O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Educação e Ciência Aberta

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Creative commons
Creative commons
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 50 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Semelhante a Educação e Ciência Aberta (20)

Anúncio

Mais de Universidade Estadual de Maringá (16)

Mais recentes (20)

Anúncio

Educação e Ciência Aberta

  1. 1. Educação e Ciência Aberta Itana M. S. Gimenes (UEM) I Seminário de Gestão do Conhecimento Unicesumar
  2. 2. Agenda • O Movimento de Educação Aberta • Recursos Educacionais Abertos (REA) • Massive Open Online Course (MOOC) • O movimento de Ciência Aberta • Periódicos Abertos versusTradicionais • Sustentabilidade 2
  3. 3. Os movimentos de acesso aberto Educação a distância Educação aberta Recursos Educacionais Abertos (REA) MOOCS Tecnologia Web 2.0 3 Ciência Aberta Acesso Aberto Software Livre
  4. 4. A Educação Aberta
  5. 5. O Termo Educação “Aberta” • Do ponto de vista da Open University (UK), o termo “Aberta” é parte integrante de sua missão, mas significa também a não existência de requisitos de ingresso para o aluno. • No caso do Brasil (Santos, 2012), o termo “Aberta”, em Universidade Aberta do Brasil, se refere ao acesso gratuito à educação por meio da rede pública de educação a distância. 4 “Se o professor não compartilhar o que ela ou ele sabe, a educação não acontece” (Wiley,2010).
  6. 6. Educação Aberta Contemporânea • Aquela que incorpora os novos recursos tecnológicos para oferecer uma educação: • alternativa, flexível, colaborativa • sem as restrições do ensino tradicional • valoriza a aprendizagem autônoma, • rompe as barreiras geográficas e • forma comunidades virtuais de aprendizagem (Aprendizagem por pares). 5
  7. 7. 6 Disponibilidade para se doar e compartilhar Materiais educacionais vem sendo produzidos por meio de livros ou artigos que são comercializados http://gowers.wordpress.com/2012/01/21/elsevier- my-part-in-its-downfall/ Sobrecarga de trabalho Desafios
  8. 8. Cenário da Educação Aberta – Web 2.0 8
  9. 9. Recursos Educacionais Abertos (REA) • materiais de ensino, aprendizagem e pesquisa, em qualquer meio de armazenamento, que estão amplamente disponíveis para a comunidade por meio de uma licença aberta que permite reuso, readequação e redistribuição para outros sem restrições ou com restrições limitadas (Atkins, 2007) (Butcher, 2011). 11
  10. 10. Exemplos de REA 12
  11. 11. Aspectos envolvidos • Social – doação • Localização • Adaptação • Dificuldades de “pay and collect” • Granularidade • Formação de comunidades inspirado em software livre. 14 REA
  12. 12. Os 4 Rs • Reusar • Revisar • Remixar • Redistribuir 15
  13. 13. Reusar • O direito de usar o conteúdo em sua forma original ou modificada (ex. fazer uma cópia). 16 Cambridge, UK Reproduzir
  14. 14. Revisar • O direito de adaptar, ajustar, modificar, ou alterar o próprio conteúdo (ex. traduzir o conteúdo para outra língua). 17 Traduzir e Reproduzir Adicionar ilustrações, exemplos e Reproduzir
  15. 15. Remixar • Remixar: o direito de combinar o original ou o revisado com outro conteúdo para criar algo novo (ex. incorporar o conteúdo em um mash up). 18 Grady Booch: "The Promise, the Limits, the Beauty of Software”, http://www.youtube.com/watch?v=adiVOdztQ34
  16. 16. Redistribuir • O direito de compartilhar cópias do conteúdo original, das revisões ou mixagens com outros (ex. dar uma cópia do conteúdo para um amigo). 19
  17. 17. Licenças JAI 01 32 Organização sem fins lucrativos que foi fundada em 2001 por Larry Lessig da Stanford University
  18. 18. Licenças Creative Commons (CC) • O objetivo é oferecer licenças abertas e de fácil compreensão ao público em geral para o licenciamento de recursos digitais. • As licenças CC, evitam a aplicação na íntegra das restrições de copyright (o tradicional “todos os direitos reservados”), que por lei se aplicam automaticamente a um recurso, seja ele um vídeo, um conjunto de slides, um texto ou uma página Web. • É importante destacar que o uso de licenças abertas não implica no abandono do conceito de copyright. • As licenças se baseiam nas leis de copyright, porém as usam de forma criativa buscando articular um discurso mais positivo em vez de negativo (Liang, 2005). • As leis de copyright tradicionais dão mais foco nas restrições, as licenças abertas focam nas permissões. 33
