza bancária, financeira,
crédito, securitária.
Excluindo: relações trabalhistas
Súmulas do STJ: 297 (instituição
financeira)
Direito do Consumidor
Art. 3º do CDC
§ 1° Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel,
material ou imaterial.
§ 2° Serviço é qualquer atividade fornecida no
mercado de consumo, mediante remuneração,
inclusive as de natureza bancária, financeira, de
crédito e securitária, salvo as decorrentes das
relações de caráter trabalhista.
Direito do Consumidor
O que é produto?
Consumidor Produto
Produto é qualquer bem colocado no mercado de consumo, móvel ou
imóvel, material ou imaterial.
- livros, jornais, revistas
- Instrumentos musicais - Produtos de higiene
doméstica
- eletroeletrônicos
- vestuário
- Medicamentos
Art. 3º. § 1º/CDC
Direito do Consumidor
É toda mercadoria colocada à venda no
comércio e indústria: automóvel, roupa, casa,
alimentos, etc; (E se for amostra grátis?)
Os produtos podem ser de dois tipos:
• Produto durável é aquele que não desaparece com
o seu uso. Por exemplo, um carro, uma geladeira,
uma casa...
• Produto não durável é aquele que acaba logo após
o uso: os alimentos, um sabonete, uma pasta de
dentes...
PRODUTO
Direito do Consumidor
O que é serviço ?
Serviços são todos aqueles prestados no mercado de
consumo. Obs. O CDC não se aplica a atividades gratuitas e
às relações trabalhistas
- Cartões de
crédito
- Bancários:
Súmula
297/STJ
- Dentista
- ensino
(escolas)
- Convênio
médico
- Empreitada
(construção)
Consumidor Produto
Art. 3º. § 2º/CDC
Direito do Consumidor
É tudo o que você paga para ser feito: corte de
cabelo, conserto de carro, de eletrodoméstico, serviço
bancário, serviço de seguros, serviços públicos...
Assim como os produtos, os serviços podem
ser duráveis e não duráveis.
• Serviço durável é aquele que custa a desaparecer
com o uso. A pintura ou construção de uma casa,
uma prótese dentária, são produtos duráveis.
• Serviço não durável é aquele que acaba depressa.
A lavagem de uma roupa na lavanderia é um
serviço não durável pois a roupa suja logo após o
uso. Outros exemplos são os serviços de
jardinagem e faxina, que precisam ser feitos
constantemente.
SERVIÇO
Direito do Consumidor
É todo aquele prestado pela administração
pública. São os serviços de saúde, educação,
transporte coletivo, água, luz, esgoto, limpeza pública,
asfalto...
O Governo estabelece as regras e controla
esses serviços que são prestados para satisfazer as
necessidades das pessoas.
Os serviços públicos são prestados pelo
próprio governo ou o governo contrata empresas
particulares que prestam serviços. São obrigados a
prestar serviços adequados, eficientes, seguros e,
quanto aos essenciais, contínuos.
SERVIÇOS PÚBLICOS
Direito do Consumidor
Direitos básicos ao consumidor:
Ser ouvido
e
consultado,
Segurança, Informação
Escolha
Direito do Consumidor
Art. 6º São direitos básicos do consumidor:
I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por
práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos
ou nocivos;
II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e
serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas
contratações;
III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e
serviços, com especificação correta de quantidade, características,
composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que
apresentem;
III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e
serviços, com especificação correta de quantidade, características,
composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os
riscos que apresentem; (nova redação)
IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos
comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas
abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços;
Direito do Consumidor
V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que
as tornem excessivamente onerosas;
VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais,
individuais, coletivos e difusos;
VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à
prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais,
coletivos ou difusos, assegurada a proteção Jurídica, administrativa e
técnica aos necessitados;
VIII - ?
X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do
ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for
verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as
regras ordinárias de experiências;
INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA
Sempre em favor do consumidor!
Direito do Consumidor
ÔNUS DA PROVA
• Ônus da prova pressupõe o
processo judicial.
• Inverter esse ônus é regra contida
no CPC e CDC.
A inversão não é
automática.
Avaliação imposta pelo Magistrado:
1. Informações verossímeis;
2. Hipossuficiência.
HIPOSSUFICIÊNCIA
VULNERABILIDADE
Art. 4º. I do
CDC
Art. 6º.VIII do
CDC
Direito do Consumidor
DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR,
SEGUNDO O CDC
Art. 6º, do Código de Defesa do Consumidor (CDC)
1. Proteção da vida e da saúde:
Antes de comprar um produto ou utilizar um serviço você deve
ser avisado, pelo fornecedor, dos possíveis riscos que podem oferecer à
sua saúde ou segurança.
2. Educação para o consumo:
Você tem o direito de receber orientação sobre o consumo
adequado e correto dos produtos e serviços.
3. Liberdade de escolha de produtos e serviços:
Você tem todo o direito de escolher o produto ou serviço que
achar melhor.
Direito do Consumidor
DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR,
SEGUNDO O CDC
4. Informação:
Todo produto deve trazer informações claras sobre sua
quantidade, peso, composição, preço, riscos que apresenta e sobre
o modo de utilizá-lo.
Antes de contratar um serviço você tem direito a todas as
informações de que necessitar.
5. Proteção contra publicidade enganosa e abusiva:
O consumidor tem o direito de exigir que tudo o que for
anunciado seja cumprido.
Se o que foi prometido no anúncio não for cumprido, o
consumidor tem direito de cancelar o contrato e receber a
devolução da quantia que havia pago.
A publicidade enganosa e a abusiva são proibidas pelo
Código de Defesa do Consumidor. São consideradas crime (art. 67,
CDC).
Direito do Consumidor
DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR,
SEGUNDO O CDC
6. Proteção contratual:
Quando duas ou mais pessoas assinam um acordo ou um
formulário com cláusulas pré-redigidas por uma delas, concluem um
contrato, assumindo obrigações.
O Código protege o consumidor quando as cláusulas do
contrato não forem cumpridas ou quando forem prejudiciais ao
consumidor. Neste caso, as cláusulas podem ser anuladas ou
modificadas por um juiz.
O contrato não obriga o consumidor caso este não tome
conhecimento do que nele está escrito.
7. Indenização:
Quando for prejudicado, o consumidor tem o direito de ser
indenizado por quem lhe vendeu o produto ou lhe prestou o serviço,
inclusive por danos morais.
Direito do Consumidor
DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR,
SEGUNDO O CDC
8. Acesso à Justiça :
O consumidor que tiver os seus direitos violados pode
recorrer à Justiça e pedir ao juiz que determine ao fornecedor que
eles sejam respeitados.
9. Facilitação da defesa dos seus direitos:
O Código de Defesa do Consumidor facilitou a defesa dos
direitos do consumidor, permitindo até mesmo que, em certos casos,
seja invertido o ônus de provar os fatos.
10. Qualidade dos serviços públicos:
Existem normas no Código de Defesa do Consumidor que
asseguram a prestação de serviços públicos de qualidade, assim
como o bom atendimento do consumidor pelos órgãos públicos ou
empresas concessionárias desses serviços.
Direito do Consumidor
Diferenças entre o Direito Civil e o
Direito do Consumidor
1) O
Código
Civil tutela
o
indivíduo
e
considera,
em regra,
plena
igualdade
entre eles
2) Possui
apenas
normas de
direito
material
3) Tem
como pilar
a
igualdade
entre as
partes
4) Tipifica
os
contratos
Direito do Consumidor
Já o Direito do
Consumidor…
1) Tutela os
indivíduos, a
coletividade e os
interesses difusos
2) Possui normas de
caráter civil,
criminal,
administrativa e
processual
tem como
prerrogativa a
vulnerabilidade do
consumidor
Não tipifica
contratos (4).
Direito do Consumidor
Obrigatoriedade da informação verdadeira
• O produto e serviço sem informação são
considerados inadequados ou mesmo
inexistentes. A informação é parte
integrante do produto e do serviço. É
inerente.
INFORMAÇÃO
VERDADEIRA
PRODUTO/SERVIÇO
Direito do Consumidor
PRODUTOS PERIGOSOS
Art. 8° Os produtos e serviços colocados no
mercado de consumo não acarretarão riscos à
saúde ou segurança dos consumidores, exceto
os considerados normais e previsíveis em
decorrência de sua natureza e fruição,
obrigando-se os fornecedores, em qualquer
hipótese, a dar as informações necessárias e
adequadas a seu respeito.
Parágrafo único. Em se tratando de
produto industrial, ao fabricante cabe prestar as
informações a que se refere este artigo, através
de impressos apropriados que devam
acompanhar o produto.
Direito do Consumidor
diclorodifeniltricloroetano
Direito do Consumidor
DEFEITO
Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor,
nacional ou estrangeiro, e o importador
respondem, independentemente da existência de
culpa, pela reparação dos danos causados aos
consumidores por defeitos decorrentes de projeto,
fabricação, construção, montagem, fórmulas,
manipulação, apresentação ou acondicionamento
de seus produtos, bem como por informações
insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização
e riscos.
Direito do Consumidor
Independentemente da existência de culpa 
responsabilidade objetiva (risco)
Danos causados aos consumidores  patrimonial
e extrapatrimonial
Defeitos  causem danos ao consumidor.
Direito do Consumidor
§ 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança
que dele legitimamente se espera, levando-se em
consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:
I - sua apresentação;
II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi colocado em circulação.
§ 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de
outro de melhor qualidade ter sido colocado no mercado.
§ 3° O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só
não será responsabilizado quando provar:
I - que não colocou o produto no mercado;
II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o
defeito inexiste;
III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.
Direito do Consumidor
Para pensar - HOTEL FORNECENDO PRODUTOS...
Art. 13. O comerciante é igualmente responsável, nos
termos do artigo anterior, quando:
I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador
não puderem ser identificados;
II - o produto for fornecido sem identificação clara do
seu fabricante, produtor, construtor ou importador;
III - não conservar adequadamente os produtos
perecíveis.
Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao
prejudicado poderá exercer o direito de regresso contra
os demais responsáveis, segundo sua participação na
causação do evento danoso.
Direito do Consumidor
DEFEITO em SERVIÇOS
Art. 14. O fornecedor de serviços responde,
independentemente da existência de culpa, pela
reparação dos danos causados aos consumidores
por defeitos relativos à prestação dos serviços,
bem como por informações insuficientes ou
inadequadas sobre sua fruição e riscos.
§ 1° O serviço é defeituoso quando não
fornece a segurança que o consumidor dele pode
esperar, levando-se em consideração as
circunstâncias relevantes, entre as quais:
Direito do Consumidor
I - o modo de seu fornecimento;
II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele
se esperam;
III - a época em que foi fornecido.
§ 2º O serviço não é considerado defeituoso pela
adoção de novas técnicas.
§ 3° O fornecedor de serviços só não será
responsabilizado quando provar:
I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;
II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.
§ 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais
