17.ago topázio 14.00_285_elektro

61 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

17.ago topázio 14.00_285_elektro

  1. 1. Estrutura Vertical da Tarifa de Uso dos Sistemas de Distribuição de Energia: Uma Proposta Alternativa
  2. 2. Conteúdo <ul><li>Introdução: a estrutura tarifária da TUSD </li></ul><ul><li>Análise crítica da metodologia atual: principais problemas encontrados </li></ul><ul><li>Uma proposta alternativa para a estrutura vertical </li></ul>
  3. 3. Estrutura Tarifária Definição: conjunto de tarifas e regras aplicadas ao faturamento do mercado de distribuição de energia. Mercado Tarifas Receita X = Introdução
  4. 4. Estrutura Vertical : rateio das receitas entre os níveis de tensão. Estrutura Horizontal : sinalizações de Ponta e Fora Ponta e Modalidades Tarifárias. Introdução
  5. 5. Introdução <ul><li>A atual metodologia de estrutura tarifária da TUSD é originária do convênio EDF – DNAEE/MME. Baseia-se em: </li></ul><ul><ul><li>Representação simplificada da rede </li></ul></ul><ul><ul><li>Representação de consumidores e redes por “tipologias” </li></ul></ul><ul><ul><li>Associação probabilística entre consumidores e redes </li></ul></ul><ul><ul><li>Cálculo de responsabilidades de “consumidores-tipo” para a determinação da tarifa </li></ul></ul>
  6. 6. Estrutura de custos por nível Uso das redes do sistema Comportamento dos clientes nos instantes de ponta Custos Marginais de Expansão Diagrama de fluxo simplificado Caracterização da Carga Define a estrutura de fatiamento da receita requerida (Parcelas estruturadas pelo Custo Marginal) Estrutura Vertical
  7. 7. Análise da atual metodologia <ul><li>Os resultados do P&D apontaram problemas: </li></ul><ul><li>No conceito do custo marginal do cliente: </li></ul><ul><ul><li>Representatividade de “consumidores-tipo” e “redes-tipo”: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Devido à fragmentação da amostra, há perda de representatividade estatística </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>As probabilidade de associação: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Devido ao grande número de variáveis, o resultado é estatisticamente não significativo </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>A construção de modalidades tarifárias: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Não há evidências, empíricas ou teóricas, da variação dos custos do fio com o fator de carga </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Análise da atual metodologia <ul><li>Os resultados do P&D apontaram problemas: </li></ul><ul><li>Nos sinais da estrutura horizontal: </li></ul><ul><ul><li>A atual metodologia considera a relação ponta/fora-ponta como resultado da relação entre o número de pontas em ambos os períodos. Como muitos consumidores modulam sua carga no horário da ponta, a relação “p/fp” se inverte, contrariando a teoria econômica. </li></ul></ul><ul><ul><li>A relação deveria considerar os custos marginais de longo e curto prazo. </li></ul></ul>
  9. 9. Estrutura Vertical Uma proposta simplificadora Custos Marginais Isolados (Custos Médios) Campanha de Medidas Curvas Médias Amostrais por tarifa Perdas de Energia Diagrama de Energia: Módulo 7 - Prodist Custos Marginais Compostos (PLANILHA) Estrutura Vertical
  10. 10. Estrutura Vertical <ul><li>O uso do diagrama de fluxo de energia: </li></ul><ul><ul><li>Hipótese plausível: os custos marginais compostos (cascata) são supridos na mesma proporção do fluxo da demanda média (ou da energia) </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilidade em obter dados </li></ul></ul><ul><ul><li>Consideração do mesmo diagrama utilizado no cálculo das perdas técnicas </li></ul></ul><ul><ul><li>As perdas técnicas e não técnicas são intrinsecamente consideradas, em energia </li></ul></ul>
  11. 11. Estrutura Vertical <ul><li>A caracterização da carga proposta: </li></ul><ul><ul><li>Utilização de curvas médias amostrais: uma curva média para cada tarifa projetada, com erro amostral garantido: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Simplificação e consistência: as curvas são estatisticamente representativas </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Novas tarifas devem ser consideradas a priori, antes da campanha de medidas </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Eliminação da classificação das curvas em tipologias </li></ul></ul></ul></ul>
  12. 12. Estrutura Vertical O conceito: quanto custa para atender 1kW incremental em cada nível de tensão? A2 A4 BT Incremento marginal de 1 kW médio $ $ $
  13. 13. Custos marginais compostos A quantificação das relações da estrutura vertical Perdas Técnicas
  14. 14. Perdas Técnicas Definição algébrica: O índice de proporção de fluxo
  15. 15. Perdas Técnicas Definição algébrica: O índice de técnico de atendimento
  16. 16. Algebricamente Os custos marginais compostos
  17. 17. Simulações Considerando os Custos Marginais Isolados utilizados no 2º ciclo de revisões tarifárias
  18. 18. Resultados Empresa 1
  19. 19. Resultados Empresa 2
  20. 20. Resultados Empresa 3
  21. 21. Obrigado! Av. Paulista, 1776 – cj 22B www.daimon.com.br  (11) 3266 2929 ESPECIALISTAS NO SETOR ELÉTRICO

×