  19. 19. Licenças Creative Commons (CC) • As licenças CC são expressas em três “camadas”: • (1) Código Legal (Legal code) - é a versão completa da licença e que serve de ferramenta jurídica. • (2) Licença Simplificada (Commons deed) - é uma versão da licença que resume os seus pontos chaves, fazendo uso de ícones gráficos, sendo assim mais legível a usuários leigos. • (3) Código Digital (Digital Code) - é uma versão da licença que pode ser automaticamente interpretada. JAI 01 36
  20. 20. Attribution (Atribuição) JAI 01 37 Permite que outros: 1)Reusem, 2)Revisem, 3)Remixem e 4)Redistribuam o recurso licenciado, inclusive para uso comercial, desde que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito. CC BY Menos restritiva
  21. 21. Attribution Share Alike (Atribuição Compartilha Igual) Permite que outros: 1)Reusem, 2)Revisem, 3)Remixem e 4)Redistribuam o recurso licenciado, inclusive para uso comercial, desde que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito e que novos recursos que sejam derivações do recurso original sejam licenciados sob a mesma licença. CC BY-SA Comparada às licenças para software livre e de código aberto
  22. 22. Attribution No Derivatives (Atribuição sem Derivados) Permite que outros: 1)Reusem, e 2)Redistribuam o recurso licenciado, para uso comercial e não comercial, desde que a obra permaneça inalterada e que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito. CC BY-ND Obra Permanece Igual
  23. 23. Attribution Non-Commercial (Atribuição Não-Comercial) Permite que outros: 1) Reusem, 2) Revisem, 3) Remixem e 4) Redistribuam o recurso licenciado desde que para fins não comerciais e que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito. Entretanto, novos recursos que sejam derivações do recurso original não precisam ser licenciados sob a mesma licença. CC BY-NC Novos recursos não precisam seguir a mesma licença
  24. 24. Attribution Non-Commercial Share Alike (Atribuição Não-Comercial Compartilha Igual) Permite que outros: 1) Reusem, 2) Revisem, 3) Remixem e 4) Redistribuam o recurso licenciado desde que para fins não comerciais, que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito e que novos recursos que sejam derivações do recurso original sejam licenciados sob a mesma licença. CC BY-NC-SA Novos recursos seguem a mesma licença
  25. 25. Attribution Non-Commercial No Derivatives (Atribuição Não Comercial sem Derivados) Permite que outros: 1) Reusem, e 2) Redistribuam o recurso licenciado, desde que para fins não comerciais, que a obra permaneça inalterada e que o crédito pela criação original seja dado ao autor de direito. CC BY-NC-ND Mais restritiva
  26. 26. 24 Lançada em 2003
  27. 27. JAI 01
  28. 28. Repositórios REAs brasileiros 63 Uma outra dificuldade, nenhum mecanismo de busca por REAs indexou os repositórios REAs brasileiros. Alguns repositórios REAs, por exemplo: •Banco internacional de objetos educacionais •Biblioteca digital de ciência Banco Internacional de Objetos Educacionais Biblioteca Digital de Ciências
  29. 29. Lançado em 27/09/2016
  30. 30. Massive Open Online Courses MOOC
  31. 31. MOOC – termo cunhado em 2008 • Um MOOC é um curso realizado a distância, acessível pela Internet, projetado para uma grande quantidade de participantes, com a opção de inscrição aberta e livre e um currículo compartilhado publicamente. • Os MOOC podem utilizar-se de REA e ser também licenciados como um REA, assim oferecendo os mesmos termos de abertura.
  32. 32. MOOC cMOOC: constitui a primeira geração de MOOC, iniciada em 2008; possui foco na criação e geração de conhecimento; criatividade, autonomia e as atividades compartilhadas e colaborativas são incentivadas, enriquecendo o conteúdo do curso; não existe uma relação bem definida entre professores e alunos; os cursos baseiam- se na aprendizagem social e colaborativa, por meio da utilização dos recursos da Web 2.0. xMOOC: constitui a segunda geração de MOOC, iniciada em 2012; baseia-se em um formato mais tradicional, com conteúdo estruturado fixo, apoiado por fóruns de discussão centralizados e automatizados por métodos de avaliação para a obtenção de certificados e créditos formais; os alunos aprendem por meio de apresentações de pequenos vídeos e testes; existe a relação de um professor para muitos alunos; o aprendizado ocorre de forma mais individualizada devido ao uso de plataformas similares às dos Sistemas de Gestão de Aprendizagem. .
  33. 33. Recursos de Apoio aos MOOC
  34. 34. MOOC • aprendizagem complementar aos cursos formais; • Formação profissional e continuada; “A pior coisa a fazer é ignorá-los” (M. Weller, 2013)
  35. 35. Ciência Aberta