liberais será apurada mediante a verificação de
culpa.
Direito do Consumidor
§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta
dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua
escolha:
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie,
em perfeitas condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente
atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
§ 2° Poderão as partes convencionar a redução ou
ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não
podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta
dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá
ser convencionada em separado, por meio de manifestação
expressa do consumidor.
Direito do Consumidor
§ 3° O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas
do § 1° deste artigo sempre que, em razão da extensão do
vício, a substituição das partes viciadas puder
comprometer a qualidade ou características do produto,
diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.
§ 4° Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do
§ 1° deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem,
poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou
modelo diversos, mediante complementação ou restituição de
eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos
incisos II e III do § 1° deste artigo.
§ 5° No caso de fornecimento de produtos in natura, será
responsável perante o consumidor o fornecedor imediato,
exceto quando identificado claramente seu produtor.
Direito do Consumidor
§ 6° São impróprios ao uso e consumo:
I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados,
falsificados, corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à
saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as
normas regulamentares de fabricação, distribuição ou
apresentação;
III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem
inadequados ao fim a que se destinam.
Direito do Consumidor
Direito do Consumidor
DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA
JURÍDICA
Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a
personalidade jurídica da sociedade quando, em
detrimento do consumidor, houver abuso de direito,
excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito
ou violação dos estatutos ou contrato social. A
desconsideração também será efetivada quando
houver falência, estado de insolvência,
encerramento ou inatividade da pessoa jurídica
provocados por má administração.
Direito do Consumidor
OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS
• Toda informação oferecida por intermédio de
publicidade ou veiculada por qualquer forma
ou meio de comunicação (outdoor, carta,
mala direta, aviso etc.), integra
automaticamente o contrato que porventura
seja firmado entre fornecedor/prestador de
produtos ou serviços.
O CONTRATO PODE
SER ESCRITO OU
VERBAL
1. Anúncio
enganoso;
2. Dados
completos;
3. Língua
portuguesa;
4. Identificação.
Direito do Consumidor
Publicidade
Art. 30. Toda informação ou publicidade,
suficientemente precisa, veiculada por qualquer
forma ou meio de comunicação com relação a
produtos e serviços oferecidos ou apresentados,
obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se
utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.
Direito do Consumidor
Art. 31. A oferta e apresentação de produtos ou
serviços devem assegurar informações corretas,
claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa
sobre suas características, qualidades, quantidade,
composição, preço, garantia, prazos de validade e
origem, entre outros dados, bem como sobre os
riscos que apresentam à saúde e segurança dos
consumidores.
Parágrafo único. As informações de que trata este
artigo, nos produtos refrigerados oferecidos ao
consumidor, serão gravadas de forma
indelével. (Incluído pela Lei nº 11.989, de 2009)
Direito do Consumidor
PROPAGANDA ENGANOSA
Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou
abusiva.
§ 1° É enganosa qualquer modalidade de
informação ou comunicação de caráter publicitário,
inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro
modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em
erro o consumidor a respeito da natureza,
características, qualidade, quantidade,
propriedades, origem, preço e quaisquer outros
dados sobre produtos e serviços.
Direito do Consumidor
IMAGENS – P. Enganosa
Direito do Consumidor
PROPAGANDA ABUSIVA
§ 2° É abusiva, dentre outras a publicidade
discriminatória de qualquer natureza, a que incite à
violência, explore o medo ou a superstição, se
aproveite da deficiência de julgamento e
experiência da criança, desrespeita valores
ambientais, ou que seja capaz de induzir o
consumidor a se comportar de forma prejudicial ou
perigosa à sua saúde ou segurança.
Direito do Consumidor
IMAGENS – P. Abusiva
Direito do Consumidor
Das Práticas Abusivas
Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou
serviços, dentre outras práticas abusivas: (Redação
dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
I - condicionar o fornecimento de produto ou de
serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço,
bem como, sem justa causa, a limites quantitativos;
II - recusar atendimento às demandas dos
consumidores, na exata medida de suas
disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade
com os usos e costumes;
III - enviar ou entregar ao consumidor, sem
solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer
qualquer serviço;
Direito do Consumidor
IV - prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor,
tendo em vista sua idade, saúde, conhecimento ou condição
social, para impingir-lhe seus produtos ou serviços;
V - exigir do consumidor vantagem manifestamente
excessiva;
VI - executar serviços sem a prévia elaboração de
orçamento e autorização expressa do consumidor,
ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores entre as
partes;
VII - repassar informação depreciativa, referente a ato
praticado pelo consumidor no exercício de seus direitos;
Direito do Consumidor
VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer
produto ou serviço em desacordo com as normas
expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se
normas específicas não existirem, pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade
credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia,
Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);
IX - recusar a venda de bens ou a prestação de
serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los
mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de
intermediação regulados em leis especiais; (Redação
dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
Direito do Consumidor
X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou
serviços. (Incluído pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
XI - Dispositivo incluído pela MPV nº 1.890-67, de
22.10.1999, transformado em inciso XIII, quando da conversão
na Lei nº 9.870, de 23.11.1999
XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua
obrigação ou deixar a fixação de seu termo inicial a seu
exclusivo critério.(Incluído pela Lei nº 9.008, de 21.3.1995)
XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou
contratualmente estabelecido. (Incluído pela Lei nº 9.870, de
23.11.1999)
Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos
remetidos ou entregues ao consumidor, na hipótese prevista no
inciso III, equiparam-se às amostras grátis, inexistindo
obrigação de pagamento.
Direito do Consumidor
Placas de supermercado
(não nos responsabilizamos...)
Direito do Consumidor
Placas de supermercado
(não nos responsabilizamos...)
Apesar dessa placa informativa estar presente em quase todos os
estacionamentos que deixamos nossos veículos, fique sabendo que eles
são sim responsáveis por todos os objetos deixados no interior de seu
carro, e caso aconteça algum furto você pode pedir ressarcimento para o
estabelecimento onde o automóvel estava estacionado. Essa placa
“informativa” é considerada uma cláusula abusiva, e portanto, nula, de
acordo com o artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor, o CDC:
Impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor
por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem
renúncia ou disposição de direitos.
A mesma responsabilidade estabelecida pelo CDC é atribuída aos
estacionamentos gratuitos, oferecidos como cortesia por estabelecimentos
comerciais (supermercados, lojas, etc). Da mesma forma, os serviços de
manobristas, oferecidos em eventos, shows, bares e casas noturnas,
conhecidos como valet service, também são responsáveis por qualquer
dano. – CUIDADO COM OS EXAGEROS (JURISPRUDENCIA LIMITA)
Direito do Consumidor
O que fazer ?
Depois de perceber que aconteceu o furto de um objeto dentro de seu
veículo, você deve fazer um BO e, em seguida, mandar uma carta para o
local onde o carro estava estacionado, pedindo a reparação dos danos. A
reclamação deve ser feita por escrito, discriminando o valor dos
prejuízos sofridos.
É importante guardar o ticket ou qualquer outro papel que confirme que o
carro foi estacionado no local. É bom também ter o controle dos horários
de entrada e saída do estacionamento, para provar que seu automóvel
ficou sob a responsabilidade da empresa durante determinado período,
da ocorrência do dano.
Caso a resposta da empresa seja negativa, você pode entrar na justiça com
uma ação para pedir o ressarcimento dos objetos furtados.
Placas de supermercado
(não nos responsabilizamos...)
Direito do Consumidor
Cobrança de Dívidas
Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor
inadimplente não será exposto a ridículo, nem será
submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.
Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia
indevida tem direito à repetição do indébito, por valor
igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de
correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano
justificável.
Art. 42-A. Em todos os documentos de cobrança de
débitos apresentados ao consumidor, deverão constar o
nome, o endereço e o número de inscrição no Cadastro de
Pessoas Físicas – CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoa
Jurídica – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço
correspondente.
Direito do Consumidor
Contratos e Consumidores
Art. 46. Os contratos que regulam as relações de
consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes
for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio
de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos
forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de
seu sentido e alcance.
Art. 47. As cláusulas contratuais serão
interpretadas de maneira mais favorável ao
consumidor.
Direito do Consumidor
PRAZOS
Art. 26
Não duráveis – 30 dias
Duráveis – 90 dias
Art. 49 – 7 dias para arrependimento
(arrependimento vale para produtos on-line,
representantes, ou similares – não tem o produto
em mãos para avaliar)
PLS 281/12
Direito do Consumidor
PRAZOS DE TROCA / RECLAMAÇÃO
BENS DURÁVEIS: 90 DIAS
BENS NÃO-DURÁVEIS: 30 DIAS
EXCEÇÃO: VÍCIO DE PRODUTO
PRAZO P/ RESOLUÇÃO: 30 DIAS
NO CASO DE VÍCIO, JURISPRUDÊNCIAS
ENTENDEM QUE O PRAZO DE
RECLAMAÇÃO SE DA A PARTIR DO FIM DA
GARANTIA.
(imediata se a substituição das partes com defeito
puder comprometer as características do produto,
diminuir-lhe o valor, ou quando se tratar de um
“produto essencial” (como a geladeira, por exemplo))
Direito do Consumidor
PRODUTOS COMPRADOS IN LOCO
Direito do Consumidor
PRODUTOS ADQUIRIDOS PELA
INTERNET OU CATÁLOGOS
Direito do Consumidor
VENDAS A VISTA
Direito do Consumidor
CARTÃO DE CRÉDITO
Direito do Consumidor
DÚVIDAS FREQUENTES
O QUE FAZER AO RECEBER UM CARTÃO
NÃO SOLICITADO?
SE APÓS 30 DIAS NÃO FOR CONSERTADO
O PRODUTO?
SE NA PORTA DA LOJA TOCAR O
ALARME E EU ESTIVER COM A NOTA
FISCAL DA COMPRA (não retirada do
dispositivo acionador do sensor)
Direito do Consumidor
Cláusulas abusivas
Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as
cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de
produtos e serviços que:
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a
responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer
natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia
ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre
o fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a
indenização poderá ser limitada, em situações
justificáveis;
II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso
da quantia já paga, nos casos previstos neste código;
Direito do Consumidor
III - transfiram responsabilidades a terceiros;
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas,
abusivas, que coloquem o consumidor em
desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com
a boa-fé ou a eqüidade;
V - (Vetado);
VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em
prejuízo do consumidor;
VII - determinem a utilização compulsória de
arbitragem;
VIII - imponham representante para concluir ou
realizar outro negócio jurídico pelo consumidor;
IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou
não o contrato, embora obrigando o consumidor;
Direito do Consumidor
X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente,
variação do preço de maneira unilateral;
XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato
unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao
consumidor;
XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos
de cobrança de sua obrigação, sem que igual direito lhe
seja conferido contra o fornecedor;
XIII - autorizem o fornecedor a modificar
unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato,
após sua celebração;
XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de
normas ambientais;
XV - estejam em desacordo com o sistema de
proteção ao consumidor;
Direito do Consumidor
XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização
por benfeitorias necessárias.
§ 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a
vantagem que:
I - ofende os princípios fundamentais do sistema
jurídico a que pertence;
II - restringe direitos ou obrigações fundamentais
inerentes à natureza do contrato, de tal modo a
ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual;
III - se mostra excessivamente onerosa para o
consumidor, considerando-se a natureza e conteúdo do
contrato, o interesse das partes e outras circunstâncias
peculiares ao caso.
Direito do Consumidor
§ 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva
não invalida o contrato, exceto quando de sua
ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer
ônus excessivo a qualquer das partes.
§ 3° (Vetado).
§ 4° É facultado a qualquer consumidor ou
entidade que o represente requerer ao Ministério
Público que ajuíze a competente ação para ser
declarada a nulidade de cláusula contratual que
contrarie o disposto neste código ou de qualquer forma
não assegure o justo equilíbrio entre direitos e
obrigações das partes.
Direito do Consumidor
Alguns Casos
1) Aplicação do CDC no contrato de administração imobiliária
É possível aplicar o CDC à relação entre proprietário de imóvel e a imobiliária
contratada por ele para administrar o bem. Em outras palavras, a pessoa que
contrata uma empresa administradora de imóveis pode ser considerada
consumidora.
STJ. 3ª Turma. Resp. 509.304-PR, Rel. Min. Villas Bôas Cueva, julgado em
16/5/2013 (Info 523).
2) Violação do dever de informação e reação alérgica causada pelo produto
No caso em que consumidor tenha apresentado reação alérgica ocasionada pela
utilização de sabão em pó, não apenas para a lavagem de roupas, mas também para
a limpeza doméstica, o fornecedor do produto responderá pelos danos causados ao
consumidor na hipótese em que conste, na embalagem do produto, apenas pequena
e discreta anotação de que deve ser evitado o "contato prolongado com a pele" e
que, "depois de utilizar" o produto, o usuário deve lavar e secar as mãos.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.358.615-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, j. em 2/5/2013 (Info 524).
Direito do Consumidor
1 – Reputação da Empresa (ação preventiva)
2 – Antivirus e Firewall (cuidado com a responsabilidade exclusiva
do consumidor)
3 – Compra deve ser feita com segurança do site (criptografia)
(cadeado no navegador)
4 – Tenha referência real da loja virtual.
5 – Use cartão de crédito
6 – Verifique questões relacionadas a devolução. Atente-se aos
prazos de devolução
Direito do Consumidor
Direito do Consumidor
Direito do Consumidor
COUVERT ARTÍSTICO
Direito do Consumidor
COUVERT ARTÍSTICO
( art. 6 ,III, e art. 31 do CDC )
Os estabelecimentos só poderão
cobrar couvert artístico por terem
música ou qualquer outra atração
artística, se mantiverem contrato
regular de prestação de serviço com
o músico e/ou artistas, e preverem
para cada quatro horas de
funcionamento, apresentação
artístico-musical contínuo ou
intercalada por sessenta minutos no
mínimo. Deverão constar no cardápio
o valor cobrado e os dias e horários
da apresentação.
Direito do Consumidor
TAXA DE SERVIÇO (10%)
Direito do Consumidor
TAXA DE SERVIÇO (10%)
Vale lembrar que o pagamento da taxa de serviço não é
obrigatório e deve partir da vontade do próprio consumidor.
os artigos 39 e 51 do código de defesa do Consumidor,
deixam claro que os proprietários dos estabelecimentos não
podem transferir aos clientes a responsabilidade pelo
pagamento dos funcionários que fazem o atendimento. Por
isso, recomendamos que consumidor só pague se quiser e
se achar que foi bem atendido.
“Se o cliente se recusar a pagar, ninguém vai obrigá-lo. Mas
caso se sinta constrangido ele pode até pagar, exigindo nota
fiscal descriminada dos valores, e depois procurar o Procon”
Direito do Consumidor
CARTEIRA DE ESTUDANTE
Lei 12933 de 2013
Regras que garantem a meia
entrada para o Estudante é de
nível nacional
Necessidade de identificação
Verificar com cuidado os
detalhes.
Direito do Consumidor
ALIMENTOS NO CINEMA
Direito do Consumidor
ALIMENTOS NO CINEMA
O Cinema não pode proibir os
consumidores de levar pipoca e outros
alimentos de casa para assistir os filmes
nos cinemas de qualquer rede. Para o
Superior Tribunal de Justiça, proibir a
entrada no cinema com alimentos
comprados fora do Cinemar é venda
casada e, portanto, PRÁTICA ABUSIVA.
A decisão foi reafirmada na quinta-feira
(1/3) pela 1ª Turma do STJ e vale, por
enquanto, para o estado do Rio de
Janeiro. Mas consumidores de outros
estados também podem se sentir
convidados para recorrer à Justiça se
forem impedidos de entrar nas salas com
alimentos comprados fora do cinema.
Direito do Consumidor
BEBIDAS ALCOÓLICAS (13º
GL) & CIGARROS
Direito do Consumidor
CIGARROS
DECRETO Nº 8.262, DE 31
DE MAIO DE 2014
LEI Nº 10.167, DE 27 DE
DEZEMBRO DE 2000
Altera dispositivos da Lei nº
9.294, de 15 de julho de
1996, que dispõe sobre as
restrições ao uso e à
propaganda de produtos
fumígenos, bebidas
alcoólicas, medicamentos,
terapias e defensivos
agrícolas.
"Art. 3º - A Quanto aos produtos referidos no art. 2º desta
Lei, são proibidos:
I - a venda por via postal;
II - a distribuição de qualquer tipo de amostra ou brinde;
III - a propaganda por meio eletrônico, inclusive internet;
IV - a realização de visita promocional ou distribuição gratuita
em estabelecimento de ensino ou local público;
V - o patrocínio de atividade cultural ou esportiva;
VI - a propaganda fixa ou móvel em estádio, pista, palco ou local
similar;
VII - a propaganda indireta contratada, também denominada
merchandising , nos programas produzidos no País após a
publicação desta Lei, em qualquer horário;
VIII - a comercialização em estabelecimento de ensino e de
saúde.
Parágrafo único. no caso de eventos esportivos
internacionais e culturais, desde que o patrocinador seja
identificado apenas com a marca do produto ou fabricantes,
sem recomendação de consumo."
Direito do Consumidor
OUTRAS INFORMAÇÕES -
BEBIDAS• HORÁRIO: 21:00 as 06:00
• GRADUAÇÃO ALCOÓLICA: 13º GL
• FIGURANTES/G.PROPAGANDA: 25
anos
• EXCEÇÃO: LOCUÇÃO RÁPIDA OU
SLOGANS.
• Decisão recente 2015 liberou para
bebidas leves seguindo as demais
orientações de restrições de
propagandas
Direito do Consumidor
OUTRAS INFORMAÇÕES -
BEBIDAS
• "EVITE O CONSUMO EXCESSIVO DE ÁLCOOL"
• "BEBA COM MODERAÇÃO"
• "APRECIE COM MODERAÇÃO“
• "SE BEBER NÃO DIRIJA”
• “ESTE PRODUTO É DESTINADO A ADULTOS”
• “BEBA SEM EXAGEROS”
• “BEBA COM RESPONSABILIDADE”
Direito do Consumidor
FURTO DE OBJETOS PESSOAIS
NO SHOPPING
• Só se pode responsabilizar a
empresa se provada culpa
sua, exclusiva ou
concorrente. Entender de
outro modo, seria atentar
contra o princípio da
razoabilidade. Diferente é a
situação de veículos e seus
equipamentos deixados nos
estacionamentos. Aí, a
guarda se transfere,
inteiramente, à
responsabilidade do
Direito do Consumidor
PUBLICIDADE PROIBIDAÉ vedada a promoção comercial de
fórmulas infantis para lactentes,
fórmulas infantis de seguimento para
lactente, fórmula de nutrientes
apresentada e ou indicada para recém-
nascido de alto risco, mamadeiras,
bicos, chupetas (Artigo 4º, da Lei
11.265/2006) ou protetores de mamilo
(RDC nº 221/01, 6.2), em quaisquer meio
de comunicação incluindo merchandising,
divulgação por meios eletrônicos, escritos,
auditivos e visuais, estratégias
promocionais para induzir vendas ao
consumidor no varejo, tais como
exposições especiais, cupons de desconto
ou preço abaixo do custo, prêmios,
brindes, vendas vinculadas a outros
produtos e apresentações especiais?
(Anexo da Resolução no 222,item 4.1, 221,
item6.3, anexo da Port. 2051, art. 4º)
Direito do Consumidor
PUBLICIDADE PROIBIDA
Os rótulos desses produtos exibirão no
painel principal, de forma legível e de
fácil visualização, conforme disposto em
regulamento, o seguinte destaque: "O
Ministério da Saúde adverte: Este
produto só deve ser usado na
alimentação de crianças menores de 1
(um) ano de idade, com indicação
expressa de médico ou nutricionista.
O aleitamento materno evita infecções
e alergias e fortalece o vínculo mãe-
filho".
Direito do Consumidor
PUBLICIDADE MONITORADA
A promoção comercial de fórmulas
infantis de seguimento para
crianças de primeira infância e
leites fluídos, leites em pó, leites em
pó modificados e os similares de de
origem vegetal, apresenta com
destaque a seguinte informação visual
ou auditiva, de acordo com o meio de
comunicação: “O Ministério da Saúde
informa : O aleitamento materno
evita infecções e alergias e é
recomendado até os dois anos de
idade ou mais.”? (Lei 11.2365/2006,
art. 5º, I)
Direito do Consumidor
PUBLICIDADE MONITORADA
A promoção comercial de alimentos de
transição e alimentos à base de cereais
indicados para lactentes e ou crianças de
primeira infância, bem como outros
alimentos ou bebidas à base de leite ou
não quando comercializados ou de outra
forma apresentados como apropriados
para a alimentação de lactentes e crianças
de primeira infância apresenta com
destaque a seguinte informação visual ou
auditiva, de acordo com o meio de
comunicação: “O Ministério da Saúde
informa: Após os seis meses de idade
continue amamentando seu filho e ofereça
novos alimentos.” (Lei 11.265/2006, art. 5º,
I)
Direito do Consumidor
TIPOS DE DANOS
Direito do Consumidor
CONSUMAÇÃO MÍNIMA
Segundo o Código de Defesa do
Consumidor (CDC), é proibido ao
fornecedor impor limites de consumo
aos clientes. A cobrança de consumação
mínima é, assim, uma prática abusiva,
pois consiste em venda casada. Os
estabelecimentos podem, entretanto,
cobrar pela entrada e pelo que foi
consumido.
Direito do Consumidor
FIM DA PROPAGANDA AO
LIGAR PARA EMPRESA
As empresas estão impedidas
de veicular publicidade ao
consumidor quando é ele que
faz uma ligação paga para
contatar o fornecedor e fica
aguardando no telefone para o
atendimento. É o
que determina a lei 11.800, de
29 de outubro de 2008,
publicada na edição do dia 30,
no Diário Oficial da União.
Direito do Consumidor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direito
Susssu
 
Direito do consumidor principais pontos
Direito do consumidor   principais pontosDireito do consumidor   principais pontos
Direito do consumidor principais pontos
rodrigocp1986
 
Direito do Consumidor
Direito do ConsumidorDireito do Consumidor
Direito do Consumidor
gemvane
 
Cdc comentado
Cdc comentadoCdc comentado
Cdc comentado
X-Racer
 
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheskiApostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Agnaldo Santos
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
Carla Teixeira
 
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07 Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
Development Workshop Angola
 

Mais procurados (20)

Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direito
 
Código de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do ConsumidorCódigo de Defesa do Consumidor
Código de Defesa do Consumidor
 
Direito do consumidor principais pontos
Direito do consumidor   principais pontosDireito do consumidor   principais pontos
Direito do consumidor principais pontos
 
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavaresAlguns direitos basicos do consumidor  Prof thiago tavares
Alguns direitos basicos do consumidor Prof thiago tavares
 
Direito do Consumidor
Direito do ConsumidorDireito do Consumidor
Direito do Consumidor
 
Cdc comentado
Cdc comentadoCdc comentado
Cdc comentado
 
Aula 01 Direito do Consumidor
Aula 01   Direito do ConsumidorAula 01   Direito do Consumidor
Aula 01 Direito do Consumidor
 
Direito do consumidor (Introdução)
Direito do consumidor (Introdução)Direito do consumidor (Introdução)
Direito do consumidor (Introdução)
 
Direito do Consumidor - Relação de Consumo (consumidor, produto, serviço)
Direito do Consumidor - Relação de Consumo (consumidor, produto, serviço)Direito do Consumidor - Relação de Consumo (consumidor, produto, serviço)
Direito do Consumidor - Relação de Consumo (consumidor, produto, serviço)
 
2. consumidor magistratura.2014 (1)
2. consumidor   magistratura.2014 (1)2. consumidor   magistratura.2014 (1)
2. consumidor magistratura.2014 (1)
 
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
Ccj0023 wl-oo-apostila direito do consumidor - fabrício bolzan - 2010
 
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
Ccj0023 wl-oo-direito do consumidor - oab 1 fase - cristiano sobral - 2011 (1...
 
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheskiApostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
Apostila direito-do-consumidor-professora-fernanda-theophilo-carmona-kincheski
 
Código de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidorCódigo de defesa do consumidor
Código de defesa do consumidor
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Lei 8078 90 Direito Do Consumidor
Lei 8078 90 Direito Do ConsumidorLei 8078 90 Direito Do Consumidor
Lei 8078 90 Direito Do Consumidor
 
Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)Workshop do consumidor (1)
Workshop do consumidor (1)
 
Direito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - ApostilaDireito do Consumidor - Apostila
Direito do Consumidor - Apostila
 
Palestra 25 anos do cdc no stj vulnerabilidade do consumidor (1) (1)
Palestra 25 anos do cdc no stj   vulnerabilidade do consumidor (1) (1)Palestra 25 anos do cdc no stj   vulnerabilidade do consumidor (1) (1)
Palestra 25 anos do cdc no stj vulnerabilidade do consumidor (1) (1)
 
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07 Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
Anta Weba e Ana Beatriz Miguel - Nacional de Defesa do Consumidor, 2014/02/07
 

Destaque

A propaganda no mundo moderno
A propaganda no mundo modernoA propaganda no mundo moderno
A propaganda no mundo moderno
Ilania Gonçalves
 
Propagandas proibidas
Propagandas proibidasPropagandas proibidas
Propagandas proibidas
AleSclearuc
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
ciganito5
 

Destaque (20)

As Redes Sociais E A Internet Como Ferramentas EstratéGicas De Marketing
As Redes Sociais E A Internet Como Ferramentas EstratéGicas De MarketingAs Redes Sociais E A Internet Como Ferramentas EstratéGicas De Marketing
As Redes Sociais E A Internet Como Ferramentas EstratéGicas De Marketing
 
A propaganda no mundo moderno
A propaganda no mundo modernoA propaganda no mundo moderno
A propaganda no mundo moderno
 
CDC 2011
CDC 2011CDC 2011
CDC 2011
 
Conar
Conar Conar
Conar
 
As normas eticas e a acao do conar na publicidade de produtos e servicos dest...
As normas eticas e a acao do conar na publicidade de produtos e servicos dest...As normas eticas e a acao do conar na publicidade de produtos e servicos dest...
As normas eticas e a acao do conar na publicidade de produtos e servicos dest...
 
Propagandas inteligentes
Propagandas inteligentesPropagandas inteligentes
Propagandas inteligentes
 
Propagandas proibidas
Propagandas proibidasPropagandas proibidas
Propagandas proibidas
 
Conar
ConarConar
Conar
 
Propagandas Interessantes
Propagandas InteressantesPropagandas Interessantes
Propagandas Interessantes
 
Responsabilidade Social e Marketing
Responsabilidade Social e MarketingResponsabilidade Social e Marketing
Responsabilidade Social e Marketing
 
Slides aula de ética
Slides aula de éticaSlides aula de ética
Slides aula de ética
 
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...
 