  36. 36. Ciência Aberta • Pesquisa reproduzível • artigos • dados utilizados para realização dos experimentos; • Financiamento das pesquisas • Financiamento público – publicações deveriam ser abertas para o público http://gowers.wordpress.com/2012/01/21/elsevier-my-part- in-its-downfall/
  37. 37. Modelo Tradicional • Pesquisadores submetem artigos • Ex. JSS Journal of Software and Systems publicado pela Elsevier; • Corpo editorial – formado por pesquisadores das Universidades ou Centros de pesquisa; • Revisão por pares – os pares são pesquisadores das Universidades • As Universidades/CAPES fazem assinatura dos periódicos.
  38. 38. Modelo de publicações abertas • Green open access – artigos são publicados em repositórios, ex. European Open Science Cloud; • Gold open access – artigos publicados em Open access journals • Periódicos começam a exigir que os dados dos experimentos sejam submetidos junto com o artigo ou fiquem disponíveis em locais acessíveis de modo que a pesquisa possa ser reproduzida.
  39. 39. Open Access Journals • Pioneiro BioMed Central, Reino Unido • Da mesma forma que os tradicionais eles possuem corpo editorial e processo de avaliação por pares; • Os artigos ficam disponíveis para acesso ao público; • Os autores ou fundos de financiamento pagam pela publicação (author pay).
  40. 40. JSERD • Publicado pela Springer Open • Autores pagam a Article Processing Charge (APC) • Financiado pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC) com 24 artigos por ano • APC é £695/$1085/€885 • Corpo editorial internacional liderado pela SBC • Revisão por pares – internacional mas com maioria de membros da SBC • Tempo estimado de publicação 180 dias
  41. 41. Vantagens e problemas com Acesso Aberto  Há um forte movimento contra as altas taxas de assinatura cobradas pelas editoras; o A maioria dos Open Access Journals (OAJ) são jovens e demoram a ganhar reputação;  Se OAJ tiver corpo editorial, revisão por pares e reputação na área a qualidade é a mesma de journals tradicionais;  As Universidades ou Sociedades tem criados fundos de financiamento para os autores;
  42. 42. Vantagens e problemas com Acesso Aberto  Tem sido dado direito ao autor de publicar os artigos em uma versão preliminar em repositórios - green access;  É esperado um crescimento dos OAJ - David Lewis argues that by the year 2025 ninety percent of all scholarly journal articles will be published in gold OA journals (2012).  Os autores se beneficiam da ampla disseminação dos artigos
  43. 43. A survey made with 21,377 researchers worldwide indicates that the acceptance of OA publications is increasing rapidly among researchers1. The Nature Publishing Group (NPG) and its associate publisher Palgrave Macmillan held annually the Authors Insights Survey2, which aims to periodically assess the attitude and behavior of authors regarding scientific publication. This year’s survey polled 18,354 (86%) authors in the fields of science, technology and medicine (STM) and 3,023 (14%) authors in the fields of social sciences and humanities (CSH) “In fact, in 2015, 56% of the research NPG publishes is open access at the point of publication, and we have moved to CC BY as default.
  44. 44. Sustentabilidade • A sustentabilidade de iniciativas de REAs (Downes, 2007) inclui as questões de qualidade, custos de produção, escala e lucros gerados, do ponto de vista do produtor.
  45. 45. Sustentabilidade • Sinergia entre Instituições tradicionais e Educação aberta • Ex. Lane (2012) cita entre os efeitos positivos de REAs o fato do pessoal de apoio da OU utilizar o OpenLearn como fonte de informação, mesmo sem serem treinados para tal. • A busca de REAs, por alunos faz com que as universidades que mantêm conteúdos de boa qualidade estejam mais em evidência e como consequência atraiam alunos.
  46. 46. Sustentabilidade • MOOC buscam formas de financiamento por cobrança de certificação, assistencia paga por contratos empresariais.
  47. 47. Referências • Gimenes, I. M. S, Barroca, L. Feltrim,V. D., “Tendências em Educação a Distância e Educação Aberta”,VII Jornadas de Atualização em Informática, CSBC 2012, Curitiba-PR. Pags 3-45. http://www.lbd.dcc.ufmg.br/bdbcomp/servlet/Evento?id= 446. • Gimenes, I.M.S. (Organizadora), Educação e Ciência Aberta, Revista Computação Brasil,Vol. 22, 2013. http://www.sbc.org.br/downloads/CB2013/computacao2 2_jul_2013.pdf ou por meio do App Computação Brasil na Applestore ou para Android.
  48. 48. Links Interessantes http://oer.kmi.open.ac.uk/ http://www.wsis- community.org/pg/bookmarks/owner/group:14358 http://www.icoper.org/results/open-content-space http://www.olcos.org/english/home/index.htm http://wikieducator.org/ http://learn.openscout.net

×