Ética no marketing
Ética no marketingÉtica no marketing
Ética no marketing
 
Propaganda e Ética
Propaganda e ÉticaPropaganda e Ética
Propaganda e Ética
 
Ética e Publicitária
Ética e PublicitáriaÉtica e Publicitária
Ética e Publicitária
 
Responsabilidade Social agrega valor para as organizações?
Responsabilidade Social agrega valor para as organizações?Responsabilidade Social agrega valor para as organizações?
Responsabilidade Social agrega valor para as organizações?
 
Legislação comercial
Legislação comercialLegislação comercial
Legislação comercial
 
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
Marketing Social, Responsabilidade Social, Sustentabilidade Empresarial
 
Aula cdc 2012
Aula cdc 2012Aula cdc 2012
Aula cdc 2012
 
Responsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no MarketingResponsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no Marketing
 

Semelhante a Legislação turismo 04

Direito do consumidor
Direito do consumidor Direito do consumidor
Direito do consumidor
revpr
 
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
Rommel Stckiker
 

Semelhante a Legislação turismo 04 (20)

Aula - Código de Defesa do Consumidor.pptx
Aula  - Código de Defesa do Consumidor.pptxAula  - Código de Defesa do Consumidor.pptx
Aula - Código de Defesa do Consumidor.pptx
 
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptxAULA 6 CONSUMIDOR.pptx
AULA 6 CONSUMIDOR.pptx
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdfdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pdf
 
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptxdireitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
direitosdoconsumidor-130712144441-phpapp02.pptx
 
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações ImobiliáriasAula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
Aula CDC para o curso de Técnico de Transações Imobiliárias
 
Lei nº 8.078
Lei nº 8.078Lei nº 8.078
Lei nº 8.078
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
 
Codigo defesa consumidor
Codigo defesa consumidorCodigo defesa consumidor
Codigo defesa consumidor
 
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdfDIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
DIREITO DO CONSUMIDOR.pdf
 
1261141502 cartilhaconsumidor procon
1261141502 cartilhaconsumidor procon 1261141502 cartilhaconsumidor procon
1261141502 cartilhaconsumidor procon
 
Sistema de defesa do consumidor
Sistema de defesa do consumidorSistema de defesa do consumidor
Sistema de defesa do consumidor
 
Lei nº 8.078
Lei nº 8.078Lei nº 8.078
Lei nº 8.078
 
Código de-defesa-do-consumidor
Código de-defesa-do-consumidorCódigo de-defesa-do-consumidor
Código de-defesa-do-consumidor
 
Direito do consumidor
Direito do consumidor Direito do consumidor
Direito do consumidor
 
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
Apostilascompletasconsumidorcomexerccios 2013-130217091437-phpapp02
 
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - LegislaçãoEscriturário Banco do Brasil - Legislação
Escriturário Banco do Brasil - Legislação
 
Treinamento para Comércios CDC
Treinamento para Comércios CDCTreinamento para Comércios CDC
Treinamento para Comércios CDC
 
Codigo de Defesa do Consumidor
Codigo de Defesa do ConsumidorCodigo de Defesa do Consumidor
Codigo de Defesa do Consumidor
 
Codigo defesa consumidor_brasil
Codigo defesa consumidor_brasilCodigo defesa consumidor_brasil
Codigo defesa consumidor_brasil
 
Código de defesa do consumidor.pdf
Código de defesa do consumidor.pdfCódigo de defesa do consumidor.pdf
Código de defesa do consumidor.pdf
 

Mais de Ivan Furmann (14)

Legislação turismo 02
Legislação turismo 02Legislação turismo 02
Legislação turismo 02
 
Legislação turismo 03
Legislação turismo 03Legislação turismo 03
Legislação turismo 03
 
Legislação do turismo 08
Legislação do turismo 08Legislação do turismo 08
Legislação do turismo 08
 
Legislação turismo 01
Legislação turismo 01Legislação turismo 01
Legislação turismo 01
 
Legislação turismo 05
Legislação turismo 05Legislação turismo 05
Legislação turismo 05
 
Legislação do turismo 07
Legislação do turismo 07Legislação do turismo 07
Legislação do turismo 07
 
Legislação turismo 06
Legislação turismo 06Legislação turismo 06
Legislação turismo 06
 
Quiz turismo
Quiz turismoQuiz turismo
Quiz turismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Movimento de Codificação
Movimento de Codificação Movimento de Codificação
Movimento de Codificação
 
Cultura européia medieval
Cultura européia medievalCultura européia medieval
Cultura européia medieval
 
Direito grécia
Direito gréciaDireito grécia
Direito grécia
 
Direito e antiguidade
Direito e antiguidadeDireito e antiguidade
Direito e antiguidade
 
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamentoFoucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

Legislação turismo 04

  • 1. Direito do Consumidor Noções de Direito do Consumidor Base: GIANCOLI, ARAUJO JR. Direito do Consumidor. São Paulo RT, 2012 Prof. Ivan Furmann
  • 2. Direito do Consumidor Próximo ao Direito Econômico e ao Direito do Trabalho, o Direito do Consumidor nasce como resposta às alterações sociais provocadas a partir da Revolução Industrial, em especial no quesito da vulnerabilidade frente as grandes corporações Considera-se o marco inicial da proteção ao consumidor o discurso do presidente John Kennedy ao Congresso Nacional em 15 de março de 1962 . Nesta ocasião, proclama: “consumer by definition, include us all”
  • 3. Direito do Consumidor Origens Na Constituição Federal de 1988 dentre tantas referências destaca-se: CF: art. 5o , XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor. - cláusula pétrea CDC: Lei 8.078/1990, cujas normas são de interesse social e de ordem pública.
  • 4. Direito do Consumidor Origens Lei 8.078 de 11 de Setembro 1990 Art. 1° O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48 de suas Disposições Transitórias. Vulnerabilidade (art. 4o , I, CDC) - todo consumidor é presumidamente vulnerável.
  • 5. Direito do Consumidor Há 26 anos surgia a Lei nº 8.078/90, que criou o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Uma medida abrangente que trata das relações de consumo em todas as esferas, garantindo direitos e exigindo uma nova postura das empresas com o consumidor. Em outras palavras, o CDC é um conjunto de normas que regulam as relações de consumo, protegendo o consumidor e colocando os órgãos e entidades de defesa do consumidor a seu serviço.
  • 6. Direito do Consumidor O CDC dispõe em seu título I (Dos Direitos do Consumidor) de uma espécie de "parte geral" contendo seus princípios gerais e os direitos básicos do consumidor. Além disso, contém as definições legais mais importantes da relação de consumo, ou seja, seus sujeitos (consumidor e fornecedor) e o objeto (produtos e serviços).
  • 7. Direito do Consumidor Foge aos parâmetros das normas tipificadoras (descritivas) de condutas, transferindo para o juiz a tarefa de elaborar a norma do caso concreto Trata-se de uma lei Principiológica porque sua estrutura é baseada em princípios e cláusulas gerais.
  • 8. Direito do Consumidor Violar um princípio é muito mais grave que violar uma norma, pois ofende o sistema de comandos. Foram propositadamente deixados indeterminados, imprecisos, de sentido vago. É o sistema das cláusulas gerais.
  • 9. Direito do Consumidor Princípios específicos do Direito do Consumidor Vunerabilidade Art.4º: A igualdade entre as partes é encontrada através de um tratamento desigual Pode ser fática, técnica ou jurídica. Boa-fé Valores éticos e determinados comportamentos que agora são impostos Transparência Ligado diretamente à boa-fé que surge da absoluta abertura de informações para não gerar falsas expectativas.
  • 10. Direito do Consumidor Da concepção individual, restrita a direitos civis e políticos, eles passam ao conceito coletivo ou grupal (criança e adolescente, consumidores idosos, torcedores), abarcando direitos sociais e difusos. As violações a esses direitos não ocorrem somente por atos do Estado ou de Particulares
  • 11. Direito do Consumidor A Carta Magna brasileira reconhece a proteção do consumidor como direito fundamental, no art. 5º, XXXII: "O Estado promoverá na forma da lei (...) a defesa do consumidor.” Igualmente a defesa do consumidor no tratamento da defesa da ordem econômica, como princípio constitucional no art. 170: A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos a existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: (...) V- defesa do consumidor.
  • 12. Direito do Consumidor Por isso, a caracterização do consumidor só poder sere feita tomando em conta um análise dinâmica da relação jurídica Ser consumidor, diferentemente, é um papel que se exerce em relação a um fornecedor. Os tradicionais protagonistas do direito civil detêm um status, ou seja, sempre carregam sua condição de forma estática.
  • 13. Direito do Consumidor Relação de consumo é a relação existente entre o consumidor e o fornecedor na compra e venda de um produto ou na prestação de um serviço. O CDC tutela as relações de consumo e sua abrangência está restrita às relações negociais, das quais participam, necessariamente, o consumidor e o fornecedor, transacionando produtos e serviços, excluindo destes últimos os gratuitos e os trabalhistas. Disto conclui-se que, para que seja amparada pelo Código de Defesa do Consumidor, a relação tem que possuir todos estes aspectos, isto é, uma relação de negócios que visa a transação de produtos e/ou serviços, feita entre um fornecedor e um consumidor. RELAÇÃO DE CONSUMO
  • 14. Direito do Consumidor Relação de consumo - "um vínculo que o direito reconhece entre pessoas ou grupos, atribuindo-lhes poderes e deveres. Representa uma situação em que duas ou mais pessoas se encontram, a respeito de bens ou interesses jurídicos” PRODUTO/ SERVIÇO CONSUMIDOR FORNECEDOR RELAÇÃO DE CONSUMO
  • 15. Direito do Consumidor ABRANGÊNCIA DA LEI Consumidor Fornecedor O consumidor é: Art.2º/CDC a) Toda pessoa física (pessoa humana). b) A pessoa jurídica (as empresas) que adquirem e utiliza produto ou serviço como destinatário final. O fornecedor é: Art. 3º/CDC a) A pessoa física; b) A pessoa jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira; c) O ente despersonalizado (sociedade de fato, empresa falida, camelô etc.). Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo. Parágrafo único do art. 2º.
  • 16. Direito do Consumidor É qualquer pessoa que compra um produto ou que contrata um serviço, para satisfazer suas necessidades pessoais ou familiares. Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo. CONSUMIDOR
  • 17. Direito do Consumidor Também é considerado consumidor as vítimas de acidentes causados por produtos defeituosos, mesmo que não os tenha adquirido (art. 17, CDC), bem ainda as pessoas expostas às práticas abusivas previstas no Código do Consumidor, como, por exemplo, publicidade enganosa ou abusiva (art. 29, CDC). Art. 17. Para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento Art. 29. Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam-se aos consumidores todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas. EQUIPARDADOS AO CONSUMIDOR
  • 18. Direito do Consumidor Quem são os consumidores? • Consumidor direto; • Consumidor que compra ou que usa; • Pessoa jurídica (empresa); • Pessoa que não é consumidora (revenda); • Vítima do acidente (envolvida (in)diretamente no acidente); • Pessoas expostas às práticas comerciais, mesmo não adquirido produto ou contratado algum serviço;
  • 19. Direito do Consumidor FORNECEDOR - art 3º Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços.
  • 20. Direito do Consumidor FORNECEDOR - art 3º Pessoa • física ou jurídica; • pública ou privada; • nacional ou estrangeira; • entes despersonalizados; Que desenvolve atividade de produção montagem, criação, construção, transformarão, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços.
  • 21. Direito do Consumidor Atividades de fornecedores 1.Transformação; 2. Importação, 3. Montagem; 4. Exportação 5. Construção 6. Criação; 7. Distribuição; 8. Comercialização. TIMEC_CDC Art. 3º/CDC. Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de (...).
  • 22. Direito do Consumidor PRODUTO (art. 3°, § 1°) Bem móvel ou imóvel, material ou imaterial SERVIÇO (art. 3° § 2°) Toda atividade fornecida no mercado, mediante remuneração Incluindo: natureza bancária, financeira, crédito, securitária. Excluindo: relações trabalhistas Súmulas do STJ: 297 (instituição financeira)
  • 23. Direito do Consumidor Art. 3º do CDC § 1° Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial. § 2° Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista.
  • 24. Direito do Consumidor O que é produto? Consumidor Produto Produto é qualquer bem colocado no mercado de consumo, móvel ou imóvel, material ou imaterial. - livros, jornais, revistas - Instrumentos musicais - Produtos de higiene doméstica - eletroeletrônicos - vestuário - Medicamentos Art. 3º. § 1º/CDC
  • 25. Direito do Consumidor É toda mercadoria colocada à venda no comércio e indústria: automóvel, roupa, casa, alimentos, etc; (E se for amostra grátis?) Os produtos podem ser de dois tipos: • Produto durável é aquele que não desaparece com o seu uso. Por exemplo, um carro, uma geladeira, uma casa... • Produto não durável é aquele que acaba logo após o uso: os alimentos, um sabonete, uma pasta de dentes... PRODUTO
  • 26. Direito do Consumidor O que é serviço ? Serviços são todos aqueles prestados no mercado de consumo. Obs. O CDC não se aplica a atividades gratuitas e às relações trabalhistas - Cartões de crédito - Bancários: Súmula 297/STJ - Dentista - ensino (escolas) - Convênio médico - Empreitada (construção) Consumidor Produto Art. 3º. § 2º/CDC
  • 27. Direito do Consumidor É tudo o que você paga para ser feito: corte de cabelo, conserto de carro, de eletrodoméstico, serviço bancário, serviço de seguros, serviços públicos... Assim como os produtos, os serviços podem ser duráveis e não duráveis. • Serviço durável é aquele que custa a desaparecer com o uso. A pintura ou construção de uma casa, uma prótese dentária, são produtos duráveis. • Serviço não durável é aquele que acaba depressa. A lavagem de uma roupa na lavanderia é um serviço não durável pois a roupa suja logo após o uso. Outros exemplos são os serviços de jardinagem e faxina, que precisam ser feitos constantemente. SERVIÇO
  • 28. Direito do Consumidor É todo aquele prestado pela administração pública. São os serviços de saúde, educação, transporte coletivo, água, luz, esgoto, limpeza pública, asfalto... O Governo estabelece as regras e controla esses serviços que são prestados para satisfazer as necessidades das pessoas. Os serviços públicos são prestados pelo próprio governo ou o governo contrata empresas particulares que prestam serviços. São obrigados a prestar serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos essenciais, contínuos. SERVIÇOS PÚBLICOS
  • 29. Direito do Consumidor Direitos básicos ao consumidor: Ser ouvido e consultado, Segurança, Informação Escolha
  • 30. Direito do Consumidor Art. 6º São direitos básicos do consumidor: I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos; II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações; III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem; III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem; (nova redação) IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços;
  • 31. Direito do Consumidor V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas; VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos; VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção Jurídica, administrativa e técnica aos necessitados; VIII - ? X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral. VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências; INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA Sempre em favor do consumidor!
  • 32. Direito do Consumidor ÔNUS DA PROVA • Ônus da prova pressupõe o processo judicial. • Inverter esse ônus é regra contida no CPC e CDC. A inversão não é automática. Avaliação imposta pelo Magistrado: 1. Informações verossímeis; 2. Hipossuficiência. HIPOSSUFICIÊNCIA VULNERABILIDADE Art. 4º. I do CDC Art. 6º.VIII do CDC
  • 33. Direito do Consumidor DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR, SEGUNDO O CDC Art. 6º, do Código de Defesa do Consumidor (CDC) 1. Proteção da vida e da saúde: Antes de comprar um produto ou utilizar um serviço você deve ser avisado, pelo fornecedor, dos possíveis riscos que podem oferecer à sua saúde ou segurança. 2. Educação para o consumo: Você tem o direito de receber orientação sobre o consumo adequado e correto dos produtos e serviços. 3. Liberdade de escolha de produtos e serviços: Você tem todo o direito de escolher o produto ou serviço que achar melhor.
  • 34. Direito do Consumidor DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR, SEGUNDO O CDC 4. Informação: Todo produto deve trazer informações claras sobre sua quantidade, peso, composição, preço, riscos que apresenta e sobre o modo de utilizá-lo. Antes de contratar um serviço você tem direito a todas as informações de que necessitar. 5. Proteção contra publicidade enganosa e abusiva: O consumidor tem o direito de exigir que tudo o que for anunciado seja cumprido. Se o que foi prometido no anúncio não for cumprido, o consumidor tem direito de cancelar o contrato e receber a devolução da quantia que havia pago. A publicidade enganosa e a abusiva são proibidas pelo Código de Defesa do Consumidor. São consideradas crime (art. 67, CDC).
  • 35. Direito do Consumidor DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR, SEGUNDO O CDC 6. Proteção contratual: Quando duas ou mais pessoas assinam um acordo ou um formulário com cláusulas pré-redigidas por uma delas, concluem um contrato, assumindo obrigações. O Código protege o consumidor quando as cláusulas do contrato não forem cumpridas ou quando forem prejudiciais ao consumidor. Neste caso, as cláusulas podem ser anuladas ou modificadas por um juiz. O contrato não obriga o consumidor caso este não tome conhecimento do que nele está escrito. 7. Indenização: Quando for prejudicado, o consumidor tem o direito de ser indenizado por quem lhe vendeu o produto ou lhe prestou o serviço, inclusive por danos morais.
  • 36. Direito do Consumidor DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR, SEGUNDO O CDC 8. Acesso à Justiça : O consumidor que tiver os seus direitos violados pode recorrer à Justiça e pedir ao juiz que determine ao fornecedor que eles sejam respeitados. 9. Facilitação da defesa dos seus direitos: O Código de Defesa do Consumidor facilitou a defesa dos direitos do consumidor, permitindo até mesmo que, em certos casos, seja invertido o ônus de provar os fatos. 10. Qualidade dos serviços públicos: Existem normas no Código de Defesa do Consumidor que asseguram a prestação de serviços públicos de qualidade, assim como o bom atendimento do consumidor pelos órgãos públicos ou empresas concessionárias desses serviços.
  • 37. Direito do Consumidor Diferenças entre o Direito Civil e o Direito do Consumidor 1) O Código Civil tutela o indivíduo e considera, em regra, plena igualdade entre eles 2) Possui apenas normas de direito material 3) Tem como pilar a igualdade entre as partes 4) Tipifica os contratos
  • 38. Direito do Consumidor Já o Direito do Consumidor… 1) Tutela os indivíduos, a coletividade e os interesses difusos 2) Possui normas de caráter civil, criminal, administrativa e processual tem como prerrogativa a vulnerabilidade do consumidor Não tipifica contratos (4).
  • 39. Direito do Consumidor Obrigatoriedade da informação verdadeira • O produto e serviço sem informação são considerados inadequados ou mesmo inexistentes. A informação é parte integrante do produto e do serviço. É inerente. INFORMAÇÃO VERDADEIRA PRODUTO/SERVIÇO
  • 40. Direito do Consumidor PRODUTOS PERIGOSOS Art. 8° Os produtos e serviços colocados no mercado de consumo não acarretarão riscos à saúde ou segurança dos consumidores, exceto os considerados normais e previsíveis em decorrência de sua natureza e fruição, obrigando-se os fornecedores, em qualquer hipótese, a dar as informações necessárias e adequadas a seu respeito. Parágrafo único. Em se tratando de produto industrial, ao fabricante cabe prestar as informações a que se refere este artigo, através de impressos apropriados que devam acompanhar o produto.
  • 42. Direito do Consumidor DEFEITO Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
  • 43. Direito do Consumidor Independentemente da existência de culpa  responsabilidade objetiva (risco) Danos causados aos consumidores  patrimonial e extrapatrimonial Defeitos  causem danos ao consumidor.
  • 44. Direito do Consumidor § 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: I - sua apresentação; II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi colocado em circulação. § 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido colocado no mercado. § 3° O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será responsabilizado quando provar: I - que não colocou o produto no mercado; II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste; III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.
  • 45. Direito do Consumidor Para pensar - HOTEL FORNECENDO PRODUTOS... Art. 13. O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo anterior, quando: I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser identificados; II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor, construtor ou importador; III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis. Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua participação na causação do evento danoso.
  • 46. Direito do Consumidor DEFEITO em SERVIÇOS Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. § 1° O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:
  • 47. Direito do Consumidor I - o modo de seu fornecimento; II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam; III - a época em que foi fornecido. § 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas. § 3° O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar: I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste; II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. § 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa.
  • 48. Direito do Consumidor § 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha: I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos; III - o abatimento proporcional do preço. § 2° Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do consumidor.
  • 49. Direito do Consumidor § 3° O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1° deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial. § 4° Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do § 1° deste artigo. § 5° No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante o consumidor o fornecedor imediato, exceto quando identificado claramente seu produtor.
  • 50. Direito do Consumidor § 6° São impróprios ao uso e consumo: I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos; II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas regulamentares de fabricação, distribuição ou apresentação; III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem inadequados ao fim a que se destinam.
  • 52. Direito do Consumidor DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração.
  • 53. Direito do Consumidor OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS • Toda informação oferecida por intermédio de publicidade ou veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação (outdoor, carta, mala direta, aviso etc.), integra automaticamente o contrato que porventura seja firmado entre fornecedor/prestador de produtos ou serviços. O CONTRATO PODE SER ESCRITO OU VERBAL 1. Anúncio enganoso; 2. Dados completos; 3. Língua portuguesa; 4. Identificação.
  • 54. Direito do Consumidor Publicidade Art. 30. Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.
  • 55. Direito do Consumidor Art. 31. A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores. Parágrafo único. As informações de que trata este artigo, nos produtos refrigerados oferecidos ao consumidor, serão gravadas de forma indelével. (Incluído pela Lei nº 11.989, de 2009)
  • 56. Direito do Consumidor PROPAGANDA ENGANOSA Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. § 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.
  • 57. Direito do Consumidor IMAGENS – P. Enganosa
  • 58. Direito do Consumidor PROPAGANDA ABUSIVA § 2° É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança.
  • 60. Direito do Consumidor Das Práticas Abusivas Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas: (Redação dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994) I - condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos; II - recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida de suas disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos e costumes; III - enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer qualquer serviço;
  • 61. Direito do Consumidor IV - prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde, conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus produtos ou serviços; V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva; VI - executar serviços sem a prévia elaboração de orçamento e autorização expressa do consumidor, ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores entre as partes; VII - repassar informação depreciativa, referente a ato praticado pelo consumidor no exercício de seus direitos;
  • 62. Direito do Consumidor VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro); IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais; (Redação dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994)
  • 63. Direito do Consumidor X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços. (Incluído pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994) XI - Dispositivo incluído pela MPV nº 1.890-67, de 22.10.1999, transformado em inciso XIII, quando da conversão na Lei nº 9.870, de 23.11.1999 XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de seu termo inicial a seu exclusivo critério.(Incluído pela Lei nº 9.008, de 21.3.1995) XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido. (Incluído pela Lei nº 9.870, de 23.11.1999) Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos remetidos ou entregues ao consumidor, na hipótese prevista no inciso III, equiparam-se às amostras grátis, inexistindo obrigação de pagamento.
  • 64. Direito do Consumidor Placas de supermercado (não nos responsabilizamos...)
  • 65. Direito do Consumidor Placas de supermercado (não nos responsabilizamos...) Apesar dessa placa informativa estar presente em quase todos os estacionamentos que deixamos nossos veículos, fique sabendo que eles são sim responsáveis por todos os objetos deixados no interior de seu carro, e caso aconteça algum furto você pode pedir ressarcimento para o estabelecimento onde o automóvel estava estacionado. Essa placa “informativa” é considerada uma cláusula abusiva, e portanto, nula, de acordo com o artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor, o CDC: Impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. A mesma responsabilidade estabelecida pelo CDC é atribuída aos estacionamentos gratuitos, oferecidos como cortesia por estabelecimentos comerciais (supermercados, lojas, etc). Da mesma forma, os serviços de manobristas, oferecidos em eventos, shows, bares e casas noturnas, conhecidos como valet service, também são responsáveis por qualquer dano. – CUIDADO COM OS EXAGEROS (JURISPRUDENCIA LIMITA)
  • 66. Direito do Consumidor O que fazer ? Depois de perceber que aconteceu o furto de um objeto dentro de seu veículo, você deve fazer um BO e, em seguida, mandar uma carta para o local onde o carro estava estacionado, pedindo a reparação dos danos. A reclamação deve ser feita por escrito, discriminando o valor dos prejuízos sofridos. É importante guardar o ticket ou qualquer outro papel que confirme que o carro foi estacionado no local. É bom também ter o controle dos horários de entrada e saída do estacionamento, para provar que seu automóvel ficou sob a responsabilidade da empresa durante determinado período, da ocorrência do dano. Caso a resposta da empresa seja negativa, você pode entrar na justiça com uma ação para pedir o ressarcimento dos objetos furtados. Placas de supermercado (não nos responsabilizamos...)
  • 67. Direito do Consumidor Cobrança de Dívidas Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. Art. 42-A. Em todos os documentos de cobrança de débitos apresentados ao consumidor, deverão constar o nome, o endereço e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço correspondente.
  • 68. Direito do Consumidor Contratos e Consumidores Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance. Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor.
  • 69. Direito do Consumidor PRAZOS Art. 26 Não duráveis – 30 dias Duráveis – 90 dias Art. 49 – 7 dias para arrependimento (arrependimento vale para produtos on-line, representantes, ou similares – não tem o produto em mãos para avaliar) PLS 281/12
  • 70. Direito do Consumidor PRAZOS DE TROCA / RECLAMAÇÃO BENS DURÁVEIS: 90 DIAS BENS NÃO-DURÁVEIS: 30 DIAS EXCEÇÃO: VÍCIO DE PRODUTO PRAZO P/ RESOLUÇÃO: 30 DIAS NO CASO DE VÍCIO, JURISPRUDÊNCIAS ENTENDEM QUE O PRAZO DE RECLAMAÇÃO SE DA A PARTIR DO FIM DA GARANTIA. (imediata se a substituição das partes com defeito puder comprometer as características do produto, diminuir-lhe o valor, ou quando se tratar de um “produto essencial” (como a geladeira, por exemplo))
  • 71. Direito do Consumidor PRODUTOS COMPRADOS IN LOCO
  • 72. Direito do Consumidor PRODUTOS ADQUIRIDOS PELA INTERNET OU CATÁLOGOS
  • 75. Direito do Consumidor DÚVIDAS FREQUENTES O QUE FAZER AO RECEBER UM CARTÃO NÃO SOLICITADO? SE APÓS 30 DIAS NÃO FOR CONSERTADO O PRODUTO? SE NA PORTA DA LOJA TOCAR O ALARME E EU ESTIVER COM A NOTA FISCAL DA COMPRA (não retirada do dispositivo acionador do sensor)
  • 76. Direito do Consumidor Cláusulas abusivas Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada, em situações justificáveis; II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos previstos neste código;
  • 77. Direito do Consumidor III - transfiram responsabilidades a terceiros; IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade; V - (Vetado); VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor; VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem; VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo consumidor; IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o consumidor;
  • 78. Direito do Consumidor X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral; XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao consumidor; XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem que igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor; XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato, após sua celebração; XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais; XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor;
  • 79. Direito do Consumidor XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias. § 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que: I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence; II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual; III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se a natureza e conteúdo do contrato, o interesse das partes e outras circunstâncias peculiares ao caso.
  • 80. Direito do Consumidor § 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato, exceto quando de sua ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer ônus excessivo a qualquer das partes. § 3° (Vetado). § 4° É facultado a qualquer consumidor ou entidade que o represente requerer ao Ministério Público que ajuíze a competente ação para ser declarada a nulidade de cláusula contratual que contrarie o disposto neste código ou de qualquer forma não assegure o justo equilíbrio entre direitos e obrigações das partes.
  • 81. Direito do Consumidor Alguns Casos 1) Aplicação do CDC no contrato de administração imobiliária É possível aplicar o CDC à relação entre proprietário de imóvel e a imobiliária contratada por ele para administrar o bem. Em outras palavras, a pessoa que contrata uma empresa administradora de imóveis pode ser considerada consumidora. STJ. 3ª Turma. Resp. 509.304-PR, Rel. Min. Villas Bôas Cueva, julgado em 16/5/2013 (Info 523). 2) Violação do dever de informação e reação alérgica causada pelo produto No caso em que consumidor tenha apresentado reação alérgica ocasionada pela utilização de sabão em pó, não apenas para a lavagem de roupas, mas também para a limpeza doméstica, o fornecedor do produto responderá pelos danos causados ao consumidor na hipótese em que conste, na embalagem do produto, apenas pequena e discreta anotação de que deve ser evitado o "contato prolongado com a pele" e que, "depois de utilizar" o produto, o usuário deve lavar e secar as mãos. STJ. 4ª Turma. REsp 1.358.615-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, j. em 2/5/2013 (Info 524).
  • 82. Direito do Consumidor 1 – Reputação da Empresa (ação preventiva) 2 – Antivirus e Firewall (cuidado com a responsabilidade exclusiva do consumidor) 3 – Compra deve ser feita com segurança do site (criptografia) (cadeado no navegador) 4 – Tenha referência real da loja virtual. 5 – Use cartão de crédito 6 – Verifique questões relacionadas a devolução. Atente-se aos prazos de devolução
  • 86. Direito do Consumidor COUVERT ARTÍSTICO ( art. 6 ,III, e art. 31 do CDC ) Os estabelecimentos só poderão cobrar couvert artístico por terem música ou qualquer outra atração artística, se mantiverem contrato regular de prestação de serviço com o músico e/ou artistas, e preverem para cada quatro horas de funcionamento, apresentação artístico-musical contínuo ou intercalada por sessenta minutos no mínimo. Deverão constar no cardápio o valor cobrado e os dias e horários da apresentação.
  • 87. Direito do Consumidor TAXA DE SERVIÇO (10%)
  • 88. Direito do Consumidor TAXA DE SERVIÇO (10%) Vale lembrar que o pagamento da taxa de serviço não é obrigatório e deve partir da vontade do próprio consumidor. os artigos 39 e 51 do código de defesa do Consumidor, deixam claro que os proprietários dos estabelecimentos não podem transferir aos clientes a responsabilidade pelo pagamento dos funcionários que fazem o atendimento. Por isso, recomendamos que consumidor só pague se quiser e se achar que foi bem atendido. “Se o cliente se recusar a pagar, ninguém vai obrigá-lo. Mas caso se sinta constrangido ele pode até pagar, exigindo nota fiscal descriminada dos valores, e depois procurar o Procon”
  • 89. Direito do Consumidor CARTEIRA DE ESTUDANTE Lei 12933 de 2013 Regras que garantem a meia entrada para o Estudante é de nível nacional Necessidade de identificação Verificar com cuidado os detalhes.
  • 91. Direito do Consumidor ALIMENTOS NO CINEMA O Cinema não pode proibir os consumidores de levar pipoca e outros alimentos de casa para assistir os filmes nos cinemas de qualquer rede. Para o Superior Tribunal de Justiça, proibir a entrada no cinema com alimentos comprados fora do Cinemar é venda casada e, portanto, PRÁTICA ABUSIVA. A decisão foi reafirmada na quinta-feira (1/3) pela 1ª Turma do STJ e vale, por enquanto, para o estado do Rio de Janeiro. Mas consumidores de outros estados também podem se sentir convidados para recorrer à Justiça se forem impedidos de entrar nas salas com alimentos comprados fora do cinema.
  • 92. Direito do Consumidor BEBIDAS ALCOÓLICAS (13º GL) & CIGARROS
  • 93. Direito do Consumidor CIGARROS DECRETO Nº 8.262, DE 31 DE MAIO DE 2014 LEI Nº 10.167, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2000 Altera dispositivos da Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996, que dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígenos, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas. "Art. 3º - A Quanto aos produtos referidos no art. 2º desta Lei, são proibidos: I - a venda por via postal; II - a distribuição de qualquer tipo de amostra ou brinde; III - a propaganda por meio eletrônico, inclusive internet; IV - a realização de visita promocional ou distribuição gratuita em estabelecimento de ensino ou local público; V - o patrocínio de atividade cultural ou esportiva; VI - a propaganda fixa ou móvel em estádio, pista, palco ou local similar; VII - a propaganda indireta contratada, também denominada merchandising , nos programas produzidos no País após a publicação desta Lei, em qualquer horário; VIII - a comercialização em estabelecimento de ensino e de saúde. Parágrafo único. no caso de eventos esportivos internacionais e culturais, desde que o patrocinador seja identificado apenas com a marca do produto ou fabricantes, sem recomendação de consumo."
  • 94. Direito do Consumidor OUTRAS INFORMAÇÕES - BEBIDAS• HORÁRIO: 21:00 as 06:00 • GRADUAÇÃO ALCOÓLICA: 13º GL • FIGURANTES/G.PROPAGANDA: 25 anos • EXCEÇÃO: LOCUÇÃO RÁPIDA OU SLOGANS. • Decisão recente 2015 liberou para bebidas leves seguindo as demais orientações de restrições de propagandas
  • 95. Direito do Consumidor OUTRAS INFORMAÇÕES - BEBIDAS • "EVITE O CONSUMO EXCESSIVO DE ÁLCOOL" • "BEBA COM MODERAÇÃO" • "APRECIE COM MODERAÇÃO“ • "SE BEBER NÃO DIRIJA” • “ESTE PRODUTO É DESTINADO A ADULTOS” • “BEBA SEM EXAGEROS” • “BEBA COM RESPONSABILIDADE”
  • 96. Direito do Consumidor FURTO DE OBJETOS PESSOAIS NO SHOPPING • Só se pode responsabilizar a empresa se provada culpa sua, exclusiva ou concorrente. Entender de outro modo, seria atentar contra o princípio da razoabilidade. Diferente é a situação de veículos e seus equipamentos deixados nos estacionamentos. Aí, a guarda se transfere, inteiramente, à responsabilidade do
  • 97. Direito do Consumidor PUBLICIDADE PROIBIDAÉ vedada a promoção comercial de fórmulas infantis para lactentes, fórmulas infantis de seguimento para lactente, fórmula de nutrientes apresentada e ou indicada para recém- nascido de alto risco, mamadeiras, bicos, chupetas (Artigo 4º, da Lei 11.265/2006) ou protetores de mamilo (RDC nº 221/01, 6.2), em quaisquer meio de comunicação incluindo merchandising, divulgação por meios eletrônicos, escritos, auditivos e visuais, estratégias promocionais para induzir vendas ao consumidor no varejo, tais como exposições especiais, cupons de desconto ou preço abaixo do custo, prêmios, brindes, vendas vinculadas a outros produtos e apresentações especiais? (Anexo da Resolução no 222,item 4.1, 221, item6.3, anexo da Port. 2051, art. 4º)
  • 98. Direito do Consumidor PUBLICIDADE PROIBIDA Os rótulos desses produtos exibirão no painel principal, de forma legível e de fácil visualização, conforme disposto em regulamento, o seguinte destaque: "O Ministério da Saúde adverte: Este produto só deve ser usado na alimentação de crianças menores de 1 (um) ano de idade, com indicação expressa de médico ou nutricionista. O aleitamento materno evita infecções e alergias e fortalece o vínculo mãe- filho".
  • 99. Direito do Consumidor PUBLICIDADE MONITORADA A promoção comercial de fórmulas infantis de seguimento para crianças de primeira infância e leites fluídos, leites em pó, leites em pó modificados e os similares de de origem vegetal, apresenta com destaque a seguinte informação visual ou auditiva, de acordo com o meio de comunicação: “O Ministério da Saúde informa : O aleitamento materno evita infecções e alergias e é recomendado até os dois anos de idade ou mais.”? (Lei 11.2365/2006, art. 5º, I)
  • 100. Direito do Consumidor PUBLICIDADE MONITORADA A promoção comercial de alimentos de transição e alimentos à base de cereais indicados para lactentes e ou crianças de primeira infância, bem como outros alimentos ou bebidas à base de leite ou não quando comercializados ou de outra forma apresentados como apropriados para a alimentação de lactentes e crianças de primeira infância apresenta com destaque a seguinte informação visual ou auditiva, de acordo com o meio de comunicação: “O Ministério da Saúde informa: Após os seis meses de idade continue amamentando seu filho e ofereça novos alimentos.” (Lei 11.265/2006, art. 5º, I)
  • 102. Direito do Consumidor CONSUMAÇÃO MÍNIMA Segundo o Código de Defesa do Consumidor (CDC), é proibido ao fornecedor impor limites de consumo aos clientes. A cobrança de consumação mínima é, assim, uma prática abusiva, pois consiste em venda casada. Os estabelecimentos podem, entretanto, cobrar pela entrada e pelo que foi consumido.
  • 103. Direito do Consumidor FIM DA PROPAGANDA AO LIGAR PARA EMPRESA As empresas estão impedidas de veicular publicidade ao consumidor quando é ele que faz uma ligação paga para contatar o fornecedor e fica aguardando no telefone para o atendimento. É o que determina a lei 11.800, de 29 de outubro de 2008, publicada na edição do dia 30, no Diário Oficial da União.